SlideShare uma empresa Scribd logo
 Programa de Agentes
Comunitários de Saúde
(PACS)
 redução das Mortalidades
infantil e materna
 Regiões Norte e Nordeste
 Extensão de cobertura dos
serviços de saúde
 Áreas pobres e desvalidas.
 Regulamentação
 Documento Brasil
 Novo modelo de Atenção
Primária
 dos problemas de
saúde.
PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA
EQUIPE MULTIPROFISSIONAL RESPONSÁVEL POR ,
NO MÁXIMO, 4000 HABITANTES (MÉDIA DE 3000);
EQUIPE COMPOSTA , MINIMAMENTE, POR MÉDICO,
ENFERMEIRO AUXILIAR (OUTÉCNICO) DE
ENFERMAGEM E AGENTES COMUNITÁRIOS DE
SAÚDE;
CARGA HORÁRIA – 40 HORAS SEMANAIS
Para monitorar o trabalho realizado e as atividades previstas:
MÓDULO 1 – Registro de atividades, procedimentos e notificações;
Esses dados indicam para a equipe se a prevenção e promoção de saúde
estão tendo bons resultados;
Informação disponível em tempo oportuno = tomada de decisões para o
enfrentamento imediato dos problemas identificados.
MÓDULO 2 - Acompanhamento de grupos de risco;
A consolidação desses dados permite o cálculo de indicadores de saúde e
seu acompanhamento ao longo do tempo.
 FINALIDADE
Apoiar a da Estratégia Saúde da
Família na rede de serviços e ampliar a
abrangência e o escopo das ações da
Atenção Primária bem como sua
, além dos processos de
territorialização e regionalização
Cinco profissionais com formação universitária (mínimo) ;
Oito (mínimo) e vinte (máximo) equipes de SF;
Exceto Região Norte ( mínimo cinco).
Nutricionista Profissional da educação física Psicólogos
Terapeuta ocupacional Assistente Social Médico homeopata
Farmacêutico Médico acupunturista Fisioterapeuta
Médico pediatra Fonoaudiólogo Médico psiquiatra
Médicos ginecologista
;
Três profissionais com formação universitária (mínimo) ;
Três (mínimo) equipes de SF;
Psicólogo Assistente social Fonoaudiólogo
Terapeuta ocupacional Profissional da educação física Nutricionista
Farmacêutico Fisioterapeuta Médico homeopata
Quatro(mínimo) e sete(máximo) equipes de SF
PRINCIPAIS RESPONSABILIDADESATRIBUÍDASAOS PROFISSIONAISQUE
COMPÕEM O NASF
PRINCIPAIS RESPONSABILIDADESATRIBUÍDASAOS PROFISSIONAISQUE
COMPÕEM O NASF
PRINCIPAIS RESPONSABILIDADESATRIBUÍDASAOS PROFISSIONAISQUE
COMPÕEM O NASF
FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO NASF EM SUA ORGANIZAÇÃO
FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO NASF EM SUA ORGANIZAÇÃO
 BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a
reorientação do modelo assistencial. Brasília, DF, 1997c.
 ________.Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica /
Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento
de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
 ________.Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola / Ministério da
Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção
Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009b.
 ________.Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.
Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância
epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em
Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – 7. ed. – Brasília:
Ministério da Saúde, 2009a.
 ________.Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde (SUS):
princípios e conquistas. Secretaria Executiva – Brasília: Ministério da
Saúde, 2000.
 ________;COSTA, E.A. Vigilância da saúde e vigilância sanitária:
concepções, estratégias e práticas. Texto preliminar elaborado para
debate no 20° Seminário Temático da Agência Nacional de Vigilância
Sanitária. Brasília, 2003. (Cooperação Técnica ISC/Anvisa).
 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde.
Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma
estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília.
Ministério da Saúde, 1997a.
 CAMPOS, F.E.; BELISÁRIO, S.A. O programa de saúde da família e os
desafios para a formação profissional e a educação continuada. In:
Interlace Comunicação, Saúde, Educação. Fundação UNI
Botucatu/Unesp,v.5, n.9, São Paulo, 2001 (p. 133-141).
 CAMPOS, G.W.S.; GUERRERO, A.V.P. (orgs.). Manual de práticas de
atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: Aderaldo &
Rothschild, 2010.
 COIMBRA, V.C.C.; OLIVEIRA, M.M.; VILA, T.C.S.; ALMEIDA, M.C.P. A
atenção em saúde mental na estratégia da saúde da família. Revista
eletrônica de Enfermagem, V07, p. 113-117, 2005.
 COSTA, E.; CARBONE, M. Saúde da família: uma abordagem
multidisciplinar. Rio de Janeiro: Editora Rubio, 2009.
 DA ROS, MA Políticas Públicas de Saúde no Brasil. In:. BAGRICHEVSKI,
M. (Org.) Saúde em debate na Educação Física. Blumenau: Nova Letra,
2006. p.44-66.
 FIGUEIREDO, E. N.: Estratégia Saúde da Família e Núcleo de Apoio à
Saúde da Família: diretrizes e fundamentos. Módulo Político Gestor.
Especialização em saúde da família. UMA-SUS/UNIFESP. Disponível em
http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/2/unidades_conteud
os/unidade05/unidade05.pdf. Acesso em 29/05/13.
 LOURENÇÃO L.G. ; Soler, Z. A.S.G.: Implantação do Programa Saúde da
Família no Brasil. Arq Ciênc Saúde 2004 jul-set;11(3):158-62
 ROCHA, S.M.M.; ALMEIDA, M.C.P. O processo de trabalho da
enfermagem em saúde coletiva e a interdisciplinaridade. Rev. latino-
am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 6, p. 96-101, dezembro 2000.
 RONCOLLETA, AFT et al. Principios da Medicina de Família . São Paulo:
Sombramfa de 2003.
 ROSAWAG, LABATE RC. Programa Saúde
da Família: a construção de um novo
modelo de assistência. Ver Latino-am
Enfermagem 2005 novembro-dezembro
13(6):1027-34.
 SANTANA, M.L.; CARMAGNANI, M.I.
Programa Saúde da Família no Brasil: um
enfoque sobre seus pressupostos básicos,
operacionalização e vantagens. Saúde e
Sociedade, v.10, n.1:33-53, jan./jul. 2001.
 STARFIELD, B. Atenção primária:
equilíbrio entre necessidades de saúde,
serviços e tecnologia. Brasília, DF: Unesco:
Ministério da Saúde, 2002.
 TEIXEIRA,C.F.; PAIM, J.S.;VILASBOAS,
A.L. SUS: modelos assistenciais e
vigilância da saúde. Informe
Epidemiológico do SUS,VII(2): 7-28, 1998.
 TEIXEIRA,C.F.; PAIM, J.S.;VILASBOAS,
A.L. SUS: modelos assistenciais e
vigilância da saúde. Informe
Epidemiológico do SUS,VII(2): 7-28, 1998.
Estratégia saúde da família

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Mateus Clemente
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
jorge luiz dos santos de souza
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
Jorge Samuel Lima
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
Valdirene1977
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
Bianca Lazarini Forreque Poli
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
Shirley Afonso
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
Jorge Samuel Lima
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula de sus
Aula de susAula de sus
Aula de sus
Regina de Oliveira
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
joselene beatriz
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
Karen Lira
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Centro Universitário Ages
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 

Mais procurados (20)

Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula de sus
Aula de susAula de sus
Aula de sus
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 

Destaque

O Cuidado à Saúde na Atenção Primária
O Cuidado à Saúde na Atenção PrimáriaO Cuidado à Saúde na Atenção Primária
O Cuidado à Saúde na Atenção Primária
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
1ª história da saúde pública
1ª   história da saúde pública1ª   história da saúde pública
1ª história da saúde pública
Hamilton Reis Reis
 
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaOs modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
Leticia Passos
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
apemfc
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
eadsantamarcelina
 

Destaque (9)

O Cuidado à Saúde na Atenção Primária
O Cuidado à Saúde na Atenção PrimáriaO Cuidado à Saúde na Atenção Primária
O Cuidado à Saúde na Atenção Primária
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
1ª história da saúde pública
1ª   história da saúde pública1ª   história da saúde pública
1ª história da saúde pública
 
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio VilaçaOs modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
Os modelos de Atenção à Saúde_Eugenio Vilaça
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
 

Semelhante a Estratégia saúde da família

Pnab
PnabPnab
Pnab
PnabPnab
ESF Slides.pdf
ESF Slides.pdfESF Slides.pdf
ESF Slides.pdf
kethunynandi
 
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
Gladys126266
 
Abcad12
Abcad12Abcad12
Atencao obesidade
Atencao obesidadeAtencao obesidade
Atencao obesidade
Roselle Matos
 
Guia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileiraGuia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileira
Letícia Spina Tapia
 
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da SaúdeGuia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]
Bruna Larissa
 
Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26
Geovana26
 
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internet
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internetGuia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internet
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internet
Portal NE10
 
Guia alimentar para a população brasileira
Guia alimentar para a população brasileiraGuia alimentar para a população brasileira
Guia alimentar para a população brasileira
José Ripardo
 
projeto clinica.ppt
projeto clinica.pptprojeto clinica.ppt
projeto clinica.ppt
FellipeMedeiros8
 
Caderno 12 obesidade
Caderno 12 obesidadeCaderno 12 obesidade
Caderno 12 obesidade
Halley Cometa
 
Cad hivaids hepatites e outras dst
Cad hivaids  hepatites e outras dstCad hivaids  hepatites e outras dst
Cad hivaids hepatites e outras dst
Gabriela Santa Cruz
 
Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1
Sara Américo
 
Politica mulher
Politica mulherPolitica mulher
Politica mulher
Simon Oliveira
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
bibliotecasaude
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
AlexsandraFabre1
 

Semelhante a Estratégia saúde da família (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
ESF Slides.pdf
ESF Slides.pdfESF Slides.pdf
ESF Slides.pdf
 
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
 
Abcad12
Abcad12Abcad12
Abcad12
 
Atencao obesidade
Atencao obesidadeAtencao obesidade
Atencao obesidade
 
Guia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileiraGuia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileira
 
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da SaúdeGuia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
Guia alimentar para a população brasileira - Ministério da Saúde
 
3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]
 
Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26
 
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internet
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internetGuia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internet
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-miolo-pdf-internet
 
Guia alimentar para a população brasileira
Guia alimentar para a população brasileiraGuia alimentar para a população brasileira
Guia alimentar para a população brasileira
 
projeto clinica.ppt
projeto clinica.pptprojeto clinica.ppt
projeto clinica.ppt
 
Caderno 12 obesidade
Caderno 12 obesidadeCaderno 12 obesidade
Caderno 12 obesidade
 
Cad hivaids hepatites e outras dst
Cad hivaids  hepatites e outras dstCad hivaids  hepatites e outras dst
Cad hivaids hepatites e outras dst
 
Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1
 
Politica mulher
Politica mulherPolitica mulher
Politica mulher
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Estratégia saúde da família

  • 1.
  • 2.  Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS)  redução das Mortalidades infantil e materna  Regiões Norte e Nordeste  Extensão de cobertura dos serviços de saúde  Áreas pobres e desvalidas.
  • 3.  Regulamentação  Documento Brasil  Novo modelo de Atenção Primária  dos problemas de saúde.
  • 4.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. EQUIPE MULTIPROFISSIONAL RESPONSÁVEL POR , NO MÁXIMO, 4000 HABITANTES (MÉDIA DE 3000); EQUIPE COMPOSTA , MINIMAMENTE, POR MÉDICO, ENFERMEIRO AUXILIAR (OUTÉCNICO) DE ENFERMAGEM E AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE; CARGA HORÁRIA – 40 HORAS SEMANAIS
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. Para monitorar o trabalho realizado e as atividades previstas: MÓDULO 1 – Registro de atividades, procedimentos e notificações; Esses dados indicam para a equipe se a prevenção e promoção de saúde estão tendo bons resultados; Informação disponível em tempo oportuno = tomada de decisões para o enfrentamento imediato dos problemas identificados. MÓDULO 2 - Acompanhamento de grupos de risco; A consolidação desses dados permite o cálculo de indicadores de saúde e seu acompanhamento ao longo do tempo.
  • 30.
  • 31.
  • 32.  FINALIDADE Apoiar a da Estratégia Saúde da Família na rede de serviços e ampliar a abrangência e o escopo das ações da Atenção Primária bem como sua , além dos processos de territorialização e regionalização
  • 33. Cinco profissionais com formação universitária (mínimo) ; Oito (mínimo) e vinte (máximo) equipes de SF; Exceto Região Norte ( mínimo cinco). Nutricionista Profissional da educação física Psicólogos Terapeuta ocupacional Assistente Social Médico homeopata Farmacêutico Médico acupunturista Fisioterapeuta Médico pediatra Fonoaudiólogo Médico psiquiatra Médicos ginecologista
  • 34. ; Três profissionais com formação universitária (mínimo) ; Três (mínimo) equipes de SF; Psicólogo Assistente social Fonoaudiólogo Terapeuta ocupacional Profissional da educação física Nutricionista Farmacêutico Fisioterapeuta Médico homeopata
  • 39. FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO NASF EM SUA ORGANIZAÇÃO
  • 40. FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO NASF EM SUA ORGANIZAÇÃO
  • 41.
  • 42.  BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília, DF, 1997c.  ________.Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.  ________.Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009b.  ________.Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – 7. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009a.  ________.Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Secretaria Executiva – Brasília: Ministério da Saúde, 2000.  ________;COSTA, E.A. Vigilância da saúde e vigilância sanitária: concepções, estratégias e práticas. Texto preliminar elaborado para debate no 20° Seminário Temático da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília, 2003. (Cooperação Técnica ISC/Anvisa).  BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília. Ministério da Saúde, 1997a.  CAMPOS, F.E.; BELISÁRIO, S.A. O programa de saúde da família e os desafios para a formação profissional e a educação continuada. In: Interlace Comunicação, Saúde, Educação. Fundação UNI Botucatu/Unesp,v.5, n.9, São Paulo, 2001 (p. 133-141).  CAMPOS, G.W.S.; GUERRERO, A.V.P. (orgs.). Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2010.  COIMBRA, V.C.C.; OLIVEIRA, M.M.; VILA, T.C.S.; ALMEIDA, M.C.P. A atenção em saúde mental na estratégia da saúde da família. Revista eletrônica de Enfermagem, V07, p. 113-117, 2005.  COSTA, E.; CARBONE, M. Saúde da família: uma abordagem multidisciplinar. Rio de Janeiro: Editora Rubio, 2009.  DA ROS, MA Políticas Públicas de Saúde no Brasil. In:. BAGRICHEVSKI, M. (Org.) Saúde em debate na Educação Física. Blumenau: Nova Letra, 2006. p.44-66.  FIGUEIREDO, E. N.: Estratégia Saúde da Família e Núcleo de Apoio à Saúde da Família: diretrizes e fundamentos. Módulo Político Gestor. Especialização em saúde da família. UMA-SUS/UNIFESP. Disponível em http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/2/unidades_conteud os/unidade05/unidade05.pdf. Acesso em 29/05/13.  LOURENÇÃO L.G. ; Soler, Z. A.S.G.: Implantação do Programa Saúde da Família no Brasil. Arq Ciênc Saúde 2004 jul-set;11(3):158-62  ROCHA, S.M.M.; ALMEIDA, M.C.P. O processo de trabalho da enfermagem em saúde coletiva e a interdisciplinaridade. Rev. latino- am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 6, p. 96-101, dezembro 2000.  RONCOLLETA, AFT et al. Principios da Medicina de Família . São Paulo: Sombramfa de 2003.
  • 43.  ROSAWAG, LABATE RC. Programa Saúde da Família: a construção de um novo modelo de assistência. Ver Latino-am Enfermagem 2005 novembro-dezembro 13(6):1027-34.  SANTANA, M.L.; CARMAGNANI, M.I. Programa Saúde da Família no Brasil: um enfoque sobre seus pressupostos básicos, operacionalização e vantagens. Saúde e Sociedade, v.10, n.1:33-53, jan./jul. 2001.  STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília, DF: Unesco: Ministério da Saúde, 2002.  TEIXEIRA,C.F.; PAIM, J.S.;VILASBOAS, A.L. SUS: modelos assistenciais e vigilância da saúde. Informe Epidemiológico do SUS,VII(2): 7-28, 1998.  TEIXEIRA,C.F.; PAIM, J.S.;VILASBOAS, A.L. SUS: modelos assistenciais e vigilância da saúde. Informe Epidemiológico do SUS,VII(2): 7-28, 1998.