SlideShare uma empresa Scribd logo

aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx

1. O documento discute os conceitos e princípios da saúde coletiva e da atenção primária à saúde no Brasil. 2. Apresenta os modelos de atenção à saúde, o funcionamento da rede de saúde no país e programas oferecidos pelo SUS na atenção básica. 3. Discutem os princípios e responsabilidades da atenção primária, incluindo acesso, continuidade, integralidade e coordenação dos cuidados.

1 de 25
Baixar para ler offline
Saúde Coletiva II
Aula 2
*Introdução a saúde coletiva
*modelos de assistência
*como funciona a rede de saúde do país
 Área de conhecimento multidisciplinar construída dos
conhecimentos produzidos pelas ciências biomédicas e pelas
ciências sociais.
 Tem por objetivo investigar os determinantes da produção
social das doenças com o intuito de planejamento a organização
dos serviços de saúde.
SAÚDE COLETIVA
 Resultado de um conjunto de ações desenvolvidas pelo Estado, que
afetam as condições sociais e as chances de vida e morte de
pessoas, grupos e famílias.
 O que significa que a política de saúde e o correspondente sistema
de saúde traduzem o esforço para modificar as condições adversas
que favorecem o adoecimento de indivíduos, tentando impedir que
isso aconteça.
 Esse esforço envolve, além do Estado e suas instituições, o governo,
o sistema político e a sociedade como um todo.
SISTEMA DE SAÚDE
 Modelo de atenção é uma forma de combinar técnicas e tecnologias
para desenvolver AÇÕES de saúde e atender a necessidades de
saúde individuais e coletivas. É uma maneira de organizar os meios
de trabalho (saberes e instrumentos) utilizado na prática.
 Aponta como melhor combinar os meios técnico-científicos
existentes para resolver problemas de saúde individuais e/ou
coletivos.
MODELO DE ATENÇÃO A SAÚDE
 Nosso papel como profissionais de saúde está integrado a tudo
isso. Fortalecendo um sistema de saúde e reivindicando na
prática que se tenha condições de executar a política de saúde e
para operacionalizar as melhores técnicas voltadas às
necessidades de saúde.
 TEORIA X PRÁTICA
 Essa é uma reflexão importante que devemos fazer, pois, ao
analisarmos como a saúde é gerida no município e os
equipamentos que ele dispõe, nosso dia a dia pode se tornar
mais eficiente e eficaz na resolução dos problemas enfrentados.
 A primeira definição de APS surgiu após a Conferência Internacional
sobre Cuidados Primários de Saúde, promovida pela Organização
Mundial da Saúde (OMS) em 1978. Eis o que diz o documento
emitido ao final do evento, conhecido como Declaração de Alma-
Ata
 Para o MS
 A Atenção Primária é o primeiro nível de atenção em saúde e se
caracteriza por um conjunto de ações de saúde, no âmbito
individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da
saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a
reabilitação, a redução de danos e a manutenção da saúde com o
objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte
positivamente na situação de saúde das coletividades.
ATENÇÃO PRIMARIA ( APS)

Recomendados

Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioEduc&Saude
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxMarianeBarbosa26
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Ricardo Alexandre
 
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptPSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.ppt
PSF PROGRAMA E SAUDE DA FAMILIA.pptLucianaSousa469679
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx

O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalIasmin Castro
 
Resumo esf
Resumo esfResumo esf
Resumo esfVia Seg
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcRicardo Alexandre
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoLaíz Coutinho
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdenaiellyrodrigues
 
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICAPOLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICARosane Domingues
 
Diretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoDiretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoTânia Souza
 
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saudeClinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saudeRoxane Sales
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. CarlosAprova Saúde
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciformebibliotecasaude
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfAlinneFreitas4
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdfAndreRavienni
 

Semelhante a aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx (20)

Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
O cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mentalO cuidado em saúde mental
O cuidado em saúde mental
 
Resumo esf
Resumo esfResumo esf
Resumo esf
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
 
aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
psf
psfpsf
psf
 
A04v57n1
A04v57n1A04v57n1
A04v57n1
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICAPOLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA
 
Diretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoDiretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamento
 
Ciclo i 01
Ciclo i 01Ciclo i 01
Ciclo i 01
 
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saudeClinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
Clinica ampliada 2 d_ireitos humanos e saude
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
1369-L - Manual de educação em saúde - Autocuidado na doença falciforme
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
 

Mais de Francielttonsantos

Drogas licitas e ilicitas no Brasil .pptx
Drogas licitas e ilicitas no Brasil .pptxDrogas licitas e ilicitas no Brasil .pptx
Drogas licitas e ilicitas no Brasil .pptxFrancielttonsantos
 
mse_suas_regiao_norte_francisco.ppt
mse_suas_regiao_norte_francisco.pptmse_suas_regiao_norte_francisco.ppt
mse_suas_regiao_norte_francisco.pptFrancielttonsantos
 
CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.ppt
CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.pptCENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.ppt
CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.pptFrancielttonsantos
 
DISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptx
DISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptxDISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptx
DISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptxFrancielttonsantos
 
vinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.ppt
vinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.pptvinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.ppt
vinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.pptFrancielttonsantos
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptFrancielttonsantos
 
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.pptfdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.pptFrancielttonsantos
 

Mais de Francielttonsantos (10)

Drogas licitas e ilicitas no Brasil .pptx
Drogas licitas e ilicitas no Brasil .pptxDrogas licitas e ilicitas no Brasil .pptx
Drogas licitas e ilicitas no Brasil .pptx
 
mse_suas_regiao_norte_francisco.ppt
mse_suas_regiao_norte_francisco.pptmse_suas_regiao_norte_francisco.ppt
mse_suas_regiao_norte_francisco.ppt
 
fluxogramas.pptx
fluxogramas.pptxfluxogramas.pptx
fluxogramas.pptx
 
CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.ppt
CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.pptCENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.ppt
CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS.ppt
 
2_CADEIA DE FRIO.ppt
2_CADEIA DE FRIO.ppt2_CADEIA DE FRIO.ppt
2_CADEIA DE FRIO.ppt
 
Missão no AT.pptx
Missão no AT.pptxMissão no AT.pptx
Missão no AT.pptx
 
DISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptx
DISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptxDISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptx
DISCIPULADO ESTUDOS EM RELIGIÃO (1).pptx
 
vinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.ppt
vinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.pptvinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.ppt
vinde-a-mim_mensagem-pr-josenildo-oliveira.ppt
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
 
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.pptfdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
fdocumentos.tips_aula-sinais-vitais-559394188a432.ppt
 

Último

4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioProfessor Belinaso
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Prime Assessoria
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 

Último (20)

4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 

aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx

  • 1. Saúde Coletiva II Aula 2 *Introdução a saúde coletiva *modelos de assistência *como funciona a rede de saúde do país
  • 2.  Área de conhecimento multidisciplinar construída dos conhecimentos produzidos pelas ciências biomédicas e pelas ciências sociais.  Tem por objetivo investigar os determinantes da produção social das doenças com o intuito de planejamento a organização dos serviços de saúde. SAÚDE COLETIVA
  • 3.  Resultado de um conjunto de ações desenvolvidas pelo Estado, que afetam as condições sociais e as chances de vida e morte de pessoas, grupos e famílias.  O que significa que a política de saúde e o correspondente sistema de saúde traduzem o esforço para modificar as condições adversas que favorecem o adoecimento de indivíduos, tentando impedir que isso aconteça.  Esse esforço envolve, além do Estado e suas instituições, o governo, o sistema político e a sociedade como um todo. SISTEMA DE SAÚDE
  • 4.  Modelo de atenção é uma forma de combinar técnicas e tecnologias para desenvolver AÇÕES de saúde e atender a necessidades de saúde individuais e coletivas. É uma maneira de organizar os meios de trabalho (saberes e instrumentos) utilizado na prática.  Aponta como melhor combinar os meios técnico-científicos existentes para resolver problemas de saúde individuais e/ou coletivos. MODELO DE ATENÇÃO A SAÚDE
  • 5.  Nosso papel como profissionais de saúde está integrado a tudo isso. Fortalecendo um sistema de saúde e reivindicando na prática que se tenha condições de executar a política de saúde e para operacionalizar as melhores técnicas voltadas às necessidades de saúde.  TEORIA X PRÁTICA  Essa é uma reflexão importante que devemos fazer, pois, ao analisarmos como a saúde é gerida no município e os equipamentos que ele dispõe, nosso dia a dia pode se tornar mais eficiente e eficaz na resolução dos problemas enfrentados.
  • 6.  A primeira definição de APS surgiu após a Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1978. Eis o que diz o documento emitido ao final do evento, conhecido como Declaração de Alma- Ata  Para o MS  A Atenção Primária é o primeiro nível de atenção em saúde e se caracteriza por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos e a manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte positivamente na situação de saúde das coletividades. ATENÇÃO PRIMARIA ( APS)
  • 7.  Organizando o atendimento de saúde de forma a atender à maior parte das necessidades de uma população de forma regionalizada, contínua e sistematizada.  Isso é feito integrando ações preventivas e curativas no atendimento a indivíduos e comunidades. Como funciona a atenção primária a saúde?
  • 8.  1 – ATENÇÃO AO PRIMEIRO CONTATO  Seja o serviço de saúde mais acessível à população, em todos os sentidos. E que, por isso mesmo, seja o primeiro recurso a ser buscado a cada novo problema ou novo episódio de um problema recorrente.  Neste aspecto, é importante que os seus usuários em potencial percebam o serviço como acessível, seja no tocante à localização geográfica ou quanto aos horários de funcionamento, e isto se reflita na sua utilização. QUAIS AS PRINCIPAIS RESPONSABILIDADES DAS APS?
  • 9. 2- CONTINUIDADE DO ATENDIMENTO  A continuidade do serviço de APS pressupõe a existência de uma fonte regular de atenção e o seu uso frequente ao longo do tempo. Abordando os princípios do SUS, universalidade e integralidade.  A pessoa atendida deve manter o vínculo com o serviço para que possa ser atendida de forma mais eficiente, este vínculo deve se converter em fortes laços, capazes de refletir a cooperação mútua entre as pessoas e os profissionais de saúde.
  • 10.  Para que isso aconteça, a unidade de atenção primária deve ser capaz de identificar a população eletiva, bem como os indivíduos dessa população que deveriam receber seu atendimento no local.  É importante se certificar de que os indivíduos identificados como usuários considerem a unidade de saúde uma fonte regular de atenção e a utilizem periodicamente.  Todas as consultas devem ocorrer na unidade, exceto quando for necessário consultar um especialista ou fazer algum exame específico.
  • 11.  3- INTEGRALIDADE DO SERVIÇO  A integralidade do serviço implica que as unidades de atenção primária devem oferecer todos os tipos de serviço que lidem com sintomas, sinais e diagnósticos de doenças manifestas, mesmo que parte dos pacientes sejam posteriormente direcionados a outros níveis de atenção.  Isso inclui o encaminhamento para consultas com médicos especialistas e para o manejo definitivo de problemas específicos, bem como para serviços de suporte como a internação domiciliar.
  • 12.  É importante garantir que, mesmo que o paciente seja encaminhado a outras unidades, o serviço de atenção primária continue corresponsável pelo seu atendimento.  Além do vínculo com outros serviços de saúde, a atenção de nível primário pode incluir ainda a possibilidade de visitas domiciliares, reuniões com a comunidade e ações intersetoriais.  Dessa forma, a integralidade também significa a ampliação do conceito de saúde para aspectos sociais, não se limitando ao corpo puramente biológico.
  • 13.  4- Coordenação e integração dos cuidados  Mesmo quando parte do atendimento se dá em outros níveis de atenção, cabe à equipe de atenção primária organizar, coordenar e integrar esses cuidados.  Isso se deve ao fato de que esse tipo de atendimento costuma ser feito por profissionais de áreas diferentes ou terceirizados, com pouco (ou nenhum) diálogo entre si.  Por isso, a coordenação dos cuidados implica em uma alguma forma de continuidade no contato entre os profissionais ou por meio de prontuários.
  • 14.  Nesse contexto, é fundamental garantir que os problemas observados em consultas anteriores ou que tenham motivado o encaminhamento para outros profissionais sejam constantemente avaliados.  Este reconhecimento de problemas será facilitado se o mesmo profissional examinar o paciente durante o processo de acompanhamento ou se houver um prontuário médico com todas as informações pertinentes ao atendimento.
  • 15.  A atenção básica ou atenção primária em saúde é conhecida como a "porta de entrada" dos usuários nos sistemas de saúde. Ou seja, é o atendimento inicial. Seu objetivo é orientar sobre a prevenção de doenças, solucionar os possíveis casos de agravos e direcionar os mais graves para níveis de atendimento superiores em complexidade.  A atenção básica funciona, portanto, como um filtro capaz de organizar o fluxo dos serviços nas redes de saúde, dos mais simples aos mais complexos. ATENÇÃO BÁSICA A SAÚDE
  • 16.  No Brasil, há diversos programas governamentais relacionados à atenção básica, sendo um deles a Estratégia de Saúde da Família (ESF), que leva serviços multidisciplinares às comunidades por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBSs), por exemplo. Consultas, exames, vacinas e outros procedimentos são disponibilizados aos usuários.  A atenção básica também envolve outras iniciativas, como: as Equipes de Consultórios de Rua, que atendem pessoas em situação de rua; o Programa Melhor em Casa, de atendimento domiciliar; o Programa Brasil Sorridente, de saúde bucal; o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS), que busca alternativas para melhorar as condições de saúde de suas comunidades.
  • 17.  Orienta-se pelos princípios da universalidade, da acessibilidade e da coordenação do cuidado, do vínculo e continuidade, da integralidade, da responsabilização, da humanização, da equidade e da participação social. QUAIS OS PRINCÍPIOS DA ATENÇÃO BÁSICA?
  • 18.  A Estratégia Saúde da Família (ESF) é o modelo prioritário e estratégico para a qualificação do cuidado e a melhoria do acesso à Atenção Básica, formada por equipes multiprofissionais, compostas por agentes comunitários de saúde, enfermeiro, técnico de enfermagem, médico de família e dentistas. O QUE FAZ PARTE DA ATENÇÃO BÁSICA?
  • 19.  Estratégia Saúde da Família.  Programa Nacional de Imunização.PNI  Programa Mais Médicos.  Programa Farmácia Popular do Brasil.  Prevenção e controle HIV/AIDS.  Sistema Nacional de Doação e Transplante de Órgãos.  Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME)  Rede de Atenção Psicossocial PROGRAMAS OFERECIDOS PELO SUS
  • 20. ESF
  • 22.  Ministério da Saúde Gabinete do Ministro  PORTARIA Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017  Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).  https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/pr t2436_22_09_2017.html
  • 23.  Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM)  Ele é um índice composto por três indicadores: longevidade, renda e escolaridade INFORMAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE NO BRASIL
  • 25.  A demanda por serviços de saúde  Mudanças demográficas  Aparecimento de novas patologias  Novos tratamentos  Expectativa do paciente e família  As estratégias do MS e a criação do PACS Assuntos para próxima aula