SlideShare uma empresa Scribd logo
TREINAMENTO

1
CONCEITO
o

o

A origem da palavra “treinar” remonta ao latim
“trahere”, que significa “trazer ou levar a fazer algo”.
Treinamento é o meio de desenvolver competências
de modo que os colaboradores se tornem mais
produtivos, criativos e inovadores, a fim de contribuir
significativamente para os objetivos organizacionais.

2
CONCEITO
o

O objetivo do treinamento é qualificar as pessoas
para o ramo de trabalho em que atuam, através do
desenvolvimento de habilidades e capacidades para
obtenção de melhoria no atual cargo.

3
CONCEITO

Treinamento

Desenvolvimento
de pessoas

Desenvolvimento
Organizacional

Através do treinamento é possível desenvolver os colaboradores e,
estes, levam ao desenvolvimento da organização.
4
Mudanças de comportamento através
do Processo de Treinamento
Transmissão de
Informações

• Aumentar o conhecimento das
pessoas

Desenvolvimento de
Habilidades

• Melhorar as habilidades e destrezas

Desenvolvimento de
Atitudes

• Desenvolver
e
comportamentos

Desenvolvimento de
Conceitos

• Elevar o nível de abstração

modificar

5
PROCESSO DE TREINAMENTO

6
PROCESSO DE TREINAMENTO
Diagnóstico da
Situação

Decisão quanto
à estratégia

Implementação

Avaliação e
Controle

• Objetivos da
organização
• Competências
necessárias
• Problemas de
produção
• Problemas de
pessoal
• Resultados da
avaliação de
desempenho

• Programação
do
treinamento
baseando-se
nas respostas
às perguntas:
• Quem treinar?
• Como treinar?
• Em que
treinar?
• Onde treinar?
• Quando
treinar?

• Condução e
aplicação do
programa de
treinamento
através de
gerentes de
linha,
assessoria de
RH, por
ambos, ou
ainda, através
de terceiros
(Consultoria)

• Monitoração
do processo
• Avaliação e
medição dos
resultados
• Comparação
da situação
atual com a
anterior (o que
mudou?)
• Análise do
custo/
benefício
7
NECESSIDADES DE TREINAMENTO

8
NECESSIDADES DE TREINAMENTO
INDICADORES DE NECESSIDADES FUTURAS
1. Expansão da empresa e admissão de novos
empregados;
2. Redução do número de empregados;
3. Mudança de métodos e processos de trabalho;
4. Substituições ou movimentação de pessoal;
5. Absenteísmo, faltas, licenças e férias de pessoal;

9
NECESSIDADES DE TREINAMENTO
INDICADORES DE NECESSIDADES FUTURAS
6. Mudanças nos programas de trabalho ou de
produção;
7. Modernização dos equipamentos e novas
tecnologias;
8. Produção e comercialização de novos produtos ou
serviços.

10
NECESSIDADES DE TREINAMENTO
INDICADORES DE NECESSIDADES PASSADAS
2. Problemas de pessoal, como, por exemplo:
2. 1. Relações deficientes entre o pessoal;
2. 2. Número excessivo de queixas;
2. 3. Mau atendimento ao cliente;
2. 4. Comunicações deficientes;
2. 5. Pouco interesse pelo trabalho;
2. 6. Falta de cooperação;
2. 7. Erros na execução de ordens.
11
DESENHO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
Quem treinar?

• Treinandos ou Instruendos

Como treinar?

• Métodos e recursos de treinamento

Em que treinar?

• Conteúdo do treinamento

Por quem treinar?

• Instrutor ou Treinador

Onde treinar?

• Local do treinamento

Quando treinar?

• Época ou horário do treinamento

Para que treinar?

• Objetivos do treinamento
12
DESENHO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
o

o

A evolução das tecnologias de informação também
exerceram influências nos modelos de treinamentos,
que passaram, aos poucos, a ser adaptados de
forma a reduzir custos operacionais, sem, contudo,
perder a qualidade e o foco nos objetivos.
Algumas tendências, são:

13
DESENHO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO




Internet: atualmente quase 80% dos programas de
treinamento são – ou serão – à distância,
realizados totalmente via internet;
Videoconferência: visam a redução de despesas
com passagens e hotéis para levar os
colaboradores aos locais de treinamento;

14
DESENHO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO




Treinamento “tradicional”: o dito treinamento
“vivencial”, com um “professor” ou tutor, em sala de
aula, continuará, contudo, como um complemento
ao treinamento à distância;
Universidades
corporativas:
agilizam,
desburocratizam e promovem, mais eficazmente, o
desenvolvimento do capital humano, tendo-se
tornado verdadeiras “consciências críticas” das
empresas, preparando-as para enfrentar o futuro da
globalização e da competitividade crescentes;
15
DESENHO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO


Coaching: processo de treinamento, com início,
meio e fim, definido em comum acordo entre o
treinador e o treinando, de acordo com a meta
desejada pelo cliente, onde o treinador – que pode
ser um gestor – apoia o colaborador na busca de
realização de metas de curto, médio e longo prazo,
através da identificação e do uso das próprias
competências desenvolvidas, como também do
reconhecimento e superação de suas fragilidades.

16
CONDUÇÃO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
TÉCNICAS PARA DISSEMINAÇÃO DE
INFORMAÇÃO:
o Leituras: o instrutor apresenta, de forma
expositiva, informações a um grupo de ouvintes
(treinandos);
o Instrução Programada: não conta com a
presença de um instrutor humano. Pode ser
computadorizada e os treinandos tem a possibilidade
de aprender em suas próprias casas.
17
CONDUÇÃO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
TÉCNICAS PARA DESENVOLVIMENTO DE
HABILIDADES:
o Treinamento no Cargo (On the Job): técnica que
ministra informação, conhecimento e experiência
ligados a um cargo específico;
o Técnicas de Classe: utilizam a sala de aula e
instrutor
para
desenvolver
habilidades,
conhecimentos e experiências relacionados com o
cargo.
18
CONDUÇÃO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
TÉCNICAS DE TREINAMENTO

Quanto ao Uso
Orientadas
para o
Conteúdo
Orientadas
para o
Processo

Quanto ao Tempo
Antes do
ingresso na
empresa
Após o
ingresso na
empresa

Quanto ao Local

No local de
trabalho
Fora do local
de trabalho

Mistas
19
AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
1. No nível organizacional:
•
•
•
•
•
•
•
•

Aumento da eficácia organizacional;
Melhoria da imagem da empresa;
Melhoria do clima organizacional;
Melhor relacionamento entre empresa e funcionários;
Melhor atendimento ao cliente;
Facilidade de mudanças e inovação;
Aumento da eficiência;
Envolvimento dos gerentes nas práticas de
Treinamento.
20
AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
2. No nível de recursos humanos:
•
•
•
•
•
•

Redução da rotatividade e absenteísmo do pessoal;
Aumento da eficácia individual e grupal dos
empregados;
Elevação dos conhecimentos das pessoas;
Mudanças de atitudes e comportamentos das
pessoas;
Aumento da competência das pessoas;
Melhoria da qualidade de vida no trabalho (QVT).
21
AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
3. No nível dos cargos:
•
•
•
•
•
•

Adequação das pessoas aos requisitos exigidos
pelos cargos;
Melhoria do espírito de grupo e da cooperação;
Aumento da produtividade;
Melhoria da qualidade;
Redução do índice de acidentes no trabalho;
Redução do índice de manutenção de máquinas e
equipamentos.
22
AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE
TREINAMENTO
4. No nível de treinamento:
•
•

Alcance dos objetivos do treinamento;
Retorno dos investimentos efetuados em
treinamento.

23
CONCLUSÃO
o

O treinamento é parte fundamental para o
desenvolvimento dos colaboradores e, por
consequência, da organização, vez que não se pode
ignorar que, mais do que máquinas e processos, uma
empresa é constituída por pessoas e sem as quais
não seria possível realizar processos ou produzir
bens ou serviços.

24
CONCLUSÃO
o

o

O treinamento deve ser estruturado e baseado num
programa, desenhado de acordo com necessidades
diagnosticadas ao longo de determinado período.
Para implementar eficazmente o treinamento, devese observar quais os objetivos de modo que, durante
toda a aplicação e gestão do treinamento, os
colaboradores possam assimilar e, posteriormente,
desenvolver as habilidades e competências
necessárias à melhoria do trabalho e dos processos
organizacionais.
25
CONCLUSÃO
o

Por fim, para avaliar se um processo de treinamento
foi eficaz ou não, basta realizar uma espécie de
“comparação” entre a situação pós-treinamento e a
situação pré-treinamento, isto é, avaliar se as
mudanças foram significativamente positivas ou se
não houve melhorias.

26

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
Ana Cristina D Assumpcão
 
Rh E Dp
Rh E DpRh E Dp
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
elimarmelo
 
Descricao de cargos
Descricao de cargosDescricao de cargos
Descricao de cargos
profthalita
 
Gestão de pessoas cargos e salários
Gestão de pessoas cargos e saláriosGestão de pessoas cargos e salários
Gestão de pessoas cargos e salários
Fátima Santos
 
Pesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima OrganizacionalPesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima Organizacional
Boog Consultoria
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Gestao De Pessoas
Gestao De PessoasGestao De Pessoas
Gestao De Pessoas
martinssoul
 
Treinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimentoTreinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimento
Ivonei Hilgemberg
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]
09108303
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
Vanderlei Moraes
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Introdução de rh
Introdução de rhIntrodução de rh
Introdução de rh
Rodrigo Ribeiro Fraga
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Prof. Randes Enes, M.Sc.
 
Subsistemas de Recursos Humanos
Subsistemas de Recursos HumanosSubsistemas de Recursos Humanos
Subsistemas de Recursos Humanos
Rossouza
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
guilly1
 
Aula Planejamento Estratégico de Pessoas
Aula   Planejamento Estratégico de PessoasAula   Planejamento Estratégico de Pessoas
Aula Planejamento Estratégico de Pessoas
Rafael Gonçalves
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
Larissa Estevão
 

Mais procurados (20)

Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2
Práticas de Recursos Humanos - Aulas 1 e 2
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
Rh E Dp
Rh E DpRh E Dp
Rh E Dp
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
 
Descricao de cargos
Descricao de cargosDescricao de cargos
Descricao de cargos
 
Gestão de pessoas cargos e salários
Gestão de pessoas cargos e saláriosGestão de pessoas cargos e salários
Gestão de pessoas cargos e salários
 
Pesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima OrganizacionalPesquisa de Clima Organizacional
Pesquisa de Clima Organizacional
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Gestao De Pessoas
Gestao De PessoasGestao De Pessoas
Gestao De Pessoas
 
Treinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimentoTreinamento e desenvolvimento
Treinamento e desenvolvimento
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Introdução de rh
Introdução de rhIntrodução de rh
Introdução de rh
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Subsistemas de Recursos Humanos
Subsistemas de Recursos HumanosSubsistemas de Recursos Humanos
Subsistemas de Recursos Humanos
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
 
Aula Planejamento Estratégico de Pessoas
Aula   Planejamento Estratégico de PessoasAula   Planejamento Estratégico de Pessoas
Aula Planejamento Estratégico de Pessoas
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 

Semelhante a Treinamento Organizacional

Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento
Marcos Abreu
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Rose Oliveira
 
Treinamento transparências
Treinamento transparênciasTreinamento transparências
Treinamento transparências
Cíntia Lopes
 
Coaching 2
Coaching 2Coaching 2
Coaching 2
Nuno Freitas
 
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento OrganizacionalEvolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Treinamento Organizacional & Coaching Executivo
 
Programa trainee
Programa traineePrograma trainee
Programa trainee
Viviane Guerra
 
coaching
coachingcoaching
Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanos
Pedro Quinanga
 
Gp aula-12
Gp aula-12Gp aula-12
Gp aula-12
Samuel Fernandes
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Taluana Maron
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Universidade Pedagogica
 
TRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptx
TRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptxTRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptx
TRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptx
carolcambraia1
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERA
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERATREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERA
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERA
carolcambraia1
 
Aula 3 – tipos e métodos de treinamento
Aula 3 – tipos e métodos de treinamentoAula 3 – tipos e métodos de treinamento
Aula 3 – tipos e métodos de treinamento
Professor Antônio Figueiredo
 
Gatilho eventoss(1)
Gatilho eventoss(1)Gatilho eventoss(1)
Gatilho eventoss(1)
NicolasAugusto8
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
Jessica Ferreira
 
Programas treinamentotarget
Programas treinamentotargetProgramas treinamentotarget
Programas treinamentotarget
TARGET - HR
 
Programas treinamentotarget
Programas treinamentotargetProgramas treinamentotarget
Programas treinamentotarget
TARGET - HR
 
Processo de Coaching e Gerenciamento de Projetos
Processo de Coaching e Gerenciamento de ProjetosProcesso de Coaching e Gerenciamento de Projetos
Processo de Coaching e Gerenciamento de Projetos
DC7 Gestão de Projetos
 
Ateliê Corporativo -Sobre nós
Ateliê Corporativo -Sobre nósAteliê Corporativo -Sobre nós

Semelhante a Treinamento Organizacional (20)

Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RH
 
Treinamento transparências
Treinamento transparênciasTreinamento transparências
Treinamento transparências
 
Coaching 2
Coaching 2Coaching 2
Coaching 2
 
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento OrganizacionalEvolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
Evolução Inteligente Coaching Executivo & Treinamento Organizacional
 
Programa trainee
Programa traineePrograma trainee
Programa trainee
 
coaching
coachingcoaching
coaching
 
Administração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanosAdministração dos recursos humanos
Administração dos recursos humanos
 
Gp aula-12
Gp aula-12Gp aula-12
Gp aula-12
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
 
TRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptx
TRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptxTRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptx
TRABALHO GRUPO ANHANGUERA LUIS HEIDT.pptx
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERA
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERATREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERA
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO ANHANGUERA
 
Aula 3 – tipos e métodos de treinamento
Aula 3 – tipos e métodos de treinamentoAula 3 – tipos e métodos de treinamento
Aula 3 – tipos e métodos de treinamento
 
Gatilho eventoss(1)
Gatilho eventoss(1)Gatilho eventoss(1)
Gatilho eventoss(1)
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
 
Programas treinamentotarget
Programas treinamentotargetProgramas treinamentotarget
Programas treinamentotarget
 
Programas treinamentotarget
Programas treinamentotargetProgramas treinamentotarget
Programas treinamentotarget
 
Processo de Coaching e Gerenciamento de Projetos
Processo de Coaching e Gerenciamento de ProjetosProcesso de Coaching e Gerenciamento de Projetos
Processo de Coaching e Gerenciamento de Projetos
 
Ateliê Corporativo -Sobre nós
Ateliê Corporativo -Sobre nósAteliê Corporativo -Sobre nós
Ateliê Corporativo -Sobre nós
 

Mais de Daniela Gomes dos Santos

SIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remoto
SIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remotoSIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remoto
SIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remoto
Daniela Gomes dos Santos
 
Agile Brazil | OKR Pocket Game
Agile Brazil | OKR Pocket GameAgile Brazil | OKR Pocket Game
Agile Brazil | OKR Pocket Game
Daniela Gomes dos Santos
 
Agile Brazil | Jogo da Segurança Psicológica
Agile Brazil | Jogo da Segurança PsicológicaAgile Brazil | Jogo da Segurança Psicológica
Agile Brazil | Jogo da Segurança Psicológica
Daniela Gomes dos Santos
 
Agile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdf
Agile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdfAgile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdf
Agile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdf
Daniela Gomes dos Santos
 
O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?
O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?
O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?
Daniela Gomes dos Santos
 
Curso Gestão de Projetos para Iniciantes
Curso Gestão de Projetos para IniciantesCurso Gestão de Projetos para Iniciantes
Curso Gestão de Projetos para Iniciantes
Daniela Gomes dos Santos
 
Agile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdf
Agile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdfAgile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdf
Agile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdf
Daniela Gomes dos Santos
 
Resenha Pulse of the Profession
Resenha Pulse of the ProfessionResenha Pulse of the Profession
Resenha Pulse of the Profession
Daniela Gomes dos Santos
 
Gestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMAGestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMA
Daniela Gomes dos Santos
 
Gestão do tempo
Gestão do tempoGestão do tempo
Gestão do tempo
Daniela Gomes dos Santos
 
Educação e Carreira
Educação e CarreiraEducação e Carreira
Educação e Carreira
Daniela Gomes dos Santos
 
Desenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes Empresas
Desenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes EmpresasDesenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes Empresas
Desenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes Empresas
Daniela Gomes dos Santos
 

Mais de Daniela Gomes dos Santos (12)

SIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remoto
SIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remotoSIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remoto
SIMPEP | Times ágeis em ambiente de trabalho remoto
 
Agile Brazil | OKR Pocket Game
Agile Brazil | OKR Pocket GameAgile Brazil | OKR Pocket Game
Agile Brazil | OKR Pocket Game
 
Agile Brazil | Jogo da Segurança Psicológica
Agile Brazil | Jogo da Segurança PsicológicaAgile Brazil | Jogo da Segurança Psicológica
Agile Brazil | Jogo da Segurança Psicológica
 
Agile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdf
Agile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdfAgile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdf
Agile Trends | Expandindo as fronteiras organizacionais.pdf
 
O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?
O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?
O que é agilidade e por que eu preciso saber disso?
 
Curso Gestão de Projetos para Iniciantes
Curso Gestão de Projetos para IniciantesCurso Gestão de Projetos para Iniciantes
Curso Gestão de Projetos para Iniciantes
 
Agile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdf
Agile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdfAgile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdf
Agile Trends | Agile People para Desenvolvimento de Pessoas Agilistas.pdf
 
Resenha Pulse of the Profession
Resenha Pulse of the ProfessionResenha Pulse of the Profession
Resenha Pulse of the Profession
 
Gestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMAGestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMA
 
Gestão do tempo
Gestão do tempoGestão do tempo
Gestão do tempo
 
Educação e Carreira
Educação e CarreiraEducação e Carreira
Educação e Carreira
 
Desenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes Empresas
Desenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes EmpresasDesenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes Empresas
Desenvolvendo Comunidades com Parceria de Grandes Empresas
 

Último

Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 

Último (8)

Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 

Treinamento Organizacional

  • 2. CONCEITO o o A origem da palavra “treinar” remonta ao latim “trahere”, que significa “trazer ou levar a fazer algo”. Treinamento é o meio de desenvolver competências de modo que os colaboradores se tornem mais produtivos, criativos e inovadores, a fim de contribuir significativamente para os objetivos organizacionais. 2
  • 3. CONCEITO o O objetivo do treinamento é qualificar as pessoas para o ramo de trabalho em que atuam, através do desenvolvimento de habilidades e capacidades para obtenção de melhoria no atual cargo. 3
  • 4. CONCEITO Treinamento Desenvolvimento de pessoas Desenvolvimento Organizacional Através do treinamento é possível desenvolver os colaboradores e, estes, levam ao desenvolvimento da organização. 4
  • 5. Mudanças de comportamento através do Processo de Treinamento Transmissão de Informações • Aumentar o conhecimento das pessoas Desenvolvimento de Habilidades • Melhorar as habilidades e destrezas Desenvolvimento de Atitudes • Desenvolver e comportamentos Desenvolvimento de Conceitos • Elevar o nível de abstração modificar 5
  • 7. PROCESSO DE TREINAMENTO Diagnóstico da Situação Decisão quanto à estratégia Implementação Avaliação e Controle • Objetivos da organização • Competências necessárias • Problemas de produção • Problemas de pessoal • Resultados da avaliação de desempenho • Programação do treinamento baseando-se nas respostas às perguntas: • Quem treinar? • Como treinar? • Em que treinar? • Onde treinar? • Quando treinar? • Condução e aplicação do programa de treinamento através de gerentes de linha, assessoria de RH, por ambos, ou ainda, através de terceiros (Consultoria) • Monitoração do processo • Avaliação e medição dos resultados • Comparação da situação atual com a anterior (o que mudou?) • Análise do custo/ benefício 7
  • 9. NECESSIDADES DE TREINAMENTO INDICADORES DE NECESSIDADES FUTURAS 1. Expansão da empresa e admissão de novos empregados; 2. Redução do número de empregados; 3. Mudança de métodos e processos de trabalho; 4. Substituições ou movimentação de pessoal; 5. Absenteísmo, faltas, licenças e férias de pessoal; 9
  • 10. NECESSIDADES DE TREINAMENTO INDICADORES DE NECESSIDADES FUTURAS 6. Mudanças nos programas de trabalho ou de produção; 7. Modernização dos equipamentos e novas tecnologias; 8. Produção e comercialização de novos produtos ou serviços. 10
  • 11. NECESSIDADES DE TREINAMENTO INDICADORES DE NECESSIDADES PASSADAS 2. Problemas de pessoal, como, por exemplo: 2. 1. Relações deficientes entre o pessoal; 2. 2. Número excessivo de queixas; 2. 3. Mau atendimento ao cliente; 2. 4. Comunicações deficientes; 2. 5. Pouco interesse pelo trabalho; 2. 6. Falta de cooperação; 2. 7. Erros na execução de ordens. 11
  • 12. DESENHO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO Quem treinar? • Treinandos ou Instruendos Como treinar? • Métodos e recursos de treinamento Em que treinar? • Conteúdo do treinamento Por quem treinar? • Instrutor ou Treinador Onde treinar? • Local do treinamento Quando treinar? • Época ou horário do treinamento Para que treinar? • Objetivos do treinamento 12
  • 13. DESENHO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO o o A evolução das tecnologias de informação também exerceram influências nos modelos de treinamentos, que passaram, aos poucos, a ser adaptados de forma a reduzir custos operacionais, sem, contudo, perder a qualidade e o foco nos objetivos. Algumas tendências, são: 13
  • 14. DESENHO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO   Internet: atualmente quase 80% dos programas de treinamento são – ou serão – à distância, realizados totalmente via internet; Videoconferência: visam a redução de despesas com passagens e hotéis para levar os colaboradores aos locais de treinamento; 14
  • 15. DESENHO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO   Treinamento “tradicional”: o dito treinamento “vivencial”, com um “professor” ou tutor, em sala de aula, continuará, contudo, como um complemento ao treinamento à distância; Universidades corporativas: agilizam, desburocratizam e promovem, mais eficazmente, o desenvolvimento do capital humano, tendo-se tornado verdadeiras “consciências críticas” das empresas, preparando-as para enfrentar o futuro da globalização e da competitividade crescentes; 15
  • 16. DESENHO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO  Coaching: processo de treinamento, com início, meio e fim, definido em comum acordo entre o treinador e o treinando, de acordo com a meta desejada pelo cliente, onde o treinador – que pode ser um gestor – apoia o colaborador na busca de realização de metas de curto, médio e longo prazo, através da identificação e do uso das próprias competências desenvolvidas, como também do reconhecimento e superação de suas fragilidades. 16
  • 17. CONDUÇÃO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO TÉCNICAS PARA DISSEMINAÇÃO DE INFORMAÇÃO: o Leituras: o instrutor apresenta, de forma expositiva, informações a um grupo de ouvintes (treinandos); o Instrução Programada: não conta com a presença de um instrutor humano. Pode ser computadorizada e os treinandos tem a possibilidade de aprender em suas próprias casas. 17
  • 18. CONDUÇÃO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO TÉCNICAS PARA DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES: o Treinamento no Cargo (On the Job): técnica que ministra informação, conhecimento e experiência ligados a um cargo específico; o Técnicas de Classe: utilizam a sala de aula e instrutor para desenvolver habilidades, conhecimentos e experiências relacionados com o cargo. 18
  • 19. CONDUÇÃO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO TÉCNICAS DE TREINAMENTO Quanto ao Uso Orientadas para o Conteúdo Orientadas para o Processo Quanto ao Tempo Antes do ingresso na empresa Após o ingresso na empresa Quanto ao Local No local de trabalho Fora do local de trabalho Mistas 19
  • 20. AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO 1. No nível organizacional: • • • • • • • • Aumento da eficácia organizacional; Melhoria da imagem da empresa; Melhoria do clima organizacional; Melhor relacionamento entre empresa e funcionários; Melhor atendimento ao cliente; Facilidade de mudanças e inovação; Aumento da eficiência; Envolvimento dos gerentes nas práticas de Treinamento. 20
  • 21. AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO 2. No nível de recursos humanos: • • • • • • Redução da rotatividade e absenteísmo do pessoal; Aumento da eficácia individual e grupal dos empregados; Elevação dos conhecimentos das pessoas; Mudanças de atitudes e comportamentos das pessoas; Aumento da competência das pessoas; Melhoria da qualidade de vida no trabalho (QVT). 21
  • 22. AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO 3. No nível dos cargos: • • • • • • Adequação das pessoas aos requisitos exigidos pelos cargos; Melhoria do espírito de grupo e da cooperação; Aumento da produtividade; Melhoria da qualidade; Redução do índice de acidentes no trabalho; Redução do índice de manutenção de máquinas e equipamentos. 22
  • 23. AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE TREINAMENTO 4. No nível de treinamento: • • Alcance dos objetivos do treinamento; Retorno dos investimentos efetuados em treinamento. 23
  • 24. CONCLUSÃO o O treinamento é parte fundamental para o desenvolvimento dos colaboradores e, por consequência, da organização, vez que não se pode ignorar que, mais do que máquinas e processos, uma empresa é constituída por pessoas e sem as quais não seria possível realizar processos ou produzir bens ou serviços. 24
  • 25. CONCLUSÃO o o O treinamento deve ser estruturado e baseado num programa, desenhado de acordo com necessidades diagnosticadas ao longo de determinado período. Para implementar eficazmente o treinamento, devese observar quais os objetivos de modo que, durante toda a aplicação e gestão do treinamento, os colaboradores possam assimilar e, posteriormente, desenvolver as habilidades e competências necessárias à melhoria do trabalho e dos processos organizacionais. 25
  • 26. CONCLUSÃO o Por fim, para avaliar se um processo de treinamento foi eficaz ou não, basta realizar uma espécie de “comparação” entre a situação pós-treinamento e a situação pré-treinamento, isto é, avaliar se as mudanças foram significativamente positivas ou se não houve melhorias. 26