SlideShare uma empresa Scribd logo
A REVOLUÇÃO FRANCESA E
A ERA NAPOLEÔNICA
1- SÉCULO XVIII – ANTIGO REGIME
MAPA MENTAL DAS CAUSAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA
1- SÉCULO XVIII – ANTIGO REGIME
EXEMPLOS DE ABOLICIONISTAS
A imagem mostra o 3º Estado miserável,
a Nobreza robusta e livre e
o Clero com uma coruja no chapéu, símbolo da ambição.
Situação social e econômica da época: secas, má
colheita, fome, revoltas, empresas falidas e
desemprego.
1- SÉCULO XVIII – ANTIGO REGIME
2- CONVOCAÇÃO DOS TRÊS ESTADOS – MAIO DE 1789
- Devido a queda na economia
- Luís XVI convocou a Assembleia dos Estados Gerais
(depois de 175 anos inativa)
- Cada Estado teria direito a um voto, o Terceiro Estado
perdia sempre.
Na imagem, os três Estados reunidos
3- A REVOLUÇÃO
- A votação seguiu por Estado
- O Terceiro Estado queria que a
votação fosse por pessoa e não por
Estado
- Luís XVI não permitiu.
- O deputado Mirabeu, do Terceiro
Estado, reagiu:
“Estamos aqui pela vontade do
povo, e só sairemos com a força das
baionetas”.
- Os deputados do Terceiro Estados
foram expulsos da sala de reunião
Honore Mirabeu
MOBILIZAÇÃO DO 3º ESTADO
Depois de expulsos, invadiram a sala do jogo da péla
( uma espécie de jogo de tênis)
Começaram a organizar uma nova Constituição
4- ASSEMBLEIA NACIONAL CONSTITUINTE – 14 DE JULHO DE 1789
• O rei reprimiu a assembleia do Terceiro Estado
• Populares saíram pelas ruas de Paris e invadiram depósitos de armas e alimentos
• Invadiram a Bastilha ( prisão onde eram colocados os inimigos do rei Luís XVI)
• Camponeses invadiram castelos e puseram fogo em documentos
• Dia 4 de agosto de 1789 foi abolida a servidão, os dízimos e os privilégios do
Clero e Nobreza.
• Dia 26 de agosto de 1789 – Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
• O Clero e Nobreza fugiram levando dinheiro e joias. Organizaram um exército contra
a revolução.
5- A MONARQUIA CONSTITUCIONAL - 1791
Luis XVI• Fim dos privilégios do Clero e Nobreza
• Limitou o poder o rei
• A Assembleia Nacional poderia fazer e aprovar
leis.
• O voto seria censitário ( baseado na riqueza)
• Camponeses, mulheres, artesão e operários não
votavam ( constituíam 85% da população)
• A burguesia foi a maior beneficiada
• Luís XVI se aliou aos reis da Austrália e Prússia
( Alemanha), montaram um exército e invadiram
a França.
• Os franceses expulsaram o rei Luís XVI que fugiu com a família e depois foi preso.
6- CONVENÇÃO NACIONAL
Página oficial da chamada nominal referente
a votação da condenação de Luís XVI:
à esquerda os nomes dos deputados, à direita a
sentença, que na maioria dos casos era a morte.
• Objetivo: elaborar uma nova Constituição
• Os membros da convenção foram escolhidos por
homens ricos
• Chega ao fim a Monarquia e começa a República
• Eram 750 deputados divididos em: Girondinos
(direita), Jacobinos (esquerda), Condeliers e Planície.
- 1793- Luís XVI foi executado em praça pública
ÚLTIMAS PALAVRAS DE LUÍS XVI:
“Franceses! Morro inocente dos crimes de que fui acusado. Perdoo aqueles que
são culpados de minha morte e peço a Deus
que o sangue que vocês estão prestes a derramar nunca seja cobrado da França.
Só sancionei a Constituição Civil do Clero sob coação...”
7- JACOBINOS NO PODER
• Jacobinos (republicanos) X Inglaterra ( monarquistas)
• Os Jacobinos criaram: o Comitê de Salvação Pública para ajudar a população.
(líder: Robespierre) e o Tribunal Revolucionário
• Jean Paul Marat (jacobino) foi assassinado por uma mulher girondina.
• Aumentou a repressão aos inimigos da revolução
• Período do Terror ( mortes, interrogatórios sem defesa e guilhotina)
• Os Jacobinos guilhotinaram Danton e Herbert (líderes revolucionários)
A morte de Marat,
tela do pintor francês Jacques-Louis David.
O POVO NÃO APOIOU OS JACOBINOS
Girondinos e Planície guilhotinam Robespierre e todos os líderes jacobinos, sem julgamento.
Maximilien Robespierre Jacques Herbert
Georges-Jacques Danton
O INVENTOR DA GUILHOTINA
A guilhotina foi um instrumento utilizado durante a
Revolução Francesa para aplicar
a pena de morte por decapitação. O aparelho é
constituído de uma grande armação reta
(aproximadamente 4 m de altura) na
qual é suspensa uma lâmina losangular pesada
(de cerca de 40 kg).
Joseph-Ignace Guillotin:
foi um médico francês
que
propôs, em 10 de
outubro de 1789, o uso
de
um dispositivo
mecânico para realizar
as
penas de morte na
França.
O DIRETÓRIO
• Alta burguesia no poder, aumento da indústria e comércio
• 1795- Nova Constituição Republicana
• Voto Censitário ( baseado na riqueza)
• Governaram através de um Diretório formado de cinco deputados.
• Surge a conspiração dos iguais (monarquistas e jacobinos)
• A conspiração perdeu e os líderes foram executados.
• O governo fechou os jornais.
• O governo estava desmoralizado por causa dos escândalos de corrupção.
• Foi citado o nome do militar Napoleão Bonaparte para moralizar a França.
• 10 de novembro de 1799 – Golpe de 18 Brumário , com o apoio de Napoleão,
os burgueses e os militares.
• Chega ao fim a Revolução Francesa.
Paul Barras, presidente do
diretório de 1795 a 1799.
9- A ERA DE NAPOLEÃO
Napoleão Bonaparte:
nasceu na Córsega,
filho de pais com
ascendência
da nobreza italiana e foi
treinado
como oficial de artilharia
na França
continental.
9.1 O CONSULADO
Arco do Triunfo, Paris
- Uma nova constituição institui o
Consulado
- Foram escolhidos três cônsules
( Napoleão seria o primeiro cônsul
– o mais importante)
- Mantiveram a República com
amplos poderes a Napoleão
- Napoleão prendeu seus inimigos
e censurou a imprensa.
- Napoleão mandou construir o
ARCO DO TRIUNFO em sua
homenagem.
10- A ECONOMIA
- Terras foram distribuídas , drenagens de pântanos,
construiu estradas e pontes, baixou o preço dos
alimentos e criou o Banco da França
- Emitiu papel-moeda para evitar a inflação.
- Emprestou dinheiro a indústrias e ao comércio
- Aumentou impostos de estrangeiros.
- Premiou inventores de máquinas.
- Acelerou a indústria, aumentou a oferta de alimentos e empregos.
11- A EDUCAÇÃO E O DIREITO
- Criou escolas para crianças e jovens.
- Criou cursos para formação de professores.
- Criou o Código Napoleônico ( Código Civil que serve até hoje como modelo para o Brasil)
- O Código Napoleônico consistia em : abolir privilégios do Clero e Nobreza, direito a
- propriedade privada, igualdade de todos perante a lei,
- separação do casamento civil e religioso, favorecia à burguesia, proibia sindicatos e
- greves e a mulher devia se submeter ao marido.
- Fez um plebiscito em 1802 ( consulta ao povo )
- Napoleão torna-se cônsul vitalício podendo indicar
seu sucessor.
- Fez novo plebiscito em 1804 e tornou-se imperador.
- Napoleão foi coroado imperador da França em 2 de
dezembro de 1804.
Código Civil Napoleônico
12- O IMPÉRIO
• O exército de Napoleão obteve vitórias.
• A Inglaterra se sentiu ameaçada.
• Em 21 de Outubro de 1805 aconteceu a BATALHA DE TRAFALGAR ,
pelo mar. ( Inglaterra X França e Espanha) . A Inglaterra ganhou.
Pintura de Clarkson Stanfield Frederick retratando
a decisiva Batalha de Trafalgar.
LOCALIZAÇÃO DA BATALHA DE TRAFALGAR
O Cabo de Trafalgar fica ao sul de Cádis, na costa atlântica espanhola.
POR QUE NAPOLEÃO SEMPRE VENCIA?
Disposições táticas da Batalha:
ingleses com duas colunas transversais à
formação franco-espanhola em banda
(fileira indiana). Imagem: Autor desconhecido.
Em meio à batalha, Nelson,
comandante inglês,
teria dito: “A Inglaterra espera que
cada homem cumpra o seu
dever!”.
(Pintura Rear-Admiral Sir Horatio
Nelson(1758-1805), de Lemuel
Francis Abbott, 1799).
Por fim, o grande almirante
morrera meia hora antes do final da
batalha, mas imensamente
orgulhoso de tê-la vencido e
servido à pátria
inglesa, tornando-se um dos
seus maiores heróis. Do lado
francês: os sonhos de invadir
a Inglaterra naufragaram
literalmente.
POR QUE NAPOLEÃO SEMPRE VENCIA?
AS BATALHAS
- De 1805 à 1807
Napoleão venceu
a Áustria , Rússia e
Prússia
(Alemanha)
- Em 1806,
Napoleão decreta
o BLOQUEIO
CONTINENTAL,
para vencer a
Inglaterra.
- Portugal foi
invadido pelos
franceses e a corte
fugiu para o Brasil
– 1808.
- O irmão de
Napoleão, passou
a governar a
Espanha.
13- REAÇÃO AO MILITARISMO DE NAPOLEÃO
- Napoleão passou a ser criticado pelos franceses.
- O trono da Espanha voltou para os espanhóis.
- O Bloqueio Continental não deu certo ( a Rússia voltou a negociar com
a Inglaterra)
- Conflito Rússia X França – Napoleão perde para o inverno russo.
- 1814 - Inglaterra, Áustria, Prússia ( Alemanha ) e Rússia, invadem a
França.
- Napoleão é enviado para a Ilha de Elba.
- O trono francês é ocupado por Luís XVIII, irmão de Luís XVI que foi
guilhotinado.
- 1815- Napoleão foge da Ilha de Elba e volta a Paris.
- Luís XVIII era um monarquista impopular e Napoleão
volta ao poder, mas somente por três meses.
Luís XVIII
A CHEGADA DE NAPOLEÃO À ILHA DE ELBA
A Ilha de Elba localiza-se
no arquipélago toscano.
Napoleão foi enviado
para lá em seu primeiro exílio. 1814.
Ficou 11 meses na ilha e mandou
construir estradas e escolas por lá.
Tela de Luciano Regoli
1815- BATALHA DE WATERLOO
- 1815- Batalha de Waterloo – Inglaterra X França
- Napoleão perde a guerra e é enviado para a ilha
- de Santa Helena onde fica até sua morte em 1821.
Na Batalha de Waterloo, o
poder de fogo da infantaria
britânica mostrou-se
nitidamente maior que
dos franceses
14- O CONGRESSO DE VIENA
"O Congresso de Viena". O famoso
Congresso de Viena, em que estiveram
representados todas as potências da
Europa, em 1814, por iniciativa do
príncipe de Meternink, o célebre
chanceler austríaco, a fim de
reformular o mapa da Europa após a
queda de Napoleão. O Congresso
propunha-se a implantar a paz
permanente na Europa, porém, sem
levar em conta as pretensões
nacionalistas dos Balkans, o que
acabaram por culminar na Primeira
Guerra Mundial, que se deu
exatamente um século depois, ou seja,
em 1914. O rei Nicolau do
Montenegro, referindo-se a esta
grande Guerra, afirmou: "Essa terrível
guerra dura há um século. Esperamos
que ele represente a derradeira
revolta das nações oprimidas pela
injustiça do Congresso de Viena".
- Formado pelos países vencedores:
- Inglaterra, Rússia, Prússia (Alemanha ) e
Áustria.
-A adotaram dois princípios:
LEGITIMIDADE ( Luís XVIII volta ao poder)
e POLÍTICA DO EQUILÍBRIO EUROPEU
( as grandes potências europeias
deveriam se aliar).
NOVA DIVISÃO DO MAPA EUROPEU
- Criaram a SANTA ALIANÇA ( Prússia , Áustria e Rússia ) contra os Liberais.
- A SANTA ALIANÇA tinha como objetivo evitar a independência das colônias espanholas
na América.
POR HOJE É SÓ JOVENS!
Profª Isabel Aguiar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Edenilson Morais
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Fatima Freitas
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Isaquel Silva
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
Kéliton Ferreira
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
7 de Setembro
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Douglas Barraqui
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
Fabiana Tonsis
 
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
Isabel Aguiar
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Isabela Espíndola
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
Segundo reinado (completo)
Segundo reinado (completo)Segundo reinado (completo)
Segundo reinado (completo)
Gabriel Wanderley
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
Expedito Martins
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
profbrenoazevedo
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
Segundo reinado (completo)
Segundo reinado (completo)Segundo reinado (completo)
Segundo reinado (completo)
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 

Destaque

Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
Isabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
Isabel Aguiar
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
Isabel Aguiar
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
Isabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
Isabel Aguiar
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
Isabel Aguiar
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
professordehistoria
 

Destaque (20)

Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
 

Semelhante a Revolução Francesa e Era Napoleonica

Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
Isabel Aguiar
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Isabel Ribeiro
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Diego Silva
 
Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)
Érica Alegre
 
a era napolenica-.pptx
a era napolenica-.pptxa era napolenica-.pptx
a era napolenica-.pptx
ocg50
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
Nelia Salles Nantes
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
Nelia Salles Nantes
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
Norma Almeida
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
Adauto Ferreira
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
Adauto Ferreira
 
A era napoleônica 2014
A era napoleônica   2014A era napoleônica   2014
A era napoleônica 2014
Nelia Salles Nantes
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
Denis Gasco
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Marcia Vinuto
 
Revoulção francesa
Revoulção francesaRevoulção francesa
Revoulção francesa
Max22Rodrigues
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Ueber Vale
 
Revolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período NapoleônicoRevolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período Napoleônico
Valéria Shoujofan
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
alunoitv
 
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
alunoitv
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
Adriana Gomes Messias
 
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
JUNIOR MADRUGA MADRUGA
 

Semelhante a Revolução Francesa e Era Napoleonica (20)

Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)
 
a era napolenica-.pptx
a era napolenica-.pptxa era napolenica-.pptx
a era napolenica-.pptx
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
A era napoleônica 2017
A era napoleônica   2017A era napoleônica   2017
A era napoleônica 2017
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
A era napoleônica 2014
A era napoleônica   2014A era napoleônica   2014
A era napoleônica 2014
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revoulção francesa
Revoulção francesaRevoulção francesa
Revoulção francesa
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
Revolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período NapoleônicoRevolução Francesa e Período Napoleônico
Revolução Francesa e Período Napoleônico
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
 
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
Revolução francesa e o governo napoleônico luis augusto e joao vitor fernande...
 
Era napoleônica
Era napoleônicaEra napoleônica
Era napoleônica
 
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
 

Mais de Isabel Aguiar

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Isabel Aguiar
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
Isabel Aguiar
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Isabel Aguiar
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
Isabel Aguiar
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
Isabel Aguiar
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
Isabel Aguiar
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
Isabel Aguiar
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
Isabel Aguiar
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivencia
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
Isabel Aguiar
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
Isabel Aguiar
 

Mais de Isabel Aguiar (11)

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivencia
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 

Último

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Revolução Francesa e Era Napoleonica

  • 1. A REVOLUÇÃO FRANCESA E A ERA NAPOLEÔNICA
  • 2. 1- SÉCULO XVIII – ANTIGO REGIME
  • 3. MAPA MENTAL DAS CAUSAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA
  • 4. 1- SÉCULO XVIII – ANTIGO REGIME
  • 5. EXEMPLOS DE ABOLICIONISTAS A imagem mostra o 3º Estado miserável, a Nobreza robusta e livre e o Clero com uma coruja no chapéu, símbolo da ambição. Situação social e econômica da época: secas, má colheita, fome, revoltas, empresas falidas e desemprego. 1- SÉCULO XVIII – ANTIGO REGIME
  • 6. 2- CONVOCAÇÃO DOS TRÊS ESTADOS – MAIO DE 1789 - Devido a queda na economia - Luís XVI convocou a Assembleia dos Estados Gerais (depois de 175 anos inativa) - Cada Estado teria direito a um voto, o Terceiro Estado perdia sempre. Na imagem, os três Estados reunidos
  • 7. 3- A REVOLUÇÃO - A votação seguiu por Estado - O Terceiro Estado queria que a votação fosse por pessoa e não por Estado - Luís XVI não permitiu. - O deputado Mirabeu, do Terceiro Estado, reagiu: “Estamos aqui pela vontade do povo, e só sairemos com a força das baionetas”. - Os deputados do Terceiro Estados foram expulsos da sala de reunião Honore Mirabeu
  • 8. MOBILIZAÇÃO DO 3º ESTADO Depois de expulsos, invadiram a sala do jogo da péla ( uma espécie de jogo de tênis) Começaram a organizar uma nova Constituição
  • 9. 4- ASSEMBLEIA NACIONAL CONSTITUINTE – 14 DE JULHO DE 1789 • O rei reprimiu a assembleia do Terceiro Estado • Populares saíram pelas ruas de Paris e invadiram depósitos de armas e alimentos • Invadiram a Bastilha ( prisão onde eram colocados os inimigos do rei Luís XVI) • Camponeses invadiram castelos e puseram fogo em documentos • Dia 4 de agosto de 1789 foi abolida a servidão, os dízimos e os privilégios do Clero e Nobreza. • Dia 26 de agosto de 1789 – Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão • O Clero e Nobreza fugiram levando dinheiro e joias. Organizaram um exército contra a revolução.
  • 10. 5- A MONARQUIA CONSTITUCIONAL - 1791 Luis XVI• Fim dos privilégios do Clero e Nobreza • Limitou o poder o rei • A Assembleia Nacional poderia fazer e aprovar leis. • O voto seria censitário ( baseado na riqueza) • Camponeses, mulheres, artesão e operários não votavam ( constituíam 85% da população) • A burguesia foi a maior beneficiada • Luís XVI se aliou aos reis da Austrália e Prússia ( Alemanha), montaram um exército e invadiram a França. • Os franceses expulsaram o rei Luís XVI que fugiu com a família e depois foi preso.
  • 11. 6- CONVENÇÃO NACIONAL Página oficial da chamada nominal referente a votação da condenação de Luís XVI: à esquerda os nomes dos deputados, à direita a sentença, que na maioria dos casos era a morte. • Objetivo: elaborar uma nova Constituição • Os membros da convenção foram escolhidos por homens ricos • Chega ao fim a Monarquia e começa a República • Eram 750 deputados divididos em: Girondinos (direita), Jacobinos (esquerda), Condeliers e Planície.
  • 12. - 1793- Luís XVI foi executado em praça pública ÚLTIMAS PALAVRAS DE LUÍS XVI: “Franceses! Morro inocente dos crimes de que fui acusado. Perdoo aqueles que são culpados de minha morte e peço a Deus que o sangue que vocês estão prestes a derramar nunca seja cobrado da França. Só sancionei a Constituição Civil do Clero sob coação...”
  • 13. 7- JACOBINOS NO PODER • Jacobinos (republicanos) X Inglaterra ( monarquistas) • Os Jacobinos criaram: o Comitê de Salvação Pública para ajudar a população. (líder: Robespierre) e o Tribunal Revolucionário • Jean Paul Marat (jacobino) foi assassinado por uma mulher girondina. • Aumentou a repressão aos inimigos da revolução • Período do Terror ( mortes, interrogatórios sem defesa e guilhotina) • Os Jacobinos guilhotinaram Danton e Herbert (líderes revolucionários) A morte de Marat, tela do pintor francês Jacques-Louis David.
  • 14. O POVO NÃO APOIOU OS JACOBINOS Girondinos e Planície guilhotinam Robespierre e todos os líderes jacobinos, sem julgamento. Maximilien Robespierre Jacques Herbert Georges-Jacques Danton
  • 15. O INVENTOR DA GUILHOTINA A guilhotina foi um instrumento utilizado durante a Revolução Francesa para aplicar a pena de morte por decapitação. O aparelho é constituído de uma grande armação reta (aproximadamente 4 m de altura) na qual é suspensa uma lâmina losangular pesada (de cerca de 40 kg). Joseph-Ignace Guillotin: foi um médico francês que propôs, em 10 de outubro de 1789, o uso de um dispositivo mecânico para realizar as penas de morte na França.
  • 16. O DIRETÓRIO • Alta burguesia no poder, aumento da indústria e comércio • 1795- Nova Constituição Republicana • Voto Censitário ( baseado na riqueza) • Governaram através de um Diretório formado de cinco deputados. • Surge a conspiração dos iguais (monarquistas e jacobinos) • A conspiração perdeu e os líderes foram executados. • O governo fechou os jornais. • O governo estava desmoralizado por causa dos escândalos de corrupção. • Foi citado o nome do militar Napoleão Bonaparte para moralizar a França. • 10 de novembro de 1799 – Golpe de 18 Brumário , com o apoio de Napoleão, os burgueses e os militares. • Chega ao fim a Revolução Francesa. Paul Barras, presidente do diretório de 1795 a 1799.
  • 17. 9- A ERA DE NAPOLEÃO Napoleão Bonaparte: nasceu na Córsega, filho de pais com ascendência da nobreza italiana e foi treinado como oficial de artilharia na França continental.
  • 18. 9.1 O CONSULADO Arco do Triunfo, Paris - Uma nova constituição institui o Consulado - Foram escolhidos três cônsules ( Napoleão seria o primeiro cônsul – o mais importante) - Mantiveram a República com amplos poderes a Napoleão - Napoleão prendeu seus inimigos e censurou a imprensa. - Napoleão mandou construir o ARCO DO TRIUNFO em sua homenagem.
  • 19. 10- A ECONOMIA - Terras foram distribuídas , drenagens de pântanos, construiu estradas e pontes, baixou o preço dos alimentos e criou o Banco da França - Emitiu papel-moeda para evitar a inflação. - Emprestou dinheiro a indústrias e ao comércio - Aumentou impostos de estrangeiros. - Premiou inventores de máquinas. - Acelerou a indústria, aumentou a oferta de alimentos e empregos.
  • 20. 11- A EDUCAÇÃO E O DIREITO - Criou escolas para crianças e jovens. - Criou cursos para formação de professores. - Criou o Código Napoleônico ( Código Civil que serve até hoje como modelo para o Brasil) - O Código Napoleônico consistia em : abolir privilégios do Clero e Nobreza, direito a - propriedade privada, igualdade de todos perante a lei, - separação do casamento civil e religioso, favorecia à burguesia, proibia sindicatos e - greves e a mulher devia se submeter ao marido. - Fez um plebiscito em 1802 ( consulta ao povo ) - Napoleão torna-se cônsul vitalício podendo indicar seu sucessor. - Fez novo plebiscito em 1804 e tornou-se imperador. - Napoleão foi coroado imperador da França em 2 de dezembro de 1804. Código Civil Napoleônico
  • 21. 12- O IMPÉRIO • O exército de Napoleão obteve vitórias. • A Inglaterra se sentiu ameaçada. • Em 21 de Outubro de 1805 aconteceu a BATALHA DE TRAFALGAR , pelo mar. ( Inglaterra X França e Espanha) . A Inglaterra ganhou. Pintura de Clarkson Stanfield Frederick retratando a decisiva Batalha de Trafalgar.
  • 22. LOCALIZAÇÃO DA BATALHA DE TRAFALGAR O Cabo de Trafalgar fica ao sul de Cádis, na costa atlântica espanhola.
  • 23. POR QUE NAPOLEÃO SEMPRE VENCIA? Disposições táticas da Batalha: ingleses com duas colunas transversais à formação franco-espanhola em banda (fileira indiana). Imagem: Autor desconhecido.
  • 24. Em meio à batalha, Nelson, comandante inglês, teria dito: “A Inglaterra espera que cada homem cumpra o seu dever!”. (Pintura Rear-Admiral Sir Horatio Nelson(1758-1805), de Lemuel Francis Abbott, 1799). Por fim, o grande almirante morrera meia hora antes do final da batalha, mas imensamente orgulhoso de tê-la vencido e servido à pátria inglesa, tornando-se um dos seus maiores heróis. Do lado francês: os sonhos de invadir a Inglaterra naufragaram literalmente. POR QUE NAPOLEÃO SEMPRE VENCIA?
  • 25. AS BATALHAS - De 1805 à 1807 Napoleão venceu a Áustria , Rússia e Prússia (Alemanha) - Em 1806, Napoleão decreta o BLOQUEIO CONTINENTAL, para vencer a Inglaterra. - Portugal foi invadido pelos franceses e a corte fugiu para o Brasil – 1808. - O irmão de Napoleão, passou a governar a Espanha.
  • 26. 13- REAÇÃO AO MILITARISMO DE NAPOLEÃO - Napoleão passou a ser criticado pelos franceses. - O trono da Espanha voltou para os espanhóis. - O Bloqueio Continental não deu certo ( a Rússia voltou a negociar com a Inglaterra) - Conflito Rússia X França – Napoleão perde para o inverno russo. - 1814 - Inglaterra, Áustria, Prússia ( Alemanha ) e Rússia, invadem a França. - Napoleão é enviado para a Ilha de Elba. - O trono francês é ocupado por Luís XVIII, irmão de Luís XVI que foi guilhotinado. - 1815- Napoleão foge da Ilha de Elba e volta a Paris. - Luís XVIII era um monarquista impopular e Napoleão volta ao poder, mas somente por três meses. Luís XVIII
  • 27. A CHEGADA DE NAPOLEÃO À ILHA DE ELBA A Ilha de Elba localiza-se no arquipélago toscano. Napoleão foi enviado para lá em seu primeiro exílio. 1814. Ficou 11 meses na ilha e mandou construir estradas e escolas por lá. Tela de Luciano Regoli
  • 28. 1815- BATALHA DE WATERLOO - 1815- Batalha de Waterloo – Inglaterra X França - Napoleão perde a guerra e é enviado para a ilha - de Santa Helena onde fica até sua morte em 1821. Na Batalha de Waterloo, o poder de fogo da infantaria britânica mostrou-se nitidamente maior que dos franceses
  • 29. 14- O CONGRESSO DE VIENA "O Congresso de Viena". O famoso Congresso de Viena, em que estiveram representados todas as potências da Europa, em 1814, por iniciativa do príncipe de Meternink, o célebre chanceler austríaco, a fim de reformular o mapa da Europa após a queda de Napoleão. O Congresso propunha-se a implantar a paz permanente na Europa, porém, sem levar em conta as pretensões nacionalistas dos Balkans, o que acabaram por culminar na Primeira Guerra Mundial, que se deu exatamente um século depois, ou seja, em 1914. O rei Nicolau do Montenegro, referindo-se a esta grande Guerra, afirmou: "Essa terrível guerra dura há um século. Esperamos que ele represente a derradeira revolta das nações oprimidas pela injustiça do Congresso de Viena". - Formado pelos países vencedores: - Inglaterra, Rússia, Prússia (Alemanha ) e Áustria. -A adotaram dois princípios: LEGITIMIDADE ( Luís XVIII volta ao poder) e POLÍTICA DO EQUILÍBRIO EUROPEU ( as grandes potências europeias deveriam se aliar).
  • 30. NOVA DIVISÃO DO MAPA EUROPEU - Criaram a SANTA ALIANÇA ( Prússia , Áustria e Rússia ) contra os Liberais. - A SANTA ALIANÇA tinha como objetivo evitar a independência das colônias espanholas na América.
  • 31. POR HOJE É SÓ JOVENS! Profª Isabel Aguiar