SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
A IDADE MÉDIA ,[object Object],[object Object],[object Object],Desde a queda do Império Romano, em 473, novas condições se estabeleceram sobre a Europa medieval. Prevaleceu o Sistema Feudal e suas características:
O feudalismo começou sua decadência a partir do século X, quando novas técnicas, avanços produtivos e certa melhoria nas condições de vida influenciaram o aumento da população, resultando em um maior desenvolvimento urbano e comercial.  Cidade medieval
Outra característica marcante do período medieval foi a forte influência da Igreja Católica, que controlava não apenas a vida espiritual, mas regulava a sociedade medieval em vários outros sentidos. A mentalidade medieval era estabelecida através das orientações da Igreja, que mantinha uma relação que variava em apoio e conflito com os senhores feudais e os reis. O povo era dominado pela ideologia e poder da Igreja.
Diante do quadro de mudanças, novas condições foram sendo impostas e uma nova classe social acabou tomando grande importância como agente de transformações:  a burguesia . Os burgueses habitavam as cidades medievais (burgos) e dedicavam-se ao exercício de atividades lucrativas, como o comércio e a manufatura. O crescimento das cidades, do comércio e dos contatos entre povos na Europa e no Oriente favoreceram a burguesia, que passou a ter mais poderes econômicos, políticos e sociais.
Novas condições estavam em vigor, então as bases e aspectos próprios do feudalismo já não atendiam às exigências necessárias para o cumprimento do desenvolvimento do novo sistema sócio-econômico:  o capitalismo . A sociedade feudal, que era agrícola e rígida, estava sendo substituída por uma nova organização. Era a sociedade burguesa, que vivia de lucros que a Igreja condenava.
Entre a decadência do feudalismo e o surgimento do capitalismo (o que não foi algo repentino) muitas modificações foram verificadas na sociedade européia.  Estas modificações atingiram vários níveis da vida dos habitantes europeus, pois mudaram radicalmente alguns aspectos que faziam parte das características do mundo feudal. A economia, a política, a religião, a mentalidade, a ciência e até as fronteiras das influências européias mudaram. A Idade Média cedeu lugar para a Idade Moderna. A sociedade burguesa procurou estabelecer suas próprias condições.
Diante das condições que surgiram, a nova ordem social, política e econômica passou por transformações através dos seguintes acontecimentos simultâneos entre os séculos XV e XVI:  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
OS ESTADOS NACIONAIS E O ABSOLUTISMO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Europa Ocidental no início do século XVI
Além do conjunto de interesses da burguesia e dos monarcas, o fortalecimento do Estado e do poder centralizado também contou com uma base de idéias.  Estas novas idéias políticas faziam parte do conjunto de novos valores que passavam a dominar a condução das sociedades européias durante a formação do período moderno. A forma de organização do Estado centralizado passou a ser conhecida como  Absolutismo , onde os reis não estavam sujeitos a nenhuma lei. Pensadores criaram argumentos e teorias para explicar e justificar o Absolutismo. Charles I (1625-1649), monarca absolutista inglês.
JEAN BODIN (1530-1596) Defendia o poder absoluto dos reis, que deveriam reinar soberanos sobre os súditos, sendo apenas limitados pela Lei Divina. NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) Acreditava que a vontade do Estado deveria estar acima de todas as demais vontades. O governante deveria ser absoluto para poder exercer os interesses do Estado.
JACQUES BOSSUET (1627-1704) Defensor da teoria da origem divina do poder real, ou seja, para ele, os reis só prestavam satisfação de seus atos ao Criador. THOMAS HOBBES (1588-1679) Acreditava que a sociedade necessitava de um poder controlador para garantir sua proteção e unidade.
Também no plano religioso, as condições eram novas. A Igreja Católica Apostólica Romana passou a ser duramente desafiada através das chamadas Reformas Religiosas, que contestavam o seu poder, sua influência e suas práticas. Diversos interesses estiveram atuantes durante as Reformas. AS REFORMAS RELIGIOSAS
Extremamente poderosa, a Igreja Católica dominava vários setores da vida medieval e mesmo na Idade Moderna possuía forte influência, porém sua posição estava sendo objeto de contestação. Tamanho era o poder da Igreja, que ela estava distante das próprias questões espirituais. Sua interferência nos assuntos terrenos desagradava fiéis e pensadores críticos, que viam na situação da Igreja um fator de corrupção.  Vista interior da Catedral de Chartres, em Paris.
Pensadores humanistas já condenavam a situação da Igreja ainda na Idade Média. John Wiclif (1324-1384) e John Huss (1371-1415) criticavam a corrupção, a hierarquia e a venda de indulgências praticados pela Igreja. Por suas opiniões, foram condenados à morte.
A grave situação de corrupção despertava cada vez mais a crítica dentro da própria Igreja.  Contrários à exploração praticada pela Igreja, católicos passaram a denunciar as práticas abusivas e formaram uma importante oposição ao comando dos papas. Em 1517, na Alemanha, o monge Martinho Lutero (1483-1546) acabou liderando a mais importante ação crítica contra a Igreja Católica. Tinha início o Movimento Protestante.
Martinho Lutero Lutero lançou suas críticas contra a postura da Igreja e foi posteriormente julgado e excomungado pelo papa Leão X. Mas Lutero contou com o apoio de grande parte da população alemã e também recebeu o apoio de muitos príncipes, que se opunham ao poder da Igreja Católica na Alemanha.  O imperador Carlos V buscou impedir o avanço das idéias de Lutero, mas foi forçado pelos príncipes “protestantes” a admitir a liberdade religiosa nos vários reinos alemães em 1555, através da “Paz de Augsburgo”.  Até esta ocasião, os conflitos religiosos entre católicos e protestantes causaram milhares de mortes na Alemanha.
O Luteranismo propôs: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ulrich Zwinglio e João Calvino As idéias de Lutero influenciaram outros reformadores. Em 1522 Ulrich Zwinglio levou as reformas para a Suíça, pregando que a única autoridade sobre os cristãos era a própria Bíblia.  O clérigo católico francês João Calvino (1509-1564) aderiu ao movimento reformista em 1533, porém sua atuação ocorreu também na Suíça. Suas propostas deram origem ao Calvinismo, que possuía idéias que impulsionavam o capitalismo, pois afirmava que a prosperidade econômica era sinal de bênção de Deus.
O Calvinismo propôs: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Na Inglaterra, o reformismo ocorreu por causas mais políticas do que religiosas.  O rei Henrique VIII tentava limitar o poder da Igreja Católica e o estopim do rompimento foi a decisão do rei de divorciar-se da rainha Catarina de Aragão. O papa Clemente VII negou o divórcio e em 1534 o rei separou Estado e Igreja, confiscando bens e firmando uma nova igreja nacional que tinha o monarca como seu líder.  Era criada a Igreja Anglicana.
Tentando reagir aos reformistas, a própria Igreja Católica realizou sua reforma. Através do Concílio de Trento (1545-1563), diversas ações foram tomadas para conter a fuga de fiéis e impedir o avanço do protestantismo. O Concílio confirmou muitos dos fundamentos que eram criticados pelos reformistas (sacramentos, celibato, hierarquia, etc), mas reviu práticas como a cobrança das indulgências e buscou moralizar o comportamento do clero. Concílio de Trento
A Reforma Católica propôs: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
As manifestações artísticas e a ciência da Idade Moderna também representaram uma grande transformação. As condições da sociedade exigiam novas maneiras de interpretação do mundo e pensadores, artistas e cientistas elaboraram novas formas de interpretar sua realidade e modificar as maneiras antigas de expressão do mundo e das coisas. Eles tentaram superar de vez a mentalidade medieval, buscando influência nas culturas clássicas da Grécia e de Roma. Por este motivo o movimento passou a ser conhecido como Renascimento.  O RENASCIMENTO
Fatores que influenciaram o Renascimento: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Imprensa de Gutemberg
Fases do Renascimento: ,[object Object],[object Object],Dante Alighieri (1265-1321), autor de  A Divina Comédia Francesco Petrarca (1304-1374), o “pai do Humanismo” Giovanni Boccaccio (1313-1337), autor de  Decameron
Na arte plástica e na arquitetura do período, destacou-se Giotto di Bondone (1266-1337), que já realizava trabalhos com técnicas que eram distintas daquelas que eram mais comuns na Idade Média.
 
[object Object],[object Object],Catedral de Florença, por Fillippo Brunellesschi Estátua de Gattamelata, por Donatello
[object Object],[object Object]
Mona Lisa e a Última Ceia – Leonardo da Vinci
Davi e a Criação do Homem - Michelangelo
O Renascimento científico – Além das artes, a ciência também passou por importantes transformações. Destacam-se os seguintes cientistas e suas idéias: Miguel de Servet (1511-1553) Descobriu a “pequena circulação” ou circulação pulmonar Francis Bacon (1561-1626) Método dedutivo: partir de coisas concretas para a compreensão. Observação e experimentação.
Nicolau Copérnico (1473-1543) Desenvolveu a teoria heliocêntrica. Sua tese foi retomada por  Giordano Bruno  (1548-1600), que foi condenado pela Inquisição por seus estudos científicos. Giordano Bruno Galileu Galilei (1564-1642) Fundador da Física moderna, chegou a conclusões semelhantes às de Copérnico e também  foi perseguido pela Igreja. Johannes Kepler (1571-1630) Comprovou que as órbitas dos planetas eram elípticas.
MERCANTILISMO E AS GRANDES NAVEGAÇÕES MERCANTILISMO – Doutrina econômica adotada pelas principais nações européias. Era caracterizado por: 1- Balança comercial favorável;  2- Protecionismo;  3- Metalismo;  4- Colonialismo.
A burguesia mercantil estava cada vez mais ávida por lucros, o que estimulou a expansão comercial e a necessidade de conquista de novos mercados. Além do mais, havia a necessidade de enfrentar os concorrentes externos.
Visando atingir mercados e chegar diretamente ao Oriente, as principais nações mercantis passaram a investir nas navegações ultramarinas. Com apoio do Estado, a burguesia tratou de investir em empreendimentos comerciais ousados e Portugal saiu na frente.
O pioneirismo português se deveu aos seguintes fatores: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Diante de tais condições, Portugal iniciou a formação de seu império marítimo colonial, que vigorou entre 1415 e 1580. Dentre as conquistas portuguesas, estão: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A Espanha concorria em desvantagem, mesmo assim, em 1492, conseguiu descobrir um novo continente, a América.
Com o ingresso da América ao universo de influência da Europa, o desenvolvimento da economia tomou um impulso, bem como a integração deste “novo mundo” tornou um processo histórico mais amplo, envolvendo povos nativos e um variado pleno de conquista por parte dos europeus. A América passou a fazer parte desta história que tem a Europa como referência.  FIM DA APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
A origem dos seres humanos
A origem dos seres humanosA origem dos seres humanos
A origem dos seres humanos
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
 

Destaque

7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformaçõesHandel Ching
 
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 anoA cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 anoLucas Degiovani
 
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade modernaGustavo Cuin
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e ReligiãoSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e ReligiãoTurma Olímpica
 
6 Renascimento e Reforma
6  Renascimento e  Reforma6  Renascimento e  Reforma
6 Renascimento e ReformaRobson Santos
 
Slides iaraeandri
Slides iaraeandriSlides iaraeandri
Slides iaraeandriiaraandri
 
Missão dos jesuítas
Missão dos jesuítasMissão dos jesuítas
Missão dos jesuítasLuis Fleury
 
As missões jesuíticas
As missões jesuíticasAs missões jesuíticas
As missões jesuíticaslyslley
 
A educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernosA educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernosKaires Braga
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaFatima Freitas
 
Companhia De Jesus
Companhia De JesusCompanhia De Jesus
Companhia De JesusSandra Alves
 
A educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilA educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilJane Terra
 

Destaque (20)

7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações
 
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 anoA cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
 
Idade Moderna
Idade ModernaIdade Moderna
Idade Moderna
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
Ciência antiga e medieval
Ciência antiga e medievalCiência antiga e medieval
Ciência antiga e medieval
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e ReligiãoSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
 
6 Renascimento e Reforma
6  Renascimento e  Reforma6  Renascimento e  Reforma
6 Renascimento e Reforma
 
Slides iaraeandri
Slides iaraeandriSlides iaraeandri
Slides iaraeandri
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
 
A educação no período colonial (1500 1822)
A educação no período colonial (1500 1822)A educação no período colonial (1500 1822)
A educação no período colonial (1500 1822)
 
Missão dos jesuítas
Missão dos jesuítasMissão dos jesuítas
Missão dos jesuítas
 
As missões jesuíticas
As missões jesuíticasAs missões jesuíticas
As missões jesuíticas
 
A educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernosA educação no inicio dos tempos modernos
A educação no inicio dos tempos modernos
 
Reforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reformaReforma protestante e contra reforma
Reforma protestante e contra reforma
 
Jesuítas e a educação
Jesuítas e a educaçãoJesuítas e a educação
Jesuítas e a educação
 
Companhia De Jesus
Companhia De JesusCompanhia De Jesus
Companhia De Jesus
 
A educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilA educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasil
 

Semelhante a A Idade Moderna

idmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptx
idmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptxidmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptx
idmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptxKennedyAlmeida14
 
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptxBenildeRosa2
 
13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdf
13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdf13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdf
13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdfGisélida da Silva
 
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)Nefer19
 
reforma protestante
reforma protestantereforma protestante
reforma protestantedanyvic
 
O processo de reformas religiosas teve início no século xvi
O processo de reformas religiosas teve início no século xviO processo de reformas religiosas teve início no século xvi
O processo de reformas religiosas teve início no século xvidanyvic
 
Cristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slidesCristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slidesJoel Marins
 
Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)Gustavo Cuin
 
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante   um resumo dos principais movimentosReforma protestante   um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante um resumo dos principais movimentosCarlos132Silva
 
Apostila sobre os estados nacionais modernos
Apostila sobre os estados nacionais modernosApostila sobre os estados nacionais modernos
Apostila sobre os estados nacionais modernosJonas Araújo
 

Semelhante a A Idade Moderna (20)

idmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptx
idmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptxidmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptx
idmod-rev-110713164312-phpapp01 (1).pptx
 
Textos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmfTextos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmf
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
 
25 Geopolitica
25 Geopolitica25 Geopolitica
25 Geopolitica
 
A Reforma Protestante
A  Reforma  ProtestanteA  Reforma  Protestante
A Reforma Protestante
 
13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdf
13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdf13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdf
13 Reformas Protestante e Católica e Renascimento.pdf
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
 
reforma protestante
reforma protestantereforma protestante
reforma protestante
 
O processo de reformas religiosas teve início no século xvi
O processo de reformas religiosas teve início no século xviO processo de reformas religiosas teve início no século xvi
O processo de reformas religiosas teve início no século xvi
 
Cristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slidesCristianismo 2-slides
Cristianismo 2-slides
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 
Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)Apresentação de hist (1)
Apresentação de hist (1)
 
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante   um resumo dos principais movimentosReforma protestante   um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
 
Apostila sobre os estados nacionais modernos
Apostila sobre os estados nacionais modernosApostila sobre os estados nacionais modernos
Apostila sobre os estados nacionais modernos
 
História da Igreja 2
História da Igreja 2História da Igreja 2
História da Igreja 2
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reformas 1 serie
Reformas   1 serieReformas   1 serie
Reformas 1 serie
 

Mais de Paulo Alexandre

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Paulo Alexandre
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilPaulo Alexandre
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOSPaulo Alexandre
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESPaulo Alexandre
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosPaulo Alexandre
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaPaulo Alexandre
 

Mais de Paulo Alexandre (20)

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de Brasil
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
 
Saludos en Quéchua
Saludos en QuéchuaSaludos en Quéchua
Saludos en Quéchua
 
El Guarani en Paraguay
El Guarani en ParaguayEl Guarani en Paraguay
El Guarani en Paraguay
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricos
 
Conectaaí
ConectaaíConectaaí
Conectaaí
 
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
 
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
 
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
 
Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadania
 

Último

ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 

Último (8)

ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 

A Idade Moderna

  • 1.
  • 2. O feudalismo começou sua decadência a partir do século X, quando novas técnicas, avanços produtivos e certa melhoria nas condições de vida influenciaram o aumento da população, resultando em um maior desenvolvimento urbano e comercial. Cidade medieval
  • 3. Outra característica marcante do período medieval foi a forte influência da Igreja Católica, que controlava não apenas a vida espiritual, mas regulava a sociedade medieval em vários outros sentidos. A mentalidade medieval era estabelecida através das orientações da Igreja, que mantinha uma relação que variava em apoio e conflito com os senhores feudais e os reis. O povo era dominado pela ideologia e poder da Igreja.
  • 4. Diante do quadro de mudanças, novas condições foram sendo impostas e uma nova classe social acabou tomando grande importância como agente de transformações: a burguesia . Os burgueses habitavam as cidades medievais (burgos) e dedicavam-se ao exercício de atividades lucrativas, como o comércio e a manufatura. O crescimento das cidades, do comércio e dos contatos entre povos na Europa e no Oriente favoreceram a burguesia, que passou a ter mais poderes econômicos, políticos e sociais.
  • 5. Novas condições estavam em vigor, então as bases e aspectos próprios do feudalismo já não atendiam às exigências necessárias para o cumprimento do desenvolvimento do novo sistema sócio-econômico: o capitalismo . A sociedade feudal, que era agrícola e rígida, estava sendo substituída por uma nova organização. Era a sociedade burguesa, que vivia de lucros que a Igreja condenava.
  • 6. Entre a decadência do feudalismo e o surgimento do capitalismo (o que não foi algo repentino) muitas modificações foram verificadas na sociedade européia. Estas modificações atingiram vários níveis da vida dos habitantes europeus, pois mudaram radicalmente alguns aspectos que faziam parte das características do mundo feudal. A economia, a política, a religião, a mentalidade, a ciência e até as fronteiras das influências européias mudaram. A Idade Média cedeu lugar para a Idade Moderna. A sociedade burguesa procurou estabelecer suas próprias condições.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Europa Ocidental no início do século XVI
  • 10. Além do conjunto de interesses da burguesia e dos monarcas, o fortalecimento do Estado e do poder centralizado também contou com uma base de idéias. Estas novas idéias políticas faziam parte do conjunto de novos valores que passavam a dominar a condução das sociedades européias durante a formação do período moderno. A forma de organização do Estado centralizado passou a ser conhecida como Absolutismo , onde os reis não estavam sujeitos a nenhuma lei. Pensadores criaram argumentos e teorias para explicar e justificar o Absolutismo. Charles I (1625-1649), monarca absolutista inglês.
  • 11. JEAN BODIN (1530-1596) Defendia o poder absoluto dos reis, que deveriam reinar soberanos sobre os súditos, sendo apenas limitados pela Lei Divina. NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) Acreditava que a vontade do Estado deveria estar acima de todas as demais vontades. O governante deveria ser absoluto para poder exercer os interesses do Estado.
  • 12. JACQUES BOSSUET (1627-1704) Defensor da teoria da origem divina do poder real, ou seja, para ele, os reis só prestavam satisfação de seus atos ao Criador. THOMAS HOBBES (1588-1679) Acreditava que a sociedade necessitava de um poder controlador para garantir sua proteção e unidade.
  • 13. Também no plano religioso, as condições eram novas. A Igreja Católica Apostólica Romana passou a ser duramente desafiada através das chamadas Reformas Religiosas, que contestavam o seu poder, sua influência e suas práticas. Diversos interesses estiveram atuantes durante as Reformas. AS REFORMAS RELIGIOSAS
  • 14. Extremamente poderosa, a Igreja Católica dominava vários setores da vida medieval e mesmo na Idade Moderna possuía forte influência, porém sua posição estava sendo objeto de contestação. Tamanho era o poder da Igreja, que ela estava distante das próprias questões espirituais. Sua interferência nos assuntos terrenos desagradava fiéis e pensadores críticos, que viam na situação da Igreja um fator de corrupção. Vista interior da Catedral de Chartres, em Paris.
  • 15. Pensadores humanistas já condenavam a situação da Igreja ainda na Idade Média. John Wiclif (1324-1384) e John Huss (1371-1415) criticavam a corrupção, a hierarquia e a venda de indulgências praticados pela Igreja. Por suas opiniões, foram condenados à morte.
  • 16. A grave situação de corrupção despertava cada vez mais a crítica dentro da própria Igreja. Contrários à exploração praticada pela Igreja, católicos passaram a denunciar as práticas abusivas e formaram uma importante oposição ao comando dos papas. Em 1517, na Alemanha, o monge Martinho Lutero (1483-1546) acabou liderando a mais importante ação crítica contra a Igreja Católica. Tinha início o Movimento Protestante.
  • 17. Martinho Lutero Lutero lançou suas críticas contra a postura da Igreja e foi posteriormente julgado e excomungado pelo papa Leão X. Mas Lutero contou com o apoio de grande parte da população alemã e também recebeu o apoio de muitos príncipes, que se opunham ao poder da Igreja Católica na Alemanha. O imperador Carlos V buscou impedir o avanço das idéias de Lutero, mas foi forçado pelos príncipes “protestantes” a admitir a liberdade religiosa nos vários reinos alemães em 1555, através da “Paz de Augsburgo”. Até esta ocasião, os conflitos religiosos entre católicos e protestantes causaram milhares de mortes na Alemanha.
  • 18.
  • 19. Ulrich Zwinglio e João Calvino As idéias de Lutero influenciaram outros reformadores. Em 1522 Ulrich Zwinglio levou as reformas para a Suíça, pregando que a única autoridade sobre os cristãos era a própria Bíblia. O clérigo católico francês João Calvino (1509-1564) aderiu ao movimento reformista em 1533, porém sua atuação ocorreu também na Suíça. Suas propostas deram origem ao Calvinismo, que possuía idéias que impulsionavam o capitalismo, pois afirmava que a prosperidade econômica era sinal de bênção de Deus.
  • 20.
  • 21. Na Inglaterra, o reformismo ocorreu por causas mais políticas do que religiosas. O rei Henrique VIII tentava limitar o poder da Igreja Católica e o estopim do rompimento foi a decisão do rei de divorciar-se da rainha Catarina de Aragão. O papa Clemente VII negou o divórcio e em 1534 o rei separou Estado e Igreja, confiscando bens e firmando uma nova igreja nacional que tinha o monarca como seu líder. Era criada a Igreja Anglicana.
  • 22. Tentando reagir aos reformistas, a própria Igreja Católica realizou sua reforma. Através do Concílio de Trento (1545-1563), diversas ações foram tomadas para conter a fuga de fiéis e impedir o avanço do protestantismo. O Concílio confirmou muitos dos fundamentos que eram criticados pelos reformistas (sacramentos, celibato, hierarquia, etc), mas reviu práticas como a cobrança das indulgências e buscou moralizar o comportamento do clero. Concílio de Trento
  • 23.
  • 24. As manifestações artísticas e a ciência da Idade Moderna também representaram uma grande transformação. As condições da sociedade exigiam novas maneiras de interpretação do mundo e pensadores, artistas e cientistas elaboraram novas formas de interpretar sua realidade e modificar as maneiras antigas de expressão do mundo e das coisas. Eles tentaram superar de vez a mentalidade medieval, buscando influência nas culturas clássicas da Grécia e de Roma. Por este motivo o movimento passou a ser conhecido como Renascimento. O RENASCIMENTO
  • 25.
  • 26.
  • 27. Na arte plástica e na arquitetura do período, destacou-se Giotto di Bondone (1266-1337), que já realizava trabalhos com técnicas que eram distintas daquelas que eram mais comuns na Idade Média.
  • 28.  
  • 29.
  • 30.
  • 31. Mona Lisa e a Última Ceia – Leonardo da Vinci
  • 32. Davi e a Criação do Homem - Michelangelo
  • 33. O Renascimento científico – Além das artes, a ciência também passou por importantes transformações. Destacam-se os seguintes cientistas e suas idéias: Miguel de Servet (1511-1553) Descobriu a “pequena circulação” ou circulação pulmonar Francis Bacon (1561-1626) Método dedutivo: partir de coisas concretas para a compreensão. Observação e experimentação.
  • 34. Nicolau Copérnico (1473-1543) Desenvolveu a teoria heliocêntrica. Sua tese foi retomada por Giordano Bruno (1548-1600), que foi condenado pela Inquisição por seus estudos científicos. Giordano Bruno Galileu Galilei (1564-1642) Fundador da Física moderna, chegou a conclusões semelhantes às de Copérnico e também foi perseguido pela Igreja. Johannes Kepler (1571-1630) Comprovou que as órbitas dos planetas eram elípticas.
  • 35. MERCANTILISMO E AS GRANDES NAVEGAÇÕES MERCANTILISMO – Doutrina econômica adotada pelas principais nações européias. Era caracterizado por: 1- Balança comercial favorável; 2- Protecionismo; 3- Metalismo; 4- Colonialismo.
  • 36. A burguesia mercantil estava cada vez mais ávida por lucros, o que estimulou a expansão comercial e a necessidade de conquista de novos mercados. Além do mais, havia a necessidade de enfrentar os concorrentes externos.
  • 37. Visando atingir mercados e chegar diretamente ao Oriente, as principais nações mercantis passaram a investir nas navegações ultramarinas. Com apoio do Estado, a burguesia tratou de investir em empreendimentos comerciais ousados e Portugal saiu na frente.
  • 38.
  • 39. A Espanha concorria em desvantagem, mesmo assim, em 1492, conseguiu descobrir um novo continente, a América.
  • 40. Com o ingresso da América ao universo de influência da Europa, o desenvolvimento da economia tomou um impulso, bem como a integração deste “novo mundo” tornou um processo histórico mais amplo, envolvendo povos nativos e um variado pleno de conquista por parte dos europeus. A América passou a fazer parte desta história que tem a Europa como referência. FIM DA APRESENTAÇÃO