SlideShare uma empresa Scribd logo
A MARCHA DA COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA
A MARCHA DA COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA
SÉCULO XVI – A população luso-brasileira vivia no litoral.
Por que?
A locomoção para o interior era difícil
Havia resistência indígena à ocupação de suas terras.
Período: União Ibérica
COMO ISSO MUDOU?
Ação de soldados, bandeirantes, jesuítas e criadores de gado.
1- SOLDADOS
Enviados para o litoral
Combater a pirataria
Ergueram fortes e povoados (origem de várias capitais brasileiras)
FORTE DE SÃO LUÍS – MA
CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DAS PÁGINAS 239 À 241OS FORTES
FORTE DE FELIPEIA
DE NOSSA SENHORA
DAS NEVES – PB
FORTE DO
PRESÉPIO DE SANTA
MARIA DE BELÉM – PARÁ
FORTALEZA DE NOSSA
SENHORA DE
ASSUNÇÃO – CEARÁ
CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DAS PÁGINAS 239 À 241OS BANDEIRANTES
O governo português organizou :
-ENTRADAS: do litoral ao sertão em busca de ouro e pedras preciosas (oficiais)
-BANDEIRAS: saíam de SP para capturar índios e pedras preciosas
(particulares)
COMO SURGIU A CIDADE DE SÃO PAULO?
- Era apenas um povoado pobre
- Se tornou vila
- Crescimento lento
- 150 casas, 1500 pessoas
- agricultura: milho, mandioca, trigo
- Criação de porcos e galinhas
- Como sair da pobreza? BANDEIRAS
Fundação de São Paulo,
quadro de 1913 de Antônio Parreiras.
COMO SURGIU A CIDADE DE SÃO PAULO?
Pátio do Colégio, no Centro Histórico de São Paulo. Neste local,
foi fundada a cidade, em 1554. O prédio atual é uma
reconstrução feita na segunda metade do século XX, tendo,
como modelos, o colégio e igreja jesuítas que foram erigidos
no local em 1653
COMO ERAM AS BANDEIRAS?
- Algumas com 20 ou 30 homens e outras com mais de 2 mil.
- Faziam parte das bandeiras: sertanistas de origem portuguesa, mamelucos
- (índio+branco) e índios (guias, cozinheiros, guerreiros e carregadores)
* OS TRÊS TIPOS DE BANDEIRAS:
- 1- Caça ao índio:
bandeirantes atacavam as missões
(aldeamento de índios organizados pelos jesuítas)
- Objetivo: mão-de-obra para plantar trigo
- Líder das bandeiras: Antônio Raposo Tavares
- Bandeiras destruídas: Guairá (PR), Itatim (MS) ,
Tape (RS)
- Batalhas contra os índios: Caasapaguaçu (1638)
e Mbororé (1641)
– venceram os bandeirantes
Antônio Raposo Tavares
COMO ERAM AS BANDEIRAS?
2- A BUSCA DE OURO E DIAMANTES
- Século XVII – crise econômica em Portugal
- Bandeirantes recebem ordem de procurar ouro e pedras preciosas
- Fernão Dias foi um dos primeiros bandeirantes e abriu caminho para outros ...
* As principais bandeiras:
- Antônio Rodrigues Arzão – Sabará – MG – 1693
- Pascoal Moreira Cabral – Cuiabá – MT – 1719
- Bartolomeu Bueno da Silva – Vila Boa – Goiás – 1725
COMO ERAM AS BANDEIRAS?
3- AS MONÇÕES
- Era o comércio de canoas pelos rios para vender alimentos,
- roupas e equipamentos de trabalho.
Estudo da Partida da Monção, 1897. Pintura de Almeida Júnior.
O que foi o SERTANISMO DE CONTRATO? (Séc. XVII / XVIII)
Com a elevação do preço do escravo africano, o bandeirantismo viu os lucros do apresamento
indígena crescerem.
- Os fazendeiros e autoridades contratavam bandeirantes para
combater índios e africanos que não aceitavam a escravidão.
- Ex: a bandeira que destruiu o Quilombo de Palmares (1694)
OS JESUÍTAS
Padre Antônio Vieira
Os jesuítas se dedicaram a pregação da fé católica e ao
trabalho educativo. Perceberam que não seria possível
Converter os índios à fé católica sem que soubessem ler
e escrever.
Fundaram e sustentaram escolas e aldeamentos.
- Fizeram muitas MISSÕES= ALDEAMENTOS
-Onde? Amazônia e Região Sul
*O que acontecia com os índios nas missões?
- Trabalhavam (agricultura, produção de tecidos, esculturas...)
- Eram convertidos ao Catolicismo
* Qual o benefício dos jesuítas aos índios?
- Padre Antônio Viera, conseguiu uma lei contra a escravidão
do índio (1680)
* Consequências dessa lei?
- Faltou mão-de-obra
- Os colonos se irritaram (especialmente: Estado do Grão-Pará e Maranhão)
A REVOLTA DE BECKMAN – SÉCULO XVII (1684)
• Colonos (escravizavam índios) X
Portugueses (escravizavam
africanos)
• Onde? Grão-Pará e Maranhão
• Base da economia: drogas do
sertão
• Os indígenas escravizados extraíam
as drogas do sertão e cuidavam
dos engenhos de açúcar.
- Causa: a proibição de escravizar índios
-substituição da mão-de-obra indígena por africana.
- O que os portugueses fizeram? Criaram a Companhia do Comércio do Maranhão
para vender africanos para os colonos.
-A Companhia não cumpriu o acordo. Não trouxe os africanos, fraudou pesos e medidas,
-Vendia produtos muito caros e comprava os produtos do Maranhão a um preço
muito baixo.
- Líder da revolta: Manuel Backman (senhor de engenho do MA)
* O que os revoltosos fizeram?
Movimento armado
Invadiram armazéns
Expulsaram o governador do MA
Expulsaram os jesuítas
* O que os portugueses fizeram?
• Enviaram soldados ao MA
• Enforcaram Manuel Backman
• Extinguiram a Companhia de Comércio do
Maranhão
• Voltam a permitir escravidão indígena
A CRIAÇÃO DE GADO
- Atividade mais importante do Nordeste e do Sul
- Consolidou o território colonial
- Tomé de Sousa introduz o gado no Nordeste
- O gado servia para mover moendas e transportar cana.
- Os rebanhos adentram o interior
- Vantagens : locomover-se sozinho,, sobreviver em região parida, exigir pouca
mão-de-obra, servir de alimento e fornecer couro.
- Governo, de Portugal proíbe criação de gado no litoral
(terras reservadas para plantar cana), com isso o gado avança pelo sertão.
A GUERRA DOS BÁRBAROS E O GADO NO SUL
- Índios X colonos luso-brasileiros (pag. 42)
O GADO NO SUL
- Jesuítas expulsos
- Sul - ótima terra para plantio
- cresce o rebanho sem dono
- pessoas de SP, Florianópoles e SC ocupam o Sul
- Caçavam gado selvagem para comer a carne e exportar o couro
- O rei de Portugal mandou erguer a Colônia de Sacramento (1680), as
margens
do rio da Prata.
- Foi descoberto ouro no Centro-Sul (MG) e precisavam de animais de
carga.
- O sul passa a fornecer animais de carga (mulas e jumentos, bois e
vacas)
- No caminho para MG havia feiras de gado.
- Os criadores sulistas aprenderam a fazer o charque
- Vendiam o charque no Brasil e exterior (maior parte ficava no Brasil)
AS NOVAS FRONTEIRAS DO BRASIL COLONIAL
- Os luso-brasileiros avançam por terras que
pertenciam à Espanha, por conta do
Tratado de Tordesilhas.
- O governo português buscou legalizar essas terras.
TRATADOS:
- Tratado de Madri (1750) – Portugal e Espanha
Colônia de Sacramento - com a Espanha
Sete Povos das Missões (RS) – com Portugal
- Guerra Guaranítica (1754-1756): índios
Guaranis X Portuga e Espanha – os índios
lutavam pelo direito de ficar com suas terras
- Os Guaranis foram massacrados
- 1756 – Portugueses e Espanhóis ocuparam
- os Sete Povos das Missões
- Tratado de Santo Idelfonso (1777) – Portugal e Espanha
Espanha ficou com Sete povos das Missões e a Colônia de Sacramento
Portugal ficou com o RS.
Portugueses se sentiram prejudicados
AS NOVAS FRONTEIRAS DO BRASIL COLONIAL
Novo acordo:
Tratado de Badajós (1801)
– entre Portugal e Espanha.
A marcha da colonização da América Portuguesa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Nefer19
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
Eloy Souza
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
victorjunio82
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
Portal do Vestibulando
 
independencia da america espanhola
independencia da america espanhola independencia da america espanhola
independencia da america espanhola
AnnaKarolinaLemosDeS
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Partilha da Africa
Partilha da AfricaPartilha da Africa
Partilha da Africa
Dênis Valério Martins
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
Kéliton Ferreira
 
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Giselda morais rodrigues do
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
Portal do Vestibulando
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Marilia Pimentel
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
Fabiana Tonsis
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Isaquel Silva
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
Nefer19
 

Mais procurados (20)

Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
independencia da america espanhola
independencia da america espanhola independencia da america espanhola
independencia da america espanhola
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Partilha da Africa
Partilha da AfricaPartilha da Africa
Partilha da Africa
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
 

Semelhante a A marcha da colonização da América Portuguesa

Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Brasil: Expansão Territorial 2020
Brasil: Expansão Territorial 2020Brasil: Expansão Territorial 2020
Brasil: Expansão Territorial 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Auxiliadora
 
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Auxiliadora
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
Daniel Alves Bronstrup
 
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 012° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
Daniel Alves Bronstrup
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdf
ValniksonViana
 
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Capitulo 02  a expansao da america portuguesaCapitulo 02  a expansao da america portuguesa
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Educandário Imaculada Conceição
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
Simone Gomes
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
Salageo Cristina
 
Introducao do Espaco Geografico Brasileiro
Introducao do Espaco Geografico BrasileiroIntroducao do Espaco Geografico Brasileiro
Introducao do Espaco Geografico Brasileiro
Isabella Silva
 
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
cristianoperinpissolato
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
Daniel Alves Bronstrup
 
Economia
EconomiaEconomia
História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]
Marco Aurélio Gondim
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Daniel Alves Bronstrup
 

Semelhante a A marcha da colonização da América Portuguesa (20)

Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
Brasil: Expansão Territorial 2020
Brasil: Expansão Territorial 2020Brasil: Expansão Territorial 2020
Brasil: Expansão Territorial 2020
 
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
 
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
 
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 012° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdf
 
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
Capitulo 02  a expansao da america portuguesaCapitulo 02  a expansao da america portuguesa
Capitulo 02 a expansao da america portuguesa
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
 
Introducao do Espaco Geografico Brasileiro
Introducao do Espaco Geografico BrasileiroIntroducao do Espaco Geografico Brasileiro
Introducao do Espaco Geografico Brasileiro
 
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão territorial [www.gondim.net]
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 

Mais de Isabel Aguiar

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Isabel Aguiar
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
Isabel Aguiar
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Isabel Aguiar
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
Isabel Aguiar
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
Isabel Aguiar
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
Isabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
Isabel Aguiar
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
Isabel Aguiar
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
Isabel Aguiar
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivencia
Isabel Aguiar
 

Mais de Isabel Aguiar (20)

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivencia
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

A marcha da colonização da América Portuguesa

  • 1. A MARCHA DA COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA
  • 2. A MARCHA DA COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA SÉCULO XVI – A população luso-brasileira vivia no litoral. Por que? A locomoção para o interior era difícil Havia resistência indígena à ocupação de suas terras. Período: União Ibérica
  • 3. COMO ISSO MUDOU? Ação de soldados, bandeirantes, jesuítas e criadores de gado. 1- SOLDADOS Enviados para o litoral Combater a pirataria Ergueram fortes e povoados (origem de várias capitais brasileiras) FORTE DE SÃO LUÍS – MA
  • 4. CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DAS PÁGINAS 239 À 241OS FORTES FORTE DE FELIPEIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES – PB FORTE DO PRESÉPIO DE SANTA MARIA DE BELÉM – PARÁ FORTALEZA DE NOSSA SENHORA DE ASSUNÇÃO – CEARÁ
  • 5. CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DAS PÁGINAS 239 À 241OS BANDEIRANTES O governo português organizou : -ENTRADAS: do litoral ao sertão em busca de ouro e pedras preciosas (oficiais) -BANDEIRAS: saíam de SP para capturar índios e pedras preciosas (particulares)
  • 6. COMO SURGIU A CIDADE DE SÃO PAULO? - Era apenas um povoado pobre - Se tornou vila - Crescimento lento - 150 casas, 1500 pessoas - agricultura: milho, mandioca, trigo - Criação de porcos e galinhas - Como sair da pobreza? BANDEIRAS Fundação de São Paulo, quadro de 1913 de Antônio Parreiras.
  • 7. COMO SURGIU A CIDADE DE SÃO PAULO? Pátio do Colégio, no Centro Histórico de São Paulo. Neste local, foi fundada a cidade, em 1554. O prédio atual é uma reconstrução feita na segunda metade do século XX, tendo, como modelos, o colégio e igreja jesuítas que foram erigidos no local em 1653
  • 8. COMO ERAM AS BANDEIRAS? - Algumas com 20 ou 30 homens e outras com mais de 2 mil. - Faziam parte das bandeiras: sertanistas de origem portuguesa, mamelucos - (índio+branco) e índios (guias, cozinheiros, guerreiros e carregadores) * OS TRÊS TIPOS DE BANDEIRAS: - 1- Caça ao índio: bandeirantes atacavam as missões (aldeamento de índios organizados pelos jesuítas) - Objetivo: mão-de-obra para plantar trigo - Líder das bandeiras: Antônio Raposo Tavares - Bandeiras destruídas: Guairá (PR), Itatim (MS) , Tape (RS) - Batalhas contra os índios: Caasapaguaçu (1638) e Mbororé (1641) – venceram os bandeirantes Antônio Raposo Tavares
  • 9. COMO ERAM AS BANDEIRAS? 2- A BUSCA DE OURO E DIAMANTES - Século XVII – crise econômica em Portugal - Bandeirantes recebem ordem de procurar ouro e pedras preciosas - Fernão Dias foi um dos primeiros bandeirantes e abriu caminho para outros ... * As principais bandeiras: - Antônio Rodrigues Arzão – Sabará – MG – 1693 - Pascoal Moreira Cabral – Cuiabá – MT – 1719 - Bartolomeu Bueno da Silva – Vila Boa – Goiás – 1725
  • 10. COMO ERAM AS BANDEIRAS? 3- AS MONÇÕES - Era o comércio de canoas pelos rios para vender alimentos, - roupas e equipamentos de trabalho. Estudo da Partida da Monção, 1897. Pintura de Almeida Júnior.
  • 11. O que foi o SERTANISMO DE CONTRATO? (Séc. XVII / XVIII) Com a elevação do preço do escravo africano, o bandeirantismo viu os lucros do apresamento indígena crescerem. - Os fazendeiros e autoridades contratavam bandeirantes para combater índios e africanos que não aceitavam a escravidão. - Ex: a bandeira que destruiu o Quilombo de Palmares (1694)
  • 12. OS JESUÍTAS Padre Antônio Vieira Os jesuítas se dedicaram a pregação da fé católica e ao trabalho educativo. Perceberam que não seria possível Converter os índios à fé católica sem que soubessem ler e escrever. Fundaram e sustentaram escolas e aldeamentos. - Fizeram muitas MISSÕES= ALDEAMENTOS -Onde? Amazônia e Região Sul *O que acontecia com os índios nas missões? - Trabalhavam (agricultura, produção de tecidos, esculturas...) - Eram convertidos ao Catolicismo * Qual o benefício dos jesuítas aos índios? - Padre Antônio Viera, conseguiu uma lei contra a escravidão do índio (1680) * Consequências dessa lei? - Faltou mão-de-obra - Os colonos se irritaram (especialmente: Estado do Grão-Pará e Maranhão)
  • 13. A REVOLTA DE BECKMAN – SÉCULO XVII (1684) • Colonos (escravizavam índios) X Portugueses (escravizavam africanos) • Onde? Grão-Pará e Maranhão • Base da economia: drogas do sertão • Os indígenas escravizados extraíam as drogas do sertão e cuidavam dos engenhos de açúcar. - Causa: a proibição de escravizar índios -substituição da mão-de-obra indígena por africana. - O que os portugueses fizeram? Criaram a Companhia do Comércio do Maranhão para vender africanos para os colonos. -A Companhia não cumpriu o acordo. Não trouxe os africanos, fraudou pesos e medidas, -Vendia produtos muito caros e comprava os produtos do Maranhão a um preço muito baixo. - Líder da revolta: Manuel Backman (senhor de engenho do MA) * O que os revoltosos fizeram? Movimento armado Invadiram armazéns Expulsaram o governador do MA Expulsaram os jesuítas * O que os portugueses fizeram? • Enviaram soldados ao MA • Enforcaram Manuel Backman • Extinguiram a Companhia de Comércio do Maranhão • Voltam a permitir escravidão indígena
  • 14. A CRIAÇÃO DE GADO - Atividade mais importante do Nordeste e do Sul - Consolidou o território colonial - Tomé de Sousa introduz o gado no Nordeste - O gado servia para mover moendas e transportar cana. - Os rebanhos adentram o interior - Vantagens : locomover-se sozinho,, sobreviver em região parida, exigir pouca mão-de-obra, servir de alimento e fornecer couro. - Governo, de Portugal proíbe criação de gado no litoral (terras reservadas para plantar cana), com isso o gado avança pelo sertão.
  • 15. A GUERRA DOS BÁRBAROS E O GADO NO SUL - Índios X colonos luso-brasileiros (pag. 42) O GADO NO SUL - Jesuítas expulsos - Sul - ótima terra para plantio - cresce o rebanho sem dono - pessoas de SP, Florianópoles e SC ocupam o Sul - Caçavam gado selvagem para comer a carne e exportar o couro - O rei de Portugal mandou erguer a Colônia de Sacramento (1680), as margens do rio da Prata. - Foi descoberto ouro no Centro-Sul (MG) e precisavam de animais de carga. - O sul passa a fornecer animais de carga (mulas e jumentos, bois e vacas) - No caminho para MG havia feiras de gado. - Os criadores sulistas aprenderam a fazer o charque - Vendiam o charque no Brasil e exterior (maior parte ficava no Brasil)
  • 16. AS NOVAS FRONTEIRAS DO BRASIL COLONIAL - Os luso-brasileiros avançam por terras que pertenciam à Espanha, por conta do Tratado de Tordesilhas. - O governo português buscou legalizar essas terras. TRATADOS: - Tratado de Madri (1750) – Portugal e Espanha Colônia de Sacramento - com a Espanha Sete Povos das Missões (RS) – com Portugal - Guerra Guaranítica (1754-1756): índios Guaranis X Portuga e Espanha – os índios lutavam pelo direito de ficar com suas terras - Os Guaranis foram massacrados - 1756 – Portugueses e Espanhóis ocuparam - os Sete Povos das Missões - Tratado de Santo Idelfonso (1777) – Portugal e Espanha Espanha ficou com Sete povos das Missões e a Colônia de Sacramento Portugal ficou com o RS. Portugueses se sentiram prejudicados
  • 17. AS NOVAS FRONTEIRAS DO BRASIL COLONIAL Novo acordo: Tratado de Badajós (1801) – entre Portugal e Espanha.