SlideShare uma empresa Scribd logo
INDEPENDÊNCIA DA  AMÉRICA ESPANHOLA
A AMÉRICA ESPANHOLA FOI COLONIZADA AO LONGO DOS SÉCULOS XVI - XIX. HOJE SÃO OS PAÍSES QUE FALAM LÍNGUA ESPANHOLA.  AS REGIÕES EM VERMELHO MAIS CLARO SÃO AS  ÁREAS DE COLONIZAÇÃO ESPANHOLA.
PROPRIETÁRIA DO QUE HOUVESSE TRABALHO COMPULSÓRIO EXISTIA NO IMPÉRIO INCA ERA “REMUNERADO” CAUSADOR DO GENOCÍDIO CHAPETTONES  –  ESPANHÓIS COM FUNÇÕES  ADMINISTRATIVAS ELITE CRIOLLA  –  POPULAÇÃO INDÍGENA NO CONTINENTE  MITA NEGROS ESCRAVOS NAS ANTILHAS
SÉCULO XVI METAIS PRECIOSOS SÉCULO XVI PRODUÇÃO  DE AÇÚCAR SÉCULO XVIII METAIS PRECIOSOS SÉCULO XVII PRODUÇÃO AGRÍCOLA, PECUÁRIA E COMÉRCIO COLONIZAÇÃO ESPANHOLA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA
AS COLÔNIAS FORNECIAM A ESPANHA, AS RIQUEZAS ATRAVÉS DO PACTO COLONIAL. ENTRETANTO, NO  SÉCULO XVIII  ESSES LAÇOS SE “AFROUXARAM”.
APÓS 1808 ESPANHA E FRANÇA ENTRARAM EM GUERRA E ISSO DESORGANIZOU O SISTEMA COLONIAL. AS COLÔNIAS ENTÃO SE APROVEITARAM E CRIARAM  AS JUNTAS GOVERNATIVAS  A PARTIR DOS  CABILDOS .  CABILDO DE BUENOS AIRES ASSEMBLEIAS LOCAIS FORMADAS PELA ELITE CRIOLLA, TINHAM MUITA AUTONOMIA.
ATÉ A DERROTA DE NAPOLEÃO AS COLÔNIAS TIVERAM RELAÇÃO DE LIVRE-COMÉRCIO COM A INGLATERRA.
APÓS O CONGRESSO DE VIENA  A ESPANHA ENFRENTOU AS COLÔNIAS QUERENDO ANULAR AS INICIATIVAS DE INDEPENDÊNCIA. NAÇÕES EUROPÉIAS REUNIDAS NO CONGRESSO DE VIENA EM 1815
MAS AS COLÔNIAS REAGIRAM E ENFRENTARAM A ESPANHA COM  SEUS EXÉRCITOS DE LIBERTAÇÃO. SÍMON BOLIVAR  COMANDOU AS FORÇAS DO NORTE E  JOSÉ SAN MARTIN  AS FORÇAS DO SUL.  BOLÍVAR SAN MARTIN
AS LUTAS DE LIBERTAÇÃO SE DERAM SOB COMANDO DOS CRIOLLOS E COM GRANDE PARTICIPAÇÃO POPULAR. EMBARQUE DE BOLÍVAR NA VENEZUELA BATALHA DE BOYACÁ - COLÔMBIA BATALHA DE BOYACÁ - COLÔMBIA
BOLÍVAR E SAN MARTIN EM 1825, A ESPANHA FOI DERROTADA. AS FORÇAS REBELDES OCUPARAM A CIDADE DE LIMA  BOLÍVAR ERA DEFENSOR DA  UNIDADE LATINO-AMERICANA,  MAS A ELITE CRIOLLA TINHA OUTROS OBJETIVOS. ATENÇÃO: NO FINAL HOUVE AJUDA NAVAL DA INGLATERRA.
A AMÉRICA ESPANHOLA FOI DIVIDIDA E FORMOU VÁRIAS  REPÚBLICAS, ENQUANTO NO BRASIL FOI IMPLANTADA A MONARQUIA. ATENÇÃO: ESSAS REPÚBLICAS FORAM REGIMES DITATORIAIS ONDE HOUVE O CAUDILHISMO.
CAUDILHOS:  GOVERNANTES  QUE FIZERAM “REFORMAS SOCIAIS” E EXERCERAM GOVERNOS DITATORIAIS. A HERANÇA DO CAUDILHISMO É NOTÓRIA NOS REGIMES POLÍTICOS DA VENEZUELA E SEUS ALIADOS MAIS PRÓXIMOS . HUGO CHAVEZ NA VENEZUELA
EM 1823 OS EUA FORMULARAM A  DOUTRINA MONROE  SE COLOCANDO NA DEFESA DA AMÉRICA. “ AMÉRICA PARA OS AMERICANOS” NA ÉPOCA A  SANTA ALIANÇA  AMEAÇAVA SE CONFRONTAR COM OS REGIMES INDEPENDENTES. ATENÇÃO: A IDEIA DE DEFESA ESCONDIA O  OBJETIVO DE HEGEMONIA NO CONTINENTE.
INDEPENDÊNCIA DO HAITI / 1795-1804 INFLUENCIADA PELA REVOLUÇÃO FRANCESA É CONSIDERADA A ÚNICA REVOLTA DE ESCRAVOS BEM SUCEDIDA DESDE A  ANTIGUIDADE.
O HAITI SE TORNOU COLÔNIA FRANCESA NO FINAL DO SÉCULO XVII. DESDE O INÍCIO FOI GRANDE PRODUTOR DE AÇÚCAR. EXPORTAVA 60 MIL TONELADAS  DE AÇÚCAR. ATENÇÃO: A REGIÃO DO CARIBE TEM CLIMA E SOLO EXCELENTES PARA O PLANTIO DESSA  AGRICULTURA. ATENÇÃO II: A MÃO-DE-OBRA FOI ESCRAVA NEGRA DE ORIGEM AFRICANA. NO HAITI E TODA A REGIÃO DO CARIBE.
A QUEDA DA BASTILHA E A REVOLUÇÃO FRANCESA. ELA PREGAVA OS IDEAIS DE “LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE” E A COLÔNIA ENTROU NESSA ONDA.
DE 1795 A 1804 A POPULAÇÃO ESCRAVA SE REBELOU QUERENDO O FIM DA ESCRAVIDÃO. ENFRENTARAM A ELITE LOCAL QUE TEVE AJUDA DE TROPAS FRANCESAS. CONSEGUIRAM A INDEPENDÊNCIA E ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO, MAS O PAÍS FICOU COMPLETAMENTE DEPENDENTE DA FRANÇA.  TOUSSANT L’ OVERTURE, LÍDER NO HAITI
Haiti independente  FAZENDEIRO BRANCO MORTO NA REVOLTA DOS NEGROS DO HAITI A INDEPENDÊNCIA NÃO TROUXE O PROGRESSO ESPERADO. OS CANAVIAIS ESTAVAM QUEIMADOS E O HAITI FICOU COMPLETAMENTE DEPENDENTE DA FRANÇA. AO LONGO DO SÉCULO XX O HAITI VIROU UM PAÍS FANTOCHE DOS EUA. SUCESSIVAS DITADURAS FORAM IMPLANTADAS.
DE 1957 A 1986 IMPLANTOU-SE A DITADURA DE PAPA DOC E BABY DOC, BASEADA NO TERROR POLICIAL E NA EXPLORAÇÃO DO VODU. O DITADOR PAPA DOC O  FILHO DO DITADOR BABY DOC DESDE A SUA INDEPENDÊNCIA O HAITI NÃO CONSEGUIU TER UM PRESIDENTE QUE CUMPRISSE O MANDATO NORMALMENTE.
DEPOIS DA REVOLTA DE 2004, O CONSELHO DE SEGURANÇA  ENVIOU TROPAS DA ONU (MINUSTAH) SOB O COMANDO DO BRASIL. TROPA BRASILEIRA NO HAITI
O Tragédia do Haiti - 2010
O HAITI É O PÁIS MAIS POBRE DAS AMÉRICAS. 72% DA POPULAÇÃO VIVE COM MENOS DE 2 DÓLARES POR DIA E 38% SÃO ANALFABETOS. OCUPA O 149º LUGAR NO IDH. CENAS DE PORTO PRÍNCIPE APÓS O TERREMOTO
(UFBA) Quando você for convidado pra subir no adro Da fundação Casa de Jorge Amado Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos Dando porrada na nuca de malandros pretos De ladrões mulatos e outros quase brancos Tratados como pretos Só pra mostrar aos outros quase pretos (E são quase todos pretos) E aos quase brancos pobres como pretos Como é que pretos, pobres e mulatos E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados E não importa se olhos do mundo inteiro Possam estar por um momento voltados para o largo Onde os escravos eram castigados E hoje um batuque em batuque Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária Em dia de parada E a grandeza épica de um povo em formação Nos atrai, nos deslumbra e estimula. Não importa nada: nem o traço do sobrado Nem a lente do Fantástico, nem o disco de Paul Simon Ninguém, ninguém é cidadão.
Se você for ver a festa do Pelô, e se você não for E na TV se você vir um deputado em pânico mal dissimulado Diante de qualquer, mas qualquer mesmo, qualquer Plano de educação que pareça fácil Que pareça fácil e rápido E vá representar uma ameaça de democratização Do ensino de primeiro grau E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto E nenhum no marginal E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual, Notar um homem mijando na esquina da rua sobre um Saco brilhante de lixo do Leblon E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo Diante da chacina 111 presos indefesos, mas presos são quase todos pretos Ou quase pretos, ou quase brancos quase pretos de tão pobres E pobres são como podres e todos sabem como se tratam os pretos E quando você for dar uma volta no Caribe E quando for trepar sem camisinha E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba Pense no Haiti, reze pelo Haiti O Haiti é aqui, o Haiti não é aqui. (Veloso, p.1)
A análise do texto, associada aos conhecimentos sobre a evolução das sociedades americanas, a partir do século XIX, permite concluir: (01) O trecho “Pra ver do alto a fila de soldados,... / ...e outros quase brancos / Tratados como pretos” indica o tratamento desigual da polícia, calcado na discriminação social e racial, que é uma das características da sociedade brasileira. (02) A afirmação “Ninguém, ninguém é cidadão” evidencia uma situação sócio-política que tem sido motivo de críticas sobre o Brasil, feitas por governos e organizações não governamentais de vários países, sobretudo pelo tratamento dispensado aos menores, aos índios e aos homossexuais. (04) O paradoxo contido em “O Haiti é aqui - o Haiti não é aqui” mostra que, apesar das especificidades, existem pontos comuns nas condições de vida das camadas populares do Brasil e do Haiti. (08) O Haiti distinguiu-se, no processo de formação dos Estados Nacionais da América, pela singularidade de sua emancipação política. (16) Os senhores de escravos, no Brasil do século XIX, viam no “haitianismo” a forma mais adequada de promover a transição do trabalho escravo para o trabalho livre. (32) A referência a “uma ameaça de democratização / Do ensino de primeiro grau” demonstra que, no Brasil, apesar da letra constitucional, a educação escolar se efetivou como direito de todos os brasileiros. (64) O modelo capitalista exercido pelos países mais desenvolvidos tende a atenuar ainda mais as desigualdades sociais evidenciadas nos versos da canção.
A análise do texto, associada aos conhecimentos sobre a evolução das sociedades americanas, a partir do século XIX, permite concluir: (V) O trecho “Pra ver do alto a fila de soldados,... / ...e outros quase brancos / Tratados como pretos” indica o tratamento desigual da polícia, calcado na discriminação social e racial, que é uma das características da sociedade brasileira. (V) A afirmação “Ninguém, ninguém é cidadão” evidencia uma situação sócio-política que tem sido motivo de críticas sobre o Brasil, feitas por governos e organizações não governamentais de vários países, sobretudo pelo tratamento dispensado aos menores, aos índios e aos homossexuais. (V) O paradoxo contido em “O Haiti é aqui - o Haiti não é aqui” mostra que, apesar das especificidades, existem pontos comuns nas condições de vida das camadas populares do Brasil e do Haiti. (V) O Haiti distinguiu-se, no processo de formação dos Estados Nacionais da América, pela singularidade de sua emancipação política. ( F ) Os senhores de escravos, no Brasil do século XIX, viam no “haitianismo” a forma mais adequada de promover a transição do trabalho escravo para o trabalho livre. ( F ) A referência a “uma ameaça de democratização / Do ensino de primeiro grau” demonstra que, no Brasil, apesar da letra constitucional, a educação escolar se efetivou como direito de todos os brasileiros. ( F ) O modelo capitalista exercido pelos países mais desenvolvidos tende a atenuar ainda mais as desigualdades sociais evidenciadas nos versos da canção.
(UFPR) Ao longo das três primeiras décadas do século XIX, quase todas as colônias da América Latina tornaram-se independentes das nações ibéricas. A respeito dessa conjuntura, coloque V para as questões verdadeiras e F para as falsas: (  ) A homogeneidade linguística e a existência de vice-reinos com vastas áreas territoriais não impediram a fragmentação política da América Espanhola. (  ) Devido o vigor de seus mercados internos e ao acelerado processo de industrialização, então em curso, poucos dos países recém independentes da América Latina preocuparam-se em desenvolver uma economia de exportação. (  ) A exemplo do ocorrido no Brasil, em todos os outros países da América Latina prevaleceram estruturas econômicas do período colonial, com base no regime escravista de trabalho, que praticava a monocultura e a escravidão negra. ( ) Os povos indígenas e seus descendentes compuseram maciçamente os exércitos locais de libertação na luta pela independência da América Latina e também os governos nacionais que se formavam em seguida. (  ) As disputas pelo poder entre as elites das colônias espanholas desencadearam várias guerras civis, nas quais assumiram grande importância os caudilhos, chefes locais capazes de mobilizar e manter sob seu comando autênticos exércitos. (  ) O processo de independência na América Latina teve de enfrentar a reação não só da Espanha mas também da Inglaterra, preocupada com a propagação dos ideais de independência em suas colônias na América do Norte.
(UFPR) Ao longo das três primeiras décadas do século XIX, quase todas as colônias da América Latina tornaram-se independentes das nações ibéricas. A respeito dessa conjuntura, coloque V para as questões verdadeiras e F para as falsas: ( V ) A homogeneidade linguística e a existência de vice-reinos com vastas áreas territoriais não impediram a fragmentação política da América Espanhola. ( F ) Devido o vigor de seus mercados internos e ao acelerado processo de industrialização, então em curso, poucos dos países recém independentes da América Latina preocuparam-se em desenvolver uma economia de exportação. ( F ) A exemplo do ocorrido no Brasil, em todos os outros países da América Latina prevaleceram estruturas econômicas do período colonial, com base no regime escravista de trabalho, que praticava a monocultura e a escravidão negra. ( F ) Os povos indígenas e seus descendentes compuseram maciçamente os exércitos locais de libertação na luta pela independência da América Latina e também os governos nacionais que se formavam em seguida. ( V  ) As disputas pelo poder entre as elites das colônias espanholas desencadearam várias guerras civis, nas quais assumiram grande importância os caudilhos, chefes locais capazes de mobilizar e manter sob seu comando autênticos exércitos. ( F ) O processo de independência na América Latina teve de enfrentar a reação não só da Espanha mas também da Inglaterra, preocupada com a propagação dos ideais de independência em suas colônias na América do Norte.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
Fabiana Tonsis
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
joana71
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
Creusa Lima
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Kéliton Ferreira
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
Edenilson Morais
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
dmflores21
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
Janaína Tavares
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 

Destaque

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Claudenilson da Silva
 
Independência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanholaIndependência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanhola
Daniele Lopes
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Luciano Emanuel Silva
 
Independência da américa espanhola 2013
Independência da américa espanhola 2013Independência da américa espanhola 2013
Independência da américa espanhola 2013
Frederico Marques Sodré
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholas
Fatima Freitas
 
A independência da américa latina
A independência da américa latinaA independência da américa latina
A independência da américa latina
Isaquel Silva
 
Independência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haitiIndependência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haiti
Naiani Fenalti
 
Independência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias EspanholasIndependência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias Espanholas
Gmsantos23
 
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesaIndependência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Edvaldo Lopes
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 
Independência na américa espanhola
Independência na américa espanholaIndependência na américa espanhola
Independência na américa espanhola
Adauto Ferreira
 
Creando objetivos de vida
Creando objetivos de vidaCreando objetivos de vida
Creando objetivos de vida
Raymundo Carmona
 
Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介
Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介
Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介
KCS Keio Computer Society
 
Pardot presentation
Pardot presentationPardot presentation
Pardot presentation
Nitin Gupta ☁
 
HTTP/2: What no one is telling you
HTTP/2: What no one is telling youHTTP/2: What no one is telling you
HTTP/2: What no one is telling you
Fastly
 
事例から見るテスト自動化のポイント
事例から見るテスト自動化のポイント事例から見るテスト自動化のポイント
事例から見るテスト自動化のポイント
Hiroshi Maekawa
 
L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE: INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...
L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE:  INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE:  INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...
L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE: INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...
Franco Bontempi Org Didattica
 
Driving Economic Growth through Scale Up® Ecosystems
Driving Economic Growth through Scale Up® EcosystemsDriving Economic Growth through Scale Up® Ecosystems
Driving Economic Growth through Scale Up® Ecosystems
Daniel Isenberg
 

Destaque (20)

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanholaIndependência das colônias da América espanhola
Independência das colônias da América espanhola
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência da américa espanhola 2013
Independência da américa espanhola 2013Independência da américa espanhola 2013
Independência da américa espanhola 2013
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholas
 
A independência da américa latina
A independência da américa latinaA independência da américa latina
A independência da américa latina
 
Independência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haitiIndependência das colônias espanholas e haiti
Independência das colônias espanholas e haiti
 
Independência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias EspanholasIndependência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias Espanholas
 
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesaIndependência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
Independência da América Latina: Haiti, colônias espanholas e portuguesa
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
Independência na américa espanhola
Independência na américa espanholaIndependência na américa espanhola
Independência na américa espanhola
 
Revolução Francesa HQ
Revolução Francesa HQRevolução Francesa HQ
Revolução Francesa HQ
 
Creando objetivos de vida
Creando objetivos de vidaCreando objetivos de vida
Creando objetivos de vida
 
Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介
Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介
Unsupervised Image-to-Image Translation Networksの紹介
 
Pardot presentation
Pardot presentationPardot presentation
Pardot presentation
 
HTTP/2: What no one is telling you
HTTP/2: What no one is telling youHTTP/2: What no one is telling you
HTTP/2: What no one is telling you
 
事例から見るテスト自動化のポイント
事例から見るテスト自動化のポイント事例から見るテスト自動化のポイント
事例から見るテスト自動化のポイント
 
L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE: INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...
L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE:  INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE:  INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...
L’INGEGNERIA FORENSE STRUTTURALE: INVESTIGAZIONE DI SCENARI DI COLLASSO FIRE...
 
Driving Economic Growth through Scale Up® Ecosystems
Driving Economic Growth through Scale Up® EcosystemsDriving Economic Growth through Scale Up® Ecosystems
Driving Economic Growth through Scale Up® Ecosystems
 

Semelhante a Independência da América Espanhola

LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptxLIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
RejaneConceiodeArajo
 
A Inconfidência Baiana
A Inconfidência BaianaA Inconfidência Baiana
A Inconfidência Baiana
Sylvio Bazote
 
A ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciaisA ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciais
Direito Nabuco
 
Pesquisa sobre negros no Brasil
Pesquisa sobre negros no BrasilPesquisa sobre negros no Brasil
Pesquisa sobre negros no Brasil
dante500anos
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
primeiraopcao
 
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpointrevolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
EdmarVictorGuaraniKa
 
Paper - Onde está o negro operário?
Paper - Onde está o negro operário?Paper - Onde está o negro operário?
Paper - Onde está o negro operário?
Emerson Mathias
 
EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009
Nelson Silva
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
KellyCarvalho2011
 
RebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdfRebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdf
EzequielCanrio
 
aula-enem-2014-historia.pptx
aula-enem-2014-historia.pptxaula-enem-2014-historia.pptx
aula-enem-2014-historia.pptx
profninciateixeira
 
UFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetivaUFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetiva
cursohistoria
 
Módulo V
Módulo VMódulo V
Módulo V
Priscila Santana
 
Modulo 5 pibid
Modulo 5 pibidModulo 5 pibid
Modulo 5 pibid
stuff5678
 
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperialHistória   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
Professor de História
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
Aulas de História
 
Aulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.pptAulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.ppt
Deisy Bezerra
 
Casa-Grande e Senzala
Casa-Grande e SenzalaCasa-Grande e Senzala
Casa-Grande e Senzala
Lidiane Queiroz
 
RA Os povos africanos.
RA Os povos africanos.RA Os povos africanos.
RA Os povos africanos.
Lauri Rene Reis Filho
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
AEDFL
 

Semelhante a Independência da América Espanhola (20)

LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptxLIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
 
A Inconfidência Baiana
A Inconfidência BaianaA Inconfidência Baiana
A Inconfidência Baiana
 
A ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciaisA ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciais
 
Pesquisa sobre negros no Brasil
Pesquisa sobre negros no BrasilPesquisa sobre negros no Brasil
Pesquisa sobre negros no Brasil
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
 
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpointrevolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
 
Paper - Onde está o negro operário?
Paper - Onde está o negro operário?Paper - Onde está o negro operário?
Paper - Onde está o negro operário?
 
EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009EscravidãO Av 70 Maio 2009
EscravidãO Av 70 Maio 2009
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
 
RebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdfRebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdf
 
aula-enem-2014-historia.pptx
aula-enem-2014-historia.pptxaula-enem-2014-historia.pptx
aula-enem-2014-historia.pptx
 
UFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetivaUFSC 2010 objetiva
UFSC 2010 objetiva
 
Módulo V
Módulo VMódulo V
Módulo V
 
Modulo 5 pibid
Modulo 5 pibidModulo 5 pibid
Modulo 5 pibid
 
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperialHistória   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
 
Aulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.pptAulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.ppt
 
Casa-Grande e Senzala
Casa-Grande e SenzalaCasa-Grande e Senzala
Casa-Grande e Senzala
 
RA Os povos africanos.
RA Os povos africanos.RA Os povos africanos.
RA Os povos africanos.
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 

Mais de Aulas de História

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
Aulas de História
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
Aulas de História
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
Aulas de História
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
Aulas de História
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
Aulas de História
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Aulas de História
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Aulas de História
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
Aulas de História
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
Aulas de História
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
Aulas de História
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
Aulas de História
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Aulas de História
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
Aulas de História
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Aulas de História
 
Regência
RegênciaRegência
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Aulas de História
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
Aulas de História
 

Mais de Aulas de História (20)

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 

Independência da América Espanhola

  • 1. INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
  • 2. A AMÉRICA ESPANHOLA FOI COLONIZADA AO LONGO DOS SÉCULOS XVI - XIX. HOJE SÃO OS PAÍSES QUE FALAM LÍNGUA ESPANHOLA. AS REGIÕES EM VERMELHO MAIS CLARO SÃO AS ÁREAS DE COLONIZAÇÃO ESPANHOLA.
  • 3. PROPRIETÁRIA DO QUE HOUVESSE TRABALHO COMPULSÓRIO EXISTIA NO IMPÉRIO INCA ERA “REMUNERADO” CAUSADOR DO GENOCÍDIO CHAPETTONES – ESPANHÓIS COM FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS ELITE CRIOLLA – POPULAÇÃO INDÍGENA NO CONTINENTE MITA NEGROS ESCRAVOS NAS ANTILHAS
  • 4. SÉCULO XVI METAIS PRECIOSOS SÉCULO XVI PRODUÇÃO DE AÇÚCAR SÉCULO XVIII METAIS PRECIOSOS SÉCULO XVII PRODUÇÃO AGRÍCOLA, PECUÁRIA E COMÉRCIO COLONIZAÇÃO ESPANHOLA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA
  • 5. AS COLÔNIAS FORNECIAM A ESPANHA, AS RIQUEZAS ATRAVÉS DO PACTO COLONIAL. ENTRETANTO, NO SÉCULO XVIII ESSES LAÇOS SE “AFROUXARAM”.
  • 6. APÓS 1808 ESPANHA E FRANÇA ENTRARAM EM GUERRA E ISSO DESORGANIZOU O SISTEMA COLONIAL. AS COLÔNIAS ENTÃO SE APROVEITARAM E CRIARAM AS JUNTAS GOVERNATIVAS A PARTIR DOS CABILDOS . CABILDO DE BUENOS AIRES ASSEMBLEIAS LOCAIS FORMADAS PELA ELITE CRIOLLA, TINHAM MUITA AUTONOMIA.
  • 7. ATÉ A DERROTA DE NAPOLEÃO AS COLÔNIAS TIVERAM RELAÇÃO DE LIVRE-COMÉRCIO COM A INGLATERRA.
  • 8. APÓS O CONGRESSO DE VIENA A ESPANHA ENFRENTOU AS COLÔNIAS QUERENDO ANULAR AS INICIATIVAS DE INDEPENDÊNCIA. NAÇÕES EUROPÉIAS REUNIDAS NO CONGRESSO DE VIENA EM 1815
  • 9. MAS AS COLÔNIAS REAGIRAM E ENFRENTARAM A ESPANHA COM SEUS EXÉRCITOS DE LIBERTAÇÃO. SÍMON BOLIVAR COMANDOU AS FORÇAS DO NORTE E JOSÉ SAN MARTIN AS FORÇAS DO SUL. BOLÍVAR SAN MARTIN
  • 10. AS LUTAS DE LIBERTAÇÃO SE DERAM SOB COMANDO DOS CRIOLLOS E COM GRANDE PARTICIPAÇÃO POPULAR. EMBARQUE DE BOLÍVAR NA VENEZUELA BATALHA DE BOYACÁ - COLÔMBIA BATALHA DE BOYACÁ - COLÔMBIA
  • 11. BOLÍVAR E SAN MARTIN EM 1825, A ESPANHA FOI DERROTADA. AS FORÇAS REBELDES OCUPARAM A CIDADE DE LIMA BOLÍVAR ERA DEFENSOR DA UNIDADE LATINO-AMERICANA, MAS A ELITE CRIOLLA TINHA OUTROS OBJETIVOS. ATENÇÃO: NO FINAL HOUVE AJUDA NAVAL DA INGLATERRA.
  • 12. A AMÉRICA ESPANHOLA FOI DIVIDIDA E FORMOU VÁRIAS REPÚBLICAS, ENQUANTO NO BRASIL FOI IMPLANTADA A MONARQUIA. ATENÇÃO: ESSAS REPÚBLICAS FORAM REGIMES DITATORIAIS ONDE HOUVE O CAUDILHISMO.
  • 13. CAUDILHOS: GOVERNANTES QUE FIZERAM “REFORMAS SOCIAIS” E EXERCERAM GOVERNOS DITATORIAIS. A HERANÇA DO CAUDILHISMO É NOTÓRIA NOS REGIMES POLÍTICOS DA VENEZUELA E SEUS ALIADOS MAIS PRÓXIMOS . HUGO CHAVEZ NA VENEZUELA
  • 14. EM 1823 OS EUA FORMULARAM A DOUTRINA MONROE SE COLOCANDO NA DEFESA DA AMÉRICA. “ AMÉRICA PARA OS AMERICANOS” NA ÉPOCA A SANTA ALIANÇA AMEAÇAVA SE CONFRONTAR COM OS REGIMES INDEPENDENTES. ATENÇÃO: A IDEIA DE DEFESA ESCONDIA O OBJETIVO DE HEGEMONIA NO CONTINENTE.
  • 15. INDEPENDÊNCIA DO HAITI / 1795-1804 INFLUENCIADA PELA REVOLUÇÃO FRANCESA É CONSIDERADA A ÚNICA REVOLTA DE ESCRAVOS BEM SUCEDIDA DESDE A ANTIGUIDADE.
  • 16. O HAITI SE TORNOU COLÔNIA FRANCESA NO FINAL DO SÉCULO XVII. DESDE O INÍCIO FOI GRANDE PRODUTOR DE AÇÚCAR. EXPORTAVA 60 MIL TONELADAS DE AÇÚCAR. ATENÇÃO: A REGIÃO DO CARIBE TEM CLIMA E SOLO EXCELENTES PARA O PLANTIO DESSA AGRICULTURA. ATENÇÃO II: A MÃO-DE-OBRA FOI ESCRAVA NEGRA DE ORIGEM AFRICANA. NO HAITI E TODA A REGIÃO DO CARIBE.
  • 17. A QUEDA DA BASTILHA E A REVOLUÇÃO FRANCESA. ELA PREGAVA OS IDEAIS DE “LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE” E A COLÔNIA ENTROU NESSA ONDA.
  • 18. DE 1795 A 1804 A POPULAÇÃO ESCRAVA SE REBELOU QUERENDO O FIM DA ESCRAVIDÃO. ENFRENTARAM A ELITE LOCAL QUE TEVE AJUDA DE TROPAS FRANCESAS. CONSEGUIRAM A INDEPENDÊNCIA E ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO, MAS O PAÍS FICOU COMPLETAMENTE DEPENDENTE DA FRANÇA. TOUSSANT L’ OVERTURE, LÍDER NO HAITI
  • 19. Haiti independente FAZENDEIRO BRANCO MORTO NA REVOLTA DOS NEGROS DO HAITI A INDEPENDÊNCIA NÃO TROUXE O PROGRESSO ESPERADO. OS CANAVIAIS ESTAVAM QUEIMADOS E O HAITI FICOU COMPLETAMENTE DEPENDENTE DA FRANÇA. AO LONGO DO SÉCULO XX O HAITI VIROU UM PAÍS FANTOCHE DOS EUA. SUCESSIVAS DITADURAS FORAM IMPLANTADAS.
  • 20. DE 1957 A 1986 IMPLANTOU-SE A DITADURA DE PAPA DOC E BABY DOC, BASEADA NO TERROR POLICIAL E NA EXPLORAÇÃO DO VODU. O DITADOR PAPA DOC O FILHO DO DITADOR BABY DOC DESDE A SUA INDEPENDÊNCIA O HAITI NÃO CONSEGUIU TER UM PRESIDENTE QUE CUMPRISSE O MANDATO NORMALMENTE.
  • 21. DEPOIS DA REVOLTA DE 2004, O CONSELHO DE SEGURANÇA ENVIOU TROPAS DA ONU (MINUSTAH) SOB O COMANDO DO BRASIL. TROPA BRASILEIRA NO HAITI
  • 22. O Tragédia do Haiti - 2010
  • 23. O HAITI É O PÁIS MAIS POBRE DAS AMÉRICAS. 72% DA POPULAÇÃO VIVE COM MENOS DE 2 DÓLARES POR DIA E 38% SÃO ANALFABETOS. OCUPA O 149º LUGAR NO IDH. CENAS DE PORTO PRÍNCIPE APÓS O TERREMOTO
  • 24. (UFBA) Quando você for convidado pra subir no adro Da fundação Casa de Jorge Amado Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos Dando porrada na nuca de malandros pretos De ladrões mulatos e outros quase brancos Tratados como pretos Só pra mostrar aos outros quase pretos (E são quase todos pretos) E aos quase brancos pobres como pretos Como é que pretos, pobres e mulatos E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados E não importa se olhos do mundo inteiro Possam estar por um momento voltados para o largo Onde os escravos eram castigados E hoje um batuque em batuque Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária Em dia de parada E a grandeza épica de um povo em formação Nos atrai, nos deslumbra e estimula. Não importa nada: nem o traço do sobrado Nem a lente do Fantástico, nem o disco de Paul Simon Ninguém, ninguém é cidadão.
  • 25. Se você for ver a festa do Pelô, e se você não for E na TV se você vir um deputado em pânico mal dissimulado Diante de qualquer, mas qualquer mesmo, qualquer Plano de educação que pareça fácil Que pareça fácil e rápido E vá representar uma ameaça de democratização Do ensino de primeiro grau E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto E nenhum no marginal E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual, Notar um homem mijando na esquina da rua sobre um Saco brilhante de lixo do Leblon E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo Diante da chacina 111 presos indefesos, mas presos são quase todos pretos Ou quase pretos, ou quase brancos quase pretos de tão pobres E pobres são como podres e todos sabem como se tratam os pretos E quando você for dar uma volta no Caribe E quando for trepar sem camisinha E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba Pense no Haiti, reze pelo Haiti O Haiti é aqui, o Haiti não é aqui. (Veloso, p.1)
  • 26. A análise do texto, associada aos conhecimentos sobre a evolução das sociedades americanas, a partir do século XIX, permite concluir: (01) O trecho “Pra ver do alto a fila de soldados,... / ...e outros quase brancos / Tratados como pretos” indica o tratamento desigual da polícia, calcado na discriminação social e racial, que é uma das características da sociedade brasileira. (02) A afirmação “Ninguém, ninguém é cidadão” evidencia uma situação sócio-política que tem sido motivo de críticas sobre o Brasil, feitas por governos e organizações não governamentais de vários países, sobretudo pelo tratamento dispensado aos menores, aos índios e aos homossexuais. (04) O paradoxo contido em “O Haiti é aqui - o Haiti não é aqui” mostra que, apesar das especificidades, existem pontos comuns nas condições de vida das camadas populares do Brasil e do Haiti. (08) O Haiti distinguiu-se, no processo de formação dos Estados Nacionais da América, pela singularidade de sua emancipação política. (16) Os senhores de escravos, no Brasil do século XIX, viam no “haitianismo” a forma mais adequada de promover a transição do trabalho escravo para o trabalho livre. (32) A referência a “uma ameaça de democratização / Do ensino de primeiro grau” demonstra que, no Brasil, apesar da letra constitucional, a educação escolar se efetivou como direito de todos os brasileiros. (64) O modelo capitalista exercido pelos países mais desenvolvidos tende a atenuar ainda mais as desigualdades sociais evidenciadas nos versos da canção.
  • 27. A análise do texto, associada aos conhecimentos sobre a evolução das sociedades americanas, a partir do século XIX, permite concluir: (V) O trecho “Pra ver do alto a fila de soldados,... / ...e outros quase brancos / Tratados como pretos” indica o tratamento desigual da polícia, calcado na discriminação social e racial, que é uma das características da sociedade brasileira. (V) A afirmação “Ninguém, ninguém é cidadão” evidencia uma situação sócio-política que tem sido motivo de críticas sobre o Brasil, feitas por governos e organizações não governamentais de vários países, sobretudo pelo tratamento dispensado aos menores, aos índios e aos homossexuais. (V) O paradoxo contido em “O Haiti é aqui - o Haiti não é aqui” mostra que, apesar das especificidades, existem pontos comuns nas condições de vida das camadas populares do Brasil e do Haiti. (V) O Haiti distinguiu-se, no processo de formação dos Estados Nacionais da América, pela singularidade de sua emancipação política. ( F ) Os senhores de escravos, no Brasil do século XIX, viam no “haitianismo” a forma mais adequada de promover a transição do trabalho escravo para o trabalho livre. ( F ) A referência a “uma ameaça de democratização / Do ensino de primeiro grau” demonstra que, no Brasil, apesar da letra constitucional, a educação escolar se efetivou como direito de todos os brasileiros. ( F ) O modelo capitalista exercido pelos países mais desenvolvidos tende a atenuar ainda mais as desigualdades sociais evidenciadas nos versos da canção.
  • 28. (UFPR) Ao longo das três primeiras décadas do século XIX, quase todas as colônias da América Latina tornaram-se independentes das nações ibéricas. A respeito dessa conjuntura, coloque V para as questões verdadeiras e F para as falsas: ( ) A homogeneidade linguística e a existência de vice-reinos com vastas áreas territoriais não impediram a fragmentação política da América Espanhola. ( ) Devido o vigor de seus mercados internos e ao acelerado processo de industrialização, então em curso, poucos dos países recém independentes da América Latina preocuparam-se em desenvolver uma economia de exportação. ( ) A exemplo do ocorrido no Brasil, em todos os outros países da América Latina prevaleceram estruturas econômicas do período colonial, com base no regime escravista de trabalho, que praticava a monocultura e a escravidão negra. ( ) Os povos indígenas e seus descendentes compuseram maciçamente os exércitos locais de libertação na luta pela independência da América Latina e também os governos nacionais que se formavam em seguida. ( ) As disputas pelo poder entre as elites das colônias espanholas desencadearam várias guerras civis, nas quais assumiram grande importância os caudilhos, chefes locais capazes de mobilizar e manter sob seu comando autênticos exércitos. ( ) O processo de independência na América Latina teve de enfrentar a reação não só da Espanha mas também da Inglaterra, preocupada com a propagação dos ideais de independência em suas colônias na América do Norte.
  • 29. (UFPR) Ao longo das três primeiras décadas do século XIX, quase todas as colônias da América Latina tornaram-se independentes das nações ibéricas. A respeito dessa conjuntura, coloque V para as questões verdadeiras e F para as falsas: ( V ) A homogeneidade linguística e a existência de vice-reinos com vastas áreas territoriais não impediram a fragmentação política da América Espanhola. ( F ) Devido o vigor de seus mercados internos e ao acelerado processo de industrialização, então em curso, poucos dos países recém independentes da América Latina preocuparam-se em desenvolver uma economia de exportação. ( F ) A exemplo do ocorrido no Brasil, em todos os outros países da América Latina prevaleceram estruturas econômicas do período colonial, com base no regime escravista de trabalho, que praticava a monocultura e a escravidão negra. ( F ) Os povos indígenas e seus descendentes compuseram maciçamente os exércitos locais de libertação na luta pela independência da América Latina e também os governos nacionais que se formavam em seguida. ( V ) As disputas pelo poder entre as elites das colônias espanholas desencadearam várias guerras civis, nas quais assumiram grande importância os caudilhos, chefes locais capazes de mobilizar e manter sob seu comando autênticos exércitos. ( F ) O processo de independência na América Latina teve de enfrentar a reação não só da Espanha mas também da Inglaterra, preocupada com a propagação dos ideais de independência em suas colônias na América do Norte.

Notas do Editor

  1. A Dale Carnegie Training® pode ajudá-lo a introduzir seu apresentador. Copie e cole este slide no início da apresentação, em seguida use-o durante a apresentação para introduzir o apresentador. Ao colá-lo, o PowerPoint irá automaticamente aplicar a aparência da apresentação do seu apresentador. Ao apresentar um apresentador, primeiro explique a importância do tópico e como o público se beneficiará. Em seguida, informe os motivos pelos quais o apresentador está habilitado a falar sobre o tópico. Termine com o nome do apresentador. Entusiasme-se e você verá que o público ficará atento à apresentação. Sua apresentação não deverá demorar mais que sessenta segundos. No final da apresentação, certifique-se de dedicar 30 segundos para agradecer o apresentador. Ao agradecê-lo, relate uma razão especial pela qual a apresentação foi relevante ao público.