SlideShare uma empresa Scribd logo
Astecas, Maias,
Incas e Tupis
OS ASTECAS
O povo asteca foi uma civilização mesoamericana,
pré-colombiana, que se desenvolveu
principalmente entre os séculos XIV e XVI, no
território correspondente ao atual México.
Era um povo guerreiro.
Fundaram no século XIV a importante cidade de
Tenochtitlán (atual Cidade do México), numa região
de pântanos, próxima do lago Texcoco.
A sociedade asteca era hierarquizada e
rigidamente dividida. Era comandada por um
imperador, chefe do exército.
Desenvolveram muito as técnicas agrícolas e
construíram obras de drenagem.
O artesanato deste povo era riquíssimo,
destacando-se a confecção de tecidos, objetos de
ouro e prata e artigos com pinturas.
Ficaram conhecidos como um povo guerreiro.
Pintura de John Gast.
Título: Progresso Americano (1872)
OS ASTECAS
A sociedade era hierarquizada e
rigorosamente dividida. Era
liderada por um imperador, chefe
do exército.
A nobreza era também formada
por sacerdotes e chefes militares.
Os camponeses, artesãos e
trabalhadores urbanos
compunham grande parte da
população.
Esta camada mais inferior da sociedade era coagida a exercer um trabalho
compulsório para o imperador, quando este os convocava para trabalhos em obras
públicas como canais de irrigação, estradas, templos, pirâmides, entre outros.
Durante o governo do imperador Montezuma II (início do século XVI), o império
asteca chegou a ser formado por quase 500 cidades e estas pagavam altos impostos
para o imperador.
O império asteca começou a ser arrasado em 1519 a partir das invasões espanholas.
OS ASTECAS
Os espanhóis dominaram os astecas e se apropriaram de grande parte dos objetos de
ouro desta civilização.
Não satisfeitos, ainda escravizaram os astecas, forçando-os a trabalharem nas minas de
ouro e prata da região.
* Arte e arquitetura: pirâmide da civilização asteca
• Os astecas desenvolveram muito as técnicas agrícolas, construindo obras de
drenagem e as chinampas (ilhas de cultivo), onde plantavam e colhiam milho,
pimenta, tomate, cacau etc.
• As sementes de cacau, por exemplo, eram usadas como moedas por este povo.
• O artesanato a era riquíssimo, destacando-se a confecção de tecidos, objetos
de ouro e prata e artigos com pinturas.
• A religião era politeísta, pois cultuavam diversos deuses da natureza (deus Sol,
Lua, Trovão, Chuva) e uma deusa representada por uma Serpente Emplumada.
• A escrita era representada por desenhos e símbolos.
• O calendário maia foi utilizado com modificações pelos astecas.
• Desenvolveram diversos conceitos matemáticos e de astronomia.
• Na arquitetura, construíram enormes pirâmides utilizadas para cultos religiosos
e sacrifícios humanos. Estes eram realizados em datas específicas em
homenagem aos deuses. Acreditavam que com os sacrifícios, poderiam deixar
os deuses mais calmos e felizes.
A RELIGIÃO ASTECA
• Eram politeístas (acreditavam em vários deuses) e acreditavam que se o sangue
humano não fosse
• oferecido ao Sol, a engrenagem do mundo deixaria de funcionar.
• Sacrifícios feitos:
• Dedicado a Huitzilopochtli ou Tezcatlipoca: o sacrificado era colocado em uma
pedra por quatro
• sacerdotes, e um quinto sacerdote extraía, com uma faca, o coração do guerreiro
vivo para alimentar
• seu deus;
• Dedicado a Tlaloc: anualmente eram sacrificados crianças no cume da montanha.
Acreditava-se
• que quanto mais as crianças chorassem, mais chuva o deus proveria.
• No seu panteão havia centenas de deuses.
• Os principais eram vinculados ao ciclo solar e à atividade agrícola. Observações
astronômicas estudo
• dos calendários fazia parte do conhecimento dos sacerdotes.
• O deus mais venerado era Quetzalcóatl, a serpente emplumada.
• Os sacerdotes eram um poderoso grupo social, encarregado de orientar a
educação dos nobres,
• fazer previsões e dirigir as cerimônias rituais.
A RELIGIÃO ASTECA
• A religiosidade asteca incluía a prática
de sacrifícios.
• Segundo o divulgado pelos
conquistadores o derramamento de
sangue e a oferenda do coração
• de animais e de seres humanos eram
ritos imprescindíveis para satisfazer os
deuses, contudo se
• considerarmos a relação da religião
com a medicina encontraremos um
sem número de ritos.
• Há referências a um deus sem face,
invisível e impalpável, desprovido de
história mítica para quem
• o rei de Texoco, Nezaucoyoatl mandou
fazer um templo sem ídolos, apenas
uma torre. Esse rei o definia
como "aquele, graças a quem nós
vivemos".
A MEDICINA ASTECA
As contribuições da antropologia
médica situam o conhecimento
mítico religioso como formas de
racionalidade médica se constitui
como um sistema lógico e
teoricamente estruturado, que
tenha como condição necessária e
suficiente para ser considerado
como tal, a presença dos seguintes
elementos:
1. Uma morfologia (concepção
anatômica);
2. Uma dinâmica vital ("fisiologia")
;
3. Um sistema de diagnósticos;
4. Um sistema de intervenções
terapêuticas;
5. Uma doutrina médica
(cosmologia).
O POVO MAIA
• O povo Maia habitou a região das florestas tropicais dos atuais territórios de
Honduras, Guatemala e região sul do México (Península de Yucatán) entre os
séculos IV a.C e IX a.C.
• A base da sociedade era formada pelos camponeses, trabalhadores urbanos e
artesãos. Estes faziam parte da classe menos favorecida e, assim como em outras
civilizações, precisavam pagar altos impostos.
• A nobreza, por sua vez, habitava a zona urbana em conjunto com os sacerdotes,
chefes militares e administradores do império.
• Sendo assim, as cidades compunham um núcleo religioso e político sob o governo
de um estado teocrático. Isso significa que o imperador era considerado um
representante dos deuses na Terra. Deuses porque os mais eram politeístas e
acreditavam em entidades ligadas à natureza.
A SOCIEDADE MAIA E SUAS TECNOLOGIAS
A base de sua economia era a agricultura, com o plantio de feijão, milho e
tubérculos, entre outros produtos. A atividade era impulsionada pelo
desenvolvimento das técnicas de irrigação. Além disso, eram bons comerciantes e
trocavam produtos com povos vizinhos e o interior do império.
Outro setor que merece destaque é o artesanato, representado pelo uso de tintas
e fiação de roupas e tecidos.
Tais práticas contavam com o auxílio da matemática. Os maias foram os criadores
das casas decimais e valor zero. Ademais, são donos de um calendário complexo
que dividia o ano em 206 dias determinado pelos movimentos dos astros
Os registros de datas, acontecimentos, colheitas, guerras e coleta de impostos
foram possíveis graças à escrita. Os maias, assim como os egípcios, adotaram o
sistema hieroglífico, baseado em desenhos e símbolos. A habilidade dos mais,
também, estava presente em suas construções.
A arquitetura demonstrava avanço considerável por meio de pirâmides, templos e
palácios erguidos por esse povo. Porém, um detalhe falho contribuiu para o fim da
civilização maia. Por nunca terem formado um império unificado, a região era
vulnerável ao domínio de outros povos o que, de fato, aconteceu.
Nos séculos IX e X, a região foi invadida pelos toltecas, também habitantes da
Mesoamérica, que dominaram os maias.
O POVO INCA
• A civilização inca habitou a região da Cordilheira dos Andes em território
correspondente ao Peru, Bolívia, Chile e Equador. A cidade sagrada de Cusco,
capital do Império, foi fundada no século XIII. Seu idioma era o quéchua, falado
pelo território em vários dialetos. Foi o maior império entre os três, chegando a 12
milhões de súditos.
• Suas conquistas territoriais começaram pela cordilheira dos Andes e ao longo da
costa do Pacífico, no início do século XV. Cem anos depois, a civilização atingiu seu
auge.
• A composição da sociedade seguia os moldes das outras civilizações, ou seja,
hierarquizada em três camadas:
• base formada pelos artesãos e camponeses, as classes mais baixas
• classe média composta pelos funcionários públicos e trabalhadores especializados
• topo formado pelo imperador e nobreza
• (governantes, chefes militares, juízes e
• sacerdotes)
OS INCAS
O imperador era conhecido por Sapa Inca e considerado um deus na Terra. Recebia
pesados impostos dos mais pobres sob a forma de mercadorias ou trabalhos em obras
públicas. Sua economia era baseada na agricultura de terraços, degraus formados nas
costas das montanhas. Neles, plantavam feijão, batata e milho, o alimento sagrado.
Criavam animais como a lhama, vicunhas e alpacas. Domesticados, serviam como meio de
transporte, além de fontes de carne, leite e lã. No artesanato, ficaram conhecidos pelos
objetos feitos em ouro e prata, além de jóias e tecidos de qualidade. Porém, o maior
destaque dessa civilização, talvez, esteja na arquitetura.
Um grande exemplo está na cidade de Machu Picchu, descoberta em 1911. Sua estrutura
conseguiu traduzir como era a formação urbana dos incas era eficiente. Ademais, a
civilização ergueu grandes construções, como casas, palácios e templos, tendo como base
blocos de pedras encaixadas.
OS INCAS
Construíram, ainda, um complexo de estradas ligando todo o império. O sistema tinha duas
vias principais no sentido norte-sul: uma, com cerca de 3 600 km, corria ao longo da costa do
Pacífico e a outra, com quase a mesma extensão, seguia pelos Andes bem como canais de
irrigação para desviar o curso dos rios para as aldeias.
Desenvolveram, ainda, o quipo, sistema de contagem praticado em um instrumento feito
com cordões coloridos. Cada um representava uma contagem. Com o quipo, os incanas
somavam e registravam impostos, habitantes e colheitas. A única questão é que, mesmo
diante de tantas contribuições, o sistema de escrita inca não foi desenvolvido.
• Na religião dos incas, cultuavam o Deus Inti (Deus Sol), além de animais sagrados, como
• o jaguar e condor. Acreditavam, ainda, no Viracocha, o criador de tudo. Infelizmente,
• os incas foram dominados pelos espanhóis em 1532, poucos anos depois que a
• dominação dos astecas.
OS TUPIS
O termo tupi-guarani é designado para
definir
uma das dez famílias linguísticas do
tronco tupi.
Os demais troncos linguísticos
identificados no
Brasil são o tronco Jê e Arauak, dos quais
derivam o conjunto de línguas dos povos
indígenas que habitavam o Brasil na
chegada
dos colonizadores portugueses.
Tupi originou-se da língua Tupinambá,
que foi incorporada pelos colonizadores e
missionários, sendo adotada como Língua
Geral do Brasil.
O guarani é falado ainda nos dias de hoje
pelos povos guarani, guarani-kaiowá,
guarani-ñhandeva e guarani-m'byá.
Hoje, os índios brasileiros ainda
compartilham 150 línguas e
dialetos e parte do repertório que
já foi incorporado pelo português,
como mandioca, Curitiba,
Aquidauana, Iguaçu, tapioca, entre
outros.
Antes da chegada da esquadra de
Pedro Álvares Cabral havia ao
menos mil.
Mantendo sua língua, seus costumes e organização social, os povos indígenas
do Brasil são denominados nações e não tribos, uma denominação popularesca
e incorreta.
Há semelhanças entre os muitos povos, mas as diferenças sobressaem.
OS TUPIS
A CULTURA TUPI
A cultura indígena engloba a língua, a organização social e política, seus
rituais, seus mitos, arte, habitação, cosmologia e forma de relacionar-se
com o meio ambiente.
Os índios brasileiros são politeístas, mas sua maneira de relacionar-se com a
religião mudou drasticamente com a influência da colonização, de orientação
católica e monoteísta.
Acreditavam nas forças da natureza, na divindade de animais, de plantas e do
próprio homem interagindo com todos os elementos.
Pela tradição oral repassavam os costumes e as orientações para os rituais de vida e
de morte. Entre os rituais de vida marcantes estão as celebrações de passagem, que
marcavam a transição para a vida adulta.
A característica comum dos povos indígenas brasileiros no que tange à religião é o
xamanismo. É o xamã o responsável pela condução dos rituais.
Entre os povos tupi-guarani, o xamã é denominado pajé, a pessoa que lida com as
conexões entre seres vivos, a natureza, humanos vivos e mortos.
A RELIGIÃO TUPI
A arte indígena brasileira é plural e a confecção não é aberta a todos. São
respeitadas desde a hierarquia social, a diferença de gênero e idade para
manipular os materiais que resultarão em objetos decorativos ou adornos para
rituais.
São características na arte indígena plumas, fibras vegetais trançadas, a argila,
pedras e pigmentos preparados manualmente.
Na imagem abaixo podemos ver uma cesta defibra vegetal.
A ARTE TUPI
A maioria dos índios do Brasil mantinha a tradição de coletar e caçar o alimento. A
agricultura era aplicada de modo apenas rudimentar e alguns pequenos animais eram
domesticados, como a capivara.
Em sua organização social eram poligâmicos, em sua maioria. A situação mudou com a
colonização por conta do pensamento religioso católico. Viviam e muitos ainda vivem em
comunidade.
As habitações podem ser coletivas ou individuais, dependendo do povo. A disposição
mais conhecida é a circular, com espaço central para o desenvolvimento de rituais e festas.
O MODO DE VIDA TUPI
POR HOJE É SÓ JOVENS!
Profª Isabel Aguiar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
Patrícia Costa Grigório
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Antigas civilizações
Antigas civilizações Antigas civilizações
Antigas civilizações
Adail Silva
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
7 de Setembro
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
Daniel Alves Bronstrup
 
Os astecas
Os astecasOs astecas
Os astecas
edna2
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
Creusa Lima
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
ana paula santos molina
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
Edenilson Morais
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
eiprofessor
 

Mais procurados (20)

1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Antigas civilizações
Antigas civilizações Antigas civilizações
Antigas civilizações
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
 
Os astecas
Os astecasOs astecas
Os astecas
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
 

Semelhante a Astecas, Maias, Incas e Tupis

Arte pré colombiana
Arte pré colombianaArte pré colombiana
Arte pré colombiana
bjuzazah
 
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
marceloamoreira
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Edilene Ruth Pereira
 
Civilização maia
Civilização maiaCivilização maia
Civilização maia
Claudelane Paes
 
Incas e astecas apostila
Incas e astecas apostilaIncas e astecas apostila
Incas e astecas apostila
LUZIMEIRECRISTIANESO
 
Civilizações Antigas
Civilizações AntigasCivilizações Antigas
Civilizações Antigas
FelipedosSantosSilva10
 
Civilizações Antigas.pdf
Civilizações Antigas.pdfCivilizações Antigas.pdf
Civilizações Antigas.pdf
FelypedosSantosSilva
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizações
ceufaias
 
Civilização pre colombiana
Civilização pre colombianaCivilização pre colombiana
Civilização pre colombiana
Adriana Gomes Messias
 
A américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanholaA américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanhola
Nelia Salles Nantes
 
A américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanholaA américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanhola
Nelia Salles Nantes
 
Civilizações pré-colombianas.5.pdf
Civilizações pré-colombianas.5.pdfCivilizações pré-colombianas.5.pdf
Civilizações pré-colombianas.5.pdf
AdelinoDaCunhaPenedo1
 
América antiga
América antigaAmérica antiga
América antiga
Alan
 
ASTECAS.pptx
ASTECAS.pptxASTECAS.pptx
ASTECAS.pptx
Vitoriafilippidosrei
 
Os Astecas - Prof. Altair Aguilar
Os Astecas - Prof. Altair AguilarOs Astecas - Prof. Altair Aguilar
Os Astecas - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Pré colombianos
Pré colombianosPré colombianos
Pré colombianos
Valdemir França
 
Os Astecas
Os AstecasOs Astecas
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdfSlides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
FabianaMatos45
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
Nicolly Ramires
 
Povos Pré-colombianos - Incas maias e astecas
Povos Pré-colombianos - Incas maias e astecasPovos Pré-colombianos - Incas maias e astecas
Povos Pré-colombianos - Incas maias e astecas
dayvid
 

Semelhante a Astecas, Maias, Incas e Tupis (20)

Arte pré colombiana
Arte pré colombianaArte pré colombiana
Arte pré colombiana
 
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Civilização maia
Civilização maiaCivilização maia
Civilização maia
 
Incas e astecas apostila
Incas e astecas apostilaIncas e astecas apostila
Incas e astecas apostila
 
Civilizações Antigas
Civilizações AntigasCivilizações Antigas
Civilizações Antigas
 
Civilizações Antigas.pdf
Civilizações Antigas.pdfCivilizações Antigas.pdf
Civilizações Antigas.pdf
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizações
 
Civilização pre colombiana
Civilização pre colombianaCivilização pre colombiana
Civilização pre colombiana
 
A américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanholaA américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanhola
 
A américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanholaA américa antes da colonização espanhola
A américa antes da colonização espanhola
 
Civilizações pré-colombianas.5.pdf
Civilizações pré-colombianas.5.pdfCivilizações pré-colombianas.5.pdf
Civilizações pré-colombianas.5.pdf
 
América antiga
América antigaAmérica antiga
América antiga
 
ASTECAS.pptx
ASTECAS.pptxASTECAS.pptx
ASTECAS.pptx
 
Os Astecas - Prof. Altair Aguilar
Os Astecas - Prof. Altair AguilarOs Astecas - Prof. Altair Aguilar
Os Astecas - Prof. Altair Aguilar
 
Pré colombianos
Pré colombianosPré colombianos
Pré colombianos
 
Os Astecas
Os AstecasOs Astecas
Os Astecas
 
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdfSlides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 
Povos Pré-colombianos - Incas maias e astecas
Povos Pré-colombianos - Incas maias e astecasPovos Pré-colombianos - Incas maias e astecas
Povos Pré-colombianos - Incas maias e astecas
 

Mais de Isabel Aguiar

A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
Isabel Aguiar
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Isabel Aguiar
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
Isabel Aguiar
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
Isabel Aguiar
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
Isabel Aguiar
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
Isabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
Isabel Aguiar
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
Isabel Aguiar
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
Isabel Aguiar
 

Mais de Isabel Aguiar (20)

A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 

Astecas, Maias, Incas e Tupis

  • 2. OS ASTECAS O povo asteca foi uma civilização mesoamericana, pré-colombiana, que se desenvolveu principalmente entre os séculos XIV e XVI, no território correspondente ao atual México. Era um povo guerreiro. Fundaram no século XIV a importante cidade de Tenochtitlán (atual Cidade do México), numa região de pântanos, próxima do lago Texcoco. A sociedade asteca era hierarquizada e rigidamente dividida. Era comandada por um imperador, chefe do exército. Desenvolveram muito as técnicas agrícolas e construíram obras de drenagem. O artesanato deste povo era riquíssimo, destacando-se a confecção de tecidos, objetos de ouro e prata e artigos com pinturas. Ficaram conhecidos como um povo guerreiro. Pintura de John Gast. Título: Progresso Americano (1872)
  • 3. OS ASTECAS A sociedade era hierarquizada e rigorosamente dividida. Era liderada por um imperador, chefe do exército. A nobreza era também formada por sacerdotes e chefes militares. Os camponeses, artesãos e trabalhadores urbanos compunham grande parte da população. Esta camada mais inferior da sociedade era coagida a exercer um trabalho compulsório para o imperador, quando este os convocava para trabalhos em obras públicas como canais de irrigação, estradas, templos, pirâmides, entre outros. Durante o governo do imperador Montezuma II (início do século XVI), o império asteca chegou a ser formado por quase 500 cidades e estas pagavam altos impostos para o imperador. O império asteca começou a ser arrasado em 1519 a partir das invasões espanholas.
  • 4. OS ASTECAS Os espanhóis dominaram os astecas e se apropriaram de grande parte dos objetos de ouro desta civilização. Não satisfeitos, ainda escravizaram os astecas, forçando-os a trabalharem nas minas de ouro e prata da região.
  • 5. * Arte e arquitetura: pirâmide da civilização asteca • Os astecas desenvolveram muito as técnicas agrícolas, construindo obras de drenagem e as chinampas (ilhas de cultivo), onde plantavam e colhiam milho, pimenta, tomate, cacau etc. • As sementes de cacau, por exemplo, eram usadas como moedas por este povo. • O artesanato a era riquíssimo, destacando-se a confecção de tecidos, objetos de ouro e prata e artigos com pinturas. • A religião era politeísta, pois cultuavam diversos deuses da natureza (deus Sol, Lua, Trovão, Chuva) e uma deusa representada por uma Serpente Emplumada. • A escrita era representada por desenhos e símbolos. • O calendário maia foi utilizado com modificações pelos astecas. • Desenvolveram diversos conceitos matemáticos e de astronomia. • Na arquitetura, construíram enormes pirâmides utilizadas para cultos religiosos e sacrifícios humanos. Estes eram realizados em datas específicas em homenagem aos deuses. Acreditavam que com os sacrifícios, poderiam deixar os deuses mais calmos e felizes.
  • 6. A RELIGIÃO ASTECA • Eram politeístas (acreditavam em vários deuses) e acreditavam que se o sangue humano não fosse • oferecido ao Sol, a engrenagem do mundo deixaria de funcionar. • Sacrifícios feitos: • Dedicado a Huitzilopochtli ou Tezcatlipoca: o sacrificado era colocado em uma pedra por quatro • sacerdotes, e um quinto sacerdote extraía, com uma faca, o coração do guerreiro vivo para alimentar • seu deus; • Dedicado a Tlaloc: anualmente eram sacrificados crianças no cume da montanha. Acreditava-se • que quanto mais as crianças chorassem, mais chuva o deus proveria. • No seu panteão havia centenas de deuses. • Os principais eram vinculados ao ciclo solar e à atividade agrícola. Observações astronômicas estudo • dos calendários fazia parte do conhecimento dos sacerdotes. • O deus mais venerado era Quetzalcóatl, a serpente emplumada. • Os sacerdotes eram um poderoso grupo social, encarregado de orientar a educação dos nobres, • fazer previsões e dirigir as cerimônias rituais.
  • 7. A RELIGIÃO ASTECA • A religiosidade asteca incluía a prática de sacrifícios. • Segundo o divulgado pelos conquistadores o derramamento de sangue e a oferenda do coração • de animais e de seres humanos eram ritos imprescindíveis para satisfazer os deuses, contudo se • considerarmos a relação da religião com a medicina encontraremos um sem número de ritos. • Há referências a um deus sem face, invisível e impalpável, desprovido de história mítica para quem • o rei de Texoco, Nezaucoyoatl mandou fazer um templo sem ídolos, apenas uma torre. Esse rei o definia como "aquele, graças a quem nós vivemos".
  • 8. A MEDICINA ASTECA As contribuições da antropologia médica situam o conhecimento mítico religioso como formas de racionalidade médica se constitui como um sistema lógico e teoricamente estruturado, que tenha como condição necessária e suficiente para ser considerado como tal, a presença dos seguintes elementos: 1. Uma morfologia (concepção anatômica); 2. Uma dinâmica vital ("fisiologia") ; 3. Um sistema de diagnósticos; 4. Um sistema de intervenções terapêuticas; 5. Uma doutrina médica (cosmologia).
  • 9. O POVO MAIA • O povo Maia habitou a região das florestas tropicais dos atuais territórios de Honduras, Guatemala e região sul do México (Península de Yucatán) entre os séculos IV a.C e IX a.C. • A base da sociedade era formada pelos camponeses, trabalhadores urbanos e artesãos. Estes faziam parte da classe menos favorecida e, assim como em outras civilizações, precisavam pagar altos impostos. • A nobreza, por sua vez, habitava a zona urbana em conjunto com os sacerdotes, chefes militares e administradores do império. • Sendo assim, as cidades compunham um núcleo religioso e político sob o governo de um estado teocrático. Isso significa que o imperador era considerado um representante dos deuses na Terra. Deuses porque os mais eram politeístas e acreditavam em entidades ligadas à natureza.
  • 10. A SOCIEDADE MAIA E SUAS TECNOLOGIAS A base de sua economia era a agricultura, com o plantio de feijão, milho e tubérculos, entre outros produtos. A atividade era impulsionada pelo desenvolvimento das técnicas de irrigação. Além disso, eram bons comerciantes e trocavam produtos com povos vizinhos e o interior do império. Outro setor que merece destaque é o artesanato, representado pelo uso de tintas e fiação de roupas e tecidos. Tais práticas contavam com o auxílio da matemática. Os maias foram os criadores das casas decimais e valor zero. Ademais, são donos de um calendário complexo que dividia o ano em 206 dias determinado pelos movimentos dos astros Os registros de datas, acontecimentos, colheitas, guerras e coleta de impostos foram possíveis graças à escrita. Os maias, assim como os egípcios, adotaram o sistema hieroglífico, baseado em desenhos e símbolos. A habilidade dos mais, também, estava presente em suas construções. A arquitetura demonstrava avanço considerável por meio de pirâmides, templos e palácios erguidos por esse povo. Porém, um detalhe falho contribuiu para o fim da civilização maia. Por nunca terem formado um império unificado, a região era vulnerável ao domínio de outros povos o que, de fato, aconteceu. Nos séculos IX e X, a região foi invadida pelos toltecas, também habitantes da Mesoamérica, que dominaram os maias.
  • 11. O POVO INCA • A civilização inca habitou a região da Cordilheira dos Andes em território correspondente ao Peru, Bolívia, Chile e Equador. A cidade sagrada de Cusco, capital do Império, foi fundada no século XIII. Seu idioma era o quéchua, falado pelo território em vários dialetos. Foi o maior império entre os três, chegando a 12 milhões de súditos. • Suas conquistas territoriais começaram pela cordilheira dos Andes e ao longo da costa do Pacífico, no início do século XV. Cem anos depois, a civilização atingiu seu auge. • A composição da sociedade seguia os moldes das outras civilizações, ou seja, hierarquizada em três camadas: • base formada pelos artesãos e camponeses, as classes mais baixas • classe média composta pelos funcionários públicos e trabalhadores especializados • topo formado pelo imperador e nobreza • (governantes, chefes militares, juízes e • sacerdotes)
  • 12. OS INCAS O imperador era conhecido por Sapa Inca e considerado um deus na Terra. Recebia pesados impostos dos mais pobres sob a forma de mercadorias ou trabalhos em obras públicas. Sua economia era baseada na agricultura de terraços, degraus formados nas costas das montanhas. Neles, plantavam feijão, batata e milho, o alimento sagrado. Criavam animais como a lhama, vicunhas e alpacas. Domesticados, serviam como meio de transporte, além de fontes de carne, leite e lã. No artesanato, ficaram conhecidos pelos objetos feitos em ouro e prata, além de jóias e tecidos de qualidade. Porém, o maior destaque dessa civilização, talvez, esteja na arquitetura. Um grande exemplo está na cidade de Machu Picchu, descoberta em 1911. Sua estrutura conseguiu traduzir como era a formação urbana dos incas era eficiente. Ademais, a civilização ergueu grandes construções, como casas, palácios e templos, tendo como base blocos de pedras encaixadas.
  • 13. OS INCAS Construíram, ainda, um complexo de estradas ligando todo o império. O sistema tinha duas vias principais no sentido norte-sul: uma, com cerca de 3 600 km, corria ao longo da costa do Pacífico e a outra, com quase a mesma extensão, seguia pelos Andes bem como canais de irrigação para desviar o curso dos rios para as aldeias. Desenvolveram, ainda, o quipo, sistema de contagem praticado em um instrumento feito com cordões coloridos. Cada um representava uma contagem. Com o quipo, os incanas somavam e registravam impostos, habitantes e colheitas. A única questão é que, mesmo diante de tantas contribuições, o sistema de escrita inca não foi desenvolvido. • Na religião dos incas, cultuavam o Deus Inti (Deus Sol), além de animais sagrados, como • o jaguar e condor. Acreditavam, ainda, no Viracocha, o criador de tudo. Infelizmente, • os incas foram dominados pelos espanhóis em 1532, poucos anos depois que a • dominação dos astecas.
  • 14. OS TUPIS O termo tupi-guarani é designado para definir uma das dez famílias linguísticas do tronco tupi. Os demais troncos linguísticos identificados no Brasil são o tronco Jê e Arauak, dos quais derivam o conjunto de línguas dos povos indígenas que habitavam o Brasil na chegada dos colonizadores portugueses. Tupi originou-se da língua Tupinambá, que foi incorporada pelos colonizadores e missionários, sendo adotada como Língua Geral do Brasil. O guarani é falado ainda nos dias de hoje pelos povos guarani, guarani-kaiowá, guarani-ñhandeva e guarani-m'byá.
  • 15. Hoje, os índios brasileiros ainda compartilham 150 línguas e dialetos e parte do repertório que já foi incorporado pelo português, como mandioca, Curitiba, Aquidauana, Iguaçu, tapioca, entre outros. Antes da chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral havia ao menos mil. Mantendo sua língua, seus costumes e organização social, os povos indígenas do Brasil são denominados nações e não tribos, uma denominação popularesca e incorreta. Há semelhanças entre os muitos povos, mas as diferenças sobressaem. OS TUPIS
  • 16. A CULTURA TUPI A cultura indígena engloba a língua, a organização social e política, seus rituais, seus mitos, arte, habitação, cosmologia e forma de relacionar-se com o meio ambiente.
  • 17. Os índios brasileiros são politeístas, mas sua maneira de relacionar-se com a religião mudou drasticamente com a influência da colonização, de orientação católica e monoteísta. Acreditavam nas forças da natureza, na divindade de animais, de plantas e do próprio homem interagindo com todos os elementos. Pela tradição oral repassavam os costumes e as orientações para os rituais de vida e de morte. Entre os rituais de vida marcantes estão as celebrações de passagem, que marcavam a transição para a vida adulta. A característica comum dos povos indígenas brasileiros no que tange à religião é o xamanismo. É o xamã o responsável pela condução dos rituais. Entre os povos tupi-guarani, o xamã é denominado pajé, a pessoa que lida com as conexões entre seres vivos, a natureza, humanos vivos e mortos. A RELIGIÃO TUPI
  • 18. A arte indígena brasileira é plural e a confecção não é aberta a todos. São respeitadas desde a hierarquia social, a diferença de gênero e idade para manipular os materiais que resultarão em objetos decorativos ou adornos para rituais. São características na arte indígena plumas, fibras vegetais trançadas, a argila, pedras e pigmentos preparados manualmente. Na imagem abaixo podemos ver uma cesta defibra vegetal. A ARTE TUPI
  • 19. A maioria dos índios do Brasil mantinha a tradição de coletar e caçar o alimento. A agricultura era aplicada de modo apenas rudimentar e alguns pequenos animais eram domesticados, como a capivara. Em sua organização social eram poligâmicos, em sua maioria. A situação mudou com a colonização por conta do pensamento religioso católico. Viviam e muitos ainda vivem em comunidade. As habitações podem ser coletivas ou individuais, dependendo do povo. A disposição mais conhecida é a circular, com espaço central para o desenvolvimento de rituais e festas. O MODO DE VIDA TUPI
  • 20. POR HOJE É SÓ JOVENS! Profª Isabel Aguiar