SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35

 SEGUNDO REINADO
 GUERRA DO PARAGUAI
O REINADO DE D.PEDRO II
• O período Regencial, esteve
ameaçado por rebeliões que
atemorizava tanto Liberais
quanto Conservadores.
• Os Liberais acreditavam
somente o imperador daria
fim a desordem.
• Porém, naquela época (1840),
o imperador tinha apenas 14
anos de idade.
• Os Liberais fizeram uma
campanha pelo Golpe da
Maioridade.
Cavalaria da Sabinada
COMO FOI ESSE TAL GOLPE DA MAIORIDADE?
• A propaganda ajudou a
antecipar o golpe.
• Até os Conservadores
apoiaram
• O Golpe seria a SALVAÇÃO
DA NAÇÃO
• Em julho de 1840, com 15
anos incompletos, D. Pedro
II foi aclamado imperador
do Brasil
• Esse episódio ficou
conhecido como GOLPE DA
MAIORIDADE Esta é uma das raras imagens
do monarca quando jovem.
O cetro portado por ele,
era todo feito de ouro e
cravejado de diamantes
OS PARTIDOS E AS ELEIÇÕES
LIBERAIS E CONSERVADORES ERAM FARINHA DO MESMO
SACO
• Os dois eram os partidos políticos com o maior poder no Brasil
• Os dois tinham líderes da elite (fazendeiros, comerciantes, funcionários
públicos ou militares)
• Os dois tinham interesses em manter a população excluída da vida
política
• Os dois eram violentos e fraudavam as eleições
ELEIÇÕES DO CACETE:
LIBERAIS X CONSERVADORES
• Os Liberais fraudaram
as primeiras eleições
legislativas do Segundo
Reinado
• Pagaram capangas para
espancar os adversários
e roubar as urnas
• Modificaram o resultado
das eleições
• E venceram de forma
fraudulenta
OS CONSERVADORES NÃO GOSTARAM!
• Os Conservadores
pressionaram D. Pedro
II
• D. Pedro II dissolveu a
Câmara e convocou
outras eleições
• Desta vez, quem
venceu foram os
Conservadores
• Os Liberais reagiram ,
pegaram em armas ,
mas foram derrotados
REBELIÃO PRAIAEIRA (1848-1850)
• ONDE: Pernambuco
• CAUSAS: concentração de poder
e riquezas nas mãos de poucas
famílias de Pernambuco , os
portugueses dominava o
comércio do varejo e só davam
empregos a seus parentes.
• FAMÍLIA CAVALCANTE:
somente essa família detinha um
terço dos engenhos de
Pernambuco
• Destas famílias ricas , saíam
políticos do Partido Liberal
quanto do Partido Conservador
A REBELIÃO PRAIEIRA (1848-1850)
• Surgiu um novo partido : PARTIDO DA PRAIA (elite)
• O nome desse partido é por conta da sede de seu jornal ,
DIÁRIO NOVO, que ficava na Rua da Praia em Recife.
• D. Pedro II nomeou um CONSERVADOR para comandar
Pernambuco
• Os PRAIEIROS reagiram (1848) com um MANIFESTO
• Tentaram conquistar Recife
• Líder PEDRO IVO DA SILVEIRA
• Conseguiram algumas vitórias mas foram derrotados pelo
império
• Os líderes foram condenados a prisão perpétua em FERNANDO
DE NORONHA
Recife - 1851
MANIFESTO AO MUNDO
• Autor: Antônio Borges da Fonseca)
• voto livre e universal do povo
brasileiro
• liberdade plena e absoluta de
comunicar os pensamentos por meio
da imprensa
• trabalho como garantia de vida para
o cidadão brasileiro
• comércio varejista (a retalho) só para
cidadãos brasileiros
• extinção do poder MODERADOR
Capa de livro sobre a
Revolução Praieira
PARLAMENTARISMO À BRASILEIRA
A ECONOMIA DO IMPÉRIO: O CAFÉ
• RJ (1760) e SP tinham solo ideal (Vale
do Paraíba)
• A economia do Brasil melhorou
• Usavam mão-de-obra escrava
• Surgem os grandes proprietário rurais
• O Brasil passou a exportar café
• Nasce uma nova classe social: os
BARÕES DO CAFÉ (receberam
títulos de nobreza do imperador)
• Cafeicultores tinham influência
política
• Sustentavam a economia do Brasil
• Muitas cidades e grandes latifúndios
surgiram
• Surgem ferrovias
• Os portos de Santos (SP) e do RJ
prosperaram
O café tem origem na Etiópia
(África)
Acredita-se que as primeiras
mudas do café entraram no
Brasil por Belém (PA) em 1727
O BRASIL NÃO EXPORTAVA SOMENTE CAFÉ
• Produção para o mercado interno
• MG: gado, cavalo, porco, tecidos e alimentos
( farinha de mandioca e de milho, toucinho e carne salgada
• Produtos vendidos no interior de MG e no RJ
• RS: charque (usada para alimentar escravizados)
Casa de fazenda produtora de charque no RS
MODERNIZAÇÃO DO IMPÉRIO: FERROVIA E INDÚSTRIA
Além do CAFÉ , contribuíram também para o progresso do Brasil:
• Tarifa Alves Branco (1844): aumentou impostos de produtos estrangeiros
( passaram de 15% para até 60%)
• Lei Eusébio de Queirós (1850) : proibia a vinda de africanos para o trabalho
escravo no Brasil
• O capital que era usado para comprar escravos e os lucros do café foram
Investidos em FERROVIAS
• A primeira ferrovia do Brasil inaugurada em 1854 e
ligava Baía da Guanabara a Petrópolis(onde a família real descansava)
• 1858- Estrada de Ferro D. Pedro II
(para transportar café do Vale do Paraíba ao RJ)
E FORAM FEITAS MAIS FERROVIAS...
• PE (1855): Estrada de Ferro Recife São Francisco
• SP (1868): Santos-Jundiaí (com capitais ingleses)
• Paulista, Mogiana e Sorocaba (financiadas pelo café)
• O transporte se tornou mais barato
• Aumentaram os lucros dos barões de café
AS INDÚSTRIAS COMEÇAM A CHEGAR
• Surgem as primeiras indústrias de tecidos, chapéus e cerveja
• Companhias de iluminação a gás
• Companhias de seguro e navegação a vapor
• Bancos
• Empresas de mineração
• Empresas de transporte urbano
O PRIMEIRO EMPRESÁRIO DO BRASIL
• Irineu Evangelista de Souza
• Empresário gaúcho
Aqui você pode baixar o livro:
“Mauá: o desafio inovador numa sociedade arcaica”
A GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)
Há 152 anos terminava o mais sangrento conflito armado da história da América
Latina, a Guerra do Paraguai mobilizou centenas de milhares de brasileiros,
paraguaios, argentinos e uruguaios. Este episódio, ainda pouquíssimo trabalhado
nos livros de História, decorreu numa drástica mudança no cenário econômico da
chamada Região Platina.
CAUSAS
 Disputa pelo controle dos rios Paraná,Paraguai, Uruguai e o Rio da Prata .
 Esses rios serviam para circulação de mercadorias na América do Sul e
Europa
 No Brasil os rios serviam para fazer comércio com o Mato Grosso, pois
as estradas eram péssimas.
 Disputa por terras férteis e de pastagens ( fazendeiros de países vizinhos
desrespeitavam as fronteiras do outro )
Disputa pela liderança da região platina
- D. Pedro II, sempre intervinha nos países platinos a favor de seus
interesses.
1- retirou o presidente do Uruguai do poder (Manuel Oribe - 1851)
2- retirou o presidente argentino Manoel Rosas (1852)
3- retirou o presidente do Uruguai Anastácio Aguirre (1864-1865)
QUAIS OS INTERESSES DOS PAÍSES ENVOLVIDOS NA GUERRA?
 Brasil: queria continuar mandando na região e usar os
da bacia platina
 Argentina: queria evitar a saída de duas de suas
províncias do país ( Entre Rios e Corrientes), que
queriam ficar independentes com o apoio do Paraguai
 Paraguai: na época governado por Solano Lopez,
desejava uma saída para o mar para comerciar com
mais facilidade.
Visando a província de Mato Grosso, o ditador
paraguaio aproveitou-se da fraca defesa brasileira
naquela região para invadi-la e conquistá-la.
Fez isso sem grandes dificuldades e, após esta batalha,
sentiu-se motivado a dar continuidade à expansão do
Paraguai através do território que pertencia ao Brasil.
Seu próximo alvo foi o Rio Grande do Sul, mas, para
atingi-lo, necessitava passar pela Argentina.
Então, invadiu e tomou Corrientes, província Argentina
que, naquela época, era governada por Mitre.
Bartolomé Mitre Martinez
foi um político, escritor e
militar argentino, foi
presidente
da Argentina de 1862 a 1868
O GOVERNO DE SOLANO LOPEZ
(presidente do Paraguai)
 As mercadorias do Paraguai deviam circular
pelos rios: Paraguai, Paraná e Prata.
 Rio Paraná- fronteira com o Brasil
Rio da Prata - controlado pela Argentina
 Solano Lopez - aliou-se ao Uruguai e aos
rebeldes argentinos, para formar um novo país
com porto marítimo em Montevidéu ( não deu
certo)
 1864- Brasil invade o Uruguai - o presidente do
Uruguai, Anastácio Cruz Aguirre foi derrotado
pelo exército brasileiro.
Solano Lopez -
presidente do Paraguai
(1862-1870)
COMEÇOU A GUERRA
 Um navio brasileiro é aprisionado e
o Mato Grosso é invadido
pelo Paraguai
 Paraguai X Argentina (motivo:
Argentina não permitiu Paraguai
atravessar por suas terras)
 Maio de 1865 - TRÍPLICE ALIANÇA (
Brasil, Argentina e Uruguai ) contra o
Paraguai.
Tríplice Aliança: Brasil, Argentina e Uruguai
Anastácio Aguirre,
presidente do Uruguai
AS CONSEQUÊNCIAS DA GUERRA DO PARAGUAI
AS CONSEQUÊNCIAS DA GUERRA DO PARAGUAI
Cada país envolvido teve um resultado
diferente
 O Paraguai
perdeu parte das indústrias,
perdeu 140 mil km quadrados de território
perdeu mais de 200 mil pessoas
23.917 pessoas mortas ( algumas pesquisas
dizem que foram mais de 100 mil mortos)
 O Brasil
incorporou vastos territórios
garantiu ligação fluvial com sul do Mato
Grosso
manteve a liderança na região platina
a dívida externa cresceu (empréstimos com a
Inglaterra)
aumentou a emissão de moedas (inflação
atinge a camada mais pobre)
gastos de 640 mil contos de réis (11 vezes o
orçamento do Brasil em 1864)
Oficiais brasileiros
posando com suas armas
e equipamento no estúdio
improvisado de um
fotógrafo bem próximo
ao teatro de operações, c.1867
CURIOSIDADES
1- O Brasil, que sustentou praticamente sozinho a guerra,
pagou um preço alto pela vitória. Durante os cinco anos
de lutas, as despesas do Império chegaram ao dobro de
sua receita, provocando uma crise financeira. A
escravidão passou a ser questionada, pois os escravos
que lutaram pelo Brasil permaneceram escravos.
2- O Exército Brasileiro passou a ser uma força nova e
expressiva dentro da vida nacional. Transformara-se
numa instituição forte que, com a guerra, acabou
ganhando tradição e força interna e representaria um
papel significativo no desenvolvimento posterior da
história do país.
3- O mercado paraguaio abriu-se para os produtos
ingleses e o país viu-se forçado a contrair seu primeiro
empréstimo no exterior: um milhão de libras
da Inglaterra, que se pode considerar a potência mais
beneficiada por esta guerra.
Duque de Caxias
Patrono do Exército
Brasileiro
A PARTICIPAÇÃO NEGRA NA GUERRA DO PARAGUAI
Caricatura da época da Guerra do Paraguai feita por paraguaios que chamavam o
exército brasileiro de MACACUDOS. Isso por conta dos escravizados formarem grande
parte do batalhão de soldados brasileiro. A questão é que no Paraguai também havia
africanos escravizados, pois a abolição não havia acontecido ainda. O que existia era a
Lei do Ventre Livre.
 O Brasil utilizou a população negra na guerra
Os escravizados eram alforriados ao ingressar no exército
brasileiro
 Os senhores de escravos recebiam indenização pela alforria
de seus escravos
 Estima-se em 20 mil o número de escravizados que teriam
conseguido liberdade na guerra (segundo Robert Conrad)
 A participação da população negra foi decisiva
IMAGENS DA GUERRA
Oficiais brasileiro na Guerra do Paraguai
IMAGENS DA GUERRA
Oficiais brasileiros nos momentos finais da Guerra do Paraguai,
entre eles está o Conde d´Eu (com a mão na cintura), 1870
VOCÊ PRECISA SABER!
Dos cerca de 160 mil brasileiros que combateram na guerra, as
melhores
estimativas apontam cerca de 50 mil óbitos e outros mil inválidos.
Outros ainda estimam que o número total de combatentes pode
ter chegado
a 400 mil, com 60 mil mortos em combate ou por doenças
IMAGENS DA GUERRA
Artilharia uruguaia na Batalha do Boqueirão, e ao fundo
tropas da tríplice aliança indo para o combate,1866.
IMAGENS DA GUERRA
 O Paraguai sofreu grande redução em sua população. A guerra
acentuou um desequilíbrio entre a quantidade de homens.
 Algumas fontes citam que 75% da população teria perecido ao final
da Guerra.
Estimativas atuais, contudo, fixam o percentual de perdas de vidas
entre 15% e 20% da população.
 As altas taxas de mortalidade na guerra não foram decorrentes
somente por conta dos encontros armados. Entre os brasileiros,
pelo menos metade das mortes tiveram como causa doenças típicas
de situações de guerra do século XIX. A principal causa mortis
durante a guerra parece ter sido o cólera.
Mortos na Guerra do Paraguai
IMAGENS DA GUERRA
Procissão de N. S. da Conceição em 30 de maio de 1868 no
acampamento brasileiro no Tayi. S/a. A religiosidade
presente em campo de batalha.
IMAGENS DA GUERRA
Antes da queda de Humaitá,
crianças combatiam no
exército paraguaio.
Este foi incorporado para
prestar serviços ao oficial
da foto.
IMAGENS DA GUERRA
Mulheres e crianças paraguaias recebem cuidados médicos
IMAGENS DA GUERRA
o Imperador D. Pedro II em
Porto Alegre - de volta de Uruguaiana,
por Luiz Terragno.
IMAGENS DA GUERRA
Modelo dos fardamentos dos Voluntários da Pátria (soldados brasileiros)
ATÉ A PRÓXIMA JOVENS!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIXRevoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIXdmflores21
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasilhenrique.jay
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Edenilson Morais
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da repúblicaFabiana Tonsis
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Isabela Espíndola
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Isaquel Silva
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoJanayna Lira
 
Republica velha resumão
Republica velha resumãoRepublica velha resumão
Republica velha resumãoFabio Santos
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918Daniel Alves Bronstrup
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo ReinadoDaniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Revoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIXRevoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIX
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 
A Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do BrasilA Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do Brasil
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
A guerra do paraguai
A guerra do paraguaiA guerra do paraguai
A guerra do paraguai
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Republica velha resumão
Republica velha resumãoRepublica velha resumão
Republica velha resumão
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Crise da República Velha
Crise da República VelhaCrise da República Velha
Crise da República Velha
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 

Destaque

O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IIsabel Aguiar
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILIsabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALIsabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILIsabel Aguiar
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIXIsabel Aguiar
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivenciaIsabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA Isabel Aguiar
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Isabel Aguiar
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889Isabel Aguiar
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoIsabel Aguiar
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaIsabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALIsabel Aguiar
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaIsabel Aguiar
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogIsabel Aguiar
 

Destaque (20)

REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivencia
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 

Semelhante a SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI

Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptxGuerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptxisraellucassilvamati
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinadoladyacp
 
História - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasilHistória - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasilCarson Souza
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxMarsellus Cardousous
 
Revoltas Regenciais- farrapos.pdf
Revoltas Regenciais- farrapos.pdfRevoltas Regenciais- farrapos.pdf
Revoltas Regenciais- farrapos.pdfoobetimm
 
Aula adesão do pará à independência
Aula adesão do pará à independênciaAula adesão do pará à independência
Aula adesão do pará à independênciaCélio Bentolaire
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...Professor: Ellington Alexandre
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfValniksonViana
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptxCONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptxprofcarlitto
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoPaticx
 

Semelhante a SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI (20)

Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptxGuerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
ES Imperial
ES ImperialES Imperial
ES Imperial
 
História - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasilHistória - Revoltas no brasil
História - Revoltas no brasil
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
I reinado - Período Regencial e II Reinado
I reinado -  Período Regencial e II ReinadoI reinado -  Período Regencial e II Reinado
I reinado - Período Regencial e II Reinado
 
História de Santa Catarina -parte 02
História de Santa Catarina -parte 02História de Santa Catarina -parte 02
História de Santa Catarina -parte 02
 
2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt
 
Revisao 8
Revisao 8Revisao 8
Revisao 8
 
Revoltas Regenciais- farrapos.pdf
Revoltas Regenciais- farrapos.pdfRevoltas Regenciais- farrapos.pdf
Revoltas Regenciais- farrapos.pdf
 
O 2º reinado 1840 - 1889
O 2º reinado   1840 - 1889O 2º reinado   1840 - 1889
O 2º reinado 1840 - 1889
 
Aula adesão do pará à independência
Aula adesão do pará à independênciaAula adesão do pará à independência
Aula adesão do pará à independência
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdf
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptxCONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 

Mais de Isabel Aguiar

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisIsabel Aguiar
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaIsabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAIsabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAIsabel Aguiar
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIIsabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXIsabel Aguiar
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOIsabel Aguiar
 

Mais de Isabel Aguiar (11)

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 

SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI

  • 1.   SEGUNDO REINADO  GUERRA DO PARAGUAI
  • 2. O REINADO DE D.PEDRO II • O período Regencial, esteve ameaçado por rebeliões que atemorizava tanto Liberais quanto Conservadores. • Os Liberais acreditavam somente o imperador daria fim a desordem. • Porém, naquela época (1840), o imperador tinha apenas 14 anos de idade. • Os Liberais fizeram uma campanha pelo Golpe da Maioridade. Cavalaria da Sabinada
  • 3. COMO FOI ESSE TAL GOLPE DA MAIORIDADE? • A propaganda ajudou a antecipar o golpe. • Até os Conservadores apoiaram • O Golpe seria a SALVAÇÃO DA NAÇÃO • Em julho de 1840, com 15 anos incompletos, D. Pedro II foi aclamado imperador do Brasil • Esse episódio ficou conhecido como GOLPE DA MAIORIDADE Esta é uma das raras imagens do monarca quando jovem. O cetro portado por ele, era todo feito de ouro e cravejado de diamantes
  • 4. OS PARTIDOS E AS ELEIÇÕES LIBERAIS E CONSERVADORES ERAM FARINHA DO MESMO SACO • Os dois eram os partidos políticos com o maior poder no Brasil • Os dois tinham líderes da elite (fazendeiros, comerciantes, funcionários públicos ou militares) • Os dois tinham interesses em manter a população excluída da vida política • Os dois eram violentos e fraudavam as eleições
  • 5. ELEIÇÕES DO CACETE: LIBERAIS X CONSERVADORES • Os Liberais fraudaram as primeiras eleições legislativas do Segundo Reinado • Pagaram capangas para espancar os adversários e roubar as urnas • Modificaram o resultado das eleições • E venceram de forma fraudulenta
  • 6. OS CONSERVADORES NÃO GOSTARAM! • Os Conservadores pressionaram D. Pedro II • D. Pedro II dissolveu a Câmara e convocou outras eleições • Desta vez, quem venceu foram os Conservadores • Os Liberais reagiram , pegaram em armas , mas foram derrotados
  • 7. REBELIÃO PRAIAEIRA (1848-1850) • ONDE: Pernambuco • CAUSAS: concentração de poder e riquezas nas mãos de poucas famílias de Pernambuco , os portugueses dominava o comércio do varejo e só davam empregos a seus parentes. • FAMÍLIA CAVALCANTE: somente essa família detinha um terço dos engenhos de Pernambuco • Destas famílias ricas , saíam políticos do Partido Liberal quanto do Partido Conservador
  • 8. A REBELIÃO PRAIEIRA (1848-1850) • Surgiu um novo partido : PARTIDO DA PRAIA (elite) • O nome desse partido é por conta da sede de seu jornal , DIÁRIO NOVO, que ficava na Rua da Praia em Recife. • D. Pedro II nomeou um CONSERVADOR para comandar Pernambuco • Os PRAIEIROS reagiram (1848) com um MANIFESTO • Tentaram conquistar Recife • Líder PEDRO IVO DA SILVEIRA • Conseguiram algumas vitórias mas foram derrotados pelo império • Os líderes foram condenados a prisão perpétua em FERNANDO DE NORONHA Recife - 1851
  • 9. MANIFESTO AO MUNDO • Autor: Antônio Borges da Fonseca) • voto livre e universal do povo brasileiro • liberdade plena e absoluta de comunicar os pensamentos por meio da imprensa • trabalho como garantia de vida para o cidadão brasileiro • comércio varejista (a retalho) só para cidadãos brasileiros • extinção do poder MODERADOR Capa de livro sobre a Revolução Praieira
  • 11. A ECONOMIA DO IMPÉRIO: O CAFÉ • RJ (1760) e SP tinham solo ideal (Vale do Paraíba) • A economia do Brasil melhorou • Usavam mão-de-obra escrava • Surgem os grandes proprietário rurais • O Brasil passou a exportar café • Nasce uma nova classe social: os BARÕES DO CAFÉ (receberam títulos de nobreza do imperador) • Cafeicultores tinham influência política • Sustentavam a economia do Brasil • Muitas cidades e grandes latifúndios surgiram • Surgem ferrovias • Os portos de Santos (SP) e do RJ prosperaram O café tem origem na Etiópia (África) Acredita-se que as primeiras mudas do café entraram no Brasil por Belém (PA) em 1727
  • 12. O BRASIL NÃO EXPORTAVA SOMENTE CAFÉ • Produção para o mercado interno • MG: gado, cavalo, porco, tecidos e alimentos ( farinha de mandioca e de milho, toucinho e carne salgada • Produtos vendidos no interior de MG e no RJ • RS: charque (usada para alimentar escravizados) Casa de fazenda produtora de charque no RS
  • 13. MODERNIZAÇÃO DO IMPÉRIO: FERROVIA E INDÚSTRIA Além do CAFÉ , contribuíram também para o progresso do Brasil: • Tarifa Alves Branco (1844): aumentou impostos de produtos estrangeiros ( passaram de 15% para até 60%) • Lei Eusébio de Queirós (1850) : proibia a vinda de africanos para o trabalho escravo no Brasil • O capital que era usado para comprar escravos e os lucros do café foram Investidos em FERROVIAS • A primeira ferrovia do Brasil inaugurada em 1854 e ligava Baía da Guanabara a Petrópolis(onde a família real descansava) • 1858- Estrada de Ferro D. Pedro II (para transportar café do Vale do Paraíba ao RJ)
  • 14. E FORAM FEITAS MAIS FERROVIAS... • PE (1855): Estrada de Ferro Recife São Francisco • SP (1868): Santos-Jundiaí (com capitais ingleses) • Paulista, Mogiana e Sorocaba (financiadas pelo café) • O transporte se tornou mais barato • Aumentaram os lucros dos barões de café
  • 15. AS INDÚSTRIAS COMEÇAM A CHEGAR • Surgem as primeiras indústrias de tecidos, chapéus e cerveja • Companhias de iluminação a gás • Companhias de seguro e navegação a vapor • Bancos • Empresas de mineração • Empresas de transporte urbano
  • 16. O PRIMEIRO EMPRESÁRIO DO BRASIL • Irineu Evangelista de Souza • Empresário gaúcho Aqui você pode baixar o livro: “Mauá: o desafio inovador numa sociedade arcaica”
  • 17. A GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Há 152 anos terminava o mais sangrento conflito armado da história da América Latina, a Guerra do Paraguai mobilizou centenas de milhares de brasileiros, paraguaios, argentinos e uruguaios. Este episódio, ainda pouquíssimo trabalhado nos livros de História, decorreu numa drástica mudança no cenário econômico da chamada Região Platina.
  • 18. CAUSAS  Disputa pelo controle dos rios Paraná,Paraguai, Uruguai e o Rio da Prata .  Esses rios serviam para circulação de mercadorias na América do Sul e Europa  No Brasil os rios serviam para fazer comércio com o Mato Grosso, pois as estradas eram péssimas.  Disputa por terras férteis e de pastagens ( fazendeiros de países vizinhos desrespeitavam as fronteiras do outro ) Disputa pela liderança da região platina - D. Pedro II, sempre intervinha nos países platinos a favor de seus interesses. 1- retirou o presidente do Uruguai do poder (Manuel Oribe - 1851) 2- retirou o presidente argentino Manoel Rosas (1852) 3- retirou o presidente do Uruguai Anastácio Aguirre (1864-1865)
  • 19. QUAIS OS INTERESSES DOS PAÍSES ENVOLVIDOS NA GUERRA?  Brasil: queria continuar mandando na região e usar os da bacia platina  Argentina: queria evitar a saída de duas de suas províncias do país ( Entre Rios e Corrientes), que queriam ficar independentes com o apoio do Paraguai  Paraguai: na época governado por Solano Lopez, desejava uma saída para o mar para comerciar com mais facilidade. Visando a província de Mato Grosso, o ditador paraguaio aproveitou-se da fraca defesa brasileira naquela região para invadi-la e conquistá-la. Fez isso sem grandes dificuldades e, após esta batalha, sentiu-se motivado a dar continuidade à expansão do Paraguai através do território que pertencia ao Brasil. Seu próximo alvo foi o Rio Grande do Sul, mas, para atingi-lo, necessitava passar pela Argentina. Então, invadiu e tomou Corrientes, província Argentina que, naquela época, era governada por Mitre. Bartolomé Mitre Martinez foi um político, escritor e militar argentino, foi presidente da Argentina de 1862 a 1868
  • 20. O GOVERNO DE SOLANO LOPEZ (presidente do Paraguai)  As mercadorias do Paraguai deviam circular pelos rios: Paraguai, Paraná e Prata.  Rio Paraná- fronteira com o Brasil Rio da Prata - controlado pela Argentina  Solano Lopez - aliou-se ao Uruguai e aos rebeldes argentinos, para formar um novo país com porto marítimo em Montevidéu ( não deu certo)  1864- Brasil invade o Uruguai - o presidente do Uruguai, Anastácio Cruz Aguirre foi derrotado pelo exército brasileiro. Solano Lopez - presidente do Paraguai (1862-1870)
  • 21. COMEÇOU A GUERRA  Um navio brasileiro é aprisionado e o Mato Grosso é invadido pelo Paraguai  Paraguai X Argentina (motivo: Argentina não permitiu Paraguai atravessar por suas terras)  Maio de 1865 - TRÍPLICE ALIANÇA ( Brasil, Argentina e Uruguai ) contra o Paraguai. Tríplice Aliança: Brasil, Argentina e Uruguai Anastácio Aguirre, presidente do Uruguai
  • 22. AS CONSEQUÊNCIAS DA GUERRA DO PARAGUAI
  • 23. AS CONSEQUÊNCIAS DA GUERRA DO PARAGUAI Cada país envolvido teve um resultado diferente  O Paraguai perdeu parte das indústrias, perdeu 140 mil km quadrados de território perdeu mais de 200 mil pessoas 23.917 pessoas mortas ( algumas pesquisas dizem que foram mais de 100 mil mortos)  O Brasil incorporou vastos territórios garantiu ligação fluvial com sul do Mato Grosso manteve a liderança na região platina a dívida externa cresceu (empréstimos com a Inglaterra) aumentou a emissão de moedas (inflação atinge a camada mais pobre) gastos de 640 mil contos de réis (11 vezes o orçamento do Brasil em 1864) Oficiais brasileiros posando com suas armas e equipamento no estúdio improvisado de um fotógrafo bem próximo ao teatro de operações, c.1867
  • 24. CURIOSIDADES 1- O Brasil, que sustentou praticamente sozinho a guerra, pagou um preço alto pela vitória. Durante os cinco anos de lutas, as despesas do Império chegaram ao dobro de sua receita, provocando uma crise financeira. A escravidão passou a ser questionada, pois os escravos que lutaram pelo Brasil permaneceram escravos. 2- O Exército Brasileiro passou a ser uma força nova e expressiva dentro da vida nacional. Transformara-se numa instituição forte que, com a guerra, acabou ganhando tradição e força interna e representaria um papel significativo no desenvolvimento posterior da história do país. 3- O mercado paraguaio abriu-se para os produtos ingleses e o país viu-se forçado a contrair seu primeiro empréstimo no exterior: um milhão de libras da Inglaterra, que se pode considerar a potência mais beneficiada por esta guerra. Duque de Caxias Patrono do Exército Brasileiro
  • 25. A PARTICIPAÇÃO NEGRA NA GUERRA DO PARAGUAI Caricatura da época da Guerra do Paraguai feita por paraguaios que chamavam o exército brasileiro de MACACUDOS. Isso por conta dos escravizados formarem grande parte do batalhão de soldados brasileiro. A questão é que no Paraguai também havia africanos escravizados, pois a abolição não havia acontecido ainda. O que existia era a Lei do Ventre Livre.  O Brasil utilizou a população negra na guerra Os escravizados eram alforriados ao ingressar no exército brasileiro  Os senhores de escravos recebiam indenização pela alforria de seus escravos  Estima-se em 20 mil o número de escravizados que teriam conseguido liberdade na guerra (segundo Robert Conrad)  A participação da população negra foi decisiva
  • 26. IMAGENS DA GUERRA Oficiais brasileiro na Guerra do Paraguai
  • 27. IMAGENS DA GUERRA Oficiais brasileiros nos momentos finais da Guerra do Paraguai, entre eles está o Conde d´Eu (com a mão na cintura), 1870 VOCÊ PRECISA SABER! Dos cerca de 160 mil brasileiros que combateram na guerra, as melhores estimativas apontam cerca de 50 mil óbitos e outros mil inválidos. Outros ainda estimam que o número total de combatentes pode ter chegado a 400 mil, com 60 mil mortos em combate ou por doenças
  • 28. IMAGENS DA GUERRA Artilharia uruguaia na Batalha do Boqueirão, e ao fundo tropas da tríplice aliança indo para o combate,1866.
  • 29. IMAGENS DA GUERRA  O Paraguai sofreu grande redução em sua população. A guerra acentuou um desequilíbrio entre a quantidade de homens.  Algumas fontes citam que 75% da população teria perecido ao final da Guerra. Estimativas atuais, contudo, fixam o percentual de perdas de vidas entre 15% e 20% da população.  As altas taxas de mortalidade na guerra não foram decorrentes somente por conta dos encontros armados. Entre os brasileiros, pelo menos metade das mortes tiveram como causa doenças típicas de situações de guerra do século XIX. A principal causa mortis durante a guerra parece ter sido o cólera. Mortos na Guerra do Paraguai
  • 30. IMAGENS DA GUERRA Procissão de N. S. da Conceição em 30 de maio de 1868 no acampamento brasileiro no Tayi. S/a. A religiosidade presente em campo de batalha.
  • 31. IMAGENS DA GUERRA Antes da queda de Humaitá, crianças combatiam no exército paraguaio. Este foi incorporado para prestar serviços ao oficial da foto.
  • 32. IMAGENS DA GUERRA Mulheres e crianças paraguaias recebem cuidados médicos
  • 33. IMAGENS DA GUERRA o Imperador D. Pedro II em Porto Alegre - de volta de Uruguaiana, por Luiz Terragno.
  • 34. IMAGENS DA GUERRA Modelo dos fardamentos dos Voluntários da Pátria (soldados brasileiros)
  • 35. ATÉ A PRÓXIMA JOVENS!