SlideShare uma empresa Scribd logo
Brasil ColôniaBrasil Colônia
1500-18221500-1822
Professora IsabelProfessora Isabel
AguiarAguiar
Modelos de colonização da AméricaModelos de colonização da América
► Modelo PortuguêsModelo Português ► Modelo EspanholModelo Espanhol
► Colônia de ExploraçãoColônia de Exploração ► Colônia de ExploraçãoColônia de Exploração
► PlantationPlantation (latifúndio agro-(latifúndio agro-
exportador)exportador)
► PlantationPlantation (latifúndio agro-(latifúndio agro-
exportador)exportador)
► Mão de obra escravaMão de obra escrava
(mais índio do que negro)(mais índio do que negro)► Mão de obra escravaMão de obra escrava
(mais negro do que índio)(mais negro do que índio)
► Sociedade menosSociedade menos
hierarquizadahierarquizada (livres e cativos)(livres e cativos)
► Sociedade maisSociedade mais
hierarquizadahierarquizada (chapetones,(chapetones,
criollos, mestiços, negros e índios)criollos, mestiços, negros e índios)
► Administração maisAdministração mais
simples e centralizadasimples e centralizada
► Administração mais complexaAdministração mais complexa
e descentralizadae descentralizada
A conquista doA conquista do
Novo MundoNovo Mundo
►Portugal:Portugal: PériploPériplo
AfricanoAfricano
►Espanha:Espanha: testoutestou
a teoria daa teoria da
esfericidade daesfericidade da
TerraTerra
Lembrete:Lembrete:
►Toda essa históriaToda essa história
começou por que oscomeçou por que os
europeus almejavameuropeus almejavam
chegar às índias...chegar às índias...
►As cidades italianas deAs cidades italianas de
Gênova e VenezaGênova e Veneza
monopolizavam omonopolizavam o
mediterrâneo. Navegarmediterrâneo. Navegar
era preciso...era preciso...
A 1ª controvérsiaA 1ª controvérsia
diplomáticadiplomática
► 1494 – a Espanha tenta1494 – a Espanha tenta
emplacar aemplacar a “Bula Inter“Bula Inter
Coetera”Coetera”
► 1498 – Espanha e1498 – Espanha e
Portugal firmam oPortugal firmam o
“Tratado de Tordesilhas”“Tratado de Tordesilhas”
► As demais nações apelamAs demais nações apelam
para opara o “Ut Possidetis”“Ut Possidetis”
PortugalPortugal
► AA conquista de Ceutaconquista de Ceuta foifoi
o marco inicial de suao marco inicial de sua
grande empreitadagrande empreitada
► Já sabia da existênciaJá sabia da existência
do Brasil (fragilidade dado Brasil (fragilidade da
teoria da casualidadeteoria da casualidade))
► O Brasil acabou sendoO Brasil acabou sendo
um excelenteum excelente
entreposto noentreposto no caminhocaminho
para as índiaspara as índias
► Foi muito útil aFoi muito útil a herançaherança
culturalcultural deixada pelosdeixada pelos
árabesárabes (bússola, astrolábio...(bússola, astrolábio...))
► AA posição geográficaposição geográfica
favorávelfavorável tambémtambém
ajudou muito...ajudou muito...
► Também é precisoTambém é preciso
considerar aconsiderar a Escola deEscola de
Sagres...Sagres...
► E aE a Revolução de AvisRevolução de Avis......
ViagensViagens
► ExploraçãoExploração ► ColonizaçãoColonização
► Até 1530Até 1530 ► Após 1530Após 1530
► Pedro Álvares CabralPedro Álvares Cabral ► Martim Afonso deMartim Afonso de
SouzaSouza
► FeitoriasFeitorias ► 1º núcleo urbano: São1º núcleo urbano: São
VicenteVicente
► Pau brasil, litoral,Pau brasil, litoral,
escamboescambo
► Cai o comércio com asCai o comércio com as
índias e estrangeirosíndias e estrangeiros
rondam o litoralrondam o litoral
Pacto ColonialPacto Colonial ► A vinda dos portugueses para oA vinda dos portugueses para o
Brasil atendeu a necessidadesBrasil atendeu a necessidades
históricas de expansão dahistóricas de expansão da
economia capitalista de mercadoeconomia capitalista de mercado
em sua etapa de formaçãoem sua etapa de formação
(século XVI).(século XVI).
► O Estado garantia os lucros daO Estado garantia os lucros da
burguesia metropolitana,burguesia metropolitana,
simultaneamente sesimultaneamente se
fortalecendo, através dafortalecendo, através da
tributação.tributação.
► A Igreja assumia o papel deA Igreja assumia o papel de
justificadora da empreitada.justificadora da empreitada.
► TripéTripé escravismoescravismo,, monoculturamonocultura
ee latifúndiolatifúndio..
► Exclusivos comercial e deExclusivos comercial e de
transporte, e a proibição detransporte, e a proibição de
manufaturas.manufaturas.
O PACTO COLONIALO PACTO COLONIAL
COLÔNIA METRÓPOLE
MONOPÓLIO
Consumo de manufaturas
Envio de matéria-prima
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitão Donatário – aquele
que recebe um dos lotes de
terra.
Carta Foral: direitos e deveres
dos donatários.
Direitos – aplicar a justiça,
escravizar índios e doar
sesmarias.
Deveres – fundar povoados,
cobrar impostos e defender o
território.
Privilégios metropolitanos:
100% sobre o Pau Brasil e sobre
as drogas do sertão.
20% sobre metais preciosos.
10% sobre a produção agrícola.
GOVERNOS GERAISGOVERNOS GERAIS
Instituído para centralizar a administração e corrigir os
erros das capitanias
O Governador Geral executava, na colônia, as ordens do rei
de Portugal
CARGOS AUXILIARES:
• Provedor- mor (responsável pela cobrança de impostos)
• Capitão-mor (responsável pela defesa)
• Ouvidor-mor (responsável pela justiça)
•As Câmaras Municipais:
–Instâncias de poder local.
–Homens bons (proprietários de terras e escravos)
1º Governo Geral (1549-1553):1º Governo Geral (1549-1553):
Tomé de SouzaTomé de Souza
►Fundação da 1ª cidadeFundação da 1ª cidade
brasileira: Salvadorbrasileira: Salvador
►1º bispado e 1º colégio1º bispado e 1º colégio
(jesuíta)(jesuíta)
►Destaque para a açãoDestaque para a ação
do padre Manuel dado padre Manuel da
NóbregaNóbrega
2º Governo Geral (1553-1558):2º Governo Geral (1553-1558):
Duarte da CostaDuarte da Costa
► Trouxe para o Brasil o padreTrouxe para o Brasil o padre
José de Anchieta, que fundouJosé de Anchieta, que fundou
o Colégio de São Paulo, queo Colégio de São Paulo, que
deu origem à cidadedeu origem à cidade
► Os franceses estabeleceram-Os franceses estabeleceram-
se no Rio de Janeiro (“se no Rio de Janeiro (“FrançaFrança
AntárticaAntártica”).”).
► Conseguiram apoio dos índiosConseguiram apoio dos índios
Tamoios, contra osTamoios, contra os
portugueses (Confederaçãoportugueses (Confederação
dos Tamoios).dos Tamoios).
3º Governo Geral3º Governo Geral
(1558-1572): Mem de Sá(1558-1572): Mem de Sá
► Contou também com o apoioContou também com o apoio
de seu sobrinho, Estácio dede seu sobrinho, Estácio de
Sá.Sá.
► Expulsos, os francesesExpulsos, os franceses
foram para o Maranhãoforam para o Maranhão
(“(“França EquinocialFrança Equinocial”).”).
► 2ª cidade: São Sebastião do2ª cidade: São Sebastião do
Rio de JaneiroRio de Janeiro
4º Governo Geral4º Governo Geral
(1572-1578): Brasil dividido...(1572-1578): Brasil dividido...
A divisão da colônia:
1573 –1578
Grande extensão territorial
Perigo de invasões
Brasil do Norte (Salvador)
Brasil do Sul (RJ)
Brasil colonial
Exploração do pau-brasil no períodoExploração do pau-brasil no período
pré-colonialpré-colonial
►Servia como coranteServia como corante
►Estanco: monopólio daEstanco: monopólio da
extração do pau brasilextração do pau brasil
►Esgotamento daEsgotamento da
madeira no litoralmadeira no litoral
► Prática do escambo:Prática do escambo:
troca de trabalho portroca de trabalho por
quinquilharias.quinquilharias.
LavouraLavoura
açucareiraaçucareira
►Portugal já possuía umaPortugal já possuía uma
experiência na África...experiência na África...
►Brasil: clima e soloBrasil: clima e solo
((massapêmassapê) favoráveis) favoráveis
►Produto de extremo valorProduto de extremo valor
no mercado europeuno mercado europeu
►Portugal não tinha oPortugal não tinha o
capital necessáriocapital necessário
►Parceria luso-flamengaParceria luso-flamenga
(holandeses, batavos,(holandeses, batavos,
banqueiros de Flandres...)banqueiros de Flandres...)
Trabalho compulsórioTrabalho compulsório
► Os índios foramOs índios foram
escravizados durante aescravizados durante a
montagem dos engenhosmontagem dos engenhos
coloniais e outras vezescoloniais e outras vezes
depois.depois.
► Em 1550 chegaramEm 1550 chegaram
sudaneses, bantos esudaneses, bantos e
malês...negros que tornar-malês...negros que tornar-
se-iam “pés e mãos dosse-iam “pés e mãos dos
engenhos”...engenhos”...
► A escravidão conviveu com o trabalho assalariado.A escravidão conviveu com o trabalho assalariado.
EscravidãoEscravidão ► O negro resistiu, fugindo, atacandoO negro resistiu, fugindo, atacando
seus feitores, queimando senzalas,seus feitores, queimando senzalas,
dispersando o gado, suicidando-se,dispersando o gado, suicidando-se,
abortando, disfarçando sua culturaabortando, disfarçando sua cultura
(sincretismo) etc.(sincretismo) etc.
► Os quilombos reuniam negros fugidos,Os quilombos reuniam negros fugidos,
índios e até foras-da-lei...índios e até foras-da-lei...
► Quase sempre foram mercadoriaQuase sempre foram mercadoria
barata (mesmo portugueses pobres ebarata (mesmo portugueses pobres e
até escravos alforriados podiamaté escravos alforriados podiam
possuir uma peça).possuir uma peça).
► O número de mulheres trazidas daO número de mulheres trazidas da
África era cinco vezes menor que oÁfrica era cinco vezes menor que o
de homens.de homens.
► O racismo servia para preservar aO racismo servia para preservar a
ordem social.ordem social.
Engenho – Fábrica do açúcarEngenho – Fábrica do açúcar
A base da economia colonial
era o engenho de açúcar. O
senhor de engenho era um
fazendeiro proprietário da
unidade de produção de açúcar.
Um engenho de açúcar era constituído por
quatro tipos de casas : a casa grande era
onde vivia o senhor do engenho e a sua
família,  a casa dos trabalhadores livres, a
casa dos escravos que se chamava "senzala", 
e a casa de engenho onde se fabricava o
açúcar.
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
O ruralismo: o campo era o centro
dinâmico dessa sociedade.
 
A estratificação social: era uma
sociedade dividida em camadas
bem definidas, sendo muito raro
alguém conseguir ascender na
posição social. Não havia a
possibilidade do escravo chegar à
condição de senhor ou do senhor
descer à posição de escravos.
São características dessa sociedade:
O patriarcalismo: o senhor do engenho era o patriarca (chefe), que
concentrava em suas mãos o poder econômico, político e ideológico.
► União IbéricaUnião Ibérica (1580-1640)(1580-1640):: períodoperíodo
em que Portugal foi administradoem que Portugal foi administrado
pelo rei da Espanha...pelo rei da Espanha...
► Por determinação do novo rei,Por determinação do novo rei,
rompe-se a parceria luso-rompe-se a parceria luso-
flamenga.flamenga.
► Os holandeses invadem a BahiaOs holandeses invadem a Bahia
(1 ano) e, depois, Pernambuco (8(1 ano) e, depois, Pernambuco (8
anos) = “Nova Holanda”anos) = “Nova Holanda”
► Administrador: Maurício de NassauAdministrador: Maurício de Nassau
► Tolerância religiosa, empréstimos aos latifundiários,Tolerância religiosa, empréstimos aos latifundiários,
estudiosos e artistas de renome na Europa vieram aoestudiosos e artistas de renome na Europa vieram ao
Brasil, investimentos em infra-estrutura (urbanização deBrasil, investimentos em infra-estrutura (urbanização de
Recife, pontes, jardins, palácios etc)Recife, pontes, jardins, palácios etc)
► A expulsão dos holandeses (Insurreição Pernambucana)A expulsão dos holandeses (Insurreição Pernambucana)
teve a concorrência antilhana como consequência...teve a concorrência antilhana como consequência...
InvasõesInvasões
HolandesasHolandesas
MineraçãoMineração► LavrasLavras ► FaisqueirasFaisqueiras
► FixasFixas
(nas(nas
datasdatas))
► ItinerantesItinerantes
(nos rios)(nos rios)
► EscravoEscravo
► LivreLivre
► TécnicaTécnica
ss
sofisticadassofisticadas
► Téc.Téc.
RudimentaresRudimentares
((batéiabatéia))
► Ouro deOuro de
minamina
► Ouro deOuro de
aluviãoaluvião
►DeDe apresamentoapresamento: captura: captura
de índiosde índios
►DeDe prospecçãoprospecção: busca de: busca de
metais preciososmetais preciosos
►Sertanismo de contratoSertanismo de contrato::
captura de fugitivoscaptura de fugitivos
► Ex: Borba Gato, RaposoEx: Borba Gato, Raposo
Tavares, Fernão Dias,Tavares, Fernão Dias,
Domingos Jorge Velho etcDomingos Jorge Velho etc
BandeirasBandeiras
► Corrida para a região das minasCorrida para a região das minas
((rushrush))
► Crise de desabastecimentoCrise de desabastecimento
► Urbanização e fixação do homemUrbanização e fixação do homem
no interiorno interior
► Deslocamento do eixo econômicoDeslocamento do eixo econômico
do nordeste para o sudestedo nordeste para o sudeste
► BarrocoBarroco
► Aumentou oAumentou o
fiscalismofiscalismo
português: Casa deportuguês: Casa de
Fundição,Fundição,
Intendência dasIntendência das
Minas, Quinto,Minas, Quinto,
Derrama,Derrama,
Capitação...Capitação...
► Maior mobilidadeMaior mobilidade
socialsocial
Consequências da MineraçãoConsequências da Mineração
Áreas deÁreas de
mineraçãomineração
(1708-1709)(1708-1709)
►Clima de tensão em MG:Clima de tensão em MG:
fome e inflaçãofome e inflação
►Rivalidades entre paulistasRivalidades entre paulistas
e forasteiros (emboabas)e forasteiros (emboabas)
►8 dias de luta depois que um8 dias de luta depois que um
paulista matou um emboabapaulista matou um emboaba
►Os forasteiros aclamam oOs forasteiros aclamam o
comerciante Manuelcomerciante Manuel
Nunes VianaNunes Viana
►Capão da traição (paulistasCapão da traição (paulistas
massacrados)massacrados)
Guerra dosGuerra dos
EmboabasEmboabas
ContestavamContestavam
aspectosaspectos
específicos doespecíficos do
PactoPacto
Colonial, nãoColonial, não
propriamentepropriamente
falando emfalando em
independênciaindependência
, possuindo, possuindo
carátercaráter
regionalista.regionalista.
Rebeliões NativistasRebeliões Nativistas
►jesuítas proibiam ajesuítas proibiam a
captura dos índioscaptura dos índios
►““botada dos padresbotada dos padres
para fora”para fora”
►Pobreza e tensãoPobreza e tensão
(jesuítas x bandeirantes)(jesuítas x bandeirantes)
►Aclamaram umAclamaram um
espanhol como reiespanhol como rei
►Ele fugiu, tudoEle fugiu, tudo
esfriou...esfriou...
Aclamação deAclamação de
Amador BuenoAmador Bueno
(1641)(1641)
► latifundiários dolatifundiários do
Maranhão revoltaram-Maranhão revoltaram-
se porque faltavamse porque faltavam
escravos e os jesuítasescravos e os jesuítas
condenavam acondenavam a
escravidão indígenaescravidão indígena..
► a Cia de Comércio doa Cia de Comércio do
Maranhão eraMaranhão era
ineficiente e corruptaineficiente e corrupta
► líderes, os irmãoslíderes, os irmãos
Manuel e ThomasManuel e Thomas
Beckman foramBeckman foram
mortosmortos
Revolta deRevolta de
BeckmanBeckman
(1648)(1648)
► Senhores de engenho de OlindaSenhores de engenho de Olinda
pediam dinheiro emprestado aospediam dinheiro emprestado aos
comerciantes de Recifecomerciantes de Recife
(mascates)(mascates)
► Era fácil não pagar, poisEra fácil não pagar, pois
controlavam a Câmara Municipalcontrolavam a Câmara Municipal
► Mas quando Recife ganhou oMas quando Recife ganhou o
direito de emancipar-se osdireito de emancipar-se os
latifundiários não aceitaram,latifundiários não aceitaram,
invadindo a cidade e destruindoinvadindo a cidade e destruindo
o pelourinho (sedeo pelourinho (sede
administrativa)administrativa)
Guerra dosGuerra dos
MascatesMascates
(1710-1714)(1710-1714)
► A guerra terminou com a vitóriaA guerra terminou com a vitória
dos recifenses. Além de garantirdos recifenses. Além de garantir
a emancipação, Recife tornou-sea emancipação, Recife tornou-se
a nova capital de Pernambuco.a nova capital de Pernambuco.
► decisão do Conde dedecisão do Conde de
Assumar (governadorAssumar (governador
da província) de abrirda província) de abrir
as Casas de Fundiçãoas Casas de Fundição
em Vila Ricaem Vila Rica
► Felipe dos Santos, minerador, lidera os rebeldes.Felipe dos Santos, minerador, lidera os rebeldes.
► Felipe dos Santos e outros líderes são executadosFelipe dos Santos e outros líderes são executados
Revolta de FelipeRevolta de Felipe
dos Santosdos Santos
(1720)(1720)
Era pombalinaEra pombalina
Marquês deMarquês de
PombalPombal
► ““derramaderrama” (decreto que estabelecia” (decreto que estabelecia
que, se a capitação não fosse paga,que, se a capitação não fosse paga,
os bens dos mineradores seriamos bens dos mineradores seriam
confiscados)confiscados)
► garantiu o controle da Amazônia ;garantiu o controle da Amazônia ;
criou o Banco Real e organizou acriou o Banco Real e organizou a
arrecadação de impostosarrecadação de impostos
► reconstruiu Lisboa após o terremotoreconstruiu Lisboa após o terremoto
de 1755 ; criou diversas companhiasde 1755 ; criou diversas companhias
de comérciode comércio
► organizou alfândegas, tribunais eorganizou alfândegas, tribunais e
outras instituições do Estado ;outras instituições do Estado ;
procurou reaquecer a lavouraprocurou reaquecer a lavoura
açucareira do nordesteaçucareira do nordeste
► tentou diminuir a dependênciatentou diminuir a dependência
econômica de Portugal com aeconômica de Portugal com a
Inglaterra bens ; expulsou os jesuítasInglaterra bens ; expulsou os jesuítas
de Portugal e suas colônias,de Portugal e suas colônias,
confiscando seus bensconfiscando seus bens
► mudou a capital pro RJ; incentivoumudou a capital pro RJ; incentivou
manufaturas na colônia (tecelagens,manufaturas na colônia (tecelagens,
metalurgia, refinarias de açúcar...)metalurgia, refinarias de açúcar...)
InconfidênciaInconfidência
MineiraMineira
► Movimento emancipacionistaMovimento emancipacionista
► Filhos da elite de Vila Rica,Filhos da elite de Vila Rica,
estudando na Europa, tomaramestudando na Europa, tomaram
contato com as idéias iluministascontato com as idéias iluministas
► Influência do Movimento deInfluência do Movimento de
Independência dos EstadosIndependência dos Estados
Unidos.Unidos.
► Crise na região mineradoraCrise na região mineradora
► Visconde de Barbacena decreta aVisconde de Barbacena decreta a
derramaderrama
► Cláudio Manuel da Costa, TomásCláudio Manuel da Costa, Tomás
Antônio Gonzaga, José JoaquimAntônio Gonzaga, José Joaquim
Maia outros homens ricos: idéiasMaia outros homens ricos: idéias
pouco definidaspouco definidas
► Traição de Joaquim Silvério dos ReisTraição de Joaquim Silvério dos Reis
Propostas dos InconfidentesPropostas dos Inconfidentes
► Proclamar a independência da colônia eProclamar a independência da colônia e
estabelecer a capital em São João Delestabelecer a capital em São João Del
ReyRey
► Parte do grupo era mais favorável a umaParte do grupo era mais favorável a uma
monarquia com poderes limitadosmonarquia com poderes limitados
► CriariamCriariam
hospitais,hospitais,
escolas masescolas mas
a escravidãoa escravidão
seriaseria
mantida.mantida.
► Tiradentes foi o únicoTiradentes foi o único
executado sem receberexecutado sem receber
o perdão real.o perdão real.
ConjuraçãoConjuração
BaianaBaiana
(1798)(1798)
► Movimento emancipacionistaMovimento emancipacionista
► Saque ao carregamento de carneSaque ao carregamento de carne
do general-comandantedo general-comandante
► Cartazes incitando o jacobinismoCartazes incitando o jacobinismo
com clara influência da Revoluçãocom clara influência da Revolução
Francesa.Francesa.
► Como no Haiti: saques, fogo noComo no Haiti: saques, fogo no
pelourinho etcpelourinho etc
► Ou Conjuração dos Alfaiates com liderança deOu Conjuração dos Alfaiates com liderança de
profissionais liberais, classes médias, homens pobres,profissionais liberais, classes médias, homens pobres,
escravos, religiosos.escravos, religiosos.
► Propostas de igualdade jurídica, abolicionismo ePropostas de igualdade jurídica, abolicionismo e
instituição de uma república.instituição de uma república.
A vinda da Família Real para oA vinda da Família Real para o
BrasilBrasil
► Dilema em relação aoDilema em relação ao
Bloqueio ContinentalBloqueio Continental
► Opção por fugir dasOpção por fugir das
tropas de Napoleãotropas de Napoleão
(Tratado de Fontainebleau)(Tratado de Fontainebleau)
► Transferência da CorteTransferência da Corte
para o Brasilpara o Brasil
► Fenômeno da “inversãoFenômeno da “inversão
americana”americana”
Medidas tomadas por D.João VIMedidas tomadas por D.João VI
► 1808: abertura dos portos1808: abertura dos portos
► 1810: Tratado de Comércio1810: Tratado de Comércio
Navegação e AmizadeNavegação e Amizade
► Revogação do Alvará que proibiaRevogação do Alvará que proibia
manufaturas na colôniamanufaturas na colônia
► Infra-estrutura: Tribunais, imprensa, Banco do Brasil,Infra-estrutura: Tribunais, imprensa, Banco do Brasil,
Escolas Superiores etcEscolas Superiores etc
► Brasil elevado a Reino UnidoBrasil elevado a Reino Unido
► Protecionismo para osProtecionismo para os
comerciantes portuguesescomerciantes portugueses
Política Externa de D.João VIPolítica Externa de D.João VI
► Invadiu a Guiana FrancesaInvadiu a Guiana Francesa
(os nordestinos ficaram apavorados(os nordestinos ficaram apavorados
com a convocação para o serviçocom a convocação para o serviço
militar e isso desencadeou amilitar e isso desencadeou a
Revolução Pernambucana...)Revolução Pernambucana...)
► Invadiu a CisplatinaInvadiu a Cisplatina
(com apoio da Inglaterra,(com apoio da Inglaterra,
aproveitando a situação complicadaaproveitando a situação complicada
vivida pela Espanha)vivida pela Espanha)
RevoluçãoRevolução
PernambucanaPernambucana
(1817)(1817)
► Elite: anti-colonial, liberal,Elite: anti-colonial, liberal,
mas não anti-escravista...mas não anti-escravista...
► Revolta contra a CorteRevolta contra a Corte
► Conspiração nos quartéis, noConspiração nos quartéis, no
seminário de Olinda e emseminário de Olinda e em
sociedades secretassociedades secretas
► Depuseram o governadorDepuseram o governador
(ficaram no poder 74 dias)(ficaram no poder 74 dias)
► Promessa de alforria aosPromessa de alforria aos
escravos que lutassemescravos que lutassem
► Extinguiram títulos deExtinguiram títulos de
nobreza.nobreza.
► Frei Caneca e Cipriano BarataFrei Caneca e Cipriano Barata
eram os principais lídereseram os principais líderes
Revolução Liberal do Porto e Independência do BrasilRevolução Liberal do Porto e Independência do Brasil
► Revolução Liberal do Porto: obrigouRevolução Liberal do Porto: obrigou
D.João VI a voltar pra PortugalD.João VI a voltar pra Portugal
► As Cortes portuguesas passam aAs Cortes portuguesas passam a
querer recolonizar o Brasilquerer recolonizar o Brasil
► Aumentaram os impostos dosAumentaram os impostos dos
produtos ingleses e começaram aprodutos ingleses e começaram a
desmontar a infra-estrutura deixadadesmontar a infra-estrutura deixada
por D.João VIpor D.João VI
► D.Pedro, príncipe regente, começa aD.Pedro, príncipe regente, começa a
opor-se às cortes portuguesas:opor-se às cortes portuguesas:
“cumpra-se”, “dia do fico”“cumpra-se”, “dia do fico”
Grupos políticosGrupos políticos
do períododo período
► ““partido portuguêspartido português””
(comerciantes portugueses,(comerciantes portugueses,
militares e funcionáriosmilitares e funcionários
públicos interessados napúblicos interessados na
manutenção da presença demanutenção da presença de
D.João VI no Brasil)D.João VI no Brasil)
► ““partido brasileiropartido brasileiro””
(os homens mais ricos da(os homens mais ricos da
colônia, contra acolônia, contra a
recolonização. Eramrecolonização. Eram
escravistas, maçons eescravistas, maçons e
proprietários de terrasproprietários de terras
influenciados pelo liberalismo)influenciados pelo liberalismo)
► ““radicaisradicais””
(setores médios urbanos,(setores médios urbanos,
querendo algo inspirado naquerendo algo inspirado na
independência dos EUA e naindependência dos EUA e na
Revolução Francesa)Revolução Francesa)
Independência?Independência?
► A independência do Brasil não
acarretou transformações
profundas na estrutura social do
país e nem foi sinônimo de
independência financeira.
► Teve mais a ver com continuidade
do que com ruptura.
► Atendeu aos interesses ingleses
(que emprestou ao Brasil 2 milhões de
libras para pagar uma “indenização” a
Portugal).
► Fez-se a opção conservadora pela
monarquia, em vez da república...
► O 1º a reconhecê-la foram os
EUA
► Não teve participação popular e
manteve-se a escravidão.
Brasil colonial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
Carolina Medeiros
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
Isabel Aguiar
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
Isaquel Silva
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
Edenilson Morais
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
henrique.jay
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
Vivihistoria
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completo
Privada
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
profrogerio1
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completo
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 

Destaque

INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em roma
Ana Barreiros
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
Isabel Aguiar
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
Isabel Aguiar
 
Aula 1- 7 Ano
Aula 1- 7 AnoAula 1- 7 Ano
Aula 1- 7 Ano
profnelton
 
5 aula 11 esparta e atenas
5   aula 11 esparta e atenas5   aula 11 esparta e atenas
5 aula 11 esparta e atenas
profdu
 
5 aula 8 egito antigo
5   aula 8 egito antigo5   aula 8 egito antigo
5 aula 8 egito antigo
profdu
 
5 aula 15 roma nos tempos de monarquia e república
5   aula 15 roma nos tempos de monarquia e república5   aula 15 roma nos tempos de monarquia e república
5 aula 15 roma nos tempos de monarquia e república
profdu
 
5 aula 9 fenícios, hebreus e persas
5   aula 9 fenícios, hebreus e persas5   aula 9 fenícios, hebreus e persas
5 aula 9 fenícios, hebreus e persas
profdu
 
5 aula 12 a cultura da grécia antiga
5   aula 12 a cultura da grécia antiga5   aula 12 a cultura da grécia antiga
5 aula 12 a cultura da grécia antiga
profdu
 
6 aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média
6   aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média6   aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média
6 aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média
profdu
 
6 aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil
6   aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil6   aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil
6 aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil
profdu
 
6 aula 3 feudalismo
6   aula 3 feudalismo6   aula 3 feudalismo
6 aula 3 feudalismo
profdu
 
6 aula 14 maias, astecas e incas
6   aula 14 maias, astecas e incas6   aula 14 maias, astecas e incas
6 aula 14 maias, astecas e incas
profdu
 
6 aula 10 renascimento
6   aula 10 renascimento6   aula 10 renascimento
6 aula 10 renascimento
profdu
 
5 aula 14 origens de roma
5   aula 14 origens de roma5   aula 14 origens de roma
5 aula 14 origens de roma
profdu
 
5 aula 6 a região do crescente fértil
5   aula 6 a região do crescente fértil5   aula 6 a região do crescente fértil
5 aula 6 a região do crescente fértil
profdu
 
6 aula 8 a formação dos estados nacionais modernos
6   aula 8 a formação dos estados nacionais modernos6   aula 8 a formação dos estados nacionais modernos
6 aula 8 a formação dos estados nacionais modernos
profdu
 
6º ano aula 2 estudar história
6º ano   aula 2 estudar história6º ano   aula 2 estudar história
6º ano aula 2 estudar história
profdu
 

Destaque (20)

INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em roma
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Aula 1- 7 Ano
Aula 1- 7 AnoAula 1- 7 Ano
Aula 1- 7 Ano
 
5 aula 11 esparta e atenas
5   aula 11 esparta e atenas5   aula 11 esparta e atenas
5 aula 11 esparta e atenas
 
5 aula 8 egito antigo
5   aula 8 egito antigo5   aula 8 egito antigo
5 aula 8 egito antigo
 
5 aula 15 roma nos tempos de monarquia e república
5   aula 15 roma nos tempos de monarquia e república5   aula 15 roma nos tempos de monarquia e república
5 aula 15 roma nos tempos de monarquia e república
 
5 aula 9 fenícios, hebreus e persas
5   aula 9 fenícios, hebreus e persas5   aula 9 fenícios, hebreus e persas
5 aula 9 fenícios, hebreus e persas
 
5 aula 12 a cultura da grécia antiga
5   aula 12 a cultura da grécia antiga5   aula 12 a cultura da grécia antiga
5 aula 12 a cultura da grécia antiga
 
6 aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média
6   aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média6   aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média
6 aula 4 religiosidade, cultura e arte na idade média
 
6 aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil
6   aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil6   aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil
6 aula 16 a chegada dos portugueses ao brasil
 
6 aula 3 feudalismo
6   aula 3 feudalismo6   aula 3 feudalismo
6 aula 3 feudalismo
 
6 aula 14 maias, astecas e incas
6   aula 14 maias, astecas e incas6   aula 14 maias, astecas e incas
6 aula 14 maias, astecas e incas
 
6 aula 10 renascimento
6   aula 10 renascimento6   aula 10 renascimento
6 aula 10 renascimento
 
5 aula 14 origens de roma
5   aula 14 origens de roma5   aula 14 origens de roma
5 aula 14 origens de roma
 
5 aula 6 a região do crescente fértil
5   aula 6 a região do crescente fértil5   aula 6 a região do crescente fértil
5 aula 6 a região do crescente fértil
 
6 aula 8 a formação dos estados nacionais modernos
6   aula 8 a formação dos estados nacionais modernos6   aula 8 a formação dos estados nacionais modernos
6 aula 8 a formação dos estados nacionais modernos
 
6º ano aula 2 estudar história
6º ano   aula 2 estudar história6º ano   aula 2 estudar história
6º ano aula 2 estudar história
 

Semelhante a Brasil colonial

2º ano colonização 2 e escravidão
2º ano colonização 2 e escravidão2º ano colonização 2 e escravidão
2º ano colonização 2 e escravidão
Rafael Noronha
 
Brasil Colônia I.ppt
Brasil Colônia I.pptBrasil Colônia I.ppt
Brasil Colônia I.ppt
Janaina Pancieri Gottarde Sedel
 
Brasil colônia final
Brasil colônia  finalBrasil colônia  final
Brasil colônia final
Kerol Brombal
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
Elaine Bogo Pavani
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
Evanildo Pitombeira
 
escravidão brasil.pdf
escravidão brasil.pdfescravidão brasil.pdf
escravidão brasil.pdf
JulianaAparecidaCami
 
ESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdf
ESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdfESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdf
ESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdf
MarcosRamos392778
 
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
Damilson Santos
 
4 brasil colônia iv
4  brasil colônia iv4  brasil colônia iv
4 brasil colônia iv
José Augusto Fiorin
 
A expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-america
A expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-americaA expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-america
A expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-america
Diego Fruscalso
 
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do BrasilO Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
Luci Bonini
 
América demoníaca
América demoníacaAmérica demoníaca
América demoníaca
atadeu2012
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
Ana Carolina
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
Rafael Noronha
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
Rafael Noronha
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
Carlos Glufke
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
ecsette
 
Herança escravista
Herança escravistaHerança escravista
Herança escravista
level2012
 
Astecas Incas e Maias
Astecas Incas e MaiasAstecas Incas e Maias
Astecas Incas e Maias
UCSAL
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdf
ValniksonViana
 

Semelhante a Brasil colonial (20)

2º ano colonização 2 e escravidão
2º ano colonização 2 e escravidão2º ano colonização 2 e escravidão
2º ano colonização 2 e escravidão
 
Brasil Colônia I.ppt
Brasil Colônia I.pptBrasil Colônia I.ppt
Brasil Colônia I.ppt
 
Brasil colônia final
Brasil colônia  finalBrasil colônia  final
Brasil colônia final
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
 
escravidão brasil.pdf
escravidão brasil.pdfescravidão brasil.pdf
escravidão brasil.pdf
 
ESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdf
ESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdfESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdf
ESCRAVIDÃO NO BRASIL COLONIAL ( AULA DO 8ºANO IV BIM 2023.pdf
 
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
 
4 brasil colônia iv
4  brasil colônia iv4  brasil colônia iv
4 brasil colônia iv
 
A expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-america
A expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-americaA expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-america
A expansao-maritima-e-a-colonizacao-da-america
 
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do BrasilO Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil
 
América demoníaca
América demoníacaAmérica demoníaca
América demoníaca
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Herança escravista
Herança escravistaHerança escravista
Herança escravista
 
Astecas Incas e Maias
Astecas Incas e MaiasAstecas Incas e Maias
Astecas Incas e Maias
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdf
 

Mais de Isabel Aguiar

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Isabel Aguiar
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
Isabel Aguiar
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Isabel Aguiar
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
Isabel Aguiar
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
Isabel Aguiar
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
Isabel Aguiar
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
Isabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
Isabel Aguiar
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
Isabel Aguiar
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivencia
Isabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 

Mais de Isabel Aguiar (20)

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
QUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIAQUIZ DE HISTÓRIA
QUIZ DE HISTÓRIA
 
Acordo de convivencia
Acordo de convivenciaAcordo de convivencia
Acordo de convivencia
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Brasil colonial

  • 2. Modelos de colonização da AméricaModelos de colonização da América ► Modelo PortuguêsModelo Português ► Modelo EspanholModelo Espanhol ► Colônia de ExploraçãoColônia de Exploração ► Colônia de ExploraçãoColônia de Exploração ► PlantationPlantation (latifúndio agro-(latifúndio agro- exportador)exportador) ► PlantationPlantation (latifúndio agro-(latifúndio agro- exportador)exportador) ► Mão de obra escravaMão de obra escrava (mais índio do que negro)(mais índio do que negro)► Mão de obra escravaMão de obra escrava (mais negro do que índio)(mais negro do que índio) ► Sociedade menosSociedade menos hierarquizadahierarquizada (livres e cativos)(livres e cativos) ► Sociedade maisSociedade mais hierarquizadahierarquizada (chapetones,(chapetones, criollos, mestiços, negros e índios)criollos, mestiços, negros e índios) ► Administração maisAdministração mais simples e centralizadasimples e centralizada ► Administração mais complexaAdministração mais complexa e descentralizadae descentralizada
  • 3. A conquista doA conquista do Novo MundoNovo Mundo ►Portugal:Portugal: PériploPériplo AfricanoAfricano ►Espanha:Espanha: testoutestou a teoria daa teoria da esfericidade daesfericidade da TerraTerra
  • 4. Lembrete:Lembrete: ►Toda essa históriaToda essa história começou por que oscomeçou por que os europeus almejavameuropeus almejavam chegar às índias...chegar às índias... ►As cidades italianas deAs cidades italianas de Gênova e VenezaGênova e Veneza monopolizavam omonopolizavam o mediterrâneo. Navegarmediterrâneo. Navegar era preciso...era preciso...
  • 5. A 1ª controvérsiaA 1ª controvérsia diplomáticadiplomática ► 1494 – a Espanha tenta1494 – a Espanha tenta emplacar aemplacar a “Bula Inter“Bula Inter Coetera”Coetera” ► 1498 – Espanha e1498 – Espanha e Portugal firmam oPortugal firmam o “Tratado de Tordesilhas”“Tratado de Tordesilhas” ► As demais nações apelamAs demais nações apelam para opara o “Ut Possidetis”“Ut Possidetis”
  • 6. PortugalPortugal ► AA conquista de Ceutaconquista de Ceuta foifoi o marco inicial de suao marco inicial de sua grande empreitadagrande empreitada ► Já sabia da existênciaJá sabia da existência do Brasil (fragilidade dado Brasil (fragilidade da teoria da casualidadeteoria da casualidade)) ► O Brasil acabou sendoO Brasil acabou sendo um excelenteum excelente entreposto noentreposto no caminhocaminho para as índiaspara as índias ► Foi muito útil aFoi muito útil a herançaherança culturalcultural deixada pelosdeixada pelos árabesárabes (bússola, astrolábio...(bússola, astrolábio...)) ► AA posição geográficaposição geográfica favorávelfavorável tambémtambém ajudou muito...ajudou muito... ► Também é precisoTambém é preciso considerar aconsiderar a Escola deEscola de Sagres...Sagres... ► E aE a Revolução de AvisRevolução de Avis......
  • 7. ViagensViagens ► ExploraçãoExploração ► ColonizaçãoColonização ► Até 1530Até 1530 ► Após 1530Após 1530 ► Pedro Álvares CabralPedro Álvares Cabral ► Martim Afonso deMartim Afonso de SouzaSouza ► FeitoriasFeitorias ► 1º núcleo urbano: São1º núcleo urbano: São VicenteVicente ► Pau brasil, litoral,Pau brasil, litoral, escamboescambo ► Cai o comércio com asCai o comércio com as índias e estrangeirosíndias e estrangeiros rondam o litoralrondam o litoral
  • 8. Pacto ColonialPacto Colonial ► A vinda dos portugueses para oA vinda dos portugueses para o Brasil atendeu a necessidadesBrasil atendeu a necessidades históricas de expansão dahistóricas de expansão da economia capitalista de mercadoeconomia capitalista de mercado em sua etapa de formaçãoem sua etapa de formação (século XVI).(século XVI). ► O Estado garantia os lucros daO Estado garantia os lucros da burguesia metropolitana,burguesia metropolitana, simultaneamente sesimultaneamente se fortalecendo, através dafortalecendo, através da tributação.tributação. ► A Igreja assumia o papel deA Igreja assumia o papel de justificadora da empreitada.justificadora da empreitada. ► TripéTripé escravismoescravismo,, monoculturamonocultura ee latifúndiolatifúndio.. ► Exclusivos comercial e deExclusivos comercial e de transporte, e a proibição detransporte, e a proibição de manufaturas.manufaturas.
  • 9. O PACTO COLONIALO PACTO COLONIAL COLÔNIA METRÓPOLE MONOPÓLIO Consumo de manufaturas Envio de matéria-prima
  • 10. Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias Capitão Donatário – aquele que recebe um dos lotes de terra. Carta Foral: direitos e deveres dos donatários. Direitos – aplicar a justiça, escravizar índios e doar sesmarias. Deveres – fundar povoados, cobrar impostos e defender o território. Privilégios metropolitanos: 100% sobre o Pau Brasil e sobre as drogas do sertão. 20% sobre metais preciosos. 10% sobre a produção agrícola.
  • 11. GOVERNOS GERAISGOVERNOS GERAIS Instituído para centralizar a administração e corrigir os erros das capitanias O Governador Geral executava, na colônia, as ordens do rei de Portugal CARGOS AUXILIARES: • Provedor- mor (responsável pela cobrança de impostos) • Capitão-mor (responsável pela defesa) • Ouvidor-mor (responsável pela justiça) •As Câmaras Municipais: –Instâncias de poder local. –Homens bons (proprietários de terras e escravos)
  • 12. 1º Governo Geral (1549-1553):1º Governo Geral (1549-1553): Tomé de SouzaTomé de Souza ►Fundação da 1ª cidadeFundação da 1ª cidade brasileira: Salvadorbrasileira: Salvador ►1º bispado e 1º colégio1º bispado e 1º colégio (jesuíta)(jesuíta) ►Destaque para a açãoDestaque para a ação do padre Manuel dado padre Manuel da NóbregaNóbrega
  • 13. 2º Governo Geral (1553-1558):2º Governo Geral (1553-1558): Duarte da CostaDuarte da Costa ► Trouxe para o Brasil o padreTrouxe para o Brasil o padre José de Anchieta, que fundouJosé de Anchieta, que fundou o Colégio de São Paulo, queo Colégio de São Paulo, que deu origem à cidadedeu origem à cidade ► Os franceses estabeleceram-Os franceses estabeleceram- se no Rio de Janeiro (“se no Rio de Janeiro (“FrançaFrança AntárticaAntártica”).”). ► Conseguiram apoio dos índiosConseguiram apoio dos índios Tamoios, contra osTamoios, contra os portugueses (Confederaçãoportugueses (Confederação dos Tamoios).dos Tamoios).
  • 14. 3º Governo Geral3º Governo Geral (1558-1572): Mem de Sá(1558-1572): Mem de Sá ► Contou também com o apoioContou também com o apoio de seu sobrinho, Estácio dede seu sobrinho, Estácio de Sá.Sá. ► Expulsos, os francesesExpulsos, os franceses foram para o Maranhãoforam para o Maranhão (“(“França EquinocialFrança Equinocial”).”). ► 2ª cidade: São Sebastião do2ª cidade: São Sebastião do Rio de JaneiroRio de Janeiro
  • 15. 4º Governo Geral4º Governo Geral (1572-1578): Brasil dividido...(1572-1578): Brasil dividido... A divisão da colônia: 1573 –1578 Grande extensão territorial Perigo de invasões Brasil do Norte (Salvador) Brasil do Sul (RJ)
  • 17. Exploração do pau-brasil no períodoExploração do pau-brasil no período pré-colonialpré-colonial ►Servia como coranteServia como corante ►Estanco: monopólio daEstanco: monopólio da extração do pau brasilextração do pau brasil ►Esgotamento daEsgotamento da madeira no litoralmadeira no litoral ► Prática do escambo:Prática do escambo: troca de trabalho portroca de trabalho por quinquilharias.quinquilharias.
  • 18. LavouraLavoura açucareiraaçucareira ►Portugal já possuía umaPortugal já possuía uma experiência na África...experiência na África... ►Brasil: clima e soloBrasil: clima e solo ((massapêmassapê) favoráveis) favoráveis ►Produto de extremo valorProduto de extremo valor no mercado europeuno mercado europeu ►Portugal não tinha oPortugal não tinha o capital necessáriocapital necessário ►Parceria luso-flamengaParceria luso-flamenga (holandeses, batavos,(holandeses, batavos, banqueiros de Flandres...)banqueiros de Flandres...)
  • 19. Trabalho compulsórioTrabalho compulsório ► Os índios foramOs índios foram escravizados durante aescravizados durante a montagem dos engenhosmontagem dos engenhos coloniais e outras vezescoloniais e outras vezes depois.depois. ► Em 1550 chegaramEm 1550 chegaram sudaneses, bantos esudaneses, bantos e malês...negros que tornar-malês...negros que tornar- se-iam “pés e mãos dosse-iam “pés e mãos dos engenhos”...engenhos”... ► A escravidão conviveu com o trabalho assalariado.A escravidão conviveu com o trabalho assalariado.
  • 20. EscravidãoEscravidão ► O negro resistiu, fugindo, atacandoO negro resistiu, fugindo, atacando seus feitores, queimando senzalas,seus feitores, queimando senzalas, dispersando o gado, suicidando-se,dispersando o gado, suicidando-se, abortando, disfarçando sua culturaabortando, disfarçando sua cultura (sincretismo) etc.(sincretismo) etc. ► Os quilombos reuniam negros fugidos,Os quilombos reuniam negros fugidos, índios e até foras-da-lei...índios e até foras-da-lei... ► Quase sempre foram mercadoriaQuase sempre foram mercadoria barata (mesmo portugueses pobres ebarata (mesmo portugueses pobres e até escravos alforriados podiamaté escravos alforriados podiam possuir uma peça).possuir uma peça). ► O número de mulheres trazidas daO número de mulheres trazidas da África era cinco vezes menor que oÁfrica era cinco vezes menor que o de homens.de homens. ► O racismo servia para preservar aO racismo servia para preservar a ordem social.ordem social.
  • 21. Engenho – Fábrica do açúcarEngenho – Fábrica do açúcar A base da economia colonial era o engenho de açúcar. O senhor de engenho era um fazendeiro proprietário da unidade de produção de açúcar. Um engenho de açúcar era constituído por quatro tipos de casas : a casa grande era onde vivia o senhor do engenho e a sua família,  a casa dos trabalhadores livres, a casa dos escravos que se chamava "senzala",  e a casa de engenho onde se fabricava o açúcar.
  • 22. Sociedade açucareiraSociedade açucareira O ruralismo: o campo era o centro dinâmico dessa sociedade.   A estratificação social: era uma sociedade dividida em camadas bem definidas, sendo muito raro alguém conseguir ascender na posição social. Não havia a possibilidade do escravo chegar à condição de senhor ou do senhor descer à posição de escravos. São características dessa sociedade: O patriarcalismo: o senhor do engenho era o patriarca (chefe), que concentrava em suas mãos o poder econômico, político e ideológico.
  • 23. ► União IbéricaUnião Ibérica (1580-1640)(1580-1640):: períodoperíodo em que Portugal foi administradoem que Portugal foi administrado pelo rei da Espanha...pelo rei da Espanha... ► Por determinação do novo rei,Por determinação do novo rei, rompe-se a parceria luso-rompe-se a parceria luso- flamenga.flamenga. ► Os holandeses invadem a BahiaOs holandeses invadem a Bahia (1 ano) e, depois, Pernambuco (8(1 ano) e, depois, Pernambuco (8 anos) = “Nova Holanda”anos) = “Nova Holanda” ► Administrador: Maurício de NassauAdministrador: Maurício de Nassau ► Tolerância religiosa, empréstimos aos latifundiários,Tolerância religiosa, empréstimos aos latifundiários, estudiosos e artistas de renome na Europa vieram aoestudiosos e artistas de renome na Europa vieram ao Brasil, investimentos em infra-estrutura (urbanização deBrasil, investimentos em infra-estrutura (urbanização de Recife, pontes, jardins, palácios etc)Recife, pontes, jardins, palácios etc) ► A expulsão dos holandeses (Insurreição Pernambucana)A expulsão dos holandeses (Insurreição Pernambucana) teve a concorrência antilhana como consequência...teve a concorrência antilhana como consequência... InvasõesInvasões HolandesasHolandesas
  • 24. MineraçãoMineração► LavrasLavras ► FaisqueirasFaisqueiras ► FixasFixas (nas(nas datasdatas)) ► ItinerantesItinerantes (nos rios)(nos rios) ► EscravoEscravo ► LivreLivre ► TécnicaTécnica ss sofisticadassofisticadas ► Téc.Téc. RudimentaresRudimentares ((batéiabatéia)) ► Ouro deOuro de minamina ► Ouro deOuro de aluviãoaluvião
  • 25. ►DeDe apresamentoapresamento: captura: captura de índiosde índios ►DeDe prospecçãoprospecção: busca de: busca de metais preciososmetais preciosos ►Sertanismo de contratoSertanismo de contrato:: captura de fugitivoscaptura de fugitivos ► Ex: Borba Gato, RaposoEx: Borba Gato, Raposo Tavares, Fernão Dias,Tavares, Fernão Dias, Domingos Jorge Velho etcDomingos Jorge Velho etc BandeirasBandeiras
  • 26. ► Corrida para a região das minasCorrida para a região das minas ((rushrush)) ► Crise de desabastecimentoCrise de desabastecimento ► Urbanização e fixação do homemUrbanização e fixação do homem no interiorno interior ► Deslocamento do eixo econômicoDeslocamento do eixo econômico do nordeste para o sudestedo nordeste para o sudeste ► BarrocoBarroco ► Aumentou oAumentou o fiscalismofiscalismo português: Casa deportuguês: Casa de Fundição,Fundição, Intendência dasIntendência das Minas, Quinto,Minas, Quinto, Derrama,Derrama, Capitação...Capitação... ► Maior mobilidadeMaior mobilidade socialsocial Consequências da MineraçãoConsequências da Mineração
  • 28. (1708-1709)(1708-1709) ►Clima de tensão em MG:Clima de tensão em MG: fome e inflaçãofome e inflação ►Rivalidades entre paulistasRivalidades entre paulistas e forasteiros (emboabas)e forasteiros (emboabas) ►8 dias de luta depois que um8 dias de luta depois que um paulista matou um emboabapaulista matou um emboaba ►Os forasteiros aclamam oOs forasteiros aclamam o comerciante Manuelcomerciante Manuel Nunes VianaNunes Viana ►Capão da traição (paulistasCapão da traição (paulistas massacrados)massacrados) Guerra dosGuerra dos EmboabasEmboabas
  • 29. ContestavamContestavam aspectosaspectos específicos doespecíficos do PactoPacto Colonial, nãoColonial, não propriamentepropriamente falando emfalando em independênciaindependência , possuindo, possuindo carátercaráter regionalista.regionalista. Rebeliões NativistasRebeliões Nativistas
  • 30. ►jesuítas proibiam ajesuítas proibiam a captura dos índioscaptura dos índios ►““botada dos padresbotada dos padres para fora”para fora” ►Pobreza e tensãoPobreza e tensão (jesuítas x bandeirantes)(jesuítas x bandeirantes) ►Aclamaram umAclamaram um espanhol como reiespanhol como rei ►Ele fugiu, tudoEle fugiu, tudo esfriou...esfriou... Aclamação deAclamação de Amador BuenoAmador Bueno (1641)(1641)
  • 31. ► latifundiários dolatifundiários do Maranhão revoltaram-Maranhão revoltaram- se porque faltavamse porque faltavam escravos e os jesuítasescravos e os jesuítas condenavam acondenavam a escravidão indígenaescravidão indígena.. ► a Cia de Comércio doa Cia de Comércio do Maranhão eraMaranhão era ineficiente e corruptaineficiente e corrupta ► líderes, os irmãoslíderes, os irmãos Manuel e ThomasManuel e Thomas Beckman foramBeckman foram mortosmortos Revolta deRevolta de BeckmanBeckman (1648)(1648)
  • 32. ► Senhores de engenho de OlindaSenhores de engenho de Olinda pediam dinheiro emprestado aospediam dinheiro emprestado aos comerciantes de Recifecomerciantes de Recife (mascates)(mascates) ► Era fácil não pagar, poisEra fácil não pagar, pois controlavam a Câmara Municipalcontrolavam a Câmara Municipal ► Mas quando Recife ganhou oMas quando Recife ganhou o direito de emancipar-se osdireito de emancipar-se os latifundiários não aceitaram,latifundiários não aceitaram, invadindo a cidade e destruindoinvadindo a cidade e destruindo o pelourinho (sedeo pelourinho (sede administrativa)administrativa) Guerra dosGuerra dos MascatesMascates (1710-1714)(1710-1714) ► A guerra terminou com a vitóriaA guerra terminou com a vitória dos recifenses. Além de garantirdos recifenses. Além de garantir a emancipação, Recife tornou-sea emancipação, Recife tornou-se a nova capital de Pernambuco.a nova capital de Pernambuco.
  • 33. ► decisão do Conde dedecisão do Conde de Assumar (governadorAssumar (governador da província) de abrirda província) de abrir as Casas de Fundiçãoas Casas de Fundição em Vila Ricaem Vila Rica ► Felipe dos Santos, minerador, lidera os rebeldes.Felipe dos Santos, minerador, lidera os rebeldes. ► Felipe dos Santos e outros líderes são executadosFelipe dos Santos e outros líderes são executados Revolta de FelipeRevolta de Felipe dos Santosdos Santos (1720)(1720)
  • 34. Era pombalinaEra pombalina Marquês deMarquês de PombalPombal ► ““derramaderrama” (decreto que estabelecia” (decreto que estabelecia que, se a capitação não fosse paga,que, se a capitação não fosse paga, os bens dos mineradores seriamos bens dos mineradores seriam confiscados)confiscados) ► garantiu o controle da Amazônia ;garantiu o controle da Amazônia ; criou o Banco Real e organizou acriou o Banco Real e organizou a arrecadação de impostosarrecadação de impostos ► reconstruiu Lisboa após o terremotoreconstruiu Lisboa após o terremoto de 1755 ; criou diversas companhiasde 1755 ; criou diversas companhias de comérciode comércio ► organizou alfândegas, tribunais eorganizou alfândegas, tribunais e outras instituições do Estado ;outras instituições do Estado ; procurou reaquecer a lavouraprocurou reaquecer a lavoura açucareira do nordesteaçucareira do nordeste ► tentou diminuir a dependênciatentou diminuir a dependência econômica de Portugal com aeconômica de Portugal com a Inglaterra bens ; expulsou os jesuítasInglaterra bens ; expulsou os jesuítas de Portugal e suas colônias,de Portugal e suas colônias, confiscando seus bensconfiscando seus bens ► mudou a capital pro RJ; incentivoumudou a capital pro RJ; incentivou manufaturas na colônia (tecelagens,manufaturas na colônia (tecelagens, metalurgia, refinarias de açúcar...)metalurgia, refinarias de açúcar...)
  • 35. InconfidênciaInconfidência MineiraMineira ► Movimento emancipacionistaMovimento emancipacionista ► Filhos da elite de Vila Rica,Filhos da elite de Vila Rica, estudando na Europa, tomaramestudando na Europa, tomaram contato com as idéias iluministascontato com as idéias iluministas ► Influência do Movimento deInfluência do Movimento de Independência dos EstadosIndependência dos Estados Unidos.Unidos. ► Crise na região mineradoraCrise na região mineradora ► Visconde de Barbacena decreta aVisconde de Barbacena decreta a derramaderrama ► Cláudio Manuel da Costa, TomásCláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, José JoaquimAntônio Gonzaga, José Joaquim Maia outros homens ricos: idéiasMaia outros homens ricos: idéias pouco definidaspouco definidas ► Traição de Joaquim Silvério dos ReisTraição de Joaquim Silvério dos Reis
  • 36. Propostas dos InconfidentesPropostas dos Inconfidentes ► Proclamar a independência da colônia eProclamar a independência da colônia e estabelecer a capital em São João Delestabelecer a capital em São João Del ReyRey ► Parte do grupo era mais favorável a umaParte do grupo era mais favorável a uma monarquia com poderes limitadosmonarquia com poderes limitados ► CriariamCriariam hospitais,hospitais, escolas masescolas mas a escravidãoa escravidão seriaseria mantida.mantida. ► Tiradentes foi o únicoTiradentes foi o único executado sem receberexecutado sem receber o perdão real.o perdão real.
  • 37. ConjuraçãoConjuração BaianaBaiana (1798)(1798) ► Movimento emancipacionistaMovimento emancipacionista ► Saque ao carregamento de carneSaque ao carregamento de carne do general-comandantedo general-comandante ► Cartazes incitando o jacobinismoCartazes incitando o jacobinismo com clara influência da Revoluçãocom clara influência da Revolução Francesa.Francesa. ► Como no Haiti: saques, fogo noComo no Haiti: saques, fogo no pelourinho etcpelourinho etc ► Ou Conjuração dos Alfaiates com liderança deOu Conjuração dos Alfaiates com liderança de profissionais liberais, classes médias, homens pobres,profissionais liberais, classes médias, homens pobres, escravos, religiosos.escravos, religiosos. ► Propostas de igualdade jurídica, abolicionismo ePropostas de igualdade jurídica, abolicionismo e instituição de uma república.instituição de uma república.
  • 38. A vinda da Família Real para oA vinda da Família Real para o BrasilBrasil ► Dilema em relação aoDilema em relação ao Bloqueio ContinentalBloqueio Continental ► Opção por fugir dasOpção por fugir das tropas de Napoleãotropas de Napoleão (Tratado de Fontainebleau)(Tratado de Fontainebleau) ► Transferência da CorteTransferência da Corte para o Brasilpara o Brasil ► Fenômeno da “inversãoFenômeno da “inversão americana”americana”
  • 39. Medidas tomadas por D.João VIMedidas tomadas por D.João VI ► 1808: abertura dos portos1808: abertura dos portos ► 1810: Tratado de Comércio1810: Tratado de Comércio Navegação e AmizadeNavegação e Amizade ► Revogação do Alvará que proibiaRevogação do Alvará que proibia manufaturas na colôniamanufaturas na colônia ► Infra-estrutura: Tribunais, imprensa, Banco do Brasil,Infra-estrutura: Tribunais, imprensa, Banco do Brasil, Escolas Superiores etcEscolas Superiores etc ► Brasil elevado a Reino UnidoBrasil elevado a Reino Unido ► Protecionismo para osProtecionismo para os comerciantes portuguesescomerciantes portugueses
  • 40. Política Externa de D.João VIPolítica Externa de D.João VI ► Invadiu a Guiana FrancesaInvadiu a Guiana Francesa (os nordestinos ficaram apavorados(os nordestinos ficaram apavorados com a convocação para o serviçocom a convocação para o serviço militar e isso desencadeou amilitar e isso desencadeou a Revolução Pernambucana...)Revolução Pernambucana...) ► Invadiu a CisplatinaInvadiu a Cisplatina (com apoio da Inglaterra,(com apoio da Inglaterra, aproveitando a situação complicadaaproveitando a situação complicada vivida pela Espanha)vivida pela Espanha)
  • 41. RevoluçãoRevolução PernambucanaPernambucana (1817)(1817) ► Elite: anti-colonial, liberal,Elite: anti-colonial, liberal, mas não anti-escravista...mas não anti-escravista... ► Revolta contra a CorteRevolta contra a Corte ► Conspiração nos quartéis, noConspiração nos quartéis, no seminário de Olinda e emseminário de Olinda e em sociedades secretassociedades secretas ► Depuseram o governadorDepuseram o governador (ficaram no poder 74 dias)(ficaram no poder 74 dias) ► Promessa de alforria aosPromessa de alforria aos escravos que lutassemescravos que lutassem ► Extinguiram títulos deExtinguiram títulos de nobreza.nobreza. ► Frei Caneca e Cipriano BarataFrei Caneca e Cipriano Barata eram os principais lídereseram os principais líderes
  • 42. Revolução Liberal do Porto e Independência do BrasilRevolução Liberal do Porto e Independência do Brasil ► Revolução Liberal do Porto: obrigouRevolução Liberal do Porto: obrigou D.João VI a voltar pra PortugalD.João VI a voltar pra Portugal ► As Cortes portuguesas passam aAs Cortes portuguesas passam a querer recolonizar o Brasilquerer recolonizar o Brasil ► Aumentaram os impostos dosAumentaram os impostos dos produtos ingleses e começaram aprodutos ingleses e começaram a desmontar a infra-estrutura deixadadesmontar a infra-estrutura deixada por D.João VIpor D.João VI ► D.Pedro, príncipe regente, começa aD.Pedro, príncipe regente, começa a opor-se às cortes portuguesas:opor-se às cortes portuguesas: “cumpra-se”, “dia do fico”“cumpra-se”, “dia do fico”
  • 43. Grupos políticosGrupos políticos do períododo período ► ““partido portuguêspartido português”” (comerciantes portugueses,(comerciantes portugueses, militares e funcionáriosmilitares e funcionários públicos interessados napúblicos interessados na manutenção da presença demanutenção da presença de D.João VI no Brasil)D.João VI no Brasil) ► ““partido brasileiropartido brasileiro”” (os homens mais ricos da(os homens mais ricos da colônia, contra acolônia, contra a recolonização. Eramrecolonização. Eram escravistas, maçons eescravistas, maçons e proprietários de terrasproprietários de terras influenciados pelo liberalismo)influenciados pelo liberalismo) ► ““radicaisradicais”” (setores médios urbanos,(setores médios urbanos, querendo algo inspirado naquerendo algo inspirado na independência dos EUA e naindependência dos EUA e na Revolução Francesa)Revolução Francesa)
  • 44. Independência?Independência? ► A independência do Brasil não acarretou transformações profundas na estrutura social do país e nem foi sinônimo de independência financeira. ► Teve mais a ver com continuidade do que com ruptura. ► Atendeu aos interesses ingleses (que emprestou ao Brasil 2 milhões de libras para pagar uma “indenização” a Portugal). ► Fez-se a opção conservadora pela monarquia, em vez da república... ► O 1º a reconhecê-la foram os EUA ► Não teve participação popular e manteve-se a escravidão.