SlideShare uma empresa Scribd logo
A Revolução Francesa
1789
A Tomada da Bastilha
14 de Julho de 1789
Enquanto naAméricase
afirmavam osnovosvaloresda
Liberdade, no Velho Continente,
eparticularmenteem França, o
Antigo Regime resistiaaos
ventosdamudança.
Joseph Siffred Duplessis
Retrato de Luís XVIco m o s trajes da
co ro ação
Museu do Palácio de Versalhes
1777
O rei detinhao poderabsoluto. A
sociedadedividia-seem ordens,
subsistindo umadesigualdadenatural
entreosgruposprivilegiadoseo
Terceiro Estado.
Oscamponeses viviam em condições
miseráveis, submetidosaindaao poder
dossenhoresnaFrançarural.
Nascidades, o desemprego eosbaixos
saláriosafetavam amaior parteda
população urbana.
A burguesia, emborapoderosaeculta,
desejavamaisprotagonismo político e
social.
No último quarto do séc. XVIII, viveram-se tempos difíceis em França. Aumentavam os preços
dos generos alimentares, pairava a insegurança do desemprego, as manufaturas pagavam salários
baixos pois não suportavam a concorrência dos têxteis ingleses, os trabalhadores revoltavam-se.
Verificaram-seváriostumultospopulares. A violênciasaiu àsruas.
Ospesadosimpostoslançadosparacobrir os
deficitsdo Estado, em grandeparteresultantes
doscustosdasváriasguerrasem queaFrança
seenvolveu, não eram suportadosdeigual
modo por todososgrupossociais.
François Boucher
Retrato de Mme Pompadour
1756
Alte Pinakothek, Munique
A cortevivianum ambientedeluxo
eesbanjamento, completamente
alheadadarealidadesocial.
O descontentamento popular era grande. A violência dominava as ruas. O
rei tentou amenizar a situação mandando que as classes privilegiadas
contribuíssem para as contas do estado. Em face do insucesso, Luís XVI
convocou os Estados Gerais, o que já não sucedia desde 1614.
Jacques-Louis David
O Juramento da sala do jogo da pela
Musée National du Château, Versailles
O clero e a nobreza pretendiam o sistema de 1614 (voto por
ordem), o terceiro estado, que representava c. 98% da
população, exigia o voto por cabeça. Estava-se num impasse.
Por isso, os representantes do Terceiro Estado, aos quais se
juntaram alguns membros do baixo clero, formaram uma
Assembleia Nacional, declarando nulas todas as votações do
clero e da nobreza. Quando verificaram que a sala estava
cerrada, juntaram-se num pavilhão de Versalhes onde se jogava
a pela, jurando não se separar até que fosse redigida uma
constituição sobrebasessólidas.
Luis XVI cede às exigências do Terceiro Estado, depois de
alguns membros do clero e nobreza se terem juntado à
Assembleia. Em 9 de Julho de 1789, a Assembleia Nacional
declara-se Constituinte, isto é, com o objetivo de redigir uma
Constituição que, naturalmente, determinaria o fim do Antigo
Regimeedosprivilégiosdo clero edanobreza.
O despertar do terceiro estado
Sans-cullotes
Entretanto, em Paris, aumentava
a agitação nas ruas. A 14 de
Julho de 1789, atacam a
Bastilha, prisão que simbolizava
o poderdo rei. O povo em fúria
atacou o forte, libertou os
prisioneiros, matou o governador
da fortaleza e passeou a sua
cabeça espetada num pau pelas
ruas de Paris.
A violência se alastra. Os palácios da nobreza e os conventos e
igrejas são assaltados, incendiados e destruídos, obrigando
muitos nobres à fuga e à conspiração. São assaltados os túmulos
reais da abadia de S. Dinis, destruída a abadia de Cluny,
símbolos máximos do Antigo Regime e do poderda Igreja.
Léon-Maxime Faivre (1856-1941)
Morte de Mme Lamballe
Musée national du Château de Versailles
Enquanto isso, a Assembleia
Constituinte extingue os títulos
nobiliárquicos e os impostos feudais
(banalidades, dízimos, corveias), bem
como os privilégios senhoriais. Os bens
do clero são nacionalizados. É aprovada
a Declaração dos Direitos do Homem
e do Cidadão, em Agosto de1789
Doc. 3, p. 23
Revolução Francesa
A violêncianasruas, no entanto,
prossegue. A ÁustriaeaPrússia,
temendo queosideais
revolucionáriosalastrassem,
preparam-separaaguerra.
A Assembleiarevolucionária,
antecipando-se, declaraaguerra. O
rei LuísXVI épreso, acusado de
conluio com osdefensoresda
monarquiaabsoluta.
Nesta ocasião, Rouget de Lisle compõe uma
canção destinada a encorajar os combatentes
na fronteira do Reno. Chamava-se Canto de
Guerra para o Exército do Reno , ficando
conhecida como A Marselhesa. É ho je o hino
nacio nal francês.
Auguste Pinelli
Rouget de Lisle compondo «A Marselhesa»
Musée de la Révolution Française, Vizille
Robespierre
1758 - 1794
A situação agrava-secadavez mais, aviolênciaparece
incontrolável. O povo francêselege, por sufrágio
universal (não censitário), excluindo no entanto as
mulheres, umaConvenção Nacional. É abolidaa
MonarquiaedeclaradaaRepública, em Setembro de
1792.
É nomeado um Comité de Salvação Pública (1793) que
exerceo poder.
Robespierre, conhecido pelo seu radicalismo, foi afigura
maisdestacadadesteperíodo.
Abolição da escravatura pela Convenção no 16
Pluvioso do ano II (4 Fevereiro de 1794)
Anne Louis Girode de Roucy Trioson (1767-1824)
Jean-Baptiste Belley, deputado de Saint Dominique à Convenção
Museu Nacional do Palácio de Versailles
Nesta etapa revolucionária, conhecida como o
período do terror, caiu-se numa violência
extrema. O rei Luis XVI é condenado à morte
na guilhotina na praça pública, logo no início
de1793.
Condenação de Luís XVI
Milharesdefrancesesforam mortos
naguilhotina, incluindo o próprio
Robespierre, em 28 deJulho 1794. É
o fim do Terror jacobino.
Joseph-Ignace Guillotin
1738 - 1814
Antoine Lavoisier,
o pai da Química
moderna, foi
guilhotinado em
1794.
Vindimiário
Brumário
Frimário
Nivoso
Pluvioso
Ventoso
Germinal
Florial
Pradial
Messidor
Termidor
Fructidor
O ano começavaa22 Setembro
28 de Julho de 1794, data da
execução de Robespierre,
correspondia ao dia 10 do
Thermidor do ano II da era
republicana. Por isso, chama-se
reacção termidoriana ao período
que põe fim ao terror jacobino .
A reacção burguesa de 1795 conduz à redacção de uma nova Constituição. Écriado um
Directório constituído por 5 elementos. Este período é também chamado República
Burguesa e durará até 1799.
Os desentendimentos entre os membros do Directório criaram as condições para um
golpe de Estado. No 18 Brumário do ano VIII da era republicana (9 de Novembro de
1799), Napoleão Bonaparte derruba o Directório.
Louis-François Lejeune (1775-1848)
Batalha das Pirâmides (1798)
Museu Nacional do Palácio de Versalhes
Napoleão tinhagranjeado famana Batalha das Pirâmides,
ondederrotou osmamelucos, apesar dedepoisser derrotado
pelosinglesesnabatalhado Nilo. Napoleão era, paramuitos
franceses, particularmenteparaaburguesia, aesperançapara
colocar aFrançanum novo rumo.
Feito o golpe, Napoleão institui um consulado formado por 3 cônsules
Em 1801 é
assinadauma
Concordata
entreNapoleão
eo papaPio
VII. São
regulamentadas
epacificadasas
relaçõescom a
IgrejaCatólica,
reconhecida
como religião
maioritáriados
franceses.
Em 1802, foi instituído o ensino primário oficial, obrigatório e gratuito. A
Nação forma-se na escola e a instrução pública é uma das prioridades do
Estado.
Em 1804, é publicado o Código Civil, também
designado Código Napoleónico e que
influenciará muitos outros códigos na Europa e no
Mundo. O Código Napoleónico consagra os
princípios do individualismo burguês, protege a
propriedade privada, garante a igualdade de todos
perante a lei e assegura liberdades individuais.
Institui-se o casamento civil e a possibilidade do
divórcio.
Jacques-Louis David
Napoleão no seu gabinente de trabalho
National Gallery of Art, Washington
Como primeiro-cônsul, Napoleão Bonaparte não tardou a apoderar-se do
poder. Ainda 1802, depois de um plebiscito, adopta o título de cônsul
vitalício e em 1804 é proclamado imperador dos franceses, coroando-se a si
próprio.
Jacques-Louis David
Coroação de Napoleão Bonaparte como Imperador dos Franceses
Museu do Louvre
No plano externo, o imperadorfrancês
promove uma política expansionista,
enfrentando sucessivas coligações dos
estados europeus que se sentiam
François Gerard (1770-1837)
Batalha de Austerlitz (1805)
Museu Nacional do Palácio de Versalhes
Denis-Auguste-Marie Raffet (1804-1860)
Campanha da Rússia
Museu do Louvre
Em 1812, a Campanha da Rússia é um desastre.
Dos cerca de 600 000 soldados invasores, apenas
regressam c. de 100 000. Muitos desertam,
outros morrem de fome e frio. Chegados a
Moscovo, encontram a cidade abandonada e a
arder. A retirada faz-se em condições
lastimáveis. O exército russo persegue os
franceses, as temperaturas ultrapassam os 30
graus negativos.
Louis-François, Baron Lejeune (1775–1848)
La bataille de Somo-Sierra
1810
www.peninsularwar.org
Nafrenteocidental, na
Guerra Peninsular
(1807 – 1814),
Napoleão sofrepesadas
derrotas.
Auguste Mayer (1805-1890)
Batalha de Trafalgar (1805)
Museu da Marinha; Paris No mar, aInglaterraimpunhao seu poderio naval
Jean-Louis-Ernest Meissonier (1815-1891)
Campanha de França de 1814
Museu d'Orsay
Astropasdacoligação antifrancesainvadem a
França. Napoleão vê-seforçado àrendição eé
enviado parao exílio, nailhamediterrânicade
Elba. A monarquiaérestaurada.
Conseguirá, no entanto, escapar do exílio,
regressando aParis: éo governo dos cem dias.
Em 18 de Junho de 1815 é finalmente derrotado em Waterloo, na atual
Bélgica, pelas forças da Coligação comandadas porArthurWelleslley, o duque
de Wellington.
Clément-Auguste Andrieux (1829-1880)
Waterloo
Museu Nacional do Palácio de Versalhes
Francisco de Goya
Retrato do duque de Wellington
National Gallery Londres
Napoleão é enviado para a ilha de
Santa Helena. Aqui morrerá, em 1821.
Em 1840, o corpo foi exumado e
trasladado para Paris, sendo
depositado num sarcófago
especialmente desenhado no edifício
A Europa em 1815 após o Congresso de Viena
Os representantes das
potências vencedoras
reúnem-se no Congresso
de Viena, em 1815, e
redesenham o mapa
político da Europa de
acordo com os seus
interesses.
Imagens: wikipedia
Histoire de France par l’image (1789 – 1939): http://www.histoire-image.org/index.php
Web Gallery of Art: http://www.wga.hu/index1.html
Digitalizadas a partir do manual escolar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides 1ª guerra mundial
Slides  1ª guerra mundialSlides  1ª guerra mundial
Slides 1ª guerra mundial
Ferdinando Scappa
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Isabela Espíndola
 
O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)
Paulo Alexandre
 
Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
Fatima Freitas
 
Formação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colôniasFormação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colônias
Professora Natália de Oliveira
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
Edenilson Morais
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Eduard Henry
 
Cap. 04 primeiro reinado
Cap. 04   primeiro reinadoCap. 04   primeiro reinado
Cap. 04 primeiro reinado
Evanildo Pitombeira
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Elaine Bogo Pavani
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Daniel Alves Bronstrup
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
João Medeiros
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
Guilherme Drumond
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
Lela Leite
 
Revolução Puritana
Revolução PuritanaRevolução Puritana
Revolução Puritana
Leonardo Caputo
 

Mais procurados (20)

Slides 1ª guerra mundial
Slides  1ª guerra mundialSlides  1ª guerra mundial
Slides 1ª guerra mundial
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)O Império Napoleônico (PDF)
O Império Napoleônico (PDF)
 
Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
 
Formação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colôniasFormação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colônias
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Cap. 04 primeiro reinado
Cap. 04   primeiro reinadoCap. 04   primeiro reinado
Cap. 04 primeiro reinado
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
 
Revolução Puritana
Revolução PuritanaRevolução Puritana
Revolução Puritana
 

Semelhante a Revolução Francesa

Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
JUNIOR MADRUGA MADRUGA
 
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfrevoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
JUNIOR MADRUGA MADRUGA
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Isabel Ribeiro
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
luisant
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
Adauto Ferreira
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
Adauto Ferreira
 
Rf3
Rf3Rf3
Rf3
luisant
 
Rf2 A
Rf2 ARf2 A
Rf2 A
luisant
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
alunoitv
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
alunoitv
 
2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog
Kerol Brombal
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Bruno da Silva
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
AmandaKikuti
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
ADRIANEMONTAGNER
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
Norma Almeida
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
Daniel Monteiro
 

Semelhante a Revolução Francesa (20)

Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
 
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfrevoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
Rf3
Rf3Rf3
Rf3
 
Rf2 A
Rf2 ARf2 A
Rf2 A
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
 
2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog2˚ano rev francesa blog
2˚ano rev francesa blog
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolucoes
RevolucoesRevolucoes
Revolucoes
 
Período napoleônico
Período napoleônicoPeríodo napoleônico
Período napoleônico
 

Mais de Diego Silva

Terrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes Migratórias
Terrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes MigratóriasTerrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes Migratórias
Terrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes Migratórias
Diego Silva
 
Do petróleo à integração
Do petróleo à integraçãoDo petróleo à integração
Do petróleo à integração
Diego Silva
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
Diego Silva
 
Conceitos básicos da geopolítica
Conceitos básicos da geopolíticaConceitos básicos da geopolítica
Conceitos básicos da geopolítica
Diego Silva
 
Brasil República
Brasil RepúblicaBrasil República
Brasil República
Diego Silva
 
Breve história de Roma
Breve história de RomaBreve história de Roma
Breve história de Roma
Diego Silva
 
O cristianismo Primitivo
O cristianismo PrimitivoO cristianismo Primitivo
O cristianismo Primitivo
Diego Silva
 
História do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América PortuguesaHistória do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América Portuguesa
Diego Silva
 
Cisma do ocidente
Cisma do ocidenteCisma do ocidente
Cisma do ocidente
Diego Silva
 

Mais de Diego Silva (9)

Terrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes Migratórias
Terrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes MigratóriasTerrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes Migratórias
Terrorismo, Daesh, Crise Humanitária e Correntes Migratórias
 
Do petróleo à integração
Do petróleo à integraçãoDo petróleo à integração
Do petróleo à integração
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Conceitos básicos da geopolítica
Conceitos básicos da geopolíticaConceitos básicos da geopolítica
Conceitos básicos da geopolítica
 
Brasil República
Brasil RepúblicaBrasil República
Brasil República
 
Breve história de Roma
Breve história de RomaBreve história de Roma
Breve história de Roma
 
O cristianismo Primitivo
O cristianismo PrimitivoO cristianismo Primitivo
O cristianismo Primitivo
 
História do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América PortuguesaHistória do Brasil - A América Portuguesa
História do Brasil - A América Portuguesa
 
Cisma do ocidente
Cisma do ocidenteCisma do ocidente
Cisma do ocidente
 

Último

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Revolução Francesa

  • 1. A Revolução Francesa 1789 A Tomada da Bastilha 14 de Julho de 1789
  • 2. Enquanto naAméricase afirmavam osnovosvaloresda Liberdade, no Velho Continente, eparticularmenteem França, o Antigo Regime resistiaaos ventosdamudança. Joseph Siffred Duplessis Retrato de Luís XVIco m o s trajes da co ro ação Museu do Palácio de Versalhes 1777
  • 3. O rei detinhao poderabsoluto. A sociedadedividia-seem ordens, subsistindo umadesigualdadenatural entreosgruposprivilegiadoseo Terceiro Estado. Oscamponeses viviam em condições miseráveis, submetidosaindaao poder dossenhoresnaFrançarural. Nascidades, o desemprego eosbaixos saláriosafetavam amaior parteda população urbana. A burguesia, emborapoderosaeculta, desejavamaisprotagonismo político e social.
  • 4. No último quarto do séc. XVIII, viveram-se tempos difíceis em França. Aumentavam os preços dos generos alimentares, pairava a insegurança do desemprego, as manufaturas pagavam salários baixos pois não suportavam a concorrência dos têxteis ingleses, os trabalhadores revoltavam-se. Verificaram-seváriostumultospopulares. A violênciasaiu àsruas.
  • 5. Ospesadosimpostoslançadosparacobrir os deficitsdo Estado, em grandeparteresultantes doscustosdasváriasguerrasem queaFrança seenvolveu, não eram suportadosdeigual modo por todososgrupossociais. François Boucher Retrato de Mme Pompadour 1756 Alte Pinakothek, Munique A cortevivianum ambientedeluxo eesbanjamento, completamente alheadadarealidadesocial.
  • 6. O descontentamento popular era grande. A violência dominava as ruas. O rei tentou amenizar a situação mandando que as classes privilegiadas contribuíssem para as contas do estado. Em face do insucesso, Luís XVI convocou os Estados Gerais, o que já não sucedia desde 1614.
  • 7. Jacques-Louis David O Juramento da sala do jogo da pela Musée National du Château, Versailles O clero e a nobreza pretendiam o sistema de 1614 (voto por ordem), o terceiro estado, que representava c. 98% da população, exigia o voto por cabeça. Estava-se num impasse. Por isso, os representantes do Terceiro Estado, aos quais se juntaram alguns membros do baixo clero, formaram uma Assembleia Nacional, declarando nulas todas as votações do clero e da nobreza. Quando verificaram que a sala estava cerrada, juntaram-se num pavilhão de Versalhes onde se jogava a pela, jurando não se separar até que fosse redigida uma constituição sobrebasessólidas.
  • 8. Luis XVI cede às exigências do Terceiro Estado, depois de alguns membros do clero e nobreza se terem juntado à Assembleia. Em 9 de Julho de 1789, a Assembleia Nacional declara-se Constituinte, isto é, com o objetivo de redigir uma Constituição que, naturalmente, determinaria o fim do Antigo Regimeedosprivilégiosdo clero edanobreza. O despertar do terceiro estado Sans-cullotes
  • 9. Entretanto, em Paris, aumentava a agitação nas ruas. A 14 de Julho de 1789, atacam a Bastilha, prisão que simbolizava o poderdo rei. O povo em fúria atacou o forte, libertou os prisioneiros, matou o governador da fortaleza e passeou a sua cabeça espetada num pau pelas ruas de Paris.
  • 10. A violência se alastra. Os palácios da nobreza e os conventos e igrejas são assaltados, incendiados e destruídos, obrigando muitos nobres à fuga e à conspiração. São assaltados os túmulos reais da abadia de S. Dinis, destruída a abadia de Cluny, símbolos máximos do Antigo Regime e do poderda Igreja. Léon-Maxime Faivre (1856-1941) Morte de Mme Lamballe Musée national du Château de Versailles
  • 11. Enquanto isso, a Assembleia Constituinte extingue os títulos nobiliárquicos e os impostos feudais (banalidades, dízimos, corveias), bem como os privilégios senhoriais. Os bens do clero são nacionalizados. É aprovada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, em Agosto de1789 Doc. 3, p. 23
  • 13. A violêncianasruas, no entanto, prossegue. A ÁustriaeaPrússia, temendo queosideais revolucionáriosalastrassem, preparam-separaaguerra. A Assembleiarevolucionária, antecipando-se, declaraaguerra. O rei LuísXVI épreso, acusado de conluio com osdefensoresda monarquiaabsoluta. Nesta ocasião, Rouget de Lisle compõe uma canção destinada a encorajar os combatentes na fronteira do Reno. Chamava-se Canto de Guerra para o Exército do Reno , ficando conhecida como A Marselhesa. É ho je o hino nacio nal francês. Auguste Pinelli Rouget de Lisle compondo «A Marselhesa» Musée de la Révolution Française, Vizille
  • 14. Robespierre 1758 - 1794 A situação agrava-secadavez mais, aviolênciaparece incontrolável. O povo francêselege, por sufrágio universal (não censitário), excluindo no entanto as mulheres, umaConvenção Nacional. É abolidaa MonarquiaedeclaradaaRepública, em Setembro de 1792. É nomeado um Comité de Salvação Pública (1793) que exerceo poder. Robespierre, conhecido pelo seu radicalismo, foi afigura maisdestacadadesteperíodo.
  • 15. Abolição da escravatura pela Convenção no 16 Pluvioso do ano II (4 Fevereiro de 1794) Anne Louis Girode de Roucy Trioson (1767-1824) Jean-Baptiste Belley, deputado de Saint Dominique à Convenção Museu Nacional do Palácio de Versailles
  • 16. Nesta etapa revolucionária, conhecida como o período do terror, caiu-se numa violência extrema. O rei Luis XVI é condenado à morte na guilhotina na praça pública, logo no início de1793. Condenação de Luís XVI
  • 17. Milharesdefrancesesforam mortos naguilhotina, incluindo o próprio Robespierre, em 28 deJulho 1794. É o fim do Terror jacobino. Joseph-Ignace Guillotin 1738 - 1814 Antoine Lavoisier, o pai da Química moderna, foi guilhotinado em 1794.
  • 18. Vindimiário Brumário Frimário Nivoso Pluvioso Ventoso Germinal Florial Pradial Messidor Termidor Fructidor O ano começavaa22 Setembro 28 de Julho de 1794, data da execução de Robespierre, correspondia ao dia 10 do Thermidor do ano II da era republicana. Por isso, chama-se reacção termidoriana ao período que põe fim ao terror jacobino .
  • 19. A reacção burguesa de 1795 conduz à redacção de uma nova Constituição. Écriado um Directório constituído por 5 elementos. Este período é também chamado República Burguesa e durará até 1799. Os desentendimentos entre os membros do Directório criaram as condições para um golpe de Estado. No 18 Brumário do ano VIII da era republicana (9 de Novembro de 1799), Napoleão Bonaparte derruba o Directório.
  • 20. Louis-François Lejeune (1775-1848) Batalha das Pirâmides (1798) Museu Nacional do Palácio de Versalhes Napoleão tinhagranjeado famana Batalha das Pirâmides, ondederrotou osmamelucos, apesar dedepoisser derrotado pelosinglesesnabatalhado Nilo. Napoleão era, paramuitos franceses, particularmenteparaaburguesia, aesperançapara colocar aFrançanum novo rumo.
  • 21. Feito o golpe, Napoleão institui um consulado formado por 3 cônsules
  • 22. Em 1801 é assinadauma Concordata entreNapoleão eo papaPio VII. São regulamentadas epacificadasas relaçõescom a IgrejaCatólica, reconhecida como religião maioritáriados franceses.
  • 23. Em 1802, foi instituído o ensino primário oficial, obrigatório e gratuito. A Nação forma-se na escola e a instrução pública é uma das prioridades do Estado.
  • 24. Em 1804, é publicado o Código Civil, também designado Código Napoleónico e que influenciará muitos outros códigos na Europa e no Mundo. O Código Napoleónico consagra os princípios do individualismo burguês, protege a propriedade privada, garante a igualdade de todos perante a lei e assegura liberdades individuais. Institui-se o casamento civil e a possibilidade do divórcio. Jacques-Louis David Napoleão no seu gabinente de trabalho National Gallery of Art, Washington
  • 25. Como primeiro-cônsul, Napoleão Bonaparte não tardou a apoderar-se do poder. Ainda 1802, depois de um plebiscito, adopta o título de cônsul vitalício e em 1804 é proclamado imperador dos franceses, coroando-se a si próprio. Jacques-Louis David Coroação de Napoleão Bonaparte como Imperador dos Franceses Museu do Louvre
  • 26. No plano externo, o imperadorfrancês promove uma política expansionista, enfrentando sucessivas coligações dos estados europeus que se sentiam
  • 27. François Gerard (1770-1837) Batalha de Austerlitz (1805) Museu Nacional do Palácio de Versalhes
  • 28. Denis-Auguste-Marie Raffet (1804-1860) Campanha da Rússia Museu do Louvre Em 1812, a Campanha da Rússia é um desastre. Dos cerca de 600 000 soldados invasores, apenas regressam c. de 100 000. Muitos desertam, outros morrem de fome e frio. Chegados a Moscovo, encontram a cidade abandonada e a arder. A retirada faz-se em condições lastimáveis. O exército russo persegue os franceses, as temperaturas ultrapassam os 30 graus negativos.
  • 29. Louis-François, Baron Lejeune (1775–1848) La bataille de Somo-Sierra 1810 www.peninsularwar.org Nafrenteocidental, na Guerra Peninsular (1807 – 1814), Napoleão sofrepesadas derrotas.
  • 30. Auguste Mayer (1805-1890) Batalha de Trafalgar (1805) Museu da Marinha; Paris No mar, aInglaterraimpunhao seu poderio naval
  • 31. Jean-Louis-Ernest Meissonier (1815-1891) Campanha de França de 1814 Museu d'Orsay Astropasdacoligação antifrancesainvadem a França. Napoleão vê-seforçado àrendição eé enviado parao exílio, nailhamediterrânicade Elba. A monarquiaérestaurada.
  • 32. Conseguirá, no entanto, escapar do exílio, regressando aParis: éo governo dos cem dias.
  • 33. Em 18 de Junho de 1815 é finalmente derrotado em Waterloo, na atual Bélgica, pelas forças da Coligação comandadas porArthurWelleslley, o duque de Wellington. Clément-Auguste Andrieux (1829-1880) Waterloo Museu Nacional do Palácio de Versalhes Francisco de Goya Retrato do duque de Wellington National Gallery Londres
  • 34. Napoleão é enviado para a ilha de Santa Helena. Aqui morrerá, em 1821. Em 1840, o corpo foi exumado e trasladado para Paris, sendo depositado num sarcófago especialmente desenhado no edifício
  • 35. A Europa em 1815 após o Congresso de Viena Os representantes das potências vencedoras reúnem-se no Congresso de Viena, em 1815, e redesenham o mapa político da Europa de acordo com os seus interesses. Imagens: wikipedia Histoire de France par l’image (1789 – 1939): http://www.histoire-image.org/index.php Web Gallery of Art: http://www.wga.hu/index1.html Digitalizadas a partir do manual escolar.