SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Baixar para ler offline
PSICOLOGIA


Jean Piaget
Nascemos programados
para aprender na
interacção com o meio.




              Jorge Barbosa, 2010
Constru(vismo	
  

O Comportamento e o desenvolvimento da inteligência resultam
de uma construção progressiva do sujeito em interacção com o
meio físico e social.
Constru(vismo	
  

                        O Conhecimento é um processo de adaptação ao meio.

Não	
  somos	
  simples	
  
produtos	
  do	
  meio.	
  
Temos	
  um	
  papel	
  ac(vo:	
  
• Na	
  construção	
  dos	
  
esquemas	
  ou	
  estruturas	
  
que	
  nos	
  permitem	
  
conhecer	
  e	
  interpretar	
  a	
  
realidade	
  


O	
  indivíduo,	
  através	
  das	
  suas	
  acções	
  sobre	
  
o	
  meio,	
  tem	
  um	
  papel	
  na	
  construção	
  do	
  
conhecimento	
  e	
  da	
  sua	
  personalidade.	
  
Constru(vismo	
  

                      O Comportamento (R) é uma resposta que varia em função da
                      interacção entre a personalidade do sujeito (P) e a situação (S).
Para	
  compreendermos	
  o	
  
comportamento	
  de	
  um	
  individuo,	
  em	
  
determinado	
  caso,	
  temos	
  de	
  
considerar	
  dois	
  factores:	
  
1.  A	
  influência	
  da	
  personalidade	
  na	
  
    situação;	
  
                                                              R	
  =	
  f	
  (S	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  P)	
  
2.  A	
  influência	
  das	
  situações	
  
    anteriormente	
  vividas	
  por	
  alguém	
  
    na	
  formação	
  da	
  sua	
  personalidade	
  
Desenvolvimento	
  Cogni(vo	
  

         Construção
          Activa do
           Sujeito

 Processo         Mudanças
Descontínuo      Qualitativas
Três	
  Princípios	
  em	
  que	
  se	
  baseia	
  a	
  
Teoria	
  do	
  Desenvolvimento	
  Cogni(vo	
  
                           A	
  criança	
  não	
  é	
  um	
  adulto	
  em	
  miniatura,	
  dotado	
  do	
  
    Mudanças	
              mesmo	
  equipamento	
  básico.	
  Para	
  Piaget,	
  há	
  uma	
  
    Qualita(vas	
               diferença	
  qualita(va	
  entre	
  o	
  adulto	
  e	
  a	
  criança,	
  
                                quanto	
  ao	
  modo	
  de	
  funcionamento	
  intelectual	
  

                           Para	
  além	
  	
  de	
  alguns	
  esquemas	
  reflexos	
  simples,	
  só	
  
 Construção	
  Ac(va	
      a	
  necessidade	
  de	
  conhecer	
  (adaptação	
  ao	
  meio)	
  é	
  
    do	
  Sujeito	
        inata	
  no	
  ser	
  humano.	
  Desenvolvimento	
  cogni(vo	
  é	
  
                            a	
  construção	
  ac(va	
  de	
  estruturas	
  que	
  possibilitem	
  
                                                         essa	
  adaptação	
  


                              O	
  Desenvolvimento	
  processa-­‐se	
  ao	
  longo	
  de	
  
  Descon(nuidade	
           momentos	
  dis(ntos	
  (estádios),	
  qualita(vamente	
  
                                              diferenciados.	
  
Estádios	
  de	
  Desenvolvimento	
  

                        Fase do desenvolvimento que se distingue qualitativamente de
                        fases anteriores e posteriores.
                        A sucessão de estádios obedece a uma sequência uniforme (não
                        se aprende a ler antes de aprender a falar).


Corresponde	
  ao	
  
surgimento	
  de	
  novos	
  
padrões	
  comportamentais.	
  


Cada	
  estádio	
  integra	
  as	
  aquisições	
  do	
  
estádio	
  anterior.	
  
Factores	
  do	
  Desenvolvimento	
  

                     Hereditariedade	
  e	
  
                     Maturação	
  Física	
  




   Piaget	
  refere-­‐se	
  a	
  mudanças	
  biologicamente	
  
    determinadas	
  no	
  desenvolvimento	
  Zsico	
  e	
  
 neurológico	
  que	
  ocorrem	
  de	
  forma	
  rela(vamente	
  
    independente	
  em	
  relação	
  às	
  experiências	
  
Factores	
  do	
  Desenvolvimento	
  

                               Experiência	
  




Experiência	
  para	
  Piaget	
  significa	
  a	
  ac(vidade	
  (Zsica	
  e	
  
  mental)	
  	
  do	
  sujeito	
  sobre	
  os	
  objectos	
  que	
  permite	
  
dis(ngui-­‐los	
  e	
  organizá-­‐los.	
  Através	
  dessa	
  ac(vidade,	
  
     formam-­‐se	
  as	
  estruturas	
  ou	
  esquemas	
  que	
  
 possibilitam	
  a	
  acção	
  e	
  a	
  compreensão	
  da	
  realidade.	
  
Factores	
  do	
  Desenvolvimento	
  

                          Transmissão	
  Social	
  




 Piaget	
  refere-­‐se	
  ao	
  processo	
  através	
  do	
  qual	
  somos	
  
influenciados,	
  não	
  pela	
  nossa	
  ac(vidade	
  própria,	
  mas	
  
  pelo	
  contexto	
  social,	
  pela	
  observação	
  dos	
  outros	
  e	
  
                           pela	
  educação.	
  
Factores	
  do	
  Desenvolvimento	
  

                              Equilibração	
  




  Cada	
  novo	
  estádio	
  define-­‐se	
  pelo	
  surgimento	
  de	
  
  novos	
  esquemas	
  e	
  estruturas	
  mais	
  complexos.	
  A	
  
equilibração	
  (verdadeirto	
  motor	
  do	
  desenvolvimento)	
  
assegura	
  formas	
  de	
  equilíbrio	
  instável,	
  cada	
  vez	
  mais	
  
             estáveis,	
  na	
  adaptação	
  ao	
  meio.	
  
Desenvolvimento	
  Cogni(vo	
  

                       Para Piaget, o desenvolvimento cognitivo implica que a
                       actividade do sujeito na interacção com o meio responda aos
                       desequilíbrios cognitivos, procurando atingir um estado de
                       equilíbrio entre a assimilação e a acomodação.




Para	
  Piaget,	
  a	
  necessidade	
  de	
  conhecer	
  
é	
  um	
  impulso	
  inato,	
  uma	
  manifestação	
  
par(cular	
  da	
  necessidade	
  de	
  
sobrevivência.	
  
Esquemas	
  

                        Padrões de acção e categorias ou estruturas mentais que
                        organizam a interacção do sujeito com o meio.
                        A adaptação envolve a construção de esquemas através da
                        interacção com o meio, graças a duas actividades
                        complementares: a assimilação e a acomodação.


Durante	
  os	
  primeiros	
  meses	
  de	
  vida,	
  os	
  
esquemas	
  baseiam-­‐se	
  em	
  acções.	
  
Os	
  objectos	
  são	
  agrupados	
  conforme	
  as	
  
acções	
  que	
  as	
  crianças	
  realizam.	
  
Assim,	
  chupando	
  e	
  agarrando,	
  as	
  
crianças	
  criam	
  categorias	
  de	
  objectos	
  
que	
  podem	
  ser	
  chupados	
  e	
  agarrados.	
  
Esquemas	
  

                         A construção de esquemas com categorias de objectos que
                         podem ser chupados e agarrados é a forma de as crianças
                         “marcarem mentalmente os objectos com os quais se
                         relacionaram”.




O	
  Bebé	
  pode	
  ter	
  um	
  esquema	
  de	
  
sucção	
  na	
  maior	
  parte	
  dos	
  casos	
  
aplicado	
  a	
  mamilos.	
  
O	
  Esquema	
  “agarrar	
  e	
  abanar”	
  é	
  
aplicado	
  à	
  manipulação	
  de	
  rocas.	
  
O	
  Esquema	
  “sorriso”	
  é	
  aplicável	
  a	
  
rostos	
  humanos.	
  Etc.	
  
Esquemas	
  

                       A partir de um certo momento, os esquemas constituem-se
                       baseando-se mais em relações funcionais e conceptuais do que
                       em acções.




As	
  crianças	
  em	
  idade	
  pré-­‐escolar	
  
aprendem	
  que	
  garfos,	
  facas	
  e	
  colheres	
  
formam	
  um	
  esquema	
  ou	
  categoria	
  
funcional	
  denominado	
  “coisas	
  que	
  uso	
  
para	
  comer”.	
  
Aprendem	
  também	
  que	
  cães	
  e	
  gatos	
  
cons(tuem	
  uma	
  categoria	
  mental	
  ou	
  
esquema	
  denominado	
  “animais	
  
domés(cos”.	
  
Esquemas	
  

                       Tal como as crianças em idade pré-escolar, as crianças mais
                       velhas e adolescentes usam esquemas baseados em relações
                       funcionais e conceptuais.
                       Os adolescentes começam a ser capazes também de construir
                       esquemas baseados em propriedades abstractas.



Um	
  adolescente	
  poderá	
  construir	
  um	
  
esquema	
  ou	
  categoria	
  mental	
  
“ideologias	
  que	
  desprezo”,	
  nelas	
  
integrando	
  o	
  fascismo,	
  o	
  nazismo,	
  o	
  
racismo	
  e	
  o	
  sexismo,	
  por	
  exemplo.	
  
Mecanismos	
  de	
  Adaptação	
  ao	
  Meio	
  

                   Acomodação	
  




                    Adaptação	
  


Equilibração	
                       Assimilação	
  
Mecanismos	
  de	
  Adaptação	
  ao	
  Meio	
  

                       Processo adaptativo que consiste em incorporar novas
                       informações nos esquemas já existentes.

                                                            Por	
  exemplo,	
  os	
  bebés	
  usam	
  o	
  
                                                            esquema	
  de	
  sucção	
  não	
  só	
  
A	
  assimilação	
  verifica-­‐se	
  quando	
                para	
  se	
  alimentarem,	
  mas	
  
usamos	
  esquemas	
  existentes	
  para	
  dar	
           também	
  para	
  chuchar	
  no	
  dedo	
  
sen(do	
  aos	
  novos	
  acontecimentos	
  ou	
  
experiências.	
  
Através	
  da	
  assimilação,	
  	
  respondemos	
  a	
  
uma	
  nova	
  situação	
  de	
  modo	
  
semelhante	
  ao	
  que	
  adoptámos	
  numa	
  
situação	
  familiar,	
  sem	
  necessidade	
  de	
  
modificar	
  os	
  esquemas	
  existentes.	
  
Mecanismos	
  de	
  Adaptação	
  ao	
  Meio	
  

                        Processo adaptativo que consiste em ajustar os esquemas
                        existentes a novas informações e experiências, ajustando-os.

                                                               Os	
  pais	
  sabem	
  que	
  as	
  primeiras	
  
Se	
  os	
  dados	
  não	
  podem	
  ser	
                     vezes	
  que	
  se	
  dá	
  de	
  comer	
  a	
  uma	
  
incorporados	
  nos	
  esquemas	
  existentes,	
               criança	
  com	
  uma	
  colher	
  são	
  uma	
  
é	
  necessário	
  o	
  desenvolvimento	
  de	
                experiência	
  desconcertante	
  para	
  
esquemas	
  ou	
  estruturas	
  mais	
                         ela:	
  
apropriados.	
                                                 1.  Primeiro	
  começa	
  por	
  usar	
  o	
  
                                                                     esquema	
  de	
  sucção	
  (que	
  não	
  
 Por	
  exemplo,	
  a	
  criança	
  que	
  aprendeu	
  a	
           funciona	
  bem)	
  
 agarrar	
  objectos	
  pequenos	
  com	
  uma	
               2.  Mais	
  tarde	
  a	
  criança	
  aprende	
  a	
  
 mão,	
  apercebe-­‐se	
  que	
  outros	
  objectos	
                adaptar	
  a	
  boca	
  e	
  a	
  língua	
  ao	
  
 só	
  podem	
  ser	
  levantados	
  com	
  duas	
                   novo	
  meio	
  de	
  alimentação	
  
 mãos.	
  
Mecanismos	
  de	
  Adaptação	
  ao	
  Meio	
  

                         Processo adaptativo que consiste em procurar estabelecer um
                         equilíbrio entre assimilação e acomodação.



A	
  equilibração	
  é	
  o	
  verdadeiro	
  motor	
  do	
  
desenvolvimento.	
  
Promove	
  a	
  alternância	
  entre	
  
assimilação	
  e	
  acomodação	
  e	
  o	
  
equilíbrio	
  entre	
  as	
  duas.	
  

 É	
  a	
  equilibração	
  que	
  nos	
  conduz	
  a	
  
 patamares	
  superiores	
  de	
  equilíbrio.	
  
 Nunca	
  existe	
  um	
  total	
  equilíbrio	
  entre	
  
 assimilação	
  e	
  acomodação.	
  
PSICOLOGIA


Jean Piaget
Estádios de
Desenvolvimento
Cognitivo




              Jorge Barbosa, 2010
Estádio	
  da	
  Inteligência	
  Sensório-­‐
                                                   0	
  a	
  2	
  anos	
  
                    Motora	
  


    Estádio	
  da	
  Inteligência	
  Pré-­‐
                                                   2	
  a	
  7	
  anos	
  
               Operatória	
  


                                                       7	
  a	
  11	
  
Estádio	
  das	
  Operações	
  Concretas	
  	
  
                                                        anos	
  


Estádio	
  das	
  Operações	
  Formais	
  ou	
       Dos	
  11	
  
                  Abstractas	
  	
  	
              anos	
  em	
  
                                                     diante	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  

                      Estádio em que a inteligência se adapta ao meio essencialmente
                      através de esquemas sensório-motores (actividade perceptiva e
                      actos motores).




Inicia-­‐se	
  com	
  esquemas	
  de	
  acção	
  reflexa,	
  tais	
  
como	
  agarrar	
  e	
  chuchar.	
  
Progressivamente,	
  numa	
  coordenação	
  motora	
  
cada	
  vez	
  maior	
  e	
  alimentada	
  pela	
  curiosidade	
  
(desequilíbrio	
  cogni(vo)	
  a	
  criança	
  vai	
  
desenvolvendo	
  formas	
  de	
  comportamento	
  mais	
  
complexas.	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  


8	
  aos	
  12	
          Através	
  de	
  uma	
  assimilação	
  
 meses	
               generalizada,	
  um	
  comportamento	
  
                         aprendido	
  numa	
  determinada	
  
                      circunstância	
  é	
  u(lizado	
  numa	
  nova	
  
                            situação	
  diferente,	
  mas	
  
                     suficientemente	
  parecida	
  para	
  que	
  o	
  
                        comportamento	
  aprendido	
  seja	
  
                     apropriado	
  aos	
  interesses	
  da	
  criança	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  


8	
  aos	
  12	
       1.  Abrir	
  a	
  boca	
  é	
  um	
  meio	
  para	
  obter	
  
 meses	
                   comida.	
  
                       2.  Chorar	
  é	
  um	
  meio	
  para	
  obter	
  atenção.	
  
                       3.  Se	
  puxar	
  uma	
  toalha	
  foi	
  um	
  bom	
  meio	
  
                           para	
  alcançar	
  um	
  brinquedo,	
  a	
  criança	
  
                           vai	
  puxar	
  a	
  toalha	
  para	
  alcançar	
  um	
  
                           pedaço	
  de	
  pão	
  ( juntamente	
  com	
  
                           pratos,	
  copos	
  e	
  talheres).	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  

                   A	
  criança	
  poderá	
  querer	
  verificar,	
  por	
  
                          exemplo,	
  que	
  (po	
  de	
  sons	
  resultam	
  do	
  
 12	
  aos	
  
                          facto	
  de:	
  
18	
  meses	
  
                   1.  Agitar	
  um	
  objecto;	
  
                   2.  Deixar	
  cair	
  um	
  objecto;	
  
                   3.  Bater	
  num	
  outro	
  objecto.	
  
                   Embora	
  a	
  criança	
  ainda	
  não	
  seja	
  capaz	
  de	
  
                          antecipar	
  os	
  resultado	
  de	
  uma	
  acção	
  
                          (daí,	
  a	
  necessidade	
  de	
  experimentar)	
  
                          começa	
  a	
  desenvolver	
  uma	
  crescente	
  
                          ap(dão	
  para	
  representar	
  objectos	
  e	
  
                          situações.	
  	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  


A	
  par(r	
  
 dos	
  8	
  
meses	
  


                            Até	
  ao	
  8	
  meses,	
  a	
  criança	
  
                   O	
  Desenvolvimento	
  completo	
  
                           não	
  tem	
  noção	
  de	
  que	
  um	
  
                   da	
  noção	
  de	
  permanência	
  do	
  
                            objecto	
  con(nue	
  a	
  exis(r	
  
                         objecto	
  marca	
  o	
  fim	
  do	
  
                          independentemente	
  da	
  sua	
  
                         estádio	
  sensório-­‐motor	
  
                              acção	
  ou	
  percepção.	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  


     Antes	
  dos	
  8	
  meses,	
  quando	
  um	
  brinquedo	
  
    desaparece	
  do	
  campo	
  de	
  visão	
  da	
  criança,	
  é	
  
         como	
  se	
  (vesse	
  deixado	
  de	
  exis(r	
  


      Antes	
  dos	
  8	
  meses,	
  quando	
  o	
  brinquedo	
  
     reaparece,	
  é	
  como	
  se	
  (vesse	
  sido	
  recriado.	
  	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  

                    A	
  crença	
  na	
  existência	
  independente	
  e	
  
A	
  par(r	
  
                 estável	
  de	
  um	
  mundo	
  de	
  objectos	
  e	
  pessoas	
  
 dos	
  8	
  
                    é	
  lentamente	
  construída	
  a	
  par(r	
  dos	
  8	
  
meses	
  
                                             meses	
  

                  Por	
  volta	
  dos	
  18	
  meses,	
  estará	
  plenamente	
  
                     adquirida	
  a	
  convicção	
  de	
  que	
  fora	
  do	
  
                  alcance	
  da	
  percepção	
  não	
  significa	
  fora	
  da	
  
                     existência	
  nem	
  fora	
  do	
  pensamento.	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  


Por	
  volta	
     As	
  crianças	
  lembram-­‐se,	
  por	
  exemplo,	
  de	
  
 dos	
  18	
       que	
  deixaram	
  um	
  brinquedo	
  no	
  carro	
  do	
  
 meses	
                                    pai.	
  


                   São	
  capazes	
  de	
  antecipar	
  mentalmente	
  os	
  
                    resultados	
  de	
  uma	
  acção	
  sem	
  recorrer	
  à	
  
                   experimentação	
  ou	
  manipulação	
  material	
  
                                      dos	
  objectos.	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  


Por	
  volta	
           Capacidade	
  de	
  
 dos	
  18	
         Representação	
  Simbólica	
  
 meses	
  

                     Pensar	
  em	
  objectos	
  que	
  estão	
  
                       fora	
  do	
  campo	
  percep(vo	
  


                      Falar	
  de	
  objectos	
  que	
  estão	
  
                       fora	
  do	
  campo	
  percep(vo	
  
Estádio	
  Sensório-­‐Motor	
  

                       A grande aquisição do estádio sensório-motor é o conceito de
                       objecto permanente ou de permanência do objecto.
                       Esta aquisição significa a emergência da capacidade de
                       representação simbólica.


A	
  par(r	
  do	
  desenvolvimento	
  da	
  noção	
  de	
  
permanência	
  do	
  objecto,	
  a	
  criança	
  vai	
  passar	
  para	
  
um	
  novo	
  patamar:	
  
A	
  inteligência	
  prá(ca	
  do	
  estádio	
  sensório-­‐motor	
  
vai	
  enriquecer-­‐se	
  com	
  a	
  interiorização	
  simbólica	
  
das	
  acções,	
  isto	
  é,	
  a	
  capacidade	
  de	
  resolver	
  
mentalmente	
  problemas	
  e	
  de	
  usar	
  a	
  linguagem	
  
(inteligência	
  representa(va).	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  
Caracterís(cas	
  Gerais	
  do	
  
            Pensamento	
  Pré-­‐Operatório	
  

                     A	
  criança	
  é	
  incapaz	
  de	
  compreender	
  
Pensamento	
        que	
  há	
  várias	
  perspec(vas	
  acerca	
  da	
  
egocêntrico	
      realidade	
  e	
  dos	
  objectos,	
  considerando	
  
                           somente	
  o	
  seu	
  ponto	
  de	
  vista.	
  

                   O	
  Sujeito	
  concentra-­‐se	
  num	
  aspecto	
  de	
  
                        um	
  problema	
  ou	
  de	
  uma	
  situação,	
  
                   ignorando	
  outros	
  aspectos	
  igualmente	
  
                                       relevantes.	
  
Estádio	
  Pré-­‐
Operatório	
  
  Fase	
  do	
  Pensamento	
  pré-­‐conceptual,	
  
    centrada	
  na	
  imaginação	
  e	
  por	
  ela	
  
            dominada	
  (2	
  –	
  4	
  anos)	
  



Fase	
  do	
  Pensamento	
  Intui(vo,	
  centrado	
  
 na	
  percepção	
  dos	
  dados	
  sensoriais	
  e	
  a	
  
         ela	
  subme(da	
  (4	
  –	
  7	
  anos)	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  

                      O Pensamento é dominado pela imaginação, isto é, a relação da
                      criança com a realidade centra-se na sua imaginação.
                      O pensamento pré-conceptual vive de imagens e não de
                      conceitos.
                      É um pensamento mágico, que transforma o imaginário em
                      realidade.

Através	
  do	
  jogo	
  simbólico,	
  a	
  realidade	
  perde	
  a	
  
sua	
  densidade	
  objec(va.	
  
O	
  Pensamento	
  mágico	
  transforma	
  os	
  objectos	
  em	
  
realidades	
  imaginadas	
  de	
  acordo	
  com	
  o	
  desejo	
  da	
  
criança.	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  

                        O pensamento é dominado pela imaginação, isto é, a relação da
                        criança com a realidade centra-se na sua imaginação.


                                                                                O	
  pensamento	
  egocêntrico	
  é	
  uma	
  forma	
  
                                                                                de	
  funcionamento	
  mental,	
  e	
  não	
  uma	
  
                                                                                caracterís(ca	
  de	
  personalidade	
  (não	
  é	
  
Pensamento	
  egocêntrico:	
  
                                                                                sinónimo	
  de	
  egoísmo).	
  
A	
  criança,	
  por	
  exemplo,	
  faz	
  sinal	
  de	
  sim	
  com	
  a	
  
                                                                                É	
  um	
  Comportamento	
  CogniBvo	
  
cabeça	
  para	
  confirmar	
  que	
  foi	
  passear,	
  apesar	
  de	
  
estar	
  ao	
  telefone	
  com	
  a	
  avó.	
  	
  
Não	
  fala,	
  porque,	
  do	
  seu	
  ponto	
  de	
  vista,	
  a	
  
resposta	
  que	
  dá,	
  movendo	
  a	
  cabeça,	
  é	
  
suficientemente	
  clara.	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  
•  Animismo	
                                           •  Realismo	
  


                    Pensamento	
     Pensamento	
  
                       Pré-­‐           Pré-­‐
                     Coceptual	
     Conceptual	
  



                    Pensamento	
     Pensamento	
  
                       Pré-­‐           Pré-­‐
                    Conceptual	
     Conceptual	
  

•  Finalismo	
                                        •  Ar(ficialismo	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  
                     “O	
  Sol	
  está	
  a	
  deitar-­‐se	
  
                     porque	
  está	
  com	
  sono”	
            Tendência	
  para	
  atribuir	
  aos	
  
 Animismo	
          “A	
  minha	
  boneca	
  está	
           objectos	
  Zsicos	
  e	
  aos	
  fenómenos	
  
                     doente”	
                                 naturais	
  qualidades	
  psicológicas	
  

                     Lobo	
  Mau,	
  Pai	
  Natal,	
            Tendência	
  para	
  atribuir	
  uma	
  
  Realismo	
         Fada	
  Madrinha	
  não	
  são	
           existência	
  Zsica	
  a	
  realidades	
  
                     ficções.	
                                          psicológicas	
  

                                                             Tendência	
  para	
  acreditar	
  que	
  os	
  
                    “Quem	
  pintou	
  o	
  Céu?”	
         objectos	
  Zsicos	
  e	
  acontecimentos	
  
Ar(ficialismo	
  
                                                               naturais	
  são	
  produzidos	
  por	
  
                   “As	
  nuvens	
                                          pessoas	
  
                   movimentam-­‐se	
  para	
  
                   tapar	
  o	
  Sol”	
                         Tendência	
  para	
  acreditar	
  que	
  nada	
  
  Finalismo	
      “As	
  estrelas	
  acendem-­‐se	
   acontece	
  por	
  acidente;	
  tudo	
  tem	
  
                   à	
  noite	
  para	
  o	
  Sol	
  dormir	
       uma	
  jus(ficação	
  finalista	
  
                   sem	
  medo	
  do	
  escuro	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  

                        No plano das relações interpessoais, o egocentrismo tem efeitos
                        curiosos.




Pensamento	
  egocêntrico:	
  
A	
  criança	
  é	
  incapaz	
  de	
  ver	
  e	
  compreender	
  as	
  
coisas	
  admi(ndo	
  que	
  são	
  possíveis	
  diferentes	
  
pontos	
  de	
  vista.	
  

Não	
  compreende	
  que	
  os	
  outros	
  tenham	
  
diferentes	
  ideias	
  e	
  sen(mentos	
  –	
  julga	
  que	
  o	
  seu	
  
ponto	
  de	
  vista	
  é	
  o	
  único	
  possível.	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  

A partir dos 4 anos, verifica-se uma redução do egocentrismo:
O pensamento é menos dominado pela imaginação e passa a ser
dominado pela percepção.
A centração continua a condicionar o funcionamento intelectual.
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  
Pensamento	
  Intui(vo	
  
                     Raciocínio	
  Pré-­‐Causal	
  



         Dificuldade	
  em	
  dis(nguir	
  uma	
  classe	
  de	
  
               objectos	
  de	
  um	
  só	
  objecto.	
  


     Irreversebilidade:	
  incapacidade	
  para	
  inverter	
  
     mentalmente	
  uma	
  sequêrncvia	
  de	
  factos	
  e	
  de	
  
     operações,	
  regressando	
  ao	
  ponto	
  de	
  par(da.	
  
Estádio	
  Pré-­‐Operatório	
  
                              “O	
  túmulo	
  é	
  a	
  causa	
  da	
  
 Raciocínio	
  Pré-­‐         morte	
  porque	
  as	
                   Dificuldade	
  de	
  entendimento	
  das	
  
     Causal	
                 pessoas	
  mortas	
  estão	
                    relações	
  causa-­‐efeito	
  
                              lá	
  enterradas”	
  

 Dis(nguir	
  classe	
        “O	
  elefante	
  que	
  estava	
    Confunde	
  o	
  todo	
  com	
  uma	
  das	
  
 de	
  objectos	
  de	
       no	
  Jardim	
  Zoológico	
  é	
   suas	
  partes.	
  Prevalece	
  o	
  raciocínio	
  
um	
  único	
  objecto	
      o	
  mesmo	
  que	
  está	
  no	
                transdu(vo	
  
                              circo”.	
  
                                                                  Dificuldade	
  em	
  compreender	
  
                             Experiências	
                       conceitos	
  de	
  conservação	
  da	
  
Irreversibilidade	
  
                                                                  quan(dade,	
  do	
  volume	
  ou	
  do	
  
                                                                  número.	
  
Conservação	
  
da	
  Quan(dade	
  

                      Inteligência	
  Pré-­‐Operatória	
  
Conservação	
  
do	
  Número	
  

                   Inteligência	
  Pré-­‐Operatória	
  
Conservação	
  
do	
  Volume	
  

                   Inteligência	
  Pré-­‐Operatória	
  
Inteligência	
  Pré-­‐	
  Operatória	
  
                                Caracterís(ca	
  própria	
  de	
  um	
  
                        pensamento	
  que,	
  baseado	
  na	
  intuição	
  
  Ausência	
  de	
  
                        e	
  não	
  na	
  lógica,	
  não	
  compreende	
  que	
  
  Conservação	
  
                               há	
  permanência	
  na	
  mudança,	
  
                          confundindo	
  aparência	
  e	
  realidade	
  



                         Caracterís(ca	
  do	
  pensamento	
  pré-­‐
                         operatório	
  que,	
  decorrendo	
  do	
  seu	
  
                        egocentrismo,	
  não	
  consegue	
  retornar	
  
Irreversibilidade	
  
                          ao	
  ponto	
  de	
  par(da	
  e	
  coordenar	
  
                        mentalmente	
  o	
  estado	
  final	
  e	
  o	
  estado	
  
                                 inicial	
  de	
  um	
  processo.	
  
A	
  con(nuar....	
  

Próximos	
  Capítulos:	
  
1.  Estádio	
  das	
  Operações	
  Concretas	
  
2.  Estádio	
  das	
  Operações	
  Formais	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Piaget e Interacionismo
Piaget e InteracionismoPiaget e Interacionismo
Piaget e InteracionismoJorge Barbosa
 
Piaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoPiaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoJorge Barbosa
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemMarcelo Assis
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piagetpibidsociais
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoThiago de Almeida
 
Wallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidade
Wallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidadeWallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidade
Wallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidaderikardofs
 
Período Sensório-Motor
 Período Sensório-Motor Período Sensório-Motor
Período Sensório-MotorIara Benvindo
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - PiagetElisms88
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Joelson Honoratto
 
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagemTeorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagemLucas Vinícius
 
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistóricaVygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistóricaThiago de Almeida
 

Mais procurados (20)

Piaget e Interacionismo
Piaget e InteracionismoPiaget e Interacionismo
Piaget e Interacionismo
 
Piaget Interaccionismo
Piaget InteraccionismoPiaget Interaccionismo
Piaget Interaccionismo
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piaget
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Wallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidade
Wallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidadeWallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidade
Wallon - Desenvolvimento motor e psicomotricidade
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
Período Sensório-Motor
 Período Sensório-Motor Período Sensório-Motor
Período Sensório-Motor
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Jean Piaget
 
Piaget completo
Piaget completoPiaget completo
Piaget completo
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
O estádio pré operatório
O estádio pré  operatórioO estádio pré  operatório
O estádio pré operatório
 
Cognição
CogniçãoCognição
Cognição
 
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagemTeorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
 
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistóricaVygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistórica
 
O estádio das operações concretas
O estádio das operações concretasO estádio das operações concretas
O estádio das operações concretas
 

Destaque

Fase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimentoFase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimentoGil Pereira
 
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anosDesenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anosMarco Leão
 
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2Jorge Barbosa
 
Desenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescência
Desenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescênciaDesenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescência
Desenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescênciaminhaalianca
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonmarco14cdc
 
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteEpistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteAnaí Peña
 
Epistemología genética de jean piaget
Epistemología  genética de jean piagetEpistemología  genética de jean piaget
Epistemología genética de jean piagetYaqueline Martinez
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCamila Oliveira
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaPsicologia_2015
 

Destaque (20)

Slides a teoria de jean piaget 2011
Slides   a teoria de jean piaget 2011Slides   a teoria de jean piaget 2011
Slides a teoria de jean piaget 2011
 
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivoPiaget e o desenvolvimento cognitivo
Piaget e o desenvolvimento cognitivo
 
Fase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimentoFase do desenvolvimento
Fase do desenvolvimento
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anosDesenvolvimento Da Criança 6-12 anos
Desenvolvimento Da Criança 6-12 anos
 
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 2
 
Jean piaget PPT
Jean piaget PPTJean piaget PPT
Jean piaget PPT
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Desenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescência
Desenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescênciaDesenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescência
Desenvolvimento cognitivo e aprendizagem na adolescência
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de erikson
 
Chegou a adolescência
Chegou a adolescênciaChegou a adolescência
Chegou a adolescência
 
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parteEpistemologia genética de jean piaget primeira parte
Epistemologia genética de jean piaget primeira parte
 
Epistemología genética de jean piaget
Epistemología  genética de jean piagetEpistemología  genética de jean piaget
Epistemología genética de jean piaget
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
 
Teoria da acomodação
Teoria da acomodaçãoTeoria da acomodação
Teoria da acomodação
 

Semelhante a Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1

Apresentação da Teoria de Piaget - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...
Apresentação  da Teoria de Piaget  - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...Apresentação  da Teoria de Piaget  - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...
Apresentação da Teoria de Piaget - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...delicia2
 
O que é um esquema.docx
O que é um esquema.docxO que é um esquema.docx
O que é um esquema.docxDiego Lino
 
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroeKualo Kala
 
Restinga Sêca - Lirane Nunes de Oliveira
Restinga Sêca - Lirane Nunes de OliveiraRestinga Sêca - Lirane Nunes de Oliveira
Restinga Sêca - Lirane Nunes de OliveiraCursoTICs
 
Teorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalhoTeorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalhoRoseli2012
 
A abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo piaget
A abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo   piagetA abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo   piaget
A abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo piagetGLEYDSON ROCHA
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoBruno Gurué
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piagetangelafreire
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piagetangelafreire
 
Slide sobre piaget disponibilizado no site da USP
Slide sobre piaget disponibilizado no site da USPSlide sobre piaget disponibilizado no site da USP
Slide sobre piaget disponibilizado no site da USPGeffersonBarbosa
 
Desenvolvimento e aprendizagem2015
Desenvolvimento e aprendizagem2015Desenvolvimento e aprendizagem2015
Desenvolvimento e aprendizagem2015Ivanilda Nascimento
 
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...vinicius_lyma
 
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppt
Aula 4  APRENDER  2019 T1.pptAula 4  APRENDER  2019 T1.ppt
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppttamyris24
 
Psicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagemPsicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagemFabiano
 
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010Caio Grimberg
 

Semelhante a Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1 (20)

Apresentação da Teoria de Piaget - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...
Apresentação  da Teoria de Piaget  - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...Apresentação  da Teoria de Piaget  - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...
Apresentação da Teoria de Piaget - Os Períodos de Desenvolvimento da crianç...
 
O que é um esquema.docx
O que é um esquema.docxO que é um esquema.docx
O que é um esquema.docx
 
Apresentacao piaget-e-vyg
Apresentacao piaget-e-vygApresentacao piaget-e-vyg
Apresentacao piaget-e-vyg
 
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
 
Restinga Sêca - Lirane Nunes de Oliveira
Restinga Sêca - Lirane Nunes de OliveiraRestinga Sêca - Lirane Nunes de Oliveira
Restinga Sêca - Lirane Nunes de Oliveira
 
Teorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalhoTeorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalho
 
A abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo piaget
A abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo   piagetA abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo   piaget
A abordagem cognitivista e o enfoque do construtivismo piaget
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
 
PIAGET_2020.ppt
PIAGET_2020.pptPIAGET_2020.ppt
PIAGET_2020.ppt
 
Slide sobre piaget disponibilizado no site da USP
Slide sobre piaget disponibilizado no site da USPSlide sobre piaget disponibilizado no site da USP
Slide sobre piaget disponibilizado no site da USP
 
Apresentacao piajet
Apresentacao piajetApresentacao piajet
Apresentacao piajet
 
Desenvolvimento e aprendizagem2015
Desenvolvimento e aprendizagem2015Desenvolvimento e aprendizagem2015
Desenvolvimento e aprendizagem2015
 
Modalidade de aprendizagem
Modalidade de aprendizagemModalidade de aprendizagem
Modalidade de aprendizagem
 
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...
Simulado concurso professor de educacao fisica questoes concurso pedagogia si...
 
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppt
Aula 4  APRENDER  2019 T1.pptAula 4  APRENDER  2019 T1.ppt
Aula 4 APRENDER 2019 T1.ppt
 
Psicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagemPsicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagem
 
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
Desenvolvimento cognitivo e neuropsicomotor 08 2010
 
Life span piaget
Life span piagetLife span piaget
Life span piaget
 

Mais de Jorge Barbosa

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaJorge Barbosa
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoJorge Barbosa
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Jorge Barbosa
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaJorge Barbosa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Jorge Barbosa
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialJorge Barbosa
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaJorge Barbosa
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosJorge Barbosa
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...Jorge Barbosa
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Jorge Barbosa
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estadoJorge Barbosa
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantianaJorge Barbosa
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesJorge Barbosa
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteJorge Barbosa
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECJorge Barbosa
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a EspinosaJorge Barbosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteJorge Barbosa
 

Mais de Jorge Barbosa (20)

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 

Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1

  • 1. PSICOLOGIA Jean Piaget Nascemos programados para aprender na interacção com o meio. Jorge Barbosa, 2010
  • 2. Constru(vismo   O Comportamento e o desenvolvimento da inteligência resultam de uma construção progressiva do sujeito em interacção com o meio físico e social.
  • 3. Constru(vismo   O Conhecimento é um processo de adaptação ao meio. Não  somos  simples   produtos  do  meio.   Temos  um  papel  ac(vo:   • Na  construção  dos   esquemas  ou  estruturas   que  nos  permitem   conhecer  e  interpretar  a   realidade   O  indivíduo,  através  das  suas  acções  sobre   o  meio,  tem  um  papel  na  construção  do   conhecimento  e  da  sua  personalidade.  
  • 4. Constru(vismo   O Comportamento (R) é uma resposta que varia em função da interacção entre a personalidade do sujeito (P) e a situação (S). Para  compreendermos  o   comportamento  de  um  individuo,  em   determinado  caso,  temos  de   considerar  dois  factores:   1.  A  influência  da  personalidade  na   situação;   R  =  f  (S                    P)   2.  A  influência  das  situações   anteriormente  vividas  por  alguém   na  formação  da  sua  personalidade  
  • 5. Desenvolvimento  Cogni(vo   Construção Activa do Sujeito Processo Mudanças Descontínuo Qualitativas
  • 6. Três  Princípios  em  que  se  baseia  a   Teoria  do  Desenvolvimento  Cogni(vo   A  criança  não  é  um  adulto  em  miniatura,  dotado  do   Mudanças   mesmo  equipamento  básico.  Para  Piaget,  há  uma   Qualita(vas   diferença  qualita(va  entre  o  adulto  e  a  criança,   quanto  ao  modo  de  funcionamento  intelectual   Para  além    de  alguns  esquemas  reflexos  simples,  só   Construção  Ac(va   a  necessidade  de  conhecer  (adaptação  ao  meio)  é   do  Sujeito   inata  no  ser  humano.  Desenvolvimento  cogni(vo  é   a  construção  ac(va  de  estruturas  que  possibilitem   essa  adaptação   O  Desenvolvimento  processa-­‐se  ao  longo  de   Descon(nuidade   momentos  dis(ntos  (estádios),  qualita(vamente   diferenciados.  
  • 7. Estádios  de  Desenvolvimento   Fase do desenvolvimento que se distingue qualitativamente de fases anteriores e posteriores. A sucessão de estádios obedece a uma sequência uniforme (não se aprende a ler antes de aprender a falar). Corresponde  ao   surgimento  de  novos   padrões  comportamentais.   Cada  estádio  integra  as  aquisições  do   estádio  anterior.  
  • 8. Factores  do  Desenvolvimento   Hereditariedade  e   Maturação  Física   Piaget  refere-­‐se  a  mudanças  biologicamente   determinadas  no  desenvolvimento  Zsico  e   neurológico  que  ocorrem  de  forma  rela(vamente   independente  em  relação  às  experiências  
  • 9. Factores  do  Desenvolvimento   Experiência   Experiência  para  Piaget  significa  a  ac(vidade  (Zsica  e   mental)    do  sujeito  sobre  os  objectos  que  permite   dis(ngui-­‐los  e  organizá-­‐los.  Através  dessa  ac(vidade,   formam-­‐se  as  estruturas  ou  esquemas  que   possibilitam  a  acção  e  a  compreensão  da  realidade.  
  • 10. Factores  do  Desenvolvimento   Transmissão  Social   Piaget  refere-­‐se  ao  processo  através  do  qual  somos   influenciados,  não  pela  nossa  ac(vidade  própria,  mas   pelo  contexto  social,  pela  observação  dos  outros  e   pela  educação.  
  • 11. Factores  do  Desenvolvimento   Equilibração   Cada  novo  estádio  define-­‐se  pelo  surgimento  de   novos  esquemas  e  estruturas  mais  complexos.  A   equilibração  (verdadeirto  motor  do  desenvolvimento)   assegura  formas  de  equilíbrio  instável,  cada  vez  mais   estáveis,  na  adaptação  ao  meio.  
  • 12. Desenvolvimento  Cogni(vo   Para Piaget, o desenvolvimento cognitivo implica que a actividade do sujeito na interacção com o meio responda aos desequilíbrios cognitivos, procurando atingir um estado de equilíbrio entre a assimilação e a acomodação. Para  Piaget,  a  necessidade  de  conhecer   é  um  impulso  inato,  uma  manifestação   par(cular  da  necessidade  de   sobrevivência.  
  • 13. Esquemas   Padrões de acção e categorias ou estruturas mentais que organizam a interacção do sujeito com o meio. A adaptação envolve a construção de esquemas através da interacção com o meio, graças a duas actividades complementares: a assimilação e a acomodação. Durante  os  primeiros  meses  de  vida,  os   esquemas  baseiam-­‐se  em  acções.   Os  objectos  são  agrupados  conforme  as   acções  que  as  crianças  realizam.   Assim,  chupando  e  agarrando,  as   crianças  criam  categorias  de  objectos   que  podem  ser  chupados  e  agarrados.  
  • 14. Esquemas   A construção de esquemas com categorias de objectos que podem ser chupados e agarrados é a forma de as crianças “marcarem mentalmente os objectos com os quais se relacionaram”. O  Bebé  pode  ter  um  esquema  de   sucção  na  maior  parte  dos  casos   aplicado  a  mamilos.   O  Esquema  “agarrar  e  abanar”  é   aplicado  à  manipulação  de  rocas.   O  Esquema  “sorriso”  é  aplicável  a   rostos  humanos.  Etc.  
  • 15. Esquemas   A partir de um certo momento, os esquemas constituem-se baseando-se mais em relações funcionais e conceptuais do que em acções. As  crianças  em  idade  pré-­‐escolar   aprendem  que  garfos,  facas  e  colheres   formam  um  esquema  ou  categoria   funcional  denominado  “coisas  que  uso   para  comer”.   Aprendem  também  que  cães  e  gatos   cons(tuem  uma  categoria  mental  ou   esquema  denominado  “animais   domés(cos”.  
  • 16. Esquemas   Tal como as crianças em idade pré-escolar, as crianças mais velhas e adolescentes usam esquemas baseados em relações funcionais e conceptuais. Os adolescentes começam a ser capazes também de construir esquemas baseados em propriedades abstractas. Um  adolescente  poderá  construir  um   esquema  ou  categoria  mental   “ideologias  que  desprezo”,  nelas   integrando  o  fascismo,  o  nazismo,  o   racismo  e  o  sexismo,  por  exemplo.  
  • 17. Mecanismos  de  Adaptação  ao  Meio   Acomodação   Adaptação   Equilibração   Assimilação  
  • 18. Mecanismos  de  Adaptação  ao  Meio   Processo adaptativo que consiste em incorporar novas informações nos esquemas já existentes. Por  exemplo,  os  bebés  usam  o   esquema  de  sucção  não  só   A  assimilação  verifica-­‐se  quando   para  se  alimentarem,  mas   usamos  esquemas  existentes  para  dar   também  para  chuchar  no  dedo   sen(do  aos  novos  acontecimentos  ou   experiências.   Através  da  assimilação,    respondemos  a   uma  nova  situação  de  modo   semelhante  ao  que  adoptámos  numa   situação  familiar,  sem  necessidade  de   modificar  os  esquemas  existentes.  
  • 19. Mecanismos  de  Adaptação  ao  Meio   Processo adaptativo que consiste em ajustar os esquemas existentes a novas informações e experiências, ajustando-os. Os  pais  sabem  que  as  primeiras   Se  os  dados  não  podem  ser   vezes  que  se  dá  de  comer  a  uma   incorporados  nos  esquemas  existentes,   criança  com  uma  colher  são  uma   é  necessário  o  desenvolvimento  de   experiência  desconcertante  para   esquemas  ou  estruturas  mais   ela:   apropriados.   1.  Primeiro  começa  por  usar  o   esquema  de  sucção  (que  não   Por  exemplo,  a  criança  que  aprendeu  a   funciona  bem)   agarrar  objectos  pequenos  com  uma   2.  Mais  tarde  a  criança  aprende  a   mão,  apercebe-­‐se  que  outros  objectos   adaptar  a  boca  e  a  língua  ao   só  podem  ser  levantados  com  duas   novo  meio  de  alimentação   mãos.  
  • 20. Mecanismos  de  Adaptação  ao  Meio   Processo adaptativo que consiste em procurar estabelecer um equilíbrio entre assimilação e acomodação. A  equilibração  é  o  verdadeiro  motor  do   desenvolvimento.   Promove  a  alternância  entre   assimilação  e  acomodação  e  o   equilíbrio  entre  as  duas.   É  a  equilibração  que  nos  conduz  a   patamares  superiores  de  equilíbrio.   Nunca  existe  um  total  equilíbrio  entre   assimilação  e  acomodação.  
  • 22. Estádio  da  Inteligência  Sensório-­‐ 0  a  2  anos   Motora   Estádio  da  Inteligência  Pré-­‐ 2  a  7  anos   Operatória   7  a  11   Estádio  das  Operações  Concretas     anos   Estádio  das  Operações  Formais  ou   Dos  11   Abstractas       anos  em   diante  
  • 23. Estádio  Sensório-­‐Motor   Estádio em que a inteligência se adapta ao meio essencialmente através de esquemas sensório-motores (actividade perceptiva e actos motores). Inicia-­‐se  com  esquemas  de  acção  reflexa,  tais   como  agarrar  e  chuchar.   Progressivamente,  numa  coordenação  motora   cada  vez  maior  e  alimentada  pela  curiosidade   (desequilíbrio  cogni(vo)  a  criança  vai   desenvolvendo  formas  de  comportamento  mais   complexas.  
  • 24. Estádio  Sensório-­‐Motor   8  aos  12   Através  de  uma  assimilação   meses   generalizada,  um  comportamento   aprendido  numa  determinada   circunstância  é  u(lizado  numa  nova   situação  diferente,  mas   suficientemente  parecida  para  que  o   comportamento  aprendido  seja   apropriado  aos  interesses  da  criança  
  • 25. Estádio  Sensório-­‐Motor   8  aos  12   1.  Abrir  a  boca  é  um  meio  para  obter   meses   comida.   2.  Chorar  é  um  meio  para  obter  atenção.   3.  Se  puxar  uma  toalha  foi  um  bom  meio   para  alcançar  um  brinquedo,  a  criança   vai  puxar  a  toalha  para  alcançar  um   pedaço  de  pão  ( juntamente  com   pratos,  copos  e  talheres).  
  • 26. Estádio  Sensório-­‐Motor   A  criança  poderá  querer  verificar,  por   exemplo,  que  (po  de  sons  resultam  do   12  aos   facto  de:   18  meses   1.  Agitar  um  objecto;   2.  Deixar  cair  um  objecto;   3.  Bater  num  outro  objecto.   Embora  a  criança  ainda  não  seja  capaz  de   antecipar  os  resultado  de  uma  acção   (daí,  a  necessidade  de  experimentar)   começa  a  desenvolver  uma  crescente   ap(dão  para  representar  objectos  e   situações.    
  • 27. Estádio  Sensório-­‐Motor   A  par(r   dos  8   meses   Até  ao  8  meses,  a  criança   O  Desenvolvimento  completo   não  tem  noção  de  que  um   da  noção  de  permanência  do   objecto  con(nue  a  exis(r   objecto  marca  o  fim  do   independentemente  da  sua   estádio  sensório-­‐motor   acção  ou  percepção.  
  • 28. Estádio  Sensório-­‐Motor   Antes  dos  8  meses,  quando  um  brinquedo   desaparece  do  campo  de  visão  da  criança,  é   como  se  (vesse  deixado  de  exis(r   Antes  dos  8  meses,  quando  o  brinquedo   reaparece,  é  como  se  (vesse  sido  recriado.    
  • 29. Estádio  Sensório-­‐Motor   A  crença  na  existência  independente  e   A  par(r   estável  de  um  mundo  de  objectos  e  pessoas   dos  8   é  lentamente  construída  a  par(r  dos  8   meses   meses   Por  volta  dos  18  meses,  estará  plenamente   adquirida  a  convicção  de  que  fora  do   alcance  da  percepção  não  significa  fora  da   existência  nem  fora  do  pensamento.  
  • 30. Estádio  Sensório-­‐Motor   Por  volta   As  crianças  lembram-­‐se,  por  exemplo,  de   dos  18   que  deixaram  um  brinquedo  no  carro  do   meses   pai.   São  capazes  de  antecipar  mentalmente  os   resultados  de  uma  acção  sem  recorrer  à   experimentação  ou  manipulação  material   dos  objectos.  
  • 31. Estádio  Sensório-­‐Motor   Por  volta   Capacidade  de   dos  18   Representação  Simbólica   meses   Pensar  em  objectos  que  estão   fora  do  campo  percep(vo   Falar  de  objectos  que  estão   fora  do  campo  percep(vo  
  • 32. Estádio  Sensório-­‐Motor   A grande aquisição do estádio sensório-motor é o conceito de objecto permanente ou de permanência do objecto. Esta aquisição significa a emergência da capacidade de representação simbólica. A  par(r  do  desenvolvimento  da  noção  de   permanência  do  objecto,  a  criança  vai  passar  para   um  novo  patamar:   A  inteligência  prá(ca  do  estádio  sensório-­‐motor   vai  enriquecer-­‐se  com  a  interiorização  simbólica   das  acções,  isto  é,  a  capacidade  de  resolver   mentalmente  problemas  e  de  usar  a  linguagem   (inteligência  representa(va).  
  • 34. Caracterís(cas  Gerais  do   Pensamento  Pré-­‐Operatório   A  criança  é  incapaz  de  compreender   Pensamento   que  há  várias  perspec(vas  acerca  da   egocêntrico   realidade  e  dos  objectos,  considerando   somente  o  seu  ponto  de  vista.   O  Sujeito  concentra-­‐se  num  aspecto  de   um  problema  ou  de  uma  situação,   ignorando  outros  aspectos  igualmente   relevantes.  
  • 35. Estádio  Pré-­‐ Operatório   Fase  do  Pensamento  pré-­‐conceptual,   centrada  na  imaginação  e  por  ela   dominada  (2  –  4  anos)   Fase  do  Pensamento  Intui(vo,  centrado   na  percepção  dos  dados  sensoriais  e  a   ela  subme(da  (4  –  7  anos)  
  • 36. Estádio  Pré-­‐Operatório   O Pensamento é dominado pela imaginação, isto é, a relação da criança com a realidade centra-se na sua imaginação. O pensamento pré-conceptual vive de imagens e não de conceitos. É um pensamento mágico, que transforma o imaginário em realidade. Através  do  jogo  simbólico,  a  realidade  perde  a   sua  densidade  objec(va.   O  Pensamento  mágico  transforma  os  objectos  em   realidades  imaginadas  de  acordo  com  o  desejo  da   criança.  
  • 37. Estádio  Pré-­‐Operatório   O pensamento é dominado pela imaginação, isto é, a relação da criança com a realidade centra-se na sua imaginação. O  pensamento  egocêntrico  é  uma  forma   de  funcionamento  mental,  e  não  uma   caracterís(ca  de  personalidade  (não  é   Pensamento  egocêntrico:   sinónimo  de  egoísmo).   A  criança,  por  exemplo,  faz  sinal  de  sim  com  a   É  um  Comportamento  CogniBvo   cabeça  para  confirmar  que  foi  passear,  apesar  de   estar  ao  telefone  com  a  avó.     Não  fala,  porque,  do  seu  ponto  de  vista,  a   resposta  que  dá,  movendo  a  cabeça,  é   suficientemente  clara.  
  • 38. Estádio  Pré-­‐Operatório   •  Animismo   •  Realismo   Pensamento   Pensamento   Pré-­‐ Pré-­‐ Coceptual   Conceptual   Pensamento   Pensamento   Pré-­‐ Pré-­‐ Conceptual   Conceptual   •  Finalismo   •  Ar(ficialismo  
  • 39. Estádio  Pré-­‐Operatório   “O  Sol  está  a  deitar-­‐se   porque  está  com  sono”   Tendência  para  atribuir  aos   Animismo   “A  minha  boneca  está   objectos  Zsicos  e  aos  fenómenos   doente”   naturais  qualidades  psicológicas   Lobo  Mau,  Pai  Natal,   Tendência  para  atribuir  uma   Realismo   Fada  Madrinha  não  são   existência  Zsica  a  realidades   ficções.   psicológicas   Tendência  para  acreditar  que  os   “Quem  pintou  o  Céu?”   objectos  Zsicos  e  acontecimentos   Ar(ficialismo   naturais  são  produzidos  por   “As  nuvens   pessoas   movimentam-­‐se  para   tapar  o  Sol”   Tendência  para  acreditar  que  nada   Finalismo   “As  estrelas  acendem-­‐se   acontece  por  acidente;  tudo  tem   à  noite  para  o  Sol  dormir   uma  jus(ficação  finalista   sem  medo  do  escuro  
  • 40. Estádio  Pré-­‐Operatório   No plano das relações interpessoais, o egocentrismo tem efeitos curiosos. Pensamento  egocêntrico:   A  criança  é  incapaz  de  ver  e  compreender  as   coisas  admi(ndo  que  são  possíveis  diferentes   pontos  de  vista.   Não  compreende  que  os  outros  tenham   diferentes  ideias  e  sen(mentos  –  julga  que  o  seu   ponto  de  vista  é  o  único  possível.  
  • 41. Estádio  Pré-­‐Operatório   A partir dos 4 anos, verifica-se uma redução do egocentrismo: O pensamento é menos dominado pela imaginação e passa a ser dominado pela percepção. A centração continua a condicionar o funcionamento intelectual.
  • 42. Estádio  Pré-­‐Operatório   Pensamento  Intui(vo   Raciocínio  Pré-­‐Causal   Dificuldade  em  dis(nguir  uma  classe  de   objectos  de  um  só  objecto.   Irreversebilidade:  incapacidade  para  inverter   mentalmente  uma  sequêrncvia  de  factos  e  de   operações,  regressando  ao  ponto  de  par(da.  
  • 43. Estádio  Pré-­‐Operatório   “O  túmulo  é  a  causa  da   Raciocínio  Pré-­‐ morte  porque  as   Dificuldade  de  entendimento  das   Causal   pessoas  mortas  estão   relações  causa-­‐efeito   lá  enterradas”   Dis(nguir  classe   “O  elefante  que  estava   Confunde  o  todo  com  uma  das   de  objectos  de   no  Jardim  Zoológico  é   suas  partes.  Prevalece  o  raciocínio   um  único  objecto   o  mesmo  que  está  no   transdu(vo   circo”.   Dificuldade  em  compreender   Experiências   conceitos  de  conservação  da   Irreversibilidade   quan(dade,  do  volume  ou  do   número.  
  • 44. Conservação   da  Quan(dade   Inteligência  Pré-­‐Operatória  
  • 45. Conservação   do  Número   Inteligência  Pré-­‐Operatória  
  • 46. Conservação   do  Volume   Inteligência  Pré-­‐Operatória  
  • 47. Inteligência  Pré-­‐  Operatória   Caracterís(ca  própria  de  um   pensamento  que,  baseado  na  intuição   Ausência  de   e  não  na  lógica,  não  compreende  que   Conservação   há  permanência  na  mudança,   confundindo  aparência  e  realidade   Caracterís(ca  do  pensamento  pré-­‐ operatório  que,  decorrendo  do  seu   egocentrismo,  não  consegue  retornar   Irreversibilidade   ao  ponto  de  par(da  e  coordenar   mentalmente  o  estado  final  e  o  estado   inicial  de  um  processo.  
  • 48. A  con(nuar....   Próximos  Capítulos:   1.  Estádio  das  Operações  Concretas   2.  Estádio  das  Operações  Formais