SlideShare uma empresa Scribd logo
TEMA 6
CONCEÇÕES DE SER HUMANO
CAPÍTULO 4
PIAGET E O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
PSICOLOGIA B
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
Estádio do desenvolvimento cognitivo
caracterizado pelo crescente uso do
pensamento simbólico e da linguagem mas
ainda de forma pré-lógica.
A criança não se limita a agir sobre os objectos
(como antes) mas representa-os, isto é,
substitui-os por símbolos que valem por esses
objectos e assim pode pensar sobre eles,
desenhá-los, etc. Da inteligência prática
passamos à inteligência representativa ou
pensamento.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
A característica geral do pensamento pré-operatório e a
razão de ser das suas limitações : a centração ou
egocentrismo (centração em si mesmo).
A centração ou egocentrismo pode ser entendida de dois
modos:
a) o sujeito é incapaz de compreender que há várias
perspectivas acerca da realidade e dos objectos
considerando somente o seu ponto de vista.
b) o sujeito concentra-se em um aspecto de um
problema ou de uma situação ignorando outros
aspectos igualmente relevantes.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
Piaget considera que o estádio pré-operatório
é constituído por 2 períodos distintos:
1 – A fase do pensamento pré-conceptual ou
mágico, centrado na imaginação e por ela
dominado (dura dos 2 aos 4 anos).
2 – A fase do pensamento intuitivo, centrado
na percepção dos dados sensoriais e a ela
submetido (prolonga-se dos 4 aos 7 anos).
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
O pensamento pré-conceptual ou mágico
Vive de imagens e não de conceitos. É um
pensamento mágico, que transforma o
imaginário em realidade.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
EXEMPLOS DE PENSAMENTO MÁGICO
a) O animismo – tendência para atribuir aos objectos
físicos e aos fenómenos naturais qualidades
psicológicas (sentimentos, vontade, pensamentos e
emoções). O animismo exprime-se em frases como
“O Sol está a deitar-se porque está com sono” e “A
minha boneca está doente” e na ideia de que as
estrelas que se vêem no céu à noite iluminam-no
para o Sol dormir sem medo da escuridão.
b) O realismo – tendência para atribuir a realidades
psicológicas (desejos, medos, fantasias), uma
existência física. Assim, a fada madrinha, o Lobo
Mau e o Pai Natal não são ficções.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
EXEMPLOS DE PENSAMENTO MÁGICO
c) O artificialismo – tendência para acreditar que os objectos
físicos e acontecimentos naturais são produzidos por
pessoas: “O céu foi pintado por um grande artista.”
d) O finalismo – tendência para acreditar que nada acontece
por acidente e, sobretudo, que tudo tem uma justificação
finalista, isto é, existe em função do fim que cumpre.
Assim, as nuvens movimentam-se para encobrirem o Sol,
este existe para que não vivamos sempre de noite, as
educadoras do infantário estão lá de manhã, vivem lá,
esperando por mim todos os dias da semana. É típico da
criança nesta fase pensar que as pessoas e os objectos
existem em função de si.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
PENSAMENTO INTUITIVO
Tipo de pensamento centrado nos aspectos
particulares dos objectos, ainda incapaz de
generalização propriamente dita, pouco flexível
e contraditório. Não sendo já influenciada como
o era pelas suas fantasias, a criança é
excessivamente influenciada pela sua percepção
das propriedades dos objectos físicos e
confunde as aparências com a realidade.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
EXEMPLOS DE PENSAMENTO INTUITIVO
a) O raciocínio pré-causal – Traduz a dificuldade de
entendimento das relações causa-efeito. Por
exemplo, uma criança pode pensar que um túmulo
é a causa da morte porque as pessoas mortas estão
lá enterradas; outra poderá pensar que estando frio
em casa e havendo lá aranhas são estas a causa do
frio.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
EXEMPLOS DE PENSAMENTO INTUITIVO
b) Dificuldade em distinguir uma classe de objectos de um
único objecto. Confunde o todo com uma das suas
partes, o geral com o particular, identificando todos com
alguns. A criança baseia a maioria das suas inferências
num acontecimento particular ou num simples atributo
de um objecto. Assim, poderá concluir que por todos
terem volantes, camiões, autocarros e automóveis são
objectos idênticos. Dada a imprecisão da generalização,
o raciocínio não é indutivo mas transductivo, isto é, não
abandona o plano do particular, não atinge o conceito
geral (“meio de transporte rodoviário”).
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
c) A ausência da noção de conservação da quantidade.
Característica própria de um pensamento que, baseado na
intuição e não na lógica, não compreende que há
permanência na mudança, confundindo aparência e
realidade.
Imaginemos a seguinte situação: mostramos a uma
criança de 6 anos dois copos idênticos e com a mesma
quantidade de líquido, algo que a criança obviamente
sabe. Vertamos o líquido de um dos copos para um
terceiro copo diferente, alto e estreito.
Perguntemos à criança qual dos copos tem maior
quantidade de líquido. A resposta será: o copo alto e
estreito.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
1.A criança observa dois copos idênticos (com o mesmo diâmetro e a mesma altura)
que contêm igual quantidade de líquido. 2.Observa que o líquido de um dos copos
passa para um copo mais alto e menos largo. 3.Interrogada sobre qual dos copos
contém maior quantidade de líquido, a sua resposta será: “O copo mais alto!”.
Confundiu a aparência com a realidade.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
O que aconteceu?
A criança foi vítima das aparências, deixou-se iludir
Por que razão a criança errou ?
A criança centrou a sua atenção num aspecto do problema – a
altura do copo, ou seja, o nível da água – ignorando
completamente outros aspectos igualmente relevantes
( incapacidade de descentração).
Não se apercebeu de que uma alteração em dado aspecto pode
ser compensada por uma mudança quanto a outro aspecto.
O que realmente aconteceu no exemplo apresentado é que
uma alteração quanto à altura (aumenta) do recipiente foi
compensada por uma outra, a diminuição do diâmetro.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
A criança notaria que não houve aumento da quantidade de
líquido se fizesse regressar este ao recipiente original (um
dos copos baixos e largos), isto é, se invertesse a operação
efectuada.
Contudo, o seu pensamento é marcado pela irreversibilidade,
pela incapacidade de mentalmente inverter uma sequência
de factos ou de operações regressando ao ponto de partida.
O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO
A importância da aquisição da noção de conservação da
quantidade
A aquisição do conceito de conservação – a capacidade de
mentalmente representar a estabilidade no seio da
mudança – é o sinal de que a fase pré-operatória foi
ultrapassada.
Esta capacidade de mentalmente anular uma mudança
aparente significa que o pensamento se tornou reversível. A
reversibilidade é um esquema que permite compreender
que se A é maior que B então B é menor do que A. Tal
esquema, torna relativamente fácil a uma criança reverter
uma operação efectuada (7 + 2 = 9) retornando ao ponto
inicial (9 – 2 = 7).
Comparação entre os estádios
sensório motor e pré-operatório
INTELIGÊNCIA SENSÓRIO -
MOTORA
. A inteligência apoia-se em
percepções e actos
motores, desenvolve-se
através da acção.
( inteligência prática)
. Ausência de capacidade de
representação simbólica e
por isso de pensamento ou
de linguagem.
INTELIGÊNCIA PRÉ - OPERATÓRIA
.A inteligência apoia-se em
símbolos (a criança consegue
pensar num objecto, pessoa
ou situação, sem os ter
presentes – capacidade de
representação simbólica)
(inteligência simbólica ou
representativa)
. Com a linguagem surge o
pensamento.
. Ausência de pensamento
lógico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
Débora Rodrigues
 
Desenvolvimento piaget
Desenvolvimento   piagetDesenvolvimento   piaget
Desenvolvimento piaget
Lusiane Carvalho da Silva
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
Elisms88
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1
Nilson Dias Castelano
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
Monique Teixeira
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piaget
pibidsociais
 
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
Thiago de Almeida
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Estágio pré – operatório
Estágio pré – operatórioEstágio pré – operatório
Estágio pré – operatório
patty_lilikinha
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
Ulisses Vakirtzis
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
psicologiaazambuja
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
norberto faria
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
Jorge Barbosa
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
Luis Davi Salomao
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
LIMA, Alan Lucas de
 

Mais procurados (20)

Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
 
Desenvolvimento piaget
Desenvolvimento   piagetDesenvolvimento   piaget
Desenvolvimento piaget
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1
 
Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Apresentação jean piaget
Apresentação jean piagetApresentação jean piaget
Apresentação jean piaget
 
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Estágio pré – operatório
Estágio pré – operatórioEstágio pré – operatório
Estágio pré – operatório
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 

Semelhante a O estádio pré operatório

Piaget
PiagetPiaget
experic3aancias-de-piaget.pdf
experic3aancias-de-piaget.pdfexperic3aancias-de-piaget.pdf
experic3aancias-de-piaget.pdf
mylenatoschi1
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
Diana Mendes
 
Piaget Escola Construtivista X Escola Tradicional
Piaget Escola Construtivista X Escola TradicionalPiaget Escola Construtivista X Escola Tradicional
Piaget Escola Construtivista X Escola Tradicional
mariosouzza
 
O desenvolvimento cognitivo segundo piaget
O desenvolvimento cognitivo segundo piagetO desenvolvimento cognitivo segundo piaget
O desenvolvimento cognitivo segundo piaget
adrianamnf13
 
Piaget e a teoria psicogenética
Piaget e a teoria psicogenéticaPiaget e a teoria psicogenética
Piaget e a teoria psicogenética
Thiago de Almeida
 
Apresentacao piajet
Apresentacao piajetApresentacao piajet
Apresentacao piajet
Kamila Assink de Liz
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
Jorge Barbosa
 
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educaçãoPiaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Atividades para Educação Infantil
 
Paulo freire slide 4
Paulo freire   slide 4Paulo freire   slide 4
Paulo freire slide 4
semnazarenovirtual
 
09 aula5 5º construtivismo jean piaget
09 aula5 5º construtivismo  jean piaget09 aula5 5º construtivismo  jean piaget
09 aula5 5º construtivismo jean piaget
fsoliveira
 
Piaget completo
Piaget completoPiaget completo
Piaget completo
Camila Munari
 
''O desenvolvimento cognitivo a teoria de piaget e a visão de vygotsky''
''O desenvolvimento cognitivo  a teoria de piaget e a visão de vygotsky''''O desenvolvimento cognitivo  a teoria de piaget e a visão de vygotsky''
''O desenvolvimento cognitivo a teoria de piaget e a visão de vygotsky''
Francisco Nascimento
 
Modalidade de aprendizagem
Modalidade de aprendizagemModalidade de aprendizagem
Modalidade de aprendizagem
Psicopedagoga Valéria
 
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
Kualo Kala
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
Claudinéia da Silva de Oliveira
 
Teori piag
Teori piagTeori piag
Teori piag
Juliana Capanema
 
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdfWinnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
ElaineFerreiraZulian
 
Psicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagemPsicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagem
Fabiano
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
angelafreire
 

Semelhante a O estádio pré operatório (20)

Piaget
PiagetPiaget
Piaget
 
experic3aancias-de-piaget.pdf
experic3aancias-de-piaget.pdfexperic3aancias-de-piaget.pdf
experic3aancias-de-piaget.pdf
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Piaget Escola Construtivista X Escola Tradicional
Piaget Escola Construtivista X Escola TradicionalPiaget Escola Construtivista X Escola Tradicional
Piaget Escola Construtivista X Escola Tradicional
 
O desenvolvimento cognitivo segundo piaget
O desenvolvimento cognitivo segundo piagetO desenvolvimento cognitivo segundo piaget
O desenvolvimento cognitivo segundo piaget
 
Piaget e a teoria psicogenética
Piaget e a teoria psicogenéticaPiaget e a teoria psicogenética
Piaget e a teoria psicogenética
 
Apresentacao piajet
Apresentacao piajetApresentacao piajet
Apresentacao piajet
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educaçãoPiaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
 
Paulo freire slide 4
Paulo freire   slide 4Paulo freire   slide 4
Paulo freire slide 4
 
09 aula5 5º construtivismo jean piaget
09 aula5 5º construtivismo  jean piaget09 aula5 5º construtivismo  jean piaget
09 aula5 5º construtivismo jean piaget
 
Piaget completo
Piaget completoPiaget completo
Piaget completo
 
''O desenvolvimento cognitivo a teoria de piaget e a visão de vygotsky''
''O desenvolvimento cognitivo  a teoria de piaget e a visão de vygotsky''''O desenvolvimento cognitivo  a teoria de piaget e a visão de vygotsky''
''O desenvolvimento cognitivo a teoria de piaget e a visão de vygotsky''
 
Modalidade de aprendizagem
Modalidade de aprendizagemModalidade de aprendizagem
Modalidade de aprendizagem
 
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
26616 teoricos da_aprendizagem_nzroe
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
 
Teori piag
Teori piagTeori piag
Teori piag
 
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdfWinnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
 
Psicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagemPsicologia e aprendizagem
Psicologia e aprendizagem
 
Referencial -teorico_-_piaget
Referencial  -teorico_-_piagetReferencial  -teorico_-_piaget
Referencial -teorico_-_piaget
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Luis De Sousa Rodrigues
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 6
Freud 6Freud 6

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 

O estádio pré operatório

  • 1. TEMA 6 CONCEÇÕES DE SER HUMANO CAPÍTULO 4 PIAGET E O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO PSICOLOGIA B
  • 2. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO Estádio do desenvolvimento cognitivo caracterizado pelo crescente uso do pensamento simbólico e da linguagem mas ainda de forma pré-lógica. A criança não se limita a agir sobre os objectos (como antes) mas representa-os, isto é, substitui-os por símbolos que valem por esses objectos e assim pode pensar sobre eles, desenhá-los, etc. Da inteligência prática passamos à inteligência representativa ou pensamento.
  • 3. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO A característica geral do pensamento pré-operatório e a razão de ser das suas limitações : a centração ou egocentrismo (centração em si mesmo). A centração ou egocentrismo pode ser entendida de dois modos: a) o sujeito é incapaz de compreender que há várias perspectivas acerca da realidade e dos objectos considerando somente o seu ponto de vista. b) o sujeito concentra-se em um aspecto de um problema ou de uma situação ignorando outros aspectos igualmente relevantes.
  • 4. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO Piaget considera que o estádio pré-operatório é constituído por 2 períodos distintos: 1 – A fase do pensamento pré-conceptual ou mágico, centrado na imaginação e por ela dominado (dura dos 2 aos 4 anos). 2 – A fase do pensamento intuitivo, centrado na percepção dos dados sensoriais e a ela submetido (prolonga-se dos 4 aos 7 anos).
  • 5. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO O pensamento pré-conceptual ou mágico Vive de imagens e não de conceitos. É um pensamento mágico, que transforma o imaginário em realidade.
  • 6. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO EXEMPLOS DE PENSAMENTO MÁGICO a) O animismo – tendência para atribuir aos objectos físicos e aos fenómenos naturais qualidades psicológicas (sentimentos, vontade, pensamentos e emoções). O animismo exprime-se em frases como “O Sol está a deitar-se porque está com sono” e “A minha boneca está doente” e na ideia de que as estrelas que se vêem no céu à noite iluminam-no para o Sol dormir sem medo da escuridão. b) O realismo – tendência para atribuir a realidades psicológicas (desejos, medos, fantasias), uma existência física. Assim, a fada madrinha, o Lobo Mau e o Pai Natal não são ficções.
  • 7. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO EXEMPLOS DE PENSAMENTO MÁGICO c) O artificialismo – tendência para acreditar que os objectos físicos e acontecimentos naturais são produzidos por pessoas: “O céu foi pintado por um grande artista.” d) O finalismo – tendência para acreditar que nada acontece por acidente e, sobretudo, que tudo tem uma justificação finalista, isto é, existe em função do fim que cumpre. Assim, as nuvens movimentam-se para encobrirem o Sol, este existe para que não vivamos sempre de noite, as educadoras do infantário estão lá de manhã, vivem lá, esperando por mim todos os dias da semana. É típico da criança nesta fase pensar que as pessoas e os objectos existem em função de si.
  • 8. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO PENSAMENTO INTUITIVO Tipo de pensamento centrado nos aspectos particulares dos objectos, ainda incapaz de generalização propriamente dita, pouco flexível e contraditório. Não sendo já influenciada como o era pelas suas fantasias, a criança é excessivamente influenciada pela sua percepção das propriedades dos objectos físicos e confunde as aparências com a realidade.
  • 9. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO EXEMPLOS DE PENSAMENTO INTUITIVO a) O raciocínio pré-causal – Traduz a dificuldade de entendimento das relações causa-efeito. Por exemplo, uma criança pode pensar que um túmulo é a causa da morte porque as pessoas mortas estão lá enterradas; outra poderá pensar que estando frio em casa e havendo lá aranhas são estas a causa do frio.
  • 10. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO EXEMPLOS DE PENSAMENTO INTUITIVO b) Dificuldade em distinguir uma classe de objectos de um único objecto. Confunde o todo com uma das suas partes, o geral com o particular, identificando todos com alguns. A criança baseia a maioria das suas inferências num acontecimento particular ou num simples atributo de um objecto. Assim, poderá concluir que por todos terem volantes, camiões, autocarros e automóveis são objectos idênticos. Dada a imprecisão da generalização, o raciocínio não é indutivo mas transductivo, isto é, não abandona o plano do particular, não atinge o conceito geral (“meio de transporte rodoviário”).
  • 11. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO c) A ausência da noção de conservação da quantidade. Característica própria de um pensamento que, baseado na intuição e não na lógica, não compreende que há permanência na mudança, confundindo aparência e realidade. Imaginemos a seguinte situação: mostramos a uma criança de 6 anos dois copos idênticos e com a mesma quantidade de líquido, algo que a criança obviamente sabe. Vertamos o líquido de um dos copos para um terceiro copo diferente, alto e estreito. Perguntemos à criança qual dos copos tem maior quantidade de líquido. A resposta será: o copo alto e estreito.
  • 12. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO 1.A criança observa dois copos idênticos (com o mesmo diâmetro e a mesma altura) que contêm igual quantidade de líquido. 2.Observa que o líquido de um dos copos passa para um copo mais alto e menos largo. 3.Interrogada sobre qual dos copos contém maior quantidade de líquido, a sua resposta será: “O copo mais alto!”. Confundiu a aparência com a realidade.
  • 13. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO O que aconteceu? A criança foi vítima das aparências, deixou-se iludir Por que razão a criança errou ? A criança centrou a sua atenção num aspecto do problema – a altura do copo, ou seja, o nível da água – ignorando completamente outros aspectos igualmente relevantes ( incapacidade de descentração). Não se apercebeu de que uma alteração em dado aspecto pode ser compensada por uma mudança quanto a outro aspecto. O que realmente aconteceu no exemplo apresentado é que uma alteração quanto à altura (aumenta) do recipiente foi compensada por uma outra, a diminuição do diâmetro.
  • 14. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO A criança notaria que não houve aumento da quantidade de líquido se fizesse regressar este ao recipiente original (um dos copos baixos e largos), isto é, se invertesse a operação efectuada. Contudo, o seu pensamento é marcado pela irreversibilidade, pela incapacidade de mentalmente inverter uma sequência de factos ou de operações regressando ao ponto de partida.
  • 15. O ESTÁDIO PRÉ - OPERATÓRIO A importância da aquisição da noção de conservação da quantidade A aquisição do conceito de conservação – a capacidade de mentalmente representar a estabilidade no seio da mudança – é o sinal de que a fase pré-operatória foi ultrapassada. Esta capacidade de mentalmente anular uma mudança aparente significa que o pensamento se tornou reversível. A reversibilidade é um esquema que permite compreender que se A é maior que B então B é menor do que A. Tal esquema, torna relativamente fácil a uma criança reverter uma operação efectuada (7 + 2 = 9) retornando ao ponto inicial (9 – 2 = 7).
  • 16. Comparação entre os estádios sensório motor e pré-operatório INTELIGÊNCIA SENSÓRIO - MOTORA . A inteligência apoia-se em percepções e actos motores, desenvolve-se através da acção. ( inteligência prática) . Ausência de capacidade de representação simbólica e por isso de pensamento ou de linguagem. INTELIGÊNCIA PRÉ - OPERATÓRIA .A inteligência apoia-se em símbolos (a criança consegue pensar num objecto, pessoa ou situação, sem os ter presentes – capacidade de representação simbólica) (inteligência simbólica ou representativa) . Com a linguagem surge o pensamento. . Ausência de pensamento lógico.