SlideShare uma empresa Scribd logo
Fundamentos teóricos da Didática:
diferentes abordagens
Juliana Zantut Nutti
• A área de Didática, no Brasil, constitui um campo de
conhecimentos sobre o ensino.
• O objeto de estudo da Didática é o processo de ensino -
aprendizagem. Assim, toda proposta didática está impregnada,
implícita ou explicitamente, de uma concepção acerca do processo
de ensino - aprendizagem.
• Didática tradicional
• Do séc. 17, com a Didática Magna de Comênio, até o princípio do
século 19, as preocupações principais da área da Didática eram as
finalidades da educação, do ensino e os conteúdos culturais a serem
dominados pelos homens.
• Há ênfase no estudo dos métodos e técnicas para ensinar,
desvinculado de preocupações com as suas finalidades.
• Abordagem escolanovista
• Do séc. 19 até a primeira metade do séc. 20, as
preocupações vão se reduzindo ao estudo dos métodos e
técnicas para ensinar, desvinculado de preocupações com
as suas finalidades, para a construção do saber didático; no
ensino, à luz do escolanovismo, há a proposta de
substituição dos métodos verbais e intuitivos pelos
chamados métodos “ativos”.
• Até a década de 50, o ensino de Didática no âmbito
acadêmico universitário, no Brasil, privilegia objetivos,
temas e procedimentos técnico - metodológicos com
inspiração escolanovista, coerentemente com a orientação
que predomina no interior do seu processo de
desenvolvimento teórico.
• Princípios básicos da Escola Nova, baseados na tendência do “humanismo
moderno”
• - necessidade de partir dos interesses espontâneos e naturais da criança
 paidocentrismo (criança como centro);
• - a proposta didática tem como palavras de ordem: atividade,
individualização, liberdade e experimentação;
• - didática de base psicológica, pois se atribui importância à psicologia
evolutiva e da aprendizagem como fundamentos da didática (PIAGET);
• - afirma-se a necessidade de “aprender fazendo” e de “aprender a
aprender” (John DEWEY);
• - enfatiza-se a atenção às diferenças individuais;
• - estudam-se métodos e técnicas como: “centros de interesse” (DECROLY),
estudo dirigido, unidades didáticas, método de projetos (KILPATRICK), a
técnica de fichas didáticas, o contrato de ensino;
• - ênfase no “processo” de ensino.
• Abordagem tecnicista
• Do início da década de 1950 até aproximadamente o final da década de 1970, as
sistematizações e as práticas didáticas apresentam como características principais
o privilégio de seu caráter metodológico como conjunto de procedimentos e
técnicas de ensino que buscam garantir a eficiência na aprendizagem dos alunos, e
a defesa da concepção da neutralidade científica e pedagógica.
• A Didática é meramente prescritiva e seu conteúdo se reduz ao âmbito da
articulação técnica dos momentos de planejamento, execução e avaliação do
processo pedagógico na sala de aula. A disciplina de Didática ensina aos futuros
professores técnicas para formular objetivos, elaborar planos e provas, dar uma
aula expositiva, conduzir um trabalho de grupo, entre outras. O seu objetivo é o de
fornecer subsídios metodológicos ao professor para ensinar bem, sem se
perguntar a serviço do que e de quem se ensina.
• A defesa da neutralidade científica e pedagógica aparece como princípio geral que
atribui organicidade ao conteúdo, aparentemente incoerente, em que os conceitos
e os princípios podem ser tratados de forma desvinculada não só das orientações
teóricas aos quais se filiam, como também do contexto da formação social
brasileira em que são produzidos.
• A Didática, nessa abordagem, está centrada na dimensão técnica do
processo de ensino - aprendizagem. A base científica desta
perspectiva baseia-se na psicologia behaviorista, da teoria da
comunicação e do enfoque sistêmico e se propunha desenvolver
uma forma sistemática de planejar o processo de ensino -
aprendizagem, baseando-se em conhecimentos científicos e
visando a sua produtividade, ou seja, o alcance dos objetivos
propostos de forma eficiente e eficaz.
• As palavras de ordem para essa abordagem da Didática são:
produtividade, eficiência, racionalização, operacionalização e
controle. A visão “industrial” penetra o campo educacional e a
Didática é concebida como estratégia para o alcance dos
“produtos” do processo de ensino - aprendizagem.
• Para essa abordagem, a formulação de objetivos instrucionais, as
diferentes taxionomias (BLOOM), a construção dos instrumentos de
avaliação, as diferentes técnicas e recursos didáticos, constituem o
conteúdo básico dos cursos de Didática.
• Metodologias: ensino ou instrução programada, módulos de ensino
• Neste enfoque, a dimensão técnica do processo de ensino - aprendizagem
é mais acentuada do que na abordagem escolanovista, já que nesta há
também uma preocupação com a dimensão humana e os aspectos
afetivos na relação professor - aluno.
• Na perspectiva da tecnologia educacional, a Didática se centra na
organização das condições, no planejamento do ambiente, na elaboração
dos materiais instrucionais.
• No entanto, apesar de suas diferenças, a abordagem escolanovista e a
tecnologia educacional partem do mesmo pressuposto: o silenciar da
dimensão político - social.
• Didática fundamental
• O momento seguinte vai do final da década de 70 até o início da segunda metade
da década de 80. O saber didático caracteriza-se por discutir suas limitações
epistemológicas, às quais se juntam as críticas ao seu caráter ideológico e à sua
funcionalidade em relação ao papel do ensino e da escola ligada à reprodução das
relações sociais de produção e, conseqüentemente, à manutenção do sistema
socioeconômico e político brasileiro vigente.
• Há a denúncia da falsa neutralidade do técnico e o desvelamento dos reais
compromissos político - sociais das afirmações aparentemente “neutras”, a
afirmação da impossibilidade de uma prática pedagógica que não seja social e
politicamente orientada, de uma forma implícita ou explícita.
• As discussões e os encaminhamentos feitos sobre a Didática nesse momento
concluem que o grande desafio seria a superação de uma didática exclusivamente
instrumental  concebida como um conjunto de conhecimentos técnicos sobre o
“como fazer” pedagógico, conhecimentos estes apresentados de forma universal
e, conseqüentemente, desvinculados dos problemas relativos ao sentido e aos fins
da educação (por quê? e para quê?), dos conteúdos específicos, assim como do
contexto sócio - cultural concreto em que foram gerados , e a construção de
uma Didática alternativa: a Didática fundamental.
• Principais idéias norteadoras da construção de uma Didática fundamental:
• a) a multidimensionalidade do processo de ensino - aprendizagem: é considerada como o ponto de
partida de todo o esforço a ser empreendido, e articula as dimensões técnica, humana e política do
processo de ensino - aprendizagem;
• b) a competência técnica e o compromisso político se exigem mutuamente e se interpenetram,
não podendo ser dissociados. A dimensão técnica da prática pedagógica, objeto próprio da
Didática, tem que ser pensada à luz de um projeto ético e político - social que a oriente;
• c) deve-se partir da problemática educacional concreta, ou seja, da análise da prática pedagógica
concreta e de seus determinantes: a natureza do saber escolar, a relação escola - sociedade, a
competência do professor e suas dimensões, a neutralidade ou não da ciência e da técnica; a
educação escolar das classes populares, o fracasso escolar, a contribuição para a viabilização da
aprendizagem dos conteúdos básicos do saber escolar pela maioria da população;
• d) preocupação constante com a contextualização da prática pedagógica: a problemática relativa
ao ensino de Didática não pode ser dissociada da questão da formação de educadores, a qual se
articula com a análise do papel da educação na sociedade. Toda prática educativa é uma prática
social, vinculada a um projeto histórico e orientada para a dominação ou para a libertação.
Somente a partir de uma visão contextualizada e historicizada da educação é que se pode repensar
a Didática e situá-la na perspectiva de transformação social, a partir da construção de um novo
modelo de sociedade;
• e) análise das abordagens metodológicas, explicitando os seus pressupostos, o contexto em que
foram geradas, a visão de homem, de sociedade, de conhecimento e de educação que veiculam: o
conteúdo de Didática envolve diferentes abordagens sem que os pressupostos e implicações de
cada uma delas sejam analisados. É importante entrar em contato com as diferentes abordagens e
ser capaz de descobrir suas limitações e contribuições, adquirir consciência de que nenhuma teoria
esgota a complexidade do real e que o processo de ensino - aprendizagem está em contínua
construção;
• f) a reflexão didática deve ser elaborada a partir da análise de experiências concretas, procurando-
se trabalhar continuamente a relação teoria - prática, que não pode ser entendida de forma
dicotômica (dissociativa ou associativa) e sim em uma visão de unidade.
• g) a busca de eficiência não é negada, mas repensada quando se parte do compromisso com a
transformação social que exige práticas pedagógicas adequadas à maioria da população do país: é
preciso rever o que se entende por eficiência, perguntar-se pela razão de ser (por quê?) e a serviço
de que (para quê?) e de quem (para quem?) esta eficiência situa-se. A preocupação com a
eficiência não deve ser entendida como a utilização de meios e técnicas sofisticadas, ao contrário,
deve-se partir de condições reais em que se desenvolve o ensino nas escolas e buscar formas de
intervenção simples e viáveis, acompanhada da luta pela melhoria da qualidade das condições de
trabalho do profissional de educação.
• Dimensão cultural na prática pedagógica
• Hoje se faz cada vez mais urgente a incorporação da dimensão
cultural na prática pedagógica, dimensão esta entendida não
somente como um determinante macroestrutural, mas também
como um elemento construído no interior da escola e no cotidiano
escolar.
• Considera-se que a abordagem cultural, numa perspectiva
sociológica e antropológica, pode enriquecer a reflexão didática e a
compreensão da prática pedagógica, apresentando um amplo
horizonte para o desenvolvimento da pesquisa e do debate sobre as
questões do cotidiano escolar e da formação de professores,
especialmente desafiador para a didática.
• Referências
• CASTRO, A. D. de & CARVALHO, A. M. P. de. Ensinar a ensinar:
didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira,
2001.
• CANDAU, V. M. Da didática fundamental ao fundamental da
didática. In: ANDRÉ, M. E. D. A.; OLIVEIRA, M. R. N. S. (Orgs.)
Alternativas no ensino de didática. Campinas, SP: Papirus, 1997.
• _____________. Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes,
1989.
• _____________ A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1984.
• GIMENO SACRISTÁN, J. & PERÉZ GOMÉZ, A. Compreender e
transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
• MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: abordagens do processo. São Paulo:
EPU, 1986.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
na educação
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
Professora Florio
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
Hamilton Nobrega
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
Magda Marques
 
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Thomaz Edson Veloso da Silva
 
Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
Ines Chaves Preza Freitas
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisa
rivanialeao
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Naysa Taboada
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Shirley Lauria
 
Educação, o que é?
Educação, o que é?Educação, o que é?
Educação, o que é?
Edson Guedes
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
familiaestagio
 
Introdução a Pedagogia
Introdução a PedagogiaIntrodução a Pedagogia
Introdução a Pedagogia
Eduardo Fernando
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
Cursos Profissionalizantes
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
Grasiela Dourado
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
carmemlima
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Edlauva Santos
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
SMEdeItabaianinha
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
Germano Minezes
 

Mais procurados (20)

O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
 
Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisa
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
 
Educação, o que é?
Educação, o que é?Educação, o que é?
Educação, o que é?
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
 
Introdução a Pedagogia
Introdução a PedagogiaIntrodução a Pedagogia
Introdução a Pedagogia
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
 

Destaque

Didática
DidáticaDidática
Didática
gadea
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
Ana Paula Azevedo
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
Victor Nilu Fabiana Barros
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.
Thaís Boch
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
Jocimary Josefa Gonçalves
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
Luiza Carvalho
 
Principios da Boa Didatica na educação infantil
Principios da Boa Didatica na educação infantilPrincipios da Boa Didatica na educação infantil
Principios da Boa Didatica na educação infantil
Tia Pri Infantil
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
Jocimary Josefa Gonçalves
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Didática do ensino superior - aula 2
Didática do ensino superior - aula 2 Didática do ensino superior - aula 2
Didática do ensino superior - aula 2
Ronilson de Souza Luiz
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 
A Criação de uma Fantástica Experiência de Compras
A Criação de uma Fantástica Experiência de ComprasA Criação de uma Fantástica Experiência de Compras
A Criação de uma Fantástica Experiência de Compras
Rakuten Brasil
 
Aula 2 - Informacao para Negocios
Aula 2 - Informacao para NegociosAula 2 - Informacao para Negocios
Aula 2 - Informacao para Negocios
Kenneth Corrêa
 
(Online) Branding
(Online) Branding(Online) Branding
(Online) Branding
Frederico Amorim
 
Aula Modelo de negócios
Aula Modelo de negóciosAula Modelo de negócios
Aula Modelo de negócios
Vítor Andrade
 
Didática geral
Didática geralDidática geral
Didática geral
Cristiane Farias
 
Planejamento Estrátegico
Planejamento EstrátegicoPlanejamento Estrátegico
Planejamento Estrátegico
Fabricio Medeiros
 
Influire.. Visão Sobre Estratégia
Influire..  Visão Sobre EstratégiaInfluire..  Visão Sobre Estratégia
Influire.. Visão Sobre Estratégia
Sergio Luis Seloti Jr
 
E commerce espm 2011
E commerce  espm 2011E commerce  espm 2011
E commerce espm 2011
Sandra Turchi
 

Destaque (20)

Didática
DidáticaDidática
Didática
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Slide de didática
 
Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.Slide sobre Didática.
Slide sobre Didática.
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
 
Principios da Boa Didatica na educação infantil
Principios da Boa Didatica na educação infantilPrincipios da Boa Didatica na educação infantil
Principios da Boa Didatica na educação infantil
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Didática do ensino superior - aula 2
Didática do ensino superior - aula 2 Didática do ensino superior - aula 2
Didática do ensino superior - aula 2
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
A Criação de uma Fantástica Experiência de Compras
A Criação de uma Fantástica Experiência de ComprasA Criação de uma Fantástica Experiência de Compras
A Criação de uma Fantástica Experiência de Compras
 
Aula 2 - Informacao para Negocios
Aula 2 - Informacao para NegociosAula 2 - Informacao para Negocios
Aula 2 - Informacao para Negocios
 
(Online) Branding
(Online) Branding(Online) Branding
(Online) Branding
 
Aula Modelo de negócios
Aula Modelo de negóciosAula Modelo de negócios
Aula Modelo de negócios
 
Didática geral
Didática geralDidática geral
Didática geral
 
Planejamento Estrátegico
Planejamento EstrátegicoPlanejamento Estrátegico
Planejamento Estrátegico
 
Influire.. Visão Sobre Estratégia
Influire..  Visão Sobre EstratégiaInfluire..  Visão Sobre Estratégia
Influire.. Visão Sobre Estratégia
 
E commerce espm 2011
E commerce  espm 2011E commerce  espm 2011
E commerce espm 2011
 

Semelhante a Fundamentos da Didática

Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Thiago Manfredi
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Radar Ufmg
 
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
Solange Soares
 
Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2
Educação Smed
 
Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1
Carlos Alberto Bonatto
 
Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2
Francismar Lopes
 
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
Paulo Lima
 
cp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptxcp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptx
LUIZFELIPEVIEIRAFERR1
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Pc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagioPc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagio
ANGELA MATTOS SCHWAHN
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Simone Mendes Dos Santos
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Simone Mendes Dos Santos
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Teorias pedagógicas e a cibercultura na educação
Teorias pedagógicas e a cibercultura na educaçãoTeorias pedagógicas e a cibercultura na educação
Teorias pedagógicas e a cibercultura na educação
lemedri
 
Pedagogia
PedagogiaPedagogia
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Salete Perini
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
Cristina Ferreira
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
ThaisJussara
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
tati mariano
 

Semelhante a Fundamentos da Didática (20)

Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
 
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
C:\Fakepath\Anfope Et Al 2005
 
Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2
 
Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1
 
Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2
 
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
7. Papel político pedagógico do gestor educacional - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
 
cp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptxcp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptx
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Pc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagioPc sc didatica-estagio
Pc sc didatica-estagio
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Teorias pedagógicas e a cibercultura na educação
Teorias pedagógicas e a cibercultura na educaçãoTeorias pedagógicas e a cibercultura na educação
Teorias pedagógicas e a cibercultura na educação
 
Pedagogia
PedagogiaPedagogia
Pedagogia
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
 

Mais de UNICEP

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
UNICEP
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
UNICEP
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
UNICEP
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
UNICEP
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
UNICEP
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
UNICEP
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
UNICEP
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
UNICEP
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
UNICEP
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
UNICEP
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
UNICEP
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
UNICEP
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
UNICEP
 
Indice
IndiceIndice
Indice
UNICEP
 
Capa
CapaCapa
Capa
UNICEP
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
UNICEP
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
UNICEP
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
UNICEP
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
UNICEP
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
UNICEP
 

Mais de UNICEP (20)

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 

Fundamentos da Didática

  • 1. Fundamentos teóricos da Didática: diferentes abordagens Juliana Zantut Nutti
  • 2. • A área de Didática, no Brasil, constitui um campo de conhecimentos sobre o ensino. • O objeto de estudo da Didática é o processo de ensino - aprendizagem. Assim, toda proposta didática está impregnada, implícita ou explicitamente, de uma concepção acerca do processo de ensino - aprendizagem. • Didática tradicional • Do séc. 17, com a Didática Magna de Comênio, até o princípio do século 19, as preocupações principais da área da Didática eram as finalidades da educação, do ensino e os conteúdos culturais a serem dominados pelos homens. • Há ênfase no estudo dos métodos e técnicas para ensinar, desvinculado de preocupações com as suas finalidades.
  • 3. • Abordagem escolanovista • Do séc. 19 até a primeira metade do séc. 20, as preocupações vão se reduzindo ao estudo dos métodos e técnicas para ensinar, desvinculado de preocupações com as suas finalidades, para a construção do saber didático; no ensino, à luz do escolanovismo, há a proposta de substituição dos métodos verbais e intuitivos pelos chamados métodos “ativos”. • Até a década de 50, o ensino de Didática no âmbito acadêmico universitário, no Brasil, privilegia objetivos, temas e procedimentos técnico - metodológicos com inspiração escolanovista, coerentemente com a orientação que predomina no interior do seu processo de desenvolvimento teórico.
  • 4. • Princípios básicos da Escola Nova, baseados na tendência do “humanismo moderno” • - necessidade de partir dos interesses espontâneos e naturais da criança  paidocentrismo (criança como centro); • - a proposta didática tem como palavras de ordem: atividade, individualização, liberdade e experimentação; • - didática de base psicológica, pois se atribui importância à psicologia evolutiva e da aprendizagem como fundamentos da didática (PIAGET); • - afirma-se a necessidade de “aprender fazendo” e de “aprender a aprender” (John DEWEY); • - enfatiza-se a atenção às diferenças individuais; • - estudam-se métodos e técnicas como: “centros de interesse” (DECROLY), estudo dirigido, unidades didáticas, método de projetos (KILPATRICK), a técnica de fichas didáticas, o contrato de ensino; • - ênfase no “processo” de ensino.
  • 5. • Abordagem tecnicista • Do início da década de 1950 até aproximadamente o final da década de 1970, as sistematizações e as práticas didáticas apresentam como características principais o privilégio de seu caráter metodológico como conjunto de procedimentos e técnicas de ensino que buscam garantir a eficiência na aprendizagem dos alunos, e a defesa da concepção da neutralidade científica e pedagógica. • A Didática é meramente prescritiva e seu conteúdo se reduz ao âmbito da articulação técnica dos momentos de planejamento, execução e avaliação do processo pedagógico na sala de aula. A disciplina de Didática ensina aos futuros professores técnicas para formular objetivos, elaborar planos e provas, dar uma aula expositiva, conduzir um trabalho de grupo, entre outras. O seu objetivo é o de fornecer subsídios metodológicos ao professor para ensinar bem, sem se perguntar a serviço do que e de quem se ensina. • A defesa da neutralidade científica e pedagógica aparece como princípio geral que atribui organicidade ao conteúdo, aparentemente incoerente, em que os conceitos e os princípios podem ser tratados de forma desvinculada não só das orientações teóricas aos quais se filiam, como também do contexto da formação social brasileira em que são produzidos.
  • 6. • A Didática, nessa abordagem, está centrada na dimensão técnica do processo de ensino - aprendizagem. A base científica desta perspectiva baseia-se na psicologia behaviorista, da teoria da comunicação e do enfoque sistêmico e se propunha desenvolver uma forma sistemática de planejar o processo de ensino - aprendizagem, baseando-se em conhecimentos científicos e visando a sua produtividade, ou seja, o alcance dos objetivos propostos de forma eficiente e eficaz. • As palavras de ordem para essa abordagem da Didática são: produtividade, eficiência, racionalização, operacionalização e controle. A visão “industrial” penetra o campo educacional e a Didática é concebida como estratégia para o alcance dos “produtos” do processo de ensino - aprendizagem.
  • 7. • Para essa abordagem, a formulação de objetivos instrucionais, as diferentes taxionomias (BLOOM), a construção dos instrumentos de avaliação, as diferentes técnicas e recursos didáticos, constituem o conteúdo básico dos cursos de Didática. • Metodologias: ensino ou instrução programada, módulos de ensino • Neste enfoque, a dimensão técnica do processo de ensino - aprendizagem é mais acentuada do que na abordagem escolanovista, já que nesta há também uma preocupação com a dimensão humana e os aspectos afetivos na relação professor - aluno. • Na perspectiva da tecnologia educacional, a Didática se centra na organização das condições, no planejamento do ambiente, na elaboração dos materiais instrucionais. • No entanto, apesar de suas diferenças, a abordagem escolanovista e a tecnologia educacional partem do mesmo pressuposto: o silenciar da dimensão político - social.
  • 8. • Didática fundamental • O momento seguinte vai do final da década de 70 até o início da segunda metade da década de 80. O saber didático caracteriza-se por discutir suas limitações epistemológicas, às quais se juntam as críticas ao seu caráter ideológico e à sua funcionalidade em relação ao papel do ensino e da escola ligada à reprodução das relações sociais de produção e, conseqüentemente, à manutenção do sistema socioeconômico e político brasileiro vigente. • Há a denúncia da falsa neutralidade do técnico e o desvelamento dos reais compromissos político - sociais das afirmações aparentemente “neutras”, a afirmação da impossibilidade de uma prática pedagógica que não seja social e politicamente orientada, de uma forma implícita ou explícita. • As discussões e os encaminhamentos feitos sobre a Didática nesse momento concluem que o grande desafio seria a superação de uma didática exclusivamente instrumental  concebida como um conjunto de conhecimentos técnicos sobre o “como fazer” pedagógico, conhecimentos estes apresentados de forma universal e, conseqüentemente, desvinculados dos problemas relativos ao sentido e aos fins da educação (por quê? e para quê?), dos conteúdos específicos, assim como do contexto sócio - cultural concreto em que foram gerados , e a construção de uma Didática alternativa: a Didática fundamental.
  • 9. • Principais idéias norteadoras da construção de uma Didática fundamental: • a) a multidimensionalidade do processo de ensino - aprendizagem: é considerada como o ponto de partida de todo o esforço a ser empreendido, e articula as dimensões técnica, humana e política do processo de ensino - aprendizagem; • b) a competência técnica e o compromisso político se exigem mutuamente e se interpenetram, não podendo ser dissociados. A dimensão técnica da prática pedagógica, objeto próprio da Didática, tem que ser pensada à luz de um projeto ético e político - social que a oriente; • c) deve-se partir da problemática educacional concreta, ou seja, da análise da prática pedagógica concreta e de seus determinantes: a natureza do saber escolar, a relação escola - sociedade, a competência do professor e suas dimensões, a neutralidade ou não da ciência e da técnica; a educação escolar das classes populares, o fracasso escolar, a contribuição para a viabilização da aprendizagem dos conteúdos básicos do saber escolar pela maioria da população; • d) preocupação constante com a contextualização da prática pedagógica: a problemática relativa ao ensino de Didática não pode ser dissociada da questão da formação de educadores, a qual se articula com a análise do papel da educação na sociedade. Toda prática educativa é uma prática social, vinculada a um projeto histórico e orientada para a dominação ou para a libertação. Somente a partir de uma visão contextualizada e historicizada da educação é que se pode repensar a Didática e situá-la na perspectiva de transformação social, a partir da construção de um novo modelo de sociedade;
  • 10. • e) análise das abordagens metodológicas, explicitando os seus pressupostos, o contexto em que foram geradas, a visão de homem, de sociedade, de conhecimento e de educação que veiculam: o conteúdo de Didática envolve diferentes abordagens sem que os pressupostos e implicações de cada uma delas sejam analisados. É importante entrar em contato com as diferentes abordagens e ser capaz de descobrir suas limitações e contribuições, adquirir consciência de que nenhuma teoria esgota a complexidade do real e que o processo de ensino - aprendizagem está em contínua construção; • f) a reflexão didática deve ser elaborada a partir da análise de experiências concretas, procurando- se trabalhar continuamente a relação teoria - prática, que não pode ser entendida de forma dicotômica (dissociativa ou associativa) e sim em uma visão de unidade. • g) a busca de eficiência não é negada, mas repensada quando se parte do compromisso com a transformação social que exige práticas pedagógicas adequadas à maioria da população do país: é preciso rever o que se entende por eficiência, perguntar-se pela razão de ser (por quê?) e a serviço de que (para quê?) e de quem (para quem?) esta eficiência situa-se. A preocupação com a eficiência não deve ser entendida como a utilização de meios e técnicas sofisticadas, ao contrário, deve-se partir de condições reais em que se desenvolve o ensino nas escolas e buscar formas de intervenção simples e viáveis, acompanhada da luta pela melhoria da qualidade das condições de trabalho do profissional de educação.
  • 11. • Dimensão cultural na prática pedagógica • Hoje se faz cada vez mais urgente a incorporação da dimensão cultural na prática pedagógica, dimensão esta entendida não somente como um determinante macroestrutural, mas também como um elemento construído no interior da escola e no cotidiano escolar. • Considera-se que a abordagem cultural, numa perspectiva sociológica e antropológica, pode enriquecer a reflexão didática e a compreensão da prática pedagógica, apresentando um amplo horizonte para o desenvolvimento da pesquisa e do debate sobre as questões do cotidiano escolar e da formação de professores, especialmente desafiador para a didática.
  • 12. • Referências • CASTRO, A. D. de & CARVALHO, A. M. P. de. Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira, 2001. • CANDAU, V. M. Da didática fundamental ao fundamental da didática. In: ANDRÉ, M. E. D. A.; OLIVEIRA, M. R. N. S. (Orgs.) Alternativas no ensino de didática. Campinas, SP: Papirus, 1997. • _____________. Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes, 1989. • _____________ A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1984. • GIMENO SACRISTÁN, J. & PERÉZ GOMÉZ, A. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. • MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.