SlideShare uma empresa Scribd logo
DISTAIS DE ANTEBRAÇO E PROXIMAL DO CARPO
CACHOEIRA BA
08/06/2016
DISCENTES:
•ERISTON BARRETO
•FERNANDO RODRIGO
•LARISSA MENDES
•LUCI CUPERTINO
•LUIZ CRISPIM
•SAULO VINICIUS
DOCENTE:
PROF. ABERTO SARKIS
CACHOEIRA BA
08/06/2016
INTRODUÇÃO
As fraturas de terço distal do rádio são as mais frequentes
dos membros superiores, correspondem a 1/6 de todas as
fraturas atendidas em setor de urgência.
Durante quase 1 século foi considerada uma fratura de
bom prognóstico com um tratamento conservador.
Porem nos últimos 30 anos observou-se uma grande
incidência de complicações resultantes do tratamento
conservador, tais como consolidação viciosa e acometimento
articular.
A superfície articular do rádio funciona como um platô, no
qual se articula os ossos do carpo semilunar, escafoide e
incisura ulnar.
SEMILUNAR
ESCAFÓIDE
TUBÉRCULO DE
LISTER
RÁDIO ULNA
INCISURA
ULNAR
Fraturas do punho
A forma anatômica do terço distal do rádio é achatado no
sentido antero-posterior.
Constituída de osso esponjoso
Envolto por fina camada de osso cortical
O que torna essa região vulnerável ao traumatismo.
Não podemos nos esquecer da estreita relação do punho:
artérias radial e ulnar
Os nervos mediano e ulnar
O ramo sensitivo radial.
Vale destacar que possíveis lesões podem comprimir ou
mesmo lesar tais estruturas
Desde a descrição clássica das fraturas extra-articulares
do rádio distal feita por Abraham Colles (1814) várias
classificações e epônimos foram surgindo.
Abraham Colles (1814)
1. FRATURA EM EXTENSÃO-COMPRESSÃO
– (COLLES).
2. FRATURA POR FLEXÃO-COMPRESSÃO
COM DESLOCAMENTO VOLAR- (SMITH).
3. FRATURA DA APÓFISE DO PROCESSO
ESTILÓIDE DO RÁDIO- (HUTCHINSON)
OU (CHAUFFER).
4. FRATURA LUXAÇÃO DO PUNHO VOLAR
OU DORSAL- (BARTON).
O TRAUMA PODE SER CAUSADO POR
TROPEÇO SEGUIDO DE QUEDA COM AÇÃO
REFLEXA DE IMPOSIÇÃO DAS MÃOS. A
MAIORIA DAS QUEDAS SÃO DOMÉSTICAS
SEGUIDAS DE LESÕES NO ESPORTE.
 ADULTOS JOVENS OU IDOSOS(QUEDAS)
EXPOSTOS A TRAUMATISMO DE GRANDE ENERGIA CINÉTICA
CORRESPONDE DE 10-12% DAS FRATURAS DO ESQUELETO
DEVE SER AVALIADO:
 IDADE
OCUPAÇÃO
TIPO DE ATIVIDADE
GRAU DE ENERGIA QUE OCASIONOU A FRATURA
 CONDIÇÃO CLÍNICA GERAL:
1. DOR
2. EDEMA
3. DEFORMIDADE ANATOMICA VISIÍVEL
4. DESVIO RADIAL DO PUNHO
RX em perfil
RX em AP e PA
RNM
TC
CLASSIFICAÇÃO AO:
A. FRATURAS EXTRA-
ARTICULARES
SIMPLES.
B. FRATURAS INTRA-
ARTICULARES
C/DESVIO PARCIAL.
C. FRATURAS INTRA-
ARTICULARES
COMPLEXAS.
CLASSIFICAÇÃO UNIVERSAL:
1. EXTRA-ARTICULAR SEM DESVIO.
2. EXTRA-ARTICULAR COM
DESVIO.
3. INTRA-ARTICULAR SEM DESVIO.
4. INTRA-ARTICULAR COM DESVIO.
A. REDUTÍVEL ESTÁVEL.
B. REDUTÍVEL INSTÁVEL.
C. IRREDUTÍVEL.
1. REDUÇÃO INCRUENTA
2. ESTABILIZAÇÃO- TALA GESSADA (2 Á 8 SEMANAS)
3. INDICAÇÃO EM FRATURAS CLASSIFICADAS COMO EXTRA-
ARTICULARES
1. FIOS DE KIRSCHNER
2. PARAFUSOS
3. OSTEOSÍNTESE DE PLACA VOLAR- DVR
4. FIXADOR EXTERNO DINÂMICO¹ - (8 á 11 semanas)
¹(Obs: método de fixação que não possibilita a realização de
RAFI)
FIXADOR INTERNO DVR
FIXADOR DINÂMICO
(FAVORECE LIGAMENTOTAXIA)
OBJETIVOS DURANTE E APÓS IMOBILIZAÇÃO:
1.Diminuir o quadro álgico
2.Reduzir o edema
3.Melhorar a circulação local
4.Manter a integridade articular
5.Melhorar tônus muscular
6.Reeducação funcional do membro
• LESÃO DO NERVO MEDIANO
• PERDA DA REDUÇÃO
• LESÃO ARTERIALPRECOCES
• CONSOLIDAÇÃO VICIOSA
• INSTABILIDADE CÁRPICA
• ARTROSE
• PSEUDOARTROSE
TARDIAS
ESCAFOIDE
SEMILUNAR PIRAMIDAL
PISIFORME
 Adultos jovens ou idosos(quedas), esportistas.
Expostos a traumatismo de grande energia cinética
Apenas 10% das fraturas do carpo são isoladas
Escafoide- 70%
Semilunar- 4%
Piramidal- 18,3%
Pisiforme- 1,3%
Deve ser avaliado:
 Idade
Ocupação
Tipo de atividade
Grau de energia que ocasionou a fratura
 condição clínica geral:
Queda com o punho em flexão ou extensão.
Escafoide- impactação com o rádio/ queda com
extensão de punho
Semilunar- queda com punho em hiperextensão/
compressão contra o rádio e o capitato
Piramidal- queda flexão com desvio ulnar/
impactação contra a ulna
Fraturas do punho
SINAIS CLÍNICOS:
•Dor (tabaqueira anatômica - escafoide);
• Inchaço;
•Equimose;
•Impotência funcional;
•Pronação forçada do pulso contra resistência causa dor
PELO MENOS 4 INCIDENCIAS RX:
PA OU AP
PERFIL
OBLÍQUAS: (PRONAÇÃO 30°
OU SUPINAÇÃO 30°)
PA OU AP COM DESVIO ULNAR
RNM, TC, CINTILOGRAFIA, US.
Em 1990, Herbert apresentou uma classificação que
combina localização, instabilidade e prognóstico, inclusive
retardo de consolidação e pseudoartrose :
Tipo A : A1 – fratura da tuberosidade / A2 - fratura
incompleta do colo
Tipo B: B1 – fratura oblíqua distal / B2 – fratura completa
do colo
B3 – fratura do pólo proximal / B4 – fratura luxação
transescafoperisemilunar
Tipo C: C1 – retardo de consolidação
Tipo D: D1: pseudo - artrose fibrosa / D2 – pseudoartrose
Fraturas do punho
A)- SEM DESVIO-
TRATAMENTO
CONSERVADOR:
Imobilização em luva
gessada ou TG( englobando o
polegar) por 04 á 06
semanas.
Geralmente apresentam
bom prognóstico.
B)- COM DESVIO-
TRATAMENTO CIRÚRGICO
INDICADO:
São aquelas com degrau de
01 mm.
Redução+ Fios de Kirschner
ou parafusos de Herbert com
uso de TG por até 8 semanas.
Fraturas do punho
COMPLICAÇÕES:
NECROSE AVASCULAR
CONSOLIDAÇÃO VICIOSA
PSEUDOARTROSE
ARTROSE
CLASSIFICAÇÃO:
I - polo volar(mais frequente)
II - avulsão ligamento dorsal("chip fracture")
III - polo dorsal
IV - longitudinal do corpo
V - transversa do corpo
Pode estar associado a outras lesões.
TRATAMENTO: a maioria é do tipo I e II
Tipo I
Sem desvio: conservador (TG por 4 sem).
Com desvio – RAFI(redução aberta
Com fixação interna).
Tipo II –
TG antebraquiopalmar por 3 sem
As fraturas de semilunar têm um bom
prognóstico porque é uma área bem vascularizada.
 2° fratura mais frequente do carpo
• Varia entre avulsões simples e fraturas do corpo
TTMTO:
Avulsão- TG antebraquiopalmar por 3 sem.
Fratura corpo - TG antebraquiopalmar por 6 sem.
 Piramidal não tem problemas de necrose - abundante
vascularização. Com isto seu prognóstico é bom.
• Osso sesamóide com fratura rara
•Mecanismo de lesão - trauma direto na região hipotênar
•Classificação:
tipo I - transversa
tipo II - longitudinal
tipo III - cominutiva
• Diagnóstico - RX com punho em 30° de flexão(melhor)
• Pode ocorrer compressão do nervo ulnar. (canal de
Guyon)
• TRATAMENTO CONSERVADOR NA MAIORIA DOS CASOS:
 A maioria das fraturas de pisiforme não tem desvio e
responde bem ao tratamento.
TG antebraquiopalmar de 3 á 4 semanas.
1. Hebert,Sizínio-Xavier,Renato-Ortopedia e traumatologia-
princípios e prática-2ªed-ed Artmed-Porto Alegre-1998. Pg
1189-1231.
2. Haverback,Dr Juan Fortune-Arenas,Dr Jaime Paulos-Ortopedia
y Traumatologia-Faculdade de Medicina de Chile.fonte
Dreamule.
3. Adams,John Crawford-Hamblen,Davi L.-Manual de Fraturas-
10ªed-ed Artes Medicas-1994.
4. https://traumatologiaeortopedia.com.br/viewtopic.php?t=285.
5. As imagens foram encontradas na página https://google.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Wendesor Oliveira
 
Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016
Luis Filipe Senna, MD, MSc
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalAvaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Natha Fisioterapia
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
Caio Gonçalves de Souza
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
SemioOrto
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
David Sadigursky
 
Osso e fraturas
Osso e fraturasOsso e fraturas
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
Marcelo Costa
 
Goniometria do cotovelo
Goniometria do cotoveloGoniometria do cotovelo
Goniometria do cotovelo
Daniel Brandão
 
Patologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna VertebralPatologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna Vertebral
Caio Gonçalves de Souza
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
pauloalambert
 
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas  ACFraturas subtrocantericas e atipicas  AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
André Cipriano
 
Semiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmgSemiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmg
Otavio Melo
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
Nuno Amaro
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 

Mais procurados (20)

Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
 
Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016Princípios de osteossíntese 2016
Princípios de osteossíntese 2016
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervicalAvaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
Avaliacao musculoesqueletica da coluna cervical
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
Osso e fraturas
Osso e fraturasOsso e fraturas
Osso e fraturas
 
Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
 
Goniometria do cotovelo
Goniometria do cotoveloGoniometria do cotovelo
Goniometria do cotovelo
 
Patologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna VertebralPatologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna Vertebral
 
Complicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de FraturasComplicações Decorrentes de Fraturas
Complicações Decorrentes de Fraturas
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
 
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas  ACFraturas subtrocantericas e atipicas  AC
Fraturas subtrocantericas e atipicas AC
 
Semiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmgSemiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmg
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 

Semelhante a Fraturas do punho

LESÕES MENISCAIS ASPECTOS POR IMAGEM
LESÕES MENISCAISASPECTOS POR IMAGEMLESÕES MENISCAISASPECTOS POR IMAGEM
LESÕES MENISCAIS ASPECTOS POR IMAGEM
Clube do Joelho
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Robson Rocha
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
Carlos Andrade
 
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa   Maj JoseLesoes Traumaticas No Spa   Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
aidamehanna
 
drcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptx
drcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptxdrcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptx
drcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptx
GustavoArouche1
 
Fraturas da Coluna
Fraturas da ColunaFraturas da Coluna
Fraturas da Coluna
MarceloMadureiraRama
 
Sarcomas
SarcomasSarcomas
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical altaLesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
Marcus Murata
 
Dctb
DctbDctb
Fratura de escafoide
Fratura de escafoideFratura de escafoide
Fratura de escafoide
Franco Allan
 
Fratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptxFratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptx
GustavoArouche1
 
Lesoes meniscais cj1
Lesoes meniscais cj1Lesoes meniscais cj1
Lesoes meniscais cj1
Clube do Joelho
 
lesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdf
lesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdflesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdf
lesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdf
GustavoArouche1
 
Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombar
ewerton guizardi
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Jorge Acosta Noriega
 
Aula doença de kienböck
Aula doença de kienböckAula doença de kienböck
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo

Semelhante a Fraturas do punho (20)

LESÕES MENISCAIS ASPECTOS POR IMAGEM
LESÕES MENISCAISASPECTOS POR IMAGEMLESÕES MENISCAISASPECTOS POR IMAGEM
LESÕES MENISCAIS ASPECTOS POR IMAGEM
 
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do PunhoRotinas Específicas nas Incidências do Punho
Rotinas Específicas nas Incidências do Punho
 
Fraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do AntebraçoFraturas Comuns do Antebraço
Fraturas Comuns do Antebraço
 
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa   Maj JoseLesoes Traumaticas No Spa   Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
 
drcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptx
drcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptxdrcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptx
drcaiotraumamembrosuperior-140922142752-phpapp02.pptx
 
Fraturas da Coluna
Fraturas da ColunaFraturas da Coluna
Fraturas da Coluna
 
Sarcomas
SarcomasSarcomas
Sarcomas
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
 
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical altaLesões traumáticas da coluna cervical alta
Lesões traumáticas da coluna cervical alta
 
Fraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmeroFraturas diafisária de úmero
Fraturas diafisária de úmero
 
Dctb
DctbDctb
Dctb
 
Fratura de escafoide
Fratura de escafoideFratura de escafoide
Fratura de escafoide
 
Fratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptxFratura-escápula.pptx
Fratura-escápula.pptx
 
Lesoes meniscais cj1
Lesoes meniscais cj1Lesoes meniscais cj1
Lesoes meniscais cj1
 
lesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdf
lesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdflesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdf
lesoesmeniscaiscj1-130416095901-phpapp01.pdf
 
Fratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombarFratura luxação toracolombar
Fratura luxação toracolombar
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 
Aula doença de kienböck
Aula doença de kienböckAula doença de kienböck
Aula doença de kienböck
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 

Mais de saulo vinicius

Fisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiaisFisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiais
saulo vinicius
 
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocDoença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
saulo vinicius
 
Bma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adultoBma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adulto
saulo vinicius
 
Bma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adultoBma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adulto
saulo vinicius
 
Eclâmpsia
EclâmpsiaEclâmpsia
Eclâmpsia
saulo vinicius
 
Bronquiolíte viral viral aguda
Bronquiolíte viral viral agudaBronquiolíte viral viral aguda
Bronquiolíte viral viral aguda
saulo vinicius
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
saulo vinicius
 

Mais de saulo vinicius (7)

Fisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiaisFisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiais
 
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocDoença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
 
Bma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adultoBma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adulto
 
Bma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adultoBma, avaliação neural do adulto
Bma, avaliação neural do adulto
 
Eclâmpsia
EclâmpsiaEclâmpsia
Eclâmpsia
 
Bronquiolíte viral viral aguda
Bronquiolíte viral viral agudaBronquiolíte viral viral aguda
Bronquiolíte viral viral aguda
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
 

Último

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 

Último (7)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 

Fraturas do punho

  • 1. DISTAIS DE ANTEBRAÇO E PROXIMAL DO CARPO CACHOEIRA BA 08/06/2016
  • 2. DISCENTES: •ERISTON BARRETO •FERNANDO RODRIGO •LARISSA MENDES •LUCI CUPERTINO •LUIZ CRISPIM •SAULO VINICIUS DOCENTE: PROF. ABERTO SARKIS CACHOEIRA BA 08/06/2016
  • 3. INTRODUÇÃO As fraturas de terço distal do rádio são as mais frequentes dos membros superiores, correspondem a 1/6 de todas as fraturas atendidas em setor de urgência. Durante quase 1 século foi considerada uma fratura de bom prognóstico com um tratamento conservador. Porem nos últimos 30 anos observou-se uma grande incidência de complicações resultantes do tratamento conservador, tais como consolidação viciosa e acometimento articular.
  • 4. A superfície articular do rádio funciona como um platô, no qual se articula os ossos do carpo semilunar, escafoide e incisura ulnar.
  • 7. A forma anatômica do terço distal do rádio é achatado no sentido antero-posterior. Constituída de osso esponjoso Envolto por fina camada de osso cortical O que torna essa região vulnerável ao traumatismo.
  • 8. Não podemos nos esquecer da estreita relação do punho: artérias radial e ulnar Os nervos mediano e ulnar O ramo sensitivo radial. Vale destacar que possíveis lesões podem comprimir ou mesmo lesar tais estruturas
  • 9. Desde a descrição clássica das fraturas extra-articulares do rádio distal feita por Abraham Colles (1814) várias classificações e epônimos foram surgindo. Abraham Colles (1814)
  • 10. 1. FRATURA EM EXTENSÃO-COMPRESSÃO – (COLLES). 2. FRATURA POR FLEXÃO-COMPRESSÃO COM DESLOCAMENTO VOLAR- (SMITH). 3. FRATURA DA APÓFISE DO PROCESSO ESTILÓIDE DO RÁDIO- (HUTCHINSON) OU (CHAUFFER). 4. FRATURA LUXAÇÃO DO PUNHO VOLAR OU DORSAL- (BARTON).
  • 11. O TRAUMA PODE SER CAUSADO POR TROPEÇO SEGUIDO DE QUEDA COM AÇÃO REFLEXA DE IMPOSIÇÃO DAS MÃOS. A MAIORIA DAS QUEDAS SÃO DOMÉSTICAS SEGUIDAS DE LESÕES NO ESPORTE.
  • 12.  ADULTOS JOVENS OU IDOSOS(QUEDAS) EXPOSTOS A TRAUMATISMO DE GRANDE ENERGIA CINÉTICA CORRESPONDE DE 10-12% DAS FRATURAS DO ESQUELETO DEVE SER AVALIADO:  IDADE OCUPAÇÃO TIPO DE ATIVIDADE GRAU DE ENERGIA QUE OCASIONOU A FRATURA  CONDIÇÃO CLÍNICA GERAL:
  • 13. 1. DOR 2. EDEMA 3. DEFORMIDADE ANATOMICA VISIÍVEL 4. DESVIO RADIAL DO PUNHO
  • 14. RX em perfil RX em AP e PA RNM TC
  • 15. CLASSIFICAÇÃO AO: A. FRATURAS EXTRA- ARTICULARES SIMPLES. B. FRATURAS INTRA- ARTICULARES C/DESVIO PARCIAL. C. FRATURAS INTRA- ARTICULARES COMPLEXAS.
  • 16. CLASSIFICAÇÃO UNIVERSAL: 1. EXTRA-ARTICULAR SEM DESVIO. 2. EXTRA-ARTICULAR COM DESVIO. 3. INTRA-ARTICULAR SEM DESVIO. 4. INTRA-ARTICULAR COM DESVIO. A. REDUTÍVEL ESTÁVEL. B. REDUTÍVEL INSTÁVEL. C. IRREDUTÍVEL.
  • 17. 1. REDUÇÃO INCRUENTA 2. ESTABILIZAÇÃO- TALA GESSADA (2 Á 8 SEMANAS) 3. INDICAÇÃO EM FRATURAS CLASSIFICADAS COMO EXTRA- ARTICULARES 1. FIOS DE KIRSCHNER 2. PARAFUSOS 3. OSTEOSÍNTESE DE PLACA VOLAR- DVR 4. FIXADOR EXTERNO DINÂMICO¹ - (8 á 11 semanas) ¹(Obs: método de fixação que não possibilita a realização de RAFI)
  • 18. FIXADOR INTERNO DVR FIXADOR DINÂMICO (FAVORECE LIGAMENTOTAXIA)
  • 19. OBJETIVOS DURANTE E APÓS IMOBILIZAÇÃO: 1.Diminuir o quadro álgico 2.Reduzir o edema 3.Melhorar a circulação local 4.Manter a integridade articular 5.Melhorar tônus muscular 6.Reeducação funcional do membro
  • 20. • LESÃO DO NERVO MEDIANO • PERDA DA REDUÇÃO • LESÃO ARTERIALPRECOCES • CONSOLIDAÇÃO VICIOSA • INSTABILIDADE CÁRPICA • ARTROSE • PSEUDOARTROSE TARDIAS
  • 22.  Adultos jovens ou idosos(quedas), esportistas. Expostos a traumatismo de grande energia cinética Apenas 10% das fraturas do carpo são isoladas Escafoide- 70% Semilunar- 4% Piramidal- 18,3% Pisiforme- 1,3% Deve ser avaliado:  Idade Ocupação Tipo de atividade Grau de energia que ocasionou a fratura  condição clínica geral:
  • 23. Queda com o punho em flexão ou extensão. Escafoide- impactação com o rádio/ queda com extensão de punho Semilunar- queda com punho em hiperextensão/ compressão contra o rádio e o capitato Piramidal- queda flexão com desvio ulnar/ impactação contra a ulna
  • 25. SINAIS CLÍNICOS: •Dor (tabaqueira anatômica - escafoide); • Inchaço; •Equimose; •Impotência funcional; •Pronação forçada do pulso contra resistência causa dor
  • 26. PELO MENOS 4 INCIDENCIAS RX: PA OU AP PERFIL OBLÍQUAS: (PRONAÇÃO 30° OU SUPINAÇÃO 30°) PA OU AP COM DESVIO ULNAR RNM, TC, CINTILOGRAFIA, US.
  • 27. Em 1990, Herbert apresentou uma classificação que combina localização, instabilidade e prognóstico, inclusive retardo de consolidação e pseudoartrose : Tipo A : A1 – fratura da tuberosidade / A2 - fratura incompleta do colo Tipo B: B1 – fratura oblíqua distal / B2 – fratura completa do colo B3 – fratura do pólo proximal / B4 – fratura luxação transescafoperisemilunar Tipo C: C1 – retardo de consolidação Tipo D: D1: pseudo - artrose fibrosa / D2 – pseudoartrose
  • 29. A)- SEM DESVIO- TRATAMENTO CONSERVADOR: Imobilização em luva gessada ou TG( englobando o polegar) por 04 á 06 semanas. Geralmente apresentam bom prognóstico. B)- COM DESVIO- TRATAMENTO CIRÚRGICO INDICADO: São aquelas com degrau de 01 mm. Redução+ Fios de Kirschner ou parafusos de Herbert com uso de TG por até 8 semanas.
  • 32. CLASSIFICAÇÃO: I - polo volar(mais frequente) II - avulsão ligamento dorsal("chip fracture") III - polo dorsal IV - longitudinal do corpo V - transversa do corpo Pode estar associado a outras lesões.
  • 33. TRATAMENTO: a maioria é do tipo I e II Tipo I Sem desvio: conservador (TG por 4 sem). Com desvio – RAFI(redução aberta Com fixação interna). Tipo II – TG antebraquiopalmar por 3 sem As fraturas de semilunar têm um bom prognóstico porque é uma área bem vascularizada.
  • 34.  2° fratura mais frequente do carpo • Varia entre avulsões simples e fraturas do corpo TTMTO: Avulsão- TG antebraquiopalmar por 3 sem. Fratura corpo - TG antebraquiopalmar por 6 sem.  Piramidal não tem problemas de necrose - abundante vascularização. Com isto seu prognóstico é bom.
  • 35. • Osso sesamóide com fratura rara •Mecanismo de lesão - trauma direto na região hipotênar •Classificação: tipo I - transversa tipo II - longitudinal tipo III - cominutiva • Diagnóstico - RX com punho em 30° de flexão(melhor) • Pode ocorrer compressão do nervo ulnar. (canal de Guyon)
  • 36. • TRATAMENTO CONSERVADOR NA MAIORIA DOS CASOS:  A maioria das fraturas de pisiforme não tem desvio e responde bem ao tratamento. TG antebraquiopalmar de 3 á 4 semanas.
  • 37. 1. Hebert,Sizínio-Xavier,Renato-Ortopedia e traumatologia- princípios e prática-2ªed-ed Artmed-Porto Alegre-1998. Pg 1189-1231. 2. Haverback,Dr Juan Fortune-Arenas,Dr Jaime Paulos-Ortopedia y Traumatologia-Faculdade de Medicina de Chile.fonte Dreamule. 3. Adams,John Crawford-Hamblen,Davi L.-Manual de Fraturas- 10ªed-ed Artes Medicas-1994. 4. https://traumatologiaeortopedia.com.br/viewtopic.php?t=285. 5. As imagens foram encontradas na página https://google.com.br

Notas do Editor

  1. Observação- quem for apresentar essa parte aprende isso aí que eu vou colocar só a imagem.