SlideShare uma empresa Scribd logo
1820 E O LIBERALISMO

                             A REVOLUÇÃO FRANCESA.

Liberdade e Igualdade


1-Que revolta pôs fim à monarquia absoluta em França?
A revolução francesa em 1789

2- Que classes sociais é que se revoltaram?
A burguesia e o povo

3- Porque se deu esta revolução?
Porque em França, nos finais do séc XVIII havia um grande descontentamento por
parte das classes sociais burguesia e do povo, devido aos muitos impostos que estes
pagavam e também pelos privilégios que a nobreza e o clero possuíam bem como o
poder absoluto que o rei detinha.

4- Que ideias defendiam os revolucionários?
Os revolucionários, a maior parte pertencentes à burguesia e ao povo, defendiam
novas ideias, como:
   - a igualdade de todos os cidadãos perante a lei (todos teriam os mesmos
      direitos e deveres).
   - Maior liberdade para as pessoas.
   - Defendiam ainda a separação de todos os poderes (na Monarquia Absoluta o
      rei detinha todos os poderes).
Defendiam o lema da “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”

Após e revolução, o rei deixou de ter todos os poderes. A lei passou a ser igual para
todos e a liberdade passou a ser um direito.

5 – Quem morreu durante a Revolução Francesa?
Foram mortos a família real (rei Luís XVI e rainha Maria Antonieta) e muitos
elementos do clero e da nobreza.


A Desobediência de Portugal

6- O que aconteceu ao resto da Europa após a revolução francesa?

Após a vitória dos revolucionários franceses, os reis absolutos europeus sentiram o
seu poder ameaçado. Alguns deles uniram-se e declararam guerra à França. Foram
derrotados devido à ação de Napoleão Bonaparte, general francês e comandante das
tropas francesas.
                                                                                        1
7 – Que medidas tomou Napoleão Bonaparte para dominar a Europa?
Após a derrota da maioria dos reis absolutos europeus, a França passou a dominar
quase toda a Europa Continental. Só a Grã- Bretanha continuou a oferecer resistência.
Para a isolar e para destruir o seu comércio, Napoleão ordenou aos países europeus
que fechassem os seus portos aos navios ingleses. Esta medida tomada em 1806,
ficou conhecida por Bloqueio Continental.

8- Quem ordenou o Bloqueio Continental?
Napoleão Bonaparte

9- Qual o país que Napoleão pretendia atingir com este Bloqueio?
Grã- Bretanha

10 – Qual o país que não obedeceu?
Portugal

11 – Qual foia posição de Portugal no que respeita ao Bloqueio Continental?

Portugal hesitou em obedecer às ordens de Napoleão, porque além de existir uma
aliança antiga com a Grã –Bretanha, o encerramento dos portos portugueses aos
navios ingleses prejudicaria a economia portuguesa, visto que o nosso comércio
externo se fazia principalmente com aquele país.

12- Que decisão tomou D. João? E que consequências teve para Portugal esta
decisão?
O príncipe regente, D. João acabou por ordenar a saída dos navios ingleses dos portos
portugueses, no entanto, já era tarde porquea França aliou-se a Espanha e decidiram
invadir Portugal. Quando em Novembro de 1807 Napoleão e as suas tropas entraram
em Portugal, D. João e toda a família real já tinham saído do país para se refugiarem
no Brasil.
      O governo do país ficou entregue a uma regência composta por cinco
governantes.A capital do império português passou a ser o Rio de Janeiro.

PORTUGAL OCUPADO PELOS FRANCESES

13- Quantas foram as invasões francesas a Portugal?
Foram três.

14 – O que aconteceu na primeira invasão?
Em 1807, o comandante das tropas francesas Junot instalou-se em Lisboa sem
encontrar resistência.
Tomou medidas que desagradaram à maioria dos Portugueses:
   - Mandou substituir a bandeira nacional pela francesa, no Castelo de S. Jorge


                                                                                    2
- Demitiu a “Regência” nomeada pelo príncipe regente D. João e começou a
     governar Portugal como terra conquistada.
   - Os soldados franceses e os seus aliados espanhóis, cometiam roubos e
     violências por todo o país, provocando revolta na população.
   - Destruíram campos e culturas e mataram muitas pessoas.

15 - A quem pediu ajuda Portugal durante a 1ª invasão francesa?
Portugal pediu auxílio aos i
ngleses. As tropas inglesas reforçadas pelas portuguesas, derrotaram os franceses
nas Batalhas de Roliça e Vimeiro. Apesar de vencidos os franceses negociaram com os
ingleses a sua saída de Portugal – Convenção de Sintra – levando consigo tudo o que
tinham roubado.

16 – O que aconteceu na segunda invasão?
Apesar da derrota dos franceses, Napoleão não desistiu. Em 1809, os franceses
comandados pelo general Soult, entraram em Portugal por Trás-os-Montes e
conquistaram o norte até ao Rio Douro. Ocuparam a cidade do Porto. A vitória pouco
durou porque os soldados ingleses e portugueses, com o apoio dos populares
obrigaram os soldados franceses a refugiarem-se na Galiza (Espanha).

17 – O que aconteceu na terceira invasão?
Em 1810, os franceses, comandados pelo general Massena, invadiram de novo
Portugal, agora pela Beira Alta. Apesar de derrotados no Buçaco, continuaram a
marcha em direção a Lisboa. Foram detidos nas barreiras defensivas de Torres
Vedras. Os franceses abandonaram Portugal em 1811.


18 – Após a saída dos franceses de Portugal, o país ficou numa situação muito
difícil. Quais foram as razões que levaram deste descontentamento e que
conduziram os portugueses a desejar a revolução?
 As razões foram:
   - Após a saída dos franceses, o país estava a atravessar um período difícil; houve
       perda de vidas humanas, o comércio e a indústria estavam paralisados, pontes
       cortadas, casas e monumentos saqueados.
   - Após a saída dos franceses, eram os ingleses que controlavam o exército, o
       comércio e o governo portugueses.
   - D. João e a Corte continuavam no Brasil, sem mostrarem grande
       preocupaçãocom o que se passava em Portugal.
   - Em 1808 D . João abriu os portos brasileiros ao comércio estrangeiro o que
       prejudicava muito os comerciantes portugueses. O comércio externo português
       dependia em grande parte da venda dos produtos portugueses (agrícolas e
       industriais) ao Brasil e da exportação dos produtos brasileiros.

Estas razões levaram os portugueses a desejar a revolução de acordo com as ideias
da Liberdade e Igualdade vindas de França.
                                                                                    3
19 – Em que data se deu a primeira conspiração liberal/ tentativa de
revolução?
Em 1817, deu-se a primeira conspiração liberal para fazer regressar a Portugal a
família real e acabar com o domínio inglês. Este movimento foi descoberto e o
general Gomes Freire de Andrade acusado de o chefiar foi enforcado.

20- O que era o Sinédrio?
Era uma organização secreta que se formou em 1818 no Porto, por um grupo de
liberais (comerciantes, militares, proprietários e juízes) dirigido por Manuel
Fernandes Tomás e que pretendia preparar a revolução.

21 – Em que ano se deu a revolução em Portugal?
A 24 de Agosto de 1820, militares do Porto, chefiados pelo general Sepúlveda, que
também fazia parte do Sinédrio, revoltara-se contra o regime absoluto e a situação do
reino. A 1 de Outubro, os revolucionários do Porto uniram-se aos defensores das
ideias liberais de Lisboa. A revolução espalhou-se por todo o país e foi criado um
governo provisório – A Junta Provisional do Governo do Reino – que incluía
revolucionários de Lisboa e do Porto.

22 - Qual a função desta Junta Provisional do Governo do Reino?
A Junta Provisional do Governo do Reino teve o encargo de governar o país e
organizar as primeiras eleições para deputados às Cortes Constituintes.

23- O que eram as Cortes Constituintes?
Eram assembleias formadas por deputados eleitos pelos cidadãos eleitores, tendo
como função fazer as leis.
A Assembleia tinha como principal função elaborar uma Constituição que estivesse
de acordo com as ideias liberais.
D. João VI, entretanto regressou do Brasil assinou a Constituição e comprometeu-se a
respeitá-la. A monarquia Absoluta deu origem à Monarquia Constitucional.

24- Definição de Cortes antes de 1820?
Assembleias consultivas, convocadas pelo rei, para ouvir a opinião dos
representantes do clero, da nobreza e do povo.

25–Quais os princípios da Monarquia Liberal ou Constitucional?
Com a Monarquia Constitucional:

   - Deixaram de existir grupos sociais privilegiados, uma vez que na Constituição
     estava escrito que todos os indivíduos passavam a ser iguais perante a lei,
     independentemente da sua riqueza ou origem familiar.
   - Todos passaram a pagar impostos e a ser julgados pelos mesmos tribunais.
   - Soberania da Nação, ou seja, o rei submetia-se à vontade dos cidadãos que, pelo
     voto, escolhiam os seus representantes.
                                                                                    4
- Podiam votar os homens com mais de 25 anos, ficando excluídos os
     analfabetos, os frades e as mulheres.
   - O Poder passou a estar repartido: Poder legislativo (exercido pelos deputados
     nas Cortes que faziam as leis); Poder executivo (exercido pelo rei e os
     secretários de Estado ou ministros no Governo que punham as leis em prática);
     Poder Judicial (exercido pelos juízes no Tribunal que julgavam quem não
     cumpria a lei).


Quais as diferenças entre uma Monarquia Absoluta e uma
Monarquia Constitucional?




26 – Qual foi a atitude de D. Pedro quando as Cortes Constituintes exigiram que
este regressasse do Brasil?

      O Brasil desenvolveu-se com a presença de D. João VI durante 13 anos.
Construíram-se escolas, estradas, hospitais, teatros e bibliotecas e a cidade do Rio de
Janeiro tornou-se a sede do governo. A partir de 1808, o Brasil passou a fazer
comércio livremente com outros países deixando de ser obrigado como colónia a
comprar e a vender todos os produtos. A burguesia Brasileira viu os seus lucros a
aumentarem, ao contrário da burguesia portuguesa que viu os seus lucros a
diminuírem.
      As Cortes Constituintes exigiram que o Brasil voltasse à sua condição antiga de
colónia, voltando a fazer comércio só com Portugal, e que D. Pedro regressasse ao
reino. Este não concordou e em 1822 declarou a independência do Brasil. D. Pedro
passou a ser D. Pedro I do Brasil e Portugal perdeu assim o território que mais lucros
dava.

27 – Quem governou Portugal após a morte de D. João VI?
      D. Pedro foi aclamado rei, por ser o filho mais velho de D. João VI.. Como D.
Pedro era imperador do Brasil, se subisse ao trono os dois reinos voltariam a estar
unidos, situação que não agradava nem a Portugal nem ao Brasil.
      Então, D. Pedro decidiu abdicar do trono de Portugal para sua filha D. Maria da
Glória, que tinha sete anos de idade.

                                                                                     5
D. Miguel, filho de D.João VI estava exilado na Áustria por ter organizado
revoltas contra a Monarquia Liberal. D. Pedro decidiu então que D. Miguel poderia
regressar a Portugal desde que aceitasse casar com a sobrinha e governar como
regente de acordo com as ideias liberais.

28 - Como D. Miguel se tornou Rei Absolutista?
 Como D. Pedro tinha declarado a independência do Brasil e era a favor das ideias
liberais, a antiga nobreza do reino, o clero e mesmo alguns populares não o aceitaram
como rei de Portugal. Preferiam que o rei fosse D. Miguel já que era defensor da
Monarquia Absoluta. Aproveitando a ausência de D. Pedro no Brasil, D. Miguel fez-se
aclamar rei em 1828. Dissolveu a Cortes e passou a governar como rei absoluto.
Muitos liberais foram presos e mortos e outros refugiaram-se no estrangeiro.


29- Quando é que a Monarquia Absoluta foi novamente derrotada?

EM 1831 D. Pedro abdicou do trono e veio para a Europa. Nos Açores organizou um
exército liberal e em 1832 desembarcou em Pampelido, perto do Porto. Esta cidade
foi ocupada durante um ano pelos liberais e cercada pelo exército de D. Miguel. Os
liberais resistiram um ano. Numa tentativa de provocar a divisão das tropas de D.
Miguel, uma , uma parte do exército liberal saiu do Porto e dirigiu-se ao Algarve. Dali
marchou para Lisboa, tendo ocupado a capital do reino em 1833. O Exército
miguelista saiu do Porto e dirigiu-se a Lisboa. Em 1834 ocorreram as batalhas de
Almoster e Asseiceira, ganhas pelos liberais. D. Miguel assinou então a Paz na
Convenção de Évoramonte em 1834. Foi o fim da Guerra Civil e a Monarquia Liberal
saiu vencedora.


CRONOLOGIA
1822      - APROVAÇÃO DA 1ª CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA
          - INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
1828      -    D.   MIGUEL    FAZ-SE   ACLAMAR     COMO   REI   DE
          PORTUGAL,PASSANDO A GOVERNAR COMO REI ABSOLUTO
          - LIBERAIS SÃO PERSEGUIDOS PELOS ABSOLUTISTAS
1831      - D. PEDRO ABDICA DO TRONO BRASILEIRO, REGRESSA À EUROPA
          E JUNTA-SE AOS LIBERAIS NOS AÇORES
1832      - DESEMBARQUE DOS LIBERAIS PERTO DO PORTO, SEGUE-SE A
          OCUPAÇÃO DA CIDADE. CERCO DESTA CIDADE EPLOS
          ABSOLUTISTAS E DÁ-SE O INÍCIO DA GUERRA CIVIL.
1833      - LISBOA É OCUPADA PELAS TROPAS LIBERAIS
1834      - CONVENÇÃO DE ÉVORAMONTE FIM DA GUERRA CIVIL COM A
          VITÓRIA DOS LIBERAIS.




                                                                                     6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
Revolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesasRevolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesas
pereiraepereira1
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
pereiraepereira1
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
Inês Marques
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
jdlimaaear
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
Maria Cerqueira
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
josepinho
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
Maria Gomes
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutista
Carla Teixeira
 
A Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal PortuguesaA Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal Portuguesa
kikatitic
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesa
Eduardo Sousa
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
ricardup
 
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoRevolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
LuisMagina
 
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em PortugalApresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Dora Alexandra Batista de Sousa Rocha
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
José Palma
 
1820
18201820
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
cattonia
 
RevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º TesteRevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º Teste
jdlimaaear
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
Revolução de 1820
Revolução de 1820Revolução de 1820
Revolução de 1820
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Revolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesasRevolução e invasões francesas
Revolução e invasões francesas
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutista
 
A Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal PortuguesaA Revolução Liberal Portuguesa
A Revolução Liberal Portuguesa
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesa
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
 
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoRevolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
 
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em PortugalApresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
 
1820
18201820
1820
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
RevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º TesteRevisõEs 2.º Teste
RevisõEs 2.º Teste
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
Revolução de 1820
Revolução de 1820Revolução de 1820
Revolução de 1820
 

Semelhante a 1820 e o liberalismo

Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
joanacunha9406
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
blade40p
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
Carla Teixeira
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
cruchinho
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
MC123456789
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
Vítor Santos
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
Joana12so
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
takahico
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
JoanaRitaSilva
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
Temas de História de Portugal
 
Resumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino Unido
Resumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino UnidoResumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino Unido
Resumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino Unido
Nelson Silva
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberais
Teresa Maia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
ceufaias
 
Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 

Semelhante a 1820 e o liberalismo (20)

Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
 
Resumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino Unido
Resumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino UnidoResumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino Unido
Resumos Dos Textos Projetos Coloniais E Reino Unido
 
Revoluções liberais
Revoluções liberaisRevoluções liberais
Revoluções liberais
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020
 

1820 e o liberalismo

  • 1. 1820 E O LIBERALISMO A REVOLUÇÃO FRANCESA. Liberdade e Igualdade 1-Que revolta pôs fim à monarquia absoluta em França? A revolução francesa em 1789 2- Que classes sociais é que se revoltaram? A burguesia e o povo 3- Porque se deu esta revolução? Porque em França, nos finais do séc XVIII havia um grande descontentamento por parte das classes sociais burguesia e do povo, devido aos muitos impostos que estes pagavam e também pelos privilégios que a nobreza e o clero possuíam bem como o poder absoluto que o rei detinha. 4- Que ideias defendiam os revolucionários? Os revolucionários, a maior parte pertencentes à burguesia e ao povo, defendiam novas ideias, como: - a igualdade de todos os cidadãos perante a lei (todos teriam os mesmos direitos e deveres). - Maior liberdade para as pessoas. - Defendiam ainda a separação de todos os poderes (na Monarquia Absoluta o rei detinha todos os poderes). Defendiam o lema da “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” Após e revolução, o rei deixou de ter todos os poderes. A lei passou a ser igual para todos e a liberdade passou a ser um direito. 5 – Quem morreu durante a Revolução Francesa? Foram mortos a família real (rei Luís XVI e rainha Maria Antonieta) e muitos elementos do clero e da nobreza. A Desobediência de Portugal 6- O que aconteceu ao resto da Europa após a revolução francesa? Após a vitória dos revolucionários franceses, os reis absolutos europeus sentiram o seu poder ameaçado. Alguns deles uniram-se e declararam guerra à França. Foram derrotados devido à ação de Napoleão Bonaparte, general francês e comandante das tropas francesas. 1
  • 2. 7 – Que medidas tomou Napoleão Bonaparte para dominar a Europa? Após a derrota da maioria dos reis absolutos europeus, a França passou a dominar quase toda a Europa Continental. Só a Grã- Bretanha continuou a oferecer resistência. Para a isolar e para destruir o seu comércio, Napoleão ordenou aos países europeus que fechassem os seus portos aos navios ingleses. Esta medida tomada em 1806, ficou conhecida por Bloqueio Continental. 8- Quem ordenou o Bloqueio Continental? Napoleão Bonaparte 9- Qual o país que Napoleão pretendia atingir com este Bloqueio? Grã- Bretanha 10 – Qual o país que não obedeceu? Portugal 11 – Qual foia posição de Portugal no que respeita ao Bloqueio Continental? Portugal hesitou em obedecer às ordens de Napoleão, porque além de existir uma aliança antiga com a Grã –Bretanha, o encerramento dos portos portugueses aos navios ingleses prejudicaria a economia portuguesa, visto que o nosso comércio externo se fazia principalmente com aquele país. 12- Que decisão tomou D. João? E que consequências teve para Portugal esta decisão? O príncipe regente, D. João acabou por ordenar a saída dos navios ingleses dos portos portugueses, no entanto, já era tarde porquea França aliou-se a Espanha e decidiram invadir Portugal. Quando em Novembro de 1807 Napoleão e as suas tropas entraram em Portugal, D. João e toda a família real já tinham saído do país para se refugiarem no Brasil. O governo do país ficou entregue a uma regência composta por cinco governantes.A capital do império português passou a ser o Rio de Janeiro. PORTUGAL OCUPADO PELOS FRANCESES 13- Quantas foram as invasões francesas a Portugal? Foram três. 14 – O que aconteceu na primeira invasão? Em 1807, o comandante das tropas francesas Junot instalou-se em Lisboa sem encontrar resistência. Tomou medidas que desagradaram à maioria dos Portugueses: - Mandou substituir a bandeira nacional pela francesa, no Castelo de S. Jorge 2
  • 3. - Demitiu a “Regência” nomeada pelo príncipe regente D. João e começou a governar Portugal como terra conquistada. - Os soldados franceses e os seus aliados espanhóis, cometiam roubos e violências por todo o país, provocando revolta na população. - Destruíram campos e culturas e mataram muitas pessoas. 15 - A quem pediu ajuda Portugal durante a 1ª invasão francesa? Portugal pediu auxílio aos i ngleses. As tropas inglesas reforçadas pelas portuguesas, derrotaram os franceses nas Batalhas de Roliça e Vimeiro. Apesar de vencidos os franceses negociaram com os ingleses a sua saída de Portugal – Convenção de Sintra – levando consigo tudo o que tinham roubado. 16 – O que aconteceu na segunda invasão? Apesar da derrota dos franceses, Napoleão não desistiu. Em 1809, os franceses comandados pelo general Soult, entraram em Portugal por Trás-os-Montes e conquistaram o norte até ao Rio Douro. Ocuparam a cidade do Porto. A vitória pouco durou porque os soldados ingleses e portugueses, com o apoio dos populares obrigaram os soldados franceses a refugiarem-se na Galiza (Espanha). 17 – O que aconteceu na terceira invasão? Em 1810, os franceses, comandados pelo general Massena, invadiram de novo Portugal, agora pela Beira Alta. Apesar de derrotados no Buçaco, continuaram a marcha em direção a Lisboa. Foram detidos nas barreiras defensivas de Torres Vedras. Os franceses abandonaram Portugal em 1811. 18 – Após a saída dos franceses de Portugal, o país ficou numa situação muito difícil. Quais foram as razões que levaram deste descontentamento e que conduziram os portugueses a desejar a revolução? As razões foram: - Após a saída dos franceses, o país estava a atravessar um período difícil; houve perda de vidas humanas, o comércio e a indústria estavam paralisados, pontes cortadas, casas e monumentos saqueados. - Após a saída dos franceses, eram os ingleses que controlavam o exército, o comércio e o governo portugueses. - D. João e a Corte continuavam no Brasil, sem mostrarem grande preocupaçãocom o que se passava em Portugal. - Em 1808 D . João abriu os portos brasileiros ao comércio estrangeiro o que prejudicava muito os comerciantes portugueses. O comércio externo português dependia em grande parte da venda dos produtos portugueses (agrícolas e industriais) ao Brasil e da exportação dos produtos brasileiros. Estas razões levaram os portugueses a desejar a revolução de acordo com as ideias da Liberdade e Igualdade vindas de França. 3
  • 4. 19 – Em que data se deu a primeira conspiração liberal/ tentativa de revolução? Em 1817, deu-se a primeira conspiração liberal para fazer regressar a Portugal a família real e acabar com o domínio inglês. Este movimento foi descoberto e o general Gomes Freire de Andrade acusado de o chefiar foi enforcado. 20- O que era o Sinédrio? Era uma organização secreta que se formou em 1818 no Porto, por um grupo de liberais (comerciantes, militares, proprietários e juízes) dirigido por Manuel Fernandes Tomás e que pretendia preparar a revolução. 21 – Em que ano se deu a revolução em Portugal? A 24 de Agosto de 1820, militares do Porto, chefiados pelo general Sepúlveda, que também fazia parte do Sinédrio, revoltara-se contra o regime absoluto e a situação do reino. A 1 de Outubro, os revolucionários do Porto uniram-se aos defensores das ideias liberais de Lisboa. A revolução espalhou-se por todo o país e foi criado um governo provisório – A Junta Provisional do Governo do Reino – que incluía revolucionários de Lisboa e do Porto. 22 - Qual a função desta Junta Provisional do Governo do Reino? A Junta Provisional do Governo do Reino teve o encargo de governar o país e organizar as primeiras eleições para deputados às Cortes Constituintes. 23- O que eram as Cortes Constituintes? Eram assembleias formadas por deputados eleitos pelos cidadãos eleitores, tendo como função fazer as leis. A Assembleia tinha como principal função elaborar uma Constituição que estivesse de acordo com as ideias liberais. D. João VI, entretanto regressou do Brasil assinou a Constituição e comprometeu-se a respeitá-la. A monarquia Absoluta deu origem à Monarquia Constitucional. 24- Definição de Cortes antes de 1820? Assembleias consultivas, convocadas pelo rei, para ouvir a opinião dos representantes do clero, da nobreza e do povo. 25–Quais os princípios da Monarquia Liberal ou Constitucional? Com a Monarquia Constitucional: - Deixaram de existir grupos sociais privilegiados, uma vez que na Constituição estava escrito que todos os indivíduos passavam a ser iguais perante a lei, independentemente da sua riqueza ou origem familiar. - Todos passaram a pagar impostos e a ser julgados pelos mesmos tribunais. - Soberania da Nação, ou seja, o rei submetia-se à vontade dos cidadãos que, pelo voto, escolhiam os seus representantes. 4
  • 5. - Podiam votar os homens com mais de 25 anos, ficando excluídos os analfabetos, os frades e as mulheres. - O Poder passou a estar repartido: Poder legislativo (exercido pelos deputados nas Cortes que faziam as leis); Poder executivo (exercido pelo rei e os secretários de Estado ou ministros no Governo que punham as leis em prática); Poder Judicial (exercido pelos juízes no Tribunal que julgavam quem não cumpria a lei). Quais as diferenças entre uma Monarquia Absoluta e uma Monarquia Constitucional? 26 – Qual foi a atitude de D. Pedro quando as Cortes Constituintes exigiram que este regressasse do Brasil? O Brasil desenvolveu-se com a presença de D. João VI durante 13 anos. Construíram-se escolas, estradas, hospitais, teatros e bibliotecas e a cidade do Rio de Janeiro tornou-se a sede do governo. A partir de 1808, o Brasil passou a fazer comércio livremente com outros países deixando de ser obrigado como colónia a comprar e a vender todos os produtos. A burguesia Brasileira viu os seus lucros a aumentarem, ao contrário da burguesia portuguesa que viu os seus lucros a diminuírem. As Cortes Constituintes exigiram que o Brasil voltasse à sua condição antiga de colónia, voltando a fazer comércio só com Portugal, e que D. Pedro regressasse ao reino. Este não concordou e em 1822 declarou a independência do Brasil. D. Pedro passou a ser D. Pedro I do Brasil e Portugal perdeu assim o território que mais lucros dava. 27 – Quem governou Portugal após a morte de D. João VI? D. Pedro foi aclamado rei, por ser o filho mais velho de D. João VI.. Como D. Pedro era imperador do Brasil, se subisse ao trono os dois reinos voltariam a estar unidos, situação que não agradava nem a Portugal nem ao Brasil. Então, D. Pedro decidiu abdicar do trono de Portugal para sua filha D. Maria da Glória, que tinha sete anos de idade. 5
  • 6. D. Miguel, filho de D.João VI estava exilado na Áustria por ter organizado revoltas contra a Monarquia Liberal. D. Pedro decidiu então que D. Miguel poderia regressar a Portugal desde que aceitasse casar com a sobrinha e governar como regente de acordo com as ideias liberais. 28 - Como D. Miguel se tornou Rei Absolutista? Como D. Pedro tinha declarado a independência do Brasil e era a favor das ideias liberais, a antiga nobreza do reino, o clero e mesmo alguns populares não o aceitaram como rei de Portugal. Preferiam que o rei fosse D. Miguel já que era defensor da Monarquia Absoluta. Aproveitando a ausência de D. Pedro no Brasil, D. Miguel fez-se aclamar rei em 1828. Dissolveu a Cortes e passou a governar como rei absoluto. Muitos liberais foram presos e mortos e outros refugiaram-se no estrangeiro. 29- Quando é que a Monarquia Absoluta foi novamente derrotada? EM 1831 D. Pedro abdicou do trono e veio para a Europa. Nos Açores organizou um exército liberal e em 1832 desembarcou em Pampelido, perto do Porto. Esta cidade foi ocupada durante um ano pelos liberais e cercada pelo exército de D. Miguel. Os liberais resistiram um ano. Numa tentativa de provocar a divisão das tropas de D. Miguel, uma , uma parte do exército liberal saiu do Porto e dirigiu-se ao Algarve. Dali marchou para Lisboa, tendo ocupado a capital do reino em 1833. O Exército miguelista saiu do Porto e dirigiu-se a Lisboa. Em 1834 ocorreram as batalhas de Almoster e Asseiceira, ganhas pelos liberais. D. Miguel assinou então a Paz na Convenção de Évoramonte em 1834. Foi o fim da Guerra Civil e a Monarquia Liberal saiu vencedora. CRONOLOGIA 1822 - APROVAÇÃO DA 1ª CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA - INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1828 - D. MIGUEL FAZ-SE ACLAMAR COMO REI DE PORTUGAL,PASSANDO A GOVERNAR COMO REI ABSOLUTO - LIBERAIS SÃO PERSEGUIDOS PELOS ABSOLUTISTAS 1831 - D. PEDRO ABDICA DO TRONO BRASILEIRO, REGRESSA À EUROPA E JUNTA-SE AOS LIBERAIS NOS AÇORES 1832 - DESEMBARQUE DOS LIBERAIS PERTO DO PORTO, SEGUE-SE A OCUPAÇÃO DA CIDADE. CERCO DESTA CIDADE EPLOS ABSOLUTISTAS E DÁ-SE O INÍCIO DA GUERRA CIVIL. 1833 - LISBOA É OCUPADA PELAS TROPAS LIBERAIS 1834 - CONVENÇÃO DE ÉVORAMONTE FIM DA GUERRA CIVIL COM A VITÓRIA DOS LIBERAIS. 6