SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÕES LIBERAISREVOLUÇÕES LIBERAIS
10-05-15 1
Descritores de desempenhoDescritores de desempenho
1. Conhecer e compreender a Revolução Americana e a Revolução
Francesa
 1.Descrever o processo que levou à criação dos EUA, tendo em conta a
relação de proximidade/conflito com a Inglaterra e o apoio por parte da
França.
 2. Verificar no regime político instituído pela Revolução Americana a
aplicação dos ideais iluministas.
 3. Analisar as condições económicas, sociais e políticas que
conduziram à Revolução Francesa de 1789.
 4. Reconhecer a influência das ideias iluministas na produção legislativa
da assembleia constituinte (abolição dos direitos senhoriais, Declaração
dos Direitos do Homem e do Cidadão e Constituição de 1791).
 5. Descrever as principais etapas da Revolução Francesa.
 6. Mostrar a importância da Revolução Francesa de 1789 enquanto
marco de periodização clássica (passagem do Antigo Regime à Idade
Contemporânea).
10-05-15 2
Descritores de desempenhoDescritores de desempenho
2. Conhecer e compreender a evolução do sistema político em
Portugal desde as Invasões Francesas até ao triunfo do liberalismo
após a guerra civil
 1. Apresentar a situação política portuguesa imediatamente antes e
durante o período das Invasões Francesas, com destaque para a
retirada da Corte para o Rio de Janeiro e para a forte presença britânica,
relacionando-as com a eclosão da Revolução de 1820.
 2. Caracterizar o sistema político estabelecido pela Constituição de
1822.
 3. Descrever sucintamente as causas e consequências da
independência do Brasil.
 4. Reconhecer o carácter mais conservador da Carta Constitucional de
1826.
 5. Integrar a guerra civil de 1832-1834 no contexto da difícil implantação
do liberalismo em Portugal, nomeadamente perante a reação
absolutista.
 6. Identificar na ação legislativa de Mouzinho da Silveira e Joaquim
António de Aguiar medidas decisivas para o desmantelamento do Antigo10-05-15 3
O descontentamento das colóniasO descontentamento das colónias
 As 13 colónias inglesas na América do
Norte tinham administração própria e
alguma autonomia.
 Fatores de unidade entre as 13 colónias: -
a língua inglesa,
- a religião protestante,
- a defesa do parlamentarismo,
- a luta contra franceses e índios.
 A burguesia empreendedora e próspera
das colónias opunha-se ao sistema de
exclusivo de tipo mercantilista, o qual só
permitia que as colónias fizessem
comércio com a metrópole.
10-05-15 4
CAUSAS
Uma revolução percursora: os EUA
Doc1, p.158 manual
Lançamento de novos impostosLançamento de novos impostos
Os ingleses impunham
aos colonos impostos
sobre produtos
importados.
 Os ingleses criaram
novos impostos sobre o
chá, o açúcar e o papel
selado.
10-05-15 5
A reação dos colonos:A reação dos colonos:
10-05-15 6
Os protestos multiplicaram-se
nas colónias, a Inglaterra
suspendeu alguns impostos,
mas manteve o do chá,
bebida muito apreciada pelos
colonos.
Boston Tea Party (1773)Boston Tea Party (1773)
Um grupo de
habitantes de
Boston disfarçados
de índios, lançou ao
mar o carregamento
de três navios
ingleses ancorados
no porto de Boston.
10-05-15 7
ACONTECIMENTOS
Reação BritânicaReação Britânica
 A marinha inglesa bloqueou o
porto de Boston, impedindo a
exportação de produtos
coloniais, até que o prejuízo do
ataque aos barcos ingleses
fosse pago.
 Os colonos revoltaram-se e o
conflito generalizou-se.
10-05-15 8
George III, rei da Inglaterra
10-05-15 9
Congresso de Filadélfia (1775)
A intransigência
inglesa conduziu à
formação de um
exército de
voluntários, cuja
chefia foi entregue a
George Washington.
Texto que reflectia as ideias dos filósofos iluministas.
Declaração da Independência
(4 de Julho de 1776)
Ler doc3, p.158 do manual
Qual foi a resposta da Inglaterra?Qual foi a resposta da Inglaterra?
10-05-15 11
Declarada a independência, iniciou-se
uma guerra aberta com a Inglaterra. O
exército de George Washington
conseguiu o apoio da França, da
Espanha e da Holanda e, depois de
algumas derrotas iniciais, impôs-se aos
ingleses, que em 1783, se viram
obrigados a reconhecer a
independência das colónias.
A Constituição de 1787A Constituição de 1787
10-05-15 12
Depois de demoradas negociações,
as várias colónias aprovaram, em
1787, uma Constituição, em que
eram aplicados os ideais da Filosofia
das Luzes.
Este documento instituiu os EUA sob
a forma de uma república federal:
cada Estado federado conservava a
sua autonomia, mas um governo
central ocupava-se das questões
comuns, como a defesa e os
negócios estrangeiros.
Ver conceitos de Constituição e Estado federal no manual, p.159
Princípios definidos na Constituição Americana:Princípios definidos na Constituição Americana:
10-05-15 13
1. Garantia das liberdades e direitos dos cidadãos;
2. Separação dos poderes (legislativo, executivo e
judicial); ver doc.4, p.158 manual
3. Soberania da Nação, expressa pelo voto do povo
na eleição dos órgãos de poder executivo e
legislativo;
4. Separação entre a Igreja e o Estado
5. Liberdade económica
Importância da Revolução Americana:Importância da Revolução Americana:
10-05-15 14
Representou a primeira aplicação prática
das ideias iluministas;
Serviu de modelo a outros movimentos
revolucionários (revoluções liberais).
10-05-15 15
REVOLUÇÃO FRANCESA
CAUSAS
•Existência de uma monarquia absoluta.
•Influência de ideais iluministas e da
Revolução Americana
• Crise económica e financeira (devido a
maus anos agrícolas, decadência do
comércio, concorrência dos produtos
manufaturados ingleses, elevados gastos
com a Corte e envolvimento em guerras).
• Sociedade de Antigo Regime (tripartida,
estratificada e hierarquizada).
•Ambições políticas da burguesia
Descontentamento social
Luís XVI de França (1754-1793)
Sociedade do Antigo
Regime (caricatura)
Luís XVI convoca os Estados
Gerais, que abrem em 5 de
maio de 1789:
 Estão representados os três
estados (Clero, Nobreza e
Terceiro Estado);
 O Terceiro Estado exige o voto
por cabeça, em vez do
tradicional voto por ordem; ver
doc. 1, p.162 do manual
 Face à recusa da sua
proposta, o Terceiro Estado
abandona os Estados Gerais.
10-05-15 16
ACONTECIMENTOS
O rei tentou aplicar um novo imposto que abrangia todas as ordens sociais, o que foi recusado pela
nobreza e pelo clero. Decidiu, então convocar os Estados Gerais, o que já não acontecia desde 1614.
Os representantes do Terceiro Estado
declaram-se Assembleia Nacional.
O rei obriga o Clero e a Nobreza a
juntarem-se ao Terceiro Estado e
forma-se a Assembleia Nacional
Constituinte, com o objetivo de
dotar a França de uma Constituição.
O rei e os apoiantes do regime
absolutista resolvem reagir,
mandando avançar tropas sobre
Paris.
Tomada da Bastilha – 14 de julho de
1789
10-05-15 17
Assembleia Nacional
Tomada da Bastilha
Ação da Assembleia Nacional ConstituinteAção da Assembleia Nacional Constituinte
 Abolição dos direitos senhoriais;
 Declaração dos Direitos do Homem e do
Cidadão; ver doc.2, p.162 do manual
 Nacionalização dos bens do clero;
 Aprovação da Constituição de 1791, que
instaurou uma monarquia constitucional,
baseada na separação dos poderes
(executivo-rei, legislativo – assembleia
eleita e judicial tribunais) e no voto
censitário. ver doc.4, p.162 do manual
10-05-15 18
Lema da Revolução Francesa:
Liberdade, igualdade e
fraternidade.
Declaração dos Direitos do
Homem e do Cidadão
Assembleia Legislativa (1791-1792)
Divisão entre os
revolucionários (girondinos
v.s. jacobinos).
Início da oposição da
Europa à Revolução
Francesa.
Prisão do rei e a tomada de
poder pelos Jacobinos (mais
extremistas).
10-05-15 19
Detenção de Luís XVI e sua família, 1791.
Convenção e Terror (1792-1795)
 A Assembleia Legislativa é
substituída pela Convenção
Nacional escolhida por sufrágio
universal.
 Proclamação da República, em
1792.
 O rei Luís XVI e a rainha Maria
Antonieta são mortos na
guilhotina.
 Instaura-se um regime de
terror, liderado por
Robespierre, durante o qual são
mortos milhares de franceses
acusados de atividades
contrarrevolucionárias .
10-05-15 20
Execução de Luís XVI
Execução de Robespierre
República burguesa (1795-1799)República burguesa (1795-1799)
 Os moderados (girondinos) tomam conta do poder.
 Os lideres jacobinos são presos e executados (período do Terror
Branco)
 Em 1795 foi aprovada uma nova Constituição.
 O poder executivo é entregue a um Diretório.
 Retoma-se o voto censitário.
 Napoleão Bonaparte começa a distinguir-se pelas suas vitórias militares
10-05-15 21
Diretório
Napoleão e o fim da Revolução FrancesaNapoleão e o fim da Revolução Francesa
 Em 1799, através de um golpe de estado,
Napoleão assumiu o poder.
 O poder executivo foi entregue a três
cônsules (Consulado)
 Progressivamente Napoleão irá concentrar
em si todos os poderes, em 1802 torna-se
primeiro-cônsul.
 Em 1804, faz-se nomear Imperador dos
Franceses, permanecendo no poder durante
15 anos, contribuindo para a modernização
da França.
 Conquistou um vasto império, mas não
conseguiu dominar militarmente a Inglaterra.
Por isso, impõe em 1806 o Bloqueio
Continental.
 Em 1814 foi obrigado ao exílio pelos países
que invadiram a França (Inglaterra, Prússia,
Rússia, Áustria e Suécia) e foi
definitivamente derrotado, na Batalha de
Waterloo, em 1818.
 Em 1815, no Congresso de Viena, traça-se
um novo mapa político da Europa.
10-05-15 22
Napoleão
Importância da Revolução FrancesaImportância da Revolução Francesa
10-05-15 23
Fim do Antigo Regime e da Idade Moderna início da Idade
Contemporânea
Ler doc.1, p.166 do manual
REVOLUÇÃO LIBERAL PORTUGUESA 1820REVOLUÇÃO LIBERAL PORTUGUESA 1820
 Não aceitação do Bloqueio
Continental, imposto por
Napoleão à Inglaterra.
 Invasões francesas.
 Influências iluministas.
 Fuga da família real para o
Brasil.
 Descontentamento da
população devido à
influência dos ingleses no
governo.
 Influência das revoluções
americana e francesa.
 Em 1815, D. João VI dá ao
Brasil o título de reino.
10-05-15 24
CONDICIONALISMOS E FATORES
POLÍTICOS
Embar que da f amília r eal com dest ino
ao Br asil, em 27 de novembr o de
1807
Bloqueio
cont inent al
I nvasões
Fr ancesas
Docs 1 e 2, p.168 do manual
 Situação ruinosa da
agricultura, da indústria e do
comércio;
 Abertura dos portos
brasileiros à navegação
estrangeira (sobretudo
inglesa), em 1808;
 Tratado de comércio com a
Inglaterra (1810).
10-05-15 25
CONDICIONALISMOS E FATORES ECONÓMICOS
Aber t ur a dos por t os do Br asil,
28 de j aneir o de 1808
 Desigualdade de direitos
jurídicos,
 Descontentamento popular
face à permanência da
família real no Brasil,
 Aspirações políticas da
burguesia,
 Sobrecarga de impostos
sobre o Terceiro Estado.
10-05-15 26
CONDICIONALISMOS E FATORES SOCIAIS
 1817 – 1ªconspiração liberal,
chefiada pelo General Gomes
Freire de Andrade, esmagada
pelos militares britânicos.
 1818 – forma-se no Porto o
Sinédrio, organização secreta
que pretendia desencadear uma
revolta liberal.
 24 de agosto de 1820 – Iniciou-
se a revolução liberal no Porto,
que depois, se espalhou-se a
todo o país. Os ingleses foram
afastados e criou-se a Junta
Provisional do Governo do
Reino.
10-05-15 27
ACONTECIMENTOS
 dezembro de 1820 -
primeiras eleições para os
deputados às Cortes
Constituintes.
 julho de 1821 – D. João VI
regressa do Brasil.
 1822 – Aprovação da 1ª
Constituição portuguesa.
10-05-15 28
ACONTECIMENTOS
Monar quia Absolut a Monar quia Liber al
I n: A REVOLUÇÃO LI BERAL DE 1820, em : ht t p:/ / www.eb23-cmdt -conceicao-
silva.rct s.pt / sev/ hgp/ 12.2.ht m
Outras medidas das Cortes ConstituintesOutras medidas das Cortes Constituintes
- Extinção da Inquisição;
- Abolição dos direitos senhoriais;
- Transformação dos bens da Coroa em bens
nacionais;
- Liberdade de Imprensa.
10-05-15 29
 Cortes Constituintes
tomam medidas no
sentido de diminuir a
autonomia do Brasil.
 No final de 1821, as
Cortes ordenam o
regresso a Portugal do
príncipe D. Pedro.
D. Pedro declara a
independência do
Brasil, em 7 de
setembro de 1822.
10-05-15 30
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
 1823 – Vila-francada
 1824 – Abrilada
 1826 – morte de D. João VI
– aprovação da Carta
Constitucional, em que o rei
acumula o poder executivo e
moderador (doc.2, p.172 manual)
 1832-1834 – Guerra civil
entre absolutistas, chefiados
por D. Miguel e liberais,
chefiados por D. Pedro. (doc.4,
p.172 manual)
Vitória dos liberais
10-05-15 31
REAÇÃO DOS ABSOLUTISTAS – CRONOLOGIA, DOC3 PAG.172 DO MANUAL
•Desmantelamento do Antigo Regime (reformas de Mouzinho da
Silveira).
•A burguesia alcança o poder.
•Instabilidade política, devido à oposição entre cartistas e vintistas.
AAFIRMAÇÃO DO LIBERALISMO EAAFIRMAÇÃO DO LIBERALISMO E
DESMANTELAMENTO DO ANTIGO REGIME EMDESMANTELAMENTO DO ANTIGO REGIME EM
PORTUGALPORTUGAL
Mouzinho da Silveira
(ministro de D. João VI, D.Pedro IV e
de D. Maria II)
› Extinguiu os morgadios mais pequenos;
› Aboliu os direitos senhoriais ainda existentes;
› Reorganizou a administração pública;
› Reformou a justiça e as finanças;
› Extinguiu a dizima;
› Liberalizou o comércio e a pequena industria,
extinguindo alguns monopólios;
› Suprimiu impostos de circulação no reino.
Joaquim António de Aguiar
› Aboliu as ordens religiosas e
nacionalizou os seus bens;
› Tomou medidas que
beneficiaram a burguesia,
a qual passou a ter mais
poder político e económico.
10-05-15 32
Ler doc.3 da pag.174 do manual

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
Susana Simões
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
jdlimaaear
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 

Mais procurados (20)

5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx5 02 a revolucao francesa.pptx
5 02 a revolucao francesa.pptx
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 

Semelhante a Revoluções liberais

8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
Eduardo Sousa
 
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º anoRevoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
Gabriel Lima
 
Revolução francesa alceu
Revolução francesa   alceuRevolução francesa   alceu
Revolução francesa alceu
Íris Ferreira
 
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º anoRevoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Gabriel Lima
 

Semelhante a Revoluções liberais (20)

8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
 
G2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberaisG2 as revoluções liberais
G2 as revoluções liberais
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptxRevolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
 
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º anoRevoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
Revolução francesa alceu
Revolução francesa   alceuRevolução francesa   alceu
Revolução francesa alceu
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Julia e Ana Vitória
Julia e Ana VitóriaJulia e Ana Vitória
Julia e Ana Vitória
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
 
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º anoRevoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
 
5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
 

Mais de Teresa Maia

Trabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugalTrabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugal
Teresa Maia
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Teresa Maia
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 

Mais de Teresa Maia (20)

Relatório visita de estudo alunos
Relatório visita de estudo alunosRelatório visita de estudo alunos
Relatório visita de estudo alunos
 
Guiao pesquisa biografia
Guiao pesquisa biografiaGuiao pesquisa biografia
Guiao pesquisa biografia
 
Guiaodotrabalho3periodo
Guiaodotrabalho3periodoGuiaodotrabalho3periodo
Guiaodotrabalho3periodo
 
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaiaCommunicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
 
Trabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugalTrabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugal
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
As sociedades recolectoras
As sociedades recolectorasAs sociedades recolectoras
As sociedades recolectoras
 
Entrevista
EntrevistaEntrevista
Entrevista
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
 
Holocausto: espaços, vítimas e heróis
Holocausto: espaços, vítimas e heróisHolocausto: espaços, vítimas e heróis
Holocausto: espaços, vítimas e heróis
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
As consequências da 2ª Guerra Mundial
As consequências da 2ª Guerra MundialAs consequências da 2ª Guerra Mundial
As consequências da 2ª Guerra Mundial
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugal
 
Estaline a respostadospaisessacrise
Estaline a respostadospaisessacriseEstaline a respostadospaisessacrise
Estaline a respostadospaisessacrise
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 

Revoluções liberais

  • 2. Descritores de desempenhoDescritores de desempenho 1. Conhecer e compreender a Revolução Americana e a Revolução Francesa  1.Descrever o processo que levou à criação dos EUA, tendo em conta a relação de proximidade/conflito com a Inglaterra e o apoio por parte da França.  2. Verificar no regime político instituído pela Revolução Americana a aplicação dos ideais iluministas.  3. Analisar as condições económicas, sociais e políticas que conduziram à Revolução Francesa de 1789.  4. Reconhecer a influência das ideias iluministas na produção legislativa da assembleia constituinte (abolição dos direitos senhoriais, Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão e Constituição de 1791).  5. Descrever as principais etapas da Revolução Francesa.  6. Mostrar a importância da Revolução Francesa de 1789 enquanto marco de periodização clássica (passagem do Antigo Regime à Idade Contemporânea). 10-05-15 2
  • 3. Descritores de desempenhoDescritores de desempenho 2. Conhecer e compreender a evolução do sistema político em Portugal desde as Invasões Francesas até ao triunfo do liberalismo após a guerra civil  1. Apresentar a situação política portuguesa imediatamente antes e durante o período das Invasões Francesas, com destaque para a retirada da Corte para o Rio de Janeiro e para a forte presença britânica, relacionando-as com a eclosão da Revolução de 1820.  2. Caracterizar o sistema político estabelecido pela Constituição de 1822.  3. Descrever sucintamente as causas e consequências da independência do Brasil.  4. Reconhecer o carácter mais conservador da Carta Constitucional de 1826.  5. Integrar a guerra civil de 1832-1834 no contexto da difícil implantação do liberalismo em Portugal, nomeadamente perante a reação absolutista.  6. Identificar na ação legislativa de Mouzinho da Silveira e Joaquim António de Aguiar medidas decisivas para o desmantelamento do Antigo10-05-15 3
  • 4. O descontentamento das colóniasO descontentamento das colónias  As 13 colónias inglesas na América do Norte tinham administração própria e alguma autonomia.  Fatores de unidade entre as 13 colónias: - a língua inglesa, - a religião protestante, - a defesa do parlamentarismo, - a luta contra franceses e índios.  A burguesia empreendedora e próspera das colónias opunha-se ao sistema de exclusivo de tipo mercantilista, o qual só permitia que as colónias fizessem comércio com a metrópole. 10-05-15 4 CAUSAS Uma revolução percursora: os EUA Doc1, p.158 manual
  • 5. Lançamento de novos impostosLançamento de novos impostos Os ingleses impunham aos colonos impostos sobre produtos importados.  Os ingleses criaram novos impostos sobre o chá, o açúcar e o papel selado. 10-05-15 5
  • 6. A reação dos colonos:A reação dos colonos: 10-05-15 6 Os protestos multiplicaram-se nas colónias, a Inglaterra suspendeu alguns impostos, mas manteve o do chá, bebida muito apreciada pelos colonos.
  • 7. Boston Tea Party (1773)Boston Tea Party (1773) Um grupo de habitantes de Boston disfarçados de índios, lançou ao mar o carregamento de três navios ingleses ancorados no porto de Boston. 10-05-15 7 ACONTECIMENTOS
  • 8. Reação BritânicaReação Britânica  A marinha inglesa bloqueou o porto de Boston, impedindo a exportação de produtos coloniais, até que o prejuízo do ataque aos barcos ingleses fosse pago.  Os colonos revoltaram-se e o conflito generalizou-se. 10-05-15 8 George III, rei da Inglaterra
  • 9. 10-05-15 9 Congresso de Filadélfia (1775) A intransigência inglesa conduziu à formação de um exército de voluntários, cuja chefia foi entregue a George Washington.
  • 10. Texto que reflectia as ideias dos filósofos iluministas. Declaração da Independência (4 de Julho de 1776) Ler doc3, p.158 do manual
  • 11. Qual foi a resposta da Inglaterra?Qual foi a resposta da Inglaterra? 10-05-15 11 Declarada a independência, iniciou-se uma guerra aberta com a Inglaterra. O exército de George Washington conseguiu o apoio da França, da Espanha e da Holanda e, depois de algumas derrotas iniciais, impôs-se aos ingleses, que em 1783, se viram obrigados a reconhecer a independência das colónias.
  • 12. A Constituição de 1787A Constituição de 1787 10-05-15 12 Depois de demoradas negociações, as várias colónias aprovaram, em 1787, uma Constituição, em que eram aplicados os ideais da Filosofia das Luzes. Este documento instituiu os EUA sob a forma de uma república federal: cada Estado federado conservava a sua autonomia, mas um governo central ocupava-se das questões comuns, como a defesa e os negócios estrangeiros. Ver conceitos de Constituição e Estado federal no manual, p.159
  • 13. Princípios definidos na Constituição Americana:Princípios definidos na Constituição Americana: 10-05-15 13 1. Garantia das liberdades e direitos dos cidadãos; 2. Separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial); ver doc.4, p.158 manual 3. Soberania da Nação, expressa pelo voto do povo na eleição dos órgãos de poder executivo e legislativo; 4. Separação entre a Igreja e o Estado 5. Liberdade económica
  • 14. Importância da Revolução Americana:Importância da Revolução Americana: 10-05-15 14 Representou a primeira aplicação prática das ideias iluministas; Serviu de modelo a outros movimentos revolucionários (revoluções liberais).
  • 15. 10-05-15 15 REVOLUÇÃO FRANCESA CAUSAS •Existência de uma monarquia absoluta. •Influência de ideais iluministas e da Revolução Americana • Crise económica e financeira (devido a maus anos agrícolas, decadência do comércio, concorrência dos produtos manufaturados ingleses, elevados gastos com a Corte e envolvimento em guerras). • Sociedade de Antigo Regime (tripartida, estratificada e hierarquizada). •Ambições políticas da burguesia Descontentamento social Luís XVI de França (1754-1793) Sociedade do Antigo Regime (caricatura)
  • 16. Luís XVI convoca os Estados Gerais, que abrem em 5 de maio de 1789:  Estão representados os três estados (Clero, Nobreza e Terceiro Estado);  O Terceiro Estado exige o voto por cabeça, em vez do tradicional voto por ordem; ver doc. 1, p.162 do manual  Face à recusa da sua proposta, o Terceiro Estado abandona os Estados Gerais. 10-05-15 16 ACONTECIMENTOS O rei tentou aplicar um novo imposto que abrangia todas as ordens sociais, o que foi recusado pela nobreza e pelo clero. Decidiu, então convocar os Estados Gerais, o que já não acontecia desde 1614.
  • 17. Os representantes do Terceiro Estado declaram-se Assembleia Nacional. O rei obriga o Clero e a Nobreza a juntarem-se ao Terceiro Estado e forma-se a Assembleia Nacional Constituinte, com o objetivo de dotar a França de uma Constituição. O rei e os apoiantes do regime absolutista resolvem reagir, mandando avançar tropas sobre Paris. Tomada da Bastilha – 14 de julho de 1789 10-05-15 17 Assembleia Nacional Tomada da Bastilha
  • 18. Ação da Assembleia Nacional ConstituinteAção da Assembleia Nacional Constituinte  Abolição dos direitos senhoriais;  Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão; ver doc.2, p.162 do manual  Nacionalização dos bens do clero;  Aprovação da Constituição de 1791, que instaurou uma monarquia constitucional, baseada na separação dos poderes (executivo-rei, legislativo – assembleia eleita e judicial tribunais) e no voto censitário. ver doc.4, p.162 do manual 10-05-15 18 Lema da Revolução Francesa: Liberdade, igualdade e fraternidade. Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
  • 19. Assembleia Legislativa (1791-1792) Divisão entre os revolucionários (girondinos v.s. jacobinos). Início da oposição da Europa à Revolução Francesa. Prisão do rei e a tomada de poder pelos Jacobinos (mais extremistas). 10-05-15 19 Detenção de Luís XVI e sua família, 1791.
  • 20. Convenção e Terror (1792-1795)  A Assembleia Legislativa é substituída pela Convenção Nacional escolhida por sufrágio universal.  Proclamação da República, em 1792.  O rei Luís XVI e a rainha Maria Antonieta são mortos na guilhotina.  Instaura-se um regime de terror, liderado por Robespierre, durante o qual são mortos milhares de franceses acusados de atividades contrarrevolucionárias . 10-05-15 20 Execução de Luís XVI Execução de Robespierre
  • 21. República burguesa (1795-1799)República burguesa (1795-1799)  Os moderados (girondinos) tomam conta do poder.  Os lideres jacobinos são presos e executados (período do Terror Branco)  Em 1795 foi aprovada uma nova Constituição.  O poder executivo é entregue a um Diretório.  Retoma-se o voto censitário.  Napoleão Bonaparte começa a distinguir-se pelas suas vitórias militares 10-05-15 21 Diretório
  • 22. Napoleão e o fim da Revolução FrancesaNapoleão e o fim da Revolução Francesa  Em 1799, através de um golpe de estado, Napoleão assumiu o poder.  O poder executivo foi entregue a três cônsules (Consulado)  Progressivamente Napoleão irá concentrar em si todos os poderes, em 1802 torna-se primeiro-cônsul.  Em 1804, faz-se nomear Imperador dos Franceses, permanecendo no poder durante 15 anos, contribuindo para a modernização da França.  Conquistou um vasto império, mas não conseguiu dominar militarmente a Inglaterra. Por isso, impõe em 1806 o Bloqueio Continental.  Em 1814 foi obrigado ao exílio pelos países que invadiram a França (Inglaterra, Prússia, Rússia, Áustria e Suécia) e foi definitivamente derrotado, na Batalha de Waterloo, em 1818.  Em 1815, no Congresso de Viena, traça-se um novo mapa político da Europa. 10-05-15 22 Napoleão
  • 23. Importância da Revolução FrancesaImportância da Revolução Francesa 10-05-15 23 Fim do Antigo Regime e da Idade Moderna início da Idade Contemporânea Ler doc.1, p.166 do manual
  • 24. REVOLUÇÃO LIBERAL PORTUGUESA 1820REVOLUÇÃO LIBERAL PORTUGUESA 1820  Não aceitação do Bloqueio Continental, imposto por Napoleão à Inglaterra.  Invasões francesas.  Influências iluministas.  Fuga da família real para o Brasil.  Descontentamento da população devido à influência dos ingleses no governo.  Influência das revoluções americana e francesa.  Em 1815, D. João VI dá ao Brasil o título de reino. 10-05-15 24 CONDICIONALISMOS E FATORES POLÍTICOS Embar que da f amília r eal com dest ino ao Br asil, em 27 de novembr o de 1807 Bloqueio cont inent al I nvasões Fr ancesas Docs 1 e 2, p.168 do manual
  • 25.  Situação ruinosa da agricultura, da indústria e do comércio;  Abertura dos portos brasileiros à navegação estrangeira (sobretudo inglesa), em 1808;  Tratado de comércio com a Inglaterra (1810). 10-05-15 25 CONDICIONALISMOS E FATORES ECONÓMICOS Aber t ur a dos por t os do Br asil, 28 de j aneir o de 1808
  • 26.  Desigualdade de direitos jurídicos,  Descontentamento popular face à permanência da família real no Brasil,  Aspirações políticas da burguesia,  Sobrecarga de impostos sobre o Terceiro Estado. 10-05-15 26 CONDICIONALISMOS E FATORES SOCIAIS
  • 27.  1817 – 1ªconspiração liberal, chefiada pelo General Gomes Freire de Andrade, esmagada pelos militares britânicos.  1818 – forma-se no Porto o Sinédrio, organização secreta que pretendia desencadear uma revolta liberal.  24 de agosto de 1820 – Iniciou- se a revolução liberal no Porto, que depois, se espalhou-se a todo o país. Os ingleses foram afastados e criou-se a Junta Provisional do Governo do Reino. 10-05-15 27 ACONTECIMENTOS
  • 28.  dezembro de 1820 - primeiras eleições para os deputados às Cortes Constituintes.  julho de 1821 – D. João VI regressa do Brasil.  1822 – Aprovação da 1ª Constituição portuguesa. 10-05-15 28 ACONTECIMENTOS Monar quia Absolut a Monar quia Liber al I n: A REVOLUÇÃO LI BERAL DE 1820, em : ht t p:/ / www.eb23-cmdt -conceicao- silva.rct s.pt / sev/ hgp/ 12.2.ht m
  • 29. Outras medidas das Cortes ConstituintesOutras medidas das Cortes Constituintes - Extinção da Inquisição; - Abolição dos direitos senhoriais; - Transformação dos bens da Coroa em bens nacionais; - Liberdade de Imprensa. 10-05-15 29
  • 30.  Cortes Constituintes tomam medidas no sentido de diminuir a autonomia do Brasil.  No final de 1821, as Cortes ordenam o regresso a Portugal do príncipe D. Pedro. D. Pedro declara a independência do Brasil, em 7 de setembro de 1822. 10-05-15 30 INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
  • 31.  1823 – Vila-francada  1824 – Abrilada  1826 – morte de D. João VI – aprovação da Carta Constitucional, em que o rei acumula o poder executivo e moderador (doc.2, p.172 manual)  1832-1834 – Guerra civil entre absolutistas, chefiados por D. Miguel e liberais, chefiados por D. Pedro. (doc.4, p.172 manual) Vitória dos liberais 10-05-15 31 REAÇÃO DOS ABSOLUTISTAS – CRONOLOGIA, DOC3 PAG.172 DO MANUAL •Desmantelamento do Antigo Regime (reformas de Mouzinho da Silveira). •A burguesia alcança o poder. •Instabilidade política, devido à oposição entre cartistas e vintistas.
  • 32. AAFIRMAÇÃO DO LIBERALISMO EAAFIRMAÇÃO DO LIBERALISMO E DESMANTELAMENTO DO ANTIGO REGIME EMDESMANTELAMENTO DO ANTIGO REGIME EM PORTUGALPORTUGAL Mouzinho da Silveira (ministro de D. João VI, D.Pedro IV e de D. Maria II) › Extinguiu os morgadios mais pequenos; › Aboliu os direitos senhoriais ainda existentes; › Reorganizou a administração pública; › Reformou a justiça e as finanças; › Extinguiu a dizima; › Liberalizou o comércio e a pequena industria, extinguindo alguns monopólios; › Suprimiu impostos de circulação no reino. Joaquim António de Aguiar › Aboliu as ordens religiosas e nacionalizou os seus bens; › Tomou medidas que beneficiaram a burguesia, a qual passou a ter mais poder político e económico. 10-05-15 32 Ler doc.3 da pag.174 do manual