SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
DOENÇAS FÚNGICAS
QUE ATINGEM
A MELANCIA
Adila
Ana Caroline
Bárbara Nazly
Estevão Cicareles
Hemilly Rayanne
Rodrigo Carvalho
Profª Elvira Maria
Universidade de Pernambuco - UPE
Instituto de Ciências Biológicas - ICB
Disciplina Micologia
INTRODUÇÃO
• Condições climáticas e período de exploração →
doenças → cultura afetada → cultivo limitado → baixo
nível tecnológico
• Mais de 30 doenças já foram registradas na literatura;
• Manejo adequado → medidas preventivas e métodos
que diminuam a disseminação.
OÍDIO
• Uma das principais doenças foliares da melancia,
cultivadas ou silvestres,no Brasil e no mundo;
• Ocorre praticamente em todos os locais onde esta
fruta é cultivada → limitante nos locais com altas
temperaturas e baixa umidade (regiões
semiáridas);
• Redução no rendimento → diminuição do
tamanho ou do número de frutos → redução do
período produtivo das plantas.
OÍDIO
• Fungo
causador=Sphaerotheca fuliginea (Schlechtend.:F
r) Pollacci → parasita obrigatório;
• Sintomas = toda a parte aérea da melancia, mas as
folhas são as mais afetadas;
X crescimento branco purulento (parte superior
das folhas)
• Com o tempo, aumento das áreas afetadas →
coalescência das manchas.
OÍDIO
• Início nas folhas mais antigas e plantas mais velhas
(estádio de frutificação);
• Folhas muito atacadas secam e a planta entra em
senescência mais cedo, encurtando o seu período
produtivo.
OÍDIO
• Umidade relativa alta → infecção e sobrevivência
dos conídios;
• Clima seco → colonização, esporulação e
dispersão do fungo;
• Controle: escolha da variedade a ser plantada,
aplicações de fungicidas de contato e
pulverizações alternadas com fungicidas de
diferentes grupos químicos registrados (MAPA).
MÍLDIO
MÍLDIO
• Causada pelo o oomiceto Pseudoperonospora
cubensis;
• Doença bastante comum em melancia no Brasil;
• Maior ocorrência nas épocas úmidas e de
temperatura amenas;
• Mais predominante nas Regiões Sul e Sudeste;
SINTOMAS DA DOENÇA
• São notados, na face superior das folhas na forma de
pequenas manchas cloróticas ou amareladas;
• As folhas mais velhas são as primeiras a apresentarem
a doença;
• Nas condições de alta umidade relativa, observa-se, na
face inferior das folhas, nas áreas de lesões, a produção
abundante de estruturas reprodutivas do fungo;
SINTOMAS DA DOENÇA
A morte e a
queda das
folhas expõem
os frutos à
ação dos raios
solares e estes
podem ficar
escaldados,
perdendo o seu
valor
comercial.
SINTOMAS DA DOENÇA
SINTOMAS DA DOENÇA
CONTROLE DA DOENÇA
• Deve ser preventivo,baseado em monitoramento
climático;
• Porém quando as condições climáticas se tornam
favoráveis a sua ocorrência,deve-se iniciar
rapidamente fungicidas.
CRESTAMENTO
GOMOSO DAS
HASTES
CRESTAMENTO GOMOSO
• Causada pelo fungo Didymella bryoniae;
• Encontra-se presente em todas as regiões
produtoras de melancia;
• O local infectado apresenta uma rachadura ou
cancro, por onde escorre uma goma escura, de
tonalidade marrom;
• Pode infectar qualquer órgão aéreo da planta
em todos os estádios de seu desenvolvimento;
• Em plantas adultas, os sintomas variam de
acordo com o órgão afetado;
Rachadura ou cancro por onde escorre a goma de tonalidade
marrom.
CRESTAMENTO GOMOSO
• A umidade é o fator mais importante para a
ocorrência da doença;
• Ferimentos e injúrias causados por insetos são
portas de entrada comuns para o patógeno;
• Quando a planta murcha, pode-se perceber a
presença de pequenas pontuações pretas
(picnídios) na região do caule próxima ao cancro;
• A disseminação da doença no interior da lavoura
ocorre pela água de irrigação e práticas culturais.
Sintomas de crestamento gomoso nas hastes (fig.a) e no
colo da planta (fig.b)
Detalhe dos picnídios
CRESTAMENTO GOMOSO:
CONTROLE
• Atualmente, nenhum cultivar comercial de
cucurbitáceas apresenta resistência a este fungo;
• No controle desta doença recomenda-se
inicialmente, escolher áreas livres do patógeno,
eliminando da área, restos de cultura e sempre que
possível fazer a rotação de culturas, utilizando-se
plantas não hospedeiras do fungo;
• Manter o colo da planta livre de plantas daninhas
ou folhas para favorecer boa insolação e aeração;
• Manejar adequadamente a irrigação do solo,
evitando-se encharcamentos.
MURCHA DO FUSÁRIO
MURCHA DO FUSÁRIO
• O agente causal desta doença é o fungo Fusarium
oxysporum Schlechtend
• O fungo penetra pelas raízes,atinge os vasos
lenhosos;
• As plantas estão suscetíveis em qualquer estágio
de desenvolvimento;
• Causa engrossamento das raízes e desintegração
dos tecidos.
MURCHA DO FUSÁRIO
• Pode permanecer
viável por até 10 anos;
• A disseminação do
fungo ocorre por meio
de sementes
contaminadas,água
utilizada na irrigação
e respingos de chuvas,
máquinas e
implementos
agrícolas.
MURCHA DO FUSÁRIO
A sua penetração
no hospedeiro
pelas raízes ocorre
na região de
crescimento,
sendo facilitada
por ferimentos.
TOMBAMENTO
TOMBAMENTO
• Introdução:
 Ocorre em plântulas de melancia, provocando a
morte prematura;
 Fungos dos gêneros Fusarium, Rhizoctonia e
Pythium;
 Apodrecimento dos caulículos de plântulas e
tombamento das mesmas;
TOMBAMENTO
• Sintomas:
 A lesão em fase inicial é uma podridão úmida
envolvendo os tecidos da base do caulículo;
 Em seguida ocorre murcha e morte da planta, ou
mesmo falhas na emergência;
Fonte: sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br
Sintoma de
tombamento em
plântulas de melancia
Fonte: www.cnph.embrapa.br
Tombamento em mudas
de melancia,causado por
Pythium spp.
TOMBAMENTO
• Disseminação e Controle:
 Alguns fatores favorecem o aparecimento da
doença;
 Disseminação do patógeno: Curtas e longas
distâncias;
 Métodos de controle da doença.
MANCHA AQUOSA
MANCHA AQUOSA
• É causada pela bactéria Acidovorax avenae subsp.
Citrulli ;
• Foi descrita pela primeira vez nos Estados Unidos.
SINTOMAS E DANOS
Inicialmente observam-se manchas escurecidas,
com aspecto de encharcamento ou oleosas.
SINTOMAS E DANOS
• A medida que a doença progride, o local
afetado apresenta rachaduras superficiais;
• Escurecimento da região do mesocarpo.
SINTOMAS E DANOS
• Nas folhas os sintomas mais comuns são manchas
necróticas angulares de pequeno tamanho, com
halo amarelado;
• A bactéria é introduzida na área de plantio por
meio de sementes contamindas.
CONTROLE
• A obtenção de sementes com uma boa qualidade
fitossanitária;
• Evitar o plantio em períodos chuvosos;
• Áreas com históricos de ocorrência da doença em
plantio anteriores;
• Rotação de culturas, com espécies não
hospedeiras.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesH
TML/Melancia/SistemaProducaoMelancia/doencas.htm
• http://trumbuctu.blogspot.com.br/2011/06/mildio.html
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Ítalo Arrais
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas no feijoeiro
Manejo de plantas daninhas no feijoeiroManejo de plantas daninhas no feijoeiro
Manejo de plantas daninhas no feijoeiro
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIAMANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
 
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação(Fruticultura   volume 1 importancia, poda e propagação
(Fruticultura volume 1 importancia, poda e propagação
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
 
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASILPODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
PODA E CONDUÇÃO DE POMARES DE MAÇÃS NO BRASIL
 
Abacaxi
AbacaxiAbacaxi
Abacaxi
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
 
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus   Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigada
 
Manejo de plantas daninhas no feijoeiro
Manejo de plantas daninhas no feijoeiroManejo de plantas daninhas no feijoeiro
Manejo de plantas daninhas no feijoeiro
 

Destaque

Programa Fertilização Geral Biolchim em Agricultura Biológica
Programa Fertilização Geral Biolchim em Agricultura BiológicaPrograma Fertilização Geral Biolchim em Agricultura Biológica
Programa Fertilização Geral Biolchim em Agricultura Biológica
Miguel Soares
 
Diagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura Brasileira
Diagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura BrasileiraDiagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura Brasileira
Diagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura Brasileira
Câmaras Setoriais
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
becresforte
 
Anne meurois givaudan a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...
Anne meurois givaudan   a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...Anne meurois givaudan   a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...
Anne meurois givaudan a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...
Patrick Mesquita Fernandes
 
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Hemilly Rayanne
 

Destaque (20)

Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e MíldioFungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
 
Fertilização melancia, melão e meloa
Fertilização melancia, melão e  meloaFertilização melancia, melão e  meloa
Fertilização melancia, melão e meloa
 
Oídio
OídioOídio
Oídio
 
Melancia
MelanciaMelancia
Melancia
 
Míldio
MíldioMíldio
Míldio
 
Programa Fertilização Geral Biolchim em Agricultura Biológica
Programa Fertilização Geral Biolchim em Agricultura BiológicaPrograma Fertilização Geral Biolchim em Agricultura Biológica
Programa Fertilização Geral Biolchim em Agricultura Biológica
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
 
Doenças de aliáceas
Doenças de aliáceasDoenças de aliáceas
Doenças de aliáceas
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufa
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
 
Apresentação Dr. Vorneis de Lucia
Apresentação Dr. Vorneis de LuciaApresentação Dr. Vorneis de Lucia
Apresentação Dr. Vorneis de Lucia
 
Diagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura Brasileira
Diagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura BrasileiraDiagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura Brasileira
Diagnóstico Qualitativo da Vitivinicultura Brasileira
 
Melancia
MelanciaMelancia
Melancia
 
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
 
Polissonografia
Polissonografia Polissonografia
Polissonografia
 
Chuchu
ChuchuChuchu
Chuchu
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
 
Tecido Sanguíneo
Tecido SanguíneoTecido Sanguíneo
Tecido Sanguíneo
 
Anne meurois givaudan a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...
Anne meurois givaudan   a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...Anne meurois givaudan   a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...
Anne meurois givaudan a leitura de auras e tratamentos essenios terapias de...
 
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
 

Semelhante a Doenças fúngicas na melancia

Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
Geagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiroManejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Rural Pecuária
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
TesteOo
 

Semelhante a Doenças fúngicas na melancia (20)

manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
 
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Doenças iac
Doenças  iacDoenças  iac
Doenças iac
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Circ 26
Circ 26Circ 26
Circ 26
 
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiroManejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
 
Epidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milhoEpidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milho
 
ManualZPintaZPreta_site.pdf
ManualZPintaZPreta_site.pdfManualZPintaZPreta_site.pdf
ManualZPintaZPreta_site.pdf
 
Doenças do milho
Doenças do milhoDoenças do milho
Doenças do milho
 
Mamoeiro
MamoeiroMamoeiro
Mamoeiro
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
 

Mais de Hemilly Rayanne (6)

Plasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética BacterianaPlasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética Bacteriana
 
PCR- Reação em cadeia pela DNA POLIMERASE!
PCR- Reação em cadeia pela DNA POLIMERASE!PCR- Reação em cadeia pela DNA POLIMERASE!
PCR- Reação em cadeia pela DNA POLIMERASE!
 
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAMeios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
 
Genética do comportamento
Genética do comportamento Genética do comportamento
Genética do comportamento
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
 
Microbiologia revisão
Microbiologia revisãoMicrobiologia revisão
Microbiologia revisão
 

Último

TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 

Doenças fúngicas na melancia

  • 1. DOENÇAS FÚNGICAS QUE ATINGEM A MELANCIA Adila Ana Caroline Bárbara Nazly Estevão Cicareles Hemilly Rayanne Rodrigo Carvalho Profª Elvira Maria Universidade de Pernambuco - UPE Instituto de Ciências Biológicas - ICB Disciplina Micologia
  • 2. INTRODUÇÃO • Condições climáticas e período de exploração → doenças → cultura afetada → cultivo limitado → baixo nível tecnológico • Mais de 30 doenças já foram registradas na literatura; • Manejo adequado → medidas preventivas e métodos que diminuam a disseminação.
  • 3. OÍDIO • Uma das principais doenças foliares da melancia, cultivadas ou silvestres,no Brasil e no mundo; • Ocorre praticamente em todos os locais onde esta fruta é cultivada → limitante nos locais com altas temperaturas e baixa umidade (regiões semiáridas); • Redução no rendimento → diminuição do tamanho ou do número de frutos → redução do período produtivo das plantas.
  • 4. OÍDIO • Fungo causador=Sphaerotheca fuliginea (Schlechtend.:F r) Pollacci → parasita obrigatório; • Sintomas = toda a parte aérea da melancia, mas as folhas são as mais afetadas; X crescimento branco purulento (parte superior das folhas) • Com o tempo, aumento das áreas afetadas → coalescência das manchas.
  • 5. OÍDIO • Início nas folhas mais antigas e plantas mais velhas (estádio de frutificação); • Folhas muito atacadas secam e a planta entra em senescência mais cedo, encurtando o seu período produtivo.
  • 6. OÍDIO • Umidade relativa alta → infecção e sobrevivência dos conídios; • Clima seco → colonização, esporulação e dispersão do fungo; • Controle: escolha da variedade a ser plantada, aplicações de fungicidas de contato e pulverizações alternadas com fungicidas de diferentes grupos químicos registrados (MAPA).
  • 8. MÍLDIO • Causada pelo o oomiceto Pseudoperonospora cubensis; • Doença bastante comum em melancia no Brasil; • Maior ocorrência nas épocas úmidas e de temperatura amenas; • Mais predominante nas Regiões Sul e Sudeste;
  • 9. SINTOMAS DA DOENÇA • São notados, na face superior das folhas na forma de pequenas manchas cloróticas ou amareladas; • As folhas mais velhas são as primeiras a apresentarem a doença; • Nas condições de alta umidade relativa, observa-se, na face inferior das folhas, nas áreas de lesões, a produção abundante de estruturas reprodutivas do fungo;
  • 10. SINTOMAS DA DOENÇA A morte e a queda das folhas expõem os frutos à ação dos raios solares e estes podem ficar escaldados, perdendo o seu valor comercial.
  • 13. CONTROLE DA DOENÇA • Deve ser preventivo,baseado em monitoramento climático; • Porém quando as condições climáticas se tornam favoráveis a sua ocorrência,deve-se iniciar rapidamente fungicidas.
  • 15. CRESTAMENTO GOMOSO • Causada pelo fungo Didymella bryoniae; • Encontra-se presente em todas as regiões produtoras de melancia; • O local infectado apresenta uma rachadura ou cancro, por onde escorre uma goma escura, de tonalidade marrom; • Pode infectar qualquer órgão aéreo da planta em todos os estádios de seu desenvolvimento; • Em plantas adultas, os sintomas variam de acordo com o órgão afetado;
  • 16. Rachadura ou cancro por onde escorre a goma de tonalidade marrom.
  • 17. CRESTAMENTO GOMOSO • A umidade é o fator mais importante para a ocorrência da doença; • Ferimentos e injúrias causados por insetos são portas de entrada comuns para o patógeno; • Quando a planta murcha, pode-se perceber a presença de pequenas pontuações pretas (picnídios) na região do caule próxima ao cancro; • A disseminação da doença no interior da lavoura ocorre pela água de irrigação e práticas culturais.
  • 18. Sintomas de crestamento gomoso nas hastes (fig.a) e no colo da planta (fig.b) Detalhe dos picnídios
  • 19. CRESTAMENTO GOMOSO: CONTROLE • Atualmente, nenhum cultivar comercial de cucurbitáceas apresenta resistência a este fungo; • No controle desta doença recomenda-se inicialmente, escolher áreas livres do patógeno, eliminando da área, restos de cultura e sempre que possível fazer a rotação de culturas, utilizando-se plantas não hospedeiras do fungo; • Manter o colo da planta livre de plantas daninhas ou folhas para favorecer boa insolação e aeração; • Manejar adequadamente a irrigação do solo, evitando-se encharcamentos.
  • 21. MURCHA DO FUSÁRIO • O agente causal desta doença é o fungo Fusarium oxysporum Schlechtend • O fungo penetra pelas raízes,atinge os vasos lenhosos; • As plantas estão suscetíveis em qualquer estágio de desenvolvimento; • Causa engrossamento das raízes e desintegração dos tecidos.
  • 22. MURCHA DO FUSÁRIO • Pode permanecer viável por até 10 anos; • A disseminação do fungo ocorre por meio de sementes contaminadas,água utilizada na irrigação e respingos de chuvas, máquinas e implementos agrícolas.
  • 23. MURCHA DO FUSÁRIO A sua penetração no hospedeiro pelas raízes ocorre na região de crescimento, sendo facilitada por ferimentos.
  • 25. TOMBAMENTO • Introdução:  Ocorre em plântulas de melancia, provocando a morte prematura;  Fungos dos gêneros Fusarium, Rhizoctonia e Pythium;  Apodrecimento dos caulículos de plântulas e tombamento das mesmas;
  • 26. TOMBAMENTO • Sintomas:  A lesão em fase inicial é uma podridão úmida envolvendo os tecidos da base do caulículo;  Em seguida ocorre murcha e morte da planta, ou mesmo falhas na emergência;
  • 27. Fonte: sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br Sintoma de tombamento em plântulas de melancia Fonte: www.cnph.embrapa.br Tombamento em mudas de melancia,causado por Pythium spp.
  • 28. TOMBAMENTO • Disseminação e Controle:  Alguns fatores favorecem o aparecimento da doença;  Disseminação do patógeno: Curtas e longas distâncias;  Métodos de controle da doença.
  • 30. MANCHA AQUOSA • É causada pela bactéria Acidovorax avenae subsp. Citrulli ; • Foi descrita pela primeira vez nos Estados Unidos.
  • 31. SINTOMAS E DANOS Inicialmente observam-se manchas escurecidas, com aspecto de encharcamento ou oleosas.
  • 32. SINTOMAS E DANOS • A medida que a doença progride, o local afetado apresenta rachaduras superficiais; • Escurecimento da região do mesocarpo.
  • 33. SINTOMAS E DANOS • Nas folhas os sintomas mais comuns são manchas necróticas angulares de pequeno tamanho, com halo amarelado; • A bactéria é introduzida na área de plantio por meio de sementes contamindas.
  • 34. CONTROLE • A obtenção de sementes com uma boa qualidade fitossanitária; • Evitar o plantio em períodos chuvosos; • Áreas com históricos de ocorrência da doença em plantio anteriores; • Rotação de culturas, com espécies não hospedeiras.