Míldio da videira (Plasmopara viticola)

679 visualizações

Publicada em

Míldio da videira (Plasmopara viticola), Histórico, Etiologia, Controle.

Publicada em: Ciências
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
679
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Míldio da videira (Plasmopara viticola)

  1. 1. Tales Gonçalves Rodrigues UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA University of Maine
  2. 2. Histórico  1870 aparecimento de Plasmopara viticola na Europa por meio de mudas das Américas => colapso progressivo da produção devido ao míldio;  Millardet constatou lavouras pulverizadas com cal e enxofre => evitar furtos de cachos – visual e gosto ruim;  Estudou a mistura => Calda Bordalesa, 1885 nasce o primeiro fungicida para o controle de doenças.
  3. 3. Sintomas  O patógeno infecta todas as partes verdes da planta, em todos os seus estádios de desenvolvimento. principalmente a fase inicial de crescimento vegetativo e o início da fase reprodutiva, que vai de 1 a 25 na escala de 47 estádios fenológicos da videira (EICHHRORN; LORENZ, 1984, citados por PRATT, 1994). Duranteestas fases, os tecidos são mais tenros, o que facilita, sobremaneira, a penetração do patógeno e a sua colonização;
  4. 4. Sintomas  Inicialmente, aparecem nas folhas pequenas manchas arredondadas, com bordos indefinidos e de aspecto encharcado (“mancha óleo”), que podem ser observadas na face dorsal da folha, enquanto que na face ventral, as manchas são de coloração esbranquiçada, que correspondem ao crescimento do patógeno com abundante formação de esporângios;
  5. 5. Sintomas  Fotos: Tales Gonçalves Rodrigues
  6. 6. Sintomas  Fotos: Tales Gonçalves Rodrigues
  7. 7. Sintomas  Nos cachos observa-se, ainda, seca e queda de flores e podridão de coloração, variando de cinza a azulada em bagas ainda imaturas, que se tornam cobertas com a esporulação do patógeno.
  8. 8. Sintomas  Fotos: Tales Gonçalves Rodrigues
  9. 9. Sintomas  Fotos: Tales Gonçalves Rodrigues
  10. 10. Etiologia  Plasmopara viticola é um parasita obrigatório, Reino Stramenopila, Filo Oomycota, Ordem Peronosporales;  Disseminado por vento e respingos de chuva  Nos tecidos do hospedeiro, o fungo cresce intercelularmente nos estômatos e em frutos jovens, os esporangióforos emergem pela lenticelas.  A formação destas estruturas requer 95-100% de umidade relativa, pelo menos 4 horas de escuro e ocorre preferencialmente no intervalo de temperatura de 18-22°C;  Sob condições favoráveis de ambiente, o fungo pode completar seu ciclo em apenas 4 dias.
  11. 11. Controle  Os seguinte produtos encontram-se registrados para o controle da doença: Protetores – Calda bordalesa, hidróxido de cobre, oxicloreto de cobre + mancozeb, chlorothlonil, captan, dithianon, mancozeb e falpet; Sistemicos – trifonato metilico e metalaxyl; Penetrantes – cymoxanil.  Programa de controle da antracnose é também eficiente para o míldio
  12. 12. Controle  Dentre os fungicidas protetores a calda bordalesa é um dos mais antigos, porém eficientes, fungicidas contra o míldio , tem o inconveniente de poder causar fitotoxidez nas partes novas da planta, assim como todos os cúpricos, por esse motivo recomenda-se o uso apenas após a frutificação.  Outros fungicidas protetores, como o mancozeb, por exemplo, devem ser utilizados nos estádios iniciais de desenvolvimento da cultura  Qualquer programa de controle deve se iniciar no estádio fonológico 9. O período mais critico ocorre entre os estádios 17 e 30
  13. 13. Controle  Metalaxyl, por sua atividade sistemica, apresenta como vantagens ser pouco sujeito à lavagem pela chuva, proteger partes da planta em crescimento, não atingidas durante a aplicação do produto, permite um largo intervalo de aplicações (14dias), ser aplicada em dosagens baixas e ter atividade curativa;  Sua principal desvantagem é a seleção de isolados resistentes, reduzindo-lhe a eficiência. Atualmente, o metalazyl é formulado em mistura com fungicidas protetores, com objetivo de retardar o risco de crescimento da população resistente.
  14. 14. Controle  Cymoxanil é um produto não sistêmico, porém com poder de penetração na planta, especifico para o míldio. Ele penetra nos órgãos tratados e aumenta a eficiência dos fungicidas protetores quando aplicados conjuntamente. A principal vantagem do Cymozanil é seu poder curativo, que consegue frear uma infecção mesmo 2 ou 3 dias após a penetração do fungo
  15. 15. Controle  Com relação à resitencia geneticam cultivares de Vitis vinifera são altamente suscetíveis ai míldio. Entretanto cuktivares de V. aestivales e de V. labrusca são menos suscetíveis à doença, enquanto Cultivares das espécies V. cordifolia, V. rupestris e V. rotundifolia são relativamente resistentes ao míldio (LAFON; CLERJEAU, 1998)

×