SlideShare uma empresa Scribd logo
Banana
Principais doenças
Origem
Origem das florestas Asiáticas;
Chegou na costa do Atlântico pelos Árabes;
 Há referências da sua presença na Índia, na Malásia e nas
Filipinas;
As sementes das bananeiras primitivas, eram férteis, teriam
tido 2 cm;
Existem no Brasil desde antes do seu descobrimento
 A cultura da banana ocupa o segundo lugar em volume de
frutas produzidas no Brasil;
 Terceira posição em área colhida;
Importância Econômica
34%
26%
6%
10%
24%
Principais doenças
Sigatoka Amarela – Mycosphaerella
musicola.
Descrita pela primeira vez no ano de 1902;
Em 1913, primeiros prejuízos de importância;
Em 1944 foi constatada no Brasil;
Sigatoka Amarela – Mycosphaerella
musicola.
Morte precoce das folhas;
Enfraquecimento da planta;
Diminuição no tamanho do fruto e pencas;
Maturação precoce;
Em incidência alta, impede completamente o enchimento do
fruto;
Sintomas.
Ocorre em folhas jovem da planta;
Inicialmente ocorre uma leve descoloração em forma de
ponto;
O ponto se amplia formando um estria de coloração amarela;
Estrias crescem formando manchas necróticas, alongadas,
dispostas paralelamente as nervuras segundarias das folhas;
Etiologia.
 Mycosphaerella musicola (forma perfeita ou sexuada);
 Pseudocercospora musae (forma imperfeita ou assexuada);
 Infecção ocorre pelos estômatos abertos ou não;
 Presença de água;
 Período de inoculação é variado (15 até 76 dias);
Conídio (Assesuais) Ascósporo(sexuais)
Produz diariamente em presença de
orvalho
Produzido periodicamente em
presença de chuva
Liberado pelo orvalho e chuva Liberado predominantemente por
chuva
Disseminado pelo agua Disseminando pelo vendo
Infeção sobre toda folha Infecção principalmente apical
Sobrevive 3-4 semanas sobre a folha Sobrevive 8 semanas no percitécio
Temperaturas mais baixas Temperaturas mais alta
Pouca ou nenhuma infecção no
período seco
Aumenta a infecção no período seco
Controle.
Drenagem
Combate as plantas
daninhas
Desfolha
Nutrição Sombra
 Controle cultural:
Controle.
 Controle químico:
- Horário da aplicação;
- Condições climáticas;
- Direcionamento do produto;
-Monitoramento do controle;
-Produtos;
- Intervalos e épocas de aplicações;
-Sistema de prevenção;
 Controle Genético;
Controle.
Controle genético;
Sigatoka Negra – Mycosphaerella
fijiensis
Foi descrita pela primeira vez em 1963;
Esta presente nas regiões Ásia, África, América e Oceania;
Em 1972 foi detectada na América;
Chegou ao Brasil em 1998;
Sigatoka Negra – Mycosphaerella
fijiensis
 Devido à sua agressividade, nas regiões onde a Sigatoka-
negra é introduzida, a amarela desaparece em cerca de três
anos.
Ataca severamente as variedades tipo Prata e Cavendish.
Sintomas
Sintomas semelhantes ao da Sigatoka Amarela;
Os primeiros sintomas aparecem na parte do interior da
folha;
Estrias de coloração marrom, que evoluem para negra,
formando um alo amarelo;
Etiologia
 O fungo causador da Sigatoka-negra é um ascomiceto
conhecido como Mycosphaerella fijiensis Morelet (fase
sexuada)
 Paracercospora fijiensis(Morelet) Deighton (fase
anamórfica).
Controle.
 As recomendações gerais para a Sigatoka Amarela
são também validas para Sigatoka Negra;
Mal-do-Panamá ( Fusarium oxysporum)
Também conhecido como murcha de Fusarium ou fusariose
da bananeira;
Primeiros relatos no 1874;
Em 1904 causa prejuízos;
Em 1930 chega ao Brasil;
Sintomas
Um amarelecimento progressivo nas folhas velhas e novas;
Folhas murcham, secam e quebra perto do pseudocaule;
Aparência de guarda-chuva fechado;
Estreitamento do limbo das folhas mais novas, engrossamento
das nervuras e necrose no cartucho ;
Rachaduras no feixe da bainha;
Sintomas
Internamente uma descoloração pardo avermelhado no
pseudocaule;
Vista de cima, apresenta pontos de podridão
Etiologia
Causado pelo fungo Fusarium oxysporum, não se conhece
seu estádio sexuado;
É um fungo de solo com capacidade de sobrevivência na
ausência do hospedeiro;
Se estabelece no sistema radicular;
Disseminação da doença ocorre: rizoma, raizes,
pseudocaule, irrigação, animais, homens etc...
Controle
Uso de variedades resistentes;
Preferencia por plantio em áreas onde não ouve
incidência da doença;
Utilizar mudas sadias;
Corrigir o solo;
Evitar solos mau drenados
Moko ou murcha bacteriana –Ralstonia
solanacearum
 Conhecido como moko ou murcha bacteriana;
 Está presente em todos os Estados da região Norte;
 em 1987 surgiu no Estado de Sergipe e posteriormente
em Alagoas, onde vem sendo mantida sob controle;
Moko ou murcha bacteriana –Ralstonia
solanacearum
 É causada pela bactéria Ralstonia
solanacearum (Pseudomonas solanacearum), raça 2.
 A transmissão pode ocorrer :
- uso de ferramentas contaminadas,
- de raiz para raiz ou do solo para a raiz, insetos que visitam
as inflorescências etc.
Sintomas
Nos frutos, além do amarelecimento precoce, observa-se o
escurecimento da polpa, seguido de podridão seca;
 Má formação foliar;
Amarelecimento e necrose nas folhas;
Feixes vasculares avermelhados;
Controle
Detecção precoce da doença e a rápida erradicação das
plantas;
A erradicação é feita mediante a aplicação de herbicida
como o glifosato a 50%, injetado no pseudocaule ;
É importante que a área erradicada permaneça limpa
durante 6 a 12 meses;
Desinfecção das ferramentas usadas;
Plantio de mudas comprovadamente sadias
Estrias da bananeira
Causada pelo vírus das estrias da bananeira (Banana streak
virus, BSV).
O vírus é transmitido de bananeira para bananeira pela
cochonilha Planococcus citri, ou de mudas infectadas.
Não existe um método que permita eliminá-lo de plantas
infectadas.
A cultura de tecidos não permite obter mudas sadias a
partir de matrizes infectadas
O BSV produz inicialmente estrias amareladas nas folhas
(Figura 12), que posteriormente ficam escurecidas ou
necrosadas (Figura 13). Pode ocorrer a deformação dos
frutos e a produção de cachos menores. As plantas
apresentam menor vigor, podendo em alguns casos ocorrer a
morte do topo da planta, assim como a necrose interna do
pseudocaule. Geralmente os sintomas são percebidos apenas
em alguns períodos do ano.
Mosaico
Esta virose é causada pelo vírus do mosaico do pepino
(Cucumber mosaic virus,CMV), que é transmitido por várias
espécies de afídeos. A fonte de inóculo para a infecção de
novos plantios provém geralmente de outras culturas ou de
plantas daninhas, especialmente trapoeraba ou maria-mole
(Commelina diffusa).
Os sintomas variam de estrias amareladas, mosaico (Figura
14), redução de porte, distorção foliar até necrose do topo,
podendo afetar os frutos, com o surgimento de estrias
cloróticas ou necrose interna. Pode haver necrose da folha
apical e do pseudocaule, quando ocorrem temperaturas
abaixo de 24ºC.
Esta virose está presente nas principais áreas produtoras de
bananeira, podendo provocar perdas elevadas em plantios
novos, especialmente quando eles são estabelecidos em
áreas com elevada incidência de trapoeraba e alta população
de pulgões.
Utilização de mudas livres de vírus;
Evitar a instalação de bananais próximos a plantios de
hortaliças e cucurbitáceas (hospedeiras de CMV);
Controlar as plantas daninhas dentro e em volta do
bananal;Nos plantios já estabelecidos, erradicar as plantas
com sintomas;
Manter o bananal com suprimento adequado de água,
adubação e controle de plantas daninhas e pragas, para
evitar estresse.
Folha de planta doente, mostrando sintomas de
estrias com aparecimento de mosaico, causado
pelo virus do mosaico do pepino (CMV).
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 
Manejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiroManejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiro
Geagra UFG
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Romario Gomes
 
A cultura da goiaba
A cultura da goiabaA cultura da goiaba
A cultura da goiaba
Laura Salles
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
CETEP, FTC, FASA..
 
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Anderson Santos
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
Luciano Marques
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
Manejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiroManejo de pragas no algodoeiro
Manejo de pragas no algodoeiro
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
 
A cultura da goiaba
A cultura da goiabaA cultura da goiaba
A cultura da goiaba
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 

Destaque

31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
Andre Moraes Costa
 
Colheita e Pós Colheita de Banana
Colheita e Pós Colheita de BananaColheita e Pós Colheita de Banana
Colheita e Pós Colheita de Banana
Ernane Nogueira Nunes
 
Propriedades terapêuticas da banana
Propriedades terapêuticas da bananaPropriedades terapêuticas da banana
Propriedades terapêuticas da banana
ProfCalazans
 
Revista slide
Revista slideRevista slide
Revista slide
Juciara Brito
 
Banana características
Banana característicasBanana características
Banana características
EEF Luiz Delfino
 
Banana cultura
Banana culturaBanana cultura
Banana e suas propriedades
Banana e suas propriedadesBanana e suas propriedades
Banana e suas propriedades
Silvano Junior
 
Inflorescencias
InflorescenciasInflorescencias
Inflorescencias
Pablo Acosta
 
Reprodução das flores
Reprodução das floresReprodução das flores
Reprodução das flores
Alexandre Marques
 
Banana-Processamento Agroindustria
Banana-Processamento AgroindustriaBanana-Processamento Agroindustria
Banana-Processamento Agroindustria
Andre Fernandes
 
Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicosLivro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Dheime Miranda
 
Custos produção conab (1)
Custos produção conab (1)Custos produção conab (1)
Custos produção conab (1)
Hélida Mesquita
 
A evolução de populações
A evolução de populaçõesA evolução de populações
A evolução de populações
unesp
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
Cristóvão Lopes
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
Geraldo Henrique
 
Abacaxi aula prática
Abacaxi aula práticaAbacaxi aula prática
Abacaxi aula prática
Virna Braga Marques
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineral
Pbsmal
 

Destaque (17)

31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
 
Colheita e Pós Colheita de Banana
Colheita e Pós Colheita de BananaColheita e Pós Colheita de Banana
Colheita e Pós Colheita de Banana
 
Propriedades terapêuticas da banana
Propriedades terapêuticas da bananaPropriedades terapêuticas da banana
Propriedades terapêuticas da banana
 
Revista slide
Revista slideRevista slide
Revista slide
 
Banana características
Banana característicasBanana características
Banana características
 
Banana cultura
Banana culturaBanana cultura
Banana cultura
 
Banana e suas propriedades
Banana e suas propriedadesBanana e suas propriedades
Banana e suas propriedades
 
Inflorescencias
InflorescenciasInflorescencias
Inflorescencias
 
Reprodução das flores
Reprodução das floresReprodução das flores
Reprodução das flores
 
Banana-Processamento Agroindustria
Banana-Processamento AgroindustriaBanana-Processamento Agroindustria
Banana-Processamento Agroindustria
 
Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicosLivro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
 
Custos produção conab (1)
Custos produção conab (1)Custos produção conab (1)
Custos produção conab (1)
 
A evolução de populações
A evolução de populaçõesA evolução de populações
A evolução de populações
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
 
Abacaxi aula prática
Abacaxi aula práticaAbacaxi aula prática
Abacaxi aula prática
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineral
 

Semelhante a Banana Doenças

Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
Hemilly Rayanne
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Leandro Bicalho
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
Geagra UFG
 
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da MangueiraAntracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Anderson Santos
 
Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
UEM
 
Escaldadura cana embrapa
Escaldadura cana   embrapaEscaldadura cana   embrapa
Escaldadura cana embrapa
Camila Oliveira
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
GETA - UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
Dayenne Herrera
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
natalia machado
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
TesteOo
 
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
Geagra UFG
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Doenças do milho
Doenças do milhoDoenças do milho
Doenças do milho
Edinei Gazola
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Killer Max
 
Doenças do-eucalipto
Doenças do-eucaliptoDoenças do-eucalipto
Doenças do-eucalipto
Jucelaine Haas
 
ID-31376.pdf
ID-31376.pdfID-31376.pdf
ID-31376.pdf
Cyntia Silva
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
anailsonalves2017
 

Semelhante a Banana Doenças (20)

Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da MangueiraAntracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
 
Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
 
Escaldadura cana embrapa
Escaldadura cana   embrapaEscaldadura cana   embrapa
Escaldadura cana embrapa
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
 
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Doenças do milho
Doenças do milhoDoenças do milho
Doenças do milho
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Doenças do-eucalipto
Doenças do-eucaliptoDoenças do-eucalipto
Doenças do-eucalipto
 
ID-31376.pdf
ID-31376.pdfID-31376.pdf
ID-31376.pdf
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Banana Doenças

  • 2. Origem Origem das florestas Asiáticas; Chegou na costa do Atlântico pelos Árabes;  Há referências da sua presença na Índia, na Malásia e nas Filipinas; As sementes das bananeiras primitivas, eram férteis, teriam tido 2 cm; Existem no Brasil desde antes do seu descobrimento
  • 3.  A cultura da banana ocupa o segundo lugar em volume de frutas produzidas no Brasil;  Terceira posição em área colhida; Importância Econômica
  • 6. Sigatoka Amarela – Mycosphaerella musicola. Descrita pela primeira vez no ano de 1902; Em 1913, primeiros prejuízos de importância; Em 1944 foi constatada no Brasil;
  • 7. Sigatoka Amarela – Mycosphaerella musicola. Morte precoce das folhas; Enfraquecimento da planta; Diminuição no tamanho do fruto e pencas; Maturação precoce; Em incidência alta, impede completamente o enchimento do fruto;
  • 8. Sintomas. Ocorre em folhas jovem da planta; Inicialmente ocorre uma leve descoloração em forma de ponto; O ponto se amplia formando um estria de coloração amarela; Estrias crescem formando manchas necróticas, alongadas, dispostas paralelamente as nervuras segundarias das folhas;
  • 9.
  • 10.
  • 11. Etiologia.  Mycosphaerella musicola (forma perfeita ou sexuada);  Pseudocercospora musae (forma imperfeita ou assexuada);  Infecção ocorre pelos estômatos abertos ou não;  Presença de água;  Período de inoculação é variado (15 até 76 dias);
  • 12. Conídio (Assesuais) Ascósporo(sexuais) Produz diariamente em presença de orvalho Produzido periodicamente em presença de chuva Liberado pelo orvalho e chuva Liberado predominantemente por chuva Disseminado pelo agua Disseminando pelo vendo Infeção sobre toda folha Infecção principalmente apical Sobrevive 3-4 semanas sobre a folha Sobrevive 8 semanas no percitécio Temperaturas mais baixas Temperaturas mais alta Pouca ou nenhuma infecção no período seco Aumenta a infecção no período seco
  • 14. Controle.  Controle químico: - Horário da aplicação; - Condições climáticas; - Direcionamento do produto; -Monitoramento do controle; -Produtos; - Intervalos e épocas de aplicações; -Sistema de prevenção;  Controle Genético;
  • 16. Sigatoka Negra – Mycosphaerella fijiensis Foi descrita pela primeira vez em 1963; Esta presente nas regiões Ásia, África, América e Oceania; Em 1972 foi detectada na América; Chegou ao Brasil em 1998;
  • 17. Sigatoka Negra – Mycosphaerella fijiensis  Devido à sua agressividade, nas regiões onde a Sigatoka- negra é introduzida, a amarela desaparece em cerca de três anos. Ataca severamente as variedades tipo Prata e Cavendish.
  • 18. Sintomas Sintomas semelhantes ao da Sigatoka Amarela; Os primeiros sintomas aparecem na parte do interior da folha; Estrias de coloração marrom, que evoluem para negra, formando um alo amarelo;
  • 19.
  • 20. Etiologia  O fungo causador da Sigatoka-negra é um ascomiceto conhecido como Mycosphaerella fijiensis Morelet (fase sexuada)  Paracercospora fijiensis(Morelet) Deighton (fase anamórfica).
  • 21. Controle.  As recomendações gerais para a Sigatoka Amarela são também validas para Sigatoka Negra;
  • 22.
  • 23. Mal-do-Panamá ( Fusarium oxysporum) Também conhecido como murcha de Fusarium ou fusariose da bananeira; Primeiros relatos no 1874; Em 1904 causa prejuízos; Em 1930 chega ao Brasil;
  • 24. Sintomas Um amarelecimento progressivo nas folhas velhas e novas; Folhas murcham, secam e quebra perto do pseudocaule; Aparência de guarda-chuva fechado; Estreitamento do limbo das folhas mais novas, engrossamento das nervuras e necrose no cartucho ; Rachaduras no feixe da bainha;
  • 25.
  • 26. Sintomas Internamente uma descoloração pardo avermelhado no pseudocaule; Vista de cima, apresenta pontos de podridão
  • 27.
  • 28. Etiologia Causado pelo fungo Fusarium oxysporum, não se conhece seu estádio sexuado; É um fungo de solo com capacidade de sobrevivência na ausência do hospedeiro; Se estabelece no sistema radicular; Disseminação da doença ocorre: rizoma, raizes, pseudocaule, irrigação, animais, homens etc...
  • 29. Controle Uso de variedades resistentes; Preferencia por plantio em áreas onde não ouve incidência da doença; Utilizar mudas sadias; Corrigir o solo; Evitar solos mau drenados
  • 30. Moko ou murcha bacteriana –Ralstonia solanacearum  Conhecido como moko ou murcha bacteriana;  Está presente em todos os Estados da região Norte;  em 1987 surgiu no Estado de Sergipe e posteriormente em Alagoas, onde vem sendo mantida sob controle;
  • 31. Moko ou murcha bacteriana –Ralstonia solanacearum  É causada pela bactéria Ralstonia solanacearum (Pseudomonas solanacearum), raça 2.  A transmissão pode ocorrer : - uso de ferramentas contaminadas, - de raiz para raiz ou do solo para a raiz, insetos que visitam as inflorescências etc.
  • 32. Sintomas Nos frutos, além do amarelecimento precoce, observa-se o escurecimento da polpa, seguido de podridão seca;  Má formação foliar; Amarelecimento e necrose nas folhas; Feixes vasculares avermelhados;
  • 33. Controle Detecção precoce da doença e a rápida erradicação das plantas; A erradicação é feita mediante a aplicação de herbicida como o glifosato a 50%, injetado no pseudocaule ; É importante que a área erradicada permaneça limpa durante 6 a 12 meses; Desinfecção das ferramentas usadas; Plantio de mudas comprovadamente sadias
  • 34.
  • 35. Estrias da bananeira Causada pelo vírus das estrias da bananeira (Banana streak virus, BSV). O vírus é transmitido de bananeira para bananeira pela cochonilha Planococcus citri, ou de mudas infectadas. Não existe um método que permita eliminá-lo de plantas infectadas. A cultura de tecidos não permite obter mudas sadias a partir de matrizes infectadas
  • 36. O BSV produz inicialmente estrias amareladas nas folhas (Figura 12), que posteriormente ficam escurecidas ou necrosadas (Figura 13). Pode ocorrer a deformação dos frutos e a produção de cachos menores. As plantas apresentam menor vigor, podendo em alguns casos ocorrer a morte do topo da planta, assim como a necrose interna do pseudocaule. Geralmente os sintomas são percebidos apenas em alguns períodos do ano.
  • 37.
  • 38. Mosaico Esta virose é causada pelo vírus do mosaico do pepino (Cucumber mosaic virus,CMV), que é transmitido por várias espécies de afídeos. A fonte de inóculo para a infecção de novos plantios provém geralmente de outras culturas ou de plantas daninhas, especialmente trapoeraba ou maria-mole (Commelina diffusa). Os sintomas variam de estrias amareladas, mosaico (Figura 14), redução de porte, distorção foliar até necrose do topo, podendo afetar os frutos, com o surgimento de estrias cloróticas ou necrose interna. Pode haver necrose da folha apical e do pseudocaule, quando ocorrem temperaturas abaixo de 24ºC.
  • 39. Esta virose está presente nas principais áreas produtoras de bananeira, podendo provocar perdas elevadas em plantios novos, especialmente quando eles são estabelecidos em áreas com elevada incidência de trapoeraba e alta população de pulgões.
  • 40. Utilização de mudas livres de vírus; Evitar a instalação de bananais próximos a plantios de hortaliças e cucurbitáceas (hospedeiras de CMV); Controlar as plantas daninhas dentro e em volta do bananal;Nos plantios já estabelecidos, erradicar as plantas com sintomas; Manter o bananal com suprimento adequado de água, adubação e controle de plantas daninhas e pragas, para evitar estresse.
  • 41. Folha de planta doente, mostrando sintomas de estrias com aparecimento de mosaico, causado pelo virus do mosaico do pepino (CMV).