SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Ana Caroline Ribeiro 
Bárbara Nazly 
Gisleine Freitas 
Hemilly Rayanne 
Patricia Soares 
Profª Dra. Mônica Florêncio
 São incolores, de forma esférica quando em 
suspensão no sangue e têm função de 
proteger o organismo contra infecções; 
 São produzidos na medula óssea ou em 
tecidos linfóides; 
 Migram entre as células por “diapedese”, 
penetram nos espaços do tecido conjuntivo 
e realizam suas funções.
Imagem de Microscópio eletrônico de varredura de uma hemácia(E), 
plaqueta(centro), e leucócito(D).
 Granulócitos: têm grânulos 
citoplasmáticos específicos. 
Ex-Neutrófilos, Eosinófilos, Basófilos. 
 Agranulócitos: não possuem grânulos 
específicos. 
Ex- Linfócitos, Monócitos.
 Também chamados de Leucócitos 
Polimorfonucleares, são os mais 
numerosos dos glóbulos brancos (60- 
70%); 
 Núcleo multilobulado – os lóbulos, 
ligados por finas pontes de cromatina, 
aumentam de número com a idade da 
célula.
Neutrófilo, coloração pelo giemsa esfregaço de sangue 
periférico © Dr Peter Darben, Queensland University of 
Technology clinical parasitology collection
 No sexo feminino, o núcleo apresenta um 
pequeno apêndice que contém o 
segundo X condensado e inativo: 
corpúsculo de Barr; 
 Estão entre as primeiras células a 
aparecer nas infecções bacterianas 
agudas.
 Grânulos pequenos (0,1 μm de 
diâmetro): específicos; 
 Grânulos maiores (0,5 μm de diâmetro): 
azurófilos; 
 Recém descobertos: os Grânulos 
terciários.
 Contém várias enzimas e agentes 
farmacológicos que auxiliam o neutrófilo 
a exercer suas funções antimicrobianas; 
 Na microscopia eletrônica tem forma 
oblonga.
 São lisossomos contém proteínas e 
peptídeos destinados à digestão e morte 
de microorganismos; 
 Ao microscópio eletrônico, são maiores e 
mais eletro densos.
 Contêm gelatinase e catepsinas assim 
como glicoprotéinas inseridas no 
plasmalema.
 Interagem com agentes quimiotáticos e 
migram para locais invadidos por 
microorganismos; 
 A interação entre receptores de selectina 
dos neutrófilos e as selectinas das células 
endoteliais levam os neutrófilos a 
girarem lentamente ao longo do 
revestimento endotelial.
 O neutrófilo é uma célula em estágio 
final de diferenciação, realizando uma 
síntese protéica muito limitada; 
 Apresenta poucos perfis do retículo 
endoplasmático rugoso, raros 
ribossomos livres, poucas mitocôndrias e 
aparelho de Golgi rudimentar.
Neutrófilo e Eosinófilo (1000x) 
Neutrófilo
 Constituem menos de 4% da população do 
total de glóbulos brancos; 
 Em esfregaços são células redondas, mas 
podem ser pleomorfos durante sua 
migração através do tecido conjuntivo; 
 Têm um núcleo em forma de salsicha, 
bilobulado, cujos lóbulos estão ligados por 
um filamento de cromatina e um envoltório 
nuclear.
Eosinófilo, coloração pelo giemsa esfregaço de sangue periférico 
© Dr Peter Darben, Queensland University of Technology clinical 
parasitology collection.
 Em micrografias eletrônicas apresentam 
um pequeno aparelho de Golgi; 
 São produzidos na medula óssea e é a 
interleucina-5 (IL-5) que causa a 
proliferação e diferenciação de seus 
precursores em células maduras.
Eosinófilo em esfregaço sanguíneo © Bristol Biomedical Image 
Archive
 Grânulos específicos são oblongos e se 
coram em rosa-escuro com os corantes 
Giemsa e Wright; 
 Grânulos azurófilos inespecíficos são 
lisossomos contendo enzimas 
hidrolíticas.
Imagen histológica de grânulos de eosinófilos; 
Contém núcleos irregulares e multinucleados.
 Participam de atividades antiviral; 
 Fagocitam complexos antígeno-anticorpo 
e matam parasitos invasores; 
 Destroem vermes parasitos;
 http://minerva.ufpel.edu.br/mgrheing/cd_histologia/g 
eral/sangue.htm 
 http://www.redoe.com/ver.php?id=39 
 http://www.google.com.br/search?rlz=1C1CHMK_pt-brBR475BR475& 
ix=aca&sourceid=chrome&ie=UTF- 
8&q=granulos 
 Histologia 11 edição;Autor: Junqueira, L. C.; Carneiro, 
JoséEditora: Guanabara KooganCategoria: Medicina / 
Medicina
Tecido Sanguíneo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
Tiago da Silva
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
Amarildo César
 
Ciclo celular e mitose
Ciclo celular e mitoseCiclo celular e mitose
Ciclo celular e mitose
emanuel
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Herbert Santana
 
Fisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscularFisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscular
guestc2bec7
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
Natalianeto
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
sandranascimento
 
Sistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_AntônioSistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_Antônio
Marcia Regina
 

Mais procurados (20)

Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
 
Histofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelialHistofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelial
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
 
O Sangue Humano
O Sangue HumanoO Sangue Humano
O Sangue Humano
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
 
Ciclo celular e mitose
Ciclo celular e mitoseCiclo celular e mitose
Ciclo celular e mitose
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
Bacterias
BacteriasBacterias
Bacterias
 
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIOHistologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
 
Fisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscularFisiologia do sistema muscular
Fisiologia do sistema muscular
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Vírus
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre VírusSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Vírus
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Vírus
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Sistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_AntônioSistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_Antônio
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 

Destaque

Tecido Sanguineo
Tecido SanguineoTecido Sanguineo
Tecido Sanguineo
rdsantos
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
letyap
 
Histo II - Tec. Sanguíneo e Hematopoese
Histo II - Tec. Sanguíneo e HematopoeseHisto II - Tec. Sanguíneo e Hematopoese
Histo II - Tec. Sanguíneo e Hematopoese
Pedro Guarnier
 
Tecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineoTecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineo
whybells
 
Tecidos e Órgãos Linfoides
Tecidos e Órgãos LinfoidesTecidos e Órgãos Linfoides
Tecidos e Órgãos Linfoides
Lys Duarte
 
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Hemilly Rayanne
 
Genética do comportamento
Genética do comportamento Genética do comportamento
Genética do comportamento
Hemilly Rayanne
 

Destaque (20)

Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
 
Tecido Sanguineo
Tecido SanguineoTecido Sanguineo
Tecido Sanguineo
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
 
Histologia - Sistema Sanguíneo
Histologia - Sistema Sanguíneo Histologia - Sistema Sanguíneo
Histologia - Sistema Sanguíneo
 
Sangue pdf
Sangue pdfSangue pdf
Sangue pdf
 
Histo II - Tec. Sanguíneo e Hematopoese
Histo II - Tec. Sanguíneo e HematopoeseHisto II - Tec. Sanguíneo e Hematopoese
Histo II - Tec. Sanguíneo e Hematopoese
 
Tecido Hematopoiético (sanguineo)
Tecido Hematopoiético (sanguineo) Tecido Hematopoiético (sanguineo)
Tecido Hematopoiético (sanguineo)
 
Tecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineoTecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineo
 
1 em 100000
1 em 1000001 em 100000
1 em 100000
 
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
 
Polissonografia
Polissonografia Polissonografia
Polissonografia
 
Sanguineo leno
Sanguineo lenoSanguineo leno
Sanguineo leno
 
Tecidos e Órgãos Linfoides
Tecidos e Órgãos LinfoidesTecidos e Órgãos Linfoides
Tecidos e Órgãos Linfoides
 
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
Polimorfismo no gene TCF7L2 associado a Diabetes Mellitus 2
 
Plasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética BacterianaPlasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética Bacteriana
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
 
Microbiologia revisão
Microbiologia revisãoMicrobiologia revisão
Microbiologia revisão
 
Genética do comportamento
Genética do comportamento Genética do comportamento
Genética do comportamento
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
Medula óssea
Medula ósseaMedula óssea
Medula óssea
 

Semelhante a Tecido Sanguíneo

Patologia Geral e Histologia Técnica de GRAM.pdf
Patologia Geral e Histologia  Técnica de GRAM.pdfPatologia Geral e Histologia  Técnica de GRAM.pdf
Patologia Geral e Histologia Técnica de GRAM.pdf
Elrorfindril
 
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO NrConstituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Nuno Correia
 
Patologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de Célula
Patologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de CélulaPatologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de Célula
Patologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de Célula
UFPEL
 
Diferenciação celular e histologia 2014
Diferenciação celular e histologia 2014Diferenciação celular e histologia 2014
Diferenciação celular e histologia 2014
Gisele A. Barbosa
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
cejlrodrigues
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
CasiMedi.com
 
Celula eucariotica
Celula eucarioticaCelula eucariotica
Celula eucariotica
Pelo Siro
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
luam1969
 

Semelhante a Tecido Sanguíneo (20)

Sangue e hematopoiese
Sangue e hematopoieseSangue e hematopoiese
Sangue e hematopoiese
 
Patologia Geral e Histologia Técnica de GRAM.pdf
Patologia Geral e Histologia  Técnica de GRAM.pdfPatologia Geral e Histologia  Técnica de GRAM.pdf
Patologia Geral e Histologia Técnica de GRAM.pdf
 
As células justaglomerulares
As células justaglomerularesAs células justaglomerulares
As células justaglomerulares
 
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO NrConstituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
 
Patologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de Célula
Patologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de CélulaPatologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de Célula
Patologia Geral: Aula 03 2009 - Revisão de Célula
 
Manual de hematologia
Manual de hematologiaManual de hematologia
Manual de hematologia
 
Diferenciação celular e histologia 2014
Diferenciação celular e histologia 2014Diferenciação celular e histologia 2014
Diferenciação celular e histologia 2014
 
Células Procariontes e Eucariontes
Células Procariontes e EucariontesCélulas Procariontes e Eucariontes
Células Procariontes e Eucariontes
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
 
Tec Sanguineo
Tec SanguineoTec Sanguineo
Tec Sanguineo
 
Tec Sanguineo
Tec SanguineoTec Sanguineo
Tec Sanguineo
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
 
Sistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o bSistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o b
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
Celula eucariotica
Celula eucarioticaCelula eucariotica
Celula eucariotica
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
 
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula iiCélulas, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
 
Biologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercícioBiologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercício
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 

Último (20)

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 

Tecido Sanguíneo

  • 1. Ana Caroline Ribeiro Bárbara Nazly Gisleine Freitas Hemilly Rayanne Patricia Soares Profª Dra. Mônica Florêncio
  • 2.  São incolores, de forma esférica quando em suspensão no sangue e têm função de proteger o organismo contra infecções;  São produzidos na medula óssea ou em tecidos linfóides;  Migram entre as células por “diapedese”, penetram nos espaços do tecido conjuntivo e realizam suas funções.
  • 3. Imagem de Microscópio eletrônico de varredura de uma hemácia(E), plaqueta(centro), e leucócito(D).
  • 4.  Granulócitos: têm grânulos citoplasmáticos específicos. Ex-Neutrófilos, Eosinófilos, Basófilos.  Agranulócitos: não possuem grânulos específicos. Ex- Linfócitos, Monócitos.
  • 5.
  • 6.  Também chamados de Leucócitos Polimorfonucleares, são os mais numerosos dos glóbulos brancos (60- 70%);  Núcleo multilobulado – os lóbulos, ligados por finas pontes de cromatina, aumentam de número com a idade da célula.
  • 7. Neutrófilo, coloração pelo giemsa esfregaço de sangue periférico © Dr Peter Darben, Queensland University of Technology clinical parasitology collection
  • 8.  No sexo feminino, o núcleo apresenta um pequeno apêndice que contém o segundo X condensado e inativo: corpúsculo de Barr;  Estão entre as primeiras células a aparecer nas infecções bacterianas agudas.
  • 9.
  • 10.  Grânulos pequenos (0,1 μm de diâmetro): específicos;  Grânulos maiores (0,5 μm de diâmetro): azurófilos;  Recém descobertos: os Grânulos terciários.
  • 11.  Contém várias enzimas e agentes farmacológicos que auxiliam o neutrófilo a exercer suas funções antimicrobianas;  Na microscopia eletrônica tem forma oblonga.
  • 12.  São lisossomos contém proteínas e peptídeos destinados à digestão e morte de microorganismos;  Ao microscópio eletrônico, são maiores e mais eletro densos.
  • 13.  Contêm gelatinase e catepsinas assim como glicoprotéinas inseridas no plasmalema.
  • 14.  Interagem com agentes quimiotáticos e migram para locais invadidos por microorganismos;  A interação entre receptores de selectina dos neutrófilos e as selectinas das células endoteliais levam os neutrófilos a girarem lentamente ao longo do revestimento endotelial.
  • 15.  O neutrófilo é uma célula em estágio final de diferenciação, realizando uma síntese protéica muito limitada;  Apresenta poucos perfis do retículo endoplasmático rugoso, raros ribossomos livres, poucas mitocôndrias e aparelho de Golgi rudimentar.
  • 16. Neutrófilo e Eosinófilo (1000x) Neutrófilo
  • 17.  Constituem menos de 4% da população do total de glóbulos brancos;  Em esfregaços são células redondas, mas podem ser pleomorfos durante sua migração através do tecido conjuntivo;  Têm um núcleo em forma de salsicha, bilobulado, cujos lóbulos estão ligados por um filamento de cromatina e um envoltório nuclear.
  • 18. Eosinófilo, coloração pelo giemsa esfregaço de sangue periférico © Dr Peter Darben, Queensland University of Technology clinical parasitology collection.
  • 19.  Em micrografias eletrônicas apresentam um pequeno aparelho de Golgi;  São produzidos na medula óssea e é a interleucina-5 (IL-5) que causa a proliferação e diferenciação de seus precursores em células maduras.
  • 20. Eosinófilo em esfregaço sanguíneo © Bristol Biomedical Image Archive
  • 21.  Grânulos específicos são oblongos e se coram em rosa-escuro com os corantes Giemsa e Wright;  Grânulos azurófilos inespecíficos são lisossomos contendo enzimas hidrolíticas.
  • 22. Imagen histológica de grânulos de eosinófilos; Contém núcleos irregulares e multinucleados.
  • 23.  Participam de atividades antiviral;  Fagocitam complexos antígeno-anticorpo e matam parasitos invasores;  Destroem vermes parasitos;
  • 24.  http://minerva.ufpel.edu.br/mgrheing/cd_histologia/g eral/sangue.htm  http://www.redoe.com/ver.php?id=39  http://www.google.com.br/search?rlz=1C1CHMK_pt-brBR475BR475& ix=aca&sourceid=chrome&ie=UTF- 8&q=granulos  Histologia 11 edição;Autor: Junqueira, L. C.; Carneiro, JoséEditora: Guanabara KooganCategoria: Medicina / Medicina