SlideShare uma empresa Scribd logo
GOVERNO DO ESTADO DO MATO GROSSO SECRETÁRIA DE ESTADO E CIÊNCIA, TECNOLOGIA E
INOVAÇÃO –SECITEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E
TECNOLOGICA DE SINOP CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA
Alunos:
Evangela Gielow
Elvis André Apoitia
Cleane de Jesus
Marciano Barth
 Para este ano de 2017, os dados da CONAB e outros órgãos apontam para uma recomposição
da produção, e por consequência também dos níveis de estoque, indicam que a produção total
de milho neste ano deverá alcançar a marca 87,408 milhões de toneladas, ou seja, 31,38%
superior à safra passada.
 Mancha Cercospora (Cercospora Maydis)
 Mancha branca ou Mancha de Phaeosphaeria
 Ferrugem Polissora (Puccinia polysora)
 Ferrugem Comum (Puccinia sorghi)
 Ferrugem Tropical ou Ferrugem Branca (Physopella zeae)
 Helmintosporiose (Exserohilum turcicum)
 Mancha de Diplodia (Stenocarpella macrospora)
 Helmintosporiose (Bipolaris maydis)
 Antracnose (Colletotrichum graminicola)
 Carvão do Milho (Ustilago maydis)
Fungo: Cercospora Zea-maydis
Ocorre com alta severidade em cultivares suscetíveis, com as perdas
podendo ser superiores a 80%.
Sintomas: Caracterizam-se por manchas de coloração cinza, retangulares
a irregulares, com as lesões desenvolvendo-se paralelas às nervuras.
Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. Realizar rotação
com culturas como soja, sorgo, girassol, algodão e outras.
 Fungo: Phaeosphaeria maydis
 Sintomas: As lesões iniciais apresentam um aspecto de encharcamento,
tornando-se necróticas com coloração palha de formato circular a oval com
0,3 a 2 cm de diâmetro.
 Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. Plantios realizados mais
cedo reduzem a severidade da doença. Pratica de rotação de culturas.
 Fungo: Puccinia polysora;
 As perdas podem atingir até 44,6% da produção. Temperaturas baixas (16 a 23ºC)
e alta umidade relativa (100%) favorecem o desenvolvimento da doença.
 Sintomas: Pústulas circulares a ovais, marrom claras, distribuídas na face superior
das folhas e, com muito menor abundância na face inferior da folha
 Manejo da Doença: Plantio de cultivares com resistência genética.
 Fungo: Puccinia Sorghi
 No Brasil, a doença tem ampla distribuição com severidade moderada, tendo maior
severidade nos estados da região Sul.
 Sintomas: As pústulas são formadas na parte área da planta e são mais abundantes
em ambas faces da folhas. Apresentam formato circular a alongado e se rompem
rapidamente.
 Manejo da Doença: Plantio de cultivares com resistência genética.
 Fungo: Physopella zeae
 O problema é maior em plantios contínuos de milho, principalmente em áreas
de pivot. (Alta temperatura 34ºC, alta umidade relativa e baixas altitudes.)
 Sintomas: Pústulas brancas ou amareladas, em pequenos grupos.
 Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. Recomenda-se a
alternância de genótipos e a interrupção no plantio durante um certo período
para que ocorra a morte dos uredosporos.
 Fungo: Exserohilum turcicum
 O problema é maior tem sido em plantios de safrinha, as perdas podem atingir a 50% em
ataques antes do período de floração. (Temperatura de 22 a 30ºC, alta umidade relativa.
longos períodos de seca e de dias de muito sol entre dias chuvosos é desfavorável à doença.)
 Sintomas: Lesões alongadas, elípticas, de coloração cinza ou marrom e cumprimento
variável entre 2,5cm a 15cm. A doença ocorre inicialmente nas folhas inferiores.
 Manejo da Doença: O controle da doença é feito através do plantio de cultivares com
resistência genética. A rotação de culturas é também uma prática recomendada para o
manejo desta doença.
 Fungo: Stenocarpella Macrospora
 Essa doença está presente nos estados de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Bahia
e Mato Grosso e na região Sul do país. Apesar de amplamente distribuída, a
doença tem ocorrido com baixa severidade até o momento.
 Sintomas: Lesões alongadas, grandes, semelhantes as de H. turcicum. Diferem
desta por apresentar, em algum local da lesão, pequeno círculo visível contra a
luz (ponto de infecção). Podem alcançar até 10 cm de comprimento
 Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes e rotação de culturas.
 Fungo: Bipolaris maydis
 Essa doença encontra-se bem distribuída no Brasil, porém com severidade baixa
a média.
 Sintomas: Produz lesões alongadas, delimitadas pelas nervuras com margens
castanhas com forma e tamanho variáveis. O patógeno ataca apenas as folhas. A
Raça T produz lesões de coloração marrom de formato elíptico, margens
amareladas ou cloróticas.
 Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes e rotação de culturas.
 Fungo: Colletotrichum Graminicola
 O aumento dessa doença está associado ao cultivo mínimo e ao plantio direto e também
pela não utilização da rotação de cultura. A doença está presente nos estados de GO, MG,
MT,MS, SP,PR e SC.
 Sintomas: Presença de lesões de formas variadas, sendo às vezes difícil o seu diagnóstico.
Nas nervuras, é comum a presença de lesões elípticas com frutificações.
 Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. A rotação de cultura é essencial para a
redução do potencial de inóculo presente nos restos de cultura.
 Fungo: Ustilago maydis
 No Brasil, o carvão-do-milho é considerado uma doença de importância secundária, mas
ocorre em todas as áreas onde o milho é produzido.
 Sintomas: Os sintomas do carvão são facilmente visualizados por causa da formação de
galhas nas espigas, podendo ocorrer em toda a espiga ou apenas parte dela, na bainha e
nervura foliar .
 Manejo da Doença: O controle da doença deve ser baseado nas boas práticas agrícolas,
evitando-se o estresse hídrico e altas doses de N. Não existem produtos registrados no
Ministério da Agricultura para controle do carvão.
As principais podridões do colmo na cultura do milho
podem ocorrer antes da fase de enchimento dos
grãos, em plantas jovens e vigorosas ou, após a
maturação fisiológica dos grãos, em plantas
senescentes.
Os microorganimos causadores das podridões do
colmo são capazes de sobreviver nos restos de cultura
e no solo.
 Etiologia: Podem ser causada pelos fungos Stenocarpella
maydis ou S. macrospora.
 Sintomas: Plantas infectadas por qualquer um desses
fungos apresentam lesões marrom-claras, quase negras,
Internamente, o tecido da medula adquire coloração
marrom, pode se desintegrar
 Manejo da doença: Uso de cultivares resistentes. E rotação
de culturas , Evitar altas densidades de semeadura.
 Etiologia: É uma doença causada por várias espécies de
Fusarium entre elas F. moniliforme e F. moniliforme var.
subglutinans, também causam a podridão rosada das espigas.
 Sintomas: Em plantas infectadas, o tecido dos entrenós
inferiores geralmente adquire coloração avermelhada
que progride de forma uniforme e contínua da base em
direção à parte superior da planta.
 Manejo da doença: Uso de cultivares resistentes. Evitar altas
densidades de semeadura.
 Etiologia: Essa podridão é causada pelo fungo
Colletotrichum graminicola que pode infectar todas as
partes da planta de milho. (longos períodos de alta
temperatura e umidade)
 Sintomas: Caracterizada pela formação, na casca, de
lesões encharcadas, estreitas, elípticas na vertical ou
ovais. Posteriormente tornam-se marrom avermelhadas
e, finalmente, marrom-escuras a negras.
 Manejo da doença: Utilização de cultivares
resistentes não só à podridão do colmo por
C.graminicola, mas também às doenças
foliares.
 Etiologia: A podridão seca do colmo é causada pela fungo
Macrophomina phaseolina.(37°C, baixa umidade de solo)
 Sintomas: A infeção das plantas se inicia pelas raízes. os sintomas
são visíveis nos entrenós inferiores, após a polinização, o tecido
da medula se desintegra permanecendo intactos somente os
vasos lenhosos.
 Manejo da doença: Utilização de cultivares resistentes Promover
uma irrigação adequada em anos de pouca chuva. Evitar altas
densidades de semeadura.
 Etiologia: É causada pelo fungo Pythium aphanidermatum.
(32°C e alta umidade de solo)
 Sintomas: Essa podridão é do tipo aquosa, assemelhando-
se às podridões por bactéria. Fica tipicamente restrita ao
primeiro entrenó acima do solo.
 Manejo da doença: Manejo adequado da água de
irrigação.
 É causada pelos fungos Stenocarpela maydis e S.
macrospora. As espigas infectadas apresentam os grãos
de cor marrom, de baixo peso e com crescimento
micelial branco entre as fileiras de grãos.
 Disseminação: A alta precipitação pluviométrica na
época da maturação dos grãos favorece o aparecimento
dessa doença.
Podridão Branca da Espiga
 Causada por Fusarium moniliforme ou por Fusarium subglutinans.
Esses patógenos apresentam elevado número de plantas
hospedeiras, sendo, por isso, considerados parasitas não
especializados.
 Sintomas: Uma massa cotonosa avermelhada pode recobrir os grãos
infectados ou a área da palha atingida.
 Disseminação: Os fungos possuem a fase saprofítica ativa,
sobrevivem e se multiplicam na matéria orgânica, no solo, sendo
essa a fonte principal de inóculo.
 Conhecida também pelo nome de podridão de giberela
(Gibberella zeae). Sendo mais comum em regiões de clima
ameno e de alta umidade relativa.
 Sintomas: A doença inicia-se com uma massa cotonosa
avermelhada na ponta da espiga e pode progredir para a
base da espiga.
 Disseminação: Esse fungo sobrevive nas sementes na
forma de micélio dormente.
Doençãs fungicas do milho pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
MOFO BRANCO DA SOJA
MOFO BRANCO DA SOJAMOFO BRANCO DA SOJA
MOFO BRANCO DA SOJA
AgriculturaSustentavel
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Gustavo Avila
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidasManejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Geagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
lipemodesto
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
MOFO BRANCO DA SOJA
MOFO BRANCO DA SOJAMOFO BRANCO DA SOJA
MOFO BRANCO DA SOJA
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidasManejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
 

Semelhante a Doençãs fungicas do milho pdf

Doenças do milho
Doenças do milhoDoenças do milho
Doenças do milho
Edinei Gazola
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Leandro Bicalho
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
Dayenne Herrera
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
anailsonalves2017
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
Geagra UFG
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
GETA - UFG
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Geagra UFG
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
Escaldadura cana embrapa
Escaldadura cana   embrapaEscaldadura cana   embrapa
Escaldadura cana embrapa
Camila Oliveira
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
TesteOo
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
Hemilly Rayanne
 
Circ 26
Circ 26Circ 26
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiroManejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Rural Pecuária
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
Epfr De Estaquinha
 
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdfApresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
GilsonRibeiroNachtig
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufa
Rodrigo Caetano
 

Semelhante a Doençãs fungicas do milho pdf (20)

Doenças do milho
Doenças do milhoDoenças do milho
Doenças do milho
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
 
Escaldadura cana embrapa
Escaldadura cana   embrapaEscaldadura cana   embrapa
Escaldadura cana embrapa
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
Circ 26
Circ 26Circ 26
Circ 26
 
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiroManejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
 
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdfApresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufa
 

Mais de Evangela Gielow

Tcc evangela gielow
Tcc evangela gielowTcc evangela gielow
Tcc evangela gielow
Evangela Gielow
 
TCC COLETANEA TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1
TCC COLETANEA  TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1TCC COLETANEA  TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1
TCC COLETANEA TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1
Evangela Gielow
 
Cocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentaçãoCocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentação
Evangela Gielow
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
Evangela Gielow
 
Biodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinoculturaBiodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinocultura
Evangela Gielow
 
Extensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheioExtensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheio
Evangela Gielow
 
Estensionista na agricultura familiar pdf
Estensionista na agricultura familiar pdfEstensionista na agricultura familiar pdf
Estensionista na agricultura familiar pdf
Evangela Gielow
 
Seminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arrozSeminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arroz
Evangela Gielow
 
Potassio k.
Potassio k.Potassio k.
Potassio k.
Evangela Gielow
 
Trabalho determinaçao testura e extrutura solos
Trabalho determinaçao testura e extrutura solosTrabalho determinaçao testura e extrutura solos
Trabalho determinaçao testura e extrutura solos
Evangela Gielow
 

Mais de Evangela Gielow (10)

Tcc evangela gielow
Tcc evangela gielowTcc evangela gielow
Tcc evangela gielow
 
TCC COLETANEA TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1
TCC COLETANEA  TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1TCC COLETANEA  TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1
TCC COLETANEA TECNICO EM AGROPECUARIA VOLUME 1
 
Cocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentaçãoCocoinucultura apresentação
Cocoinucultura apresentação
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
 
Biodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinoculturaBiodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinocultura
 
Extensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheioExtensionista agricultura familiar balde cheio
Extensionista agricultura familiar balde cheio
 
Estensionista na agricultura familiar pdf
Estensionista na agricultura familiar pdfEstensionista na agricultura familiar pdf
Estensionista na agricultura familiar pdf
 
Seminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arrozSeminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arroz
 
Potassio k.
Potassio k.Potassio k.
Potassio k.
 
Trabalho determinaçao testura e extrutura solos
Trabalho determinaçao testura e extrutura solosTrabalho determinaçao testura e extrutura solos
Trabalho determinaçao testura e extrutura solos
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Doençãs fungicas do milho pdf

  • 1. GOVERNO DO ESTADO DO MATO GROSSO SECRETÁRIA DE ESTADO E CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO –SECITEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGICA DE SINOP CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA Alunos: Evangela Gielow Elvis André Apoitia Cleane de Jesus Marciano Barth
  • 2.  Para este ano de 2017, os dados da CONAB e outros órgãos apontam para uma recomposição da produção, e por consequência também dos níveis de estoque, indicam que a produção total de milho neste ano deverá alcançar a marca 87,408 milhões de toneladas, ou seja, 31,38% superior à safra passada.
  • 3.  Mancha Cercospora (Cercospora Maydis)  Mancha branca ou Mancha de Phaeosphaeria  Ferrugem Polissora (Puccinia polysora)  Ferrugem Comum (Puccinia sorghi)  Ferrugem Tropical ou Ferrugem Branca (Physopella zeae)  Helmintosporiose (Exserohilum turcicum)  Mancha de Diplodia (Stenocarpella macrospora)  Helmintosporiose (Bipolaris maydis)  Antracnose (Colletotrichum graminicola)  Carvão do Milho (Ustilago maydis)
  • 4. Fungo: Cercospora Zea-maydis Ocorre com alta severidade em cultivares suscetíveis, com as perdas podendo ser superiores a 80%. Sintomas: Caracterizam-se por manchas de coloração cinza, retangulares a irregulares, com as lesões desenvolvendo-se paralelas às nervuras. Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. Realizar rotação com culturas como soja, sorgo, girassol, algodão e outras.
  • 5.
  • 6.  Fungo: Phaeosphaeria maydis  Sintomas: As lesões iniciais apresentam um aspecto de encharcamento, tornando-se necróticas com coloração palha de formato circular a oval com 0,3 a 2 cm de diâmetro.  Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. Plantios realizados mais cedo reduzem a severidade da doença. Pratica de rotação de culturas.
  • 7.
  • 8.  Fungo: Puccinia polysora;  As perdas podem atingir até 44,6% da produção. Temperaturas baixas (16 a 23ºC) e alta umidade relativa (100%) favorecem o desenvolvimento da doença.  Sintomas: Pústulas circulares a ovais, marrom claras, distribuídas na face superior das folhas e, com muito menor abundância na face inferior da folha  Manejo da Doença: Plantio de cultivares com resistência genética.
  • 9.
  • 10.  Fungo: Puccinia Sorghi  No Brasil, a doença tem ampla distribuição com severidade moderada, tendo maior severidade nos estados da região Sul.  Sintomas: As pústulas são formadas na parte área da planta e são mais abundantes em ambas faces da folhas. Apresentam formato circular a alongado e se rompem rapidamente.  Manejo da Doença: Plantio de cultivares com resistência genética.
  • 11.
  • 12.  Fungo: Physopella zeae  O problema é maior em plantios contínuos de milho, principalmente em áreas de pivot. (Alta temperatura 34ºC, alta umidade relativa e baixas altitudes.)  Sintomas: Pústulas brancas ou amareladas, em pequenos grupos.  Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. Recomenda-se a alternância de genótipos e a interrupção no plantio durante um certo período para que ocorra a morte dos uredosporos.
  • 13.
  • 14.  Fungo: Exserohilum turcicum  O problema é maior tem sido em plantios de safrinha, as perdas podem atingir a 50% em ataques antes do período de floração. (Temperatura de 22 a 30ºC, alta umidade relativa. longos períodos de seca e de dias de muito sol entre dias chuvosos é desfavorável à doença.)  Sintomas: Lesões alongadas, elípticas, de coloração cinza ou marrom e cumprimento variável entre 2,5cm a 15cm. A doença ocorre inicialmente nas folhas inferiores.  Manejo da Doença: O controle da doença é feito através do plantio de cultivares com resistência genética. A rotação de culturas é também uma prática recomendada para o manejo desta doença.
  • 15.
  • 16.  Fungo: Stenocarpella Macrospora  Essa doença está presente nos estados de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Bahia e Mato Grosso e na região Sul do país. Apesar de amplamente distribuída, a doença tem ocorrido com baixa severidade até o momento.  Sintomas: Lesões alongadas, grandes, semelhantes as de H. turcicum. Diferem desta por apresentar, em algum local da lesão, pequeno círculo visível contra a luz (ponto de infecção). Podem alcançar até 10 cm de comprimento  Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes e rotação de culturas.
  • 17.
  • 18.  Fungo: Bipolaris maydis  Essa doença encontra-se bem distribuída no Brasil, porém com severidade baixa a média.  Sintomas: Produz lesões alongadas, delimitadas pelas nervuras com margens castanhas com forma e tamanho variáveis. O patógeno ataca apenas as folhas. A Raça T produz lesões de coloração marrom de formato elíptico, margens amareladas ou cloróticas.  Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes e rotação de culturas.
  • 19.
  • 20.  Fungo: Colletotrichum Graminicola  O aumento dessa doença está associado ao cultivo mínimo e ao plantio direto e também pela não utilização da rotação de cultura. A doença está presente nos estados de GO, MG, MT,MS, SP,PR e SC.  Sintomas: Presença de lesões de formas variadas, sendo às vezes difícil o seu diagnóstico. Nas nervuras, é comum a presença de lesões elípticas com frutificações.  Manejo da Doença: Plantio de cultivares resistentes. A rotação de cultura é essencial para a redução do potencial de inóculo presente nos restos de cultura.
  • 21.
  • 22.  Fungo: Ustilago maydis  No Brasil, o carvão-do-milho é considerado uma doença de importância secundária, mas ocorre em todas as áreas onde o milho é produzido.  Sintomas: Os sintomas do carvão são facilmente visualizados por causa da formação de galhas nas espigas, podendo ocorrer em toda a espiga ou apenas parte dela, na bainha e nervura foliar .  Manejo da Doença: O controle da doença deve ser baseado nas boas práticas agrícolas, evitando-se o estresse hídrico e altas doses de N. Não existem produtos registrados no Ministério da Agricultura para controle do carvão.
  • 23.
  • 24. As principais podridões do colmo na cultura do milho podem ocorrer antes da fase de enchimento dos grãos, em plantas jovens e vigorosas ou, após a maturação fisiológica dos grãos, em plantas senescentes. Os microorganimos causadores das podridões do colmo são capazes de sobreviver nos restos de cultura e no solo.
  • 25.  Etiologia: Podem ser causada pelos fungos Stenocarpella maydis ou S. macrospora.  Sintomas: Plantas infectadas por qualquer um desses fungos apresentam lesões marrom-claras, quase negras, Internamente, o tecido da medula adquire coloração marrom, pode se desintegrar  Manejo da doença: Uso de cultivares resistentes. E rotação de culturas , Evitar altas densidades de semeadura.
  • 26.  Etiologia: É uma doença causada por várias espécies de Fusarium entre elas F. moniliforme e F. moniliforme var. subglutinans, também causam a podridão rosada das espigas.  Sintomas: Em plantas infectadas, o tecido dos entrenós inferiores geralmente adquire coloração avermelhada que progride de forma uniforme e contínua da base em direção à parte superior da planta.  Manejo da doença: Uso de cultivares resistentes. Evitar altas densidades de semeadura.
  • 27.  Etiologia: Essa podridão é causada pelo fungo Colletotrichum graminicola que pode infectar todas as partes da planta de milho. (longos períodos de alta temperatura e umidade)  Sintomas: Caracterizada pela formação, na casca, de lesões encharcadas, estreitas, elípticas na vertical ou ovais. Posteriormente tornam-se marrom avermelhadas e, finalmente, marrom-escuras a negras.  Manejo da doença: Utilização de cultivares resistentes não só à podridão do colmo por C.graminicola, mas também às doenças foliares.
  • 28.  Etiologia: A podridão seca do colmo é causada pela fungo Macrophomina phaseolina.(37°C, baixa umidade de solo)  Sintomas: A infeção das plantas se inicia pelas raízes. os sintomas são visíveis nos entrenós inferiores, após a polinização, o tecido da medula se desintegra permanecendo intactos somente os vasos lenhosos.  Manejo da doença: Utilização de cultivares resistentes Promover uma irrigação adequada em anos de pouca chuva. Evitar altas densidades de semeadura.
  • 29.  Etiologia: É causada pelo fungo Pythium aphanidermatum. (32°C e alta umidade de solo)  Sintomas: Essa podridão é do tipo aquosa, assemelhando- se às podridões por bactéria. Fica tipicamente restrita ao primeiro entrenó acima do solo.  Manejo da doença: Manejo adequado da água de irrigação.
  • 30.  É causada pelos fungos Stenocarpela maydis e S. macrospora. As espigas infectadas apresentam os grãos de cor marrom, de baixo peso e com crescimento micelial branco entre as fileiras de grãos.  Disseminação: A alta precipitação pluviométrica na época da maturação dos grãos favorece o aparecimento dessa doença. Podridão Branca da Espiga
  • 31.  Causada por Fusarium moniliforme ou por Fusarium subglutinans. Esses patógenos apresentam elevado número de plantas hospedeiras, sendo, por isso, considerados parasitas não especializados.  Sintomas: Uma massa cotonosa avermelhada pode recobrir os grãos infectados ou a área da palha atingida.  Disseminação: Os fungos possuem a fase saprofítica ativa, sobrevivem e se multiplicam na matéria orgânica, no solo, sendo essa a fonte principal de inóculo.
  • 32.  Conhecida também pelo nome de podridão de giberela (Gibberella zeae). Sendo mais comum em regiões de clima ameno e de alta umidade relativa.  Sintomas: A doença inicia-se com uma massa cotonosa avermelhada na ponta da espiga e pode progredir para a base da espiga.  Disseminação: Esse fungo sobrevive nas sementes na forma de micélio dormente.