SlideShare uma empresa Scribd logo
Abordagem Clássica

     Taylor e Fayol


   Milton Henrique do Couto Neto
       miltonh@terra.com.br
Desdobramentos da Abordagem Clássica


                Administração            Ênfase nas
                                Taylor
                  Científica              tarefas



 Abordagem
 Clássica da
Administração



                  Teoria                 Ênfase na
                                Fayol
                  Clássica               estrutura
Abordagem Clássica

 Consequências da Revolução Industrial
  • crescimento acelerado e desorganizado das
    empresas;
  • busca pela substituição do empirismo e da
    improvisação;
  • necessidade de aumentar a eficiência e competência
    das organizações;
  • obter melhor rendimento possível dos seus recursos;
  • para resistir a concorrência e competição que se
    avolumavam entre as empresas.
Administração Científica               Teoria Clássica
        Taylor                              Fayol

 Chão de Fábrica                 Funções Administrativas

 Ênfase das Tarefas              Ênfase na Estrutura

 De baixo para cima              De cima para baixo



      Frederick Winslow Taylor                Henri Fayol
      E.U.A.                                      França
      1856 - 1915                             1841 - 1925
Administração Científica
Pressuposto da
                     Administração Científica
O operário médio produzia muito menos
do que era potencialmente capaz com o
equipamento disponível.
Porque?
Os salários eram fixos e quem trabalhava mais recebia o mesmo salário de
quem trabalhava menos, portanto o funcionário acabava se acomodando,
perdendo o interesse e não produzindo de acordo com a sua capacidade.


Solução
Criar condições de pagar mais ao operário que produz mais.
Primeiro Período de Taylor
                                      Livro: Administração de Oficinas - 1903


1.   O objetivo da Administração é pagar salários melhores e reduzir custos
     de produção.

3.   Para tal objetivo, a Administração deve aplicar métodos científicos de
     pesquisa formular princípios e estabelecer processos padronizados que
     permitam o controle das operações fabrís.

5.   Os empregados devem ser científicamente selecionados e colocados em
     seus cargos com condições de trabalho adequadas.

7.   Os empregados devem ser cientificamente treinados para aperfeiçoar
     suas aptidões e executar uma tarefa para que a produção normal seja
     cumprida.

9.   A Administração precisa criar uma atmosfera de cooperação com os
     trabalhadores para garantir a permanência desse ambiente psicológico.
Primeiros Estudos Desenvolvidos por
               Taylor

 • em relação ao desenvolvimento de pessoal e
   seus resultados

   – acreditava que oferecendo instruções sistemáticas e
     adequadas aos trabalhadores, ou seja, treinando-os, haveria
     possibilidade de fazê-los produzir mais e com melhor
     qualidade.
Primeiros Estudos Desenvolvidos por
•
                        Taylor a atuação dos
    em relação ao planejamento e
    processos
    – achava que todo e qualquer trabalho necessita, preliminarmente,
      de um estudo para que seja determinada uma metodologia
      própria visando sempre o seu máximo desenvolvimento.
Primeiros Estudos Desenvolvidos por
                 Taylor
• em relação a
  produtividade e a
  participação dos recursos
  humanos
   – estabelecia a coparticipação entre
     o capital e o trabalho, cujo
     resultado refletirá em menores
     custos, salários mais elevados e,
     principalmente, em aumentos de
     níveis de produtividade.
Primeiros Estudos Desenvolvidos por
•
                        Taylor atividades
    em relação ao autocontrole das
    desenvolvidas e às normas procedimentais
    – introduziu o controle com o objetivo de que o trabalho seja executado
      de acordo com uma seqüência e um tempo pré-programados, de modo
      a não haver desperdício operacional.
    – Inseriu, também, a supervisão funcional, estabelecendo que todas as
      fases de um trabalho devem ser acompanhadas de modo a verificar se
      as operações estão sendo desenvolvidas em conformidades com as
      instruções programadas.
    – Finalmente, apontou que estas instruções programadas devem,
      sistematicamente, ser transmitidas a todos os empregados.
Segundo Período de Taylor
                   Livro: Princípios da Administração Científica - 1911


 As indústrias de sua época padeciam de três males:

3. Vadiagem sistemática dos operários;

5. Desconhecimento, pela gerência, das rotinas de
   trabalho e do tempo necessário para sua realização;

7. Falta de uniformidade das técnicas e métodos de
   trabalho.
Elementos de Aplicação da
        Administração Científica
 Estudo de tempos e padrões de produção;
 Supervisão funcional;
 Padronização de máquinas, ferramentas,
  instrumentos e materiais;
 Planejamento do desenho de tarefas e cargos;
 Princípio da exceção;
 Prêmios de produção pela execução eficiente das
  tarefas;
 Definição da rotina de trabalho.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos
  e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do
  operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de
  produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como
  iluminação, conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Estudo dos Tempos e Movimentos


VANTAGENS:
Elimina movimentos inúteis e os substitui por
outros mais eficazes;
Racionaliza a seleção e treinamento do pessoal;
Melhora a eficiência do operário e o rendimento
da produção;
Distribui uniformimente o trabalho, para que não
haja períodos de falta ou excesso de trabalho.
ORT – Estudo dos Tempos
     e Movimentos

OBJETIVOS:
Eliminação de todo o desperdício de
esforço humano;
Adaptação dos operários à própria
tarefa;
Treinamento dos operários para
melhor adequação a seus trabalhos;
Maior especialização das atividades;
Estabelecimento de normas detalhadas
de execução do trabalho.
Movimentos Elementares
                              1.    Procurar
                              2.    Escolher
                              3.    Pegar
                              4.    Transportar vazio
                              5.    Transportar cheio
                              6.    Posicionar (colocar em posição)
                              7.    Preposicionar (preparar para colocar em
                                    posição)
                              8.    Unir (ligar ou anotar)
        Therblig              9.    Separar
                              10.   Utilizar
 Anagrama de Gilbreth
                              11.   Soltar a carga
                              12.   Inspecionar
Frank Gilbreth – engenheiro
                              13.   Segurar
   americano que acompanhou
   Taylor                     14.   Esperar inevitavelmente
                              15.   Esperar quando evitável
                              16.   Repousar
                              17.   Planejar
Movimentos Elementares
 Pegar o parafuso;
 Transportá-lo até a peça;
 Posicioná-lo;
  Posicioná-lo
 Pegar e;




 Transportar a chave de fenda até o parafuso;
 Utilizá-la e;
 Posicioná-la no local original.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Estudo da Fadiga Humana
A fadiga predispõe o trabalhador para:
Diminuição da produtividade e da qualidade
do trabalho;
Perda de tempo;
Aumento da rotatividade de pessoal;
Doenças e acidentes;
Diminuição da capacidade de esforço.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Divisão do Trabalho e
      Especialização do Operário
Figura 3.2. A divisão do trabalho e a especialização do operário




  Cada operário       Vários operários           Vários operários
  desempenha          desempenham em           desempenham em série
  a tarefa total   paralelo partes da tarefa    partes da tarefa total
ORT – Divisão do Trabalho e
        Especialização do Operário




Cada operário passou a ser especializado na
execução de uma única operação ou tarefa, de
maneira contínua e repetitiva.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Desenho de
 Cargos e Tarefas
• TAREFA
  – Toda atividade executada por uma pessoa no seu
    trabalho dentro da organização.

• CARGO
  – Conjunto de tarefas executadas de maneira cíclica ou
    repetitiva.

• DESENHAR UM CARGO
  – Especificar seu conteúdo (tarefas), os métodos de
    executar as tarefas e as relações com os demais cargos
    existentes.
Vantagens na Simplificação do Desenho de
                Cargos
1. Admissão de empregados com qualificações mínimas e salários
   menores para reduzir os custos de produção

•   Minimização dos custos de treinamento

•   Redução de erros na execução para diminuir rejeições e refugos

•   Facilidade na supervisão para que cada supervisor possa
    controlar mais facilmente sua equipe

•   Aumento da eficiência do trabalhador permitindo maior
    produtividade.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Incentivos Salariais e
                 Prêmios de Produção
Remuneração baseada na produção de cada operário


  O operário que produz pouco ganha pouco e o que
  produz mais, ganha na proporção de sua produção


  O estímulo salarial adicional para que os operários
  ultrapassem o tempo padrão é o prêmio de
  produção.
ORT – Incentivos Salariais e Prêmios de
              Produção

                                                              Prêmio de
                                                              Produção
Remuneração




                                          100%         110%

              Peças Produzidas e Nível de Eficiência
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Conceito de Homo Economicus
 Toda pessoa é concebida como influenciada
  exclusivamente por recompensas salariais,
  econômicas e materiais.
   O Homem não trabalha por que gosta, mas como meio de ganhar
    a vida;
   O homem é motivado a trabalhar pelo medo da fome e pela
    necessidade de dinheiro para viver;
   As recompensas salariais e os prêmios de produção influenciam os
    esforços individuais do trabalho, fazendo com que o trabalhador
    desenvolva o máximo que suportar fisicamente para ganhar mais;
   Uma vez selecionado científicamente o trabalhador, ensinado o
    método de trabalho e condicionada sua remuneração à eficiência,
    este passaria a produzir o máximo dentro de sua capacidade física.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Condições de Trabalho
   • Adequação de instrumentos e ferramentas de trabalho
     e de equipamentos de produção para minimizar o
     esforço do operador e a perda de tempo na execução
     da tarefa;
   • Arranjo físico das máquinas e equipamentos para
     racionalizar o fluxo da produção;
   • Melhoria do ambiente físico de trabalho de maneira
     que o ruído, a ventilação, a iluminação, o conforto no
     trabalho não reduzam a eficiência do trabalhador;
   • Projetos de instrumentos e equipamentos especiais,
     como transportadores, seguidores, contadores e
     utensílios para reduzir movimentos inúteis.

No fundo a preocupação é na eficiência e não no conforto do operário.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
– Máquinas e
                          equipamentos;
ORT - Padronização      – Ferramentas e
                          instrumentos de trabalho;
                        – Matérias-primas e
                          componentes;

                     Para reduzir
                        – Variabilidade e;
                        – Diversidade no processo
                          produtivo;

                     E daí
                        – Eliminar o desperdício;
                        – Aumentar a eficiência.
Organização Racional do Trabalho
 Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
 Estudo da fadiga humana.
 Divisão do trabalho e especialização do operário.
 Desenho de cargos e de tarefas.
 Incentivos salariais e prêmios de produção.
 Conceito do homo economicus.
 Condições ambientais de trabalho, como iluminação,
  conforto etc.
 Padronização de métodos e de máquinas.
 Supervisão funcional.
ORT – Supervisão Funcional


  Supervisor           Supervisor           Supervisor
     de                    de                  de
  Produção             Manutenção           Qualidade




  Operário A   Operário B      Operário C   Operário D
Princípios da Administração Científica
 1. Princípio de Planejamento
   – Substituir no trabalho o critério individual do
     operário, a improvisação e a atuação empírico-
     prática, por métodos baseados em procedimentos
     científicos.
Princípios da Administração Científica
 1. Princípio de Preparo
   – Selecionar científicamente os trabalhadores de
     acordo com suas aptidões e prepará-los e treiná-
     los para produzirem mais e melhor;
   – Preparar também as máquinas e equipamentos
     através de arranjo físico e disposição racional das
     ferramentas e materiais.
Princípios da Administração Científica
 1. Princípio de Controle
   – Controlar o trabalho
     para se certificar de
     que este já está sendo
     executado de acordo
     com os métodos
     estabelecidos e
     segundo o plano
     previsto.
Princípios da Administração Científica
1. Princípio da Exceção
  – Distribuir distintamente atribuições e
    responsabilidades para que a execução do trabalho
    seja disciplinada;
  – Tudo o que ocorre dentro dos padrões normais não
    deve ocupar a atenção do administrador, que deve
    verificar as ocorrências que se afastem dos padrões;
Princípios da Administração Científica
 1. Princípio da Exceção
   – Decisões frequentes devem ser transformadas em
     rotinas e delegadas aos subordinados, deixando
     problemas mais sérios e importantes aos
     superiores.


                Delegação
Princípios da Administração Científica
 1. Princípio da Exceção
                     Superior
                                                Delegada aos
                                                Subordinados
    Frequência




                                                               Superior
                                  Região da
                                 Normalidade

                 Exceções                           Exceções

                            Q1       Q2        Q3
                                 Ocorrências
Críticas a Administração Científica
• Mecanicismo da Administração Científica
  – O homem deveria produzir como uma máquina ou
    robô, uma vez que Taylor procurava, sem
    conhecer devidamente o organismo humano,
    conseguir o rendimento máximo, quando deveria
                           máximo
    perseguir o rendimento ótimo.
                           ótimo
Críticas a Administração Científica

• Superespecialização do
  Operário
  – O fracionamento das
    tarefas privam o operário
    da satisfação no trabalho,
    e, o que é pior, violam a
    dignidade humana.
Críticas a Administração Científica
 • Visão Microscópica do Homem
   – Com uma concepção negativista do homem (na
     qual as pessoas são preguiçosas e ineficientes),
     Taylor ignora que o trabalhador é um ser humano
     e social;
   – A Administração Científica considera o homem
     apenas em termos de suas relações com seus
     instrumentos de trabalho e com seus superiores,
     deixando de lado a questão social e informal da
     relação humana.
Críticas a Administração
        Científica
• Ausência de Comprovação Científica
  – Usou-se pouquíssima pesquisa e experimentação
    científica;
  – O conhecimento foi alcançado pela evidência e
    não pela abstração;
  – Os aspectos mais importantes referem-se ao
    como e não ao porque da ação do operário.
Críticas a Administração Científica




• Abordagem Incompleta da Organização
  – Por não considerar os aspectos informais, nem os
    aspectos humanos da organização, a Administração
    Científica é considerada incompleta, parcial e
    inacabada.
Críticas a Administração Científica
• Limitação do Campo de Aplicação
  – Taylor se restringiu aos problemas de produção
    localizados na fábrica, não considerando os
    demais aspectos da vida de uma empresa, como
    financeiros, comerciais, etc.
Críticas a Administração Científica
• Abordagem Prescritiva e Normativa
  – A Administração Científica se preocupa em
    prescrever princípios como receituário
    suficiente para todas as cisrcunstâncias, como
    se fossem soluções enlatadas que regem o
    como fazer quando deveria, primeiramente,
    explicar seu funcionamento.
                 funcionamento
Críticas a Administração Científica
           • Abordagem de Sistema
             Fechado
             – A Administração Científica
               visualiza as empresas como se
               elas existissem no vácuo, ou
               como se fossem entidades
               autônomas, absolutas e
               hermeticamente fechadas a
               qualquer influência vindo de fora
               delas;
             – Só visualiza o que ocorre dentro
               da organização.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Prof. Leonardo Rocha
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
alemartins10
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
edgarklein
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
lupajero
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
Robson Costa
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
Governo do Estado de São Paulo
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
icbianchi
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Gustavo Zimmermann
 
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Reginaldo Marcos Martins
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Prof. Leonardo Rocha
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Henri Fayol - Apresentação
Henri Fayol - ApresentaçãoHenri Fayol - Apresentação
Henri Fayol - Apresentação
Saulo Vinícius Pereira
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Funções da Administração
Funções da AdministraçãoFunções da Administração
Funções da Administração
Divino Fredson
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
Sonia Rodrigues
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
Reginaldo Marcos Martins
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
Marcos Alves
 

Mais procurados (20)

Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
 
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
Henri Fayol - Apresentação
Henri Fayol - ApresentaçãoHenri Fayol - Apresentação
Henri Fayol - Apresentação
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Funções da Administração
Funções da AdministraçãoFunções da Administração
Funções da Administração
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
 

Destaque

Administração Científica de Taylor
Administração Científica de TaylorAdministração Científica de Taylor
Administração Científica de Taylor
Emma Baltazar
 
Administração cientifica taylor
Administração cientifica   taylorAdministração cientifica   taylor
Administração cientifica taylor
Sergio Finamore
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Grupo VAHALI
 
Aula 3 adm 1 - administração científica
Aula 3   adm 1 - administração científicaAula 3   adm 1 - administração científica
Aula 3 adm 1 - administração científica
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Frederick winslow taylor
Frederick winslow taylorFrederick winslow taylor
Frederick winslow taylor
Natália Carvalho
 
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri FayolTeorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Franciéle Garcês
 
Teoria clássica
Teoria clássicaTeoria clássica
Teoria clássica
Susana Pimentel
 
03. Administração Científica
03. Administração Científica03. Administração Científica
03. Administração Científica
Debora Miceli
 
UMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos Sistemas
UMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos SistemasUMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos Sistemas
UMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos Sistemas
Mário Januário Filho
 
taylor ,fayol,ford e gant
taylor ,fayol,ford e ganttaylor ,fayol,ford e gant
taylor ,fayol,ford e gant
Walter Oliveira
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
Ignacio San Martín Manosalva
 
Tga clássica
Tga clássicaTga clássica
Tga clássica
Charles BENIGNO
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
Jean Leão
 
2 escola classica da administracao
2   escola classica da administracao2   escola classica da administracao
2 escola classica da administracao
Isabella Couto Reis
 
Aula De Administracao Marco 2010
Aula De Administracao   Marco 2010Aula De Administracao   Marco 2010
Aula De Administracao Marco 2010
themis dovera
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
Ester Santiago
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
Denis Carlos Sodré
 
Teoria Adm Cientifica
Teoria Adm CientificaTeoria Adm Cientifica
Teoria Adm Cientifica
UEM
 
Desenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargosDesenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargos
Universidade Pedagogica
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
Rafael Santos
 

Destaque (20)

Administração Científica de Taylor
Administração Científica de TaylorAdministração Científica de Taylor
Administração Científica de Taylor
 
Administração cientifica taylor
Administração cientifica   taylorAdministração cientifica   taylor
Administração cientifica taylor
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
 
Aula 3 adm 1 - administração científica
Aula 3   adm 1 - administração científicaAula 3   adm 1 - administração científica
Aula 3 adm 1 - administração científica
 
Frederick winslow taylor
Frederick winslow taylorFrederick winslow taylor
Frederick winslow taylor
 
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri FayolTeorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri Fayol
 
Teoria clássica
Teoria clássicaTeoria clássica
Teoria clássica
 
03. Administração Científica
03. Administração Científica03. Administração Científica
03. Administração Científica
 
UMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos Sistemas
UMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos SistemasUMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos Sistemas
UMA ABORDAGEM CONTEMPORÂNEA: Teoria dos Sistemas
 
taylor ,fayol,ford e gant
taylor ,fayol,ford e ganttaylor ,fayol,ford e gant
taylor ,fayol,ford e gant
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Tga clássica
Tga clássicaTga clássica
Tga clássica
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
 
2 escola classica da administracao
2   escola classica da administracao2   escola classica da administracao
2 escola classica da administracao
 
Aula De Administracao Marco 2010
Aula De Administracao   Marco 2010Aula De Administracao   Marco 2010
Aula De Administracao Marco 2010
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Teoria Adm Cientifica
Teoria Adm CientificaTeoria Adm Cientifica
Teoria Adm Cientifica
 
Desenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargosDesenho e análise de cargos
Desenho e análise de cargos
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
 

Semelhante a Administração científica 2012_01

TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdfTEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
PatrickAnjos1
 
Abordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administraçãoAbordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administração
Marcio Galvao
 
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsicaAula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
Solange Marques
 
Aula 2.2 administração cientifica
Aula 2.2  administração cientificaAula 2.2  administração cientifica
Aula 2.2 administração cientifica
Jose Angelo Ferreira
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
Rafael Santos
 
54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol
Mel Morgann
 
classica.pdf
classica.pdfclassica.pdf
classica.pdf
PedroLuis216164
 
Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)
Hugo Silva
 
Taylorismo
TaylorismoTaylorismo
Taylorismo
Jose Pedro Silva
 
Administração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. ErvinoAdministração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. Ervino
Fabio Lucio
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
Francisco Inácio
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
Francisco Inácio
 
Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2
angelo nagahy
 
274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf
274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf
274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf
FranciscoSousa159871
 
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptxEAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
AnaPaulaRochaPCD
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
Rafael Lima
 
Aulas de TGA
Aulas de TGAAulas de TGA
Aulas de TGA
Pedro César
 
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdfAula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Pedro Luis Moraes
 
Aula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdf
Aula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdfAula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdf
Aula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdf
Pedro Luis Moraes
 
Adinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylorAdinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylor
Leonel Mendes
 

Semelhante a Administração científica 2012_01 (20)

TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdfTEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
 
Abordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administraçãoAbordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administração
 
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsicaAula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
 
Aula 2.2 administração cientifica
Aula 2.2  administração cientificaAula 2.2  administração cientifica
Aula 2.2 administração cientifica
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
 
54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol
 
classica.pdf
classica.pdfclassica.pdf
classica.pdf
 
Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)
 
Taylorismo
TaylorismoTaylorismo
Taylorismo
 
Administração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. ErvinoAdministração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. Ervino
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
 
Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2
 
274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf
274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf
274861166-2013-01-Gestao-de-Pessoas-Completo-Cristiana-Duran.pdf
 
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptxEAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Aulas de TGA
Aulas de TGAAulas de TGA
Aulas de TGA
 
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdfAula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
 
Aula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdf
Aula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdfAula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdf
Aula de Administração ABORDAGEM CLASSICA.pdf
 
Adinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylorAdinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylor
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Milton Henrique do Couto Neto
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
Milton Henrique do Couto Neto
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
Milton Henrique do Couto Neto
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
Milton Henrique do Couto Neto
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Milton Henrique do Couto Neto
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
Milton Henrique do Couto Neto
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
Milton Henrique do Couto Neto
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto (20)

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
 

Último

Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
E-Commerce Brasil
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
EMERSON BRITO
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
E-Commerce Brasil
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Leonardo Espírito Santo
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
E-Commerce Brasil
 

Último (13)

Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
 

Administração científica 2012_01

  • 1. Abordagem Clássica Taylor e Fayol Milton Henrique do Couto Neto miltonh@terra.com.br
  • 2. Desdobramentos da Abordagem Clássica Administração Ênfase nas Taylor Científica tarefas Abordagem Clássica da Administração Teoria Ênfase na Fayol Clássica estrutura
  • 3. Abordagem Clássica  Consequências da Revolução Industrial • crescimento acelerado e desorganizado das empresas; • busca pela substituição do empirismo e da improvisação; • necessidade de aumentar a eficiência e competência das organizações; • obter melhor rendimento possível dos seus recursos; • para resistir a concorrência e competição que se avolumavam entre as empresas.
  • 4. Administração Científica Teoria Clássica Taylor Fayol  Chão de Fábrica  Funções Administrativas  Ênfase das Tarefas  Ênfase na Estrutura  De baixo para cima  De cima para baixo Frederick Winslow Taylor Henri Fayol E.U.A. França 1856 - 1915 1841 - 1925
  • 6. Pressuposto da Administração Científica O operário médio produzia muito menos do que era potencialmente capaz com o equipamento disponível. Porque? Os salários eram fixos e quem trabalhava mais recebia o mesmo salário de quem trabalhava menos, portanto o funcionário acabava se acomodando, perdendo o interesse e não produzindo de acordo com a sua capacidade. Solução Criar condições de pagar mais ao operário que produz mais.
  • 7. Primeiro Período de Taylor Livro: Administração de Oficinas - 1903 1. O objetivo da Administração é pagar salários melhores e reduzir custos de produção. 3. Para tal objetivo, a Administração deve aplicar métodos científicos de pesquisa formular princípios e estabelecer processos padronizados que permitam o controle das operações fabrís. 5. Os empregados devem ser científicamente selecionados e colocados em seus cargos com condições de trabalho adequadas. 7. Os empregados devem ser cientificamente treinados para aperfeiçoar suas aptidões e executar uma tarefa para que a produção normal seja cumprida. 9. A Administração precisa criar uma atmosfera de cooperação com os trabalhadores para garantir a permanência desse ambiente psicológico.
  • 8. Primeiros Estudos Desenvolvidos por Taylor • em relação ao desenvolvimento de pessoal e seus resultados – acreditava que oferecendo instruções sistemáticas e adequadas aos trabalhadores, ou seja, treinando-os, haveria possibilidade de fazê-los produzir mais e com melhor qualidade.
  • 9. Primeiros Estudos Desenvolvidos por • Taylor a atuação dos em relação ao planejamento e processos – achava que todo e qualquer trabalho necessita, preliminarmente, de um estudo para que seja determinada uma metodologia própria visando sempre o seu máximo desenvolvimento.
  • 10. Primeiros Estudos Desenvolvidos por Taylor • em relação a produtividade e a participação dos recursos humanos – estabelecia a coparticipação entre o capital e o trabalho, cujo resultado refletirá em menores custos, salários mais elevados e, principalmente, em aumentos de níveis de produtividade.
  • 11. Primeiros Estudos Desenvolvidos por • Taylor atividades em relação ao autocontrole das desenvolvidas e às normas procedimentais – introduziu o controle com o objetivo de que o trabalho seja executado de acordo com uma seqüência e um tempo pré-programados, de modo a não haver desperdício operacional. – Inseriu, também, a supervisão funcional, estabelecendo que todas as fases de um trabalho devem ser acompanhadas de modo a verificar se as operações estão sendo desenvolvidas em conformidades com as instruções programadas. – Finalmente, apontou que estas instruções programadas devem, sistematicamente, ser transmitidas a todos os empregados.
  • 12. Segundo Período de Taylor Livro: Princípios da Administração Científica - 1911  As indústrias de sua época padeciam de três males: 3. Vadiagem sistemática dos operários; 5. Desconhecimento, pela gerência, das rotinas de trabalho e do tempo necessário para sua realização; 7. Falta de uniformidade das técnicas e métodos de trabalho.
  • 13. Elementos de Aplicação da Administração Científica  Estudo de tempos e padrões de produção;  Supervisão funcional;  Padronização de máquinas, ferramentas, instrumentos e materiais;  Planejamento do desenho de tarefas e cargos;  Princípio da exceção;  Prêmios de produção pela execução eficiente das tarefas;  Definição da rotina de trabalho.
  • 14. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 15. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 16. ORT – Estudo dos Tempos e Movimentos VANTAGENS: Elimina movimentos inúteis e os substitui por outros mais eficazes; Racionaliza a seleção e treinamento do pessoal; Melhora a eficiência do operário e o rendimento da produção; Distribui uniformimente o trabalho, para que não haja períodos de falta ou excesso de trabalho.
  • 17. ORT – Estudo dos Tempos e Movimentos OBJETIVOS: Eliminação de todo o desperdício de esforço humano; Adaptação dos operários à própria tarefa; Treinamento dos operários para melhor adequação a seus trabalhos; Maior especialização das atividades; Estabelecimento de normas detalhadas de execução do trabalho.
  • 18. Movimentos Elementares 1. Procurar 2. Escolher 3. Pegar 4. Transportar vazio 5. Transportar cheio 6. Posicionar (colocar em posição) 7. Preposicionar (preparar para colocar em posição) 8. Unir (ligar ou anotar) Therblig 9. Separar 10. Utilizar  Anagrama de Gilbreth 11. Soltar a carga 12. Inspecionar Frank Gilbreth – engenheiro 13. Segurar americano que acompanhou Taylor 14. Esperar inevitavelmente 15. Esperar quando evitável 16. Repousar 17. Planejar
  • 19. Movimentos Elementares  Pegar o parafuso;  Transportá-lo até a peça;  Posicioná-lo; Posicioná-lo  Pegar e;  Transportar a chave de fenda até o parafuso;  Utilizá-la e;  Posicioná-la no local original.
  • 20. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 21. ORT – Estudo da Fadiga Humana A fadiga predispõe o trabalhador para: Diminuição da produtividade e da qualidade do trabalho; Perda de tempo; Aumento da rotatividade de pessoal; Doenças e acidentes; Diminuição da capacidade de esforço.
  • 22. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 23. ORT – Divisão do Trabalho e Especialização do Operário Figura 3.2. A divisão do trabalho e a especialização do operário Cada operário Vários operários Vários operários desempenha desempenham em desempenham em série a tarefa total paralelo partes da tarefa partes da tarefa total
  • 24. ORT – Divisão do Trabalho e Especialização do Operário Cada operário passou a ser especializado na execução de uma única operação ou tarefa, de maneira contínua e repetitiva.
  • 25. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 26. ORT – Desenho de Cargos e Tarefas • TAREFA – Toda atividade executada por uma pessoa no seu trabalho dentro da organização. • CARGO – Conjunto de tarefas executadas de maneira cíclica ou repetitiva. • DESENHAR UM CARGO – Especificar seu conteúdo (tarefas), os métodos de executar as tarefas e as relações com os demais cargos existentes.
  • 27. Vantagens na Simplificação do Desenho de Cargos 1. Admissão de empregados com qualificações mínimas e salários menores para reduzir os custos de produção • Minimização dos custos de treinamento • Redução de erros na execução para diminuir rejeições e refugos • Facilidade na supervisão para que cada supervisor possa controlar mais facilmente sua equipe • Aumento da eficiência do trabalhador permitindo maior produtividade.
  • 28. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 29. ORT – Incentivos Salariais e Prêmios de Produção Remuneração baseada na produção de cada operário O operário que produz pouco ganha pouco e o que produz mais, ganha na proporção de sua produção O estímulo salarial adicional para que os operários ultrapassem o tempo padrão é o prêmio de produção.
  • 30. ORT – Incentivos Salariais e Prêmios de Produção Prêmio de Produção Remuneração 100% 110% Peças Produzidas e Nível de Eficiência
  • 31. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 32. ORT – Conceito de Homo Economicus  Toda pessoa é concebida como influenciada exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e materiais.  O Homem não trabalha por que gosta, mas como meio de ganhar a vida;  O homem é motivado a trabalhar pelo medo da fome e pela necessidade de dinheiro para viver;  As recompensas salariais e os prêmios de produção influenciam os esforços individuais do trabalho, fazendo com que o trabalhador desenvolva o máximo que suportar fisicamente para ganhar mais;  Uma vez selecionado científicamente o trabalhador, ensinado o método de trabalho e condicionada sua remuneração à eficiência, este passaria a produzir o máximo dentro de sua capacidade física.
  • 33. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 34. ORT – Condições de Trabalho • Adequação de instrumentos e ferramentas de trabalho e de equipamentos de produção para minimizar o esforço do operador e a perda de tempo na execução da tarefa; • Arranjo físico das máquinas e equipamentos para racionalizar o fluxo da produção; • Melhoria do ambiente físico de trabalho de maneira que o ruído, a ventilação, a iluminação, o conforto no trabalho não reduzam a eficiência do trabalhador; • Projetos de instrumentos e equipamentos especiais, como transportadores, seguidores, contadores e utensílios para reduzir movimentos inúteis. No fundo a preocupação é na eficiência e não no conforto do operário.
  • 35. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 36. – Máquinas e equipamentos; ORT - Padronização – Ferramentas e instrumentos de trabalho; – Matérias-primas e componentes; Para reduzir – Variabilidade e; – Diversidade no processo produtivo; E daí – Eliminar o desperdício; – Aumentar a eficiência.
  • 37. Organização Racional do Trabalho  Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.  Estudo da fadiga humana.  Divisão do trabalho e especialização do operário.  Desenho de cargos e de tarefas.  Incentivos salariais e prêmios de produção.  Conceito do homo economicus.  Condições ambientais de trabalho, como iluminação, conforto etc.  Padronização de métodos e de máquinas.  Supervisão funcional.
  • 38. ORT – Supervisão Funcional Supervisor Supervisor Supervisor de de de Produção Manutenção Qualidade Operário A Operário B Operário C Operário D
  • 39. Princípios da Administração Científica 1. Princípio de Planejamento – Substituir no trabalho o critério individual do operário, a improvisação e a atuação empírico- prática, por métodos baseados em procedimentos científicos.
  • 40. Princípios da Administração Científica 1. Princípio de Preparo – Selecionar científicamente os trabalhadores de acordo com suas aptidões e prepará-los e treiná- los para produzirem mais e melhor; – Preparar também as máquinas e equipamentos através de arranjo físico e disposição racional das ferramentas e materiais.
  • 41. Princípios da Administração Científica 1. Princípio de Controle – Controlar o trabalho para se certificar de que este já está sendo executado de acordo com os métodos estabelecidos e segundo o plano previsto.
  • 42. Princípios da Administração Científica 1. Princípio da Exceção – Distribuir distintamente atribuições e responsabilidades para que a execução do trabalho seja disciplinada; – Tudo o que ocorre dentro dos padrões normais não deve ocupar a atenção do administrador, que deve verificar as ocorrências que se afastem dos padrões;
  • 43. Princípios da Administração Científica 1. Princípio da Exceção – Decisões frequentes devem ser transformadas em rotinas e delegadas aos subordinados, deixando problemas mais sérios e importantes aos superiores. Delegação
  • 44. Princípios da Administração Científica 1. Princípio da Exceção Superior Delegada aos Subordinados Frequência Superior Região da Normalidade Exceções Exceções Q1 Q2 Q3 Ocorrências
  • 45. Críticas a Administração Científica • Mecanicismo da Administração Científica – O homem deveria produzir como uma máquina ou robô, uma vez que Taylor procurava, sem conhecer devidamente o organismo humano, conseguir o rendimento máximo, quando deveria máximo perseguir o rendimento ótimo. ótimo
  • 46. Críticas a Administração Científica • Superespecialização do Operário – O fracionamento das tarefas privam o operário da satisfação no trabalho, e, o que é pior, violam a dignidade humana.
  • 47. Críticas a Administração Científica • Visão Microscópica do Homem – Com uma concepção negativista do homem (na qual as pessoas são preguiçosas e ineficientes), Taylor ignora que o trabalhador é um ser humano e social; – A Administração Científica considera o homem apenas em termos de suas relações com seus instrumentos de trabalho e com seus superiores, deixando de lado a questão social e informal da relação humana.
  • 48. Críticas a Administração Científica • Ausência de Comprovação Científica – Usou-se pouquíssima pesquisa e experimentação científica; – O conhecimento foi alcançado pela evidência e não pela abstração; – Os aspectos mais importantes referem-se ao como e não ao porque da ação do operário.
  • 49. Críticas a Administração Científica • Abordagem Incompleta da Organização – Por não considerar os aspectos informais, nem os aspectos humanos da organização, a Administração Científica é considerada incompleta, parcial e inacabada.
  • 50. Críticas a Administração Científica • Limitação do Campo de Aplicação – Taylor se restringiu aos problemas de produção localizados na fábrica, não considerando os demais aspectos da vida de uma empresa, como financeiros, comerciais, etc.
  • 51. Críticas a Administração Científica • Abordagem Prescritiva e Normativa – A Administração Científica se preocupa em prescrever princípios como receituário suficiente para todas as cisrcunstâncias, como se fossem soluções enlatadas que regem o como fazer quando deveria, primeiramente, explicar seu funcionamento. funcionamento
  • 52. Críticas a Administração Científica • Abordagem de Sistema Fechado – A Administração Científica visualiza as empresas como se elas existissem no vácuo, ou como se fossem entidades autônomas, absolutas e hermeticamente fechadas a qualquer influência vindo de fora delas; – Só visualiza o que ocorre dentro da organização.