SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolução Industrial

   A revolução industrial introduz um
    novo modo de produzir que inclui,
    dentre outras características, o
    trabalho coletivo, a perda do controle
    do processo de produção pelos
    trabalhadores e a compra e venda da
    força de trabalho
Fayol, o fundador da Teoria
Clássica da Administração

   Nasceu na Constantinopla. Aos 19
    anos formou-se engenheiro de minas
    e entrou para uma companhia
    metalúrgica e carbonífera, onde
    desenvolveu toda a sua carreira. Aos
    25 anos foi gerente de minas e aos 47
    assumia a gerência geral da
    “Compagnie Commantry
    Fourchambault et Decazeville”.
E o que diz o Fayol?
   . Preconiza que existe uma melhor forma para
    as empresas se estruturarem e operarem,
    tendo para isso que recorrer a um poder
    legitimado, através de normas, pela autoridade
    de gestão.
      As organizações são entidades racionais,
    coletivas que consistentemente perseguem
    objetivos racionais, pelo que as pessoas são
    motivadas somente por fatores económicos. As
    emoções devem ser eliminadas em todos os
    níveis da organização.
Abordagens Tradicionais
Ênfase nas Tarefas
 1903...Administração Científica (Taylor)
Ênfase na Estrutura
 1911...Teoria Clássica (Fayol)
 1947...Organização Burocrática (Max
  Weber)
Ênfase nas Pessoas
 1932...Teoria das Relações Humanas
  (Mayo e Lewin)
Ênfase no Ambiente
Ênfase no Tecnologia
Teoria da Administração
Científica- Frederick W. Taylor (1856- 1915)
   Aplicação de métodos da ciência positiva,
    racional e metódica aos problemas
    administrativos, a fim de alcançar a máxima
    produtividade
   Para o aumento da produtividade propôs
    métodos e sistemas de racionalização do
    trabalho e disciplina do conhecimento operário
    colocando–o sob comando da gerência; a
    seleção rigorosa dos mais aptos para realizar
    as tarefas; a fragmentação e hierarquização do
    trabalho.
Teoria da Administração
Científica- Frederick W. Taylor (1856 1915
 Propõe incentivos salariais e prêmios
  pressupondo que as pessoas são
  motivadas exclusivamente por
  interesses salariais e materiais de
  onde surge o termo "homo
  economicus".
 Taylor (trabalhador) e Ford (dono),
  Fayol(gerente)
Funções administrativas
   Fixar objetivos (planejar)
   Analisar: conhecer os problemas.
   Solucionar problemas
   Organizar e alocar recursos (recursos
    financeiros e tecnológicos e as
    pessoas).
   Comunicar, dirigir e motivar as pessoas
    (liderar)
   Negociar
   Tomar as decisões.
   Mensurar e avaliar (controlar).
Principios de Taylor e Fayol que
passam para outras teorias:
   a divisão do trabalho baseada na
    especialização funcional;
   hierarquia e autoridade definidas;
    sistema de regras e regulamentos que
    descrevem direitos e deveres dos ocupantes
    dos cargos;
   sistema de procedimentos e rotinas;
    impessoalidade nas relações interpessoais,
    promoção e seleção baseadas na competência
    técnica,
Antecedentes Históricos da
      Administração


   Era Industrial Clássica
         Final do séc.XIX-1950

- Início da Industrialização
- Pouca Mudança
- Previsibilidade
- Estabilidade e certeza
Histórico do papel
administrativo do enfermeiro
 Florence Nigthingale, no século XIX,
  introduziu a divisão técnica de
  trabalho, :
 as ladies nurse encarregavam-se da
  administração da enfermagem
 nurses ficavam responsáveis pelo
  cuidado de enfermagem
Histórico do papel
administrativo do enfermeiro
   As estruturas administrativas das
    instituições de saúde, bem como a dos
    serviços de enfermagem. a exemplo do
    que propunha Fayol, guardavam a forma
     piramidal definindo, pela centralização e
    hierarquia próprias dessa forma de
    estrutura. a textura do poder
    organizacional.
Fayol,Taylor e Ford

 Fayol foi o primeiro a definir as
  funções básicas do Administrador:
  planejar, organizar, controlar,
  coordenar e comandar – POCCC
 Direcionou seu trabalho para a
  empresa , procurando cuidar da
  empresa de cima para baixo, ao
  contrário das idéias adotadas por
  Taylor e Ford.
Henry Ford, em 1913
   Utiliza os mesmos princípios
    desenvolvidos pelo taylorismo, porém
    trata–se de "uma estratégia mais
    abrangente de organização da
    produção, que envolve extensa
    mecanização, como uso de máquinas–
    ferramentas especializadas, linha de
    montagem e de esteira rolante e
    crescente divisão do trabalho.
   modelo taylorista/fordista difundiu–se no
    mundo
A enfermagem em Fayol

   controles rígidos por parte da
    organização,revelavam-se, na prática do
    gerenciamento do pessoal de
    enfermagem, por uma função
    supervisora enfaticamente fiscalizadora
    e punitiva. Um fato revelador disto era
    uma avaliação de desempenho que
    objetiva a detecção de falhas no pessoal
    para Subsidiar as chefias nas decisões
    "demite" "mantém "promove".
Fayol nos serviços de
enfermagem :
   A divisão do trabalho preconizada por
    Fayol era referendada na prática, pelo
    método funcionalista adotado:
   os atendentes faziam a higiene
   os auxiliares as controles e a medicação
   as enfermeiras a supervisão e a
    coordenação do trabalho.
A enfermagem em Fayol:

   Na proposta de Fayol essa divisão
    visava a produção, o resultado, o
    lucro,o que determinava uma forma
    de trabalho que permitisse a redução
    do número de objetivos para os quais
    estariam voltados a atenção e o
    esforço.
Considerações sobre a
Teoria Clássica
   Obsessão pelo comando - Tendo
    como ótica a visão da empresa a
    partir da gerência administrativa,
    Fayol focou seus estudos na unidade
    do comando, autoridade e na
    responsabilidade. Em função disso, é
    visto como obsecado pelo comando.
Considerações sobre a
Teoria Clássica-Fayol
   A empresa como sistema fechado -
    A partir do momento em que o
    planejamento é definido como sendo
    a pedra angular da gestão
    empresarial, é difícil imaginar que a
    organização seja vista como uma
    parte isolada do ambiente.
Considerações sobre a
Teoria Clássica- FAYOL
   Manipulação dos trabalhadores -
    Bem como a Administração Científica,
    fora tachada de tendenciosa,
    desenvolvendo princípios que
    buscavam explorar os trabalhadores.
Consequencias da Teoria Clássica
na Enfermagem

   a teoria clássica além de criar uma
    hierarquia muito rígida, não valoriza
    as relações humanas, fundamentais
    em enfermagem. Como
    consequência, as atividades de
    enfermagem tornavam-se rotineiras,
    sendo avaliadas unicamente pela
    quantidade e não pela qualidade do
    trabalho prestado.
Princípios de Administração
Científica' escrito Taylor na
Enfermagem:
   a capacitação técnico-específica do
    pessoal de enfermagem, bem como as
    competências a elas atribuídas
    guardavam relação com a função e
    cargo exercido e, conseqüentemente
    com o poder e o prestígio na instituição.
    A avaliação dessa prática tem mostrado
    uma enfermagem preocupada com o
    "como" fazer o que explica a forma
    reiterativa de agir.
Funções Gerenciais X
Princípios Científicos
   A Teoria da Administração Científica
    estudava a empresa privilegiando as
    tarefas de produção.
   Teoria Clássica da Administração a
    estudava privilegiando a estrutura da
    organização.
   Ambas as teorias buscavam alcançar o
    mesmo objetivo: maior produtividade do
    trabalho e a busca da eficiência nas
    organizações.
Abordagens Tradicionais
Ênfase nas Tarefas
 1903...Administração Científica (Taylor)
Ênfase na Estrutura
 1911...Teoria Clássica (Fayol)
 1947...Organização Burocrática (Max
  Weber)
Ênfase nas Pessoas
 1932...Teoria das Relações Humanas
  (Mayo e Lewin)
Ênfase no Ambiente
Ênfase no Tecnologia
Teoria Burocrática de Max
Weber (1864 – 1920)
 organização formal voltada
  exclusivamente para a
  racionalidade e para a eficiência.
 aspectos do modelo burocrático
  podem ser encontrados em Taylor
  e Fayol
Enfermagem na teoria
burocrática
 Herda a excessiva burocratização. O
  pessoal de enfermagem assume
  características de técnicos
  especializados, com comportamento
  e posições definidas
  institucionalmente, valorizando
  normas e regras.
 Chefias-Interesse é para a instituição
Enfermagem na teoria
burocrática
   As chefias de enfermagem assumem
    um papel administrativo voltado para
    os interesses da instituição; a vontade
    do enfermeiro se sobrepõe a dos
    demais trabalhadores, caracterizando
    um processo de dominação,
    impessoalidade, relações hierárquicas
    e ênfase na comunicação formal.
    (Kurgant P-1991)
Novas Abordagens

Ênfase na Estrutura
 Teoria Estruturalista (Etzioni e Hall)
 Teoria Neoclássica (Drucker e Koontz)


Ênfase nas Pessoas
 Teoria Comportamental (Simon e
  McGregor)

Ênfase no Ambiente e Tecnologia
 Teoria de Sistemas (Kast e Rice)
 Teoria da Contingência (Lawrence e
  Lorsch)
Percursores da Teoria
Estruturalista
   Movimento das Relações Humanas surge da crítica à
    Teoria da Administração Científica e a Teoria Clássica-
    Combate o formalismo na administração e desloca o
    foco da administração para os grupos informais e suas
    interrelações.
   A Escola das Relações Humanas depositou na
    motivação a expectativa de levar o indivíduo a trabalhar
    para atingir os objetivos
   Defende a participação do trabalhador nas decisões que
    envolvessem a tarefa, porém essa participação sofre
    restrições e deve estar de acordo com o padrão de
    liderança adotado.(Motta,1999).
O que é estruturalismo?

   O conceito de estrutura significa a
    análise interna de uma totalidade nos
    seus elementos constitutivos, sua
    disposição, suas inter-relações,
    permitindo uma comparação, pois
    pode ser aplicado a coisas diferentes
    entre si.
Teoria Estruturalista
   A Teoria Estruturalista parte da análise e
    limitações do modelo burocrático e
    declínio da teoria das relações
    humanas, de quem na verdade
    aproxima–se conceitualmente. Inaugura
    um sistema aberto das organizações.
   Reconhecer a existência do conflito nas
    organizações, assumindo que este é
    inerente aos grupos e às relações de
    produção(Chiavenato 1987).
A Teoria Estruturalista aplica-
se à Enfermagem na medida
em que:
   Dentro das instituições hospitalares
    existe uma hierarquia organizacional
      Cada enfermeiro tem funções bem
       definidas na estrutura organizacional
       em que se insere;
   O sucesso da instituição depende da
    coesão funcional dos seus membros
   o estruturalismo passou a estudar a
    interação entre as organizações.
Teoria
Comportamental Mc GREGOR
   Essa teoria, que teve sua origem nas ciências
    do comportamento, embora mantivesse ênfase
    na variável “pessoas”.
    evidenciou grande preocupação com dinâmica
    organizacional.
   Segundo essa teoria. o comportamento
    organizacional resultava do comportamento
    dos indivíduos. e este. por sua vez, era
    influenciado, em grande parte. pela motivação
    humana.
Teoria de Sistemas-biólogo alemão
Ludwig Von Bertalanfly(entre 1950 e
1968 )
   Para este autor "um sistema pode ser
    definido como um complexo de
    elementos em interação".6:84
    Interação significa que os elementos
    estão em relação. E que o
    comportamento destes elementos
    modificam–se quando há mudança na
    relação.
Antecedentes Históricos da
      Administração

     Era da Informação
            Após 1990

- Tecnologia da Informação
- Serviços
- Aceleração das mudanças
- Imprevisibilidade
- Instabilidade e incerteza
Precursores da Teoria da
              Contingência
   Investigadores que ajudaram na clarificação e
    determinação desta Teoria:

       T. Burns e G.M. Stalker -organizações mecanistas e
        orgânicas.
        Verificar a relação existente entre as práticas
        administrativas e o ambiente externo.

       F. E. Emery e E.L. Trist - discutir sobre os contextos
        ambientais e suas consequências para as organizações.

       A. Chandler Jr. – sobre estratégia e estrutura
        organizacional envolvendo o processo histórico das
        grandes empresas “Du Pont”, “General Motors”, “Sears” e
        “Standard Oil”.
Teoria Contigencial
   Abordagem Contingencial marca o
    surgimento de um modelo denominado
    orgânico nas organizações.
   Este modelo, dotado de grande
    flexibilidade, descentralização e
    desburocratização, privilegia a análise
    tecnológica, entre as diversas
    contingências, no sentido de limites à
    reorganização do trabalho.
Precursores da Teoria da
         Contingência
   Uma das mais importantes pesquisas foi elaborada
    por P.R.Laurence e J.W. Lorsch; sobre a
    defrontação entre organizações e ambiente.

    Concluíram que existem problemas básicos dentro da
    organização:

             Diferenciação
             Diferenciação versus integração
             Integração
Precursores da Teoria da
              Contingência
   Duas teorias que muito contribuíram para a
    obtenção da teoria da Contingência foram:
   Behaviorismo (Behaviorism em inglês, de
    behaviour    (RU)     ou    behavior    (EUA):
    comportamento, conduta
       Teoria Neo-Behaviorista – refere que o que faz
        evoluir o sistema organizacional, não são os
        paradigmas de gestão, mas sim a eficácia das suas
        respostas ao meio envolvente;(Trabalho em equipe)
       Teoria Sistémica – que mencionou que a
        organização é um sistema que depende do seu
        sistema envolvente, do meio em que está inserida e
        dos subsistemas que a compõem.
Principais Características


   Sistema Aberto;

   Sistema que depende do meio/ambiente;

   Sistema que depende da tecnologia;

   Binómio entre organização/ ambiente.
Ênfase na teoria da Contingência

 Cada teoria administrativa aborda com ênfase
 alguns aspectos da administração (tarefas
 operacionais, organizacionais, as pessoas …)



     Para    a     abordagem    contingencial   são  as
      características ambientais e tecnológicas que
      condicionam as características organizacionais.
Ênfase na teoria da Contingência
A Ênfase no Ambiente

   Tudo o que envolve externamente uma
    organização, é o contexto dentro do qual esta
    organização está inserida.

       O geral envolve os contextos tecnológico, o legal, o
        político, económico, demográfico, ecológico e
        cultural.

       O próximo é o que envolve os clientes e
        usuários, competidores e entidades reguladoras.
Ênfase na teoria da Contingência

A Ênfase no Ambiente (cont.)

   Como a empresa é um sistema aberto num
    processo de trocas permanentes com o seu
    ambiente isto faz com que tudo o que aconteça
    externamente no ambiente tenha uma
    influência interna na organização.
Ênfase na teoria da Contingência
A Ênfase na Tecnologia

    Com o desenvolvimento tecnológico e o seu
    enorme impacto nas organizações, a teoria
    administrativa adoptou   um     imperativo
    tecnológico.

   Esta variável é muito importante, pelo facto de
    todas as organizações dependerem de algum
    tipo de tecnologia (por exemplo a matéria
    prima, os peritos ou os técnicos)
Ênfase na teoria da Contingência


 A Teoria da Contingência explica que não há
 nada de absoluto nos princípios gerais da
 administração.

 Os aspectos universais e normativos devem ser
 substituídos pelo critério de ajuste entre cada
 organização o seu ambiente e tecnologia.
Aspectos Positivos e Negativos
Aspectos Positivos

   Integrativa por absorver conceitos       de
    diferentes teorias administrativas.

   Esta enfatiza que não há nada absoluto nas
    organizações. Tudo é relativo, tudo depende.
Aspectos Positivos e Negativos
Aspectos Negativos

 Esta Teoria é recente, como tal ainda não é
 passível de serem avaliados os seus aspectos
 negativos. Contudo, já é possível serem
 delineadas algumas limitações.
Aspectos Positivos e Negativos
Aspectos Negativos (cont.)

 1º. Relação entre a organização e o seu meio
 situacional ser considerada de uma forma
 parcial ou seja:

     Meio situacional → influência sob → estrutura e
      funcionamento da organização

     Poucas referências relativamente: → influência da
      organização sob → meio externo
Aspectos Positivos e Negativos

Aspectos Negativos (cont.)

 2º. As características organizacionais
 somente podem ser atendidas mediante
 a    análise   das     características
 ambientais com as quais se defrontam.
Reflexão Pessoal
   Cada uma das teorias administrativas
    apresenta uma focalização diferente para a
    administração das organizações. Também
    apresenta       soluções   para   diferentes
    circunstâncias.
   As organizações que sigam esta teoria de
    administração têm a vantagem de se poderem
    preparar para eventualidades
Bibliografia

   CHIAVENATO, Idalberto – Administração nos Novos
    Tempos - 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora
    Campus, 1999.

   HANPTON, David R. – Administração Contemporânea –
    2ª Edição. Trad. Lauro Santos Blandy e António César
    Amaru Maximiano. São Paulo: McGraw-Hill, 1983.

   FREDERICO, Manuela e LEITÃO, Maria dos Anjos –
    Princípios de Administração para Enfermeiros – 1ª
    Edição. Coimbra: Edições Sinais Vitais, 1999
Bibliografia

   CHAMBEL,     Maria    J.    –   Psicossociologia    das
    Organizações – 1ª Edição. Lisboa: Texto Editora, 1995

   KURCGANT, Paulina – Administração em Enfermagem –
    São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1991

   http://sites.mcp.com.br/dariel/tda_adm/t31.htm

   http://pt.wikipedia.org

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Forma Farmacêutica
Forma FarmacêuticaForma Farmacêutica
Forma Farmacêutica
Wellington Silva
 
Administração apliacada à enfermagem apostila
Administração apliacada à enfermagem   apostilaAdministração apliacada à enfermagem   apostila
Administração apliacada à enfermagem apostila
Wilma Medeiros
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
guest38a579
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Artur Rodrigues Cunha
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Hamilton Nobrega
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
Ester Santiago
 
Exercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgicaExercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgica
joselene beatriz
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
lacmuam
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
Glaudstone Agra
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aromaterapia
AromaterapiaAromaterapia
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Leonardo Souza
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Aula 1-e-2-de-cosmetologia
Aula 1-e-2-de-cosmetologiaAula 1-e-2-de-cosmetologia
Aula 1-e-2-de-cosmetologia
Romeu Abdala
 
Nocoes de administracao
Nocoes de administracaoNocoes de administracao
Nocoes de administracao
Romualdo Procópio
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
Marlene Lopes
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativas
AbenaNacional
 

Mais procurados (20)

Forma Farmacêutica
Forma FarmacêuticaForma Farmacêutica
Forma Farmacêutica
 
Administração apliacada à enfermagem apostila
Administração apliacada à enfermagem   apostilaAdministração apliacada à enfermagem   apostila
Administração apliacada à enfermagem apostila
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
Instrumentos Básicos do Cuidar - Enfermagem
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Exercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgicaExercícios de terminologia cirúrgica
Exercícios de terminologia cirúrgica
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
Aromaterapia
AromaterapiaAromaterapia
Aromaterapia
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Aula 1-e-2-de-cosmetologia
Aula 1-e-2-de-cosmetologiaAula 1-e-2-de-cosmetologia
Aula 1-e-2-de-cosmetologia
 
Nocoes de administracao
Nocoes de administracaoNocoes de administracao
Nocoes de administracao
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativas
 

Destaque

Teoria clássica
Teoria clássicaTeoria clássica
Teoria clássica
Susana Pimentel
 
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri FayolTeorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Franciéle Garcês
 
Principios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãOPrincipios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãO
themis dovera
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Domingos Armindo Rolim Neto
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
lupajero
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
Sabrina Suellen
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
Denis Carlos Sodré
 
Modelo de gestão 54o fona cv3
Modelo de gestão 54o fona cv3Modelo de gestão 54o fona cv3
Modelo de gestão 54o fona cv3
fonacrj
 
Analise Vital de Negocios
Analise Vital de NegociosAnalise Vital de Negocios
Analise Vital de Negocios
vinicius.soares
 
Manual de gestão de empresas - Leonel Boano
Manual de gestão de empresas - Leonel BoanoManual de gestão de empresas - Leonel Boano
Manual de gestão de empresas - Leonel Boano
Leonel Boano
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
Rafael Lima
 
Resenha: Teoria Contingencial: Ambiente
Resenha: Teoria Contingencial: AmbienteResenha: Teoria Contingencial: Ambiente
Resenha: Teoria Contingencial: Ambiente
admetz01
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administração
Taize Lima
 
O processo de_industrializacao_do_brasil
O processo de_industrializacao_do_brasilO processo de_industrializacao_do_brasil
O processo de_industrializacao_do_brasil
DouglasElaine Moraes
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
guest3ebb133
 
Precedentes Administração
Precedentes AdministraçãoPrecedentes Administração
Precedentes Administração
Domingos dAlmeida
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
Taizi Mendes Izaguirre
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
Jean Leão
 

Destaque (20)

Teoria clássica
Teoria clássicaTeoria clássica
Teoria clássica
 
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri FayolTeorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri Fayol
 
Principios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãOPrincipios De AdministraçãO
Principios De AdministraçãO
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
 
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)Teoria dos sistemas   cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
Teoria dos sistemas cap. 17 - chiavenato (Engenharia de Produção FSA)
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Teoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point IiTeoria Classica Power Point Ii
Teoria Classica Power Point Ii
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Modelo de gestão 54o fona cv3
Modelo de gestão 54o fona cv3Modelo de gestão 54o fona cv3
Modelo de gestão 54o fona cv3
 
Analise Vital de Negocios
Analise Vital de NegociosAnalise Vital de Negocios
Analise Vital de Negocios
 
Manual de gestão de empresas - Leonel Boano
Manual de gestão de empresas - Leonel BoanoManual de gestão de empresas - Leonel Boano
Manual de gestão de empresas - Leonel Boano
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Resenha: Teoria Contingencial: Ambiente
Resenha: Teoria Contingencial: AmbienteResenha: Teoria Contingencial: Ambiente
Resenha: Teoria Contingencial: Ambiente
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administração
 
O processo de_industrializacao_do_brasil
O processo de_industrializacao_do_brasilO processo de_industrializacao_do_brasil
O processo de_industrializacao_do_brasil
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
 
Precedentes Administração
Precedentes AdministraçãoPrecedentes Administração
Precedentes Administração
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
 

Semelhante a Aula De Administracao Marco 2010

aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010
themis dovera
 
Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração
Adélio Castro
 
Cap 2 Empreendedorismo
Cap 2 EmpreendedorismoCap 2 Empreendedorismo
Cap 2 Empreendedorismo
Graphic Designer
 
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Tonigerley Silveira
 
Trabalho Fayol, Teoria classica
Trabalho Fayol, Teoria classicaTrabalho Fayol, Teoria classica
Trabalho Fayol, Teoria classica
Renice Dos Santos
 
Adm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científicaAdm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científica
Fabi Toniazzo
 
QUIZZ- Teoria Clássica.pdf
QUIZZ- Teoria Clássica.pdfQUIZZ- Teoria Clássica.pdf
QUIZZ- Teoria Clássica.pdf
RafaelaGoncalves6
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
henrysamara
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Angelo Peres
 
Adm ms 2012
Adm ms 2012Adm ms 2012
Adm ms 2012
Ismael Costa
 
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Niloar Bissani
 
Aula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdf
Aula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdfAula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdf
Aula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdf
profalicebolelli
 
Teoria das organizações
Teoria das organizaçõesTeoria das organizações
Teoria das organizações
Juliana Siqueira
 
Aula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptx
Aula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptxAula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptx
Aula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptx
lauramiranda392074
 
Gso temas trabalho
Gso temas trabalhoGso temas trabalho
Gso temas trabalho
Walter Calombe
 
Henri Fayol
Henri FayolHenri Fayol
Henri Fayol
ThaisFernanda64
 
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdfABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
Paulus
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
Ignacio San Martín Manosalva
 
Aula6
Aula6Aula6

Semelhante a Aula De Administracao Marco 2010 (20)

aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010
 
Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração
 
Cap 2 Empreendedorismo
Cap 2 EmpreendedorismoCap 2 Empreendedorismo
Cap 2 Empreendedorismo
 
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
 
Trabalho Fayol, Teoria classica
Trabalho Fayol, Teoria classicaTrabalho Fayol, Teoria classica
Trabalho Fayol, Teoria classica
 
Adm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científicaAdm04 abord clássica e adm científica
Adm04 abord clássica e adm científica
 
QUIZZ- Teoria Clássica.pdf
QUIZZ- Teoria Clássica.pdfQUIZZ- Teoria Clássica.pdf
QUIZZ- Teoria Clássica.pdf
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
 
Adm ms 2012
Adm ms 2012Adm ms 2012
Adm ms 2012
 
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
 
Aula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdf
Aula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdfAula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdf
Aula 1 - Teorias da Administração para técnicos de enfermagem.pdf
 
Teoria das organizações
Teoria das organizaçõesTeoria das organizações
Teoria das organizações
 
Aula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptx
Aula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptxAula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptx
Aula 4 _teoria Classica organizando a empresa.pptx
 
Gso temas trabalho
Gso temas trabalhoGso temas trabalho
Gso temas trabalho
 
Henri Fayol
Henri FayolHenri Fayol
Henri Fayol
 
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdfABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Aula6
Aula6Aula6
Aula6
 

Mais de themis dovera

Cozinha Terapeutica
Cozinha TerapeuticaCozinha Terapeutica
Cozinha Terapeutica
themis dovera
 
cardápio familiar
cardápio familiarcardápio familiar
cardápio familiar
themis dovera
 
diskdieta
diskdietadiskdieta
diskdieta
themis dovera
 
CardáPios MarçO
CardáPios MarçOCardáPios MarçO
CardáPios MarçO
themis dovera
 
Cardapios Janeiro
Cardapios JaneiroCardapios Janeiro
Cardapios Janeiro
themis dovera
 
Cardapios Fevereiro
Cardapios FevereiroCardapios Fevereiro
Cardapios Fevereiro
themis dovera
 
CardáPios Dezembro
CardáPios DezembroCardáPios Dezembro
CardáPios Dezembro
themis dovera
 
Cardapio De TerçA
Cardapio De TerçACardapio De TerçA
Cardapio De TerçA
themis dovera
 
Cardapio De Quarta
Cardapio De QuartaCardapio De Quarta
Cardapio De Quarta
themis dovera
 
Cardapio 2 Feira
Cardapio 2 FeiraCardapio 2 Feira
Cardapio 2 Feira
themis dovera
 
Cardapio5feira
Cardapio5feiraCardapio5feira
Cardapio5feira
themis dovera
 
Cardapio2
Cardapio2Cardapio2
Cardapio2
themis dovera
 
Apostila Da Personal Cooking
Apostila Da Personal CookingApostila Da Personal Cooking
Apostila Da Personal Cooking
themis dovera
 
apresentação
apresentaçãoapresentação
apresentação
themis dovera
 
adote um morador de rua
adote um morador de ruaadote um morador de rua
adote um morador de rua
themis dovera
 
PROJETO COMEÇAR DE NOVO
PROJETO COMEÇAR DE NOVOPROJETO COMEÇAR DE NOVO
PROJETO COMEÇAR DE NOVO
themis dovera
 
sexualidade
sexualidadesexualidade
sexualidade
themis dovera
 
ata
ataata
começar de novo
começar de novocomeçar de novo
começar de novo
themis dovera
 
atividade na creche comunitária
atividade na creche comunitáriaatividade na creche comunitária
atividade na creche comunitária
themis dovera
 

Mais de themis dovera (20)

Cozinha Terapeutica
Cozinha TerapeuticaCozinha Terapeutica
Cozinha Terapeutica
 
cardápio familiar
cardápio familiarcardápio familiar
cardápio familiar
 
diskdieta
diskdietadiskdieta
diskdieta
 
CardáPios MarçO
CardáPios MarçOCardáPios MarçO
CardáPios MarçO
 
Cardapios Janeiro
Cardapios JaneiroCardapios Janeiro
Cardapios Janeiro
 
Cardapios Fevereiro
Cardapios FevereiroCardapios Fevereiro
Cardapios Fevereiro
 
CardáPios Dezembro
CardáPios DezembroCardáPios Dezembro
CardáPios Dezembro
 
Cardapio De TerçA
Cardapio De TerçACardapio De TerçA
Cardapio De TerçA
 
Cardapio De Quarta
Cardapio De QuartaCardapio De Quarta
Cardapio De Quarta
 
Cardapio 2 Feira
Cardapio 2 FeiraCardapio 2 Feira
Cardapio 2 Feira
 
Cardapio5feira
Cardapio5feiraCardapio5feira
Cardapio5feira
 
Cardapio2
Cardapio2Cardapio2
Cardapio2
 
Apostila Da Personal Cooking
Apostila Da Personal CookingApostila Da Personal Cooking
Apostila Da Personal Cooking
 
apresentação
apresentaçãoapresentação
apresentação
 
adote um morador de rua
adote um morador de ruaadote um morador de rua
adote um morador de rua
 
PROJETO COMEÇAR DE NOVO
PROJETO COMEÇAR DE NOVOPROJETO COMEÇAR DE NOVO
PROJETO COMEÇAR DE NOVO
 
sexualidade
sexualidadesexualidade
sexualidade
 
ata
ataata
ata
 
começar de novo
começar de novocomeçar de novo
começar de novo
 
atividade na creche comunitária
atividade na creche comunitáriaatividade na creche comunitária
atividade na creche comunitária
 

Aula De Administracao Marco 2010

  • 1. Revolução Industrial  A revolução industrial introduz um novo modo de produzir que inclui, dentre outras características, o trabalho coletivo, a perda do controle do processo de produção pelos trabalhadores e a compra e venda da força de trabalho
  • 2. Fayol, o fundador da Teoria Clássica da Administração  Nasceu na Constantinopla. Aos 19 anos formou-se engenheiro de minas e entrou para uma companhia metalúrgica e carbonífera, onde desenvolveu toda a sua carreira. Aos 25 anos foi gerente de minas e aos 47 assumia a gerência geral da “Compagnie Commantry Fourchambault et Decazeville”.
  • 3. E o que diz o Fayol?  . Preconiza que existe uma melhor forma para as empresas se estruturarem e operarem, tendo para isso que recorrer a um poder legitimado, através de normas, pela autoridade de gestão.  As organizações são entidades racionais, coletivas que consistentemente perseguem objetivos racionais, pelo que as pessoas são motivadas somente por fatores económicos. As emoções devem ser eliminadas em todos os níveis da organização.
  • 4. Abordagens Tradicionais Ênfase nas Tarefas  1903...Administração Científica (Taylor) Ênfase na Estrutura  1911...Teoria Clássica (Fayol)  1947...Organização Burocrática (Max Weber) Ênfase nas Pessoas  1932...Teoria das Relações Humanas (Mayo e Lewin) Ênfase no Ambiente Ênfase no Tecnologia
  • 5. Teoria da Administração Científica- Frederick W. Taylor (1856- 1915)  Aplicação de métodos da ciência positiva, racional e metódica aos problemas administrativos, a fim de alcançar a máxima produtividade  Para o aumento da produtividade propôs métodos e sistemas de racionalização do trabalho e disciplina do conhecimento operário colocando–o sob comando da gerência; a seleção rigorosa dos mais aptos para realizar as tarefas; a fragmentação e hierarquização do trabalho.
  • 6. Teoria da Administração Científica- Frederick W. Taylor (1856 1915  Propõe incentivos salariais e prêmios pressupondo que as pessoas são motivadas exclusivamente por interesses salariais e materiais de onde surge o termo "homo economicus".  Taylor (trabalhador) e Ford (dono), Fayol(gerente)
  • 7. Funções administrativas  Fixar objetivos (planejar)  Analisar: conhecer os problemas.  Solucionar problemas  Organizar e alocar recursos (recursos financeiros e tecnológicos e as pessoas).  Comunicar, dirigir e motivar as pessoas (liderar)  Negociar  Tomar as decisões.  Mensurar e avaliar (controlar).
  • 8. Principios de Taylor e Fayol que passam para outras teorias:  a divisão do trabalho baseada na especialização funcional;  hierarquia e autoridade definidas;  sistema de regras e regulamentos que descrevem direitos e deveres dos ocupantes dos cargos;  sistema de procedimentos e rotinas; impessoalidade nas relações interpessoais,  promoção e seleção baseadas na competência técnica,
  • 9. Antecedentes Históricos da Administração Era Industrial Clássica Final do séc.XIX-1950 - Início da Industrialização - Pouca Mudança - Previsibilidade - Estabilidade e certeza
  • 10. Histórico do papel administrativo do enfermeiro  Florence Nigthingale, no século XIX, introduziu a divisão técnica de trabalho, :  as ladies nurse encarregavam-se da administração da enfermagem  nurses ficavam responsáveis pelo cuidado de enfermagem
  • 11. Histórico do papel administrativo do enfermeiro  As estruturas administrativas das instituições de saúde, bem como a dos serviços de enfermagem. a exemplo do que propunha Fayol, guardavam a forma piramidal definindo, pela centralização e hierarquia próprias dessa forma de estrutura. a textura do poder organizacional.
  • 12. Fayol,Taylor e Ford  Fayol foi o primeiro a definir as funções básicas do Administrador: planejar, organizar, controlar, coordenar e comandar – POCCC  Direcionou seu trabalho para a empresa , procurando cuidar da empresa de cima para baixo, ao contrário das idéias adotadas por Taylor e Ford.
  • 13. Henry Ford, em 1913  Utiliza os mesmos princípios desenvolvidos pelo taylorismo, porém trata–se de "uma estratégia mais abrangente de organização da produção, que envolve extensa mecanização, como uso de máquinas– ferramentas especializadas, linha de montagem e de esteira rolante e crescente divisão do trabalho.  modelo taylorista/fordista difundiu–se no mundo
  • 14. A enfermagem em Fayol  controles rígidos por parte da organização,revelavam-se, na prática do gerenciamento do pessoal de enfermagem, por uma função supervisora enfaticamente fiscalizadora e punitiva. Um fato revelador disto era uma avaliação de desempenho que objetiva a detecção de falhas no pessoal para Subsidiar as chefias nas decisões "demite" "mantém "promove".
  • 15. Fayol nos serviços de enfermagem :  A divisão do trabalho preconizada por Fayol era referendada na prática, pelo método funcionalista adotado:  os atendentes faziam a higiene  os auxiliares as controles e a medicação  as enfermeiras a supervisão e a coordenação do trabalho.
  • 16. A enfermagem em Fayol:  Na proposta de Fayol essa divisão visava a produção, o resultado, o lucro,o que determinava uma forma de trabalho que permitisse a redução do número de objetivos para os quais estariam voltados a atenção e o esforço.
  • 17. Considerações sobre a Teoria Clássica  Obsessão pelo comando - Tendo como ótica a visão da empresa a partir da gerência administrativa, Fayol focou seus estudos na unidade do comando, autoridade e na responsabilidade. Em função disso, é visto como obsecado pelo comando.
  • 18. Considerações sobre a Teoria Clássica-Fayol  A empresa como sistema fechado - A partir do momento em que o planejamento é definido como sendo a pedra angular da gestão empresarial, é difícil imaginar que a organização seja vista como uma parte isolada do ambiente.
  • 19. Considerações sobre a Teoria Clássica- FAYOL  Manipulação dos trabalhadores - Bem como a Administração Científica, fora tachada de tendenciosa, desenvolvendo princípios que buscavam explorar os trabalhadores.
  • 20. Consequencias da Teoria Clássica na Enfermagem  a teoria clássica além de criar uma hierarquia muito rígida, não valoriza as relações humanas, fundamentais em enfermagem. Como consequência, as atividades de enfermagem tornavam-se rotineiras, sendo avaliadas unicamente pela quantidade e não pela qualidade do trabalho prestado.
  • 21. Princípios de Administração Científica' escrito Taylor na Enfermagem:  a capacitação técnico-específica do pessoal de enfermagem, bem como as competências a elas atribuídas guardavam relação com a função e cargo exercido e, conseqüentemente com o poder e o prestígio na instituição. A avaliação dessa prática tem mostrado uma enfermagem preocupada com o "como" fazer o que explica a forma reiterativa de agir.
  • 22. Funções Gerenciais X Princípios Científicos  A Teoria da Administração Científica estudava a empresa privilegiando as tarefas de produção.  Teoria Clássica da Administração a estudava privilegiando a estrutura da organização.  Ambas as teorias buscavam alcançar o mesmo objetivo: maior produtividade do trabalho e a busca da eficiência nas organizações.
  • 23. Abordagens Tradicionais Ênfase nas Tarefas  1903...Administração Científica (Taylor) Ênfase na Estrutura  1911...Teoria Clássica (Fayol)  1947...Organização Burocrática (Max Weber) Ênfase nas Pessoas  1932...Teoria das Relações Humanas (Mayo e Lewin) Ênfase no Ambiente Ênfase no Tecnologia
  • 24. Teoria Burocrática de Max Weber (1864 – 1920)  organização formal voltada exclusivamente para a racionalidade e para a eficiência.  aspectos do modelo burocrático podem ser encontrados em Taylor e Fayol
  • 25. Enfermagem na teoria burocrática  Herda a excessiva burocratização. O pessoal de enfermagem assume características de técnicos especializados, com comportamento e posições definidas institucionalmente, valorizando normas e regras.  Chefias-Interesse é para a instituição
  • 26. Enfermagem na teoria burocrática  As chefias de enfermagem assumem um papel administrativo voltado para os interesses da instituição; a vontade do enfermeiro se sobrepõe a dos demais trabalhadores, caracterizando um processo de dominação, impessoalidade, relações hierárquicas e ênfase na comunicação formal. (Kurgant P-1991)
  • 27. Novas Abordagens Ênfase na Estrutura  Teoria Estruturalista (Etzioni e Hall)  Teoria Neoclássica (Drucker e Koontz) Ênfase nas Pessoas  Teoria Comportamental (Simon e McGregor) Ênfase no Ambiente e Tecnologia  Teoria de Sistemas (Kast e Rice)  Teoria da Contingência (Lawrence e Lorsch)
  • 28. Percursores da Teoria Estruturalista  Movimento das Relações Humanas surge da crítica à Teoria da Administração Científica e a Teoria Clássica- Combate o formalismo na administração e desloca o foco da administração para os grupos informais e suas interrelações.  A Escola das Relações Humanas depositou na motivação a expectativa de levar o indivíduo a trabalhar para atingir os objetivos  Defende a participação do trabalhador nas decisões que envolvessem a tarefa, porém essa participação sofre restrições e deve estar de acordo com o padrão de liderança adotado.(Motta,1999).
  • 29. O que é estruturalismo?  O conceito de estrutura significa a análise interna de uma totalidade nos seus elementos constitutivos, sua disposição, suas inter-relações, permitindo uma comparação, pois pode ser aplicado a coisas diferentes entre si.
  • 30. Teoria Estruturalista  A Teoria Estruturalista parte da análise e limitações do modelo burocrático e declínio da teoria das relações humanas, de quem na verdade aproxima–se conceitualmente. Inaugura um sistema aberto das organizações.  Reconhecer a existência do conflito nas organizações, assumindo que este é inerente aos grupos e às relações de produção(Chiavenato 1987).
  • 31. A Teoria Estruturalista aplica- se à Enfermagem na medida em que:  Dentro das instituições hospitalares existe uma hierarquia organizacional  Cada enfermeiro tem funções bem definidas na estrutura organizacional em que se insere;  O sucesso da instituição depende da coesão funcional dos seus membros  o estruturalismo passou a estudar a interação entre as organizações.
  • 32. Teoria Comportamental Mc GREGOR  Essa teoria, que teve sua origem nas ciências do comportamento, embora mantivesse ênfase na variável “pessoas”.  evidenciou grande preocupação com dinâmica organizacional.  Segundo essa teoria. o comportamento organizacional resultava do comportamento dos indivíduos. e este. por sua vez, era influenciado, em grande parte. pela motivação humana.
  • 33. Teoria de Sistemas-biólogo alemão Ludwig Von Bertalanfly(entre 1950 e 1968 )  Para este autor "um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação".6:84 Interação significa que os elementos estão em relação. E que o comportamento destes elementos modificam–se quando há mudança na relação.
  • 34. Antecedentes Históricos da Administração Era da Informação Após 1990 - Tecnologia da Informação - Serviços - Aceleração das mudanças - Imprevisibilidade - Instabilidade e incerteza
  • 35. Precursores da Teoria da Contingência  Investigadores que ajudaram na clarificação e determinação desta Teoria:  T. Burns e G.M. Stalker -organizações mecanistas e orgânicas. Verificar a relação existente entre as práticas administrativas e o ambiente externo.  F. E. Emery e E.L. Trist - discutir sobre os contextos ambientais e suas consequências para as organizações.  A. Chandler Jr. – sobre estratégia e estrutura organizacional envolvendo o processo histórico das grandes empresas “Du Pont”, “General Motors”, “Sears” e “Standard Oil”.
  • 36. Teoria Contigencial  Abordagem Contingencial marca o surgimento de um modelo denominado orgânico nas organizações.  Este modelo, dotado de grande flexibilidade, descentralização e desburocratização, privilegia a análise tecnológica, entre as diversas contingências, no sentido de limites à reorganização do trabalho.
  • 37. Precursores da Teoria da Contingência  Uma das mais importantes pesquisas foi elaborada por P.R.Laurence e J.W. Lorsch; sobre a defrontação entre organizações e ambiente. Concluíram que existem problemas básicos dentro da organização:  Diferenciação  Diferenciação versus integração  Integração
  • 38. Precursores da Teoria da Contingência  Duas teorias que muito contribuíram para a obtenção da teoria da Contingência foram:  Behaviorismo (Behaviorism em inglês, de behaviour (RU) ou behavior (EUA): comportamento, conduta  Teoria Neo-Behaviorista – refere que o que faz evoluir o sistema organizacional, não são os paradigmas de gestão, mas sim a eficácia das suas respostas ao meio envolvente;(Trabalho em equipe)  Teoria Sistémica – que mencionou que a organização é um sistema que depende do seu sistema envolvente, do meio em que está inserida e dos subsistemas que a compõem.
  • 39. Principais Características  Sistema Aberto;  Sistema que depende do meio/ambiente;  Sistema que depende da tecnologia;  Binómio entre organização/ ambiente.
  • 40. Ênfase na teoria da Contingência Cada teoria administrativa aborda com ênfase alguns aspectos da administração (tarefas operacionais, organizacionais, as pessoas …)  Para a abordagem contingencial são as características ambientais e tecnológicas que condicionam as características organizacionais.
  • 41. Ênfase na teoria da Contingência A Ênfase no Ambiente  Tudo o que envolve externamente uma organização, é o contexto dentro do qual esta organização está inserida.  O geral envolve os contextos tecnológico, o legal, o político, económico, demográfico, ecológico e cultural.  O próximo é o que envolve os clientes e usuários, competidores e entidades reguladoras.
  • 42. Ênfase na teoria da Contingência A Ênfase no Ambiente (cont.)  Como a empresa é um sistema aberto num processo de trocas permanentes com o seu ambiente isto faz com que tudo o que aconteça externamente no ambiente tenha uma influência interna na organização.
  • 43. Ênfase na teoria da Contingência A Ênfase na Tecnologia Com o desenvolvimento tecnológico e o seu enorme impacto nas organizações, a teoria administrativa adoptou um imperativo tecnológico.  Esta variável é muito importante, pelo facto de todas as organizações dependerem de algum tipo de tecnologia (por exemplo a matéria prima, os peritos ou os técnicos)
  • 44. Ênfase na teoria da Contingência A Teoria da Contingência explica que não há nada de absoluto nos princípios gerais da administração. Os aspectos universais e normativos devem ser substituídos pelo critério de ajuste entre cada organização o seu ambiente e tecnologia.
  • 45. Aspectos Positivos e Negativos Aspectos Positivos  Integrativa por absorver conceitos de diferentes teorias administrativas.  Esta enfatiza que não há nada absoluto nas organizações. Tudo é relativo, tudo depende.
  • 46. Aspectos Positivos e Negativos Aspectos Negativos Esta Teoria é recente, como tal ainda não é passível de serem avaliados os seus aspectos negativos. Contudo, já é possível serem delineadas algumas limitações.
  • 47. Aspectos Positivos e Negativos Aspectos Negativos (cont.) 1º. Relação entre a organização e o seu meio situacional ser considerada de uma forma parcial ou seja:  Meio situacional → influência sob → estrutura e funcionamento da organização  Poucas referências relativamente: → influência da organização sob → meio externo
  • 48. Aspectos Positivos e Negativos Aspectos Negativos (cont.) 2º. As características organizacionais somente podem ser atendidas mediante a análise das características ambientais com as quais se defrontam.
  • 49. Reflexão Pessoal  Cada uma das teorias administrativas apresenta uma focalização diferente para a administração das organizações. Também apresenta soluções para diferentes circunstâncias.  As organizações que sigam esta teoria de administração têm a vantagem de se poderem preparar para eventualidades
  • 50. Bibliografia  CHIAVENATO, Idalberto – Administração nos Novos Tempos - 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1999.  HANPTON, David R. – Administração Contemporânea – 2ª Edição. Trad. Lauro Santos Blandy e António César Amaru Maximiano. São Paulo: McGraw-Hill, 1983.  FREDERICO, Manuela e LEITÃO, Maria dos Anjos – Princípios de Administração para Enfermeiros – 1ª Edição. Coimbra: Edições Sinais Vitais, 1999
  • 51. Bibliografia  CHAMBEL, Maria J. – Psicossociologia das Organizações – 1ª Edição. Lisboa: Texto Editora, 1995  KURCGANT, Paulina – Administração em Enfermagem – São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1991  http://sites.mcp.com.br/dariel/tda_adm/t31.htm  http://pt.wikipedia.org