SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 3 página      1

                          TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO I
                                  Prof. Solange Marques

AULA 3

ABORDAGEM CLÁSSICA OU TRADICIONAL DA ADMINISTRAÇÃO

Escola de Administração Científica – Frederick Winslow Taylor (norte-americano)
Ênfase nas tarefas em busca da eficiência.
É uma abordagem de baixo para cima, do operário para o supervisor e gerente, das partes
(cargos e tarefas) para o todo (organização empresarial).

Teoria Clássica – Henri Fayol (europeu)
Ênfase na estrutura em busca de eficiência.
Anatomistas (estrutura) e Fisiologistas (funcionamento). É uma abordagem de cima para
baixo.

ORIGENS DA BORDAGEM CLÁSSICA
  - Crescimento acelerado e desorganizado das empresas;
  - Necessidade de aumentar a eficiência e competência das organizações.

ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR
  - Métodos científicos: observação e mensuração.
  - Objetivos de tentar eliminar o fantasma dos desperdícios e das perdas sofridas pelas
    indústrias americanas e elevar o nível de produtividade por meio da aplicação de
    métodos e técnicas da engenharia industrial.

PRIMEIRO PERÍODO DE TAYLOR
Shop Management (Administração de Oficinas, 1903)
   - pagar altos salários e custos unitários baixos;
   - métodos científicos de pesquisa e experimentação;
   - empregados cientificamente colocados;
   - empregados cientificamente adestrados;
   - atmosfera de cooperação.

SEGUNDO PERÍODO DE TAYLOR
Princípios da Administração Científica (1911) – sobre administração geral
    - Vadiagem sistemática
           o Engano (desemprego);
           o Sistema defeituoso da Administração;
           o Métodos empíricos ineficientes.
    - Desconhecimento, pela gerência, das rotinas de trabalho;
    - Falta de uniformidade das técnicas ou dos métodos de trabalho.

ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA – combinação dos seguintes ingredientes:
  - ciência, em lugar de empirismo;
  - Harmonia, em vez de discórdia;
Aula 3 página      2

   -   Cooperação, não individualismo;
   -   Rendimento máximo, em lugar de produção reduzida;
   -   Desenvolvimento de cada homem, no sentido de alcançar maior eficiência e
       prosperidade.

Para TAYLOR, as bases de aplicação da Administração Científica são:
   a) Estudo de tempo e padrões de produção;
   b) Supervisão funcional;
   c) Padronização de ferramentas e instrumentos;
   d) Planejamento das tarefas e cargos;
   e) Princípio da execução;
   f) Utilização da régua de cálculo e de instrumentos para economizar tempo;
   g) Fichas de instruções de serviço;
   h) Prêmios de produção pela execução eficiente das tarefas;
   i) Definição da rotina de trabalho.

Prosperidade mútua – o empregador obtinha baixos custos de produção e o empregado
recebia altos salários pela produtividade, de acordo com a aplicação da Teoria de Taylor.

ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO

   1. Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos;
           o eliminar movimentos inúteis;
           o tornar mais racional a seleção e treinamento de pessoal;
           o aumentar a eficiência do operário;
           o distribuir uniformemente o trabalho;
           o ter base para salários eqüitativos e prêmios de aumento de produção.
       Frank B. Gilbreth nomeou os “movimentos elementares”, também chamados de
   therbligs. (procurar, escolher, pegar, transportar vazio).

   2. Estudo da fadiga humana;
      Objetivos
         o eliminar movimentos inúteis;
         o economizar nos úteis;
         o dar seqüência apropriada.
      A Fadiga gera:
         o diminuição da produtividade;
         o perda de tempo;
         o aumento da rotatividade;
         o doenças e acidentes;
         o diminuição da capacidade de esforço;

    3. Divisão do trabalho e especialização do operário;
       Estudo dos tempos e movimentos gera a divisão do trabalho, que por sua vez dá
origem à linha de montagem.
Aula 3 página    3

    4. Desenho de cargos e de tarefas;
Preocupação era o desenho de cargos mais simples e elementares de maneira tal que
permita o controle e comparação dos resultados. Bem como fosse fácil o treinamento do
indivíduo para o cargo.
       A comunicação restrita. Em caso de ocorrência imprevista o operário era orientado a
comunicar somente o superior imediato.
       VANTAGENS:
           o Qualificações mínimas e salários menores;
           o Minimização de custos de treinamento;
           o Redução de erros na execução, diminuindo os refugos e rejeições;
           o Facilidade de supervisão;
           o Aumento da eficiência.

    5. Incentivos salariais e prêmios de produção;
       Pagava-se por peça produzida e havia um nível de eficiência chamado de 100%.
Acima de 100% havia um prêmio de produção ou incentivo salarial, ou seja, o pagamento
por peça aumentava.


    6. Conceito de “homo economicus”;
       É a visão de que o homem trabalha principalmente por dinheiro. Também afirma
que o homem é um indivíduo limitado e mesquinho, preguiçoso e culpado pela vadiagem e
desperdício das empresas, e que deveria ser controlado continuamente através do trabalho
racionalizado e do tempo padrão.

   7. Condições de trabalho
         o instrumentos, ferramentas e equipamentos de produção;
         o layout das máquinas e equipamentos;
         o evitar ruído, falta de ventilação, iluminação e conforto no trabalho;
         o projetos de instrumentos
      Não porque as pessoas merecem, mas com o objetivo de aumentar a eficiência.

   8. Racionalização do trabalho
      Henry Lawrence Gantt foi um consultor que aplicava os conceitos de Taylor, mas
também dava um certo valor aos fatores psicológicos e humanos.
         o Implantou sistema de salários;
         o Criou o gráfico de gantt;
         o Implantou uma política de instrução e treinamento;
         o Salientou sobre a responsabilidade industrial.

   9. Padronização
         o métodos e processos;
         o máquinas, equipamentos, ferramentas e instrumentos;
         o matéria-prima e componentes.
Aula 3 página     4

  10. Supervisão funcional
         o autoridade funcional;
         o recebimento de orientações e ordens de vários encarregados diferentes.

PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

  1. Princípio da administração científica de Taylor
        o Princípio de planejamento;
        o Princípio de preparo;
        o Princípio de controle;
        o Princípio de execução.

  2. Fordismo (Henry Ford)
        o Em 1903 fundou a Ford Motor Company;
        o Linha de montagem móvel;
        o Carros com peças padronizadas.
        o Controle acionário aos empregados;
        o Substituição da mão-de-obra física pela tecnologia;
        o Reduzir as tarefas e operações.
     Três aspectos suportam o sistema chamado de Fordismo:
        1) A progressão do produto elaborado pelo processo produtivo é planejada,
             ordenada, contínua e ritmada;
        2) Trabalho entregue ao trabalhador, em vez de deixa-lo com iniciativa de ir
             busca-lo;
        3) As operações são analisadas e divididas em seus elementos consituintes.
     Três princípios básicos que Ford adotou:
        1) Princípio de intensificação;
        2) Princípio de economicidade;
        3) Princípio de produtividade.


  3. Princípio da exceção
        Defende que devemos dar atenção somente às ocorrências fora do padrão, ou
        seja, às exceções.

APRECIAÇÃO CRÍTICA DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

  1. Mecanicismo da administração científica;
  Homem e máquina.

  2. Superespecialização do operário.
  Filme Tempos Modernos, de Charlie Chaplin

  3. Visão microscópica do homem
  Homem econômico
Aula 3 página       5

4. Ausência de comprovação científica
Refere-se ao como e não ao porquê. Afirmou-se muita coisa sem antes buscar
experimentação.

5. Abordagem incompleta da organização
Considerava somente os aspectos da organização formal e ignorava as influências da
organização informal na produção.

6. Limitação do campo de aplicação
Somente aplicável a produção, tornando complicado a aplicação a outras setores da
organização, bem como às empresas de serviço também tinham essa dificuldade.

7. Abordagem prescritiva e normativa
Preocupou-se demasiadamente em prescrever e normatizar tudo.

8. Abordagem de sistema fechado
Abordou a empresa como um sistema que não sofre influências externas, ou seja,
provindas de fora da organização.

9. Pioneirismo na administração.
Como primeiro desenvolvimento científico foi muito válido. Trouxe a racionalização e
eficiência na produção através de técnicas e métodos que normatizaram a produção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
Jean Leão
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
Francisco Inácio
 
Taylor, Ford, E Sloan
Taylor, Ford, E SloanTaylor, Ford, E Sloan
Taylor, Ford, E Sloan
henrique42
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
Francisco Inácio
 
Taylor admcientifica
Taylor admcientificaTaylor admcientifica
Taylor admcientifica
carlomitro
 
Aula 2 Adm CientíFica
Aula 2 Adm CientíFicaAula 2 Adm CientíFica
Aula 2 Adm CientíFica
Universidade
 
2 escola classica da administracao
2   escola classica da administracao2   escola classica da administracao
2 escola classica da administracao
Isabella Couto Reis
 
Administração cientifica Professor Danilo Pires
Administração cientifica  Professor Danilo  PiresAdministração cientifica  Professor Danilo  Pires
Administração cientifica Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
Escola clássica de administração
Escola clássica de administraçãoEscola clássica de administração
Escola clássica de administração
Sergio Grunbaum
 
Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana
Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana
Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana
admetz01
 
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Reginaldo Marcos Martins
 
Resenha Taylor
Resenha TaylorResenha Taylor
Resenha Taylor
roneison
 
Frederick Winslow Taylor
Frederick Winslow TaylorFrederick Winslow Taylor
Frederick Winslow Taylor
Laura Marcht
 
Taylorismo
TaylorismoTaylorismo
Taylorismo
Jose Pedro Silva
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
edgarklein
 
Frederick winslow taylor
Frederick winslow taylorFrederick winslow taylor
Frederick winslow taylor
Natália Carvalho
 
Administração cientifica taylor
Administração cientifica   taylorAdministração cientifica   taylor
Administração cientifica taylor
Sergio Finamore
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Grupo VAHALI
 
Abordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administraçãoAbordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administração
Marcio Galvao
 

Mais procurados (19)

Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
 
Taylor, Ford, E Sloan
Taylor, Ford, E SloanTaylor, Ford, E Sloan
Taylor, Ford, E Sloan
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
 
Taylor admcientifica
Taylor admcientificaTaylor admcientifica
Taylor admcientifica
 
Aula 2 Adm CientíFica
Aula 2 Adm CientíFicaAula 2 Adm CientíFica
Aula 2 Adm CientíFica
 
2 escola classica da administracao
2   escola classica da administracao2   escola classica da administracao
2 escola classica da administracao
 
Administração cientifica Professor Danilo Pires
Administração cientifica  Professor Danilo  PiresAdministração cientifica  Professor Danilo  Pires
Administração cientifica Professor Danilo Pires
 
Escola clássica de administração
Escola clássica de administraçãoEscola clássica de administração
Escola clássica de administração
 
Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana
Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana
Resenha - ADM Científica: Estudo da Fadiga Humana
 
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
Administração Científica: O Taylorismo - Elaborado por Prof. Reginaldo Marcos...
 
Resenha Taylor
Resenha TaylorResenha Taylor
Resenha Taylor
 
Frederick Winslow Taylor
Frederick Winslow TaylorFrederick Winslow Taylor
Frederick Winslow Taylor
 
Taylorismo
TaylorismoTaylorismo
Taylorismo
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
 
Frederick winslow taylor
Frederick winslow taylorFrederick winslow taylor
Frederick winslow taylor
 
Administração cientifica taylor
Administração cientifica   taylorAdministração cientifica   taylor
Administração cientifica taylor
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
 
Abordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administraçãoAbordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administração
 

Semelhante a Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica

Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdfAula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Pedro Luis Moraes
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
Rafael Santos
 
54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol
Mel Morgann
 
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdfTEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
PatrickAnjos1
 
Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)
Hugo Silva
 
Administração científica
Administração científicaAdministração científica
Administração científica
Aline Lima
 
Aulas de TGA
Aulas de TGAAulas de TGA
Aulas de TGA
Pedro César
 
Gso temas trabalho
Gso temas trabalhoGso temas trabalho
Gso temas trabalho
Walter Calombe
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
Rafael Lima
 
Adinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylorAdinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylor
Leonel Mendes
 
UNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.pptUNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.ppt
PauloCesarAraujoNegr
 
Apresentação arlete
Apresentação arleteApresentação arlete
Apresentação arlete
Fernando Antonio
 
Administração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. ErvinoAdministração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. Ervino
Fabio Lucio
 
GRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptx
GRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptxGRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptx
GRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptx
POLYANAGALVAO
 
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Angelo Peres
 
Apostila administração
Apostila administraçãoApostila administração
Apostila administração
Elza Seninha de Oliveira
 
Teoria clássica
Teoria clássicaTeoria clássica
Teoria clássica
Susana Pimentel
 
Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2
angelo nagahy
 
classica.pdf
classica.pdfclassica.pdf
classica.pdf
PedroLuis216164
 

Semelhante a Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica (20)

Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdfAula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
Aula Administração de Teoria clássica de gestão.pdf
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
 
54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol
 
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdfTEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
 
Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)
 
Administração científica
Administração científicaAdministração científica
Administração científica
 
Aulas de TGA
Aulas de TGAAulas de TGA
Aulas de TGA
 
Gso temas trabalho
Gso temas trabalhoGso temas trabalho
Gso temas trabalho
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Adinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylorAdinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylor
 
UNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.pptUNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.ppt
 
Apresentação arlete
Apresentação arleteApresentação arlete
Apresentação arlete
 
Administração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. ErvinoAdministração Concurso Prof. Ervino
Administração Concurso Prof. Ervino
 
GRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptx
GRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptxGRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptx
GRUPO1_ADMCIENTIFICA OFICIAL.pptx
 
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2Aula 3 compacta alunos final   gestão pessoas i - parte 2
Aula 3 compacta alunos final gestão pessoas i - parte 2
 
Apostila administração
Apostila administraçãoApostila administração
Apostila administração
 
Teoria clássica
Teoria clássicaTeoria clássica
Teoria clássica
 
Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2
 
classica.pdf
classica.pdfclassica.pdf
classica.pdf
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica

  • 1. Aula 3 página 1 TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO I Prof. Solange Marques AULA 3 ABORDAGEM CLÁSSICA OU TRADICIONAL DA ADMINISTRAÇÃO Escola de Administração Científica – Frederick Winslow Taylor (norte-americano) Ênfase nas tarefas em busca da eficiência. É uma abordagem de baixo para cima, do operário para o supervisor e gerente, das partes (cargos e tarefas) para o todo (organização empresarial). Teoria Clássica – Henri Fayol (europeu) Ênfase na estrutura em busca de eficiência. Anatomistas (estrutura) e Fisiologistas (funcionamento). É uma abordagem de cima para baixo. ORIGENS DA BORDAGEM CLÁSSICA - Crescimento acelerado e desorganizado das empresas; - Necessidade de aumentar a eficiência e competência das organizações. ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR - Métodos científicos: observação e mensuração. - Objetivos de tentar eliminar o fantasma dos desperdícios e das perdas sofridas pelas indústrias americanas e elevar o nível de produtividade por meio da aplicação de métodos e técnicas da engenharia industrial. PRIMEIRO PERÍODO DE TAYLOR Shop Management (Administração de Oficinas, 1903) - pagar altos salários e custos unitários baixos; - métodos científicos de pesquisa e experimentação; - empregados cientificamente colocados; - empregados cientificamente adestrados; - atmosfera de cooperação. SEGUNDO PERÍODO DE TAYLOR Princípios da Administração Científica (1911) – sobre administração geral - Vadiagem sistemática o Engano (desemprego); o Sistema defeituoso da Administração; o Métodos empíricos ineficientes. - Desconhecimento, pela gerência, das rotinas de trabalho; - Falta de uniformidade das técnicas ou dos métodos de trabalho. ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA – combinação dos seguintes ingredientes: - ciência, em lugar de empirismo; - Harmonia, em vez de discórdia;
  • 2. Aula 3 página 2 - Cooperação, não individualismo; - Rendimento máximo, em lugar de produção reduzida; - Desenvolvimento de cada homem, no sentido de alcançar maior eficiência e prosperidade. Para TAYLOR, as bases de aplicação da Administração Científica são: a) Estudo de tempo e padrões de produção; b) Supervisão funcional; c) Padronização de ferramentas e instrumentos; d) Planejamento das tarefas e cargos; e) Princípio da execução; f) Utilização da régua de cálculo e de instrumentos para economizar tempo; g) Fichas de instruções de serviço; h) Prêmios de produção pela execução eficiente das tarefas; i) Definição da rotina de trabalho. Prosperidade mútua – o empregador obtinha baixos custos de produção e o empregado recebia altos salários pela produtividade, de acordo com a aplicação da Teoria de Taylor. ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO 1. Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos; o eliminar movimentos inúteis; o tornar mais racional a seleção e treinamento de pessoal; o aumentar a eficiência do operário; o distribuir uniformemente o trabalho; o ter base para salários eqüitativos e prêmios de aumento de produção. Frank B. Gilbreth nomeou os “movimentos elementares”, também chamados de therbligs. (procurar, escolher, pegar, transportar vazio). 2. Estudo da fadiga humana; Objetivos o eliminar movimentos inúteis; o economizar nos úteis; o dar seqüência apropriada. A Fadiga gera: o diminuição da produtividade; o perda de tempo; o aumento da rotatividade; o doenças e acidentes; o diminuição da capacidade de esforço; 3. Divisão do trabalho e especialização do operário; Estudo dos tempos e movimentos gera a divisão do trabalho, que por sua vez dá origem à linha de montagem.
  • 3. Aula 3 página 3 4. Desenho de cargos e de tarefas; Preocupação era o desenho de cargos mais simples e elementares de maneira tal que permita o controle e comparação dos resultados. Bem como fosse fácil o treinamento do indivíduo para o cargo. A comunicação restrita. Em caso de ocorrência imprevista o operário era orientado a comunicar somente o superior imediato. VANTAGENS: o Qualificações mínimas e salários menores; o Minimização de custos de treinamento; o Redução de erros na execução, diminuindo os refugos e rejeições; o Facilidade de supervisão; o Aumento da eficiência. 5. Incentivos salariais e prêmios de produção; Pagava-se por peça produzida e havia um nível de eficiência chamado de 100%. Acima de 100% havia um prêmio de produção ou incentivo salarial, ou seja, o pagamento por peça aumentava. 6. Conceito de “homo economicus”; É a visão de que o homem trabalha principalmente por dinheiro. Também afirma que o homem é um indivíduo limitado e mesquinho, preguiçoso e culpado pela vadiagem e desperdício das empresas, e que deveria ser controlado continuamente através do trabalho racionalizado e do tempo padrão. 7. Condições de trabalho o instrumentos, ferramentas e equipamentos de produção; o layout das máquinas e equipamentos; o evitar ruído, falta de ventilação, iluminação e conforto no trabalho; o projetos de instrumentos Não porque as pessoas merecem, mas com o objetivo de aumentar a eficiência. 8. Racionalização do trabalho Henry Lawrence Gantt foi um consultor que aplicava os conceitos de Taylor, mas também dava um certo valor aos fatores psicológicos e humanos. o Implantou sistema de salários; o Criou o gráfico de gantt; o Implantou uma política de instrução e treinamento; o Salientou sobre a responsabilidade industrial. 9. Padronização o métodos e processos; o máquinas, equipamentos, ferramentas e instrumentos; o matéria-prima e componentes.
  • 4. Aula 3 página 4 10. Supervisão funcional o autoridade funcional; o recebimento de orientações e ordens de vários encarregados diferentes. PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA 1. Princípio da administração científica de Taylor o Princípio de planejamento; o Princípio de preparo; o Princípio de controle; o Princípio de execução. 2. Fordismo (Henry Ford) o Em 1903 fundou a Ford Motor Company; o Linha de montagem móvel; o Carros com peças padronizadas. o Controle acionário aos empregados; o Substituição da mão-de-obra física pela tecnologia; o Reduzir as tarefas e operações. Três aspectos suportam o sistema chamado de Fordismo: 1) A progressão do produto elaborado pelo processo produtivo é planejada, ordenada, contínua e ritmada; 2) Trabalho entregue ao trabalhador, em vez de deixa-lo com iniciativa de ir busca-lo; 3) As operações são analisadas e divididas em seus elementos consituintes. Três princípios básicos que Ford adotou: 1) Princípio de intensificação; 2) Princípio de economicidade; 3) Princípio de produtividade. 3. Princípio da exceção Defende que devemos dar atenção somente às ocorrências fora do padrão, ou seja, às exceções. APRECIAÇÃO CRÍTICA DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA 1. Mecanicismo da administração científica; Homem e máquina. 2. Superespecialização do operário. Filme Tempos Modernos, de Charlie Chaplin 3. Visão microscópica do homem Homem econômico
  • 5. Aula 3 página 5 4. Ausência de comprovação científica Refere-se ao como e não ao porquê. Afirmou-se muita coisa sem antes buscar experimentação. 5. Abordagem incompleta da organização Considerava somente os aspectos da organização formal e ignorava as influências da organização informal na produção. 6. Limitação do campo de aplicação Somente aplicável a produção, tornando complicado a aplicação a outras setores da organização, bem como às empresas de serviço também tinham essa dificuldade. 7. Abordagem prescritiva e normativa Preocupou-se demasiadamente em prescrever e normatizar tudo. 8. Abordagem de sistema fechado Abordou a empresa como um sistema que não sofre influências externas, ou seja, provindas de fora da organização. 9. Pioneirismo na administração. Como primeiro desenvolvimento científico foi muito válido. Trouxe a racionalização e eficiência na produção através de técnicas e métodos que normatizaram a produção.