SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Emissão Zero
Prof. Milton Henrique
miltonhcouto@gmail.com
Histórico
• O programa ZERI, acrônimo de Zero Emission Research & Initiatives,
foi criado pelo empresário belga Gunter Pauli, na Universidade das
Nações Unidas, UNU, em Tóquio, em 1994
• A partir de 1997 foi constituída a Fundação ZERI Mundial e, em 1998,
a Fundação ZERI Brasil
• Uma das ações mais significativas para o reconhecimento das
atividades da Rede ZERI foi a sua participação na Expo 2000, com a
construção do pavilhão de Bambu para demonstrar as
potencialidades do uso desta planta na construção civil
http://www.zeri.org.br/
Histórico
• O Programa ZERI propõe a organização dos processos de produção
em cadeias produtivas não-poluentes
• Ou seja, os processos produtivos devem emular o funcionamento da
natureza, na qual nada se perde, pois o resíduo de um processo é o
insumo de outro
http://www.zeri.org.br/
Histórico
• Apresenta sugestões de como e o que as organizações podem
oferecer à sociedade, visando, com isso, adaptá-las ao mundo
moderno, pois ele aborda questões como a importância da união
entre todos os agentes, o verdadeiro papel do mercado, como
competir, as indústrias do próximo século, os empregos em uma
economia sustentada e a futura ética empresarial
http://www.zeri.org.br/
Os Princípios e o Objetivo do Programa ZERI
• Apresenta, uma visão para o mundo do futuro
onde o padrão de produção será a “Emissão
Zero”, significando que não existirão mais
resíduos e a produção terá um processo cíclico,
assemelhando-se a forma de funcionamento da
natureza
• Tendo essa visão como pano de fundo,
ponderamos que a educação terá um papel
preponderante, pois ela deve criar a base para a
nova realidade
Os Princípios e o Objetivo do Programa ZERI
O papel será o de ensinar às crianças alguns fatos essenciais da vida, tais como:
• que um ecossistema não produz resíduo, pois o resíduo de uma espécie serve de
alimento para outra;
• que a matéria movimenta-se em um ciclo infindável pela teia da vida;
• que a energia impulsionadora desses ciclos ecológicos provém do sol;
• que a multiplicidade garante a regeneração; e
• que a vida, desde o começo, há mais de três milhões de anos, conquistou o planeta não
por meio de lutas, mas sim pela cooperação, parceria e trabalho em teias.
Os Princípios e o Objetivo do Programa ZERI
São definidos como objetivos
do conceito de Emissão Zero:
• Nenhum resíduo líquido,
gasoso ou sólido;
• Todos os inputs são utilizados
na produção; e
• Quando ocorre resíduo, ele é
utilizado por outras indústrias
na criação de valor agregado
O caso do Papel
• Cloro – dioxina derivado do cloro
• Indústria americana investiu milhões de dólares para reduzir
• Não atingiu a meta de emissão zero
• Em 1989 produtores suecos e finlandeses produzem papel
TLC – Totalmente Livre de Cloro
• Em 1991 esse o papel TLC é introduzido na Europa com
sobre preço de 20%
• Avassaladora reação positiva dos consumidores
• Produtores dos EUA foram eliminados do mercado alemão
O que se aprendeu com o Caso do Papel?
• Nenhum governo impôs a emissão zero
• A indústria enxergou a oportunidade de
mercado
• Oportunidade para pequenas e médias
organizações
• Compromisso com o ambiente natural e
superar as fraquezas das organizações maiores
Para ser Competitivo no Mercado
• Centrar nas emissões zero;
• Maximizar a produtividade das matérias-primas;
• Buscar soluções corretivas constantemente;
• Dar prioridade alta às considerações sociais e éticas; e
• Conseguir uma qualidade perfeita e satisfação total do cliente,
incluindo a preferência dos consumidores pela justiça social e pelos
valores éticos
Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS)
Cultura do Arroz Irrigado
Palha
(resíduo agrícola sem valor econômico)
Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS)
Cultura do Arroz Irrigado
Palha
(resíduo agrícola sem valor econômico)
Fungo
Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS)
Cultura do Arroz Irrigado
Palha
(resíduo agrícola sem valor econômico)
Fungo
Produção de Cogumelos
Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS)
Cultura do Arroz Irrigado
Palha
(resíduo agrícola sem valor econômico)
Fungo
Produção de Cogumelos
• Comestíveis
• Nutricêuticos
Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS)
Cultura do Arroz Irrigado
Palha
(resíduo agrícola sem valor econômico)
Fungo
Produção de Cogumelos
• Comestíveis
• Nutricêuticos
Ainda, a palha pode ser utilizada para a construção de
residências, numa técnica milenar e que oferece bons
resultados, especialmente no que tange a leveza da
estrutura quanto ao conforto térmico, entre outras
vantagens
Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS)
Cultura do Arroz Irrigado Grande Volume de Água
Rizipiscicultura
cultivo do arroz associado à criação de
peixes, que pode levar a um aumento de
até 50% na rentabilidade por hectare
Os 5 Reinos da Natureza
Conceito inovador de que a melhor performance de um sistema
produtivo natural ocorre quando se utiliza, de forma combinada e
harmônica, os cinco reinos da natureza:
• o animal,
• o vegetal,
• os fungos,
• as algas e
• as bactérias
Fase 1 da Implantação do ZERI
Modelos de aproveitamento total ao se utilizar a tabela de input-
output:
• Refere-se à busca do rendimento total, para verificar se há
possibilidades de usar completamente os produtos no processo de
fabricação para que não produzam nenhum resíduo
• A única indústria que talvez responda a esse princípio é a indústria de
cimento, em que todos os insumos materiais podem ser agregados ao
produto final
• Nesta fase, os produtos fabricados devem ser reintegrados facilmente
ao ecossistema sem processo, energia, transporte ou custos
adicionais
Fase 2 da Implantação do ZERI
Busca criativa de valor agregado utilizando-se modelos de output-
input:
• Se o princípio anterior não puder ser conseguido, então, passa-se à
segunda fase, ou fase de análise da matriz “Produtos-Insumos”
• A atenção deve estar no estabelecimento de tabelas de saída ou
inventários detalhados de tudo o que resulta do processo de
fabricação de produtos acabados, incluindo os resíduos, emissões e
efluentes e o desperdício de energia
• Após, realizar discussões criativas com o propósito de imaginar como
usar essas saídas de forma efetiva
Fase 3 da Implantação do ZERI
Modelos de conglomerados industriais:
• A matriz Produto-Insumo oferece uma base para a identificação dos
conglomerados industriais
• Sobre a base do encadeamento de indústrias, as corporações
necessitam estabelecer novas sociedades entre organizações que
nunca antes tinham sido consideradas, tais como a Revlon
(cosméticos) e a Georgia Pacific (uma organização voltada para a
silvicultura); ou a Kikkoman (produtora de soja) e a Marubeni (criação
de peixes)
Fase 4 da Implantação do ZERI
Identificação de avanços tecnológicos:
• Esta fase visa identificar os avanços possíveis, necessários para alcançar o
sucesso
• Ou seja, deve-se identificar e solucionar os gargalos tecnológicos
• Algumas vezes, necessita-se fazer reengenharia dos processos e, em
outras, descobrir novas tecnologias
• Para tanto, deve-se estabelecer um programa de pesquisa para solucionar
as falhas de tal forma que a organização possa traduzir as conclusões das
matrizes “Produtos-Insumos” numa redução de custos, vendas e
estratégias competitivas para, assim, integrar a sustentabilidade e
preservar o ambiente natural
Fase 5 da Implantação do ZERI
Planejamento de políticas industriais:
• É o projeto de formulação de políticas
• A maioria das legislações não leva em conta as oportunidades que
decorrem das matrizes “Produtos-Insumos”
• Em decorrência disso, o processo de formulação de políticas
industriais deve ser repensado
Plano de Ação de Gunter Pauli
1. A indústria toma a iniciativa e empreende a reestruturação de seus
processos de produção, transformando-os em cadeias produtivas
ou conglomerados de indústrias com zero emissões
2. A indústria percebe que a grande melhora da produtividade das
matérias-primas é um avanço da redução de custos
Plano de Ação de Gunter Pauli
3. Os governos respondem instalando os primeiros parques industriais
com zero emissões, nos quais são combinados indústria,
agricultura, construção e lazer. Os empregos e o lazer estarão onde
estiverem as pessoas
4. Os formuladores de políticas reconsideram a democracia e o estado
de direito e deveres dos cidadãos, transformando-os em cidadãos
da rede. Os computadores e as telecomunicações adaptam-se às
pessoas; as pessoas não mais precisam adaptar-se às tecnologias
Plano de Ação de Gunter Pauli
5. As universidades empreendem um grande programa para
transformar seus programas unidimensionais em enfoques
interdisciplinares, que funcionam por meio de redes
6. Os educadores modificam seu enfoque de textos e aulas para um
aprendizado que utiliza todos os sentidos, conduzido pela imagem
visual, não unicamente pelo texto
Plano de Ação de Gunter Pauli
7. Os jovens e os inquietos são convocados para utilizar o maior e o
mais inexplorado recurso da sociedade: a criatividade
8. As forças militares convertem-se em vigias do ambiente natural e
protegem o que resta
Plano de Ação de Gunter Pauli
9. Pede-se aos pais e às mães que criem o melhor para seus filhos e
que aceitem que seu futuro não será parecido com o que eles
pensaram que o mundo seria
10. A diversidade é a base para a sociedade do Século XXI. A sociedade
é um buquê de flores, assim, existirá unidade na diversidade,
colocando fim a uma era de fusão indiscriminada e desordenada de
culturas
Plano de Ação de Gunter Pauli
11. Uma nova ética empresarial conduzirá a responsabilidade
corporativa na sociedade
12. A gerência inspirará suas operações na compreensão da imunologia
Emissão Zero - um novo conceito de gestão
Projetos de Emissão Zero
Taxis – Rio de Janeiro Data Center da IBM
Cidade de Melbourne na Austrália

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no BrasilAgricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
 
"Indicadores de Sustentabilidade"
"Indicadores de Sustentabilidade""Indicadores de Sustentabilidade"
"Indicadores de Sustentabilidade"
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
4 bimestre
4 bimestre4 bimestre
4 bimestre
 
As cidades sustentáveis
As cidades sustentáveisAs cidades sustentáveis
As cidades sustentáveis
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Agricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Economia circular
Economia circular Economia circular
Economia circular
 
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
 
Alimentos Orgânicos porque consumir?
Alimentos Orgânicos porque consumir?Alimentos Orgânicos porque consumir?
Alimentos Orgânicos porque consumir?
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
 
Direito agrário introdução
Direito agrário   introduçãoDireito agrário   introdução
Direito agrário introdução
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
Etica e cidadania
Etica e cidadaniaEtica e cidadania
Etica e cidadania
 
PRÁTICAS AGRÍCOLAS Sustentável
PRÁTICAS AGRÍCOLAS SustentávelPRÁTICAS AGRÍCOLAS Sustentável
PRÁTICAS AGRÍCOLAS Sustentável
 
Desmatamentos e queimadas
Desmatamentos e queimadasDesmatamentos e queimadas
Desmatamentos e queimadas
 
Slide coleta seletiva
Slide coleta seletivaSlide coleta seletiva
Slide coleta seletiva
 
Permacultura completo
Permacultura   completoPermacultura   completo
Permacultura completo
 
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de HábitosEducação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitos
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 

Semelhante a Gestão Ambiental 06 - emissão zero

Permacultura e emissao_zero
Permacultura e emissao_zeroPermacultura e emissao_zero
Permacultura e emissao_zeromilaborelli
 
Artigo gestão
Artigo gestãoArtigo gestão
Artigo gestãocatty27
 
Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...
Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...
Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...Paulo Ratinecas
 
Marketing verde versão final
Marketing verde versão finalMarketing verde versão final
Marketing verde versão finalLaura Martins
 
The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...
The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...
The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...Geraldo Eugenio
 
Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...
Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...
Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...FecomercioSP
 
Publicação residuos-solidos desafios-e-oportunidades
Publicação residuos-solidos desafios-e-oportunidadesPublicação residuos-solidos desafios-e-oportunidades
Publicação residuos-solidos desafios-e-oportunidadesFelipe Cabral
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresas
Política Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresasPolítica Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresas
Política Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresaskellribas
 
Economia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoes
Economia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoesEconomia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoes
Economia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoesSher Hamid
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...Fernando Alcoforado
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...Fernando Alcoforado
 
Workshop: Como Desenvolver seu Negócio Sustentável
 Workshop: Como Desenvolver seu Negócio Sustentável Workshop: Como Desenvolver seu Negócio Sustentável
Workshop: Como Desenvolver seu Negócio SustentávelHudson Mendonça
 
Fiemg simantob 20.10.11
Fiemg simantob 20.10.11Fiemg simantob 20.10.11
Fiemg simantob 20.10.11kleber.torres
 
Sustentabilidade e relacionamento com empresas - FIFE - NATAL/RN mar.2014
Sustentabilidade e relacionamento com empresas  -  FIFE - NATAL/RN mar.2014 Sustentabilidade e relacionamento com empresas  -  FIFE - NATAL/RN mar.2014
Sustentabilidade e relacionamento com empresas - FIFE - NATAL/RN mar.2014 Marcus Nakagawa
 

Semelhante a Gestão Ambiental 06 - emissão zero (20)

Permacultura e emissao_zero
Permacultura e emissao_zeroPermacultura e emissao_zero
Permacultura e emissao_zero
 
Artigo gestão
Artigo gestãoArtigo gestão
Artigo gestão
 
FIBOPs 27-07-10
FIBOPs 27-07-10FIBOPs 27-07-10
FIBOPs 27-07-10
 
Sustentabilidade - 3a Semana de Meio Ambiente do Infnet
Sustentabilidade - 3a Semana de Meio Ambiente do InfnetSustentabilidade - 3a Semana de Meio Ambiente do Infnet
Sustentabilidade - 3a Semana de Meio Ambiente do Infnet
 
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
 
Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...
Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...
Produtos do Instituto SustenPlást - invista no consumo consciente, educação a...
 
Marketing verde versão final
Marketing verde versão finalMarketing verde versão final
Marketing verde versão final
 
Economia Circular.pptx
Economia Circular.pptxEconomia Circular.pptx
Economia Circular.pptx
 
The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...
The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...
The Challenge of S&T institutions during complex business environments - GEui...
 
Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...
Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...
Debate Pequenas Empresas Brasileiras, 23/03/2011 - Apresentação de Miriam Dua...
 
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as EmpresasEmpresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
 
Publicação residuos-solidos desafios-e-oportunidades
Publicação residuos-solidos desafios-e-oportunidadesPublicação residuos-solidos desafios-e-oportunidades
Publicação residuos-solidos desafios-e-oportunidades
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresas
Política Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresasPolítica Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresas
Política Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e oportunidades para empresas
 
Economia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoes
Economia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoesEconomia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoes
Economia Circular no Agronegocio: conceitos e aplicacoes
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
 
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
A economia circular para evitar a exaustão dos recursos naturais do planeta t...
 
Alvaro oliveira - ENoLL
Alvaro oliveira - ENoLLAlvaro oliveira - ENoLL
Alvaro oliveira - ENoLL
 
Workshop: Como Desenvolver seu Negócio Sustentável
 Workshop: Como Desenvolver seu Negócio Sustentável Workshop: Como Desenvolver seu Negócio Sustentável
Workshop: Como Desenvolver seu Negócio Sustentável
 
Fiemg simantob 20.10.11
Fiemg simantob 20.10.11Fiemg simantob 20.10.11
Fiemg simantob 20.10.11
 
Sustentabilidade e relacionamento com empresas - FIFE - NATAL/RN mar.2014
Sustentabilidade e relacionamento com empresas  -  FIFE - NATAL/RN mar.2014 Sustentabilidade e relacionamento com empresas  -  FIFE - NATAL/RN mar.2014
Sustentabilidade e relacionamento com empresas - FIFE - NATAL/RN mar.2014
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidosMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambienteMilton Henrique do Couto Neto
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Milton Henrique do Couto Neto
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para ConcursosMilton Henrique do Couto Neto
 
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalDO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalMilton Henrique do Couto Neto
 
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do ConhecimentoDO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do ConhecimentoMilton Henrique do Couto Neto
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto (20)

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
 
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalDO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
 
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do ConhecimentoDO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
DO Unidade 1 - Teoria do Desenvolvimento Organizacional e Gestão do Conhecimento
 

Último

b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfRenandantas16
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxEduardoRodriguesOliv2
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...E-Commerce Brasil
 
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerPesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerMarina Evangelista
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...imostorept
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...E-Commerce Brasil
 

Último (7)

b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdfb2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
b2ee375d-671f-406c-8c60-df328a75e662.pdf
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos AcontecerPesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
Pesquisa de satisfação - Encontro Fazemos Acontecer
 
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
Imóvel do Banco, Apartamento T5 com Sótão; Bank Property, Apartment near Cent...
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 

Gestão Ambiental 06 - emissão zero

  • 1. Emissão Zero Prof. Milton Henrique miltonhcouto@gmail.com
  • 2. Histórico • O programa ZERI, acrônimo de Zero Emission Research & Initiatives, foi criado pelo empresário belga Gunter Pauli, na Universidade das Nações Unidas, UNU, em Tóquio, em 1994 • A partir de 1997 foi constituída a Fundação ZERI Mundial e, em 1998, a Fundação ZERI Brasil • Uma das ações mais significativas para o reconhecimento das atividades da Rede ZERI foi a sua participação na Expo 2000, com a construção do pavilhão de Bambu para demonstrar as potencialidades do uso desta planta na construção civil http://www.zeri.org.br/
  • 3. Histórico • O Programa ZERI propõe a organização dos processos de produção em cadeias produtivas não-poluentes • Ou seja, os processos produtivos devem emular o funcionamento da natureza, na qual nada se perde, pois o resíduo de um processo é o insumo de outro http://www.zeri.org.br/
  • 4. Histórico • Apresenta sugestões de como e o que as organizações podem oferecer à sociedade, visando, com isso, adaptá-las ao mundo moderno, pois ele aborda questões como a importância da união entre todos os agentes, o verdadeiro papel do mercado, como competir, as indústrias do próximo século, os empregos em uma economia sustentada e a futura ética empresarial http://www.zeri.org.br/
  • 5. Os Princípios e o Objetivo do Programa ZERI • Apresenta, uma visão para o mundo do futuro onde o padrão de produção será a “Emissão Zero”, significando que não existirão mais resíduos e a produção terá um processo cíclico, assemelhando-se a forma de funcionamento da natureza • Tendo essa visão como pano de fundo, ponderamos que a educação terá um papel preponderante, pois ela deve criar a base para a nova realidade
  • 6. Os Princípios e o Objetivo do Programa ZERI O papel será o de ensinar às crianças alguns fatos essenciais da vida, tais como: • que um ecossistema não produz resíduo, pois o resíduo de uma espécie serve de alimento para outra; • que a matéria movimenta-se em um ciclo infindável pela teia da vida; • que a energia impulsionadora desses ciclos ecológicos provém do sol; • que a multiplicidade garante a regeneração; e • que a vida, desde o começo, há mais de três milhões de anos, conquistou o planeta não por meio de lutas, mas sim pela cooperação, parceria e trabalho em teias.
  • 7. Os Princípios e o Objetivo do Programa ZERI São definidos como objetivos do conceito de Emissão Zero: • Nenhum resíduo líquido, gasoso ou sólido; • Todos os inputs são utilizados na produção; e • Quando ocorre resíduo, ele é utilizado por outras indústrias na criação de valor agregado
  • 8. O caso do Papel • Cloro – dioxina derivado do cloro • Indústria americana investiu milhões de dólares para reduzir • Não atingiu a meta de emissão zero • Em 1989 produtores suecos e finlandeses produzem papel TLC – Totalmente Livre de Cloro • Em 1991 esse o papel TLC é introduzido na Europa com sobre preço de 20% • Avassaladora reação positiva dos consumidores • Produtores dos EUA foram eliminados do mercado alemão
  • 9. O que se aprendeu com o Caso do Papel? • Nenhum governo impôs a emissão zero • A indústria enxergou a oportunidade de mercado • Oportunidade para pequenas e médias organizações • Compromisso com o ambiente natural e superar as fraquezas das organizações maiores
  • 10. Para ser Competitivo no Mercado • Centrar nas emissões zero; • Maximizar a produtividade das matérias-primas; • Buscar soluções corretivas constantemente; • Dar prioridade alta às considerações sociais e éticas; e • Conseguir uma qualidade perfeita e satisfação total do cliente, incluindo a preferência dos consumidores pela justiça social e pelos valores éticos
  • 11. Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS) Cultura do Arroz Irrigado Palha (resíduo agrícola sem valor econômico)
  • 12. Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS) Cultura do Arroz Irrigado Palha (resíduo agrícola sem valor econômico) Fungo
  • 13. Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS) Cultura do Arroz Irrigado Palha (resíduo agrícola sem valor econômico) Fungo Produção de Cogumelos
  • 14. Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS) Cultura do Arroz Irrigado Palha (resíduo agrícola sem valor econômico) Fungo Produção de Cogumelos • Comestíveis • Nutricêuticos
  • 15. Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS) Cultura do Arroz Irrigado Palha (resíduo agrícola sem valor econômico) Fungo Produção de Cogumelos • Comestíveis • Nutricêuticos Ainda, a palha pode ser utilizada para a construção de residências, numa técnica milenar e que oferece bons resultados, especialmente no que tange a leveza da estrutura quanto ao conforto térmico, entre outras vantagens
  • 16. Caso Brasileiro – Santa Vitória do Palmar (RS) Cultura do Arroz Irrigado Grande Volume de Água Rizipiscicultura cultivo do arroz associado à criação de peixes, que pode levar a um aumento de até 50% na rentabilidade por hectare
  • 17. Os 5 Reinos da Natureza Conceito inovador de que a melhor performance de um sistema produtivo natural ocorre quando se utiliza, de forma combinada e harmônica, os cinco reinos da natureza: • o animal, • o vegetal, • os fungos, • as algas e • as bactérias
  • 18. Fase 1 da Implantação do ZERI Modelos de aproveitamento total ao se utilizar a tabela de input- output: • Refere-se à busca do rendimento total, para verificar se há possibilidades de usar completamente os produtos no processo de fabricação para que não produzam nenhum resíduo • A única indústria que talvez responda a esse princípio é a indústria de cimento, em que todos os insumos materiais podem ser agregados ao produto final • Nesta fase, os produtos fabricados devem ser reintegrados facilmente ao ecossistema sem processo, energia, transporte ou custos adicionais
  • 19. Fase 2 da Implantação do ZERI Busca criativa de valor agregado utilizando-se modelos de output- input: • Se o princípio anterior não puder ser conseguido, então, passa-se à segunda fase, ou fase de análise da matriz “Produtos-Insumos” • A atenção deve estar no estabelecimento de tabelas de saída ou inventários detalhados de tudo o que resulta do processo de fabricação de produtos acabados, incluindo os resíduos, emissões e efluentes e o desperdício de energia • Após, realizar discussões criativas com o propósito de imaginar como usar essas saídas de forma efetiva
  • 20. Fase 3 da Implantação do ZERI Modelos de conglomerados industriais: • A matriz Produto-Insumo oferece uma base para a identificação dos conglomerados industriais • Sobre a base do encadeamento de indústrias, as corporações necessitam estabelecer novas sociedades entre organizações que nunca antes tinham sido consideradas, tais como a Revlon (cosméticos) e a Georgia Pacific (uma organização voltada para a silvicultura); ou a Kikkoman (produtora de soja) e a Marubeni (criação de peixes)
  • 21. Fase 4 da Implantação do ZERI Identificação de avanços tecnológicos: • Esta fase visa identificar os avanços possíveis, necessários para alcançar o sucesso • Ou seja, deve-se identificar e solucionar os gargalos tecnológicos • Algumas vezes, necessita-se fazer reengenharia dos processos e, em outras, descobrir novas tecnologias • Para tanto, deve-se estabelecer um programa de pesquisa para solucionar as falhas de tal forma que a organização possa traduzir as conclusões das matrizes “Produtos-Insumos” numa redução de custos, vendas e estratégias competitivas para, assim, integrar a sustentabilidade e preservar o ambiente natural
  • 22. Fase 5 da Implantação do ZERI Planejamento de políticas industriais: • É o projeto de formulação de políticas • A maioria das legislações não leva em conta as oportunidades que decorrem das matrizes “Produtos-Insumos” • Em decorrência disso, o processo de formulação de políticas industriais deve ser repensado
  • 23. Plano de Ação de Gunter Pauli 1. A indústria toma a iniciativa e empreende a reestruturação de seus processos de produção, transformando-os em cadeias produtivas ou conglomerados de indústrias com zero emissões 2. A indústria percebe que a grande melhora da produtividade das matérias-primas é um avanço da redução de custos
  • 24. Plano de Ação de Gunter Pauli 3. Os governos respondem instalando os primeiros parques industriais com zero emissões, nos quais são combinados indústria, agricultura, construção e lazer. Os empregos e o lazer estarão onde estiverem as pessoas 4. Os formuladores de políticas reconsideram a democracia e o estado de direito e deveres dos cidadãos, transformando-os em cidadãos da rede. Os computadores e as telecomunicações adaptam-se às pessoas; as pessoas não mais precisam adaptar-se às tecnologias
  • 25. Plano de Ação de Gunter Pauli 5. As universidades empreendem um grande programa para transformar seus programas unidimensionais em enfoques interdisciplinares, que funcionam por meio de redes 6. Os educadores modificam seu enfoque de textos e aulas para um aprendizado que utiliza todos os sentidos, conduzido pela imagem visual, não unicamente pelo texto
  • 26. Plano de Ação de Gunter Pauli 7. Os jovens e os inquietos são convocados para utilizar o maior e o mais inexplorado recurso da sociedade: a criatividade 8. As forças militares convertem-se em vigias do ambiente natural e protegem o que resta
  • 27. Plano de Ação de Gunter Pauli 9. Pede-se aos pais e às mães que criem o melhor para seus filhos e que aceitem que seu futuro não será parecido com o que eles pensaram que o mundo seria 10. A diversidade é a base para a sociedade do Século XXI. A sociedade é um buquê de flores, assim, existirá unidade na diversidade, colocando fim a uma era de fusão indiscriminada e desordenada de culturas
  • 28. Plano de Ação de Gunter Pauli 11. Uma nova ética empresarial conduzirá a responsabilidade corporativa na sociedade 12. A gerência inspirará suas operações na compreensão da imunologia
  • 29. Emissão Zero - um novo conceito de gestão
  • 30. Projetos de Emissão Zero Taxis – Rio de Janeiro Data Center da IBM Cidade de Melbourne na Austrália