SlideShare uma empresa Scribd logo
O EXPANSIONISMO
EUROPEU
Cartografia antes dos Descobrimentos
• Desconhecia-se a existência do da
América e da Oceânia;
• Pensava-se não haver passagem entre o
Atlântico e o Índico;
• África e Ásia eram representadas com
grandes imperfeições;
• A zona melhor representada era o
Mediterrâneo.
Mapa ptolemaico (séc. XV), elaborado com base nos conhecimentos de
Ptolomeu, grego do séc. II
– Seres com aparência de cão
mas com cabeça humana (os
cinântropos) ou o seu inverso
(os cinocéfalos)
– Seres de quatro olhos (os
parvines)…
– Seres de um só pé gigantesco,
para se protegerem do sol e
que atingiam velocidades
fantásticas (os monópodos)…
- Humanos sem cabeça, com olhos e
boca na altura do peito (os blemeyes).
Outros mitos
• A região equatorial era tão quente que a água do mar fervia;
• Quem navegasse para o interior do Atlântico cairia no abismo;
• Nos desertos acreditava-se existirem demónios em forma de mulher, com
cabeça de dragão nas pontas dos pés e que, belas como as sereias,
atraiam os viajantes para o deserto, onde os devoravam…
O século XV: uma nova época
• Recuperação demográfica,
• Surto urbano,
• Reorganização dos campos,
• Reanimação das rotas terrestres e incremento das rotas marítimas,
• Desenvolvimento das práticas financeiras,
• Ascensão da Burguesia,
• Renovação cultural,
• Tendência de centralização do poder,
• Inovações técnicas e científicas…
Motivos da expansão marítima
• Ultrapassar a crise do século XIV;
• Fazer face à falta de mão de obra;
• Fazer face à falta de cereais;
• Fazer face à falta de metais preciosos.
• Acercar diretamente as riquezas orientais (que chegavam à Europa por
intermédio dos muçulmanos pelas rotas caravaneiras).
• Os reis procuravam também novas terras para expandir a fé cristã e novas
tecnologias que pudessem utilizar para seu proveito.
Motivações da sociedade portuguesa
• Clero
• Alargamento da fé cristã / enfraquecimento dos muçulmanos.
• Nobreza
• Novos domínios territoriais.
• Novos cargos militares e administrativos.
• Burguesia
• Procura de novos produtos para comércio
e de novos mercados.
• Populares
• Melhoria das condições de vida.
Condições da prioridade portuguesa
• Condições geográficas:
• Perto da costa de África e dos territórios a descobrir;
• Longa costa marítima (845 Km);
• Bons portos marítimos e fluviais.
Condições da prioridade portuguesa
• Históricas
• Tradição piscatória;
• Forte atividade comercial;
• Contatos com muçulmanos e judeus (conhecedores de técnicas de
navegação e conhecimentos náuticos).
• Políticas
• Clima de paz;
• Nova dinastia (que governa com uma nobreza renovada).
Contributo português
• Nos séculos XV e XVI, os descobrimentos
marítimos proporcionaram a Portugal um
desenvolvimento dos saberes técnicos e
científicos.
• A inovação nas técnicas náuticas e na
representação cartográfica da Terra, bem
como pela observação e descrição da
Natureza, permitiram que Portugal
contribuísse para o alargamento do
conhecimento do Mundo.
Descobertas marítimas
1415: Conquista de Ceuta. Uma esquadra portuguesa de 250 navios com 12.000 homens
toma de assalto a cidade de Ceuta; esta data marca o início da expansão portuguesa do
Século XV.
1418 – João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira desembarcam na ilha do Porto Santo
1419- João Gonçalves Zarco e Bartolomeu Perestrelo descobrem a ilha da Madeira.
1427 – Diogo de Silves descobre o grupo oriental dos Açores
1434 - Cabo Bojador.
1488 - Cabo da Boa Esperança.
Í1498 – Índia.
1500 – Brasil.
1512 - António de Abreu descobre a ilha de Timor
Progressos técnicos
Ampulheta
Esfera Armilar
Bússola
A tábua quadrienal de
declinação solar
Progressos
Progressos
Navegação
• Navegação por cabotagem: navegação entre portos marítimos, sem
perder a costa de vista.
• Instrumentos náuticos necessários à navegação astronómica:
• Astrolábio;
• Quadrante;
• Balestilha;
• Kamal
Bússola ou “agulha de marear”
Instrumentos para saber a posição
do navio (latitude)
Instrumento para determinar o
rumo a tomar
Navegação
As caravelas permitiam navegar com ventos adversos e foram usadas sobretudo em viagens de
exploração na costa africana. As naus tinham muita capacidade de transporte e faziam as viagens
de comércio ao Oriente.
Caravela Nau
A Expansão – período henriquino
• Conquista de Ceuta (1415), cidade escolhida pela sua: localização
geográfica e pela sua localização estratégica:
• localiza-se estrategicamente à entrada
do mar mediterrâneo;
• era um importante entreposto comercial,
que escoava para a Europa produtos como:
ouro, especiarias, escravos e trigo.
• As especiarias vinham do Oriente através
das caravanas de mercadores muçulmanos.
A Expansão – período henriquino
• Viagens marítimas de descoberta da Costa Africana (1434 – Gil Eanes dobra
o Cabo Bojador; 1441, Nuno Tristão chega ao Cabo Branco e em 1460 Diogo
Gomes atinge a Serra Leoa).
• Reconhecimento e exploração dos recursos naturais dos arquipélagos
atlânticos.
• Colonização dos arquipélagos atlânticos, sob o regime de capitanias-
donatárias.
• Sistema de monopólio atribuído ao Infante D. Henrique (é ele quem controla o
comércio).
Capitanias-donatarias
• O rei recorre a elementos da pequena nobreza para
administrar e explorar economicamente os novos territórios
ultramarinos.
• São concedidos aos capitães-donatários amplos poderes
administrativos, judiciais e fiscais:
 aplicam a justiça;
 cobram rendas e impostos aos colonos;
 administram e defendem o território.
Sistema adotado na colonização da Madeira, dos
Açores, de Cabo Verde, de S. Tomé e Príncipe e do Brasil
A exploração dos arquipélagos
Açores: cidade de Angra na ilha Terceira,
gravura de Jan Huygen van Linschoten, 1595.Madeira: divisão em capitanias.
A Expansão – período de D. Afonso V
• Retorno à política de conquista das cidades marroquinas (Arzila, Alcácer-
Ceguer e Tânger).
• No litoral africano criam-se feitorias: de Arguim e S. Jorge da Mina,
importantes postos de ligação entre Portugal e África.
• Relações amistosas com os reis africanos.
• Comércio de escravos, ouro, marfim, malagueta, peixe... (trocadas por sal,
tecidos e objectos variados).
• Entrega da expansão a particulares (arrendamento da costa africana a
Fernão Gomes), com a condição de continuarem as descobertas na costa
africana. Fim do monopólio régio.
A Expansão – período de D. João II
• O comércio colonial torna-se definitivamente monopólio da coroa.
• Continuam as descobertas africanas (em 1488 Bartolomeu Dias dobra o Cabo
das Tormentas, que passa a designar-se por Cabo da Boa Esperança).
• Assinatura do Tratado de Alcáçovas, que divide o mundo pelo paralelo das
Canárias (a sul ficariam as terras portuguesas).
• Cristovão Colombo descobre as Antilhas, ao serviço de Castela.
• Assinatura do Tratado de Tordesilhas (o mundo é dividido por um meridiano
em duas partes, a Oriente para Portugal, a Ocidente para Castela).
• Verifica-se uma verdadeira diáspora portuguesa.
Tratado de Alcáçovas (1497)
Disputa pela
posse das
Canárias.
Portugal e Castela
dividem o mundo
pelo paralelo do
Tratado das
Alcáçovas
Tentativas dos
castelhanos
fazerem
comércio na
costa africana.
1.ª viagem de Cristóvão Colombo,
ao serviço dos reis de Castela,
1492.
Tratado de Alcáçovas (1497)
Tratado de Tordesilhas
LinhadeTordesilhas–1494
Linha de Alcáçovas-Toledo
1479
PropostadopapaAlexandreVI–
1493
Zona de expansão portuguesaZona de expansão espanhola
A alteração da proposta do Papa pedida por D. João II leva os historiadores a supor que o rei já
sabia, secretamente, da existência do Brasil e queria incluí-lo na sua área de influência.
Zona de expan-
são espanhola
O Mare Clausum
• Dá-se este nome ao princípio
pelo qual a navegação nos mares
desconhecidos e a descoberta
de novos territórios ficava
proibida à maioria dos povos.
Mare clausum
• O Papa, autoridade internacional
máxima da Europa, concedeu a
Portugal e Castela a exclusividade de
navegação em mares desconhecidos
e o direito às terras por descobrir.
• Os tratados de Alcáçovas-Toledo e de
Tordesilhas estabeleceram esse
direito aos dois países.
Quem decidiu?
De que modo o fez?
• Portugal e Castela.
Quais os
beneficiários dessa
política?
D. João II
Isabel de Castela e
Fernando de Aragão
A Expansão – período de D. Manuel I
• Vasco da Gama descobre o caminho marítimo para a Índia.
• Pedro Alvares Cabral (re)descobre o Brasil.
• O Oriente é controlado politicamente graças à criação do cargo de vice-rei (D.
Francisco de Almeida e D. Afonso de Albuquerque).
• O rei D. Manuel funda o mais importante entreposto português de controle
comercial régio: a Casa da Índia.
• Goa torna-se a sede da administração no Oriente.
• Funda-se uma feitoria em Antuérpia, de onde os
produtos são distribuídos para toda a Europa.
A Expansão – período de D. Manuel I
A chegada à Índia
A Expansão – período de D. Manuel I
Domínio do Oriente
-1505-1509 - Francisco de Almeida: entendia que a
força de Portugal devia assentar numa forte esquadra
e no domínio de importantes rotas do Índico (domínio
dos mares). Manteve permanentemente uma frota no
Oceano Índico e estabeleceu o sistema de licenças
pagas (cartazes) para todos os navios mercantes que
não fossem portugueses. Era a política do Mare
Clausum.
A Expansão – período de D. Manuel I
Domínio do Oriente
-1509-1515 - Afonso de Albuquerque: defendia a
existência de uma armada poderosa, mas também a
conquista de praças importantes. Assim, procura
dominar pontos estratégicos em terra: Goa; Ormuz e
Malaca. A política deste vice-rei é de concretização da
conquista. Para isso leva a cabo uma acção de
miscigenação (casamento entre portugueses e
indianas).
A Expansão – período de D. João III
A exploração do Brasil
1ª FASE: entre 1503 e 1530. Regime de arrendamentos a cristãos-novos que exploram
essencialmente o pau-brasil. A exploração foi entregue a um grupo de burgueses, onde se
destacava Fernão de Noronha, que - em troca do comércio do pau-brasil, madeira que
abundava nas terras brasileiras - se comprometeu a desbravar 300 léguas da costa por
ano.
2ª FASE: entre 1530 e 1548. A decadência do comércio oriental, a lucrativa exploração de
pau-brasil e os ataques da pirataria francesa ao território levaram D. João III, em 1534, a
implantar o sistema de capitanias. Assim, este monarca dividiu o território brasileiro em
várias faixas paralelas, entregando-as a 12 capitães-donatários, com amplos poderes
sobre os territórios (excepção feita à cunhagem de moeda).
A Expansão – período de D. João III
A exploração do Brasil
3ª FASE: a partir de 1548. Descoberta do tabaco. Governo Geral entregue a um
Representante Real. Tomé de Sousa tornou-se, então, o primeiro governador-geral do
Brasil.
O Brasil conheceu um rápido desenvolvimento: milhares de colonos e muitos
missionários, servindo-se de índios, mestiços e escravos africanos, arrotearam terras,
expandiram culturas agrícolas (em particular a cana-de-açúcar), fundaram povoações e
divulgaram a fé cristã. Entre os missionários, merecem destaque os jesuítas.
O tabaco torna-se moeda de troca para a compra dos escravos. A partir de 1642 a
exploração desta cultura passa a ser livre. Em 1674 D. Pedro, por necessidades do erário
régio, lança um imposto sobre o consumo do tabaco, em princípio por seis anos, mas que
se torna definitivo.
A organização dos espaços coloniais
• A partir da conquista
de Ceuta, Portugal
torna-se cabeça de
um vasto império
diferente de todos os
que tinham existido
até então.
• Na costa ocidental de
África são fundadas
feitorias apoiadas
por fortalezas.
Produtos transacionados em África
Objetivo principal
dos Portugueses em
África: fazer
comércio.
Produtos:
Levados para África
Trazidos de África
Ouro
Objetos
de
adorno
Tecidos
Marfim
Malagueta
Sal
TrigoEscravos
A organização dos espaços coloniais
• Nos arquipélagos atlânticos, a colonização foi realizada segundo um
sistema de Capitanias- Donatárias, o mesmo acontecendo com o
Brasil.
Fundação de S. Vicente, S. Paulo, em 1532.
A organização dos espaços coloniais
• Na Índia e Extremo-Oriente, geram-se formas de domínio estabelecidas
através de uma intrincada rede de feitorias, vigilância dos mares e
criação do posto de Vice-Rei.
Produtos transacionados no Oriente
Objetivo principal
dos Portugueses no
Oriente: obter o
monopólio do
comércio no Índico
Sedas Porcelana
s
Noz
moscada
CanelaCravinho
Moeda
Produtos:
Levados para o Oriente
Trazidos do Oriente
PimentaPedras
preciosas
O império espanhol
Machu Picchu
Incas
Templo de Jaguar,
ruínas maias de Tikal,
Guatemala
Maias
Hérnan Cortez chega às terras de Vera Cruz, mural
de Diego Rivera
Astecas
• Conquista rápida,
• Conquista violenta dos povos e destruição das civilizações,
• Exploração mineira (prata).
O império espanhol
Consequências da expansão:
abertura das rotas comerciais
•O Atlântico substitui o Mediterrâneo.
•Lisboa e Sevilha são os grandes portos do comércio além-mar.
•As artérias de circulação ou rotas do comércio marítimo português até 1490 são:
•A Rota da Costa Africana - Guiné e Mina, englobando os arquipélagos atlânticos.
•A Rota do Atlântico Norte - de Lisboa à Flandres e Norte da Europa - centrada na
feitoria de Bruges.
•O séc. XVI abrange novos espaços e novas rotas:
•A Rota do Atlântico Nordeste - a Terra Nova - representa o espaço da pesca do
Bacalhau que será daqui por diante o complemento indispensável da alimentação.
Consequências:
abertura das rotas comerciais
•A Rota do Atlântico Central e Sul - Brasil - a rota do pau-brasil, do açúcar e do
tabaco.
•A Rota do Cabo ou das Especiarias - que liga o Ocidente ao Oriente. Com este
traçado, Portugal substitui os Italianos no tráfico das especiarias, no mercado
europeu.
•A rota de Manila – que liga Acapulco a Manila (rota espanhola).
Consequências: económicas
• Desenvolve-se o comércio, que passa a ser à escala mundial (e designado
como comércio triangular).
• O desenvolvimento do comércio diminui a produção interna do reino.
• A agricultura é abandonada e o artesanato é quase inexistente.
• O rei é o principal empresário colonial.
• Desenvolve-se a Economia de Transporte ou Política de Transporte.
Consequências
• No quotidiano:
• Introduzem-se novos hábitos na
culinária – uso das especiarias.
• Introduzem-se novas culturas
como o ananás, o milho grosso,
o cacau, a batata...
• Generaliza-se o uso do tabaco.
• Transformações ao nível do
vestuário.
• A nível social e demográfico:
•Reforço do poder do rei.
•A Burguesia ascende na escala social.
•Expansão do Cristianismo.
•O tráfico negreiro (de escravos) aumenta.
•Aumenta a emigração para as novas áreas
•Desenvolve-se a política de miscigenação
(casamento entre colonizadores e entre
colonizados).
Consequências: culturais
• As línguas europeias espalham-se por todo o mundo.
• Desenvolvem-se as ciências e a técnica: Medicina, Ciências Naturais, Náutica...
• Conhece-se a verdadeira forma do globo terrestre e terminam as fábulas e
lendas.
• O saber livresco (característico da Idade Média) é substituído pelo valor da
observação e da experiência – surge o Renascimento.
• A arte passa a ser uma mistura da arte europeia com elementos indígenas (em
Portugal surge o Manuelino, arte típica dos descobrimentos).
Multiculturalismo
Aculturação e
assimilação
Nova organização
social e
económica
Mestiçagem
Difusão das
línguas portuguesa
e castelhana
Missionação –
difusão do
catolicismo
Divulgação de
técnicas e
artes
Ouro Preto (Brasil) –
arquitetura colonial.
Contador indo- -
português, séc. XVII.
Pregação do Padre António Vieira
aos índios do Brasil.
Expansão da religião
• Intolerância: perseguição
aos não cristãos, com
destaque para os judeus
Imposição do
catolicismo
• Averiguação e tortura de
suspeitos de desrespeitar
as normas católicas
Tribunal do
Santo Ofício
(Inquisição)
• Nos autos de fé eram
exibidos publicamente os
condenados. Os que não
mostravam arrependimento
podiam ser queimados em
fogueiras.
Realização
de
cerimónias
públicas de
condenação
Muitos abandonaram Portugal
e Espanha, contribuindo para
o desenvolvimento de outros
países.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
Becre Celorico de Basto
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo Europeu
Carlos Vieira
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
Carla Freitas
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Cátia Botelho
 
Exploração da costa africana
Exploração da costa africanaExploração da costa africana
Exploração da costa africana
Maria Gomes
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
Rainha Maga
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
cattonia
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Carlos Vieira
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
Carla Freitas
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
cattonia
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
Portugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundialPortugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundial
Susana Simões
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .AliceAs comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
alicebernardo
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo Europeu
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
 
Exploração da costa africana
Exploração da costa africanaExploração da costa africana
Exploração da costa africana
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
Portugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundialPortugal na 1ª guerra mundial
Portugal na 1ª guerra mundial
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
 
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .AliceAs comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 

Destaque

Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
Niela Tuani
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
Maria Gomes
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Beth Paes
 
Slide shire
Slide shireSlide shire
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
victorjunio82
 
Flp regulamento 2015
Flp regulamento 2015Flp regulamento 2015
Flp regulamento 2015
Risoleta Montez
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
Edenilson Morais
 
Afonso Henriques, o Conquistador
Afonso Henriques, o ConquistadorAfonso Henriques, o Conquistador
Afonso Henriques, o Conquistador
Jorge Almeida
 
D Afonso Henriques
D Afonso Henriques   D Afonso Henriques
D Afonso Henriques
BibEscolar Ninho Dos Livros
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
Carla Teixeira
 
Biografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriquesBiografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriques
20014
 
Da UniãO Ibérica a D. João V
Da UniãO Ibérica a D. João VDa UniãO Ibérica a D. João V
Da UniãO Ibérica a D. João V
Sandra Sousa
 
Apontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º AnoApontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º Ano
turma8bjoaofranco
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
Maria Gomes
 
Badminton
BadmintonBadminton
Badminton
dnebsm
 
Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações
baianinhohistoriador
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
cruchinho
 

Destaque (20)

Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
 
Slide shire
Slide shireSlide shire
Slide shire
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
Flp regulamento 2015
Flp regulamento 2015Flp regulamento 2015
Flp regulamento 2015
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
 
Afonso Henriques, o Conquistador
Afonso Henriques, o ConquistadorAfonso Henriques, o Conquistador
Afonso Henriques, o Conquistador
 
D Afonso Henriques
D Afonso Henriques   D Afonso Henriques
D Afonso Henriques
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
Biografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriquesBiografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriques
 
Da UniãO Ibérica a D. João V
Da UniãO Ibérica a D. João VDa UniãO Ibérica a D. João V
Da UniãO Ibérica a D. João V
 
Apontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º AnoApontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º Ano
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
 
Badminton
BadmintonBadminton
Badminton
 
Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
 

Semelhante a A Expansão marítima

O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Professora Natália de Oliveira
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
Nilton Sá
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
A expansao portuguesa
A expansao portuguesaA expansao portuguesa
A expansao portuguesa
josepinho
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
Álvaro Maurício
 
A Expansão Portuguesa
A Expansão Portuguesa A Expansão Portuguesa
A Expansão Portuguesa
Ministério da Educação
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
Reginaldo Teixeira Teixeira
 
167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil
167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil
167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil
cristianoperinpissolato
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
Henrique Tobal Jr.
 
Navegações portuguesas
Navegações portuguesasNavegações portuguesas
Navegações portuguesas
LuizRobertodosSantos
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa
R C
 
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
DanielaPereira423586
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
danielafirmino3
 
Plano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmpPlano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmp
Péricles Penuel
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
131121
 
Grandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoesGrandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoes
Dismael Sagás
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
Henrique Tobal Jr.
 

Semelhante a A Expansão marítima (20)

O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
A expansao portuguesa
A expansao portuguesaA expansao portuguesa
A expansao portuguesa
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
A Expansão Portuguesa
A Expansão Portuguesa A Expansão Portuguesa
A Expansão Portuguesa
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil
167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil
167 a expansão maritima portuguesa e descobrimento do brasil
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
 
Navegações portuguesas
Navegações portuguesasNavegações portuguesas
Navegações portuguesas
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa
 
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
 
Plano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmpPlano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmp
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
 
Grandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoesGrandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoes
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
cattonia
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
 

A Expansão marítima

  • 2. Cartografia antes dos Descobrimentos • Desconhecia-se a existência do da América e da Oceânia; • Pensava-se não haver passagem entre o Atlântico e o Índico; • África e Ásia eram representadas com grandes imperfeições; • A zona melhor representada era o Mediterrâneo. Mapa ptolemaico (séc. XV), elaborado com base nos conhecimentos de Ptolomeu, grego do séc. II
  • 3. – Seres com aparência de cão mas com cabeça humana (os cinântropos) ou o seu inverso (os cinocéfalos) – Seres de quatro olhos (os parvines)… – Seres de um só pé gigantesco, para se protegerem do sol e que atingiam velocidades fantásticas (os monópodos)… - Humanos sem cabeça, com olhos e boca na altura do peito (os blemeyes).
  • 4. Outros mitos • A região equatorial era tão quente que a água do mar fervia; • Quem navegasse para o interior do Atlântico cairia no abismo; • Nos desertos acreditava-se existirem demónios em forma de mulher, com cabeça de dragão nas pontas dos pés e que, belas como as sereias, atraiam os viajantes para o deserto, onde os devoravam…
  • 5. O século XV: uma nova época • Recuperação demográfica, • Surto urbano, • Reorganização dos campos, • Reanimação das rotas terrestres e incremento das rotas marítimas, • Desenvolvimento das práticas financeiras, • Ascensão da Burguesia, • Renovação cultural, • Tendência de centralização do poder, • Inovações técnicas e científicas…
  • 6. Motivos da expansão marítima • Ultrapassar a crise do século XIV; • Fazer face à falta de mão de obra; • Fazer face à falta de cereais; • Fazer face à falta de metais preciosos. • Acercar diretamente as riquezas orientais (que chegavam à Europa por intermédio dos muçulmanos pelas rotas caravaneiras). • Os reis procuravam também novas terras para expandir a fé cristã e novas tecnologias que pudessem utilizar para seu proveito.
  • 7. Motivações da sociedade portuguesa • Clero • Alargamento da fé cristã / enfraquecimento dos muçulmanos. • Nobreza • Novos domínios territoriais. • Novos cargos militares e administrativos. • Burguesia • Procura de novos produtos para comércio e de novos mercados. • Populares • Melhoria das condições de vida.
  • 8. Condições da prioridade portuguesa • Condições geográficas: • Perto da costa de África e dos territórios a descobrir; • Longa costa marítima (845 Km); • Bons portos marítimos e fluviais.
  • 9. Condições da prioridade portuguesa • Históricas • Tradição piscatória; • Forte atividade comercial; • Contatos com muçulmanos e judeus (conhecedores de técnicas de navegação e conhecimentos náuticos). • Políticas • Clima de paz; • Nova dinastia (que governa com uma nobreza renovada).
  • 10. Contributo português • Nos séculos XV e XVI, os descobrimentos marítimos proporcionaram a Portugal um desenvolvimento dos saberes técnicos e científicos. • A inovação nas técnicas náuticas e na representação cartográfica da Terra, bem como pela observação e descrição da Natureza, permitiram que Portugal contribuísse para o alargamento do conhecimento do Mundo.
  • 11. Descobertas marítimas 1415: Conquista de Ceuta. Uma esquadra portuguesa de 250 navios com 12.000 homens toma de assalto a cidade de Ceuta; esta data marca o início da expansão portuguesa do Século XV. 1418 – João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira desembarcam na ilha do Porto Santo 1419- João Gonçalves Zarco e Bartolomeu Perestrelo descobrem a ilha da Madeira. 1427 – Diogo de Silves descobre o grupo oriental dos Açores 1434 - Cabo Bojador. 1488 - Cabo da Boa Esperança. Í1498 – Índia. 1500 – Brasil. 1512 - António de Abreu descobre a ilha de Timor
  • 12. Progressos técnicos Ampulheta Esfera Armilar Bússola A tábua quadrienal de declinação solar
  • 15. Navegação • Navegação por cabotagem: navegação entre portos marítimos, sem perder a costa de vista. • Instrumentos náuticos necessários à navegação astronómica: • Astrolábio; • Quadrante; • Balestilha; • Kamal Bússola ou “agulha de marear” Instrumentos para saber a posição do navio (latitude) Instrumento para determinar o rumo a tomar
  • 16. Navegação As caravelas permitiam navegar com ventos adversos e foram usadas sobretudo em viagens de exploração na costa africana. As naus tinham muita capacidade de transporte e faziam as viagens de comércio ao Oriente. Caravela Nau
  • 17. A Expansão – período henriquino • Conquista de Ceuta (1415), cidade escolhida pela sua: localização geográfica e pela sua localização estratégica: • localiza-se estrategicamente à entrada do mar mediterrâneo; • era um importante entreposto comercial, que escoava para a Europa produtos como: ouro, especiarias, escravos e trigo. • As especiarias vinham do Oriente através das caravanas de mercadores muçulmanos.
  • 18. A Expansão – período henriquino • Viagens marítimas de descoberta da Costa Africana (1434 – Gil Eanes dobra o Cabo Bojador; 1441, Nuno Tristão chega ao Cabo Branco e em 1460 Diogo Gomes atinge a Serra Leoa). • Reconhecimento e exploração dos recursos naturais dos arquipélagos atlânticos. • Colonização dos arquipélagos atlânticos, sob o regime de capitanias- donatárias. • Sistema de monopólio atribuído ao Infante D. Henrique (é ele quem controla o comércio).
  • 19. Capitanias-donatarias • O rei recorre a elementos da pequena nobreza para administrar e explorar economicamente os novos territórios ultramarinos. • São concedidos aos capitães-donatários amplos poderes administrativos, judiciais e fiscais:  aplicam a justiça;  cobram rendas e impostos aos colonos;  administram e defendem o território. Sistema adotado na colonização da Madeira, dos Açores, de Cabo Verde, de S. Tomé e Príncipe e do Brasil
  • 20. A exploração dos arquipélagos Açores: cidade de Angra na ilha Terceira, gravura de Jan Huygen van Linschoten, 1595.Madeira: divisão em capitanias.
  • 21. A Expansão – período de D. Afonso V • Retorno à política de conquista das cidades marroquinas (Arzila, Alcácer- Ceguer e Tânger). • No litoral africano criam-se feitorias: de Arguim e S. Jorge da Mina, importantes postos de ligação entre Portugal e África. • Relações amistosas com os reis africanos. • Comércio de escravos, ouro, marfim, malagueta, peixe... (trocadas por sal, tecidos e objectos variados). • Entrega da expansão a particulares (arrendamento da costa africana a Fernão Gomes), com a condição de continuarem as descobertas na costa africana. Fim do monopólio régio.
  • 22. A Expansão – período de D. João II • O comércio colonial torna-se definitivamente monopólio da coroa. • Continuam as descobertas africanas (em 1488 Bartolomeu Dias dobra o Cabo das Tormentas, que passa a designar-se por Cabo da Boa Esperança). • Assinatura do Tratado de Alcáçovas, que divide o mundo pelo paralelo das Canárias (a sul ficariam as terras portuguesas). • Cristovão Colombo descobre as Antilhas, ao serviço de Castela. • Assinatura do Tratado de Tordesilhas (o mundo é dividido por um meridiano em duas partes, a Oriente para Portugal, a Ocidente para Castela). • Verifica-se uma verdadeira diáspora portuguesa.
  • 23. Tratado de Alcáçovas (1497) Disputa pela posse das Canárias. Portugal e Castela dividem o mundo pelo paralelo do Tratado das Alcáçovas Tentativas dos castelhanos fazerem comércio na costa africana. 1.ª viagem de Cristóvão Colombo, ao serviço dos reis de Castela, 1492.
  • 25. Tratado de Tordesilhas LinhadeTordesilhas–1494 Linha de Alcáçovas-Toledo 1479 PropostadopapaAlexandreVI– 1493 Zona de expansão portuguesaZona de expansão espanhola A alteração da proposta do Papa pedida por D. João II leva os historiadores a supor que o rei já sabia, secretamente, da existência do Brasil e queria incluí-lo na sua área de influência. Zona de expan- são espanhola
  • 26. O Mare Clausum • Dá-se este nome ao princípio pelo qual a navegação nos mares desconhecidos e a descoberta de novos territórios ficava proibida à maioria dos povos. Mare clausum • O Papa, autoridade internacional máxima da Europa, concedeu a Portugal e Castela a exclusividade de navegação em mares desconhecidos e o direito às terras por descobrir. • Os tratados de Alcáçovas-Toledo e de Tordesilhas estabeleceram esse direito aos dois países. Quem decidiu? De que modo o fez? • Portugal e Castela. Quais os beneficiários dessa política? D. João II Isabel de Castela e Fernando de Aragão
  • 27. A Expansão – período de D. Manuel I • Vasco da Gama descobre o caminho marítimo para a Índia. • Pedro Alvares Cabral (re)descobre o Brasil. • O Oriente é controlado politicamente graças à criação do cargo de vice-rei (D. Francisco de Almeida e D. Afonso de Albuquerque). • O rei D. Manuel funda o mais importante entreposto português de controle comercial régio: a Casa da Índia. • Goa torna-se a sede da administração no Oriente. • Funda-se uma feitoria em Antuérpia, de onde os produtos são distribuídos para toda a Europa.
  • 28. A Expansão – período de D. Manuel I
  • 29. A chegada à Índia
  • 30. A Expansão – período de D. Manuel I Domínio do Oriente -1505-1509 - Francisco de Almeida: entendia que a força de Portugal devia assentar numa forte esquadra e no domínio de importantes rotas do Índico (domínio dos mares). Manteve permanentemente uma frota no Oceano Índico e estabeleceu o sistema de licenças pagas (cartazes) para todos os navios mercantes que não fossem portugueses. Era a política do Mare Clausum.
  • 31. A Expansão – período de D. Manuel I Domínio do Oriente -1509-1515 - Afonso de Albuquerque: defendia a existência de uma armada poderosa, mas também a conquista de praças importantes. Assim, procura dominar pontos estratégicos em terra: Goa; Ormuz e Malaca. A política deste vice-rei é de concretização da conquista. Para isso leva a cabo uma acção de miscigenação (casamento entre portugueses e indianas).
  • 32. A Expansão – período de D. João III A exploração do Brasil 1ª FASE: entre 1503 e 1530. Regime de arrendamentos a cristãos-novos que exploram essencialmente o pau-brasil. A exploração foi entregue a um grupo de burgueses, onde se destacava Fernão de Noronha, que - em troca do comércio do pau-brasil, madeira que abundava nas terras brasileiras - se comprometeu a desbravar 300 léguas da costa por ano. 2ª FASE: entre 1530 e 1548. A decadência do comércio oriental, a lucrativa exploração de pau-brasil e os ataques da pirataria francesa ao território levaram D. João III, em 1534, a implantar o sistema de capitanias. Assim, este monarca dividiu o território brasileiro em várias faixas paralelas, entregando-as a 12 capitães-donatários, com amplos poderes sobre os territórios (excepção feita à cunhagem de moeda).
  • 33. A Expansão – período de D. João III A exploração do Brasil 3ª FASE: a partir de 1548. Descoberta do tabaco. Governo Geral entregue a um Representante Real. Tomé de Sousa tornou-se, então, o primeiro governador-geral do Brasil. O Brasil conheceu um rápido desenvolvimento: milhares de colonos e muitos missionários, servindo-se de índios, mestiços e escravos africanos, arrotearam terras, expandiram culturas agrícolas (em particular a cana-de-açúcar), fundaram povoações e divulgaram a fé cristã. Entre os missionários, merecem destaque os jesuítas. O tabaco torna-se moeda de troca para a compra dos escravos. A partir de 1642 a exploração desta cultura passa a ser livre. Em 1674 D. Pedro, por necessidades do erário régio, lança um imposto sobre o consumo do tabaco, em princípio por seis anos, mas que se torna definitivo.
  • 34. A organização dos espaços coloniais • A partir da conquista de Ceuta, Portugal torna-se cabeça de um vasto império diferente de todos os que tinham existido até então. • Na costa ocidental de África são fundadas feitorias apoiadas por fortalezas.
  • 35. Produtos transacionados em África Objetivo principal dos Portugueses em África: fazer comércio. Produtos: Levados para África Trazidos de África Ouro Objetos de adorno Tecidos Marfim Malagueta Sal TrigoEscravos
  • 36. A organização dos espaços coloniais • Nos arquipélagos atlânticos, a colonização foi realizada segundo um sistema de Capitanias- Donatárias, o mesmo acontecendo com o Brasil. Fundação de S. Vicente, S. Paulo, em 1532.
  • 37. A organização dos espaços coloniais • Na Índia e Extremo-Oriente, geram-se formas de domínio estabelecidas através de uma intrincada rede de feitorias, vigilância dos mares e criação do posto de Vice-Rei.
  • 38. Produtos transacionados no Oriente Objetivo principal dos Portugueses no Oriente: obter o monopólio do comércio no Índico Sedas Porcelana s Noz moscada CanelaCravinho Moeda Produtos: Levados para o Oriente Trazidos do Oriente PimentaPedras preciosas
  • 39. O império espanhol Machu Picchu Incas Templo de Jaguar, ruínas maias de Tikal, Guatemala Maias Hérnan Cortez chega às terras de Vera Cruz, mural de Diego Rivera Astecas • Conquista rápida, • Conquista violenta dos povos e destruição das civilizações, • Exploração mineira (prata).
  • 41. Consequências da expansão: abertura das rotas comerciais •O Atlântico substitui o Mediterrâneo. •Lisboa e Sevilha são os grandes portos do comércio além-mar. •As artérias de circulação ou rotas do comércio marítimo português até 1490 são: •A Rota da Costa Africana - Guiné e Mina, englobando os arquipélagos atlânticos. •A Rota do Atlântico Norte - de Lisboa à Flandres e Norte da Europa - centrada na feitoria de Bruges. •O séc. XVI abrange novos espaços e novas rotas: •A Rota do Atlântico Nordeste - a Terra Nova - representa o espaço da pesca do Bacalhau que será daqui por diante o complemento indispensável da alimentação.
  • 42. Consequências: abertura das rotas comerciais •A Rota do Atlântico Central e Sul - Brasil - a rota do pau-brasil, do açúcar e do tabaco. •A Rota do Cabo ou das Especiarias - que liga o Ocidente ao Oriente. Com este traçado, Portugal substitui os Italianos no tráfico das especiarias, no mercado europeu. •A rota de Manila – que liga Acapulco a Manila (rota espanhola).
  • 43.
  • 44. Consequências: económicas • Desenvolve-se o comércio, que passa a ser à escala mundial (e designado como comércio triangular). • O desenvolvimento do comércio diminui a produção interna do reino. • A agricultura é abandonada e o artesanato é quase inexistente. • O rei é o principal empresário colonial. • Desenvolve-se a Economia de Transporte ou Política de Transporte.
  • 45. Consequências • No quotidiano: • Introduzem-se novos hábitos na culinária – uso das especiarias. • Introduzem-se novas culturas como o ananás, o milho grosso, o cacau, a batata... • Generaliza-se o uso do tabaco. • Transformações ao nível do vestuário. • A nível social e demográfico: •Reforço do poder do rei. •A Burguesia ascende na escala social. •Expansão do Cristianismo. •O tráfico negreiro (de escravos) aumenta. •Aumenta a emigração para as novas áreas •Desenvolve-se a política de miscigenação (casamento entre colonizadores e entre colonizados).
  • 46. Consequências: culturais • As línguas europeias espalham-se por todo o mundo. • Desenvolvem-se as ciências e a técnica: Medicina, Ciências Naturais, Náutica... • Conhece-se a verdadeira forma do globo terrestre e terminam as fábulas e lendas. • O saber livresco (característico da Idade Média) é substituído pelo valor da observação e da experiência – surge o Renascimento. • A arte passa a ser uma mistura da arte europeia com elementos indígenas (em Portugal surge o Manuelino, arte típica dos descobrimentos).
  • 47. Multiculturalismo Aculturação e assimilação Nova organização social e económica Mestiçagem Difusão das línguas portuguesa e castelhana Missionação – difusão do catolicismo Divulgação de técnicas e artes Ouro Preto (Brasil) – arquitetura colonial. Contador indo- - português, séc. XVII. Pregação do Padre António Vieira aos índios do Brasil.
  • 48. Expansão da religião • Intolerância: perseguição aos não cristãos, com destaque para os judeus Imposição do catolicismo • Averiguação e tortura de suspeitos de desrespeitar as normas católicas Tribunal do Santo Ofício (Inquisição) • Nos autos de fé eram exibidos publicamente os condenados. Os que não mostravam arrependimento podiam ser queimados em fogueiras. Realização de cerimónias públicas de condenação Muitos abandonaram Portugal e Espanha, contribuindo para o desenvolvimento de outros países.