SlideShare uma empresa Scribd logo
* Quebra Demográfica
•

Elevada mortalidade resultante das fomes, pestes e
guerras

* Crise Económica
•
•
•

Falta de metais preciosos
Retrocesso do comércio
Pouca produtividade

* Conflitos Internos
•
•

Revoltas urbanas e rurais
Guerras entre reinos

* Falta de Mão de Obra
* Falta de metais preciosos
* Falta de cereais
* Dificuldade no acesso aos produtos vindos
do Oriente (caros devido aos
intermediários)
* Continentes conhecidos: Europa, norte de África e parte da Ásia
* Oceanos conhecidos: Atlântico e índico, sem passagem entre eles
* Mar Mediterrâneo ocupava um lugar central
* Acreditava-se que o mundo era plano e tinha fim
* Pensavam que os mares eram habitados por monstros, serpentes sereias, etc.
* Acreditavam que não era possível viver abaixo do Equador
* Pensavam que as zonas desconhecidas eram habitadas por criaturas fantásticas e
monstruosas.
* Políticas
•
•

Necessidade de afirmação da nova disnastia
Aumento do território

* Económicas
•
•
•
•

Acesso a mão-de-obra
Acesso a metais preciosos
Acesso a cereais
Acesso a novos produtos

* Religiosas
•

Expansão da fé Cristã

* Sociais
•
•
•
•

Nobreza – mais poder e mais terras

Clero - expansão da fé e mais terras
Burguesia – novos mercados e produtos
Povo – Melhores condições de vida
* Condições políticas e conómicas
•
•

Paz estabelecida com Espanha
Possibilidade de investir na expansão

* Geográficas
•
•
•
•

Localização no extremo ocidental da Europa
Proximidade de África
Extensa costa marítima com bons portos
Povo com tradição de pesca

* Técnicas
•

Contacto com judeus e muçulmanos permite o
conhecimento de instrumentos de orientação
pelos astros como a bússola, o astrolábio, o
quadrante e a balestilha (navegação
astronómica)

•

Caravela com leme à popa (mais fácil de
manobrar) e velas triangulares o que permitia
navegar com ventos contrários (navegação á
bolina)

•

Conhecimento de mapas mais corretos
(Portulanos)
*

Motivações

•
•
•

Cidade situada no estreito de Gibraltar

•

Chegavam a Ceuta caravanas com ouro e especiarias

Porto de piratas que atacavam os navios cristãos
Ceuta tinha terrenos férteis onde se produziam cereais em
abundância

Conquista de Ceuta em 1415

* Resultados
•
•
•
•

Piratas deslocam-se para outras cidades portuárias
Os campos são devastados pelos constantes ataques
Caravanas desviadas para outras cidades muçulmanas
A defesa da cidade torna-se muito dispendiosa

Ceuta torna-se uma cidade cristã isolada em território
muçulmano
Passagem de :

Política de
Conquistas
A

Política de
Descobertas
1419 – João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz
Teixeira e Bartolomeu Perestrelo Arquipélago da Madeira.
1427 – Diogo Silves e Diogo de Teive Arquipélago dos Açores.

Ilhas entregues ao Infante D. Henrique

 Divisão em Capitanias, administradas por
capitães-donatários, com a obrigação de:
• Promover o povoamento
• Defender o território
• Promover a exploração dos seus
recursos naturais
Economia:
 Madeira
•
•
•
•
•

Madeira
Pesca
Cultivo de cereais
Vinha
Cana-de-açúcar

 Açores
•
•
•
•

Criação de gado
Pesca
Cultivo de cereais
Plantas tintureiras
(urzela e pastel)
1434 - Gil Eanes - Cabo Bojador
1435 – Gil Eanes e Afonso Baldaia - Rio do Ouro
1441 – Nuno Tristão - Cabo Branco
1445 - Dinis Dias - Cabo Verde
1456 – Diogo Gomes - Arquipélago de Cabo Verde

1460 – Pero de Sintra - Serra Leoa

Morte de D. Henrique, o Navegador.
Sob Influência da nobreza, muda o rumo
dos descobrimentos e dedica-se às
Conquistas no Norte de África

1458 - Alcácer Ceguer
1471 – Arzila
– Tânger
1469 - Contrato de Arrendamento a Fernão
Gomes
D. Afonso V arrenda a exploração e monopólio
do comércio da Costa Ocidental
Africana a Fernão Gomes, rico burguês
de Lisboa mediante condições:
• Período de cinco anos
• Pagamento anual de 200 000 reais
• Descobrir 100 léguas para sul, por
ano
1470 - Pêro Escobar e João de Santarém –
Arquipélago de S. Tomé e Príncipe
1471 - Pêro Escobar e João de Santarém –
Costa da Mina (abundância de ouro)
1474 - Rui de Sequeira e Lopo Gonçalves –
Cabo de Santa Catarina
Objetivo: Atingir a Índia pelo Atlântico Sul
Viagens marítimas para Sul
1482/83 - Diogo Cão - Foz do rio Zaire
1487/88 – Bartolomeu Dias- Cabo das Tormentas
(Cabo da Boa Esperança)

Viagens terrestres para Oriente
1487 – Pêro da Covilhã e Afonso de Paiva – Início da
viagem para Oriente em busca de
informações sobre o comércio na Índia,
navegação no Índico e Reino do Preste João
1492 – Cristóvão Colombo – Descoberta da
América
Cristovão Colombo e a Espanha acreditavam
ter chegado à Índia. Reacende-se o conflito
entre Portugal e Espanha

Cheguei
à Índia
Problema:
Antilhas ficam na zona
portuguesa e Portugal
reivindica a sua posse.
Diferença:
Brasil não está incluído
na proposta inícial

Rivalidade sobre a posse das terras descobertas

1479 – Tratado de Alcáçovas – posse das Canárias para Espanha, Sul para Portugal
1494 – Tratado de Tordesilhas – garante a posse das Antilhas para Espanha
- garante a posse do Brasil para Portugal
8 de Julho de 1497
Vasco da Gama parte do Restelo, com 170 homens e quatro barcos
para tentar chegar à Índia por mar.
1498
20 de Maio de 1498
Vasco da Gama chega à Índia, a Calecute
Dois anos mais tarde
inicia-se a segunda viagem para a Índia,
comandada por
Pedro Álvares Cabral
O trajecto de Pedro Álvares Cabral
1500
Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil, baptizado Terra de Vera Cruz
(mais tarde denominado Brasil devido à quantidade de pau-brasil aí encontrada)
A feição deles é serem pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e
bons narizes, bem feitos. Andavam nus, sem cobertura alguma. Não fazem o
menor caso de encobrir ou de mostrar as suas vergonhas; e nisso têm tanta
inocência como em mostrar o rosto.
Ambos traziam os beiços de baixo furados e metidos neles seus ossos
brancos e verdadeiros, do comprimento duma mão travessa, da grossura de
um fuso de algodão, agudos na ponta como furador. Metem-nos pela parte
de dentro do beiço; e a parte que lhes fica entre o beiço e os dentes é feita
como roque de xadrez, ali encaixado de tal sorte que não os molesta, nem os
estorva no falar, no comer ou no beber. Os seus cabelos são corredios. E
andavam tosquiados, de tosquia alta (...).
Conceitos a Reter
 Descobrimentos - período histórico de expansão marítima,
sobretudo nos séculos XV e XVI. Os descobrimentos
portugueses foram o conjunto de conquistas realizadas
pelos portugueses em viagens e explorações marítimas
entre 1415 e 1543 que começaram com a conquista de Ceuta
e que resultaram na expansão portuguesa e deram um
contributo essencial para delinear o mapa do mundo
 Navegação astronómica – navegação orientada pelos astros
 Navegação à bolina – navegação com ventos contrários.
 Capitania – Capitania corresponde a um território
ultramarino entregue pelo rei ou senhor a um particular (o
capitão-donatário)


Capitão-donatário – Membro da baixa nobreza a quem era
atribuída uma capitania, tinha como principal obrigação a
promoção do povoamento e a exploração económica da
mesma. Os capitães-donatários tinham o monopólio de
diversos produtos e meios de produção, administravam a
justiça e efectuavam a cobrança de impostos.
Metas – O que deves saber desta matéria
1. Caracterizar a Europa no final do século XIV
2. Justificar as motivações europeias e portuguesas na expansão.
3. Caracterizar o conhecimento do mundo no início do século XV.
4. Justificar a prioridade portuguesa na expansão.

5. Justificar o interesse português na conquista de Ceuta.
6. Relacionar os resultados obtidos com a conquista de Ceuta com o
abandono da política de conquistas.
7. Distinguir política de conquistas e política de descobertas.
8. Explicar a importância do Infante D. Henrique para a expansão.

9. Caracterizar o povoamento e exploração dos arquipélagos Atlânticos.
10. Caracterizar as políticas de exploração na costa ocidental africana.
11. Justificar a política de D. Afonso V.
12. Caracterizar a política de D. João II relacionando-a com o seu principal
objetivo.

13. Relacionar a descoberta da América com a assinatura do tratado de
Tordesilhas.
14. Explicar a importância do tratado de Tordesilhas
15. Identificar as principais etapas da expansão
*Que novos mundos se formaram?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
Maria Gomes
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
rosivaldo_f_moreira
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
Carina Vale
 
Os Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos PortuguesesOs Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos Portugueses
celiaricardo234
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
cattonia
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo Europeu
Carlos Vieira
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
cattonia
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
200166754
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
Gonçalo Paiva
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
Maria Gomes
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
Carla Freitas
 
Descobrimentos
DescobrimentosDescobrimentos
Descobrimentos
David_Costa_30
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
carolinagomesss
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
Os Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos PortuguesesOs Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos Portugueses
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo Europeu
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
Descobrimentos
DescobrimentosDescobrimentos
Descobrimentos
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 

Semelhante a 23 os descobrimentos

Os Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos PortuguesesOs Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos Portugueses
Zé Mário
 
Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano.
HizqeelMajoka
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
Nilton Sá
 
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
DanielaPereira423586
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
Gabriela Vasconcelos
 
re82121_euvez5_pp_expansao.pptx
re82121_euvez5_pp_expansao.pptxre82121_euvez5_pp_expansao.pptx
re82121_euvez5_pp_expansao.pptx
ngelaMendes10
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
carloshistoriador
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
borgia
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
mariajoaoferreira50
 
A abertura ao mundo expansão
A abertura ao mundo  expansãoA abertura ao mundo  expansão
A abertura ao mundo expansão
Lucilia Fonseca
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
Lucilia Fonseca
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
Catarina Sequeira
 
Início expansão.pptx
Início expansão.pptxInício expansão.pptx
Início expansão.pptx
Conceio10
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
O expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptxO expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptx
ssusera01edc
 
Síntese da expansão
Síntese da expansãoSíntese da expansão
Síntese da expansão
Maria Gomes
 
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
borgia
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
telmascapelo
 
A expansão portuguesa
A expansão portuguesaA expansão portuguesa
A expansão portuguesa
Graça Caixinha
 

Semelhante a 23 os descobrimentos (20)

Os Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos PortuguesesOs Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos Portugueses
 
Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (A expansão ultramarina portuguesa) de 8ºano.
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
 
re82121_euvez5_pp_expansao.pptx
re82121_euvez5_pp_expansao.pptxre82121_euvez5_pp_expansao.pptx
re82121_euvez5_pp_expansao.pptx
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
 
A abertura ao mundo expansão
A abertura ao mundo  expansãoA abertura ao mundo  expansão
A abertura ao mundo expansão
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
Início expansão.pptx
Início expansão.pptxInício expansão.pptx
Início expansão.pptx
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
O expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptxO expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptx
 
Síntese da expansão
Síntese da expansãoSíntese da expansão
Síntese da expansão
 
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
Expansaoportuguesaapaula 090609084639-phpapp02
 
Expansao portuguesa
Expansao portuguesaExpansao portuguesa
Expansao portuguesa
 
A expansão portuguesa
A expansão portuguesaA expansão portuguesa
A expansão portuguesa
 

Mais de Carla Freitas

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
Carla Freitas
 

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 

23 os descobrimentos

  • 1.
  • 2. * Quebra Demográfica • Elevada mortalidade resultante das fomes, pestes e guerras * Crise Económica • • • Falta de metais preciosos Retrocesso do comércio Pouca produtividade * Conflitos Internos • • Revoltas urbanas e rurais Guerras entre reinos * Falta de Mão de Obra * Falta de metais preciosos * Falta de cereais * Dificuldade no acesso aos produtos vindos do Oriente (caros devido aos intermediários)
  • 3. * Continentes conhecidos: Europa, norte de África e parte da Ásia * Oceanos conhecidos: Atlântico e índico, sem passagem entre eles * Mar Mediterrâneo ocupava um lugar central * Acreditava-se que o mundo era plano e tinha fim * Pensavam que os mares eram habitados por monstros, serpentes sereias, etc. * Acreditavam que não era possível viver abaixo do Equador * Pensavam que as zonas desconhecidas eram habitadas por criaturas fantásticas e monstruosas.
  • 4. * Políticas • • Necessidade de afirmação da nova disnastia Aumento do território * Económicas • • • • Acesso a mão-de-obra Acesso a metais preciosos Acesso a cereais Acesso a novos produtos * Religiosas • Expansão da fé Cristã * Sociais • • • • Nobreza – mais poder e mais terras Clero - expansão da fé e mais terras Burguesia – novos mercados e produtos Povo – Melhores condições de vida
  • 5. * Condições políticas e conómicas • • Paz estabelecida com Espanha Possibilidade de investir na expansão * Geográficas • • • • Localização no extremo ocidental da Europa Proximidade de África Extensa costa marítima com bons portos Povo com tradição de pesca * Técnicas • Contacto com judeus e muçulmanos permite o conhecimento de instrumentos de orientação pelos astros como a bússola, o astrolábio, o quadrante e a balestilha (navegação astronómica) • Caravela com leme à popa (mais fácil de manobrar) e velas triangulares o que permitia navegar com ventos contrários (navegação á bolina) • Conhecimento de mapas mais corretos (Portulanos)
  • 6. * Motivações • • • Cidade situada no estreito de Gibraltar • Chegavam a Ceuta caravanas com ouro e especiarias Porto de piratas que atacavam os navios cristãos Ceuta tinha terrenos férteis onde se produziam cereais em abundância Conquista de Ceuta em 1415 * Resultados • • • • Piratas deslocam-se para outras cidades portuárias Os campos são devastados pelos constantes ataques Caravanas desviadas para outras cidades muçulmanas A defesa da cidade torna-se muito dispendiosa Ceuta torna-se uma cidade cristã isolada em território muçulmano
  • 7. Passagem de : Política de Conquistas A Política de Descobertas
  • 8. 1419 – João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo Arquipélago da Madeira. 1427 – Diogo Silves e Diogo de Teive Arquipélago dos Açores. Ilhas entregues ao Infante D. Henrique  Divisão em Capitanias, administradas por capitães-donatários, com a obrigação de: • Promover o povoamento • Defender o território • Promover a exploração dos seus recursos naturais
  • 9. Economia:  Madeira • • • • • Madeira Pesca Cultivo de cereais Vinha Cana-de-açúcar  Açores • • • • Criação de gado Pesca Cultivo de cereais Plantas tintureiras (urzela e pastel)
  • 10. 1434 - Gil Eanes - Cabo Bojador 1435 – Gil Eanes e Afonso Baldaia - Rio do Ouro 1441 – Nuno Tristão - Cabo Branco 1445 - Dinis Dias - Cabo Verde 1456 – Diogo Gomes - Arquipélago de Cabo Verde 1460 – Pero de Sintra - Serra Leoa Morte de D. Henrique, o Navegador.
  • 11. Sob Influência da nobreza, muda o rumo dos descobrimentos e dedica-se às Conquistas no Norte de África 1458 - Alcácer Ceguer 1471 – Arzila – Tânger
  • 12. 1469 - Contrato de Arrendamento a Fernão Gomes D. Afonso V arrenda a exploração e monopólio do comércio da Costa Ocidental Africana a Fernão Gomes, rico burguês de Lisboa mediante condições: • Período de cinco anos • Pagamento anual de 200 000 reais • Descobrir 100 léguas para sul, por ano 1470 - Pêro Escobar e João de Santarém – Arquipélago de S. Tomé e Príncipe 1471 - Pêro Escobar e João de Santarém – Costa da Mina (abundância de ouro) 1474 - Rui de Sequeira e Lopo Gonçalves – Cabo de Santa Catarina
  • 13. Objetivo: Atingir a Índia pelo Atlântico Sul Viagens marítimas para Sul 1482/83 - Diogo Cão - Foz do rio Zaire 1487/88 – Bartolomeu Dias- Cabo das Tormentas (Cabo da Boa Esperança) Viagens terrestres para Oriente 1487 – Pêro da Covilhã e Afonso de Paiva – Início da viagem para Oriente em busca de informações sobre o comércio na Índia, navegação no Índico e Reino do Preste João
  • 14.
  • 15. 1492 – Cristóvão Colombo – Descoberta da América Cristovão Colombo e a Espanha acreditavam ter chegado à Índia. Reacende-se o conflito entre Portugal e Espanha Cheguei à Índia
  • 16. Problema: Antilhas ficam na zona portuguesa e Portugal reivindica a sua posse. Diferença: Brasil não está incluído na proposta inícial Rivalidade sobre a posse das terras descobertas 1479 – Tratado de Alcáçovas – posse das Canárias para Espanha, Sul para Portugal 1494 – Tratado de Tordesilhas – garante a posse das Antilhas para Espanha - garante a posse do Brasil para Portugal
  • 17. 8 de Julho de 1497 Vasco da Gama parte do Restelo, com 170 homens e quatro barcos para tentar chegar à Índia por mar.
  • 18. 1498
  • 19. 20 de Maio de 1498 Vasco da Gama chega à Índia, a Calecute
  • 20. Dois anos mais tarde inicia-se a segunda viagem para a Índia, comandada por Pedro Álvares Cabral
  • 21. O trajecto de Pedro Álvares Cabral
  • 22. 1500 Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil, baptizado Terra de Vera Cruz (mais tarde denominado Brasil devido à quantidade de pau-brasil aí encontrada)
  • 23. A feição deles é serem pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andavam nus, sem cobertura alguma. Não fazem o menor caso de encobrir ou de mostrar as suas vergonhas; e nisso têm tanta inocência como em mostrar o rosto. Ambos traziam os beiços de baixo furados e metidos neles seus ossos brancos e verdadeiros, do comprimento duma mão travessa, da grossura de um fuso de algodão, agudos na ponta como furador. Metem-nos pela parte de dentro do beiço; e a parte que lhes fica entre o beiço e os dentes é feita como roque de xadrez, ali encaixado de tal sorte que não os molesta, nem os estorva no falar, no comer ou no beber. Os seus cabelos são corredios. E andavam tosquiados, de tosquia alta (...).
  • 24. Conceitos a Reter  Descobrimentos - período histórico de expansão marítima, sobretudo nos séculos XV e XVI. Os descobrimentos portugueses foram o conjunto de conquistas realizadas pelos portugueses em viagens e explorações marítimas entre 1415 e 1543 que começaram com a conquista de Ceuta e que resultaram na expansão portuguesa e deram um contributo essencial para delinear o mapa do mundo  Navegação astronómica – navegação orientada pelos astros  Navegação à bolina – navegação com ventos contrários.  Capitania – Capitania corresponde a um território ultramarino entregue pelo rei ou senhor a um particular (o capitão-donatário)  Capitão-donatário – Membro da baixa nobreza a quem era atribuída uma capitania, tinha como principal obrigação a promoção do povoamento e a exploração económica da mesma. Os capitães-donatários tinham o monopólio de diversos produtos e meios de produção, administravam a justiça e efectuavam a cobrança de impostos.
  • 25. Metas – O que deves saber desta matéria 1. Caracterizar a Europa no final do século XIV 2. Justificar as motivações europeias e portuguesas na expansão. 3. Caracterizar o conhecimento do mundo no início do século XV. 4. Justificar a prioridade portuguesa na expansão. 5. Justificar o interesse português na conquista de Ceuta. 6. Relacionar os resultados obtidos com a conquista de Ceuta com o abandono da política de conquistas. 7. Distinguir política de conquistas e política de descobertas. 8. Explicar a importância do Infante D. Henrique para a expansão. 9. Caracterizar o povoamento e exploração dos arquipélagos Atlânticos. 10. Caracterizar as políticas de exploração na costa ocidental africana. 11. Justificar a política de D. Afonso V. 12. Caracterizar a política de D. João II relacionando-a com o seu principal objetivo. 13. Relacionar a descoberta da América com a assinatura do tratado de Tordesilhas. 14. Explicar a importância do tratado de Tordesilhas 15. Identificar as principais etapas da expansão
  • 26. *Que novos mundos se formaram?