SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
• A partir de meados do séc. XI surgem sinais evidentes de uma
renovação económica, política e social. Vários fatores são
responsáveis por um novo quadro económico-social :
– O ambiente de paz resultante do recuo dos povos invasores, bem
como o acalmar das guerras privadas, graças à ação
estabilizadora da Igreja.
– A melhoria das condições climáticas.
– O retrocesso das fomes e pestes, permitindo assim o aumento da
taxa de natalidade e consequente aumento demográfico;
– A esperança média de vida torna-se maior, devido a todos os
novos fatores.
• Implementam-se inovações que conduzem ao incremento e
expansão da produção agrícola:
• novos sistemas de cultivo (a terra passa a ser mais bem
aproveitada, passando-se a utilizar a técnica do pousio ou o
sistema de afolhamento trienal; divulgou-se o uso do estrume
para aumentar a fertilidade da terra, devido a uma maior criação
de gado);
• alargamento das áreas cultivadas (arroteamentos, drenagens e
secagens de pântanos…);
• divulgação do uso da Nora e dos moinhos de vento…
• Os progressos técnicos:
• os instrumentos passam a ser fabricados em ferro, uma vez
que agora que se vivia em paz, já não era tão necessário para
a construção de armas;
• inventam-se os processos que visavam facilitar a tração
animal e, por isso, o próprio aproveitamento da terra e a
rapidez dos transportes: a atrelagem em fila, a ferradura, a
coelheira, a charrua.
Progressos técnicos nos transportes marítimos:
• novas técnicas de construção naval
(Kogge, barca e caravela…);
• utilização do leme fixo à popa;
• utilização de novos instrumentos como
a bússola, o astrolábio e as cartas de
marear.
O aumento da produção, ao possibilitar a acumulação de
excedentes, conduziu ao desenvolvimento do comércio e à
generalização do uso de moeda, a qual facilitou as trocas comerciais.
Reabrem-se as rotas terrestres europeias e desenvolvem-se as
ligações marítimas mediterrâneas, entre outras.
• A introdução dos sistemas de crédito ficou a dever-se a alguns
fatores:
• o risco e dificuldade do transporte de espécies monetárias;
• a insuficiência de moeda metálica.
• Instrumentos de crédito utilizados:
• Letra de feira;
• Letra de câmbio;
• Cheque.
• A diversidade das espécies monetárias em circulação fez surgir a
classe dos banqueiros ou cambistas, atividade que permitia um
grande enriquecimento.
• Desenvolvem-se ainda os mercados e feiras.
Mercados
 Periodicidade – diária, semanal,
quinzenal ou mensal;
 Frequentados pela população
que residia nas proximidades
onde se realizava;
 Compra/venda de produtos para
consumo imediato.
Feiras
 Realizavam-se uma ou mais vezes
por ano e duravam alguns dias;
 Compra/venda de produtos
diversificados e com diferentes
origens;
 Frequentadas pela população da
região, de locais distantes e até do
estrangeiro, com segurança
garantida (Paz de Feira);
 Criadas por reis e senhores
através da carta de feira. Por
vezes, eram isentas de
pagamentos – Feiras Francas.
• As feiras possuíam importantes privilégios:
• aplicação de penas pesadas a quem perturbasse a paz e a ordem
no local da feira;
• concessão de proteção do príncipe territorial a quem fosse à feira;
• criação de um corpo de intervenção policial designado por
“guardas da feira”;
• concessão de diversos privilégios a quem frequentasse as feiras
(forma de atrair mais participantes). D. Dinis, em Portugal, cria as
“Feiras Francas”, feiras com isenção de impostos e a suspensão
de mandatos judiciais que pendessem sobre os mercadores,
durante a duração da feira.
• Com o desenvolvimento comercial, surge a necessidade de obter
mais fundos para custear as expedições. Assim, surgem novas
formas de associação, de onde se destacam:
• Comendas – o sócio investidor financiava em 100% o negócio,
recebendo 75% dos lucros finais.
• Companhias – normalmente com capitais de membros de uma
mesma família, que investia em todas as atividades: comerciais,
industriais e bancárias).
• Guildas – associações de mercadores de uma cidade.
• Hansas – associações de cidades mercantis.
• É a criação das feiras e os progressos na organização financeira
que vai dinamizar a atividade comercial. Surgem as chamadas
“Regiões de Vanguarda”, verdadeiros polos de desenvolvimento
económico.
• Os principais pólos comerciais desta época são:
• Países Baixos,
• Liga Hansiática;
• Norte de Itália;
• Feiras da Champanhe.
A Flandres / Países Baixos:
• Com origem no desenvolvimento económico que a região
experimentou durante o Império Carolíngio.
• Destacam-se as cidades de Bruges, Antuérpia, Yprés e Gand, focos
de desenvolvimento têxtil.
• Impulsiona-se um comércio ativo com a Inglaterra (fornecedora de lã),
com a França (fornecedora de trigo e vinho), com a Itália (portadora
dos produtos vindos do Oriente), com as costas atlânticas de Portugal
e Espanha (fornecedoras de sal e peixe seco).
• Bruges torna-se o local mais cosmopolita.
Hansa Teutónica:
• Associação de mercadores de cidades germânicas como Lubeque,
Hamburgo ou Dantzig, também conhecida como Hansa Teutónica.
• Esta associação põe em contacto comercial as cidades do Norte
europeu, desde as cidades inglesas, à Alemanha, países
escandinavos e até à Rússia.
• Comercializam alimentos (trigo, peixe seco e carne) e matérias-
primas (madeira, peles e gorduras).
• Responsáveis pelas trocas comerciais entre o Norte e o Sul da
Europa, revelaram conhecimentos fundamentais para a prática do
comércio que iriam conduzir a um grande desenvolvimento desta
região.
Norte de Itália:
• Herdeira da tradição romana de
vida urbana.
• Até ao séc. XVI as cidades do
norte de Itália irão dominar o
Mediterrâneo.
• As cidades italianas constituíam
pequenos estados autónomos e
rivais entre si, o que desperta a
vontade de vencer e superar os
seus vizinhos.
• Constituído em torno das cidades de Veneza, Génova, Florença,
Piza, Ferrara… principais fornecedores ao Ocidente dos têxteis de
luxo, metais preciosos e especiarias, produto em que realmente
assentava o seu poderio.
• Cidades prósperas, foram as primeiras a relançar a cunhagem da
moeda após o clima do cerco da Europa.
• A reanimação dos antigos burgos favoreceu o aparecimento de
novas cidades. Há uma mudança na mentalidade e os mosteiros
perdem importância a favor das cidades e universidades.
• As cidades encontravam-se delimitadas por uma cinta protetora: a
muralha.
• O espaço urbano era irregular, uma vez que resultava de sucessivos
acrescentos.
A cidade dispunha de um centro
onde se localizava um edifício
religioso (a Catedral) e uma praça
onde se agrupavam os edifícios
administrativos e o mercado. Daqui
partiam as ruas mais importantes.
As outras, secundárias, ligavam as
ruas principais (as destinadas ao
tráfego, comércio e festejos da
cidade) entre si, de uma forma
labiríntica e mesmo tortuosa (siste-
.ma radioconcêntrico).
• As cidades serviam propósitos militares e comerciais. Nesse sentido
organizavam-se em volta da praça de comércio, da câmara (que se
torna o símbolo do poder, caracterizada por uma torre quadrada) e
da Catedral.
• Nos bairros centrais da cidade habitavam os mais ricos e
importantes, ao passo que os pobres viviam em zonas mais
afastadas da cidade.
• A cidade era ainda composta pelos arrabaldes e pelo termo. Os
primeiros eram os bairros fora das muralhas, destinados aqueles
que a cidade marginalizava (como os árabes - mourarias). O termo
era o conjunto dos campos agrícolas que rodeavam a cidade e que
a abasteciam, em troca de certos privilégios:
• a proteção em caso de guerra,
• a isenção de portagens à entrada da cidade,
• a isenção ou redução fiscal nas mercadorias vendidas na cidade.
• A cidade vai-se desenvolvendo e
procurando formas de sobreviver
fora da dependência dos
senhores e livre das taxas e
impostos como as portagens.
• As associações comunais
desenvolvem-se, obtendo estes
vizinhos regalias e isenções
importantes, que lhes permitiam
uma certa autonomia.
• A carta comunal ou de franquia, garantia direitos e isenções em
troca do pagamento de determinadas compensações monetárias:
• Definia os impostos e taxas a pagar;
• Estabelecia os deveres militares;
• Permitia a escolha dos Magistrados…
• A carta comunal foi, em muitos casos,
conseguida após lutas e violentas disputas.
• O movimento comunal contribuiu para o enfraquecimento do poder
senhorial e para o reforço das cidades.
• Nas regiões alemãs ou italianas desenvolveram-se algumas
cidades reorganizadas nestes novos moldes:
• Governadas por um conselho de burgueses e um corpo de
magistrados próprios;
• Eram os seus habitantes quem definia as normas, lançamento e
cobrança de impostos, aplicação de justiça…
• Possuíam símbolos da sua autonomia:
• Palácio comunal com o sino e o relógio;
• Selo da cidade comunal.
• No século XIII, a cidade é, assim, um lugar de prosperidade.
• Atraídos pelo sonho de riqueza, muitos camponeses abandonam o
campo e instalam-se nos arrabaldes das cidades.
• Porém, muitos experimentam a miséria, ampliada pelo sentimento
de solidão, por falta das redes tradicionais de apoio (família,
vizinhos, paróquia).
• Surgem novas estruturas de apoio e redes de solidariedade: as
ordens mendicantes e as confrarias.
• As ordens mendicantes eram movimentos de renovação surgidos
dentro da Igreja Católica, enquanto que as confrarias eram
associações de entreajuda que agrupavam os homens por ofícios
assegurando-lhes apoio financeiro e moral em todas as dificuldades.
As Ordens Mendicantes representam um retorno aos ideais de
caridade da Igreja Católica, esquecidos pelo faustoso clero medieval e
remontam ao século XII, período de grande agitação social e espiritual.
• Tinham como imposição a pobreza
individual comum.
• Era-lhes permitido o direito de
mendigar nos locais públicos, daí o
seu nome.
• Dedicavam-se à pregação itinerante,
de preferência nos meios urbanos.
• Ordem criada por Francisco de Assis (Itália,
séculos XII-XIII).
• Este tornou-se um exemplo de humildade e
um santo da igreja católica ao renegar o seu
passado de luxo, passando a viver entre os
mendigos e os leprosos.
• Fundou a ordem dos frades menores que
mendigavam ou trabalhavam para comer.
• Apesar de a sua atitude contrastar
radicalmente com o clero da época, nunca se
demarcou da hierarquia católica, pelo que se
distingue das heresias medievais.
• Ordem criada por Domingos de Gusmão (Espanha, séculos XII-XIII)
e confirmada pelo Papa Inocêncio III, aproxima-se de S. Francisco
nos ideais de pobreza e caridade que renovaram a Igreja Cristã.
• Os dominicanos eram também chamados “frades
pregadores” pela importância que atribuíam à
pregação, estritamente ligada, por seu turno, ao
estudo da Teologia.
• Lutavam contra a heresia e procuravam expandir
o evangelho.
• Instalaram-se nas cidades onde fundaram grandes
colégios e se dedicaram ao ensino.
• Confrarias eram associações de
socorros mútuos de carácter religioso,
organizadas sob um santo protetor.
Dedicavam-se à caridade como meio
de reduzir a pobreza urbana. Cada
confraria tinha os seus estatutos, que
os membros eram obrigavam a
cumprir.
• Associação de cariz socioprofissional
que reunia, nas cidade, os
trabalhadores de um mesmo ofício ou
mester.
• São marcadas pela hierarquia
(mestres, oficiais e aprendizes).
• Mais conhecidas por artes ou guildas
ou, em Portugal, mesteirais, as
corporações possuíam estatutos
próprios que regulamentavam os
preços, os salários e a qualidade da
produção.
• O bairro, as ruas, em que os vizinhos se conheciam e auxiliavam.
• A igreja: dominou o ensino e contribuiu para a mudança de
comportamentos com a instituição das suas festividades e
procissões.
• A taberna, o albergue, a estalagem…
• As cortes dos nobres (espaço fechado e particular).
• As salas de reunião burguesas e de acordo com a atividade
exercida.
• A praça pública, lugar da cultura popular, onde se realizavam as
festas, as feiras, os teatros…
• Chama-se cruzada a qualquer um dos movimentos militares, de
caráter parcialmente cristão, que partiu da Europa Ocidental e cujo
objetivo era colocar a Terra Santa (nome pelo qual os cristãos
denominavam a Palestina) e a cidade de Jerusalém sob a soberania
dos cristãos.
• Estes movimentos estenderam-se entre os séculos XI e XIII, época
em que a Palestina estava sob controle dos turcos
muçulmanos.
• Ao todo, existiram oito cruzadas oficiais.
• Antecedentes:
• Domínio turco seldjúcida sobre a Palestina e conquista de
Jerusalém em 1078;
• Os cristãos são proibidos de entrar em Jerusalém;
• O imperador bizantino Aleixo I pede ajuda ao ocidente para
combater a expansão seldjúcida;
• Em 1095, o papa Urbano II convoca a população europeia
para libertar a Terra Santa;
• Guerra Santa: Penitência cristã  remissão dos pecados;
• Crescimento populacional europeu e vontade de obter mais
terras e riquezas.
As cruzadas permitiram:
• que o comércio renascesse, assim
provocando o desenvolvimento das
cidades;
• a abertura de novas rotas mercantis
no Oriente;
• uma nova classe social, a dos
burgueses;
• a entrada de mais moedas na Europa
e a ideia do racionalismo económico,
• a crise do feudalismo.
• As ordens religiosas e militares datam da mesma época das
cruzadas, na sequência da tomada de Constantinopla pelos Turcos,
e da violência a que estes submeteram os peregrinos que se
dirigiam à Terra Santa.
• A sua missão era defender os lugares santos do Cristianismo,
proteger e assistir as populações e peregrinos e de colonizar as
terras conquistadas aos muçulmanos.
• Em 1099, Godofredo de Bulhão é eleito defensor do Santo Sepulcro
e alguns cavaleiros cruzados fundam em 1048 uma albergaria que
apoiava os peregrinos. São estes que dão origem à primeira Ordem
Militar, a Ordem dos Hospitalários ou de São João de Jerusalém,
mais tarde conhecida também como Ordem de Malta.
• Nove cavaleiros que se albergaram numa parte do Templo de
Salomão formaram a Ordem dos Cavaleiros do Templo, ou
Templários.
• A Ordem dos Cavaleiros Teutónicos foi uma ordem militar vinculada
por votos religiosos pelo Papa Clemente III. Foi formada no ano
de 1190, em São João de Acre, para auxiliar os germânicos feridos
nas Cruzadas.
• A esperança média de vida não ultrapassa os 30 anos;
• Apesar das melhorias na agricultura, o esgotamento dos solos leva a
novos períodos de carência alimentar;
• O clima arrefece, prejudicando as colheitas;
• A paragem dos arroteamentos que se verifica já desde finais do séc.
XIII associada ao baixo rendimento das sementeiras agravam a
carência alimentar.
• A mortalidade era elevada, principalmente nas crianças e mulheres
em idade fértil;
• A população para de crescer.
• O séc. XIV corresponde a um período de estagnação e, em alguns
casos, mesmo de retrocesso. São vários os sinais que apontam
para uma conjuntura de crise económica e social:
• o comércio exterior estagna;
• a colonização alemã em direção ao Leste para;
• a indústria têxtil da Flandres não consegue manter os seus
níveis;
• em Itália a maioria dos grandes bancos entram em colapso
financeiro;
• as Feiras de Champagne decaem e perdem toda a sua
importância…
• Ao longo do séc. XIV, ocorre uma confluência de factos que
explicam a designação de trilogia de morte:
• A crise agrícola que provoca fomes como a de 1315-1317, a
oscilação dos preços, o despovoamento dos campos e o
agudizar dos conflitos sociais.
• A Peste Negra (1348) e as várias epidemias que assolam o
mundo. A população subalimentada não resiste.
• As guerras que tornam ainda
mais negro o quadro económico
e social, quer pelas mortes que
provocam, quer pelas pilhagens
e devastações.
• A agravar todo este quadro, as
tensões, desordens sociais e
revoltas provocadas pelo
sentimento de mal-estar
generalizado.
• A ruína e abandono dos campos - muitos senhores e camponeses
morreram, deixando as suas terras sem semear. Os bosques e
pântanos alargam a sua área. A população rural, que vive numa
constante insegurança, inicia uma fuga desordenada para as
cidades, onde procuravam obter uma vida melhor.
• Torna-se necessário manter os camponeses na terra, para
desenvolver novamente a agricultura. É então que em vários países
surgem medidas reais, como é o caso da Lei das Sesmarias de D.
Fernando em Portugal. A rarefação da mão-de-obra provocou o
aumento dos salários, o que leva ao tabelamento do índice de
pagamentos - D. Afonso IV e as Leis do Trabalho e as Posturas
Municipais.
• A quebra dos rendimentos senhoriais - Os senhores reagem contra
a decadência dos seus rendimentos de formas variadas, mas
sempre com vista compensar as perdas e adaptar a economia às
novas exigências do mercado:
• endurecimento das cargas fiscais;
• a busca de novas formas de exploração da terra (cedem parte
das suas propriedades a camponeses que assumiam por si
próprios a administração em forma de aluguer ou arrendamento);
• a especialização agrária (orientam a sua produção para formas
mais remuneratórias como a madeira, a lã, a carne, o linho…).
• As revoltas sociais - A Europa é palco de uma série de
levantamentos revolucionários. As sublevações acontecem mais ou
menos por toda a parte, suscitadas pelos aumentos das taxas
senhoriais.
• As desordens sociais e o bandoleirismo
organizado - a quebra dos valores
familiares e tradicionais aparece como
uma das consequências mais salientes
da crise, aumentando o roubo e a
pilhagem. Ao lado das revoltas
camponesas baseadas na necessidade
de reivindicar melhorias sociais, o
bandoleirismo organizado desenvolveu-
se nesta época. As aldeias e os
mercadores, principalmente, sofriam o
terror dos seus ataques.
• A crise monetária - Todos estes elementos contribuíam para o
desequilíbrio das estruturas económicas. A tendência é multiplicar a
moeda, modificando para isso a relação entre a moeda real e a
nominal. Estas manipulações permitem resolver os problemas
monetários, mas de forma temporária.
• As desvalorizações são constantes. A prática das desvalorizações
consistia em recolher a moeda corrente, refundi-la aumentando a
liga e reduzindo o metal precioso e cunha-la de novo como o
mesmo valor facial da anterior.
• As crises constantes do século XIV exerceram grande influência na
mentalidade das populações da época, modificando os
comportamentos: surgem os movimentos de penitência (como forma
de alcançar a vida eterna); as manifestações coletivas de piedade...
• Muitos aproveitavam para gozar a vida, abandonando o trabalho e
a família.
• Em várias regiões europeias
reaparecem os Flagelantes, penitentes
que procuravam a salvação coletiva e
individual. Sobreviviam subalimentados
e carregados de chagas e feridas
resultantes da sua mutilação pública.
Em Portugal:
• D. Afonso IV publica a Circular de 1349 (pág. 51):
- Obrigatoriedade de todos os que antes da peste trabalhavam por
conta de outros que continuassem a fazê-lo, ainda que tivessem
recebido heranças.
- Tabelamento de salários para combater o excessivo aumento dos
mesmos, quer para a agricultura, quer para a criação e animais.
- Impedimento de mobilidade da mão de obra.
• D. Pedro I publica as Posturas Municipais (1361):
- Tabelamento de Salários e seu cumprimento.
• D. Fernando publica a Lei das Sesmarias – 1375 (pág. 1375):
- Obrigatoriedade de cultivo da terra sob pena de expropriação,
- Obrigatoriedade de os filhos e netos de lavradores continuarem
na mesma profissão,
- Tabelamento dos salários,
- Obrigatoriedade dos lavradores possuírem gado com
moderação,
- Coação dos mendigos e dos vagabundos ao trabalho rural.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhioSusana Simões
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder políticocattonia
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalSusana Simões
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica13_ines_silva
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xivcattonia
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2Vítor Santos
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoSusana Grandão
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço portuguêscattonia
 

Mais procurados (20)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensinoMudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 

Semelhante a O quadro económico e demográfico xii xiv

Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1pravda78
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoBeatrizMarques25
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaBriefCase
 
Hist. do brasil
Hist. do brasilHist. do brasil
Hist. do brasilcallll
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade modernaDaniel Alves Bronstrup
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2Carla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2Carla Teixeira
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeJoão Lima
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Carla Teixeira
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoEryka Fernanda
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaPatricia .
 
Uma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismoUma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismoAgla Santos
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contextocattonia
 
1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptx
1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptx1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptx
1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptxpaulovianacunha3
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimeCarlos Pinheiro
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade MédiaAnnalu Jannuzzi
 

Semelhante a O quadro económico e demográfico xii xiv (20)

Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 
Hist. do brasil
Hist. do brasilHist. do brasil
Hist. do brasil
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Uma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismoUma definição de capitalismo
Uma definição de capitalismo
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptx
1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptx1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptx
1ano-transiodaidademdiaparaaidademoderna-121005085705-phpapp01.pptx
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Médiawww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Baixa Idade Média
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Baixa Idade Média
 
Nascimento da burguesia
Nascimento da burguesiaNascimento da burguesia
Nascimento da burguesia
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxcattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxcattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxcattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxcattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digitalcattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesacattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundocattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimentocattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalizaçãocattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmoscattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social iicattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do socialcattonia
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra friacattonia
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xixcattonia
 
Geografia de Portugal
Geografia de PortugalGeografia de Portugal
Geografia de Portugalcattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
 
Geografia de Portugal
Geografia de PortugalGeografia de Portugal
Geografia de Portugal
 

Último

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 

O quadro económico e demográfico xii xiv

  • 1.
  • 2. • A partir de meados do séc. XI surgem sinais evidentes de uma renovação económica, política e social. Vários fatores são responsáveis por um novo quadro económico-social : – O ambiente de paz resultante do recuo dos povos invasores, bem como o acalmar das guerras privadas, graças à ação estabilizadora da Igreja. – A melhoria das condições climáticas. – O retrocesso das fomes e pestes, permitindo assim o aumento da taxa de natalidade e consequente aumento demográfico; – A esperança média de vida torna-se maior, devido a todos os novos fatores.
  • 3. • Implementam-se inovações que conduzem ao incremento e expansão da produção agrícola: • novos sistemas de cultivo (a terra passa a ser mais bem aproveitada, passando-se a utilizar a técnica do pousio ou o sistema de afolhamento trienal; divulgou-se o uso do estrume para aumentar a fertilidade da terra, devido a uma maior criação de gado); • alargamento das áreas cultivadas (arroteamentos, drenagens e secagens de pântanos…); • divulgação do uso da Nora e dos moinhos de vento…
  • 4. • Os progressos técnicos: • os instrumentos passam a ser fabricados em ferro, uma vez que agora que se vivia em paz, já não era tão necessário para a construção de armas; • inventam-se os processos que visavam facilitar a tração animal e, por isso, o próprio aproveitamento da terra e a rapidez dos transportes: a atrelagem em fila, a ferradura, a coelheira, a charrua.
  • 5. Progressos técnicos nos transportes marítimos: • novas técnicas de construção naval (Kogge, barca e caravela…); • utilização do leme fixo à popa; • utilização de novos instrumentos como a bússola, o astrolábio e as cartas de marear.
  • 6. O aumento da produção, ao possibilitar a acumulação de excedentes, conduziu ao desenvolvimento do comércio e à generalização do uso de moeda, a qual facilitou as trocas comerciais. Reabrem-se as rotas terrestres europeias e desenvolvem-se as ligações marítimas mediterrâneas, entre outras.
  • 7. • A introdução dos sistemas de crédito ficou a dever-se a alguns fatores: • o risco e dificuldade do transporte de espécies monetárias; • a insuficiência de moeda metálica. • Instrumentos de crédito utilizados: • Letra de feira; • Letra de câmbio; • Cheque. • A diversidade das espécies monetárias em circulação fez surgir a classe dos banqueiros ou cambistas, atividade que permitia um grande enriquecimento. • Desenvolvem-se ainda os mercados e feiras.
  • 8. Mercados  Periodicidade – diária, semanal, quinzenal ou mensal;  Frequentados pela população que residia nas proximidades onde se realizava;  Compra/venda de produtos para consumo imediato. Feiras  Realizavam-se uma ou mais vezes por ano e duravam alguns dias;  Compra/venda de produtos diversificados e com diferentes origens;  Frequentadas pela população da região, de locais distantes e até do estrangeiro, com segurança garantida (Paz de Feira);  Criadas por reis e senhores através da carta de feira. Por vezes, eram isentas de pagamentos – Feiras Francas.
  • 9. • As feiras possuíam importantes privilégios: • aplicação de penas pesadas a quem perturbasse a paz e a ordem no local da feira; • concessão de proteção do príncipe territorial a quem fosse à feira; • criação de um corpo de intervenção policial designado por “guardas da feira”; • concessão de diversos privilégios a quem frequentasse as feiras (forma de atrair mais participantes). D. Dinis, em Portugal, cria as “Feiras Francas”, feiras com isenção de impostos e a suspensão de mandatos judiciais que pendessem sobre os mercadores, durante a duração da feira.
  • 10. • Com o desenvolvimento comercial, surge a necessidade de obter mais fundos para custear as expedições. Assim, surgem novas formas de associação, de onde se destacam: • Comendas – o sócio investidor financiava em 100% o negócio, recebendo 75% dos lucros finais. • Companhias – normalmente com capitais de membros de uma mesma família, que investia em todas as atividades: comerciais, industriais e bancárias). • Guildas – associações de mercadores de uma cidade. • Hansas – associações de cidades mercantis.
  • 11. • É a criação das feiras e os progressos na organização financeira que vai dinamizar a atividade comercial. Surgem as chamadas “Regiões de Vanguarda”, verdadeiros polos de desenvolvimento económico. • Os principais pólos comerciais desta época são: • Países Baixos, • Liga Hansiática; • Norte de Itália; • Feiras da Champanhe.
  • 12.
  • 13. A Flandres / Países Baixos: • Com origem no desenvolvimento económico que a região experimentou durante o Império Carolíngio. • Destacam-se as cidades de Bruges, Antuérpia, Yprés e Gand, focos de desenvolvimento têxtil. • Impulsiona-se um comércio ativo com a Inglaterra (fornecedora de lã), com a França (fornecedora de trigo e vinho), com a Itália (portadora dos produtos vindos do Oriente), com as costas atlânticas de Portugal e Espanha (fornecedoras de sal e peixe seco). • Bruges torna-se o local mais cosmopolita.
  • 14. Hansa Teutónica: • Associação de mercadores de cidades germânicas como Lubeque, Hamburgo ou Dantzig, também conhecida como Hansa Teutónica. • Esta associação põe em contacto comercial as cidades do Norte europeu, desde as cidades inglesas, à Alemanha, países escandinavos e até à Rússia.
  • 15. • Comercializam alimentos (trigo, peixe seco e carne) e matérias- primas (madeira, peles e gorduras). • Responsáveis pelas trocas comerciais entre o Norte e o Sul da Europa, revelaram conhecimentos fundamentais para a prática do comércio que iriam conduzir a um grande desenvolvimento desta região.
  • 16. Norte de Itália: • Herdeira da tradição romana de vida urbana. • Até ao séc. XVI as cidades do norte de Itália irão dominar o Mediterrâneo. • As cidades italianas constituíam pequenos estados autónomos e rivais entre si, o que desperta a vontade de vencer e superar os seus vizinhos.
  • 17. • Constituído em torno das cidades de Veneza, Génova, Florença, Piza, Ferrara… principais fornecedores ao Ocidente dos têxteis de luxo, metais preciosos e especiarias, produto em que realmente assentava o seu poderio. • Cidades prósperas, foram as primeiras a relançar a cunhagem da moeda após o clima do cerco da Europa.
  • 18. • A reanimação dos antigos burgos favoreceu o aparecimento de novas cidades. Há uma mudança na mentalidade e os mosteiros perdem importância a favor das cidades e universidades. • As cidades encontravam-se delimitadas por uma cinta protetora: a muralha. • O espaço urbano era irregular, uma vez que resultava de sucessivos acrescentos.
  • 19. A cidade dispunha de um centro onde se localizava um edifício religioso (a Catedral) e uma praça onde se agrupavam os edifícios administrativos e o mercado. Daqui partiam as ruas mais importantes. As outras, secundárias, ligavam as ruas principais (as destinadas ao tráfego, comércio e festejos da cidade) entre si, de uma forma labiríntica e mesmo tortuosa (siste- .ma radioconcêntrico).
  • 20. • As cidades serviam propósitos militares e comerciais. Nesse sentido organizavam-se em volta da praça de comércio, da câmara (que se torna o símbolo do poder, caracterizada por uma torre quadrada) e da Catedral. • Nos bairros centrais da cidade habitavam os mais ricos e importantes, ao passo que os pobres viviam em zonas mais afastadas da cidade.
  • 21. • A cidade era ainda composta pelos arrabaldes e pelo termo. Os primeiros eram os bairros fora das muralhas, destinados aqueles que a cidade marginalizava (como os árabes - mourarias). O termo era o conjunto dos campos agrícolas que rodeavam a cidade e que a abasteciam, em troca de certos privilégios: • a proteção em caso de guerra, • a isenção de portagens à entrada da cidade, • a isenção ou redução fiscal nas mercadorias vendidas na cidade.
  • 22. • A cidade vai-se desenvolvendo e procurando formas de sobreviver fora da dependência dos senhores e livre das taxas e impostos como as portagens. • As associações comunais desenvolvem-se, obtendo estes vizinhos regalias e isenções importantes, que lhes permitiam uma certa autonomia.
  • 23. • A carta comunal ou de franquia, garantia direitos e isenções em troca do pagamento de determinadas compensações monetárias: • Definia os impostos e taxas a pagar; • Estabelecia os deveres militares; • Permitia a escolha dos Magistrados… • A carta comunal foi, em muitos casos, conseguida após lutas e violentas disputas. • O movimento comunal contribuiu para o enfraquecimento do poder senhorial e para o reforço das cidades.
  • 24. • Nas regiões alemãs ou italianas desenvolveram-se algumas cidades reorganizadas nestes novos moldes: • Governadas por um conselho de burgueses e um corpo de magistrados próprios; • Eram os seus habitantes quem definia as normas, lançamento e cobrança de impostos, aplicação de justiça… • Possuíam símbolos da sua autonomia: • Palácio comunal com o sino e o relógio; • Selo da cidade comunal.
  • 25.
  • 26. • No século XIII, a cidade é, assim, um lugar de prosperidade. • Atraídos pelo sonho de riqueza, muitos camponeses abandonam o campo e instalam-se nos arrabaldes das cidades. • Porém, muitos experimentam a miséria, ampliada pelo sentimento de solidão, por falta das redes tradicionais de apoio (família, vizinhos, paróquia). • Surgem novas estruturas de apoio e redes de solidariedade: as ordens mendicantes e as confrarias. • As ordens mendicantes eram movimentos de renovação surgidos dentro da Igreja Católica, enquanto que as confrarias eram associações de entreajuda que agrupavam os homens por ofícios assegurando-lhes apoio financeiro e moral em todas as dificuldades.
  • 27. As Ordens Mendicantes representam um retorno aos ideais de caridade da Igreja Católica, esquecidos pelo faustoso clero medieval e remontam ao século XII, período de grande agitação social e espiritual. • Tinham como imposição a pobreza individual comum. • Era-lhes permitido o direito de mendigar nos locais públicos, daí o seu nome. • Dedicavam-se à pregação itinerante, de preferência nos meios urbanos.
  • 28. • Ordem criada por Francisco de Assis (Itália, séculos XII-XIII). • Este tornou-se um exemplo de humildade e um santo da igreja católica ao renegar o seu passado de luxo, passando a viver entre os mendigos e os leprosos. • Fundou a ordem dos frades menores que mendigavam ou trabalhavam para comer. • Apesar de a sua atitude contrastar radicalmente com o clero da época, nunca se demarcou da hierarquia católica, pelo que se distingue das heresias medievais.
  • 29. • Ordem criada por Domingos de Gusmão (Espanha, séculos XII-XIII) e confirmada pelo Papa Inocêncio III, aproxima-se de S. Francisco nos ideais de pobreza e caridade que renovaram a Igreja Cristã. • Os dominicanos eram também chamados “frades pregadores” pela importância que atribuíam à pregação, estritamente ligada, por seu turno, ao estudo da Teologia. • Lutavam contra a heresia e procuravam expandir o evangelho. • Instalaram-se nas cidades onde fundaram grandes colégios e se dedicaram ao ensino.
  • 30. • Confrarias eram associações de socorros mútuos de carácter religioso, organizadas sob um santo protetor. Dedicavam-se à caridade como meio de reduzir a pobreza urbana. Cada confraria tinha os seus estatutos, que os membros eram obrigavam a cumprir.
  • 31. • Associação de cariz socioprofissional que reunia, nas cidade, os trabalhadores de um mesmo ofício ou mester. • São marcadas pela hierarquia (mestres, oficiais e aprendizes). • Mais conhecidas por artes ou guildas ou, em Portugal, mesteirais, as corporações possuíam estatutos próprios que regulamentavam os preços, os salários e a qualidade da produção.
  • 32. • O bairro, as ruas, em que os vizinhos se conheciam e auxiliavam. • A igreja: dominou o ensino e contribuiu para a mudança de comportamentos com a instituição das suas festividades e procissões. • A taberna, o albergue, a estalagem… • As cortes dos nobres (espaço fechado e particular). • As salas de reunião burguesas e de acordo com a atividade exercida. • A praça pública, lugar da cultura popular, onde se realizavam as festas, as feiras, os teatros…
  • 33. • Chama-se cruzada a qualquer um dos movimentos militares, de caráter parcialmente cristão, que partiu da Europa Ocidental e cujo objetivo era colocar a Terra Santa (nome pelo qual os cristãos denominavam a Palestina) e a cidade de Jerusalém sob a soberania dos cristãos. • Estes movimentos estenderam-se entre os séculos XI e XIII, época em que a Palestina estava sob controle dos turcos muçulmanos. • Ao todo, existiram oito cruzadas oficiais.
  • 34.
  • 35. • Antecedentes: • Domínio turco seldjúcida sobre a Palestina e conquista de Jerusalém em 1078; • Os cristãos são proibidos de entrar em Jerusalém; • O imperador bizantino Aleixo I pede ajuda ao ocidente para combater a expansão seldjúcida; • Em 1095, o papa Urbano II convoca a população europeia para libertar a Terra Santa; • Guerra Santa: Penitência cristã  remissão dos pecados; • Crescimento populacional europeu e vontade de obter mais terras e riquezas.
  • 36. As cruzadas permitiram: • que o comércio renascesse, assim provocando o desenvolvimento das cidades; • a abertura de novas rotas mercantis no Oriente; • uma nova classe social, a dos burgueses; • a entrada de mais moedas na Europa e a ideia do racionalismo económico, • a crise do feudalismo.
  • 37. • As ordens religiosas e militares datam da mesma época das cruzadas, na sequência da tomada de Constantinopla pelos Turcos, e da violência a que estes submeteram os peregrinos que se dirigiam à Terra Santa. • A sua missão era defender os lugares santos do Cristianismo, proteger e assistir as populações e peregrinos e de colonizar as terras conquistadas aos muçulmanos.
  • 38. • Em 1099, Godofredo de Bulhão é eleito defensor do Santo Sepulcro e alguns cavaleiros cruzados fundam em 1048 uma albergaria que apoiava os peregrinos. São estes que dão origem à primeira Ordem Militar, a Ordem dos Hospitalários ou de São João de Jerusalém, mais tarde conhecida também como Ordem de Malta. • Nove cavaleiros que se albergaram numa parte do Templo de Salomão formaram a Ordem dos Cavaleiros do Templo, ou Templários. • A Ordem dos Cavaleiros Teutónicos foi uma ordem militar vinculada por votos religiosos pelo Papa Clemente III. Foi formada no ano de 1190, em São João de Acre, para auxiliar os germânicos feridos nas Cruzadas.
  • 39.
  • 40. • A esperança média de vida não ultrapassa os 30 anos; • Apesar das melhorias na agricultura, o esgotamento dos solos leva a novos períodos de carência alimentar; • O clima arrefece, prejudicando as colheitas; • A paragem dos arroteamentos que se verifica já desde finais do séc. XIII associada ao baixo rendimento das sementeiras agravam a carência alimentar. • A mortalidade era elevada, principalmente nas crianças e mulheres em idade fértil; • A população para de crescer.
  • 41. • O séc. XIV corresponde a um período de estagnação e, em alguns casos, mesmo de retrocesso. São vários os sinais que apontam para uma conjuntura de crise económica e social: • o comércio exterior estagna; • a colonização alemã em direção ao Leste para; • a indústria têxtil da Flandres não consegue manter os seus níveis; • em Itália a maioria dos grandes bancos entram em colapso financeiro; • as Feiras de Champagne decaem e perdem toda a sua importância…
  • 42. • Ao longo do séc. XIV, ocorre uma confluência de factos que explicam a designação de trilogia de morte: • A crise agrícola que provoca fomes como a de 1315-1317, a oscilação dos preços, o despovoamento dos campos e o agudizar dos conflitos sociais. • A Peste Negra (1348) e as várias epidemias que assolam o mundo. A população subalimentada não resiste.
  • 43. • As guerras que tornam ainda mais negro o quadro económico e social, quer pelas mortes que provocam, quer pelas pilhagens e devastações. • A agravar todo este quadro, as tensões, desordens sociais e revoltas provocadas pelo sentimento de mal-estar generalizado.
  • 44. • A ruína e abandono dos campos - muitos senhores e camponeses morreram, deixando as suas terras sem semear. Os bosques e pântanos alargam a sua área. A população rural, que vive numa constante insegurança, inicia uma fuga desordenada para as cidades, onde procuravam obter uma vida melhor.
  • 45. • Torna-se necessário manter os camponeses na terra, para desenvolver novamente a agricultura. É então que em vários países surgem medidas reais, como é o caso da Lei das Sesmarias de D. Fernando em Portugal. A rarefação da mão-de-obra provocou o aumento dos salários, o que leva ao tabelamento do índice de pagamentos - D. Afonso IV e as Leis do Trabalho e as Posturas Municipais.
  • 46. • A quebra dos rendimentos senhoriais - Os senhores reagem contra a decadência dos seus rendimentos de formas variadas, mas sempre com vista compensar as perdas e adaptar a economia às novas exigências do mercado: • endurecimento das cargas fiscais; • a busca de novas formas de exploração da terra (cedem parte das suas propriedades a camponeses que assumiam por si próprios a administração em forma de aluguer ou arrendamento); • a especialização agrária (orientam a sua produção para formas mais remuneratórias como a madeira, a lã, a carne, o linho…).
  • 47. • As revoltas sociais - A Europa é palco de uma série de levantamentos revolucionários. As sublevações acontecem mais ou menos por toda a parte, suscitadas pelos aumentos das taxas senhoriais.
  • 48. • As desordens sociais e o bandoleirismo organizado - a quebra dos valores familiares e tradicionais aparece como uma das consequências mais salientes da crise, aumentando o roubo e a pilhagem. Ao lado das revoltas camponesas baseadas na necessidade de reivindicar melhorias sociais, o bandoleirismo organizado desenvolveu- se nesta época. As aldeias e os mercadores, principalmente, sofriam o terror dos seus ataques.
  • 49. • A crise monetária - Todos estes elementos contribuíam para o desequilíbrio das estruturas económicas. A tendência é multiplicar a moeda, modificando para isso a relação entre a moeda real e a nominal. Estas manipulações permitem resolver os problemas monetários, mas de forma temporária. • As desvalorizações são constantes. A prática das desvalorizações consistia em recolher a moeda corrente, refundi-la aumentando a liga e reduzindo o metal precioso e cunha-la de novo como o mesmo valor facial da anterior.
  • 50. • As crises constantes do século XIV exerceram grande influência na mentalidade das populações da época, modificando os comportamentos: surgem os movimentos de penitência (como forma de alcançar a vida eterna); as manifestações coletivas de piedade... • Muitos aproveitavam para gozar a vida, abandonando o trabalho e a família. • Em várias regiões europeias reaparecem os Flagelantes, penitentes que procuravam a salvação coletiva e individual. Sobreviviam subalimentados e carregados de chagas e feridas resultantes da sua mutilação pública.
  • 51. Em Portugal: • D. Afonso IV publica a Circular de 1349 (pág. 51): - Obrigatoriedade de todos os que antes da peste trabalhavam por conta de outros que continuassem a fazê-lo, ainda que tivessem recebido heranças. - Tabelamento de salários para combater o excessivo aumento dos mesmos, quer para a agricultura, quer para a criação e animais. - Impedimento de mobilidade da mão de obra.
  • 52. • D. Pedro I publica as Posturas Municipais (1361): - Tabelamento de Salários e seu cumprimento. • D. Fernando publica a Lei das Sesmarias – 1375 (pág. 1375): - Obrigatoriedade de cultivo da terra sob pena de expropriação, - Obrigatoriedade de os filhos e netos de lavradores continuarem na mesma profissão, - Tabelamento dos salários, - Obrigatoriedade dos lavradores possuírem gado com moderação, - Coação dos mendigos e dos vagabundos ao trabalho rural.