SlideShare uma empresa Scribd logo
A
CONSTRUÇÃO
DO SOCIAL
Área de Integração
A DIMENSÃO SOCIOLÓGICA
DO SER HUMANO
Área de Integração
O ser humano, ao contrário dos restantes
animais, é um animal social, que procura sempre ter
uma vida em grupo. Viver em grupo implica o
estabelecimento de relações pessoais com outros
elementos desse grupo, relações essas
caracterizadas pelo espírito de cooperação
solidariedade, entreajuda. Assim, só afirmamos o
nosso comportamento como seres humanos se
estabelecermos relações com outros humanos.
Este aspeto social da vida humana está presente desde os tempos mais remotos, em que
surgiram as primeiras comunidades que evoluiram dos grupos de caçadores até às primeiras
civilizações.
Comunidade é assim um grupo que partilha as mesmas crenças, costumes e ideias, tendo
em comum um mesmo passado, um mesmo presente e uma mesma expectativa de futuro.
É a evolução da comunidade que conduz à sociedade.
Esta sociedade pressupõe um sistema de relações entre indivíduos, estruturadas segundo
interesses comuns, partilhando as mesmas regras (normas), cultura e instituições.
A constr do social
Ao se perspetivar como um ser social, o Homem torna-se também um ser cultural e, como
tal, possui ainda uma dimensão histórica – é um sujeito histórico (tem consciência do seu
passado coletivo).
Neste sentido, o ser humano transmite a sua cultura,
os seus valores… aos seus pares provocando o que
chamamos de Reprodução social. Opera-se assim uma
transformação coletiva que se torna permanente e
facilmente identificável no tempo e na História. Essa
transformação não é mais do que uma Mudança
social (por exemplo, a Revolução do 25 de Abril).
Ser social por definição, o Homem foi construindo o seu espaço no mundo e na sua
sociedade. Em resultado dessa evolução, surge a estratificação social, que conduz a uma
hierarquização da sociedade.
Os critérios que determinam a posição social de um indivíduo na hierarquia social variam
com a sociedade mas podem ser em função de:
• Riqueza;
• Rendimento;
• Poder;
• Profissão;
• Grau de instrução;
• Prestígio;
• Religião;
• Etnia;
• Ascendência social…
Qualquer pessoa pode mudar ou ver mudada a sua posição na hierarquia social por via, dos
seus méritos, episódio da vida ou qualquer outra razão. A este fenómeno chama-se
mobilidade social. A mobilidade social pode ser:
• Vertical, quando o indivíduo muda de estrato social.
• Horizontal - quando o indivíduo muda de estatuto mas não muda de estrato (mudança
de emprego ou de profissão, por exemplo).
Existem sociedades onde esta mudança não é fácil.
Por exemplo, na Índia mantém-se o Sistema de Castas.
Se hoje em dia a nossa sociedade está aberta a estas mudanças, nem sempre assim foi.
Vejamos o exemplo da Grécia antiga:
Cidadãos
13%
Metecos
32%
Escravos
35%
Homens livres com mais de 20 anos, filhos
de pai e mãe ateniense. Eram ricos, donos
de terras e escravos. Eram os únicos com
direitos políticos.
Homens livres comerciantes e artesãos,
naturais de outra pólis. Não possuíam
quaisquer direitos, mas estavam sujeitos ao
serviço militar e pagavam impostos.
Escravos, trabalhavam para sustentar a
pólia. Eram geralmente bem tratados e
podiam ser prisioneiros de guerra, vítimas
de pirataria…
Os restantes 20% correspondiam às mulheres e filhos dos cidadãos.
Roma:
Idade Média:
A sociedade senhorial
Dirigir
Combater
Orar
Trabalhar
Privilegiados
Não
Privilegiados
Podemos considerar que o momento de viragem se deu com o Iluminismo, período da
história que rompe com os princípios de uma Idade Média, das trevas e a quem traz a luz:
Liberdade de pensamento
Tolerância
Primado da Razão
Crença no Progresso
Crítica à Religião
Procura da Felicidade
 Separação de
poderes.
Montesquieu
 Igualdade perante
a lei.
 Soberania popular.
Rousseau
 Liberdade de
expressão.
 Tolerância religiosa.
 Direito de
propriedade.
Voltaire
Em resumo: Ideias iluministas
O Iluminismo abriu caminho para a Revolução Francesa e o seu ideário de Liberdade,
Igualdade e Fraternidade. É esta a época da verdadeira revolução / mudança social com a
assinatura da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão:
Nos finais do séc. XVIII, enquanto os franceses se debatiam com a Revolução Francesa, em
Inglaterra dava-se um outro acontecimento extremamente importante para a compreensão
das sociedades europeias atuais: a Revolução Industrial, conjunto de mudanças tecnológicas
que mudaram profundamente o processo produtivo e a organização económica e social das
sociedades europeias.
As grandes marcas da Revolução Industrial foram:
• Um forte progresso tecnológico que permitiu a passagem da manufatura à industrialização, permitindo
um grande aumento da produção;
• Profunda alteração da organização social, com o surgimento de duas novas classes sociais que se
encontram em situação de grande desigualdade – os capitalistas (proprietários do capital) e o
proletariado (que possuindo apenas a sua força de trabalho a vendem aos capitalistas);
• Radical alteração do carácter do trabalho, que passou a ser, na sua grande trabalho assalariado. Estes
salários eram, contudo, cada vez mais baixos, as condições de trabalho eram degradantes. As condições
de vida eram igualmente absolutamente miseráveis, o trabalho infantil generalizou-se (era normal as
crianças começarem a trabalhar aos 6 anos de idade) e não havia qualquer tipo de proteção social em
caso de acidente, doença ou morte, não havendo inclusive, nenhuma pensão ou reforma.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Socialização.
Socialização.Socialização.
Socialização.
Nuno Cunha
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
Bernardo Matos
 
Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3
Jorge Barbosa
 
Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
Biaa
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
Maria Teixiera
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
Sizes & Patterns
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Jorge Barbosa
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
arturferreira007
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
Sizes & Patterns
 
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionaisAi Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais
11CPTS
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
8ºC
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
cattonia
 
Cultura
CulturaCultura
Pessoa E Cultura MóDulo 1
Pessoa E Cultura   MóDulo 1Pessoa E Cultura   MóDulo 1
Pessoa E Cultura MóDulo 1
abarros
 
Identidade regional
Identidade regionalIdentidade regional
Identidade regional
cattonia
 
Impacto da tecnologia no mundo do trabalho
Impacto da tecnologia no mundo do trabalhoImpacto da tecnologia no mundo do trabalho
Impacto da tecnologia no mundo do trabalho
Leandra Tognin
 

Mais procurados (20)

Socialização.
Socialização.Socialização.
Socialização.
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3Ai2.2 Construção do Social 3
Ai2.2 Construção do Social 3
 
Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
 
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no OcidenteTrabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
Trabalho: Conceito e Evolução no Ocidente
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
 
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionaisAi Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Pessoa E Cultura MóDulo 1
Pessoa E Cultura   MóDulo 1Pessoa E Cultura   MóDulo 1
Pessoa E Cultura MóDulo 1
 
Identidade regional
Identidade regionalIdentidade regional
Identidade regional
 
Impacto da tecnologia no mundo do trabalho
Impacto da tecnologia no mundo do trabalhoImpacto da tecnologia no mundo do trabalho
Impacto da tecnologia no mundo do trabalho
 

Semelhante a A constr do social

Sociologia
Sociologia Sociologia
Sociologia
julilp10
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)
Janaína Almeida
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
jenesnunes
 
capitulos-01-02.pptx
capitulos-01-02.pptxcapitulos-01-02.pptx
capitulos-01-02.pptx
RODOLFORODRIGUESGOME1
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
Roberto Izoton
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptxSOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
RaphaelFerreira926156
 
Introdução à sociologia
Introdução à sociologiaIntrodução à sociologia
Introdução à sociologia
Alexandre Von Réstio
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Portozana
 
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
SamaraDosSantosCarva1
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
LilianeBA
 
Sociologia iv
Sociologia ivSociologia iv
Sociologia iv
andrea almeida
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
BrendaBorges35
 
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SPciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip AssisCiência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
Edenilson Morais
 
As instituições sociais aula segundos anos
As  instituições sociais aula segundos anosAs  instituições sociais aula segundos anos
As instituições sociais aula segundos anos
Adriano Capilupe
 
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptxINSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
ssusere7722f
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
HisrelBlog
 
Textos de sociologia 3º bimestre
Textos de sociologia   3º bimestreTextos de sociologia   3º bimestre
Textos de sociologia 3º bimestre
Renato Assis
 
SOCIOLOGIA GERAL
SOCIOLOGIA GERALSOCIOLOGIA GERAL

Semelhante a A constr do social (20)

Sociologia
Sociologia Sociologia
Sociologia
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
capitulos-01-02.pptx
capitulos-01-02.pptxcapitulos-01-02.pptx
capitulos-01-02.pptx
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptxSOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
 
Introdução à sociologia
Introdução à sociologiaIntrodução à sociologia
Introdução à sociologia
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
 
Sociologia iv
Sociologia ivSociologia iv
Sociologia iv
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
 
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SPciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
 
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip AssisCiência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
 
As instituições sociais aula segundos anos
As  instituições sociais aula segundos anosAs  instituições sociais aula segundos anos
As instituições sociais aula segundos anos
 
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptxINSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
 
Textos de sociologia 3º bimestre
Textos de sociologia   3º bimestreTextos de sociologia   3º bimestre
Textos de sociologia 3º bimestre
 
SOCIOLOGIA GERAL
SOCIOLOGIA GERALSOCIOLOGIA GERAL
SOCIOLOGIA GERAL
 

Mais de cattonia

arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
cattonia
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
 
Portugal no sec.xix
Portugal no sec.xixPortugal no sec.xix
Portugal no sec.xix
 

Último

Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 

A constr do social

  • 2. A DIMENSÃO SOCIOLÓGICA DO SER HUMANO Área de Integração
  • 3. O ser humano, ao contrário dos restantes animais, é um animal social, que procura sempre ter uma vida em grupo. Viver em grupo implica o estabelecimento de relações pessoais com outros elementos desse grupo, relações essas caracterizadas pelo espírito de cooperação solidariedade, entreajuda. Assim, só afirmamos o nosso comportamento como seres humanos se estabelecermos relações com outros humanos.
  • 4. Este aspeto social da vida humana está presente desde os tempos mais remotos, em que surgiram as primeiras comunidades que evoluiram dos grupos de caçadores até às primeiras civilizações. Comunidade é assim um grupo que partilha as mesmas crenças, costumes e ideias, tendo em comum um mesmo passado, um mesmo presente e uma mesma expectativa de futuro. É a evolução da comunidade que conduz à sociedade. Esta sociedade pressupõe um sistema de relações entre indivíduos, estruturadas segundo interesses comuns, partilhando as mesmas regras (normas), cultura e instituições.
  • 6. Ao se perspetivar como um ser social, o Homem torna-se também um ser cultural e, como tal, possui ainda uma dimensão histórica – é um sujeito histórico (tem consciência do seu passado coletivo). Neste sentido, o ser humano transmite a sua cultura, os seus valores… aos seus pares provocando o que chamamos de Reprodução social. Opera-se assim uma transformação coletiva que se torna permanente e facilmente identificável no tempo e na História. Essa transformação não é mais do que uma Mudança social (por exemplo, a Revolução do 25 de Abril).
  • 7. Ser social por definição, o Homem foi construindo o seu espaço no mundo e na sua sociedade. Em resultado dessa evolução, surge a estratificação social, que conduz a uma hierarquização da sociedade.
  • 8. Os critérios que determinam a posição social de um indivíduo na hierarquia social variam com a sociedade mas podem ser em função de: • Riqueza; • Rendimento; • Poder; • Profissão; • Grau de instrução; • Prestígio; • Religião; • Etnia; • Ascendência social…
  • 9. Qualquer pessoa pode mudar ou ver mudada a sua posição na hierarquia social por via, dos seus méritos, episódio da vida ou qualquer outra razão. A este fenómeno chama-se mobilidade social. A mobilidade social pode ser: • Vertical, quando o indivíduo muda de estrato social. • Horizontal - quando o indivíduo muda de estatuto mas não muda de estrato (mudança de emprego ou de profissão, por exemplo). Existem sociedades onde esta mudança não é fácil. Por exemplo, na Índia mantém-se o Sistema de Castas.
  • 10. Se hoje em dia a nossa sociedade está aberta a estas mudanças, nem sempre assim foi. Vejamos o exemplo da Grécia antiga: Cidadãos 13% Metecos 32% Escravos 35% Homens livres com mais de 20 anos, filhos de pai e mãe ateniense. Eram ricos, donos de terras e escravos. Eram os únicos com direitos políticos. Homens livres comerciantes e artesãos, naturais de outra pólis. Não possuíam quaisquer direitos, mas estavam sujeitos ao serviço militar e pagavam impostos. Escravos, trabalhavam para sustentar a pólia. Eram geralmente bem tratados e podiam ser prisioneiros de guerra, vítimas de pirataria… Os restantes 20% correspondiam às mulheres e filhos dos cidadãos.
  • 11. Roma:
  • 12. Idade Média: A sociedade senhorial Dirigir Combater Orar Trabalhar Privilegiados Não Privilegiados
  • 13. Podemos considerar que o momento de viragem se deu com o Iluminismo, período da história que rompe com os princípios de uma Idade Média, das trevas e a quem traz a luz: Liberdade de pensamento Tolerância Primado da Razão Crença no Progresso Crítica à Religião Procura da Felicidade
  • 14.  Separação de poderes. Montesquieu  Igualdade perante a lei.  Soberania popular. Rousseau  Liberdade de expressão.  Tolerância religiosa.  Direito de propriedade. Voltaire Em resumo: Ideias iluministas
  • 15. O Iluminismo abriu caminho para a Revolução Francesa e o seu ideário de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. É esta a época da verdadeira revolução / mudança social com a assinatura da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão:
  • 16. Nos finais do séc. XVIII, enquanto os franceses se debatiam com a Revolução Francesa, em Inglaterra dava-se um outro acontecimento extremamente importante para a compreensão das sociedades europeias atuais: a Revolução Industrial, conjunto de mudanças tecnológicas que mudaram profundamente o processo produtivo e a organização económica e social das sociedades europeias.
  • 17. As grandes marcas da Revolução Industrial foram: • Um forte progresso tecnológico que permitiu a passagem da manufatura à industrialização, permitindo um grande aumento da produção; • Profunda alteração da organização social, com o surgimento de duas novas classes sociais que se encontram em situação de grande desigualdade – os capitalistas (proprietários do capital) e o proletariado (que possuindo apenas a sua força de trabalho a vendem aos capitalistas); • Radical alteração do carácter do trabalho, que passou a ser, na sua grande trabalho assalariado. Estes salários eram, contudo, cada vez mais baixos, as condições de trabalho eram degradantes. As condições de vida eram igualmente absolutamente miseráveis, o trabalho infantil generalizou-se (era normal as crianças começarem a trabalhar aos 6 anos de idade) e não havia qualquer tipo de proteção social em caso de acidente, doença ou morte, não havendo inclusive, nenhuma pensão ou reforma.