SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
COLÉGIO MILITAR DE CAMPO GRANDE
                                DISCIPLINA DE HISTÓRIA
                               ASS: GRANDES NAVEGAÇÕES


1.Introdução
Durante os séculos XV e XVI, os europeus, principalmente portugueses e espanhóis, lançaram-
se nos oceanos Pacífico, Índico e Atlântico com dois objetivos principais : descobrir uma nova
rota marítima para as Índias e encontrar novas terras. Este período ficou conhecido como a Era
das Grandes Navegações e Descobrimentos Marítimos.
2. Fatores que contribuíram para expansão marítima:
•      Encontrar um novo caminho para as Índias: no século XV, os países europeus que
quisessem comprar especiarias (pimenta, açafrão, gengibre, canela e outros temperos),
tinham que recorrer aos comerciantes de Veneza ou Gênova, que possuíam o monopólio
destes produtos. Com acesso aos mercados orientais, principalmente à Índia, os burgueses
italianos cobravam preços exorbitantes pelas especiarias do oriente. O canal de comunicação
e transporte de mercadorias vindas do oriente era o Mar Mediterrâneo, dominado pelos
italianos. Encontrar um novo caminho para as Índias era uma tarefa difícil, porém muito
desejada. Portugal e Espanha desejavam muito ter acesso direto às fontes orientais, para
poderem também lucrar com este interessante comércio.
•     Necessidade de conquistar novas terras: a burguesia precisava obter matérias-
primas, metais preciosos e produtos não encontrados na Europa. Os reis também estavam
interessados, tanto que financiaram grande parte dos empreendimentos marítimos, pois com
o aumento do comércio, poderiam também aumentar a arrecadação de impostos para os seus
reinos. Mais dinheiro significaria mais poder para os reis absolutistas da época.
•     Aumentar o número de fiéis: a                Igreja   Católica   estava   interessada   neste
 empreendimento, pois, significaria novos fiéis.
•     Conhecimento de novas técnicas, do astrolábio, da bússola, das caravelas, dos
 mapas cartográficos e dor relógio mecânico contribuiu para facilitar as grandes navegações.
•     Necessidade de novos mercados consumidores para os produtos manufaturados.
•     Já utilizavam a pólvora nas armas de fogo, dando mais segurança às expedições.
•      A imprensa serviu para divulgar os conhecimentos e ampliou o número de cartas
 náuticas.

3. Os Estados pioneiros:   os dois primeiros países que possuíam essas condições favoráveis
eram Portugal e Espanha.

Portugal, conhecedor de que as Índias (como genericamente era chamado o Oriente), ficava a
Leste, decidiu navegar nessa direção, contornando os obstáculos que fossem surgindo. Optou
pelo Ciclo Oriental. (costear a África)

Já a Espanha apostou no projeto trazido pelo genovês Cristóvão Colombo, que acreditava na
ideia da esfericidade da terra, e que bastaria navegar sempre em direção do ocidente para se
contornar a terra e se atingir as Índias. Era o Ciclo Ocidental.
4. Pioneirismo português: Portugal foi o pioneiro nas navegações dos séculos XV e XVI
devido a uma série de condições encontradas neste país ibérico.
•      Formação precoce de uma monarquia centralizada graças à guerra de Reconquista,
contra os muçulmanos;
•      Localização geográfica favorável, no extremo sul da Europa, com fácil acesso para o
Atlântico e para o continente africano;
•       Formação de uma classe mercantil mais dinâmica que a velha nobreza feudal,
facilitando a modernização da monarquia, com a Dinastia de Avis, após a revolução de 1385.
•      Além disso, a Europa, na época, atravessava um período de inovações técnicas
através da influência árabe, foram divulgados e aperfeiçoados diversos conhecimentos:
algarismos arábicos ,bússola, pólvora, papel. Com a invenção de imprensa, esses
conhecimentos ganhavam maior divulgação.
 •      A grande experiência em navegações, principalmente da pesca de bacalhau, ajudou
muito Portugal. As caravelas, principal meio de transporte marítimo e comercial do período,
eram desenvolvidas com qualidade superior à de outras nações. Portugal contou com uma
quantidade significativa de investimentos de capital vindos da burguesia e também da nobreza,
interessadas nos lucros que este negócio poderia gerar. Neste país também houve a
preocupação com os estudos náuticos, pois os portugueses chegaram a criar até mesmo uma
centro de estudos : A Escola de Sagres.
4.1. Planejamento das Navegações: navegar nos séculos XV e XVI era uma tarefa muito
arriscada, principalmente quando se tratava de mares desconhecidos. Era muito comum o
medo gerado pela falta de conhecimento e pela imaginação da época. Muitos acreditavam que
o mar pudesse ser habitado por monstros, enquanto outros tinham uma visão da terra como
algo plano e , portanto, ao navegar para o "fim" a caravela poderia cair num grande abismo.
Dentro deste contexto, planejar a viagem era de extrema importância. Os europeus contavam
com alguns instrumentos de navegação como, por exemplo: a bússola, o astrolábio e a
balestilha. Estes dois últimos utilizavam a localização dos astros como pontos de referência.
Também era necessário utilizar um meio de transporte rápido e resistente. As caravelas
cumpriam tais objetivos, embora ocorressem naufrágios e acidentes. As caravelas eram
capazes de transportar grandes quantidades de mercadorias e homens. Numa navegação
participavam marinheiros, soldados, padres, ajudantes, médicos e até mesmo um escrivão
para anotar tudo o que acontecia durantes as viagens.
•       Primeira conquista deveria ser de Ceuta: (1415) era muçulmana e muito rica e por isso
serviria para financiar as outras expedições.
4.2. Os descobrimentos portugueses:
Partindo de Lisboa, após a benção do sacerdote e da despedida do povo, caravela após
caravela deixava Portugal, voltando com notícias e lucros sempre crescentes. Inicialmente
contornando a África em:
•      1415 conquistaram Ceuta;
•     durante o século XV o litoral da África e Ilha da Madeira, Açores, Cabo Verde e Cabo
Bojador;
•      1434 – os portugueses chegaram ao Cabo Bojador.

•      1488 Bartolomeu Dias chegou ao Sul da África, contornando o Cabo da Boa Esperança;


• No ano de 1498, Portugal realiza uma das mais importantes navegações: é a chegada das
caravelas, comandadas por Vasco da Gama às Índias. Navegando ao redor do continente
africano, Vasco da Gama chegou à Calicute e pôde desfrutar de todos os benefícios do
comércio direto com o oriente. Ao retornar para Portugal, as caravelas portuguesas,
carregadas      de    especiarias,    renderam     lucros    fabulosos       aos     lusitanos.
Outro importante feito foi a chegada das caravelas de Cabral ao litoral brasileiro, em abril de
1500. Após fazer um reconhecimento da terra "descoberta", Cabral continuou o percurso em
direção às Índias.
Em função destes acontecimentos, Portugal tornou-se a principal potência econômica da época.
5. Navegações Espanholas A Espanha também se destacou nas conquistas marítimas deste
período, tornando-se, ao lado de Portugal, uma grande potência. Enquanto os portugueses
navegaram para as Índias contornando a África, os espanhóis optaram por um outro caminho.
O genovês Cristovão Colombo, financiado pela Espanha, pretendia chegar às Índias,
navegando na direção oeste. Em 1492, as caravelas espanholas partiram rumo ao oriente
navegando pelo Oceano Atlântico. Colombo tinha o conhecimento de que nosso planeta era
redondo, porém desconhecia a existência do continente americano. Chegou em 12 de outubro
de 1492 nas ilhas da América Central, sem saber que tinha atingido um novo continente. Foi
somente anos mais tarde que o navegador Américo Vespúcio identificou aquelas terras como
sendo um continente ainda não conhecido dos europeus. Em contato com os índios da América
( maias, incas e astecas ), os espanhóis começaram um processo de exploração destes povos,
interessados    na   grande     quantidade  de   ouro.  Além     de retirar  as   riquezas
dos indígenas americanos, os espanhóis destruíram suas culturas.
5.1. CRONOLOGIA
1492 – Colombo descobre a América
De 1492 ate 1504 – descobrimento das Antilhas, Panamá e da América do Sul
1504 – Américo Vespúcio afirmou que as terras descobertas por Colombo eram um novo
continente.
1513 – Nunes Balboa confirmou essa hipótese, atravessando por terra a América Central
chegando ao Oceano Pacífico. Em homenagem a Vespúcio, deu o nome de América ao novo
continente.
Entre 1519 e 1522 – Fernão de Magalhães iniciou a primeira viagem de circunavegação.
5.2. Cristóvão Colombo: foi um navegador e explorador genovês, responsável por liderar a
frota que alcançou o continente americano em 12 de Outubro de 1492, sob as ordens dos Reis
Católicos de Espanha, no chamado descobrimento da América. Empreendeu a sua viagem
através do Oceano Atlântico com o objectivo de atingir a , tendo na realidade descoberto as
ilhas das Caraíbas (Antilhas) e, mais tarde, a costa do na. Acreditava que os oceanos cobriam
apenas 1/7 da terra, portanto, seguindo pelo Atlântico logo chegariam ao continente asiático.
Acreditava que o fim do mundo seria no ano de 1650 e por isso deveria encontrar uma terra
que lhe permitisse obter muito lucro para salvar almas. Queria também ouro e honrarias.
Realizou 4 viagens a América.


6. Tratado de Tordesilhas: Os dois país es ibéricos entraram em divergência pela posse das
terras encontradas pelo navegador Cristóvão Colombo, italiano, a serviço da Espanha.
Em 1493, o papa tentou conciliar os interesses das duas nações católicas através da Bula
Inter Coetera. Este documento estabelecia uma linha imaginária a 100 léguas a oeste das
ilhas de Cabo Verde, como fronteira entre as terras espanholas e portuguesas. A Espanha
ficaria com as terras a oeste e Portugal ficaria com as terras a leste dessa linha. Sentindo-se
prejudicados, os portugueses não aceitaram essa divisão. A questão foi resolvida em 1494 com
a assinatura do Tratado de Tordesilhas. Por esse tratado, a linha imaginária foi deslocada para
370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde.
As terras a leste da linha ficariam para Portugal e as terras a oeste ficariam para a Espanha.


&. O atraso da Inglaterra, França e Holanda nas
 Grandes Navegações
Diversos fatores contribuíram para o retardamento da participação Inglesa francesa e
holandesa na expansão mercantil, dentre eles a Instabilidade política e econômica, a
inexistência de uma monarquia centralizada, aliada aos interesses das burguesias nacionais e
às resistências feudais.
Inglaterra: além do desgaste na Guerra dos Cem Anos (1337-1453), travada contra a França,
a Inglaterra sofreu os efeitos da Guerra das Duas Rosas (1455-85) retardando assim sua
presença nas Grandes Navegações, que somente ocorreria a partir do reinado de Henrique VII
(Tudor), estimulada pelo êxito ibérico: com a viagem dos italianos João e Sebastião Caboto
(1497-98) foi atingido o Labrador, no Canadá; entre 1584 e 1587, Walter Raleigh fundou a
colônia da Virgínia, o primeiro núcleo colonial inglês, além de tentar fundar colônias na Flórida.
A partir daí, e até 1740, serão formadas as 13 colônias inglesas da América do Norte.
Um dos feitos mais importantes das navegações inglesas foi a segunda viagem de
circunavegação, realizada por Francis Drake, entre 1587 e 1590.
Como não participaram da colonização utilizavam a pirataria para lucrar.
França: Seu atraso deveu-se aos problemas que marcaram o processo de centralização
monárquica, dificultado pela nobreza, e aos efeitos devastadores da Guerra dos Cem Anos. As
Grandes Navegações francesas começaram no século XVI, apoiadas pela dinastia Valois e com
a participação de navegadores estrangeiros.
Em 1523, o italiano Verrazano atingiu o litoral do Canadá e o norte dos EUA. Em seguida,
Jacques Cartier penetrou o rio São Lourenço, fundando em 1534 a colônia de Nova França, o
primeiro estabelecimento francês na América. Em 1604, já sob o governo dos Bourbons, os
franceses ocuparam a Guiana e em 1608 fundaram a colônia de Quebec, no Canadá. Ainda
neste século, penetraram o rio Mississipi e fundaram os núcleos de Saint Louis e Nova Orleans,
embrião da colônia da Louisiana. Além disso, os franceses fizeram duas tentativas de
colonização no Brasil: no Rio de Janeiro (1555-67), com a França Antártica, e no Maranhão
(1612-15), com a França Equinocial, ambas de curta duração. A penetração do Oriente
começou no reinado de Luís XIV com a conquista de parte da Índia.


Holanda
Mesmo com uma sólida tradição mercantil, os holandeses eram dominados pela Espanha. Sua
independência somente ocorreria em 1581, com o surgimento das Províncias Unidas dos Países
Baixos do Norte (Holanda). A partir daí, foram criadas as Companhias de Comércio, das Índias
Orientais (E.I.C.) e das Indias Ocidentais (W.I.C.), responsáveis pela penetração no bloco
colonial ibérico.
Em 1626, os flamengos entraram para as Grandes Navegações e atingiram a América do Norte,
onde fundaram a colônia de Nova Amsterdã, que depois de tomada pelos ingleses passou a se
denominar Nova York. Entre 1624 e 1654, a W.I.C. realizou duas invasões no Nordeste
brasileiro, buscando o controle da produção açucareira e, ao mesmo tempo, incursões na
África portuguesa, nas Antilhas espanholas e no Oriente. Na América do Sul, em sua parte
setentrional, criaram a Guiana holandesa, atual Suriname. No século XVII, os holandeses
controlavam um grande império colonial, especialmente nas Índias Orientais.


9. As consequências da expansão marítima: as
  Grandes     Navegações     e     Descobrimentos
  modificaram de forma significativa o mundo até
  então    conhecido.   Dentre     as   principais
  consequências da expansão europeia devem ser
  destacadas:
♦ O deslocamento do eixo econômico europeu do Mediterrâneo para o Atlântico-Índico, com a
   ascensão dos países ibéricos e a consequente decadência das cidades mercantis italianas.
♦ A consolidação do Estado Absolutista, típico da Época Moderna, que depois de patrocinar o
movimento expansionista, passou agora a usufruir dos seus lucros.,
♦ Adoção da política econômica mercantilista, baseada no protecionismo do Estado e no
regime de monopólios.
♦ A formação do Sistema Colonial Tradicional vinculado à política econômica mercantilista e
responsável pela colonização da América.
♦ O renascimento da escravidão nas áreas colônias nos moldes do capitalismo moderno, com
a utilização intensiva da força de trabalho indígena e africana.
♦ O fortalecimento da burguesia mercantil nos países atlânticos.
♦ Início do processo de europeização do mundo, especialmente, com a expansão do
cristianismo.
♦ A destruição das avançadas civilizações pré-colombianas existentes na América.
♦ A expansão do comércio europeu (Revolução Comercial), dentro de uma nova noção de
mercado, agora entendido em escala mundial.
♦ Aceleração da acumulação primitiva de capital, realizada através da circulação de
mercadorias.
♦ Revolução dos Preços, provocada pelo crescente afluxo de metais preciosos provenientes da
América.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaEdenilson Morais
 
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O  humanismo e o renascimentoCruzadinha de História - O  humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimentoMary Alvarenga
 
Slide do descobrimento do brasil
Slide do descobrimento do brasilSlide do descobrimento do brasil
Slide do descobrimento do brasilLAERCIO BORGES
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Cruzadinha - A Grécia Antiga
Cruzadinha  - A Grécia AntigaCruzadinha  - A Grécia Antiga
Cruzadinha - A Grécia AntigaMary Alvarenga
 
Capítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesaCapítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesaVitor Ferreira
 
Avaliação bimestral de história
Avaliação bimestral de históriaAvaliação bimestral de história
Avaliação bimestral de históriasomasantos
 
Cruzadas da história
Cruzadas da históriaCruzadas da história
Cruzadas da históriaAdilour Souto
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)Nefer19
 
4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabaritoCarlos Zaranza
 
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento Mary Alvarenga
 
Cruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouroCruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouroTalita Barreto
 
Atividades adaptadas- História --1.pdf
Atividades adaptadas- História --1.pdfAtividades adaptadas- História --1.pdf
Atividades adaptadas- História --1.pdfWenderson Santos Couto
 

Mais procurados (20)

Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
 
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O  humanismo e o renascimentoCruzadinha de História - O  humanismo e o renascimento
Cruzadinha de História - O humanismo e o renascimento
 
Povoamento do América
Povoamento do AméricaPovoamento do América
Povoamento do América
 
Slide do descobrimento do brasil
Slide do descobrimento do brasilSlide do descobrimento do brasil
Slide do descobrimento do brasil
 
Tópico 5 historia 6 ano1
Tópico 5 historia 6 ano1Tópico 5 historia 6 ano1
Tópico 5 historia 6 ano1
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
 
Cruzadinha - A Grécia Antiga
Cruzadinha  - A Grécia AntigaCruzadinha  - A Grécia Antiga
Cruzadinha - A Grécia Antiga
 
Atividade sobre as grandes navegaçoes
Atividade sobre as grandes navegaçoesAtividade sobre as grandes navegaçoes
Atividade sobre as grandes navegaçoes
 
Capítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesaCapítulo 6 a economia na américa portuguesa
Capítulo 6 a economia na américa portuguesa
 
Avaliação bimestral de história
Avaliação bimestral de históriaAvaliação bimestral de história
Avaliação bimestral de história
 
501
501501
501
 
Cruzadas da história
Cruzadas da históriaCruzadas da história
Cruzadas da história
 
Prova estudos orientados história 6 ano
Prova estudos orientados história 6 anoProva estudos orientados história 6 ano
Prova estudos orientados história 6 ano
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito
 
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Cruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouroCruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouro
 
Atividades adaptadas- História --1.pdf
Atividades adaptadas- História --1.pdfAtividades adaptadas- História --1.pdf
Atividades adaptadas- História --1.pdf
 

Destaque

Expansão marítima e descobrimento da américa 1
Expansão marítima e descobrimento da américa 1Expansão marítima e descobrimento da américa 1
Expansão marítima e descobrimento da américa 1Gisele Reis
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAndré Moraes
 
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdfIII Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdfAndré Moraes
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIINiela Tuani
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européiaedna2
 
Aula expansão marítima
Aula expansão marítimaAula expansão marítima
Aula expansão marítimaseixasmarianas
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)smece4e5
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaJairo Felipe
 
Roteiro de atividades de estudos independentes histiria 7 ano
Roteiro de atividades de estudos independentes  histiria 7 anoRoteiro de atividades de estudos independentes  histiria 7 ano
Roteiro de atividades de estudos independentes histiria 7 anoAtividades Diversas Cláudia
 

Destaque (20)

Prova de historia 1 ano 1 bimestre
Prova de historia 1 ano 1 bimestreProva de historia 1 ano 1 bimestre
Prova de historia 1 ano 1 bimestre
 
Quiz - Grandes Navegações
Quiz -  Grandes NavegaçõesQuiz -  Grandes Navegações
Quiz - Grandes Navegações
 
Expansão marítima e descobrimento da américa 1
Expansão marítima e descobrimento da américa 1Expansão marítima e descobrimento da américa 1
Expansão marítima e descobrimento da américa 1
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
 
Cruzadinha expansão maritima
Cruzadinha expansão maritimaCruzadinha expansão maritima
Cruzadinha expansão maritima
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
 
Avaliação de história 4ºano
Avaliação de história 4ºanoAvaliação de história 4ºano
Avaliação de história 4ºano
 
Atividade avaliativa de história
Atividade avaliativa de históriaAtividade avaliativa de história
Atividade avaliativa de história
 
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdfIII Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliativa de História 4º e 5º ano pdf
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Por mares nunca dantes navegados
Por mares nunca dantes navegadosPor mares nunca dantes navegados
Por mares nunca dantes navegados
 
Aula expansão marítima
Aula expansão marítimaAula expansão marítima
Aula expansão marítima
 
Avaliação de recup. historia 4º ano
Avaliação de recup. historia 4º anoAvaliação de recup. historia 4º ano
Avaliação de recup. historia 4º ano
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
 
Prova historia estudos orientados 7 ano
Prova historia estudos orientados 7 anoProva historia estudos orientados 7 ano
Prova historia estudos orientados 7 ano
 
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da InfânciaCaderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
Caderno de atividade - 5º ano - Programa Primeiros Saberes da Infância
 
Roteiro de atividades de estudos independentes histiria 7 ano
Roteiro de atividades de estudos independentes  histiria 7 anoRoteiro de atividades de estudos independentes  histiria 7 ano
Roteiro de atividades de estudos independentes histiria 7 ano
 
Respostas história
Respostas históriaRespostas história
Respostas história
 
4.historia 4o-e-5o-ano
4.historia 4o-e-5o-ano4.historia 4o-e-5o-ano
4.historia 4o-e-5o-ano
 

Semelhante a Plano grandes navegações tmp

Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt
Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).pptCópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt
Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).pptDanielyRibeiroDosSan
 
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpPéricles Penuel
 
Expansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 anoExpansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 anoGilvan Aragão
 
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilAsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilDanielli Gomes
 
asgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdf
asgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdfasgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdf
asgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdfCamilaAmorim64
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegaçõesJanayna Lira
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos131121
 
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamentalGrandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental975668
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxcarloshistoriador
 

Semelhante a Plano grandes navegações tmp (20)

Expansão mapas
Expansão mapasExpansão mapas
Expansão mapas
 
Expansão mapas
Expansão mapasExpansão mapas
Expansão mapas
 
Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt
Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).pptCópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt
Cópia de Grandes Navegações II -2021 (1).ppt
 
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmp
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Grandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoesGrandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoes
 
Expansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 anoExpansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 ano
 
Expansão maritima
Expansão maritimaExpansão maritima
Expansão maritima
 
Expansaomaritimaeuropeia
ExpansaomaritimaeuropeiaExpansaomaritimaeuropeia
Expansaomaritimaeuropeia
 
G1
G1G1
G1
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
 
2 navegacoes
2 navegacoes2 navegacoes
2 navegacoes
 
Expansão ultramarina
Expansão ultramarinaExpansão ultramarina
Expansão ultramarina
 
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilAsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
 
asgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdf
asgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdfasgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdf
asgrandesnavegacoes-181023185127 (1).pdf
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
 
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdfAS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
 
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamentalGrandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
Grandes Navegações - slide para 7 ano do ensino fundamental
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
 

Mais de Péricles Penuel

Mais de Péricles Penuel (20)

Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
 

Plano grandes navegações tmp

  • 1. COLÉGIO MILITAR DE CAMPO GRANDE DISCIPLINA DE HISTÓRIA ASS: GRANDES NAVEGAÇÕES 1.Introdução Durante os séculos XV e XVI, os europeus, principalmente portugueses e espanhóis, lançaram- se nos oceanos Pacífico, Índico e Atlântico com dois objetivos principais : descobrir uma nova rota marítima para as Índias e encontrar novas terras. Este período ficou conhecido como a Era das Grandes Navegações e Descobrimentos Marítimos. 2. Fatores que contribuíram para expansão marítima: • Encontrar um novo caminho para as Índias: no século XV, os países europeus que quisessem comprar especiarias (pimenta, açafrão, gengibre, canela e outros temperos), tinham que recorrer aos comerciantes de Veneza ou Gênova, que possuíam o monopólio destes produtos. Com acesso aos mercados orientais, principalmente à Índia, os burgueses italianos cobravam preços exorbitantes pelas especiarias do oriente. O canal de comunicação e transporte de mercadorias vindas do oriente era o Mar Mediterrâneo, dominado pelos italianos. Encontrar um novo caminho para as Índias era uma tarefa difícil, porém muito desejada. Portugal e Espanha desejavam muito ter acesso direto às fontes orientais, para poderem também lucrar com este interessante comércio. • Necessidade de conquistar novas terras: a burguesia precisava obter matérias- primas, metais preciosos e produtos não encontrados na Europa. Os reis também estavam interessados, tanto que financiaram grande parte dos empreendimentos marítimos, pois com o aumento do comércio, poderiam também aumentar a arrecadação de impostos para os seus reinos. Mais dinheiro significaria mais poder para os reis absolutistas da época. • Aumentar o número de fiéis: a Igreja Católica estava interessada neste empreendimento, pois, significaria novos fiéis. • Conhecimento de novas técnicas, do astrolábio, da bússola, das caravelas, dos mapas cartográficos e dor relógio mecânico contribuiu para facilitar as grandes navegações. • Necessidade de novos mercados consumidores para os produtos manufaturados. • Já utilizavam a pólvora nas armas de fogo, dando mais segurança às expedições. • A imprensa serviu para divulgar os conhecimentos e ampliou o número de cartas náuticas. 3. Os Estados pioneiros: os dois primeiros países que possuíam essas condições favoráveis eram Portugal e Espanha. Portugal, conhecedor de que as Índias (como genericamente era chamado o Oriente), ficava a Leste, decidiu navegar nessa direção, contornando os obstáculos que fossem surgindo. Optou pelo Ciclo Oriental. (costear a África) Já a Espanha apostou no projeto trazido pelo genovês Cristóvão Colombo, que acreditava na ideia da esfericidade da terra, e que bastaria navegar sempre em direção do ocidente para se contornar a terra e se atingir as Índias. Era o Ciclo Ocidental. 4. Pioneirismo português: Portugal foi o pioneiro nas navegações dos séculos XV e XVI devido a uma série de condições encontradas neste país ibérico. • Formação precoce de uma monarquia centralizada graças à guerra de Reconquista, contra os muçulmanos; • Localização geográfica favorável, no extremo sul da Europa, com fácil acesso para o Atlântico e para o continente africano; • Formação de uma classe mercantil mais dinâmica que a velha nobreza feudal, facilitando a modernização da monarquia, com a Dinastia de Avis, após a revolução de 1385.
  • 2. Além disso, a Europa, na época, atravessava um período de inovações técnicas através da influência árabe, foram divulgados e aperfeiçoados diversos conhecimentos: algarismos arábicos ,bússola, pólvora, papel. Com a invenção de imprensa, esses conhecimentos ganhavam maior divulgação. • A grande experiência em navegações, principalmente da pesca de bacalhau, ajudou muito Portugal. As caravelas, principal meio de transporte marítimo e comercial do período, eram desenvolvidas com qualidade superior à de outras nações. Portugal contou com uma quantidade significativa de investimentos de capital vindos da burguesia e também da nobreza, interessadas nos lucros que este negócio poderia gerar. Neste país também houve a preocupação com os estudos náuticos, pois os portugueses chegaram a criar até mesmo uma centro de estudos : A Escola de Sagres. 4.1. Planejamento das Navegações: navegar nos séculos XV e XVI era uma tarefa muito arriscada, principalmente quando se tratava de mares desconhecidos. Era muito comum o medo gerado pela falta de conhecimento e pela imaginação da época. Muitos acreditavam que o mar pudesse ser habitado por monstros, enquanto outros tinham uma visão da terra como algo plano e , portanto, ao navegar para o "fim" a caravela poderia cair num grande abismo. Dentro deste contexto, planejar a viagem era de extrema importância. Os europeus contavam com alguns instrumentos de navegação como, por exemplo: a bússola, o astrolábio e a balestilha. Estes dois últimos utilizavam a localização dos astros como pontos de referência. Também era necessário utilizar um meio de transporte rápido e resistente. As caravelas cumpriam tais objetivos, embora ocorressem naufrágios e acidentes. As caravelas eram capazes de transportar grandes quantidades de mercadorias e homens. Numa navegação participavam marinheiros, soldados, padres, ajudantes, médicos e até mesmo um escrivão para anotar tudo o que acontecia durantes as viagens. • Primeira conquista deveria ser de Ceuta: (1415) era muçulmana e muito rica e por isso serviria para financiar as outras expedições. 4.2. Os descobrimentos portugueses: Partindo de Lisboa, após a benção do sacerdote e da despedida do povo, caravela após caravela deixava Portugal, voltando com notícias e lucros sempre crescentes. Inicialmente contornando a África em: • 1415 conquistaram Ceuta; • durante o século XV o litoral da África e Ilha da Madeira, Açores, Cabo Verde e Cabo Bojador; • 1434 – os portugueses chegaram ao Cabo Bojador. • 1488 Bartolomeu Dias chegou ao Sul da África, contornando o Cabo da Boa Esperança; • No ano de 1498, Portugal realiza uma das mais importantes navegações: é a chegada das caravelas, comandadas por Vasco da Gama às Índias. Navegando ao redor do continente africano, Vasco da Gama chegou à Calicute e pôde desfrutar de todos os benefícios do comércio direto com o oriente. Ao retornar para Portugal, as caravelas portuguesas, carregadas de especiarias, renderam lucros fabulosos aos lusitanos. Outro importante feito foi a chegada das caravelas de Cabral ao litoral brasileiro, em abril de 1500. Após fazer um reconhecimento da terra "descoberta", Cabral continuou o percurso em direção às Índias. Em função destes acontecimentos, Portugal tornou-se a principal potência econômica da época. 5. Navegações Espanholas A Espanha também se destacou nas conquistas marítimas deste período, tornando-se, ao lado de Portugal, uma grande potência. Enquanto os portugueses navegaram para as Índias contornando a África, os espanhóis optaram por um outro caminho. O genovês Cristovão Colombo, financiado pela Espanha, pretendia chegar às Índias, navegando na direção oeste. Em 1492, as caravelas espanholas partiram rumo ao oriente navegando pelo Oceano Atlântico. Colombo tinha o conhecimento de que nosso planeta era redondo, porém desconhecia a existência do continente americano. Chegou em 12 de outubro de 1492 nas ilhas da América Central, sem saber que tinha atingido um novo continente. Foi
  • 3. somente anos mais tarde que o navegador Américo Vespúcio identificou aquelas terras como sendo um continente ainda não conhecido dos europeus. Em contato com os índios da América ( maias, incas e astecas ), os espanhóis começaram um processo de exploração destes povos, interessados na grande quantidade de ouro. Além de retirar as riquezas dos indígenas americanos, os espanhóis destruíram suas culturas. 5.1. CRONOLOGIA 1492 – Colombo descobre a América De 1492 ate 1504 – descobrimento das Antilhas, Panamá e da América do Sul 1504 – Américo Vespúcio afirmou que as terras descobertas por Colombo eram um novo continente. 1513 – Nunes Balboa confirmou essa hipótese, atravessando por terra a América Central chegando ao Oceano Pacífico. Em homenagem a Vespúcio, deu o nome de América ao novo continente. Entre 1519 e 1522 – Fernão de Magalhães iniciou a primeira viagem de circunavegação. 5.2. Cristóvão Colombo: foi um navegador e explorador genovês, responsável por liderar a frota que alcançou o continente americano em 12 de Outubro de 1492, sob as ordens dos Reis Católicos de Espanha, no chamado descobrimento da América. Empreendeu a sua viagem através do Oceano Atlântico com o objectivo de atingir a , tendo na realidade descoberto as ilhas das Caraíbas (Antilhas) e, mais tarde, a costa do na. Acreditava que os oceanos cobriam apenas 1/7 da terra, portanto, seguindo pelo Atlântico logo chegariam ao continente asiático. Acreditava que o fim do mundo seria no ano de 1650 e por isso deveria encontrar uma terra que lhe permitisse obter muito lucro para salvar almas. Queria também ouro e honrarias. Realizou 4 viagens a América. 6. Tratado de Tordesilhas: Os dois país es ibéricos entraram em divergência pela posse das terras encontradas pelo navegador Cristóvão Colombo, italiano, a serviço da Espanha. Em 1493, o papa tentou conciliar os interesses das duas nações católicas através da Bula Inter Coetera. Este documento estabelecia uma linha imaginária a 100 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde, como fronteira entre as terras espanholas e portuguesas. A Espanha ficaria com as terras a oeste e Portugal ficaria com as terras a leste dessa linha. Sentindo-se prejudicados, os portugueses não aceitaram essa divisão. A questão foi resolvida em 1494 com a assinatura do Tratado de Tordesilhas. Por esse tratado, a linha imaginária foi deslocada para 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde. As terras a leste da linha ficariam para Portugal e as terras a oeste ficariam para a Espanha. &. O atraso da Inglaterra, França e Holanda nas Grandes Navegações Diversos fatores contribuíram para o retardamento da participação Inglesa francesa e holandesa na expansão mercantil, dentre eles a Instabilidade política e econômica, a inexistência de uma monarquia centralizada, aliada aos interesses das burguesias nacionais e às resistências feudais. Inglaterra: além do desgaste na Guerra dos Cem Anos (1337-1453), travada contra a França, a Inglaterra sofreu os efeitos da Guerra das Duas Rosas (1455-85) retardando assim sua presença nas Grandes Navegações, que somente ocorreria a partir do reinado de Henrique VII (Tudor), estimulada pelo êxito ibérico: com a viagem dos italianos João e Sebastião Caboto (1497-98) foi atingido o Labrador, no Canadá; entre 1584 e 1587, Walter Raleigh fundou a colônia da Virgínia, o primeiro núcleo colonial inglês, além de tentar fundar colônias na Flórida. A partir daí, e até 1740, serão formadas as 13 colônias inglesas da América do Norte. Um dos feitos mais importantes das navegações inglesas foi a segunda viagem de circunavegação, realizada por Francis Drake, entre 1587 e 1590.
  • 4. Como não participaram da colonização utilizavam a pirataria para lucrar. França: Seu atraso deveu-se aos problemas que marcaram o processo de centralização monárquica, dificultado pela nobreza, e aos efeitos devastadores da Guerra dos Cem Anos. As Grandes Navegações francesas começaram no século XVI, apoiadas pela dinastia Valois e com a participação de navegadores estrangeiros. Em 1523, o italiano Verrazano atingiu o litoral do Canadá e o norte dos EUA. Em seguida, Jacques Cartier penetrou o rio São Lourenço, fundando em 1534 a colônia de Nova França, o primeiro estabelecimento francês na América. Em 1604, já sob o governo dos Bourbons, os franceses ocuparam a Guiana e em 1608 fundaram a colônia de Quebec, no Canadá. Ainda neste século, penetraram o rio Mississipi e fundaram os núcleos de Saint Louis e Nova Orleans, embrião da colônia da Louisiana. Além disso, os franceses fizeram duas tentativas de colonização no Brasil: no Rio de Janeiro (1555-67), com a França Antártica, e no Maranhão (1612-15), com a França Equinocial, ambas de curta duração. A penetração do Oriente começou no reinado de Luís XIV com a conquista de parte da Índia. Holanda Mesmo com uma sólida tradição mercantil, os holandeses eram dominados pela Espanha. Sua independência somente ocorreria em 1581, com o surgimento das Províncias Unidas dos Países Baixos do Norte (Holanda). A partir daí, foram criadas as Companhias de Comércio, das Índias Orientais (E.I.C.) e das Indias Ocidentais (W.I.C.), responsáveis pela penetração no bloco colonial ibérico. Em 1626, os flamengos entraram para as Grandes Navegações e atingiram a América do Norte, onde fundaram a colônia de Nova Amsterdã, que depois de tomada pelos ingleses passou a se denominar Nova York. Entre 1624 e 1654, a W.I.C. realizou duas invasões no Nordeste brasileiro, buscando o controle da produção açucareira e, ao mesmo tempo, incursões na África portuguesa, nas Antilhas espanholas e no Oriente. Na América do Sul, em sua parte setentrional, criaram a Guiana holandesa, atual Suriname. No século XVII, os holandeses controlavam um grande império colonial, especialmente nas Índias Orientais. 9. As consequências da expansão marítima: as Grandes Navegações e Descobrimentos modificaram de forma significativa o mundo até então conhecido. Dentre as principais consequências da expansão europeia devem ser destacadas: ♦ O deslocamento do eixo econômico europeu do Mediterrâneo para o Atlântico-Índico, com a ascensão dos países ibéricos e a consequente decadência das cidades mercantis italianas. ♦ A consolidação do Estado Absolutista, típico da Época Moderna, que depois de patrocinar o movimento expansionista, passou agora a usufruir dos seus lucros., ♦ Adoção da política econômica mercantilista, baseada no protecionismo do Estado e no regime de monopólios. ♦ A formação do Sistema Colonial Tradicional vinculado à política econômica mercantilista e responsável pela colonização da América. ♦ O renascimento da escravidão nas áreas colônias nos moldes do capitalismo moderno, com a utilização intensiva da força de trabalho indígena e africana.
  • 5. ♦ O fortalecimento da burguesia mercantil nos países atlânticos. ♦ Início do processo de europeização do mundo, especialmente, com a expansão do cristianismo. ♦ A destruição das avançadas civilizações pré-colombianas existentes na América. ♦ A expansão do comércio europeu (Revolução Comercial), dentro de uma nova noção de mercado, agora entendido em escala mundial. ♦ Aceleração da acumulação primitiva de capital, realizada através da circulação de mercadorias. ♦ Revolução dos Preços, provocada pelo crescente afluxo de metais preciosos provenientes da América.