SlideShare uma empresa Scribd logo
História 8º ano Professora: Carla Freitas
”Esperavam-se as notícias de Portugal sobre a chegada das suas caravelas, e
aguardava-se uma tal notícia com medo e apreensão [...]. Na feira alemã de
Veneza, há muito poucos negócios. E isto porque os Alemães não querem
comprar a altos preços correntes [...] dado a pequena quantidade de especiarias
que se encontram em Veneza. [...] E, na verdade, havia muito menos trocas do
que se poderia ter previsto. E isto provinha do facto de os alemães não
comprarem de imediato o que necessitavam; porque não sabiam que
especiarias seriam trazidas pelas caravelas portuguesas.”
Diário de um mercador veneziano, 1508, em Les Mémoires de l Europe, Paris, 1972
“Na última década do século XV, a visão mediterrânico-continental foi
substituída pela visão oceânica do Globo. (...)
No primeiro quartel do séc. XVI, a produção e a circulação de bens
multiplicam-se e a economia passa a desenvolver-se à escala do Mundo”
Vitorino Magalhães Godinho, Os descobrimentos e a Economia Mundial, Lisboa, 1983
Comércio à escala mundial
Rotas Atlânticas
Comércio triangular
Rota do Cabo Rotas do Extremo Oriente
Rota de
Manila
Tabaco, aguardente
Escravos
Portugal
ÁfricaBrasil
Comércio Triangular
Comércio à escala mundial
Rotas Atlânticas
Comércio triangular
Ligavam o continente europeu ao africano
e americano. Corresponde ao comércio
triangular:
•Europa enviava metais, bugigangas e
panos para África.
•De África iam escravos para a América.
•Da América ia açúcar, tabaco, ouro e prata
para a Europa.
Rota do Cabo
Rota que ligava a Europa à Ásia e à costa
oriental africana, através do Cabo da Boa
Esperança, permitindo acesso aos ricos
produtos orientais, como especiarias.
Rotas do Extremo
Oriente
Rota de Manila
Ligava a índia à China e ao Japão,
permitindo aos portugueses acesso a
produtos como a porcelana, o chá, a seda,
papel, etc.
Ligava a Espanha à América e às Filipinas
atravessando o Índico. Permitia à Europa o
acesso a prata e a ouro.
•Cereais
•Videira
•Cana-de-açúcar
•Oliveira
•Algodão
•Boi
•Porco
•Galinhas
Produtos levados pelos europeus para
outros continentes
Produtos oriundos de África
•Ouro
•Escravos
•Marfim
•Malagueta
•Café
•Melancia
Produtos oriundos da Ásia
•Especiarias
•Sedas
•Produtos de Luxo
•Arroz
•Cana-de-açúcar
•Coco
•Algodão
•Chá
•Banana
•Manga
•Laranja-doce
Produtos oriundos da América
•Madeira
•Açúcar
•Ouro
•Prata
•Tomate
•Tabaco
•Mandioca
•Batata
•Milho
•Cacau
•Feijão
•Ananás
•Perú
Em Portugal tem-se como uma grande desonra exercer alguma profissão. Os escravos
pululam por toda a parte. Todo o serviço é feito por negros e por mouros cativos. Portugal
está a abarrotar com essa raça de gente [...] Estou em crer que em Lisboa os escravos e as
escravas são mais do que os portugueses livres de condição.
Nicolau Clenardo, Carta a Látomo
 Alimentação e paisagens agrárias
Costumes
 Vestuário
 Decoração
 Mão-de-obra escrava
Modificações no Quotidiano
Biombo Arte nambam

“A mesa estava delicadamente ornada e coberta com toalhas da
Bretanha e tela da Índia (…) Os manjares eram abundantíssimos (…) e
na maior parte pouco agradáveis ao paladar, porque lhes deitavam à
toa e em todos grandes quantidades de açúcar, canela, especiarias (…)
Dos lados estavam dois criados vestidos de veludo preto chamados
porteiros (…) O duque de Bragança (…) vinha vestido com uma capa
de pano raso, abotoado o capuz com diamantes e fecho de ouro, e as
bandas compridas e apresilhadas com rubis e ouro; o barrete era de
veludo com fios de rubis, diamantes, pérolas e ouro; as calças eram de
veludo azul-escuro agaloadas de ouro”
Relato de um mercador italiano (séc. XVI)

Modificações
Vocabulário Português e Japonês
Origem Portuguesa Origem Japonesa
Abóbora Bobora Banzai Banzé
Bolo Bolo Byôbu Biombo
Botão Botan Judo Judo
Católico Katorikku Kimono Quimono
Cristão Kirishitan Nippon Japão
Pão Pan Samurai Samurai
Sabão Shabon Tchá Chá
Varanda Beranda Tchawan Chávena
A expansão Ibérica possibilitou o intercâmbio de culturas e a
miscigenação. O contato entre europeus, africanos, ameríndios e orientais
permitiu atroca de conhecimentos, hábitos, costumes, línguas, religiões...
A este processo chama-se aculturação.
Foi o 1º passo para a globalização.
Aculturação
Consequências
 Aumento generalizado dos preços na Europa
 Alteração da Gastronomia (introdução do
feijão, do tomate, de frutas tropicais e
generalização do uso de especiarias)
 Introdução de novos hábitos
(Bebidas, tabaco, drogas)
 Aumento dos hábitos luxuosos como o uso de
sedas, tapetes e decoração com materiais
exóticos, porcelanas, etc.
 Introdução da cultura europeia nos outros
continentes e vice-versa (Aculturação)
 Aparecimento de novos centros económicos

Lisboa
Onde chegam grandes quantidades de
especiarias e, mais tarde, de açúcar do
Brasil
Lisboa vê-se colocada na convergência
das grandes rotas mundiais,
transformando-se num importante
entreposto comercial, científico e
cultural da Europa.
Casa da Índia – controlava o
comércio colonial

Sevilha
Onde afluíam grandes quantidades
de metais preciosos
Sevilha era em finais do século
XVI um dos principais portos
castelhanos no comércio com
a Inglaterra, Flandres
e Génova fundamentalmente Casa de contratación
controlava o comércio colonial

Antuérpia
Portugal criou, em Antuérpia, uma feitoria portuguesa para onde
enviava quase tudo que chegava a Lisboa, vindo da Ásia.
Os comerciantes espanhois instalaram-se também nesta cidade.
Os negócios das coroas ibéricas centraram-se nesta cidade que fazia a
redistribuição dos produtos coloniais ibéricos.
Ao longo do século XVI, tornou-se o centro da "economia
do mundo".
O COMÉRCIO À ESCALA MUNDIAL
Expansão ibérica
Mundialização da economia
Novas rotas do comércio intercontinental
América
Rotas Atlânticas
Importantes centros económicos
Produtos
Rota do Cabo Rota de Manila
África Ásia
Lisboa Sevilha Antuérpia
Política de transporte Redistribuição dos produtos
- Ouro
- Escravos
- Marfim
-Malagueta
Rota do Extremo Oriente
- Especiarias
- Tecidos de luxo
- Porcelanas
- Pedras preciosas
- Perfumes
- Metais preciosos
- Batata, Tomate
- Milho maís
- Frutos tropicais
-Tabaco

 Aculturação – Conjunto de mudanças que se processa num grupo
social ou num povo quando mantém contactos frequentes com
outro(s).
Conceitos a Reter

Metas
O que deves saber desta matéria
1. Justificar a passagem a uma economia mundial.
2. Identificar as principais rotas e os produtos que
circulavam em cada uma delas.
3. Identificar produtos oriundos de cada um dos
continentes.
4. Avaliar o impacto dos descobrimentos nos
hábitos quotidianos e na cultura das várias
populações.
5. Definir aculturação.
6. Descrever o papel dos príncipais centros
económicos nos séculos XV e XVI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaOs motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaMaria Gomes
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesasandrabranco
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do OrienteSusana Simões
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIMaria Gomes
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristãcattonia
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaRainha Maga
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaPatricia .
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXJorge Almeida
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 
O Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºanoO Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºanoVasco Pires
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteRainha Maga
 
Cronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugalCronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugaljosepinho
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasRaffaella Ergün
 
Comércio mundial
Comércio  mundialComércio  mundial
Comércio mundialMaria Gomes
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 

Mais procurados (20)

O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaOs motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesa
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
O Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºanoO Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºano
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
 
Cronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugalCronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugal
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
Comércio mundial
Comércio  mundialComércio  mundial
Comércio mundial
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 

Destaque

O trabalho escravo
O trabalho escravoO trabalho escravo
O trabalho escravoRebeca Neiva
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVICatarina Sequeira
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIcruchinho
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberaisinessalgado
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIsandranascimento
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaLeonardo Alves
 

Destaque (9)

O trabalho escravo
O trabalho escravoO trabalho escravo
O trabalho escravo
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
 
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e LiberaisRevoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
Revoluções: Agrícola, Industrial e Liberais
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
 
I - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRAI - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRA
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vida
 

Semelhante a 25 - Comércio à escala mundial

Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxcarloshistoriador
 
Vida em Portugal e os Descobrimentos
Vida em Portugal e os DescobrimentosVida em Portugal e os Descobrimentos
Vida em Portugal e os DescobrimentosEBseis
 
EXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºanoEXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºanoJoao Guerra
 
O comércio à escala mundial
O comércio à escala mundialO comércio à escala mundial
O comércio à escala mundialRosa Fonseca
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugaltelmascapelo
 
Portugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xxPortugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xxpipoquinhalove
 
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIO Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIBeatriz Moscatel
 
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02Carolina Magalhães
 
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)scazuzza
 
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02Carolina Magalhães
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricapaulasalvador
 
Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Vagner Lin
 
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santosHistória do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santosArtur Filipe dos Santos
 

Semelhante a 25 - Comércio à escala mundial (20)

As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
 
Vida em Portugal e os Descobrimentos
Vida em Portugal e os DescobrimentosVida em Portugal e os Descobrimentos
Vida em Portugal e os Descobrimentos
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
EXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºanoEXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºano
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
O comércio à escala mundial
O comércio à escala mundialO comércio à escala mundial
O comércio à escala mundial
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugal
 
Portugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xxPortugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xx
 
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdfAS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
 
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIO Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
 
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
 
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
 
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
Osprimeirospovosahabitarapennsulaibrica 100930151104-phpapp02
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
 
Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1
 
História da moeda em portugal
História da moeda em portugalHistória da moeda em portugal
História da moeda em portugal
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santosHistória do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
História do porto - Os judeus e as judiarias do porto - artur filipe dos santos
 
Primeiros povos
Primeiros povosPrimeiros povos
Primeiros povos
 

Mais de Carla Freitas

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 

Último

Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 

Último (20)

Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 

25 - Comércio à escala mundial

  • 1. História 8º ano Professora: Carla Freitas
  • 2. ”Esperavam-se as notícias de Portugal sobre a chegada das suas caravelas, e aguardava-se uma tal notícia com medo e apreensão [...]. Na feira alemã de Veneza, há muito poucos negócios. E isto porque os Alemães não querem comprar a altos preços correntes [...] dado a pequena quantidade de especiarias que se encontram em Veneza. [...] E, na verdade, havia muito menos trocas do que se poderia ter previsto. E isto provinha do facto de os alemães não comprarem de imediato o que necessitavam; porque não sabiam que especiarias seriam trazidas pelas caravelas portuguesas.” Diário de um mercador veneziano, 1508, em Les Mémoires de l Europe, Paris, 1972 “Na última década do século XV, a visão mediterrânico-continental foi substituída pela visão oceânica do Globo. (...) No primeiro quartel do séc. XVI, a produção e a circulação de bens multiplicam-se e a economia passa a desenvolver-se à escala do Mundo” Vitorino Magalhães Godinho, Os descobrimentos e a Economia Mundial, Lisboa, 1983
  • 3. Comércio à escala mundial Rotas Atlânticas Comércio triangular Rota do Cabo Rotas do Extremo Oriente Rota de Manila
  • 5. Comércio à escala mundial Rotas Atlânticas Comércio triangular Ligavam o continente europeu ao africano e americano. Corresponde ao comércio triangular: •Europa enviava metais, bugigangas e panos para África. •De África iam escravos para a América. •Da América ia açúcar, tabaco, ouro e prata para a Europa. Rota do Cabo Rota que ligava a Europa à Ásia e à costa oriental africana, através do Cabo da Boa Esperança, permitindo acesso aos ricos produtos orientais, como especiarias. Rotas do Extremo Oriente Rota de Manila Ligava a índia à China e ao Japão, permitindo aos portugueses acesso a produtos como a porcelana, o chá, a seda, papel, etc. Ligava a Espanha à América e às Filipinas atravessando o Índico. Permitia à Europa o acesso a prata e a ouro.
  • 7. Produtos oriundos de África •Ouro •Escravos •Marfim •Malagueta •Café •Melancia
  • 8. Produtos oriundos da Ásia •Especiarias •Sedas •Produtos de Luxo •Arroz •Cana-de-açúcar •Coco •Algodão •Chá •Banana •Manga •Laranja-doce
  • 9. Produtos oriundos da América •Madeira •Açúcar •Ouro •Prata •Tomate •Tabaco •Mandioca •Batata •Milho •Cacau •Feijão •Ananás •Perú
  • 10. Em Portugal tem-se como uma grande desonra exercer alguma profissão. Os escravos pululam por toda a parte. Todo o serviço é feito por negros e por mouros cativos. Portugal está a abarrotar com essa raça de gente [...] Estou em crer que em Lisboa os escravos e as escravas são mais do que os portugueses livres de condição. Nicolau Clenardo, Carta a Látomo  Alimentação e paisagens agrárias Costumes  Vestuário  Decoração  Mão-de-obra escrava Modificações no Quotidiano Biombo Arte nambam
  • 11.  “A mesa estava delicadamente ornada e coberta com toalhas da Bretanha e tela da Índia (…) Os manjares eram abundantíssimos (…) e na maior parte pouco agradáveis ao paladar, porque lhes deitavam à toa e em todos grandes quantidades de açúcar, canela, especiarias (…) Dos lados estavam dois criados vestidos de veludo preto chamados porteiros (…) O duque de Bragança (…) vinha vestido com uma capa de pano raso, abotoado o capuz com diamantes e fecho de ouro, e as bandas compridas e apresilhadas com rubis e ouro; o barrete era de veludo com fios de rubis, diamantes, pérolas e ouro; as calças eram de veludo azul-escuro agaloadas de ouro” Relato de um mercador italiano (séc. XVI)
  • 12.  Modificações Vocabulário Português e Japonês Origem Portuguesa Origem Japonesa Abóbora Bobora Banzai Banzé Bolo Bolo Byôbu Biombo Botão Botan Judo Judo Católico Katorikku Kimono Quimono Cristão Kirishitan Nippon Japão Pão Pan Samurai Samurai Sabão Shabon Tchá Chá Varanda Beranda Tchawan Chávena
  • 13. A expansão Ibérica possibilitou o intercâmbio de culturas e a miscigenação. O contato entre europeus, africanos, ameríndios e orientais permitiu atroca de conhecimentos, hábitos, costumes, línguas, religiões... A este processo chama-se aculturação. Foi o 1º passo para a globalização. Aculturação
  • 14. Consequências  Aumento generalizado dos preços na Europa  Alteração da Gastronomia (introdução do feijão, do tomate, de frutas tropicais e generalização do uso de especiarias)  Introdução de novos hábitos (Bebidas, tabaco, drogas)  Aumento dos hábitos luxuosos como o uso de sedas, tapetes e decoração com materiais exóticos, porcelanas, etc.  Introdução da cultura europeia nos outros continentes e vice-versa (Aculturação)  Aparecimento de novos centros económicos
  • 15.  Lisboa Onde chegam grandes quantidades de especiarias e, mais tarde, de açúcar do Brasil Lisboa vê-se colocada na convergência das grandes rotas mundiais, transformando-se num importante entreposto comercial, científico e cultural da Europa. Casa da Índia – controlava o comércio colonial
  • 16.  Sevilha Onde afluíam grandes quantidades de metais preciosos Sevilha era em finais do século XVI um dos principais portos castelhanos no comércio com a Inglaterra, Flandres e Génova fundamentalmente Casa de contratación controlava o comércio colonial
  • 17.  Antuérpia Portugal criou, em Antuérpia, uma feitoria portuguesa para onde enviava quase tudo que chegava a Lisboa, vindo da Ásia. Os comerciantes espanhois instalaram-se também nesta cidade. Os negócios das coroas ibéricas centraram-se nesta cidade que fazia a redistribuição dos produtos coloniais ibéricos. Ao longo do século XVI, tornou-se o centro da "economia do mundo".
  • 18. O COMÉRCIO À ESCALA MUNDIAL Expansão ibérica Mundialização da economia Novas rotas do comércio intercontinental América Rotas Atlânticas Importantes centros económicos Produtos Rota do Cabo Rota de Manila África Ásia Lisboa Sevilha Antuérpia Política de transporte Redistribuição dos produtos - Ouro - Escravos - Marfim -Malagueta Rota do Extremo Oriente - Especiarias - Tecidos de luxo - Porcelanas - Pedras preciosas - Perfumes - Metais preciosos - Batata, Tomate - Milho maís - Frutos tropicais -Tabaco
  • 19.   Aculturação – Conjunto de mudanças que se processa num grupo social ou num povo quando mantém contactos frequentes com outro(s). Conceitos a Reter
  • 20.  Metas O que deves saber desta matéria 1. Justificar a passagem a uma economia mundial. 2. Identificar as principais rotas e os produtos que circulavam em cada uma delas. 3. Identificar produtos oriundos de cada um dos continentes. 4. Avaliar o impacto dos descobrimentos nos hábitos quotidianos e na cultura das várias populações. 5. Definir aculturação. 6. Descrever o papel dos príncipais centros económicos nos séculos XV e XVI