SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
 Caracterizar a teoria mercantilista
 Relacionar esta teoria com a necessidade de
afirmação do absolutismo
 Distinguir os vários tipos de mercantilismo;
Francês; Inglês; Holandês; Português
Apesar da economia
assentar na agricultura , o
comércio colonial era
também importante.
Os produtos ultramarinos
(especiarias, açúcar, chá,
tabaco, algodão, cacau,…)
animavam a vida nas
cidades e enriqueciam a
burguesia.
Em França, ColbertColbert,
ministro do rei Luís XIV,
desenvolveu um conjunto
de políticas económicas a
que se deu o nome de
mercantilismo.
• Mercantilismo é o nome dado a um conjunto
de práticas económicas desenvolvido na
Europa na Idade Moderna, entre o século XV e
os finais do século XVIII. O mercantilismo
originou um conjunto de medidas económicas
diversas de acordo com os estados.
 Com o rápido crescimento do comércio
que exigia uma maior circulação e a
existência de um deficiente sistema
bancário, justificavam a acumulação
metalista;
 Sem um sistema de finanças
internacionais desenvolvido, a
acumulação de metais preciosos
desempenhou um importante papel na
efetuação dos pagamentos
1-Metalismo : o ouro e a prata eram
metais que deixavam uma nação
muito rica e poderosa, portanto os
governantes faziam de tudo para
acumular estes metais. Além do
comércio externo, que trazia
moedas para a economia interna do
país, a exploração de territórios
conquistados era incentivada neste
período.
2-Incentivos às manufacturas :
o governo estimulava o
desenvolvimento de
manufacturas nos seus
territórios. Como o produto
manufacturado era mais caro
do que matérias-primas ou
géneros agrícolas, a sua
exportação dava com certeza
bons lucros..
3-Proteccionismo Alfandegário : os
reis criavam impostos e taxas para
evitar ao máximo a entrada de
produtos vindos do exterior. Era uma
forma de estimular a indústria
nacional e também evitar a saída de
moedas para outros países.
4-Balança Comercial Favorável : o
esforço era para exportar mais do
que importar, desta forma
entraria mais moedas do que
sairia, deixando o país em boa
situação financeira.
5-Pacto Colonial : as colónias europeias
deveriam fazer comércio apenas com
as suas metrópoles. Era uma garantia
de vender caro e comprar barato,
obtendo ainda produtos não
encontrados na Europa.
A quem serviu a Teoria
mercantilista?
 "Para o seu fortalecimento, o Estado absolutista precisava
dispor de um grande volume de recursos financeiros
necessários à manutenção de um exército permanente e de
uma marinha poderosa, ao pagamento dos funcionários reais e à
manutenção do aparelho administrativo e ainda ao custeio dos
gastos sumptuosos da corte e das despesas das guerras no
exterior.
 A obtenção desses recursos financeiros exigiu do Estado
absolutista uma nova política económica, conhecida como
mercantilismo. Se na Idade Média, no auge do feudalismo, a
riqueza básica era a terra, na Idade Moderna, no apogeu do
absolutismo, os metais preciosos (ouro e prata) passaram a ser
a nova forma de riqueza.
 O absolutismo e o mercantilismo constituíam, pois, a dupla face do Antigo
Regime. O mercantilismo foi a política económica dos Estados modernos na
sua fase de transição para o capitalismo (por esse motivo, é também
chamado pré-capitalismo ou capitalismo comercial). Na definição de Edward
MacNall Burns, o mercantilismo foi um ‘sistema de intervenção
governamental para promover a prosperidade nacional e aumentar o poder
do Estado’.
 Nesse sistema económico o Estado exercia um rígido controle sobre todas
as actividades produtivas, cujo objectivo era aumentar a produção de
mercadorias, regulamentar os diversos tipos de artigos produzidos e
estabelecer um sistema de tarifas alfandegárias para proteger o mercado
nacional contra a concorrência externa de outros países. O mercantilismo
era, pois, uma forma de nacionalismo baseado no intervencionismo estatal,
no dirigismo económico e no proteccionismo alfandegário.
 Elabora uma quadro no qual conste:
- os impulsionadores do mercantilismo na
França, Inglaterra; Holanda e Portugal
- as medidas mercantilistas adoptadas em
cada País
- causas do o fracasso das medidas
mercantilistas ( nos países em que isso
aconteceu)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade médiaDirair
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Nefer19
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointmaria40
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Isabela Espíndola
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCreusa Lima
 
Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]betepa
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaPortal do Vestibulando
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Isaquel Silva
 
1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
1  colonizações espanhóis e ingleses na américa1  colonizações espanhóis e ingleses na américa
1 colonizações espanhóis e ingleses na américaMarilia Pimentel
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilGeová da Silva
 

Mais procurados (20)

O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]Mercantilismo[1]
Mercantilismo[1]
 
Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
1  colonizações espanhóis e ingleses na américa1  colonizações espanhóis e ingleses na américa
1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 

Destaque

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismodali1807
 
Mercantilismo francês
Mercantilismo francêsMercantilismo francês
Mercantilismo francêsana pinho
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIINiela Tuani
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismocattonia
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIBeth Paes
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítimacattonia
 

Destaque (11)

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Mercantilismo
Mercantilismo Mercantilismo
Mercantilismo
 
Mercantilismo francês
Mercantilismo francêsMercantilismo francês
Mercantilismo francês
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 

Semelhante a Teoria Mercantilista e o Absolutismo

4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- ResumosTriunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- ResumosNome Sobrenome
 
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºjO mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºjslidjuu
 
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºjO mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºjslidjuu
 
Recuperação história
Recuperação históriaRecuperação história
Recuperação históriaProfGeoJean
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.Pedro Rocha Da Silva
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoEryka Fernanda
 
aula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdfaula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdfAugusto Pinto
 
aula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdfaula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdfAugusto Pinto
 

Semelhante a Teoria Mercantilista e o Absolutismo (20)

O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 
O Mercantilismo
O MercantilismoO Mercantilismo
O Mercantilismo
 
O mercantilismo 14
O mercantilismo 14O mercantilismo 14
O mercantilismo 14
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- ResumosTriunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
 
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºjO mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
 
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºjO mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
 
Recuperação história
Recuperação históriaRecuperação história
Recuperação história
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
 
Apostilaeconomiabasica
ApostilaeconomiabasicaApostilaeconomiabasica
Apostilaeconomiabasica
 
aula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdfaula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdf
 
aula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdfaula mercantilismo.pdf
aula mercantilismo.pdf
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Último

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 

Teoria Mercantilista e o Absolutismo

  • 1.
  • 2.  Caracterizar a teoria mercantilista  Relacionar esta teoria com a necessidade de afirmação do absolutismo  Distinguir os vários tipos de mercantilismo; Francês; Inglês; Holandês; Português
  • 3. Apesar da economia assentar na agricultura , o comércio colonial era também importante. Os produtos ultramarinos (especiarias, açúcar, chá, tabaco, algodão, cacau,…) animavam a vida nas cidades e enriqueciam a burguesia. Em França, ColbertColbert, ministro do rei Luís XIV, desenvolveu um conjunto de políticas económicas a que se deu o nome de mercantilismo.
  • 4.
  • 5. • Mercantilismo é o nome dado a um conjunto de práticas económicas desenvolvido na Europa na Idade Moderna, entre o século XV e os finais do século XVIII. O mercantilismo originou um conjunto de medidas económicas diversas de acordo com os estados.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.  Com o rápido crescimento do comércio que exigia uma maior circulação e a existência de um deficiente sistema bancário, justificavam a acumulação metalista;  Sem um sistema de finanças internacionais desenvolvido, a acumulação de metais preciosos desempenhou um importante papel na efetuação dos pagamentos
  • 11. 1-Metalismo : o ouro e a prata eram metais que deixavam uma nação muito rica e poderosa, portanto os governantes faziam de tudo para acumular estes metais. Além do comércio externo, que trazia moedas para a economia interna do país, a exploração de territórios conquistados era incentivada neste período.
  • 12. 2-Incentivos às manufacturas : o governo estimulava o desenvolvimento de manufacturas nos seus territórios. Como o produto manufacturado era mais caro do que matérias-primas ou géneros agrícolas, a sua exportação dava com certeza bons lucros..
  • 13. 3-Proteccionismo Alfandegário : os reis criavam impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Era uma forma de estimular a indústria nacional e também evitar a saída de moedas para outros países.
  • 14. 4-Balança Comercial Favorável : o esforço era para exportar mais do que importar, desta forma entraria mais moedas do que sairia, deixando o país em boa situação financeira.
  • 15. 5-Pacto Colonial : as colónias europeias deveriam fazer comércio apenas com as suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa.
  • 16. A quem serviu a Teoria mercantilista?
  • 17.  "Para o seu fortalecimento, o Estado absolutista precisava dispor de um grande volume de recursos financeiros necessários à manutenção de um exército permanente e de uma marinha poderosa, ao pagamento dos funcionários reais e à manutenção do aparelho administrativo e ainda ao custeio dos gastos sumptuosos da corte e das despesas das guerras no exterior.  A obtenção desses recursos financeiros exigiu do Estado absolutista uma nova política económica, conhecida como mercantilismo. Se na Idade Média, no auge do feudalismo, a riqueza básica era a terra, na Idade Moderna, no apogeu do absolutismo, os metais preciosos (ouro e prata) passaram a ser a nova forma de riqueza.
  • 18.  O absolutismo e o mercantilismo constituíam, pois, a dupla face do Antigo Regime. O mercantilismo foi a política económica dos Estados modernos na sua fase de transição para o capitalismo (por esse motivo, é também chamado pré-capitalismo ou capitalismo comercial). Na definição de Edward MacNall Burns, o mercantilismo foi um ‘sistema de intervenção governamental para promover a prosperidade nacional e aumentar o poder do Estado’.  Nesse sistema económico o Estado exercia um rígido controle sobre todas as actividades produtivas, cujo objectivo era aumentar a produção de mercadorias, regulamentar os diversos tipos de artigos produzidos e estabelecer um sistema de tarifas alfandegárias para proteger o mercado nacional contra a concorrência externa de outros países. O mercantilismo era, pois, uma forma de nacionalismo baseado no intervencionismo estatal, no dirigismo económico e no proteccionismo alfandegário.
  • 19.
  • 20.  Elabora uma quadro no qual conste: - os impulsionadores do mercantilismo na França, Inglaterra; Holanda e Portugal - as medidas mercantilistas adoptadas em cada País - causas do o fracasso das medidas mercantilistas ( nos países em que isso aconteceu)