SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Módulo 2 – Cultura do Senado
Escultura Romana
Carlos Jorge Canto Vieira
Escultura Romana
• Características
– Carácter realístico visível ≠ idealização de Grécia clássico;
– Grande importância dada ao retrato;

– Desenvolvimento do retrato e das esculturas para exaltar
uma determinada figura;
Escultura Romana
• Materiais
• Mármore e bronze.

• Tema
• Homem visto como cidadão.
Escultura Romana
• Artista
– Funcionário ao serviço do estado;
– Devia exaltar a função pública do
retratado;
– São artistas anónimos.

• Função
– Exibir o poder e a grandeza de Roma.
Influências
• Etruscos
– Retratos funerários
– Representação realista

• Grécia
– Retratos de pessoas
famosas;
– Retrato psicológico
associado às
características físicas;
– Gosto pelas colecções
(As obras gregas eram
admiradas e
coleccionadas).
ESCULTURA ETRUSCA
Escultura Etrusca
• Exemplos
– Esposos de Cerveteri;
– Apolo de Veios.
Esposos de Cerveteri
c. 520-510 a.C
Alt: 1,14 m; Comp: 1,9 m; larg: 0,69 m
Terracota pintada
Museu do Louvre, Paris
Rosto ovalado
Queixo fino
Sorriso Arcaico
Banquete
Sensação de calmaria
Tamanho natural
Reclinados sobre o túmulo

Esposos de Cerveteri (pormenor)
c. 520-510 a.C
Alt: 1,14 m; Comp: 1,9 m; larg: 0,69 m
Terracota pintada
Museu do Louvre, Paris
Movimento;
Sorriso arcaico;
Vestes bem marcadas;
Pernas musculosas;
Cabelo bem delineado;

Apolo de Veios
Vulca (?)
c. 550 - 520 a.C.
Terracota pintada
Museu Nacional Etrusco,
Roma
Escultura Romana
• 2 Categorias:
– Retratos:
• Bustos;
• Estátuas.

– Relevos:
• Históricos;
• Funerários;
• Sarcófagos;
RETRATO
Escultura Romana - Retrato
• Evolução
República

Realístico

Alto Império

Idealizado

Realístico

Baixo Império

Simplificado
Origem e influências
Roma aproveitou os modelos escultóricos
gregos da época clássica e helenística,
sobretudo a partir do séc. II a.C..

Gosto das classes aristocráticas pela
plástica helenística.
Escultores de origem grega trabalham em
Roma.

corrente helenizante ou aristocrática
Mimetismo em torno do que era grego.
corrente popular – de natureza realista
(influencia etrusca).

Estatua de Marcelo,
sobrinho de Augusto (20 a.C.)
Escultura Romana
•A escultura grega era considerada como a
máxima expressão da beleza ideal;
•Multiplicam-se as cópias das obras gregas;
•Grande gosto pelo coleccionismo;

•Decoravam os jardins das villas e os
palácios;
•Eclectismo em todas as suas formas;
•Roma converte-se no local mais
importante da arte helenística;
•Desenvolvem-se temas de influência
oriental: deuses, alegorias, cenas de
género….
Escultura Romana
• IMAGINES MAIORUM
• Estão na origem do sentido realista
da escultura romana
• Período Republicano.
• Faziam-se máscaras de cera dos
familiares falecidos para os honrarem;
• A partir dessas máscaras faziam-se
bustos dos antepassados (imagines
maiorum).
• Eram colocados em armários situados
no átrio da casa e eram levados para as
cerimónias funerárias.

Togado
Barberini
Escultura Romana
• IMAGINES MAIORUM
• 1ª fase
• Reproduziam apenas a cabeça e o
pescoço

• 2ª fase (séc. I)
• Passa-se a representar o peito e os
ombros e na segunda metade do
século II já se representam desde a
zona da cintura.
• Também se conservam estátuas de
corpo inteiro: em pé, sentadas ou
equestres
Escultura Romana
•Período Republicano
• Retrato até à zona da garganta: especial
atenção à cabeça.
• Ampliação progressiva até se atingir a
zona do peito.
• Realizados em bronze ou mármore
policromado.
• Obras de artísticas gregos que trabalham
de acordo com o gosto romano.
• Predomina o sentido realista: faces muito
marcadas;
Escultura Romana
•Período Republicano
•Cabelo curto e liso para os homens e com
risco ao meio para as mulheres.
•Rostos enérgicos, fortes e decididos.
•Os retratos públicos apresentam uma
certa idealização;
Retrato de Junius Lucius Brutus ou
Romano desconhecido
Bronze, 32 cm (69 cm com o busto
renascentista).
Roma, Museu do Capitólio
Escultura Romana

Pompeu

Cícero
Júlio César
(César Chiaramonti)
Escultura Romana
Anastolé – “caracol”

POMPEU
Ca. 55 a.C.,
mármore, 25 cm
Copenhague, Ny Carlsberg Glyptotek
JULIO CÉSAR (César Chiaramonti)
27-20 a.C
mármore, 26 cm
Roma, Museu do Vaticano
Marco Tulio CICERO
Meados do séc. I a. C.
Mármore 93 cm
Roma, Museu do Capitólio
Escultura Romana
•Alto Império: até à 2ª metade do
séc. III
•Retrato oficial idealizado;
•Visam sublinhar a importância da
personagem;
•Características pessoais;
•Expressão do retratado;
•Ausência de barba.
Escultura Romana
• A partir dos Antoninos (séc. II) surge a corrente
realista;
• O cabelo (ondulado) torna-se mais
volumoso e reaparece a barba, acentuando
o claro escuro.
• O tamanho do busto aumenta: peito,
ombros e início dos braços.

CARACALLA

ADRIANO
Escultura Romana

Antonino Pío

Adriano

Caracalla

Combinação de diferentes tipos de mármores coloridos
para acentuar o realismo.
Escultura Romana
• A partir de Adriano (117-138)
aumenta o número de artistas gregos
a trabalhar em Roma.
• A íris e a pupila são marcadas com
linhas concêntricas.

Cómodo (180-192)

Lucio Vero
Escultura Romana

Retrato de Adriano, com barba e
cabelo encaracolado.

Antínoo Farnesio.
Favorito de Adriano. Mostra a influencia do
classicismo grego
Escultura Romana
• Lúcio Aurélio Cómodo (161-192)
• Surge divinizado como Hércules;
• Tem uma pele de leão sobre a
cabeça e um bastão na mão
• Muitos pormenores no cabelo,
barba, íris e da pupila.
• O busto chega até à zona da barriga
• Os braços estão completos.
Escultura Romana
Lucius Septimius Bassianus Caracalla
(188-217).
• Cabeça ligeiramente inclinada
• Cabelo encaracolado
• Barba incipiente
• Perfil psicológico
Escultura Romana
• Época imperial: Baixo Império (d. Séc. III a V)
• O retrato, tal como a escultura romana, segue
um sentido anticlássico;

• A modelação fina desaparece
• A expressão do rosto é mais intensa
• Simplicidade e hieratismo
• Desaparece o sentido da proporção e o gosto
pelo detalhe;
• Desumanização.
• Monumentalidade

• Esquematização (aspecto arcaico) -> anuncia
a estatuária bizantina.
Escultura Romana
• O exemplo mais importante é a
cabeça do Imperador Constantino
(Séc. IV)
• Fazia parte de uma estátua sentada
que se encontrava na nave principal
da basílica de Maxêncio.
2,5 m
Escultura Romana
Diocleciano

Constantino II

Tetrarcas de São Marcos
(Veneza)
Constantino, 0 Grande
Escultura Romana
•No período Imperial surge o
retrato feminino;
•É o reflexo da moda de cada
época;
•Grande interesse pelo
penteado
•Têm as mesmas características
do retrato masculino no que
diz respeito à representação
realista da mulher.
Imperatriz Livia
Escultura Romana

Popea Sabina
(amante de Nero)
Livia

Agripina
(mãe de Nero)
Escultura Romana
• Durante o governo de Tito surgiu um novo
penteado feminino;
• Muitos caracóis na zona da teste que
depois caiam pela frente;
• Utilizava-se o trépano (instrumento
utilizado para perfurar), para dar este
efeito.

Júlia
filha de Tito
Museu do Capitólio, Roma, séc. I.
Trépano

Julia, esposa de Tito

Matidia, esposa de Trajano

Julia Domma, esposa
de Septimio Severo
Domitia, sobrinha de Trajano
Tipologias de Retrato
• Thoracatae: Imperador Vitorioso

• Apoteose: como um Deus, seminú e
coroado
Tipologias de Retrato
• Togatae: como um político usando
a toga.

• Pontifex Maximus: usando a toga,
mas com a cabeça coberta.
ESTÁTUA-RETRATO
Escultura Romana
• A ESTATUA-RETRATO
– realizada com fins públicos;
– possivelmente segue a tradição
grega de erigir estatuas aos atletas.
– Atenção do observador é
encaminhada para o rosto e para os
olhos, na procura da descrição da
personalidade do representado;
– Exmplos: Augusto de Prima Porta
Escultura Romana
ESTÁTUA-EQUESTRE
Escultura Romana
• A ESTATUA EQUESTRE
– De origem grega;
– Muito utilizada no período Imperial;
– Fonte de inspiração de reis, tiranos e
aristocratas de todos os tempos, pela
vigorosa estrutura plástica e pela
majestade da imagem imperial.
– Exemplo: Estátua de Marco Aurélio.
RELEVO
Escultura Romana
• O RELEVO
– Subordinado a arquitectura, com fins:
• Ornamentais;
• Comemorativos;
• Narrativos ou históricos:
– relatavam desde a Historia de Roma ate aos pormenores da vida dos
homens.

– Ocupava todos os espaços:
•
•
•
•
•
•

nas estelas funerárias;
nos sarcófagos;
nos altares;
nos arcos de triunfo;
nas colunas,
nos frisos...
Escultura Romana
• O RELEVO
– Recorreu às técnicas da pintura:
• explorou a profundidade através da
gradação dos planos, conjuntamente
com diferentes tipos de relevo
(baixo, médio e alto) ate ao
esmagamento, obtendo belos efeitos
de perspectiva e de construção
espacial.

– Alguns relevos chegavam a ser
caóticos, pela multiplicidade e
sobreposição das personagens.
Escultura Romana
• O RELEVO
– A técnica de narração:
• decorria em cenas continuas em que a figura principal se
encontrava repetida;
• as secundarias eram colocadas lado a lado e as restantes em
planos mais recuados.
Escultura Romana
• O RELEVO
– Exemplo:
•
•
•
•

Ara Pacis;
Colunas (Trajano e Marco Aurélio);
Arcos do Triunfo;
Sarcófagos.
As musas
Mármore

O Triunfo de Dioniso e as
estações
c. 260–270
Mármore
Comp. 86, 4 cm
Cultura do Senado - Escultura romana

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
josepinho
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
Ana Barreiros
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento escultura
Laguat
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romana
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
 
A arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoA arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romano
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
A escultura romana
A escultura romanaA escultura romana
A escultura romana
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento escultura
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
 
Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em PortugalCultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 

Semelhante a Cultura do Senado - Escultura romana

Escultura Romana CáTia Pereira
Escultura Romana   CáTia PereiraEscultura Romana   CáTia Pereira
Escultura Romana CáTia Pereira
Alexandra Vidal
 
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade MédiaRevisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Maiara Giordani
 
Roma apresentação 3
Roma apresentação 3Roma apresentação 3
Roma apresentação 3
Vítor Santos
 
6o. ano a arte romana
6o. ano   a arte romana6o. ano   a arte romana
6o. ano a arte romana
ArtesElisa
 
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp012c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
Alexandre Santana
 

Semelhante a Cultura do Senado - Escultura romana (20)

Escultura Romana CáTia Pereira
Escultura Romana   CáTia PereiraEscultura Romana   CáTia Pereira
Escultura Romana CáTia Pereira
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 20122c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade MédiaRevisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
 
Roma apresentação 3
Roma apresentação 3Roma apresentação 3
Roma apresentação 3
 
6o. ano a arte romana
6o. ano   a arte romana6o. ano   a arte romana
6o. ano a arte romana
 
4 grécia e roma
4 grécia e roma4 grécia e roma
4 grécia e roma
 
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptxApresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
 
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp012c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
 
Arte Grega e Romana.docx
Arte Grega e Romana.docxArte Grega e Romana.docx
Arte Grega e Romana.docx
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Aula1objetivo 2019
Aula1objetivo 2019Aula1objetivo 2019
Aula1objetivo 2019
 
Escultura Romana
Escultura RomanaEscultura Romana
Escultura Romana
 
mdulo2-esculturaromana.pdf
mdulo2-esculturaromana.pdfmdulo2-esculturaromana.pdf
mdulo2-esculturaromana.pdf
 
Arte Em Roma
Arte Em RomaArte Em Roma
Arte Em Roma
 
A arte romana
A arte romanaA arte romana
A arte romana
 
A arte romana
A arte romanaA arte romana
A arte romana
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Pintura de Roma
Pintura de RomaPintura de Roma
Pintura de Roma
 

Mais de Carlos Vieira

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 

Cultura do Senado - Escultura romana

  • 1. Módulo 2 – Cultura do Senado Escultura Romana Carlos Jorge Canto Vieira
  • 2. Escultura Romana • Características – Carácter realístico visível ≠ idealização de Grécia clássico; – Grande importância dada ao retrato; – Desenvolvimento do retrato e das esculturas para exaltar uma determinada figura;
  • 3. Escultura Romana • Materiais • Mármore e bronze. • Tema • Homem visto como cidadão.
  • 4. Escultura Romana • Artista – Funcionário ao serviço do estado; – Devia exaltar a função pública do retratado; – São artistas anónimos. • Função – Exibir o poder e a grandeza de Roma.
  • 5. Influências • Etruscos – Retratos funerários – Representação realista • Grécia – Retratos de pessoas famosas; – Retrato psicológico associado às características físicas; – Gosto pelas colecções (As obras gregas eram admiradas e coleccionadas).
  • 7. Escultura Etrusca • Exemplos – Esposos de Cerveteri; – Apolo de Veios.
  • 8. Esposos de Cerveteri c. 520-510 a.C Alt: 1,14 m; Comp: 1,9 m; larg: 0,69 m Terracota pintada Museu do Louvre, Paris
  • 9. Rosto ovalado Queixo fino Sorriso Arcaico Banquete Sensação de calmaria Tamanho natural Reclinados sobre o túmulo Esposos de Cerveteri (pormenor) c. 520-510 a.C Alt: 1,14 m; Comp: 1,9 m; larg: 0,69 m Terracota pintada Museu do Louvre, Paris
  • 10. Movimento; Sorriso arcaico; Vestes bem marcadas; Pernas musculosas; Cabelo bem delineado; Apolo de Veios Vulca (?) c. 550 - 520 a.C. Terracota pintada Museu Nacional Etrusco, Roma
  • 11.
  • 12. Escultura Romana • 2 Categorias: – Retratos: • Bustos; • Estátuas. – Relevos: • Históricos; • Funerários; • Sarcófagos;
  • 14. Escultura Romana - Retrato • Evolução República Realístico Alto Império Idealizado Realístico Baixo Império Simplificado
  • 15. Origem e influências Roma aproveitou os modelos escultóricos gregos da época clássica e helenística, sobretudo a partir do séc. II a.C.. Gosto das classes aristocráticas pela plástica helenística. Escultores de origem grega trabalham em Roma. corrente helenizante ou aristocrática Mimetismo em torno do que era grego. corrente popular – de natureza realista (influencia etrusca). Estatua de Marcelo, sobrinho de Augusto (20 a.C.)
  • 16. Escultura Romana •A escultura grega era considerada como a máxima expressão da beleza ideal; •Multiplicam-se as cópias das obras gregas; •Grande gosto pelo coleccionismo; •Decoravam os jardins das villas e os palácios; •Eclectismo em todas as suas formas; •Roma converte-se no local mais importante da arte helenística; •Desenvolvem-se temas de influência oriental: deuses, alegorias, cenas de género….
  • 17. Escultura Romana • IMAGINES MAIORUM • Estão na origem do sentido realista da escultura romana • Período Republicano. • Faziam-se máscaras de cera dos familiares falecidos para os honrarem; • A partir dessas máscaras faziam-se bustos dos antepassados (imagines maiorum). • Eram colocados em armários situados no átrio da casa e eram levados para as cerimónias funerárias. Togado Barberini
  • 18. Escultura Romana • IMAGINES MAIORUM • 1ª fase • Reproduziam apenas a cabeça e o pescoço • 2ª fase (séc. I) • Passa-se a representar o peito e os ombros e na segunda metade do século II já se representam desde a zona da cintura. • Também se conservam estátuas de corpo inteiro: em pé, sentadas ou equestres
  • 19. Escultura Romana •Período Republicano • Retrato até à zona da garganta: especial atenção à cabeça. • Ampliação progressiva até se atingir a zona do peito. • Realizados em bronze ou mármore policromado. • Obras de artísticas gregos que trabalham de acordo com o gosto romano. • Predomina o sentido realista: faces muito marcadas;
  • 20. Escultura Romana •Período Republicano •Cabelo curto e liso para os homens e com risco ao meio para as mulheres. •Rostos enérgicos, fortes e decididos. •Os retratos públicos apresentam uma certa idealização;
  • 21. Retrato de Junius Lucius Brutus ou Romano desconhecido Bronze, 32 cm (69 cm com o busto renascentista). Roma, Museu do Capitólio
  • 23. Escultura Romana Anastolé – “caracol” POMPEU Ca. 55 a.C., mármore, 25 cm Copenhague, Ny Carlsberg Glyptotek
  • 24. JULIO CÉSAR (César Chiaramonti) 27-20 a.C mármore, 26 cm Roma, Museu do Vaticano
  • 25. Marco Tulio CICERO Meados do séc. I a. C. Mármore 93 cm Roma, Museu do Capitólio
  • 26. Escultura Romana •Alto Império: até à 2ª metade do séc. III •Retrato oficial idealizado; •Visam sublinhar a importância da personagem; •Características pessoais; •Expressão do retratado; •Ausência de barba.
  • 27. Escultura Romana • A partir dos Antoninos (séc. II) surge a corrente realista; • O cabelo (ondulado) torna-se mais volumoso e reaparece a barba, acentuando o claro escuro. • O tamanho do busto aumenta: peito, ombros e início dos braços. CARACALLA ADRIANO
  • 28. Escultura Romana Antonino Pío Adriano Caracalla Combinação de diferentes tipos de mármores coloridos para acentuar o realismo.
  • 29. Escultura Romana • A partir de Adriano (117-138) aumenta o número de artistas gregos a trabalhar em Roma. • A íris e a pupila são marcadas com linhas concêntricas. Cómodo (180-192) Lucio Vero
  • 30. Escultura Romana Retrato de Adriano, com barba e cabelo encaracolado. Antínoo Farnesio. Favorito de Adriano. Mostra a influencia do classicismo grego
  • 31. Escultura Romana • Lúcio Aurélio Cómodo (161-192) • Surge divinizado como Hércules; • Tem uma pele de leão sobre a cabeça e um bastão na mão • Muitos pormenores no cabelo, barba, íris e da pupila. • O busto chega até à zona da barriga • Os braços estão completos.
  • 32.
  • 33. Escultura Romana Lucius Septimius Bassianus Caracalla (188-217). • Cabeça ligeiramente inclinada • Cabelo encaracolado • Barba incipiente • Perfil psicológico
  • 34. Escultura Romana • Época imperial: Baixo Império (d. Séc. III a V) • O retrato, tal como a escultura romana, segue um sentido anticlássico; • A modelação fina desaparece • A expressão do rosto é mais intensa • Simplicidade e hieratismo • Desaparece o sentido da proporção e o gosto pelo detalhe; • Desumanização. • Monumentalidade • Esquematização (aspecto arcaico) -> anuncia a estatuária bizantina.
  • 35. Escultura Romana • O exemplo mais importante é a cabeça do Imperador Constantino (Séc. IV) • Fazia parte de uma estátua sentada que se encontrava na nave principal da basílica de Maxêncio. 2,5 m
  • 37. Diocleciano Constantino II Tetrarcas de São Marcos (Veneza) Constantino, 0 Grande
  • 38. Escultura Romana •No período Imperial surge o retrato feminino; •É o reflexo da moda de cada época; •Grande interesse pelo penteado •Têm as mesmas características do retrato masculino no que diz respeito à representação realista da mulher. Imperatriz Livia
  • 39. Escultura Romana Popea Sabina (amante de Nero) Livia Agripina (mãe de Nero)
  • 40. Escultura Romana • Durante o governo de Tito surgiu um novo penteado feminino; • Muitos caracóis na zona da teste que depois caiam pela frente; • Utilizava-se o trépano (instrumento utilizado para perfurar), para dar este efeito. Júlia filha de Tito Museu do Capitólio, Roma, séc. I.
  • 41. Trépano Julia, esposa de Tito Matidia, esposa de Trajano Julia Domma, esposa de Septimio Severo Domitia, sobrinha de Trajano
  • 42. Tipologias de Retrato • Thoracatae: Imperador Vitorioso • Apoteose: como um Deus, seminú e coroado
  • 43. Tipologias de Retrato • Togatae: como um político usando a toga. • Pontifex Maximus: usando a toga, mas com a cabeça coberta.
  • 45. Escultura Romana • A ESTATUA-RETRATO – realizada com fins públicos; – possivelmente segue a tradição grega de erigir estatuas aos atletas. – Atenção do observador é encaminhada para o rosto e para os olhos, na procura da descrição da personalidade do representado; – Exmplos: Augusto de Prima Porta
  • 48. Escultura Romana • A ESTATUA EQUESTRE – De origem grega; – Muito utilizada no período Imperial; – Fonte de inspiração de reis, tiranos e aristocratas de todos os tempos, pela vigorosa estrutura plástica e pela majestade da imagem imperial. – Exemplo: Estátua de Marco Aurélio.
  • 49.
  • 51. Escultura Romana • O RELEVO – Subordinado a arquitectura, com fins: • Ornamentais; • Comemorativos; • Narrativos ou históricos: – relatavam desde a Historia de Roma ate aos pormenores da vida dos homens. – Ocupava todos os espaços: • • • • • • nas estelas funerárias; nos sarcófagos; nos altares; nos arcos de triunfo; nas colunas, nos frisos...
  • 52. Escultura Romana • O RELEVO – Recorreu às técnicas da pintura: • explorou a profundidade através da gradação dos planos, conjuntamente com diferentes tipos de relevo (baixo, médio e alto) ate ao esmagamento, obtendo belos efeitos de perspectiva e de construção espacial. – Alguns relevos chegavam a ser caóticos, pela multiplicidade e sobreposição das personagens.
  • 53. Escultura Romana • O RELEVO – A técnica de narração: • decorria em cenas continuas em que a figura principal se encontrava repetida; • as secundarias eram colocadas lado a lado e as restantes em planos mais recuados.
  • 54. Escultura Romana • O RELEVO – Exemplo: • • • • Ara Pacis; Colunas (Trajano e Marco Aurélio); Arcos do Triunfo; Sarcófagos.
  • 55. As musas Mármore O Triunfo de Dioniso e as estações c. 260–270 Mármore Comp. 86, 4 cm