SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
O Urbanismo e Arte Romana
Indicadores de aprendizagem: ,[object Object],[object Object],[object Object]
 
A cidade ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
UMA ARTE UTILITÁRIA ,[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O  urbanismo romano  obedecia a planos geométricos.
1.  Termas  2 . Coliseu (anfiteatro)  3 . Aqueduto  4.  Palácios  5.  Circo Máximo  6 . Fórum  7.  Fórum Republicano  8.  Templo de Vénus e Roma
Fórum:  A praça pública À sua volta Cresceu a cidade Centro da vida  política  (Senado), administrativa ,  religiosa  (templos) e  comercial  (mercados e lojas comerciais).
 
O Fórum era considerado o coração da cidade, quer do ponto de vista  religioso, quer político, económico e de convívio.  Os imperadores tentavam deixar nele a sua marca pessoal, como forma de ganhar popularidade e deixar a sua marca na História.
1.  Basílica de Maxêncio e Constantino 2. Templo da Paz 3. Templo de Antonino e Faustino 4. Templo de Vénus e de Roma 5. Arco  do triunfo de Tito 6. Templo de Vesta 7. Templo de Júlio César 8. Templo dos Dióscuros 9. Basílica Júlia (tribunal) 10. Templo de Saturno 11. Arco do triunfo de Septímio Severo 12. Cúria ou Casa do Senado 13. Basílica Emília (tribunal e local de reuniões públicas) 14. Via Sacra Ao longo das ruas, existiam lojas de comércio e oficinas.
 
[object Object],[object Object]
Pontes Ligando as Margens do  Rio Tibre Em Roma, outras construções provam o sentido prático dos romanos.  Aqueduto de Nero e de Cláudio que servia para abastecer Roma de água.
Circus Maximus Nos circos romanos realizavam-se corridas de cavalos e provas de atletismo.
Recinto onde se realizavam corridas de carruagens (principalmente quadrigas), o espectáculo mais apreciado pelos Romanos. Tinha capacidade para 250 mil pessoas.
Corrida de quadrigas. Existiam 4 equipas principais: os vermelhos, os azuis, os verdes e os brancos. Despertavam forte entusiasmo e faziam-se apostas a dinheiro para adivinhar os vencedores.
Coliseu O Coliseu de Roma tinha capacidade para mais de 50 mil espectadores. Destinava-se a lutas de gladiadores, de feras e outros espectáculos.
Termas Locais onde ricos e pobres cuidavam da sua saúde e higiene.
 
 
O sentido utilitário do urbanismo romano revelou-se ainda na construção das termas, estabelecimentos de banhos públicos, dotados de salas de temperaturas diferentes, vestiários, piscinas de água quente e fria, palestras, salas de descanso, de massagem, de reuniões. Prática da mais elementar higiene, o banho era, para os Romanos, um momento cultural, permanecendo como uma das facetas mais civilizadas e agradáveis da vida quotidiana. Para a tornar possível, as cidades estavam equipadas com aquedutos, normalmente obras grandiosas, que conduziam as águas dos reservatórios naturais, muitas vezes longe da cidade, até aos fontanários públicos e às casas particulares. Porém, o lazer e a distração não foram esquecidos nas cidades romanas
 
Roma era uma cidade dividida entre o luxo e a miséria. Os ricos viviam em palácios ou casas de campo, as chamadas Villae,. Estas casas eram bastantes luxuosas: tinham várias divisões, (casa de banho, quartos, sala de jantar),  A casa organizava-se em torno de um pátio central, tinha jardins, piscina, sistema de esgotos, aquecimento, água canalizada.
 
“ Domus” de influência grega ,[object Object],[object Object]
 
 
Existiam três tipos de habitações: As  domus , localizadas nos centros urbanos, eram habitadas pelos grandes senhores da sociedade romana. Estas casas eram espaçosas e bastante luxuosas. Tinha jardins, piscina, sistema de esgotos, aquecimento, água canalizada. Algumas tinham banhos privativos, jardins interiores e estavam decoradas com pinturas murais e mosaicos. As  vilas  ou casas de campo pertenciam a grandes proprietários rurais. Eram sinónimo de riqueza e bom gosto.
As classes miseráveis: as casas eram feitas de madeira sem quaisquer condições de higiene ou segurança.. As suas habitações eram blocos de apartamentos com 4 ou 5 andares . As casas estavam juntas umas às outras, não tinham casa de banho, nem cozinha, nem água canalizada, nem sistema de esgotos. Estas casas chamavam-se de insulae .
As  ínsulas  eram prédios habitacionais com vários andares, situados nos centros urbanos. Os espaços eram em grande parte comuns e habitados por mais que uma família. Construídas em madeira, estas casas não revelavam grandes condições e ardiam com facilidade. Nelas habitavam as camadas mais pobres.
 
O principal objectivo da arquitectura  era tornar a vida mais confortável   e promover a imagem do Imperador .
O s romanos foram influenciados pela cultura de muitos dos povos que dominaram. No entanto, a maior influência foi dada pelos gregos. A originalidade da arte romana está no seu  carácter prático, utilitário e duradouro .  Enquanto os  gregos se preocupavam com a harmonia e a proporção , os  Romanos privilegiam a grandiosidade e a robustez das construções arquitectónicas A arquitectura, a escultura, a pintura e a literatura são os maiores representante deste campo.
 
Combinaram harmoniosamente a  arte grega  com  elementos originais Cúpula Abóbada de berço Arco de volta perfeita
Da arte grega, os romanos adoptaram: Ordem Dórica Ordem Jónica Ordem Coríntia
Frontão Friso Colunas Cúpula
O espírito romano era essencialmente técnico e prático. Estavam mais interessados em resolver um problema e não em especular sobre ele.
 
 
Também erguiam monumentos comemorativos para glorificar as grandezas de Roma, como este  arco do triunfo .
Coliseu- destinado aos combates de gladiadores
 
 
Panteão
 
 
A Arquitetura ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
 
[object Object]
Outra corrente importante da escultura romana foi o relevo narrativo. Painéis de figuras esculpidas representando feitos militares decoravam arcos de triunfo, sob os quais desfilavam os exércitos vitoriosos conduzindo longas filas de prisioneiros acorrentados. A Coluna de Trajano (106 – 113 d. C.) é o mais ambicioso desses monumentos. Mostra um relevo envolvendo a coluna em mais de duzentos metros de espiral ininterrupta, comemorando massacres em mais de 150 cenas.
 
Características da escultura Perfeição e realismo na representação do rosto, feições e movimento do cabelo O seu realismo técnico e formal originou autênticos retratos, que sugerem aspectos psicológicos e de carácter das personalidades As figuras representavam quer os aspectos belos, como os defeitos Construção de estátuas de corpo inteiro, bustos e estátuas equestres Relevo narrativo – painéis de figuras esculpidas representando feitos militares.
Pintura A maior parte das pinturas romanas que conhecemos hoje provém das cidades de Pompéia e Herculano, que foram soterradas pela erupção do Vesúvio em 79 a.C.   Pompéia
 
 
Mosaicos Romanos Representação de cenas da vida quotidiana, religiosas , mitológicas , paisagens , retratos Distinguiram-se nas representações em mosaico AS obras  souberam ocupar grandes espaços nas construções, complementando ricamente a arquitetura.
GREGO ROMANO ESTRUTURA Templos para glorificar deuses Prédios cívicos (fórum, termas) em honra ao Império PAREDES Blocos de pedra Concreto e fachada ornamental FORMAS TÍPICAS Linhas retas Linhas curvas SISTEMA DE SUPORTE Pilares Arco e abóbadas ESTILO DA COLUNA Dórica e Jônica Coríntia ESCULTURA Deuses e deusas idealizados Seres humanos realísticos, autoridades idealizadas PINTURA  Figuras humanas flutuando no espaço Imagens realísticas com perspectiva TEMAS DA ARTE Mitologia Líderes cívicos, triunfo militar
 
Também a literatura serviu para glorificar o Império Romano. A Literatura destinava-se, assim, a uma elite. A alta sociedade frequentava salões de leitura pública para ouvir ler e voz alta. Também era usual ler-se nas termas e nos banquetes. Aí recitava-se  os poemas dos escritores mais notáveis, muitos deles da época de Augusto. Lê o documento da pág. 103
O mecenato, praticado desde a Roma Antiga é uma  forma de patrocínio dos produtores musicais, dos literários e dos artistas. O termo mecenato provém do nome de um romano culto e muito rico (Caio Glínio Mecenas, c. 69 - 8 a. C.),  que financiou um círculo de letrados e artistas da Roma do seu tempo, como Virgílio,  ou Horácio. Foi poeta e prosador também, tendo deixado a sua enorme riqueza em legado a Augusto, primeiro imperador romano.  Através do mecenato, artistas extremamente dotados mas nascidos entre as camadas inferiores da população podiam ter a oportunidade de se tornarem pintores de um patrono ou poderosa família. Estas famílias viam os seus membros imortalizados e glorificados pela arte para a eternidade. Lê o documento da pág. 104 e 105
Na poesia , um dos géneros literários mais praticados pelos Romanos, a influência grega é bem evidente com o poeta Virgílio, autor de Eneida,  poema épico onde o autor exalta as origens e os feitos Romanos . A historiografia  também desempenhou um papel importante na glorificação e na legitimação das conquistas e na própria ideia do Império Romano como  Império Universal .  Para os Romanos, a  História Romana  de  Tito Lívio , é a que melhor exalta Roma e o seu Império.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3cattonia
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoSusana Grandão
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaZé Mário
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana iAna Barreiros
 
Uma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeUma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeCarla Teixeira
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroAna Barreiros
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1cattonia
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseLojinha da Flor
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regularCarla Freitas
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de périclesAna Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 

Mais procurados (20)

Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Escultura grega
Escultura gregaEscultura grega
Escultura grega
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Uma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeUma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidade
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 

Destaque

A arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoA arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoMaria Gomes
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana eb23ja
 
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiaisCultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiaisCarlos Vieira
 
Urbanismo clásico
Urbanismo clásicoUrbanismo clásico
Urbanismo clásicocherepaja
 
Roma arquitectura e-urbanismo ch
Roma arquitectura e-urbanismo chRoma arquitectura e-urbanismo ch
Roma arquitectura e-urbanismo chCristina Santos
 
El Arte de la Antigua Roma. 1ºESO
El Arte de la Antigua Roma. 1ºESOEl Arte de la Antigua Roma. 1ºESO
El Arte de la Antigua Roma. 1ºESODavidProfeSoc
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCarlos Vieira
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCarlos Vieira
 
Arquitectura y Urbanismo Romano
Arquitectura y Urbanismo RomanoArquitectura y Urbanismo Romano
Arquitectura y Urbanismo Romanoantiquitasgl
 
Arquitectura Romana
Arquitectura RomanaArquitectura Romana
Arquitectura RomanaE. La Banda
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império RomanoHCA_10I
 

Destaque (18)

A arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoA arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romano
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiaisCultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
 
Urbanismo clásico
Urbanismo clásicoUrbanismo clásico
Urbanismo clásico
 
Roma urbanismo
Roma urbanismoRoma urbanismo
Roma urbanismo
 
Roma arquitectura e-urbanismo ch
Roma arquitectura e-urbanismo chRoma arquitectura e-urbanismo ch
Roma arquitectura e-urbanismo ch
 
El Arte de la Antigua Roma. 1ºESO
El Arte de la Antigua Roma. 1ºESOEl Arte de la Antigua Roma. 1ºESO
El Arte de la Antigua Roma. 1ºESO
 
Urbanismo Romano
Urbanismo RomanoUrbanismo Romano
Urbanismo Romano
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - Urbanismo
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
A Arte romana
A Arte romanaA Arte romana
A Arte romana
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romana
 
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismoO Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
 
Arquitectura y Urbanismo Romano
Arquitectura y Urbanismo RomanoArquitectura y Urbanismo Romano
Arquitectura y Urbanismo Romano
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Arquitectura Romana
Arquitectura RomanaArquitectura Romana
Arquitectura Romana
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 

Semelhante a O urbanismo e arte romana

Semelhante a O urbanismo e arte romana (20)

Roma imperial.ppt
Roma imperial.pptRoma imperial.ppt
Roma imperial.ppt
 
Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
 
4. roma
4. roma4. roma
4. roma
 
A cultura do senado
A cultura  do senadoA cultura  do senado
A cultura do senado
 
4 arte romana 2020
4 arte romana 20204 arte romana 2020
4 arte romana 2020
 
Arte romana 2019
Arte romana 2019Arte romana 2019
Arte romana 2019
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
A cultura do belo ii
A cultura do belo iiA cultura do belo ii
A cultura do belo ii
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Arquitectura E Urbanismo Romano
Arquitectura E Urbanismo RomanoArquitectura E Urbanismo Romano
Arquitectura E Urbanismo Romano
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

O urbanismo e arte romana

  • 1. O Urbanismo e Arte Romana
  • 2.
  • 3.  
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. O urbanismo romano obedecia a planos geométricos.
  • 10. 1. Termas 2 . Coliseu (anfiteatro) 3 . Aqueduto 4. Palácios 5. Circo Máximo 6 . Fórum 7. Fórum Republicano 8. Templo de Vénus e Roma
  • 11. Fórum: A praça pública À sua volta Cresceu a cidade Centro da vida política (Senado), administrativa , religiosa (templos) e comercial (mercados e lojas comerciais).
  • 12.  
  • 13. O Fórum era considerado o coração da cidade, quer do ponto de vista religioso, quer político, económico e de convívio. Os imperadores tentavam deixar nele a sua marca pessoal, como forma de ganhar popularidade e deixar a sua marca na História.
  • 14. 1. Basílica de Maxêncio e Constantino 2. Templo da Paz 3. Templo de Antonino e Faustino 4. Templo de Vénus e de Roma 5. Arco do triunfo de Tito 6. Templo de Vesta 7. Templo de Júlio César 8. Templo dos Dióscuros 9. Basílica Júlia (tribunal) 10. Templo de Saturno 11. Arco do triunfo de Septímio Severo 12. Cúria ou Casa do Senado 13. Basílica Emília (tribunal e local de reuniões públicas) 14. Via Sacra Ao longo das ruas, existiam lojas de comércio e oficinas.
  • 15.  
  • 16.
  • 17. Pontes Ligando as Margens do Rio Tibre Em Roma, outras construções provam o sentido prático dos romanos. Aqueduto de Nero e de Cláudio que servia para abastecer Roma de água.
  • 18. Circus Maximus Nos circos romanos realizavam-se corridas de cavalos e provas de atletismo.
  • 19. Recinto onde se realizavam corridas de carruagens (principalmente quadrigas), o espectáculo mais apreciado pelos Romanos. Tinha capacidade para 250 mil pessoas.
  • 20. Corrida de quadrigas. Existiam 4 equipas principais: os vermelhos, os azuis, os verdes e os brancos. Despertavam forte entusiasmo e faziam-se apostas a dinheiro para adivinhar os vencedores.
  • 21. Coliseu O Coliseu de Roma tinha capacidade para mais de 50 mil espectadores. Destinava-se a lutas de gladiadores, de feras e outros espectáculos.
  • 22. Termas Locais onde ricos e pobres cuidavam da sua saúde e higiene.
  • 23.  
  • 24.  
  • 25. O sentido utilitário do urbanismo romano revelou-se ainda na construção das termas, estabelecimentos de banhos públicos, dotados de salas de temperaturas diferentes, vestiários, piscinas de água quente e fria, palestras, salas de descanso, de massagem, de reuniões. Prática da mais elementar higiene, o banho era, para os Romanos, um momento cultural, permanecendo como uma das facetas mais civilizadas e agradáveis da vida quotidiana. Para a tornar possível, as cidades estavam equipadas com aquedutos, normalmente obras grandiosas, que conduziam as águas dos reservatórios naturais, muitas vezes longe da cidade, até aos fontanários públicos e às casas particulares. Porém, o lazer e a distração não foram esquecidos nas cidades romanas
  • 26.  
  • 27. Roma era uma cidade dividida entre o luxo e a miséria. Os ricos viviam em palácios ou casas de campo, as chamadas Villae,. Estas casas eram bastantes luxuosas: tinham várias divisões, (casa de banho, quartos, sala de jantar), A casa organizava-se em torno de um pátio central, tinha jardins, piscina, sistema de esgotos, aquecimento, água canalizada.
  • 28.  
  • 29.
  • 30.  
  • 31.  
  • 32. Existiam três tipos de habitações: As domus , localizadas nos centros urbanos, eram habitadas pelos grandes senhores da sociedade romana. Estas casas eram espaçosas e bastante luxuosas. Tinha jardins, piscina, sistema de esgotos, aquecimento, água canalizada. Algumas tinham banhos privativos, jardins interiores e estavam decoradas com pinturas murais e mosaicos. As vilas ou casas de campo pertenciam a grandes proprietários rurais. Eram sinónimo de riqueza e bom gosto.
  • 33. As classes miseráveis: as casas eram feitas de madeira sem quaisquer condições de higiene ou segurança.. As suas habitações eram blocos de apartamentos com 4 ou 5 andares . As casas estavam juntas umas às outras, não tinham casa de banho, nem cozinha, nem água canalizada, nem sistema de esgotos. Estas casas chamavam-se de insulae .
  • 34. As ínsulas eram prédios habitacionais com vários andares, situados nos centros urbanos. Os espaços eram em grande parte comuns e habitados por mais que uma família. Construídas em madeira, estas casas não revelavam grandes condições e ardiam com facilidade. Nelas habitavam as camadas mais pobres.
  • 35.  
  • 36. O principal objectivo da arquitectura era tornar a vida mais confortável e promover a imagem do Imperador .
  • 37. O s romanos foram influenciados pela cultura de muitos dos povos que dominaram. No entanto, a maior influência foi dada pelos gregos. A originalidade da arte romana está no seu carácter prático, utilitário e duradouro . Enquanto os gregos se preocupavam com a harmonia e a proporção , os Romanos privilegiam a grandiosidade e a robustez das construções arquitectónicas A arquitectura, a escultura, a pintura e a literatura são os maiores representante deste campo.
  • 38.  
  • 39. Combinaram harmoniosamente a arte grega com elementos originais Cúpula Abóbada de berço Arco de volta perfeita
  • 40. Da arte grega, os romanos adoptaram: Ordem Dórica Ordem Jónica Ordem Coríntia
  • 42. O espírito romano era essencialmente técnico e prático. Estavam mais interessados em resolver um problema e não em especular sobre ele.
  • 43.  
  • 44.  
  • 45. Também erguiam monumentos comemorativos para glorificar as grandezas de Roma, como este arco do triunfo .
  • 46. Coliseu- destinado aos combates de gladiadores
  • 47.  
  • 48.  
  • 50.  
  • 51.  
  • 52.
  • 53.  
  • 54.  
  • 55.  
  • 56.  
  • 57.
  • 58. Outra corrente importante da escultura romana foi o relevo narrativo. Painéis de figuras esculpidas representando feitos militares decoravam arcos de triunfo, sob os quais desfilavam os exércitos vitoriosos conduzindo longas filas de prisioneiros acorrentados. A Coluna de Trajano (106 – 113 d. C.) é o mais ambicioso desses monumentos. Mostra um relevo envolvendo a coluna em mais de duzentos metros de espiral ininterrupta, comemorando massacres em mais de 150 cenas.
  • 59.  
  • 60. Características da escultura Perfeição e realismo na representação do rosto, feições e movimento do cabelo O seu realismo técnico e formal originou autênticos retratos, que sugerem aspectos psicológicos e de carácter das personalidades As figuras representavam quer os aspectos belos, como os defeitos Construção de estátuas de corpo inteiro, bustos e estátuas equestres Relevo narrativo – painéis de figuras esculpidas representando feitos militares.
  • 61. Pintura A maior parte das pinturas romanas que conhecemos hoje provém das cidades de Pompéia e Herculano, que foram soterradas pela erupção do Vesúvio em 79 a.C. Pompéia
  • 62.  
  • 63.  
  • 64. Mosaicos Romanos Representação de cenas da vida quotidiana, religiosas , mitológicas , paisagens , retratos Distinguiram-se nas representações em mosaico AS obras souberam ocupar grandes espaços nas construções, complementando ricamente a arquitetura.
  • 65. GREGO ROMANO ESTRUTURA Templos para glorificar deuses Prédios cívicos (fórum, termas) em honra ao Império PAREDES Blocos de pedra Concreto e fachada ornamental FORMAS TÍPICAS Linhas retas Linhas curvas SISTEMA DE SUPORTE Pilares Arco e abóbadas ESTILO DA COLUNA Dórica e Jônica Coríntia ESCULTURA Deuses e deusas idealizados Seres humanos realísticos, autoridades idealizadas PINTURA Figuras humanas flutuando no espaço Imagens realísticas com perspectiva TEMAS DA ARTE Mitologia Líderes cívicos, triunfo militar
  • 66.  
  • 67. Também a literatura serviu para glorificar o Império Romano. A Literatura destinava-se, assim, a uma elite. A alta sociedade frequentava salões de leitura pública para ouvir ler e voz alta. Também era usual ler-se nas termas e nos banquetes. Aí recitava-se  os poemas dos escritores mais notáveis, muitos deles da época de Augusto. Lê o documento da pág. 103
  • 68. O mecenato, praticado desde a Roma Antiga é uma forma de patrocínio dos produtores musicais, dos literários e dos artistas. O termo mecenato provém do nome de um romano culto e muito rico (Caio Glínio Mecenas, c. 69 - 8 a. C.), que financiou um círculo de letrados e artistas da Roma do seu tempo, como Virgílio, ou Horácio. Foi poeta e prosador também, tendo deixado a sua enorme riqueza em legado a Augusto, primeiro imperador romano. Através do mecenato, artistas extremamente dotados mas nascidos entre as camadas inferiores da população podiam ter a oportunidade de se tornarem pintores de um patrono ou poderosa família. Estas famílias viam os seus membros imortalizados e glorificados pela arte para a eternidade. Lê o documento da pág. 104 e 105
  • 69. Na poesia , um dos géneros literários mais praticados pelos Romanos, a influência grega é bem evidente com o poeta Virgílio, autor de Eneida, poema épico onde o autor exalta as origens e os feitos Romanos . A historiografia também desempenhou um papel importante na glorificação e na legitimação das conquistas e na própria ideia do Império Romano como Império Universal . Para os Romanos, a História Romana de Tito Lívio , é a que melhor exalta Roma e o seu Império.
  • 70.