SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 274
A Cultura da Catedral
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 1
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
É no século XII que se formaram a maioria das cidades
europeias;
Nasceram do desenvolvimento económico, demográfico,
social, cultural e político dos séculos XII a XIV (Baixa Idade
Média).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 2
Vieira da Silva
Manuel Cargaleiro
Cidade em expansão
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 3
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 4
Os construtores de catedrais
Gráfico da
população europeia
As cidades e Deus
A Europa das cidades – do renascimento do século XII a
meados de Quatrocentos (O tempo e o espaço)
5
Séculos XI e XII – feudalismo, fase expansionista;
Século XIII – conjuntura económica favorável, grande
dinamismo económico;
Século XIV – recessão, guerras, fomes e pestes.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 6
Melhorias climáticas;
Progressos agrícolas.
Vão provocar:
Produção excedentária  crescimento demográfico;
O comércio e a indústria desenvolvem-se;
Fatores que contribuíram para o desenvolvimento dos
séculos XI a XIII:
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 7
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 8
Reaparecimento das feiras e mercados que vai provocar o
crescimento das cidades;
Surgem relações comerciais com a Ásia e África.
Estabelece-se uma economia de mercado (circulação de
moeda, produtos e riqueza);
Surge uma economia monetária e capitalista;
Surgem cambistas e bancos, inventam-se formas de
pagamento (cheques, letras);
Surgem grandes fortunas – Jacques Coeur, Cosme de
Médicis, etc.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 9
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 10
As cidades europeias enriquecem e crescem;
Surge um novo grupo social, a burguesia (artesãos,
mercadores, lojistas, letrados, banqueiros, etc.;
Surge um novo estilo de vida, mais cortesão e pacífico;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 11
Desenvolvem-se hábitos de luxo. Um banquete medieval
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 12
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 13
Desenvolve-se a cultura escrita;
Surgem novas escolas nas cidades (Universidades);
As cidades foram o berço de uma nova sociedade mais
laica, pragmática e individualista;
As cidades transformaram-se em centros de novos
saberes;
Desenvolvem-se as trocas comerciais e culturais.
Grandes alterações sociais e políticas:
Burguesia (habitantes do burgo) – cresceu, cultivou-se,
organizou-se;
Surgem organismos profissionais:
As corporações ou mesteres de artes e ofícios para associar
os artesãos;
E as Guildas ou Hansas (associações de comerciantes). A
Liga Hanseática era constituída por cerca de 150 cidades.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 14
Os habitantes das cidades organizam-se procurando a
emancipação administrativa da cidade, surgem as comunas;
Desenrolam-se lutas nos campos e cidades, procurando
melhorar a sua situação.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 15
As monarquias aliam-se à burguesia contra a nobreza e
inicia-se um movimento de centralização do poder real.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 16
Século XIV – mudanças climáticas,
excesso de consumo, crescimento
urbano desequilibrado e fomes
vão iniciar uma grave recessão
económica.
Surge a Guerra dos Cem Anos,
entre a França e Inglaterra mas
que envolve grande parte dos
países europeus.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 17
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 18
Muitas cidades cresceram:
Cidades industriais (produção artesanal);
Cidades comerciais (sobretudo portos de mar);
Cidades de peregrinação;
Cidades universitárias…
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 19
Cidades portuárias no Mediterrâneo: Génova, Pisa, Marselha,
Barcelona, etc.
No Atlântico e Báltico: Lisboa, Amesterdão, Hamburgo,
Lubeque, etc.
O barco era o transporte mais prático e mais barato.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 20
Surgem novas rotas terrestres, sobretudo entre Itália e o norte
da Europa;
Surgem feiras internacionais: Champagne, Bruges, Troyes,
etc.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 21
Desenvolvem-se as Universidades;
Os estudos começavam pelas Artes: Trivium (Gramática,
Retórica e Dialéctica) e o Quadrivium (Aritmética, Geometria,
Astronomia e Música);
Depois frequentavam as Universidades de grau superior:
Direito Canónico, Medicina, Teologia, etc.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 22
Professores e alunos
organizavam-se em nações
(origem);
O ensino tinha por base a
filosofia escolástica – ensino
teórico;
Estudo e comentário das obras
de filosofia clássica ( Platão,
Aristóteles, Sócrates) e de
autores cristãos (Santo
Agostinho).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 23
Universidade de Salamanca
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 24
S. Tomás de Aquino (1214-
74) procurou a união entre a fé
e a razão;
Entre a revelação divina e a
inteligência humana;
O crente poderia alcançar
Deus pela sua inteligência,
pelo conhecimento do mundo
que era o reflexo de Deus
Humanização da religião;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 25
Estas novas maneiras de pensar suscitam um maior
interesse pelo mundo material e um ensino mais
experimental;
Roger Bacon (1214-95);
Guilherme de Ockam (1285-1349).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 26
Casa
Comunal
Catedral
Formas de urbanismo medieval
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 27
Até ao século XII a Europa era rural;
A partir do século XIII há um crescimento significativo das
cidades mais antigas;
Surgem novas cidades (cruzamentos de estradas, locais
de feira, portos de mar, etc.):
A catedral é um dos símbolos da cidade;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 28
Cidade de Tournai, França
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 29
Diversificam-se:
Umas crescem ordenadamente (malha reticular, concêntricas);
Outras crescem caoticamente;
Crescem para fora das muralhas.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 30
Reconstituição de uma feira
medieval.
Igrejas, conventos, casa
comunal, casas de
nobres e burgueses,
bairros populares,
oficinas, lojas, praças,
ruas (algumas
agrupavam um
determinado ofício ou
loja, rua do ouro, dos
mercadores, etc.)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 31
Não tinham água canalizada, nem esgotos, nem segurança
(polícia);
As ruas eram estreitas e sinuosas (incêndios frequentes);
As cidades tornam-se polos de atracão – emigração do
campo para a cidade;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 32
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 33
A Europa das catedrais (O local)
“A arte das Catedrais significou em primeiro lugar o
renascimento das cidades. Estas ao longo dos séculos XII e
XIII não pararam de crescer;
A catedral (gótica) é a igreja do bispo, portanto a igreja da
cidade.”;
George Duby, O tempo das catedrais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 34
Florença 1336-38:
25000 homens entre os 15 e 60 anos;
1500 ricos e nobres;
110 igrejas, 24 mosteiros;
30 hospitais com mais de mil camas;
200 oficinas de lã – 30000 operários;
8 bancos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 35
A catedral torna-se
o símbolo da
cidade;
Igreja (bispo) e
burgueses, todos
contribuem para a
construção da
Catedral.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 36
Deus é luz. (…) Luz absoluta,
deus está mais ou menos
velado em cada criatura,
consoante ela é menos ou
mais refratária à sua
iluminação. Esta conceção
contém a chave da nova arte,
da arte de França. Arte de
claridade e de irradiação (…).
G. Duby, O tempo das catedrais
37
A luz, que aparece
simultaneamente como o
próprio Deus e como o agente
de união entre a alma e deus,
deve encher inteiramente o
reino cujo campo os muros
da catedral simbolicamente
delimitam.
G. Duby, O tempo das catedrais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 38
O Abade Suger, da Abadia de S. Dinis (arredores de Paris)
foi o grande ideólogo (teólogo), criador do estilo gótico;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 39
Na reconstrução da cabeceira da Igreja incentivou os mestres
de obras a deixarem entrar a luz;
Fez da catedral o reino de Deus na Terra;
Surge uma nova teologia: “Deus é luz”.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 40
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 41
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 42
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 43
“Deus é Luz. Cada criatura recebe e transmite a iluminação divina
segundo a sua capacidade. … O universo é um fluxo luminoso… Deus
é luz absoluta”
George Duby, O tempo das catedrais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 44
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 45
Esta conceção contém a chave da nova arte, Arte de França,
de que a Igreja de S. Dinis, de Suger foi o modelo.
George Duby, O tempo das catedrais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 46
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 47
As catedrais góticas;
A catedral de Colónia;
A partir do século XII desenvolve-se uma nova cultura
baseada no ideal cavaleiresco e cortês;
Valorização da lealdade, cortesia, amor, a paz, a alegria, a
elegância, etc.;
Surgem poetas, trovadores, jograis.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 48
A cultura cortesã
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 49
Surgiu uma nova cultura popular, mais profana (menos
religiosa) e mais humanista (preocupada com o homem);
Desenvolvem-se festas e romarias com procissões e autos
teatrais, com dançares e cantares;
Surgem as poesias trovadorescas;
Estas poesias eram escritas e cantadas em língua vulgar (a
que era falada pelo povo) e não em latim;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 50
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 51
Os grandes da época (nobreza e clero) cultivaram o
conforto e o luxo;
Saraus, representações teatrais, bailes e banquetes
acompanhados por música; (ver)
Surgem as primeiras práticas de mecenato (proteção das
artes);
Nos meios cortesãos (nobreza) surgem novas regras
sociais caracterizadas por uma maior civilidade e cortesia.
Literatura surgem os romances de cavalaria, narrativas de
viagens e até romances sentimentais:
Como por exemplo o “Romance da Rosa”;
Em Portugal surgem as “cantigas de amor, de amigo, de
escárnio e maldizer”.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 52
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 53
Surge um mundo mais culto
e letrado;
Desenvolvem-se as línguas
faladas pelas pessoas;
Surge um mundo mais
humanizado.
A música diversifica-se surge a polifonia, vários
instrumentos e ritmos, popular ou erudita, religiosa ou
profana;
Surgem as danças coletivas e individuais.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 54
Desenvolve-se o teatro religioso, representado no adro da
igreja ou nas praças – funções pedagógicas e recreativas;
Surgem atores ambulantes;
Surge um teatro mais profano;
A nobreza e burguesia organizam festas particulares.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 55
Em conclusão:
Divulgam-se os prazeres mundanos, a alegria de viver;
A Igreja crítica estes exageros;
No século XIV, o avanço da peste provoca modificações na
arte – reflete o medo e inquietação;
O século XV devolve a confiança ao Homem no mundo.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 56
Dante Alighieri
(1265-1321)
Biografia
57
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 58
Nasce em Florença em 1265;
Apaixona-se por Beatriz Portinari (m. 1290) – dedica-lhe
quase toda a sua poesia;
A partir de 1295 passa a ter uma vida política ativa;
Por motivos políticos é desterrado de Florença;
Vive em Verona, Pádua, Paris, Oxford, Pisa e Ravena;
Dedicou a sua vida à literatura e à política.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 59
Escreveu toda a sua obra em italiano, o que para a época foi
muito inovador, a maior parte dos autores escrevia em latim;
Dante cortou com a tradição medieval e contribuiu para o
aperfeiçoamento da língua italiana;
Na poesia criou um novo estilo, “dolce stil nuovo” (doce estilo
novo);
Foi o percursor (inspirador) da literatura do Renascimento.
Na sua obra desenvolve a reflexão sobre o pensamento, a
crítica filosóficas, teológicas, literárias, e socioeconómicas da
época;
Este entendimento da fé e dos sentimentos religiosos
aproxima Dante dos escritores do Renascimento;
Dante, na poesia, e Giotto, na pintura, encerraram uma
época da história e foram os precursores de outra.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 60
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 61
A sua obra-prima foi a Divina Comédia;
Uma peça poética dividida em três partes ou capítulos
(Inferno, Purgatório e Paraíso);
Nessa obra relata-nos uma visão ou sonho durante o qual
realiza uma viagem simbólica pelo mundo dos mortos;
Esta viagem foi o pretexto para analisar a vida humana,
expor o seu pensamento sobre a filosofia, e a teologia,
Em resumo, os escritos de Dante resumem todo o
pensamento filosófico, científico e teológico da Idade
Média, harmonizando-o com a Antiguidade Clássica,
enunciando, o Renascimento.
O Casamento de Frederico III com D. Leonor de Portugal
de Nicolau Lanckman de Valckenstein
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 62
D. Leonor (1434-1467), filha dos reis D. Duarte e D. Leonor, casou
em 1451 com Frederico III, imperador da Alemanha;
Nicolau Lanckman de Valckenstein era capelão do Imperador e veio
a Portugal celebrar o casamento por procuração, escreveu um
diário de viagem onde relata os acontecimentos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 63
O rei Afonso V, irmão de D. Leonor, deu uma festa, que se
prolongou por vários dias, entre 13 e 25 de Outubro;
Decorreram várias ações pela cidade, destinadas a vários públicos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 64
A Peste Negra (1348-1350)
(Acontecimento)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 65
A Peste Negra vai provocar a morte de 30% a 50% da
população europeia muitas aldeias e até algumas cidades
desapareceram completamente.
66
Veio do Oriente, chegou a Messina, porto italiano, através de
barcos de comércio;
A enorme mortalidade provocou um enorme terror na
população.
Ars Moriendi – Arte
de morrer
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 67
A moeda desvalorizou,
provoca a subida dos preços
(inflação);
Os impostos aumentaram
(monarcas precisavam de
dinheiro para manter a
guerra);
Surgem revoltas populares
nos campos e nas cidades;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 68
Perseguições aos judeus e leprosos vistos como os
causadores das desgraças;
Procissões coletivas de flagelantes;
Crise coletiva de mentalidades.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 69
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 70
O contágio fazia-se por picada de pulgas ou mordidelas de
ratos;
Normalmente matava em 3 a 4 dias.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 71
O desaparecimento de um terço da população europeia
teve consequências graves:
Alterou o quotidiano;
Paralisou a produção e o comércio (falta da mão-de-
obra);
Provocou uma depressão económica, espalhando a
carestia e a fome;
Generaliza-se a insegurança e instabilidade, eclodem
revoltas populares que causam pânico e violência;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 72
O medo da morte provocou, em muitas pessoas, o recurso
exagerado à fé, surgem práticas extremistas de penitências;
Outros, pelo contrários, vão-se dedicar à heresia e a práticas
satânicas;
Outros por sua vez, descrentes de tudo, dedicam-se à
ociosidade, vadiagem e marginalidade;
A Peste Negra perturbou as estruturas económicas e
sociais e provocou uma crise de valores e
comportamentos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 73
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 74
Esquema do século XIV
A crise atinge a Igreja:
Surgem dois papas ( Roma e o de Avinhão, França,
imposto pelo rei Francês);
É o Grande Cisma do Ocidente (1373-1417).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 75
Apesar da gravidade da crise, nos grandes centros urbanos
surgiram os fatores que vão permitir o florescimento
económico e cultural no século XV.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 76
A Arte Gótica
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
Cabeceira da igreja de S. Dinis
A Arquitectura Gótica
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 78
Catedral de Chartes,
fachada
79
A Catedral gótica é construída em honra
de Deus e dos Homens;
Representa o novo pensamento
teológico:
Deus é luz (conhecimento), que desce até
aos homens, e as almas elevam o seu
espírito até Deus.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 80
Cabeceira de S. Dinis foi
reconstruída por ordem do
abade Suger
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 81
S. Dinis, deambulatório
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 82
A catedral incita ao fervor
religioso e exaltação espiritual;
Os amplos interiores, a luz
filtrada pelos vitrais procuram
criar uma atmosfera de forte
espiritualidade.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 83
Louvor dos Homens –
símbolo da riqueza da
cidade, todos contribuem
para a sua construção, com
dinheiro ou trabalho
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 84
Igreja de Santa Madalena de
Vézelay, 1120, estilo românico
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 85
Não foi um estilo completamente novo;
Mas um ponto de chegada do aperfeiçoamento da arquitetura
românica, sobretudo na Borgonha.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 86
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 87
A arte gótica nasceu nos arredores de
Paris, S. Dinis, e o seu principal mentor
foi o Abade Suger – reconstrução da
cabeceira da Igreja de S. Dinis;
Na época era conhecida por “Arte de
França”;
Durante o século XIII difundiu-se por
toda a Europa.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 88
Maior uniformidade que a arte românica (maior e mais rápida
circulação de pessoas e de ideias);
É o primeiro estilo Ocidental sem influências orientais (Bizantinas
ou Gregas).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 89
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 90
A arquitetura gótica vai-se concretizar a partir de 3 áreas
específicas:
Inovações técnicas;
Nova estética;
Alterações das estruturas formais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 91
Inovações técnicas;
Nova estética;
Alterações das estruturas formais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 92
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 93
A principal inovação:
Arco ogival (utilizado na românico da Borgonha c. 1100);
Surgiu da necessidade de criar um tramo retangular.
Arco Ogival, Abóbada de cruz
Nervuras
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 94
Panos – enchimento da
abóbada
A maior parte do peso é descarregado nas colunas
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 95
Abóbada ogival simples
4 panos
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 96
O arco ogival é mais dinâmico;
O peso é distribuído através das nervuras do arco;
O peso é descarregado nas colunas e nos contrafortes exteriores;
O peso é melhor distribuído, mais fácil de sustentar.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 97
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 98
As abóbadas tornam-se mais
leves, elásticas e dinâmicas;
Adaptam-se às formas e
dimensões dos espaços a
cobrir;
Permitem aumentar as áreas
de construção.
99
As abóbadas inicialmente com 4
panos, diversificam-se,
chegando a apresentar 16 panos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 100
Abóbada cruzada
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 101
Abóbada reticulada (típica do gótico alemão)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 102
Abóbada estrelada
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 103
Abóbada de leque (típica do gótico inglês)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 104
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 105
Catedral de Colónia,
abóbadas a cerca de 60
metros de altura
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 106
Mais leves, as abóbadas elevam-se cada vez mais alto (de acordo
com a estética da época), impulso vertical;
Não só aumenta a altura como aumenta a proporção
altura/largura:
Chartes é 1:2,6, Colónia é 1:3,8
Isso obriga a reforçar os apoios exteriores com um novo tipo de
contrafortes.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 107
Contrafortes góticos
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 108
Botaréu Arcobotantes
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 109
Pináculos
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 110
Contraforte gótico é constituído por:
Botaréu (elemento maciço e
vertical, adossado às paredes das
naves laterais);
Arcobotantes (meios arcos) que
ajudam a descarregar o peso da nave
central nos botaréus, quando as
construções se tornam mais altas
constroem-se arcobotantes duplos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 111
A construção de catedrais góticas assentou:
Abóbadas de cruzaria ogival;
Apoiadas num novo e complexo sistema de pilares e contrafortes.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 112
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 113
Chão de risco, Catedral de Wells
Guindaste
A complexidade da obra obrigou a um planeamento cuidadoso e a
utilização de maquinaria
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 114
Principais inovações técnicas:
Arco ogival;
Vários tipos de abóbadas (cruzaria ogival), mais altas;
Novo contraforte: botaréu, arcobotantes;
Complexo sistema de contrafortes e pilares;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 115
Inovações técnicas;
Nova estética;
Alterações das estruturas formais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 116
Sainte-Chapelle - cabeceira
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 117
A técnica teve consequências ao nível
estético:
A altura das abóbadas aumentou;
Pilares e colunas adelgaçaram-se;
Acentua-se a verticalidade;
As paredes libertem-se do papel de
suporte – rasgam-se amplas janelas;
Criando interiores fortemente iluminados.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 118
Crescente verticalidade;
Novo aproveitamento da luz.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 119
A nova estética introduz alterações nas formas, dimensões e
estruturas dos edifícios;
Criou novas tipologias na arquitetura civil;
Palácios urbanos e casas comunais.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 120
Nova estética:
Crescente
verticalidade;
Novo aproveitamento
da luz.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 121
Inovações técnicas;
Nova estética;
Alterações das estruturas formais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 122
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 123
A catedral (A casa de Deus) pelas suas dimensões evidenciava-se
na paisagem urbana;
Era o centro religioso, cultural, social e por vezes económico da
cidade;
A conceptualização inicial cabia aos encomendadores – os bispos
ou aos reis.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 124
A catedral gótica reflete a
estruturação do pensamento
filosófico escolástico;
Ao mesmo tempo que se divide o
texto em capítulos;
O plano da catedral é dividido em
várias ordens de naves e em vários
níveis de elevação.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 125
Cabeceira
Transepto
Naves
A catedral é tripartida - planta
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 126
Arcadas (tripartido)
Trifório (tripartido)
Clerestório (tripartido)
Paredes laterais tripartidas
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 127
Notre Dame de Paris
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 128
Inicialmente as paredes laterais apresentavam 4
divisões, a galeria desaparece a partir do século
XIII
Clerestório
Trifório
Galeria
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 129
Catedral de Laon
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 130
A elaboração do projeto cabe aos mestres-pedreiros (arquitetos
e engenheiros);
A planificação obedecia a uma planificação e a cálculos
matemáticos e geométricos;
Os arquitetos do gótico necessitavam de ser cultos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 131
Catedrais góticas ( tal como no românico):
Planta em cruz latina;
Cabeceira virada para este;
Geralmente 3 naves, por vezes, 5 naves;
No entanto surgem alterações.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 132
Planta de Chartres
Planta de Paris
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 133
Transepto de 3 ou 5 naves, quase tão
largo como o corpo principal, mas
torna-se menos saliente;
Cabeceira mais complexa, ocupa cerca
de um terço da área da igreja, o
deambulatório, por vezes duplo,
prolonga-se até ao transepto.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 134
Fachada da Catedral de Reims
Rosácea
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 135
Surgem enormes rosáceas nas
fachadas;
As aberturas, revestidas por vitrais
coloridos, permitem um interior
iluminado, de acordo com a
teologia Deus-Luz;
Eliminam-se as barreiras físicas
entre as diversas partes da igreja;
A Igreja é concebida como um
todo.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 136
Catedral de Chartres, fachada
Catedral de Reims, fachada
Gablete
Agulhas
Torres sineiras
Exterior das catedrais
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 137
A catedral de Chartres
Portais góticos:
Tornam-se mais esguios e
monumentais;
Normalmente portal triplo;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 138
Notre Dame,Paris
Torre do Cruzeiro
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 139
A noção de verticalidade era acentuada pelas agulhas, pináculos,
torres;
Escondiam-se as linhas horizontais, acentuavam-se as linhas
verticais;
O exterior foi abundantemente decorado com estatuária e relevo
pintado.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 140
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 141
Novas tipologias:
Transepto – menos saliente;
Cabeceira – ocupa de um terço da área da igreja, o deambulatório,
por vezes duplo, prolonga-se até ao transepto;
As aberturas, revestidas por vitrais coloridos;
A noção de verticalidade era acentuada pelas agulhas, pináculos,
torres.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 142
O gótico nasceu em França, durante o século XIII, mais tarde surgiu
noutros países onde deu origem a escolas próprias – Variações
regionais;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 143
A Catedral de Amiens é por muitos considerada a mais perfeita das
catedrais francesas;
Foi construída por Robert de Luzarches, Tomás de Cormont e René
de Cormont;
c.1220 a 1247.
A catedral de Notre-Dame de Amiens, França
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 144
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 145
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 146
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 147
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 148
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 149
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 150
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 151
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 152
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 153
Catedral de Salisbury
King’s College
Inglaterra
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 154
Cabeceiras quadradas;
Duplo transepto;
Abóbadas de leque;
Em Inglaterra o gótico prolongou-se até ao século XIX (através do
Neogótico).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 155
Catedral de Friburgo
Igreja de Santa Cruz
Alemanha
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 156
Alemanha:
Torre única na fachada;
Igrejas-salão (3 naves com a mesma altura);
Abóbadas reticuladas
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 157
Catedral Nova de Salamanca
Espanha
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 158
Espanha:
Decoração com motivos de influência árabe, estilo plateresco.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 159
Catedral de Siena
Itália
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 160
Itália
Utilizam o arco em ogiva mas não há impulso vertical;
Paredes com poucas aberturas;
Pintura mural em vez de vitral.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 161
Fase final do gótico, século XV, surge o gótico flamejante
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 162
Catedral de Milão
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 163
A casa Comunal,
Palácio Vecchio, Florença
Arquitectura civil
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 164
O castelo – Castelo de Vayres, França
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 165
Palácio urbano – Casa de Jacques Coeur, Bégica
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 166
O Gótico em Portugal
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 167
Gótico desenvolve-se após o fim da Reconquista e prolonga-se até
ao século XVI (Manuelino);
Norte apego ao Românico;
Gótico ligado às ordens monásticas ;
Seguindo os princípios estéticos franceses o gótico português foi
simples.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 168
Igreja do Mosteiro de
Alcobaça, 1178-1252
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 169
Alcobaça, interior
Igreja de Santa Clara, Coimbra
Igreja de Leça do Balio
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 170
Características do gótico português até ao século XV:
Dimensões modestas;
Verticalidade menos acentuada;
Janelas pequenas e em número reduzido;
Contrafortes “românicos”;
Decoração menos rica e abundante.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 171
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 172
No século XV, inicia-se a construção do Mosteiro da Batalha
(apogeu do gótico português) – reinado de D. João I;
Afonso Domingues fez o projeto inicial.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 173
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 174
Arcobotantes;
Mais iluminação;
Maior decoração;
Apresenta um aspeto mais próximo das grandes catedrais
europeias;
Influenciou a Igreja do Convento do Carmo (Lisboa), Igreja de Vila
Franca do Campo (Açores), etc..
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 175
No final do século XV, surge o Manuelino (reinados de D. Manuel
I e D. João III)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 176
Planta de Igreja do Manuelino,
Portal do Mosteiro dos Jerónimos
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 177
Janela e Portal do Convento de Cristo, Tomar
Torre de Belém, Lisboa
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 178
Mantém a estrutura gótica;
Igrejas-salão (alturas das naves igual);
Ornamentação exuberante (rendilhado na pedra);
Influências: gótico plateresco, gótico flamejante;
Decoração inspirada nos Descobrimentos: cordas, velas, motivos
marítimos e na Heráldica: brasões, esfera armilar.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 179
Escultura e Pintura gótica
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
A Escultura Gótica
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 181
Principais características da escultura gótica:
Proporcionalidade, Expressividade, Humanização, Naturalismo;
Maior liberdade criativa;
Mensagem: doçura, beleza, graciosidade, desejo de viver;
A escultura era realizada nas oficinas e depois colocada
(pousada) nos seus lugares.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 182
Gótico inicial
Gótico pleno
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 183
Gótico inicial:
Estátuas em pose rígida e pouco natural;
Os rostos vão-se individualizando;
As esculturas são coloridas com cores
convencionais e simbólicas:
Cabelos louros, vestes policromadas, etc.
Gótico inicial
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 184
Gótico pleno (século XIII/XIV):
Estátuas ( e relevos) mais naturalistas e
realistas;
Pose em “S”, quase em contraposto, maior
correção anatómica;
Os rostos (com mais pormenores)
refletem sensibilidade, ternura – é a
humanização do céu;
A expressão procura exprimir a perfeição
espiritual.
Gótico pleno
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 185
A escultura gótica atingiu o seu auge, em Itália, com Nicola e
Giovanni Pisano
Nicola Pisano, Natividade
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 186
Nicola e Giovanni Pisano, Natividade
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 187
Giovanni Pisano, Madona
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 188
Nos finais do século XIV e XV, fruto da Peste Negra e da crise
religiosa surge uma representação onde a dor e o sofrimento
transparecem, sobretudo na Alemanha;
Pietà da Renânia, XV
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 189
A escultura decorativa: as fachadas e portais das catedrais
Catedral de Reims
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 190
Catedral de Chartres
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 191
Horror ao vazio;
Estátuas, relevos, pináculos, flechas, rosáceas, vitrais;
Um dos elementos fundamentais é o tímpano dos portais, agora
com gablete;
Temas: Cristo em Majestade, Juízo Final, Nascimento de Cristo,
episódios da Vida de Santos.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 192
A Arte de decorar os portais atingiu o seu auge em Amiens
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 193
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 194
Em contraste com o exterior
o interior é discreto – limita-
se aos púlpitos e capitéis
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 195
Estátuas jacentes
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 196
No século XIII tornou-se moda as estátuas jacentes – decorando os
túmulos;
A evolução é semelhante – evoluiu no sentido de um maior
naturalismo e expressividade.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 197
Final do século XIII é agitado:
Papa em Avinhão, declínio do sistema feudal;
O gótico final revela preocupações humanistas;
Na escultura com Nicola e Giovanni Pisano.
Pintura Gótica
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 198
Pintura evolui a partir de 4 técnicas distintas:
Vitral;
Iluminura;
Pintura sobre madeira (Flandres);
Fresco (Itália)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 199
A pintura do século XIV, foi chamada de Estilo Internacional ou
Estilo 1400;
Várias influências e gostos:
Bizantinas (dourados);
Realismo e verismo;
Nova conceção espacial (Itália);
Refinado tratamento técnico (Flandres)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 200
Vitral
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 201
Apogeu entre 1200 e 1600;
Substituiu a pintura mural;
A essência é a luz e provocar o êxtase religioso;
Temática religiosa;
Formas simples e lineares, contornadas por fios de chumbo.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 202
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 203
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 204
A iluminura
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 205
As iluminuras passaram a ser realizadas por iluminadores
profissionais nas cidades;
Mais realista, mas interessou-se tardiamente pela representação do
espaço, isto é, tentar representar em perspetiva;
Temática essencialmente religiosa;
Divulgação dos Livros de Horas;
Riqueza cromática.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 206
Retábulo (Díptico)
Melchior Broederlam
Díptico de Wilton
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 207
Retábulos – são obras de arte concebidas para serem
colocadas em altares.
No Estilo Internacional também se executou
Pintura mural (embora as igrejas tivessem poucas paredes) e
sobre madeira (retábulos).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 208
Retábulos
Díptico, Tríptico, Políptico
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 209
As igrejas italianas tinham poucas janelas;
As cidades italianas tornaram-se cidades-estado, Florença, Veneza,
Milão, Pisa, etc.;
Prosperidade económica;
Grande desenvolvimento artístico;
Desenvolvimento do humanismo.
A pintura em Itália
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 210
Cimabue (c. 1240-1329) Maestá
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 211
Duccio (c. 1255-1318),
Entrada de Cristo em Jerusalém
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 212
Cimabue e Duccio iniciaram a renovação da pintura, sobretudo
pela rutura com a tradição bizantina;
Introduzem na pintura uma maior naturalidade;
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 213
O grande génio da pintura gótica italiana é Giotto, aluno de Cimabue
(c. 1267-1337)
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 214
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 215
216
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 217
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 218
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 219
Giotto, capela dos Scroveni
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 220
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 221
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 222
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 223
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 224
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 225
Giotto, famoso na época;
Foi o primeiro a tentar pintar em perspetiva, procurando
representar a terceira dimensão;
Procura pintar os objetos como os vemos;
Pintura expressiva;
Foi o principal pioneiro daquilo que viria a ser a maior revolução
na arte – O Renascimento do século XV.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 226
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 227
Ambrogio Lorenzetti,
O Bom governo da cidade (1338-40)
Irmãos Lorenzetti, revelam influências de Giotto
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 228
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 229
Obra pintada no Palácio Público de Siena;
Em finais do século XIII, Siena era uma das mais prósperas
repúblicas italianas;
Expulsou os nobres da cidade e era governada pela burguesia
mercantil;
O tema deste fresco celebra o resultado dessa governação;
Mostra-nos a vida quotidiana da cidade, próspera, fruto do
bom governo.
Na Flandres desenvolve-se um gótico mais tardio (século XV):
Inventaram a técnica do óleo:
Seca lentamente, podia ser retocada;
Tornava possível as velaturas (transparências);
Empastes (grande espessura de tinta);
Gradações cromáticas.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 230
Mestre Flémalle, A Virgem e o Menino
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 231
Mestre Flémalle, A Virgem e o Menino
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 232
Rogier van der Weyden (c. 1400 – 1464),
Tríptico de Columba
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 233
Pintam as cenas religiosas com um enquadramento de atualidade;
Grande preocupação com o pormenor;
Retrato com grande realismo;
No entanto mantém a simbologia medieval.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 234
Jan van Eyck
(1390 – 1441),
O casamento dos
Arnolfini
Simbolismos: o cão, os
pés descalços, a cama, os
frutos, etc.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 235
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 236
Jan van Eyck, A anunciação
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 237
Jan van Eyck, Políptico, 1432
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 238
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 239
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 240
Jan van Eyck (c. 1390-1441), foi o grande divulgador da técnica do
óleo;
É considerado o grande génio da pintura flamenga do século XV;
O irmão Hubert van Eyck, também foi um pintor de renome.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 241
Hugo van der Goes , Tríptico dos Portinari
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 242
Hieronymus Bosch (c. 1450-1516), Cristo carregando a cruz
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 243
H.Bosch, A Morte do avarento
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 244
H.Bosch,
A Morte do Condenado
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 245
Pintor de visões macabras e apocalípticas, sem paralelo no seu
tempo;
Imagens fantásticas e bizarras;
A presença do pecado e a condenação;
Sermões visuais.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 246
Ainda sob o signo de Alá:
dos reinos de taifas ao reino de Granada
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
O contexto histórico:
Desde o século VII ao XI o mundo islâmico esteve unido (dinastias
omíada e abássida):
No século XI dá-se a fragmentação política.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 248
No Oriente surgem novas dinastias: Seljúcidas, Iljanis, Fatimitas;
No Ocidente (Península Ibérica) cai o califado de Córdova dando
origem aos reinos de taifas (pequenos reinos envolvidos em guerras
entre eles);
Aproveitando a instabilidade a Reconquista Cristã avança.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 249
Reis das taifas pedem ajuda às dinastias berberes do Norte de
África;
Surgem os Almorávidas e depois os Almóadas;
O domínio islâmico na Península Ibérica sobreviveu até 1492 (queda
do reino de Granada, dinastia nazari).
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 250
A arte dos reinos taifas:
Desenvolvimento da arte do período anterior (Califado de
Córdova), com inovações:
Arquitectura:
O tijolo, estuque e argamassa substituem a pedra e o mármore;
Decoração abundante e exagerada – predomínio dos motivos
florais;
Arte luxuosa mas frágil.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 251
Alcáçova (cidadela) de Malága
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 252
Palácio da Aljaferia,
Saragoça
Sala interior
Mesquita
Sala do trono
253HCA, Curso Turismo, Módulo 4
Palácio da Aljaferia,
Saragoça
Entrada principal
Pormenor arco
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 254
Arte dos Almorávidas:
Primeira fase – arte de uma grande sobriedade decorativa,
mesquitas sem minarete;
Segunda fase – arte de uma maior monumentalidade.
255
Torre do Ouro –
construção militar
Arte almóada: Simplicidade decorativa e uma grande
monumentalidade.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 256
Alcázar de Sevillha
Salão dos Embaixadores
Abóbada
Arcos da entrada
Arte nasride (ou nazari), Granada:
Dois tipos de arquitetura:
Uma funcional – utiliza materiais baratos – muralhas, banhos
públicos, etc.;
Outra mais luxuosa – utiliza mármores, azulejos, decoração
vegetalista e geométrica – palácios.
257HCA, Curso Turismo, Módulo 4
Alhambra, Granada
Pátio dos Leões
Vista geral
Fortaleza vermelha
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 258
Arte mudéjar:
Arte praticada por artífices árabes, sob encomenda cristã, e em
construções cristãs;
Mantém características técnicas e estéticas da arte islâmica
Vai-se manter após a reconquista.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 259
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 260
É uma arte que mistura os elementos cristão e árabes:
Na Arquitectura desenvolveu um novo tipo de igreja:
Planta basilical, 3 naves separadas por arcadas em ferradura;
Torre sineira quadrada em forma de minarete;
A partir do século XIII (influência do gótico) passam a ser mais
altas;
É uma arte que mistura os elementos cristão e árabes;
Na arquitetura desenvolveu um novo tipo de igreja:
Planta basilical, 3 naves separadas por arcadas em ferradura;
Torre sineira quadrada em forma de minarete;
A partir do século XIII (influência do gótico) passam a ser mais altas.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 261
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 262
Igreja de San Salvador, Teruel, século XIV
263HCA, Curso Turismo, Módulo 4
Igreja de Santo Tirso de Sahagún, século XII
264HCA, Curso Turismo, Módulo 4
Igreja de San Martin, Arévalo, século XIII
Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da
Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011
HCA, Curso Turismo, Módulo 4 265
1118 Início da centralização do poder real
1130 Construção das primeiras igrejas góticas
1140 D. Afonso Henriques é proclamado rei
1171 Formação do Banco de Veneza
Cronologia do século XII
1212 Criação dos estatutos da Universidade de Paris
1214-74 Vida de S. Tomás de Aquino
1236 Fábrica de tapeçarias e miniaturas na Flandres
1260-91 Viagem de Marco Pólo
1281 Formação da Liga Hanseática
1290 Fundação dos Estudos gerais em Coimbra
1292 Dante começa a Divina Comédia
Cronologia do século XIII
1315 Chuvas, fomes, maus anos agrícolas
1328 Revoltas camponesas em França
1337 Inicio da Guerra dos Cem anos
1346-53 Peste Negra
1378-1417 Grande Cisma do Ocidente
1383-85 Crise da Independência em Portugal
1400 44 Universidades na Europa
Cronologia do século XIV
1420 Brunelleschi inicia a construção da cúpula da
Catedral de Floença
1445 Formação de grandes grupos financeiros
como o de Jacques Coeur
1452-1519 Vida de Leonardo da Vinci
1453 Fim da Guerra dos Cem Anos
1453 Constantinopla é conquistada pelos turcos –
fim da Idade Média, inicio da Idade Moderna
1455 Impressão da Bíblia - Gutenberg
Cronologia do século XV
Estudo comparado do
contexto histórico-cultural do românico com o gótico
Cultural
• Românico
• Monopólio cultural dos
mosteiros.
• Gótico
• Mosteiros;
• Escola das catedrais urbanas;
• Universidades:
• Filosofia escolástica;
• Fim do monopólio cultural da
igreja, cultura cortesã.
Social
• Românico
• Sociedade feudal tripartida:
• Povo (trabalha);
• Clero (reza);
• Nobreza (combate).
• Gótico
• Sociedade feudal em
decadência:
• Desenvolvimento da
burguesia (económico,
social e político).
Demográfico
• Românico
• Estagnação, diminuição
• Gótico
• Crescimento séculos XII e
XIII;
• Diminuição no século XIV.
• Crescimento no século XV.
Político
• Românico
• Poder real diminuiu;
• Poder dividido pelos
senhores feudais;
• Gótico
• Concentração do poder
real;
• Importância das cidades;
• Importância das
corporações.
Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da
Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regularCarla Freitas
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualizaçãoCarla Freitas
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugalcattonia
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosVítor Santos
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românicaAna Barreiros
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura góticaAna Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senadoTLopes
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaAna Barreiros
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1Vítor Santos
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaçoAna Barreiros
 
Palácio de Versalhes
Palácio de VersalhesPalácio de Versalhes
Palácio de Versalheshcaslides
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoCarla Freitas
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barrocaVítor Santos
 
A cultura do salão arte rococó
A cultura do salão   arte rococóA cultura do salão   arte rococó
A cultura do salão arte rococócattonia
 

Mais procurados (20)

O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunos
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 
Palácio de Versalhes
Palácio de VersalhesPalácio de Versalhes
Palácio de Versalhes
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
A cultura do salão arte rococó
A cultura do salão   arte rococóA cultura do salão   arte rococó
A cultura do salão arte rococó
 

Destaque

Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira RodriguesApresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira RodriguesElvira Rodrigues
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágoraVítor Santos
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiroVítor Santos
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senadoVítor Santos
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2Vítor Santos
 
Exame mod 4 2 taar - correção
Exame mod 4  2 taar - correçãoExame mod 4  2 taar - correção
Exame mod 4 2 taar - correçãoteresagoncalves
 
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialSusana Simões
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
Da formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioDa formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Susana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIISusana Simões
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorialSusana Simões
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correçãoteresagoncalves
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoVítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formalVítor Santos
 

Destaque (20)

Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira RodriguesApresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
 
Exame mod 4 2 taar - correção
Exame mod 4  2 taar - correçãoExame mod 4  2 taar - correção
Exame mod 4 2 taar - correção
 
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Da formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioDa formação à fixação do território
Da formação à fixação do território
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
Escultura Romana
Escultura RomanaEscultura Romana
Escultura Romana
 
Exame mod 3 2 taar
Exame mod 3  2 taarExame mod 3  2 taar
Exame mod 3 2 taar
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal
 

Semelhante a 01 cultura da catedral

Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralAna Barreiros
 
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Rúben Soares
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundocattonia
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5cattonia
 
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedadeRENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedadeRicardo Diniz campos
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)Nefer19
 
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxA CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxTeresaLopes78
 
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)Nefer19
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxcattonia
 
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogueVítor Santos
 
Renascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade médiaRenascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade médiaIsabel Aguiar
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácioVítor Santos
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contextocattonia
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O RenascimentoJoão Lima
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Bruno Marques
 

Semelhante a 01 cultura da catedral (20)

Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
 
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedadeRENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
 
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxA CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
 
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
 
Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos
 
Renascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade médiaRenascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade média
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
 
Renascimento - História
Renascimento - HistóriaRenascimento - História
Renascimento - História
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
 
Textos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmfTextos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmf
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdfVítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdfVítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdfVítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdfVítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdfVítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdfVítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdfVítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdfVítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdfVítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdfVítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 

01 cultura da catedral

  • 1. A Cultura da Catedral HCA, Curso Turismo, Módulo 4 1 http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  • 2. É no século XII que se formaram a maioria das cidades europeias; Nasceram do desenvolvimento económico, demográfico, social, cultural e político dos séculos XII a XIV (Baixa Idade Média). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 2
  • 3. Vieira da Silva Manuel Cargaleiro Cidade em expansão HCA, Curso Turismo, Módulo 4 3
  • 4. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 4 Os construtores de catedrais
  • 5. Gráfico da população europeia As cidades e Deus A Europa das cidades – do renascimento do século XII a meados de Quatrocentos (O tempo e o espaço) 5
  • 6. Séculos XI e XII – feudalismo, fase expansionista; Século XIII – conjuntura económica favorável, grande dinamismo económico; Século XIV – recessão, guerras, fomes e pestes. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 6
  • 7. Melhorias climáticas; Progressos agrícolas. Vão provocar: Produção excedentária  crescimento demográfico; O comércio e a indústria desenvolvem-se; Fatores que contribuíram para o desenvolvimento dos séculos XI a XIII: HCA, Curso Turismo, Módulo 4 7
  • 8. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 8 Reaparecimento das feiras e mercados que vai provocar o crescimento das cidades; Surgem relações comerciais com a Ásia e África.
  • 9. Estabelece-se uma economia de mercado (circulação de moeda, produtos e riqueza); Surge uma economia monetária e capitalista; Surgem cambistas e bancos, inventam-se formas de pagamento (cheques, letras); Surgem grandes fortunas – Jacques Coeur, Cosme de Médicis, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 9
  • 10. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 10 As cidades europeias enriquecem e crescem; Surge um novo grupo social, a burguesia (artesãos, mercadores, lojistas, letrados, banqueiros, etc.; Surge um novo estilo de vida, mais cortesão e pacífico;
  • 11. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 11 Desenvolvem-se hábitos de luxo. Um banquete medieval
  • 12. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 12
  • 13. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 13 Desenvolve-se a cultura escrita; Surgem novas escolas nas cidades (Universidades); As cidades foram o berço de uma nova sociedade mais laica, pragmática e individualista; As cidades transformaram-se em centros de novos saberes; Desenvolvem-se as trocas comerciais e culturais.
  • 14. Grandes alterações sociais e políticas: Burguesia (habitantes do burgo) – cresceu, cultivou-se, organizou-se; Surgem organismos profissionais: As corporações ou mesteres de artes e ofícios para associar os artesãos; E as Guildas ou Hansas (associações de comerciantes). A Liga Hanseática era constituída por cerca de 150 cidades. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 14
  • 15. Os habitantes das cidades organizam-se procurando a emancipação administrativa da cidade, surgem as comunas; Desenrolam-se lutas nos campos e cidades, procurando melhorar a sua situação. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 15
  • 16. As monarquias aliam-se à burguesia contra a nobreza e inicia-se um movimento de centralização do poder real. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 16
  • 17. Século XIV – mudanças climáticas, excesso de consumo, crescimento urbano desequilibrado e fomes vão iniciar uma grave recessão económica. Surge a Guerra dos Cem Anos, entre a França e Inglaterra mas que envolve grande parte dos países europeus. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 17
  • 18. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 18
  • 19. Muitas cidades cresceram: Cidades industriais (produção artesanal); Cidades comerciais (sobretudo portos de mar); Cidades de peregrinação; Cidades universitárias… HCA, Curso Turismo, Módulo 4 19
  • 20. Cidades portuárias no Mediterrâneo: Génova, Pisa, Marselha, Barcelona, etc. No Atlântico e Báltico: Lisboa, Amesterdão, Hamburgo, Lubeque, etc. O barco era o transporte mais prático e mais barato. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 20
  • 21. Surgem novas rotas terrestres, sobretudo entre Itália e o norte da Europa; Surgem feiras internacionais: Champagne, Bruges, Troyes, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 21
  • 22. Desenvolvem-se as Universidades; Os estudos começavam pelas Artes: Trivium (Gramática, Retórica e Dialéctica) e o Quadrivium (Aritmética, Geometria, Astronomia e Música); Depois frequentavam as Universidades de grau superior: Direito Canónico, Medicina, Teologia, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 22
  • 23. Professores e alunos organizavam-se em nações (origem); O ensino tinha por base a filosofia escolástica – ensino teórico; Estudo e comentário das obras de filosofia clássica ( Platão, Aristóteles, Sócrates) e de autores cristãos (Santo Agostinho). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 23
  • 24. Universidade de Salamanca HCA, Curso Turismo, Módulo 4 24
  • 25. S. Tomás de Aquino (1214- 74) procurou a união entre a fé e a razão; Entre a revelação divina e a inteligência humana; O crente poderia alcançar Deus pela sua inteligência, pelo conhecimento do mundo que era o reflexo de Deus Humanização da religião; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 25
  • 26. Estas novas maneiras de pensar suscitam um maior interesse pelo mundo material e um ensino mais experimental; Roger Bacon (1214-95); Guilherme de Ockam (1285-1349). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 26
  • 27. Casa Comunal Catedral Formas de urbanismo medieval HCA, Curso Turismo, Módulo 4 27
  • 28. Até ao século XII a Europa era rural; A partir do século XIII há um crescimento significativo das cidades mais antigas; Surgem novas cidades (cruzamentos de estradas, locais de feira, portos de mar, etc.): A catedral é um dos símbolos da cidade; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 28
  • 29. Cidade de Tournai, França HCA, Curso Turismo, Módulo 4 29
  • 30. Diversificam-se: Umas crescem ordenadamente (malha reticular, concêntricas); Outras crescem caoticamente; Crescem para fora das muralhas. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 30 Reconstituição de uma feira medieval.
  • 31. Igrejas, conventos, casa comunal, casas de nobres e burgueses, bairros populares, oficinas, lojas, praças, ruas (algumas agrupavam um determinado ofício ou loja, rua do ouro, dos mercadores, etc.) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 31
  • 32. Não tinham água canalizada, nem esgotos, nem segurança (polícia); As ruas eram estreitas e sinuosas (incêndios frequentes); As cidades tornam-se polos de atracão – emigração do campo para a cidade; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 32
  • 33. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 33
  • 34. A Europa das catedrais (O local) “A arte das Catedrais significou em primeiro lugar o renascimento das cidades. Estas ao longo dos séculos XII e XIII não pararam de crescer; A catedral (gótica) é a igreja do bispo, portanto a igreja da cidade.”; George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 34
  • 35. Florença 1336-38: 25000 homens entre os 15 e 60 anos; 1500 ricos e nobres; 110 igrejas, 24 mosteiros; 30 hospitais com mais de mil camas; 200 oficinas de lã – 30000 operários; 8 bancos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 35
  • 36. A catedral torna-se o símbolo da cidade; Igreja (bispo) e burgueses, todos contribuem para a construção da Catedral. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 36
  • 37. Deus é luz. (…) Luz absoluta, deus está mais ou menos velado em cada criatura, consoante ela é menos ou mais refratária à sua iluminação. Esta conceção contém a chave da nova arte, da arte de França. Arte de claridade e de irradiação (…). G. Duby, O tempo das catedrais 37
  • 38. A luz, que aparece simultaneamente como o próprio Deus e como o agente de união entre a alma e deus, deve encher inteiramente o reino cujo campo os muros da catedral simbolicamente delimitam. G. Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 38
  • 39. O Abade Suger, da Abadia de S. Dinis (arredores de Paris) foi o grande ideólogo (teólogo), criador do estilo gótico; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 39
  • 40. Na reconstrução da cabeceira da Igreja incentivou os mestres de obras a deixarem entrar a luz; Fez da catedral o reino de Deus na Terra; Surge uma nova teologia: “Deus é luz”. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 40
  • 41. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 41
  • 42. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 42
  • 43. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 43
  • 44. “Deus é Luz. Cada criatura recebe e transmite a iluminação divina segundo a sua capacidade. … O universo é um fluxo luminoso… Deus é luz absoluta” George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 44
  • 45. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 45
  • 46. Esta conceção contém a chave da nova arte, Arte de França, de que a Igreja de S. Dinis, de Suger foi o modelo. George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 46
  • 47. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 47 As catedrais góticas; A catedral de Colónia;
  • 48. A partir do século XII desenvolve-se uma nova cultura baseada no ideal cavaleiresco e cortês; Valorização da lealdade, cortesia, amor, a paz, a alegria, a elegância, etc.; Surgem poetas, trovadores, jograis. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 48 A cultura cortesã
  • 49. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 49 Surgiu uma nova cultura popular, mais profana (menos religiosa) e mais humanista (preocupada com o homem); Desenvolvem-se festas e romarias com procissões e autos teatrais, com dançares e cantares; Surgem as poesias trovadorescas; Estas poesias eram escritas e cantadas em língua vulgar (a que era falada pelo povo) e não em latim;
  • 50. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 50
  • 51. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 51 Os grandes da época (nobreza e clero) cultivaram o conforto e o luxo; Saraus, representações teatrais, bailes e banquetes acompanhados por música; (ver) Surgem as primeiras práticas de mecenato (proteção das artes); Nos meios cortesãos (nobreza) surgem novas regras sociais caracterizadas por uma maior civilidade e cortesia.
  • 52. Literatura surgem os romances de cavalaria, narrativas de viagens e até romances sentimentais: Como por exemplo o “Romance da Rosa”; Em Portugal surgem as “cantigas de amor, de amigo, de escárnio e maldizer”. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 52
  • 53. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 53 Surge um mundo mais culto e letrado; Desenvolvem-se as línguas faladas pelas pessoas; Surge um mundo mais humanizado.
  • 54. A música diversifica-se surge a polifonia, vários instrumentos e ritmos, popular ou erudita, religiosa ou profana; Surgem as danças coletivas e individuais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 54
  • 55. Desenvolve-se o teatro religioso, representado no adro da igreja ou nas praças – funções pedagógicas e recreativas; Surgem atores ambulantes; Surge um teatro mais profano; A nobreza e burguesia organizam festas particulares. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 55
  • 56. Em conclusão: Divulgam-se os prazeres mundanos, a alegria de viver; A Igreja crítica estes exageros; No século XIV, o avanço da peste provoca modificações na arte – reflete o medo e inquietação; O século XV devolve a confiança ao Homem no mundo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 56
  • 58. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 58 Nasce em Florença em 1265; Apaixona-se por Beatriz Portinari (m. 1290) – dedica-lhe quase toda a sua poesia; A partir de 1295 passa a ter uma vida política ativa; Por motivos políticos é desterrado de Florença; Vive em Verona, Pádua, Paris, Oxford, Pisa e Ravena; Dedicou a sua vida à literatura e à política.
  • 59. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 59 Escreveu toda a sua obra em italiano, o que para a época foi muito inovador, a maior parte dos autores escrevia em latim; Dante cortou com a tradição medieval e contribuiu para o aperfeiçoamento da língua italiana; Na poesia criou um novo estilo, “dolce stil nuovo” (doce estilo novo); Foi o percursor (inspirador) da literatura do Renascimento.
  • 60. Na sua obra desenvolve a reflexão sobre o pensamento, a crítica filosóficas, teológicas, literárias, e socioeconómicas da época; Este entendimento da fé e dos sentimentos religiosos aproxima Dante dos escritores do Renascimento; Dante, na poesia, e Giotto, na pintura, encerraram uma época da história e foram os precursores de outra. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 60
  • 61. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 61 A sua obra-prima foi a Divina Comédia; Uma peça poética dividida em três partes ou capítulos (Inferno, Purgatório e Paraíso); Nessa obra relata-nos uma visão ou sonho durante o qual realiza uma viagem simbólica pelo mundo dos mortos; Esta viagem foi o pretexto para analisar a vida humana, expor o seu pensamento sobre a filosofia, e a teologia, Em resumo, os escritos de Dante resumem todo o pensamento filosófico, científico e teológico da Idade Média, harmonizando-o com a Antiguidade Clássica, enunciando, o Renascimento.
  • 62. O Casamento de Frederico III com D. Leonor de Portugal de Nicolau Lanckman de Valckenstein HCA, Curso Turismo, Módulo 4 62
  • 63. D. Leonor (1434-1467), filha dos reis D. Duarte e D. Leonor, casou em 1451 com Frederico III, imperador da Alemanha; Nicolau Lanckman de Valckenstein era capelão do Imperador e veio a Portugal celebrar o casamento por procuração, escreveu um diário de viagem onde relata os acontecimentos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 63
  • 64. O rei Afonso V, irmão de D. Leonor, deu uma festa, que se prolongou por vários dias, entre 13 e 25 de Outubro; Decorreram várias ações pela cidade, destinadas a vários públicos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 64
  • 65. A Peste Negra (1348-1350) (Acontecimento) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 65
  • 66. A Peste Negra vai provocar a morte de 30% a 50% da população europeia muitas aldeias e até algumas cidades desapareceram completamente. 66
  • 67. Veio do Oriente, chegou a Messina, porto italiano, através de barcos de comércio; A enorme mortalidade provocou um enorme terror na população. Ars Moriendi – Arte de morrer HCA, Curso Turismo, Módulo 4 67
  • 68. A moeda desvalorizou, provoca a subida dos preços (inflação); Os impostos aumentaram (monarcas precisavam de dinheiro para manter a guerra); Surgem revoltas populares nos campos e nas cidades; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 68
  • 69. Perseguições aos judeus e leprosos vistos como os causadores das desgraças; Procissões coletivas de flagelantes; Crise coletiva de mentalidades. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 69
  • 70. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 70 O contágio fazia-se por picada de pulgas ou mordidelas de ratos; Normalmente matava em 3 a 4 dias.
  • 71. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 71 O desaparecimento de um terço da população europeia teve consequências graves: Alterou o quotidiano; Paralisou a produção e o comércio (falta da mão-de- obra); Provocou uma depressão económica, espalhando a carestia e a fome; Generaliza-se a insegurança e instabilidade, eclodem revoltas populares que causam pânico e violência;
  • 72. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 72 O medo da morte provocou, em muitas pessoas, o recurso exagerado à fé, surgem práticas extremistas de penitências; Outros, pelo contrários, vão-se dedicar à heresia e a práticas satânicas; Outros por sua vez, descrentes de tudo, dedicam-se à ociosidade, vadiagem e marginalidade; A Peste Negra perturbou as estruturas económicas e sociais e provocou uma crise de valores e comportamentos.
  • 73. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 73
  • 74. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 74 Esquema do século XIV
  • 75. A crise atinge a Igreja: Surgem dois papas ( Roma e o de Avinhão, França, imposto pelo rei Francês); É o Grande Cisma do Ocidente (1373-1417). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 75
  • 76. Apesar da gravidade da crise, nos grandes centros urbanos surgiram os fatores que vão permitir o florescimento económico e cultural no século XV. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 76
  • 78. Cabeceira da igreja de S. Dinis A Arquitectura Gótica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 78
  • 80. A Catedral gótica é construída em honra de Deus e dos Homens; Representa o novo pensamento teológico: Deus é luz (conhecimento), que desce até aos homens, e as almas elevam o seu espírito até Deus. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 80
  • 81. Cabeceira de S. Dinis foi reconstruída por ordem do abade Suger HCA, Curso Turismo, Módulo 4 81
  • 82. S. Dinis, deambulatório HCA, Curso Turismo, Módulo 4 82
  • 83. A catedral incita ao fervor religioso e exaltação espiritual; Os amplos interiores, a luz filtrada pelos vitrais procuram criar uma atmosfera de forte espiritualidade. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 83
  • 84. Louvor dos Homens – símbolo da riqueza da cidade, todos contribuem para a sua construção, com dinheiro ou trabalho HCA, Curso Turismo, Módulo 4 84
  • 85. Igreja de Santa Madalena de Vézelay, 1120, estilo românico HCA, Curso Turismo, Módulo 4 85
  • 86. Não foi um estilo completamente novo; Mas um ponto de chegada do aperfeiçoamento da arquitetura românica, sobretudo na Borgonha. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 86
  • 87. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 87
  • 88. A arte gótica nasceu nos arredores de Paris, S. Dinis, e o seu principal mentor foi o Abade Suger – reconstrução da cabeceira da Igreja de S. Dinis; Na época era conhecida por “Arte de França”; Durante o século XIII difundiu-se por toda a Europa. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 88
  • 89. Maior uniformidade que a arte românica (maior e mais rápida circulação de pessoas e de ideias); É o primeiro estilo Ocidental sem influências orientais (Bizantinas ou Gregas). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 89
  • 90. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 90
  • 91. A arquitetura gótica vai-se concretizar a partir de 3 áreas específicas: Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 91
  • 92. Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 92
  • 93. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 93
  • 94. A principal inovação: Arco ogival (utilizado na românico da Borgonha c. 1100); Surgiu da necessidade de criar um tramo retangular. Arco Ogival, Abóbada de cruz Nervuras HCA, Curso Turismo, Módulo 4 94
  • 95. Panos – enchimento da abóbada A maior parte do peso é descarregado nas colunas HCA, Curso Turismo, Módulo 4 95
  • 96. Abóbada ogival simples 4 panos HCA, Curso Turismo, Módulo 4 96
  • 97. O arco ogival é mais dinâmico; O peso é distribuído através das nervuras do arco; O peso é descarregado nas colunas e nos contrafortes exteriores; O peso é melhor distribuído, mais fácil de sustentar. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 97
  • 98. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 98
  • 99. As abóbadas tornam-se mais leves, elásticas e dinâmicas; Adaptam-se às formas e dimensões dos espaços a cobrir; Permitem aumentar as áreas de construção. 99
  • 100. As abóbadas inicialmente com 4 panos, diversificam-se, chegando a apresentar 16 panos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 100
  • 101. Abóbada cruzada HCA, Curso Turismo, Módulo 4 101
  • 102. Abóbada reticulada (típica do gótico alemão) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 102
  • 103. Abóbada estrelada HCA, Curso Turismo, Módulo 4 103
  • 104. Abóbada de leque (típica do gótico inglês) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 104
  • 105. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 105
  • 106. Catedral de Colónia, abóbadas a cerca de 60 metros de altura HCA, Curso Turismo, Módulo 4 106
  • 107. Mais leves, as abóbadas elevam-se cada vez mais alto (de acordo com a estética da época), impulso vertical; Não só aumenta a altura como aumenta a proporção altura/largura: Chartes é 1:2,6, Colónia é 1:3,8 Isso obriga a reforçar os apoios exteriores com um novo tipo de contrafortes. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 107
  • 108. Contrafortes góticos HCA, Curso Turismo, Módulo 4 108
  • 109. Botaréu Arcobotantes HCA, Curso Turismo, Módulo 4 109
  • 111. Contraforte gótico é constituído por: Botaréu (elemento maciço e vertical, adossado às paredes das naves laterais); Arcobotantes (meios arcos) que ajudam a descarregar o peso da nave central nos botaréus, quando as construções se tornam mais altas constroem-se arcobotantes duplos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 111
  • 112. A construção de catedrais góticas assentou: Abóbadas de cruzaria ogival; Apoiadas num novo e complexo sistema de pilares e contrafortes. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 112
  • 113. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 113
  • 114. Chão de risco, Catedral de Wells Guindaste A complexidade da obra obrigou a um planeamento cuidadoso e a utilização de maquinaria HCA, Curso Turismo, Módulo 4 114
  • 115. Principais inovações técnicas: Arco ogival; Vários tipos de abóbadas (cruzaria ogival), mais altas; Novo contraforte: botaréu, arcobotantes; Complexo sistema de contrafortes e pilares; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 115
  • 116. Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 116
  • 117. Sainte-Chapelle - cabeceira HCA, Curso Turismo, Módulo 4 117
  • 118. A técnica teve consequências ao nível estético: A altura das abóbadas aumentou; Pilares e colunas adelgaçaram-se; Acentua-se a verticalidade; As paredes libertem-se do papel de suporte – rasgam-se amplas janelas; Criando interiores fortemente iluminados. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 118
  • 119. Crescente verticalidade; Novo aproveitamento da luz. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 119
  • 120. A nova estética introduz alterações nas formas, dimensões e estruturas dos edifícios; Criou novas tipologias na arquitetura civil; Palácios urbanos e casas comunais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 120
  • 121. Nova estética: Crescente verticalidade; Novo aproveitamento da luz. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 121
  • 122. Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 122
  • 123. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 123
  • 124. A catedral (A casa de Deus) pelas suas dimensões evidenciava-se na paisagem urbana; Era o centro religioso, cultural, social e por vezes económico da cidade; A conceptualização inicial cabia aos encomendadores – os bispos ou aos reis. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 124
  • 125. A catedral gótica reflete a estruturação do pensamento filosófico escolástico; Ao mesmo tempo que se divide o texto em capítulos; O plano da catedral é dividido em várias ordens de naves e em vários níveis de elevação. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 125
  • 126. Cabeceira Transepto Naves A catedral é tripartida - planta HCA, Curso Turismo, Módulo 4 126
  • 127. Arcadas (tripartido) Trifório (tripartido) Clerestório (tripartido) Paredes laterais tripartidas HCA, Curso Turismo, Módulo 4 127
  • 128. Notre Dame de Paris HCA, Curso Turismo, Módulo 4 128
  • 129. Inicialmente as paredes laterais apresentavam 4 divisões, a galeria desaparece a partir do século XIII Clerestório Trifório Galeria HCA, Curso Turismo, Módulo 4 129
  • 130. Catedral de Laon HCA, Curso Turismo, Módulo 4 130
  • 131. A elaboração do projeto cabe aos mestres-pedreiros (arquitetos e engenheiros); A planificação obedecia a uma planificação e a cálculos matemáticos e geométricos; Os arquitetos do gótico necessitavam de ser cultos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 131
  • 132. Catedrais góticas ( tal como no românico): Planta em cruz latina; Cabeceira virada para este; Geralmente 3 naves, por vezes, 5 naves; No entanto surgem alterações. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 132
  • 133. Planta de Chartres Planta de Paris HCA, Curso Turismo, Módulo 4 133
  • 134. Transepto de 3 ou 5 naves, quase tão largo como o corpo principal, mas torna-se menos saliente; Cabeceira mais complexa, ocupa cerca de um terço da área da igreja, o deambulatório, por vezes duplo, prolonga-se até ao transepto. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 134
  • 135. Fachada da Catedral de Reims Rosácea HCA, Curso Turismo, Módulo 4 135
  • 136. Surgem enormes rosáceas nas fachadas; As aberturas, revestidas por vitrais coloridos, permitem um interior iluminado, de acordo com a teologia Deus-Luz; Eliminam-se as barreiras físicas entre as diversas partes da igreja; A Igreja é concebida como um todo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 136
  • 137. Catedral de Chartres, fachada Catedral de Reims, fachada Gablete Agulhas Torres sineiras Exterior das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 137 A catedral de Chartres
  • 138. Portais góticos: Tornam-se mais esguios e monumentais; Normalmente portal triplo; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 138
  • 139. Notre Dame,Paris Torre do Cruzeiro HCA, Curso Turismo, Módulo 4 139
  • 140. A noção de verticalidade era acentuada pelas agulhas, pináculos, torres; Escondiam-se as linhas horizontais, acentuavam-se as linhas verticais; O exterior foi abundantemente decorado com estatuária e relevo pintado. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 140
  • 141. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 141
  • 142. Novas tipologias: Transepto – menos saliente; Cabeceira – ocupa de um terço da área da igreja, o deambulatório, por vezes duplo, prolonga-se até ao transepto; As aberturas, revestidas por vitrais coloridos; A noção de verticalidade era acentuada pelas agulhas, pináculos, torres. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 142
  • 143. O gótico nasceu em França, durante o século XIII, mais tarde surgiu noutros países onde deu origem a escolas próprias – Variações regionais; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 143
  • 144. A Catedral de Amiens é por muitos considerada a mais perfeita das catedrais francesas; Foi construída por Robert de Luzarches, Tomás de Cormont e René de Cormont; c.1220 a 1247. A catedral de Notre-Dame de Amiens, França HCA, Curso Turismo, Módulo 4 144
  • 145. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 145
  • 146. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 146
  • 147. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 147
  • 148. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 148
  • 149. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 149
  • 150. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 150
  • 151. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 151
  • 152. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 152
  • 153. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 153
  • 154. Catedral de Salisbury King’s College Inglaterra HCA, Curso Turismo, Módulo 4 154
  • 155. Cabeceiras quadradas; Duplo transepto; Abóbadas de leque; Em Inglaterra o gótico prolongou-se até ao século XIX (através do Neogótico). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 155
  • 156. Catedral de Friburgo Igreja de Santa Cruz Alemanha HCA, Curso Turismo, Módulo 4 156
  • 157. Alemanha: Torre única na fachada; Igrejas-salão (3 naves com a mesma altura); Abóbadas reticuladas HCA, Curso Turismo, Módulo 4 157
  • 158. Catedral Nova de Salamanca Espanha HCA, Curso Turismo, Módulo 4 158
  • 159. Espanha: Decoração com motivos de influência árabe, estilo plateresco. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 159
  • 160. Catedral de Siena Itália HCA, Curso Turismo, Módulo 4 160
  • 161. Itália Utilizam o arco em ogiva mas não há impulso vertical; Paredes com poucas aberturas; Pintura mural em vez de vitral. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 161
  • 162. Fase final do gótico, século XV, surge o gótico flamejante HCA, Curso Turismo, Módulo 4 162
  • 163. Catedral de Milão HCA, Curso Turismo, Módulo 4 163
  • 164. A casa Comunal, Palácio Vecchio, Florença Arquitectura civil HCA, Curso Turismo, Módulo 4 164
  • 165. O castelo – Castelo de Vayres, França HCA, Curso Turismo, Módulo 4 165
  • 166. Palácio urbano – Casa de Jacques Coeur, Bégica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 166
  • 167. O Gótico em Portugal HCA, Curso Turismo, Módulo 4 167
  • 168. Gótico desenvolve-se após o fim da Reconquista e prolonga-se até ao século XVI (Manuelino); Norte apego ao Românico; Gótico ligado às ordens monásticas ; Seguindo os princípios estéticos franceses o gótico português foi simples. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 168
  • 169. Igreja do Mosteiro de Alcobaça, 1178-1252 HCA, Curso Turismo, Módulo 4 169
  • 170. Alcobaça, interior Igreja de Santa Clara, Coimbra Igreja de Leça do Balio HCA, Curso Turismo, Módulo 4 170
  • 171. Características do gótico português até ao século XV: Dimensões modestas; Verticalidade menos acentuada; Janelas pequenas e em número reduzido; Contrafortes “românicos”; Decoração menos rica e abundante. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 171
  • 172. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 172
  • 173. No século XV, inicia-se a construção do Mosteiro da Batalha (apogeu do gótico português) – reinado de D. João I; Afonso Domingues fez o projeto inicial. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 173
  • 174. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 174
  • 175. Arcobotantes; Mais iluminação; Maior decoração; Apresenta um aspeto mais próximo das grandes catedrais europeias; Influenciou a Igreja do Convento do Carmo (Lisboa), Igreja de Vila Franca do Campo (Açores), etc.. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 175
  • 176. No final do século XV, surge o Manuelino (reinados de D. Manuel I e D. João III) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 176
  • 177. Planta de Igreja do Manuelino, Portal do Mosteiro dos Jerónimos HCA, Curso Turismo, Módulo 4 177
  • 178. Janela e Portal do Convento de Cristo, Tomar Torre de Belém, Lisboa HCA, Curso Turismo, Módulo 4 178
  • 179. Mantém a estrutura gótica; Igrejas-salão (alturas das naves igual); Ornamentação exuberante (rendilhado na pedra); Influências: gótico plateresco, gótico flamejante; Decoração inspirada nos Descobrimentos: cordas, velas, motivos marítimos e na Heráldica: brasões, esfera armilar. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 179
  • 180. Escultura e Pintura gótica http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  • 181. A Escultura Gótica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 181
  • 182. Principais características da escultura gótica: Proporcionalidade, Expressividade, Humanização, Naturalismo; Maior liberdade criativa; Mensagem: doçura, beleza, graciosidade, desejo de viver; A escultura era realizada nas oficinas e depois colocada (pousada) nos seus lugares. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 182
  • 183. Gótico inicial Gótico pleno HCA, Curso Turismo, Módulo 4 183
  • 184. Gótico inicial: Estátuas em pose rígida e pouco natural; Os rostos vão-se individualizando; As esculturas são coloridas com cores convencionais e simbólicas: Cabelos louros, vestes policromadas, etc. Gótico inicial HCA, Curso Turismo, Módulo 4 184
  • 185. Gótico pleno (século XIII/XIV): Estátuas ( e relevos) mais naturalistas e realistas; Pose em “S”, quase em contraposto, maior correção anatómica; Os rostos (com mais pormenores) refletem sensibilidade, ternura – é a humanização do céu; A expressão procura exprimir a perfeição espiritual. Gótico pleno HCA, Curso Turismo, Módulo 4 185
  • 186. A escultura gótica atingiu o seu auge, em Itália, com Nicola e Giovanni Pisano Nicola Pisano, Natividade HCA, Curso Turismo, Módulo 4 186
  • 187. Nicola e Giovanni Pisano, Natividade HCA, Curso Turismo, Módulo 4 187
  • 188. Giovanni Pisano, Madona HCA, Curso Turismo, Módulo 4 188
  • 189. Nos finais do século XIV e XV, fruto da Peste Negra e da crise religiosa surge uma representação onde a dor e o sofrimento transparecem, sobretudo na Alemanha; Pietà da Renânia, XV HCA, Curso Turismo, Módulo 4 189
  • 190. A escultura decorativa: as fachadas e portais das catedrais Catedral de Reims HCA, Curso Turismo, Módulo 4 190
  • 191. Catedral de Chartres HCA, Curso Turismo, Módulo 4 191
  • 192. Horror ao vazio; Estátuas, relevos, pináculos, flechas, rosáceas, vitrais; Um dos elementos fundamentais é o tímpano dos portais, agora com gablete; Temas: Cristo em Majestade, Juízo Final, Nascimento de Cristo, episódios da Vida de Santos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 192
  • 193. A Arte de decorar os portais atingiu o seu auge em Amiens HCA, Curso Turismo, Módulo 4 193
  • 194. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 194
  • 195. Em contraste com o exterior o interior é discreto – limita- se aos púlpitos e capitéis HCA, Curso Turismo, Módulo 4 195
  • 196. Estátuas jacentes HCA, Curso Turismo, Módulo 4 196
  • 197. No século XIII tornou-se moda as estátuas jacentes – decorando os túmulos; A evolução é semelhante – evoluiu no sentido de um maior naturalismo e expressividade. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 197
  • 198. Final do século XIII é agitado: Papa em Avinhão, declínio do sistema feudal; O gótico final revela preocupações humanistas; Na escultura com Nicola e Giovanni Pisano. Pintura Gótica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 198
  • 199. Pintura evolui a partir de 4 técnicas distintas: Vitral; Iluminura; Pintura sobre madeira (Flandres); Fresco (Itália) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 199
  • 200. A pintura do século XIV, foi chamada de Estilo Internacional ou Estilo 1400; Várias influências e gostos: Bizantinas (dourados); Realismo e verismo; Nova conceção espacial (Itália); Refinado tratamento técnico (Flandres) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 200
  • 201. Vitral HCA, Curso Turismo, Módulo 4 201
  • 202. Apogeu entre 1200 e 1600; Substituiu a pintura mural; A essência é a luz e provocar o êxtase religioso; Temática religiosa; Formas simples e lineares, contornadas por fios de chumbo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 202
  • 203. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 203
  • 204. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 204
  • 205. A iluminura HCA, Curso Turismo, Módulo 4 205
  • 206. As iluminuras passaram a ser realizadas por iluminadores profissionais nas cidades; Mais realista, mas interessou-se tardiamente pela representação do espaço, isto é, tentar representar em perspetiva; Temática essencialmente religiosa; Divulgação dos Livros de Horas; Riqueza cromática. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 206
  • 207. Retábulo (Díptico) Melchior Broederlam Díptico de Wilton HCA, Curso Turismo, Módulo 4 207 Retábulos – são obras de arte concebidas para serem colocadas em altares.
  • 208. No Estilo Internacional também se executou Pintura mural (embora as igrejas tivessem poucas paredes) e sobre madeira (retábulos). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 208
  • 209. Retábulos Díptico, Tríptico, Políptico HCA, Curso Turismo, Módulo 4 209
  • 210. As igrejas italianas tinham poucas janelas; As cidades italianas tornaram-se cidades-estado, Florença, Veneza, Milão, Pisa, etc.; Prosperidade económica; Grande desenvolvimento artístico; Desenvolvimento do humanismo. A pintura em Itália HCA, Curso Turismo, Módulo 4 210
  • 211. Cimabue (c. 1240-1329) Maestá HCA, Curso Turismo, Módulo 4 211
  • 212. Duccio (c. 1255-1318), Entrada de Cristo em Jerusalém HCA, Curso Turismo, Módulo 4 212
  • 213. Cimabue e Duccio iniciaram a renovação da pintura, sobretudo pela rutura com a tradição bizantina; Introduzem na pintura uma maior naturalidade; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 213
  • 214. O grande génio da pintura gótica italiana é Giotto, aluno de Cimabue (c. 1267-1337) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 214
  • 215. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 215
  • 216. 216
  • 217. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 217
  • 218. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 218
  • 219. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 219
  • 220. Giotto, capela dos Scroveni HCA, Curso Turismo, Módulo 4 220
  • 221. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 221
  • 222. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 222
  • 223. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 223
  • 224. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 224
  • 225. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 225
  • 226. Giotto, famoso na época; Foi o primeiro a tentar pintar em perspetiva, procurando representar a terceira dimensão; Procura pintar os objetos como os vemos; Pintura expressiva; Foi o principal pioneiro daquilo que viria a ser a maior revolução na arte – O Renascimento do século XV. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 226
  • 227. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 227
  • 228. Ambrogio Lorenzetti, O Bom governo da cidade (1338-40) Irmãos Lorenzetti, revelam influências de Giotto HCA, Curso Turismo, Módulo 4 228
  • 229. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 229 Obra pintada no Palácio Público de Siena; Em finais do século XIII, Siena era uma das mais prósperas repúblicas italianas; Expulsou os nobres da cidade e era governada pela burguesia mercantil; O tema deste fresco celebra o resultado dessa governação; Mostra-nos a vida quotidiana da cidade, próspera, fruto do bom governo.
  • 230. Na Flandres desenvolve-se um gótico mais tardio (século XV): Inventaram a técnica do óleo: Seca lentamente, podia ser retocada; Tornava possível as velaturas (transparências); Empastes (grande espessura de tinta); Gradações cromáticas. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 230
  • 231. Mestre Flémalle, A Virgem e o Menino HCA, Curso Turismo, Módulo 4 231
  • 232. Mestre Flémalle, A Virgem e o Menino HCA, Curso Turismo, Módulo 4 232
  • 233. Rogier van der Weyden (c. 1400 – 1464), Tríptico de Columba HCA, Curso Turismo, Módulo 4 233
  • 234. Pintam as cenas religiosas com um enquadramento de atualidade; Grande preocupação com o pormenor; Retrato com grande realismo; No entanto mantém a simbologia medieval. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 234
  • 235. Jan van Eyck (1390 – 1441), O casamento dos Arnolfini Simbolismos: o cão, os pés descalços, a cama, os frutos, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 235
  • 236. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 236
  • 237. Jan van Eyck, A anunciação HCA, Curso Turismo, Módulo 4 237
  • 238. Jan van Eyck, Políptico, 1432 HCA, Curso Turismo, Módulo 4 238
  • 239. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 239
  • 240. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 240
  • 241. Jan van Eyck (c. 1390-1441), foi o grande divulgador da técnica do óleo; É considerado o grande génio da pintura flamenga do século XV; O irmão Hubert van Eyck, também foi um pintor de renome. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 241
  • 242. Hugo van der Goes , Tríptico dos Portinari HCA, Curso Turismo, Módulo 4 242
  • 243. Hieronymus Bosch (c. 1450-1516), Cristo carregando a cruz HCA, Curso Turismo, Módulo 4 243
  • 244. H.Bosch, A Morte do avarento HCA, Curso Turismo, Módulo 4 244
  • 245. H.Bosch, A Morte do Condenado HCA, Curso Turismo, Módulo 4 245
  • 246. Pintor de visões macabras e apocalípticas, sem paralelo no seu tempo; Imagens fantásticas e bizarras; A presença do pecado e a condenação; Sermões visuais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 246
  • 247. Ainda sob o signo de Alá: dos reinos de taifas ao reino de Granada http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  • 248. O contexto histórico: Desde o século VII ao XI o mundo islâmico esteve unido (dinastias omíada e abássida): No século XI dá-se a fragmentação política. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 248
  • 249. No Oriente surgem novas dinastias: Seljúcidas, Iljanis, Fatimitas; No Ocidente (Península Ibérica) cai o califado de Córdova dando origem aos reinos de taifas (pequenos reinos envolvidos em guerras entre eles); Aproveitando a instabilidade a Reconquista Cristã avança. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 249
  • 250. Reis das taifas pedem ajuda às dinastias berberes do Norte de África; Surgem os Almorávidas e depois os Almóadas; O domínio islâmico na Península Ibérica sobreviveu até 1492 (queda do reino de Granada, dinastia nazari). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 250
  • 251. A arte dos reinos taifas: Desenvolvimento da arte do período anterior (Califado de Córdova), com inovações: Arquitectura: O tijolo, estuque e argamassa substituem a pedra e o mármore; Decoração abundante e exagerada – predomínio dos motivos florais; Arte luxuosa mas frágil. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 251
  • 252. Alcáçova (cidadela) de Malága HCA, Curso Turismo, Módulo 4 252
  • 253. Palácio da Aljaferia, Saragoça Sala interior Mesquita Sala do trono 253HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  • 254. Palácio da Aljaferia, Saragoça Entrada principal Pormenor arco HCA, Curso Turismo, Módulo 4 254
  • 255. Arte dos Almorávidas: Primeira fase – arte de uma grande sobriedade decorativa, mesquitas sem minarete; Segunda fase – arte de uma maior monumentalidade. 255 Torre do Ouro – construção militar
  • 256. Arte almóada: Simplicidade decorativa e uma grande monumentalidade. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 256 Alcázar de Sevillha Salão dos Embaixadores Abóbada Arcos da entrada
  • 257. Arte nasride (ou nazari), Granada: Dois tipos de arquitetura: Uma funcional – utiliza materiais baratos – muralhas, banhos públicos, etc.; Outra mais luxuosa – utiliza mármores, azulejos, decoração vegetalista e geométrica – palácios. 257HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  • 258. Alhambra, Granada Pátio dos Leões Vista geral Fortaleza vermelha HCA, Curso Turismo, Módulo 4 258
  • 259. Arte mudéjar: Arte praticada por artífices árabes, sob encomenda cristã, e em construções cristãs; Mantém características técnicas e estéticas da arte islâmica Vai-se manter após a reconquista. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 259
  • 260. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 260 É uma arte que mistura os elementos cristão e árabes: Na Arquitectura desenvolveu um novo tipo de igreja: Planta basilical, 3 naves separadas por arcadas em ferradura; Torre sineira quadrada em forma de minarete; A partir do século XIII (influência do gótico) passam a ser mais altas;
  • 261. É uma arte que mistura os elementos cristão e árabes; Na arquitetura desenvolveu um novo tipo de igreja: Planta basilical, 3 naves separadas por arcadas em ferradura; Torre sineira quadrada em forma de minarete; A partir do século XIII (influência do gótico) passam a ser mais altas. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 261
  • 262. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 262
  • 263. Igreja de San Salvador, Teruel, século XIV 263HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  • 264. Igreja de Santo Tirso de Sahagún, século XII 264HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  • 265. Igreja de San Martin, Arévalo, século XIII Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011 HCA, Curso Turismo, Módulo 4 265
  • 266. 1118 Início da centralização do poder real 1130 Construção das primeiras igrejas góticas 1140 D. Afonso Henriques é proclamado rei 1171 Formação do Banco de Veneza Cronologia do século XII
  • 267. 1212 Criação dos estatutos da Universidade de Paris 1214-74 Vida de S. Tomás de Aquino 1236 Fábrica de tapeçarias e miniaturas na Flandres 1260-91 Viagem de Marco Pólo 1281 Formação da Liga Hanseática 1290 Fundação dos Estudos gerais em Coimbra 1292 Dante começa a Divina Comédia Cronologia do século XIII
  • 268. 1315 Chuvas, fomes, maus anos agrícolas 1328 Revoltas camponesas em França 1337 Inicio da Guerra dos Cem anos 1346-53 Peste Negra 1378-1417 Grande Cisma do Ocidente 1383-85 Crise da Independência em Portugal 1400 44 Universidades na Europa Cronologia do século XIV
  • 269. 1420 Brunelleschi inicia a construção da cúpula da Catedral de Floença 1445 Formação de grandes grupos financeiros como o de Jacques Coeur 1452-1519 Vida de Leonardo da Vinci 1453 Fim da Guerra dos Cem Anos 1453 Constantinopla é conquistada pelos turcos – fim da Idade Média, inicio da Idade Moderna 1455 Impressão da Bíblia - Gutenberg Cronologia do século XV
  • 270. Estudo comparado do contexto histórico-cultural do românico com o gótico
  • 271. Cultural • Românico • Monopólio cultural dos mosteiros. • Gótico • Mosteiros; • Escola das catedrais urbanas; • Universidades: • Filosofia escolástica; • Fim do monopólio cultural da igreja, cultura cortesã.
  • 272. Social • Românico • Sociedade feudal tripartida: • Povo (trabalha); • Clero (reza); • Nobreza (combate). • Gótico • Sociedade feudal em decadência: • Desenvolvimento da burguesia (económico, social e político).
  • 273. Demográfico • Românico • Estagnação, diminuição • Gótico • Crescimento séculos XII e XIII; • Diminuição no século XIV. • Crescimento no século XV.
  • 274. Político • Românico • Poder real diminuiu; • Poder dividido pelos senhores feudais; • Gótico • Concentração do poder real; • Importância das cidades; • Importância das corporações. Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011