Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção

3.354 visualizações

Publicada em

proposta de correção do teste do mód. II de HCAP

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.354
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
233
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção

  1. 1. Cotação da Cotação da questão questão 5 ANO LETIVO Roma conheceu três regimes políticos: DEPARTAMENTO CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS  a Monarquia – desde 753 a. C. 2012 /2013  a República, - a partir de 509 a.C.  o Império - a partir de 27 a. C. TESTE DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES 1TM1215 MÓDULO II – A CULTURA DO SENADO 2.3 Identifica a obra literária latina a que alude o texto e refere o seu autor. O texto alude à “Eneida”, de Virgílio. ALUNO ____________________________________ N.º _____ 3. Texto B JANEIRO DE 2013 PROFESSORA: TERESA GONÇALVES “A tranquilidade que pairou em todo o império durante o reinado de Octávio é conhecida na história pelo nome de «Paz Octaviana». 1. Lê o Texto A. Político arguto e prudente, recusa aparentemente o título de rei e ditador. Confia o Texto A exército a Agripa e Tibério, cerca-se de hábeis conselheiros como Mecenas e, dando ao «O reinado deste Imperador é tragicamente famoso pelo terrível incêndio que povo a doce ilusão do triunfo democrático, vai silenciosamente acumulando todos os devastou Roma durante nove dias […]. Muitas relíquias preciosas da antiga Roma ficaram poderes – desde o de Sumo Pontífice, até ao de tribuno da plebe (para se tornar impune e perdidas para sempre e milhares de habitantes sem casa.» ter direito de veto sobre o Senado), tornando-se imperador, com poder absoluto e Anna Liberati e Fábio Bourbon, Antiga Roma, Lisboa, Editorial Verbo, 2004 recebendo do Senado o título de Augusto, próprio dos deuses. Fundou uma guarda própria chamada a «Guarda Pretoriana», reprimiu a imoralidade, desenvolveu o comércio 1.1 Selecione a única opção que refere as condições urbanas que favoreceram a abrindo novas vias de comunicação, ampliou as fronteiras do Império do Danúbio e Elba.” propagação do incêndio de Roma, no ano de 64 d. C. 3.1 Refere os poderes que Octávio César Augusto acumulou. A. Ruas estreitas e desalinhadas, casas de madeira e insulae de altura elevada. Octávio acumulou todos os poderes: B. Villae de altura elevada, ruas largas e ortogonais e casas de madeira.  Como Sumo Pontífice, quer dizer, sacerdote supremo, era chefe da religião C. Ruas estreitas e desalinhadas, casas de pedra e domus com jardins. romana; D. Domus de altura elevada, ruas largas e ortogonais e casas de pedra.  como Tribuno da Plebe, tinha o direito de veto sobre as decisões do Senado;  como imperador, assumia poder absoluto, tornando-se comandante supremo do 1.2 Indique o nome do Imperador que governava Roma, no ano de 64 d. C. exército; Quem governava Roma nesta altura era Nero.  Com o título de Augusto –- título divino até aí reservado a certos deuses – nascia o culto do imperador, a quem se levantara templos e altares. 2. Este adotou, então, o nome de Octávio César Augusto. Sobre a origem e a fundação de Roma, os escritores latinos da Antiguidade recorrem à «tradição romana» como fonte de inspiração. A lenda de conta-nos a chegada de colonos troianos sob o comando de Eneias, o herói que desposara Lavínia, filha do rei 3.2 Explica a expressão sublinhada no texto. Latino, lançando mais tarde os fundamentos da cidade de Lavinium. A expressão sublinhada significa que Augusto, apesar de passar a ideia de que o Fig. 1 - Loba capitolina povo é que decidia e mandava, foi acumulando, lentamente e de forma astuta, todos os poderes, tornando-se senhor absoluto de Roma. 2.1 Explica a lenda da fundação de Roma. Segundo a lenda, dois recém-nascidos terão sido encontrados a boiar nas águas do 3.3 Diz quem foi Caio Mecenas. Tibre, tendo sido recolhidos e amamentados por uma loba. Mais tarde adotados por um pastor, que os criou, Rómulo e Remo fundaram Roma sobre o monte Palatino. Já adultos, durante uma Caio Mecenas, grande amigo e colaborador de Augusto, mereceu o cognome de «Pai discussão, Rómulo mata Remo e torna-se o primeiro rei de Roma, em 753 a. C.. dos artistas» pelo carinho incansável com que patrocinou, protegeu e apoiou grandes artistas e escritores, como os poetas líricos Horácio, Ovídio e Virgílio - este último autor da poesia épica Eneida. O seu nome (mecenas e mecenato) ficou para sempre associado à proteção das artes e do saber. 2.2 Enuncia os regimes políticos que Roma conheceu, situando-os no tempo. Didáxis – Cooperativa de Ensino, RA A Cultura do Senado – Módulo II
  2. 2. Cotação da Cotação da questão questão 4. 5.2 Diz o que sabes sobre estas monumentais construções. O Coliseu, também conhecido como Os Arcos do Triunfo foram uma espécie de monumento introduzida pelos romanos. anfiteatro Flávio deve seu nome à expressão latina Cada arco simboliza a vitória numa batalha durante o reinado de um imperador, Colosseum, devido à estátua colossal do constituindo-se assim como memória dessa batalha e desse imperador. imperador romano Nero, que ficava nas suas Painéis de figuras, esculpidas representando feitos militares, decoravam os arcos proximidades. Localizado no centro de Roma, é de triunfo, sob os quais desfilavam os exércitos vitoriosos conduzindo longas filas de uma exceção de entre os anfiteatros pelo seu prisioneiros acorrentados. volume e relevo arquitetónico. Foi construído a Em Roma, há três Arcos principais: o Arco de Constantino, o Arco de Tito e o Arco de leste do Fórum Romano e demorou entre oito a Septímio Severo. dez anos a ser construído 5.3 Identifica o da figura 3. Figura 2 – Coliseu de Roma A figura 3 mostra o Arco de Constantino. Figura 4 4.1 Diz o que sabes sobre este monumento. Grande anfiteatro oval mandado construir por Vespasiano, por volta do ano 70, e concluído, com três andares, em 82, por Domiciano. No século III foi-lhe acrescentado mais 6. Tal como hoje, em Roma, as um andar. diferenças sociais refletiam-se na Com uma altura de 48 m, as bancadas eram de mármore (entretanto desaparecido) e qualidade do alojamento. tinham capacidade para mais de 50 000 espectadores. Externamente, o edifício era ornamentado por esculturas, que ficavam dentro dos arcos. Trata-se do exemplo mais espetacular de sobreposição das ordens: a toscana (dórica), de aspeto mais robusto, foi aplicada no andar inferior, seguindo-se a jónica e a coríntia. No último andar, as colunas foram substituídas por pilastras de ordem compósita. Essas colunas eram, na verdade, meias 6.1 Distingue as habitações dos ricos das dos pobres nos centros urbanos. colunas, pois ficavam presas à estrutura das arcadas. Por isso, não tinham a função de Tal como hoje, as diferenças sociais refletiam-se na qualidade do alojamento. Os sustentar a construção, mas apenas de a ornamentar. mais ricos habitavam uma casa própria, unifamiliar, de modelo tradicional: a domus. O recinto destinava-se ao combate de gladiadores e à representação de tragédias e Normalmente de um só piso, a domus isola os seus habitantes do movimento da rua, já que comédias. Também foi aqui que muitos cristãos perderam a vida, lançados às feras. Neste praticamente não tem janelas para o exterior. Os aposentos organizam-se em redor de um espaço colossal, chegaram mesmo a realizar-se simulações de batalhas navais. átrio central ao qual, nas moradias mais ricas, se acrescenta um outro espaço aberto - o peristilo - dotado de belas colunas, estátuas e recantos ajardinados. 4.2 Identifica as ordens arquitetónicas criadas pelos Romanos. A maioria da população não tinha, porém, possibilidade de usufruir de uma domus. Os Romanos criaram a ordem compósita e a ordem Toscana. Como em todas as grandes urbes, em Roma, o espaço faltava e a cidade cresceu em altura, enchendo-se de extensos e atamancados bairros de insulae. Com janelas para a 4.3 Refere outros elementos originais da arquitetura romana. rua estreita, suja e barulhenta, a insulae subdividia-se em pequenos apartamentos de Outros elementos originais da arquitetura romana foram a cúpula, a abóbada de aluguer onde se amontoava, geralmente numa só dependência, toda a família. berço e o arco de volta perfeita. 7. A recuperação de duas cidades que tinham sido soterradas pela lava e cinzas do vulcão Vesúvio 5. O Arco de Triunfo é um presente que a romanidade permitiram-nos recuperar não só os murais das ofereceu à arquitetura. luxuosas casas, mas também todo o tipo de objetos 5.1 Justifica esta afirmação. pertencentes à vida quotidiana dos seus habitantes há Esta afirmação significa que esta tipologia foi criada pelos cerca de dois mil anos. Romanos para celebrar grandes vitórias militares e A pintura e os mosaicos serviam de elementos influenciaram fortemente a arquitetura europeia que, entre o decorativos de paredes e de pavimentos dos edifícios. Renascimento e o século XIX, delas fez numerosas cópias Figura 3 e recriações. Figura 5 – fresco de Pompeia 7.1 Identifica as cidades de que fala o texto. O texto refere-se às cidades de Pompeia e de Herculano. Didáxis – Cooperativa de Ensino, RA A Cultura do Senado – Módulo II
  3. 3. Cotação da Cotação da questão questão 7.2 Caracteriza a pintura romana. 25 10. Observa o seguinte conjunto documental. A pintura e os mosaicos serviam de elementos decorativos de paredes e de pavimentos dos edifícios. Os principais temas representados na pintura eram paisagens, construções, 10.1 Identifica cada uma das figuras. episódios históricos e mitológicos. As cidades de Pompeia e Herculano, soterradas pela lava do vulcão Vesúvio, permitiram-nos recuperar não só os murais das luxuosas casas, mas também todo o tipo objetos pertencentes à vida quotidiana dos habitantes destas cidades há cerca de dois mil anos atrás. A pintura era feita a fresco (os frescos são normalmente pinturas feitas nas paredes, também chamadas pinturas murais, enquanto o gesso ou a argamassa ainda está por secar), recorrendo-se a cores vivas e às leis da perspetiva, que criavam a ilusão de profundidade. Nos mosaicos, as construções geométricas e figurativas foram muito utilizadas. 7.3 Indica o estilo a que pertence a pintura a fresco apresentada na figura 5. A figura cinco ilustra um fresco do chamado 1.º estilo (imitação de mármores). Figura 8 Figura 9 Figura 10 8. A Coluna de Trajano é a mais ambiciosa das colunas comemorativas. 8.1 Diz o que sabes sobre este monumento. A Coluna de Trajano (106 – 113 d. C.) é a mais ambiciosa das colunas comemorativas. Tem aproximadamente 30 metros de altura mais oito metros de pedestal, perfazendo 38 metros. Mostra um relevo narrativo de figuras esculpidas, representando feitos militares envolvendo a coluna em mais de duzentos metros de espiral ininterrupta, comemorando batalhas em mais de 150 cenas. Constituída por vinte blocos de mármore, cada um pesando 40 toneladas, com um diâmetro de quatro metros. No seu interior, uma escada em espiral com 185 degraus dá acesso à plataforma do topo, de onde se obtém uma vista periférica. Figura 6 – Coluna de Trajano Figura 12 Figura 11 9. Os Romanos desenvolveram a escultura, nomeadamente a estatuária e os relevos. 9.1 A partir da figura 7, refere as principais caraterísticas da escultura romana. Os Romanos desenvolveram a escultura, nomeadamente a estatuária e os relevos. O alto e o baixo-relevo serviram de elemento decorativo à arquitetura. A escultura romana Fig. 8 - L’arringatore – O Orador - é uma estátua-retrato que representa o cidadão de caracterizava-se pelo idealismo, realismo e idealização, visível, sobretudo, no retrato ao nível plenos direitos, o patrício em pleno ato de discursar, no exercício dos seus direitos e da ondulação dos cabelos, da expressão dos olhos e das feições do rosto que, deveres cívicos; por vezes, chegavam a transparecer traços da personalidade. Os temas da Fig. 9 – Panteão romano ou Panteão de Agripa.; escultura variavam entre os episódios da política, da guerra, do quotidiano e da Fig 10 – Casa dos Vetti, Pompeia – 1.º estilo da pintura romana.; mitologia. Fig. 11 – Ara Pacis ou Altar da Paz; Augusto de Primaporta (fig. 7), executado a maneira grega de Policleto, Fig. 12 – Ponte de Gard, França. por volta do nascimento de Cristo é a imagem do Imperador, que cedo ganhou o sentido simbólico de um emblema nacional. Para tal, seguindo a tradição dos etruscos, os romanos aperfeiçoaram e utilizaram constantemente a arte do retrato para passar essa imagem de poder. A ideia de atribuir estatura sobre-humana ao Imperador cedo se tornou política oficial para lhe conferir a aura de divindade e poderio supremo. Figura 7 Didáxis – Cooperativa de Ensino, RA A Cultura do Senado – Módulo II

×