SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
CIVILIZAÇÃO
ROMANA
1
LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA
A civilização romana desenvolveu-se a partir da cidade de
Roma, localizada na Península Itálica. Esta fica localizada no
Sul da Europa, na região central do Mediterrâneo.
2
Aquando da sua formação, no séc.
VIII a.C., Roma seria apenas uma
aldeia de pastores, mas os Romanos
atribuíam a fundação da sua cidade a
Rómulo e Remo, dois gémeos filhos
do deus Marte.
Entre os povos que influenciaram o
crescimento dos Romanos, contam-
se os Latinos e os Etruscos.
3
A FORMAÇÃO dO IMpéRIO
Com o tempo, a importância de Roma foi crescendo gradualmente
até que, no séc. VI a.C., já dominava todas as aldeias vizinhas.
O passo seguinte foi a conquista de toda a Península Itálica e,
depois, de um vasto Império.
4
•Necessidade de segurança face a vizinhos mais poderosos
(1ª fase).
•Procura de novas zonas agrícolas.
•Procura de novos mercados.
•Procura de mão-de-obra escrava.
•Ambição dos generais romanos, que queriam glória e
riqueza.
MOtIVAÇõEs dAs CONquIstAs ROMANAs
5
1ª fase
Os Romanos conquistaram a Península Itálica. Depois de derrotarem
Cartago, passaram a dominar várias regiões em África, as costas
mediterrânicas da Península Ibérica, a Sardenha, Córsega e Sicília.
2ª fase
Roma conquistou o Mediterrâneo Oriental (Grécia, a Macedónia, parte da
Ásia Menor, a Síria, a Judeia).
3ª fase
Roma conquistou várias regiões da Europa (Gália, Península Ibérica,
Britânia, Dácia), para além de outras regiões.
CONquIstAs dE ROMA
6
Após as conquistas, os Romanos passaram a chamar ao
Mediterrâneo “mare nostrum”, pois todas as regiões do
Império (com excepção da Grã-Bretanha) ficavam nas suas
margens.
7
A INtEGRAÇÃO dOs pOVOs
dOMINAdOs
À medida que o Império ia sendo conquistado, os Romanos
procuravam conservar os territórios e integrar os povos dominados
na sua civilização. Para tal, usaram vários meios de integração.
Exército romano – era permanente e
profissional; em muitos casos, contava com a
participação das populações conquistadas. Além
de conquistar os territórios, mantinha a paz
romana (pax romana).
8
Língua – o latim, língua oficial dos
romanos, passou a ser utilizado pela
maior parte das populações urbanas do
Império.
Rede de estradas - uma rede de
estradas construídas com lajes de pedra,
interligadas por pontes, também de pedra,
facilitava o contacto entre todo o Império e
a sua capital («Todas as estradas vão dar
a Roma»).
9
Construção de obras públicas –
construíram-se templos, aquedutos, termas,
teatros, o que aproximou o modo de vida
das populações dos hábitos romanos.
Direito Romano – todas as populações do Império ficaram sujeitas
às leis romanas.
Poder centralizado do imperador – a quem era também prestado
culto.
Extensão do direito de cidadania - isto dava às pessoas
protecção legal, bem como o direito de eleger e poder ser eleito.
10
ECONOMIA ROMANA
A economia romana era urbana, pois toda a
produção era feita em função das cidades.
As cidades eram o centro da vida no Império
Romano.
A economia romana era comercial,
devido à importância do comércio.
Através do Mediterrâneo, dos rios e
das estradas romanas circulavam
produtos de todo o Império.
11
A economia romana era monetária, devido à
importância da moeda. A moeda servia para o
comércio, mas também para o pagamento dos
exércitos, para as obras públicas e para distribuir
pelos muitos cidadãos desocupados, que viviam
à custa do Estado.
A economia romana era ainda esclavagista,
pois a maior parte do trabalho era
assegurado pelos escravos.
12
Sociedade romana
Ordem senatorial
Ordem equestre
Plebe
Libertos
Escravos
13
Vida quotidiana – a alimentação
Embora a maioria da população romana tivesse uma alimentação
simples, composta por alimentos como pão, azeitonas, queijo, entre
outros, os mais ricos deliciavam-se com iguarias que vinham de todo
o Império.
Era habitual a realização de grandes banquetes, com muitos pratos
exóticos, em que os convivas comiam deitados ou reclinados.
14
Exemplo de alguns pratos romanos:
Entradas:
•Rodelas de miolos, cozidas em leite e ovos
•Cogumelos cozidos com molho picante e gordura de peixe
•Ouriços do mar com especiarias, mel, molho de azeite e ovos
Pratos principais:
•Avestruz cozida com molho doce
•Rola cozida com penas
•Papagaio assado
•Leirões (rato dos pomares) recheados com porco e pombos
Sobremesas:
•Fricassé de rosas com bolos
•Tâmaras descaroçadas, recheadas de nozes e pinhões e fritas em mel
15
organização política em roma
Ao longo da sua história, Roma passou por vários regimes
políticos:
Monarquia – vigorou entre o séc. VIII a.C. e 509 a.C., altura
em que foi expulso o último rei etrusco.
16
República - (do latim respublica, 'coisa do povo'); vigorou
entre 509 a.C. e 27 a.C.
Orgãos políticos da República
Senado
Apreciação das propostas de lei;
Geria as finanças públicas;
Fiscalizava os magistrados;
Dirigia a política externa;
Nomeava os governadores das
províncias.
Assembleias ou Comícios
Formadas pelo conjunto dos cidadãos
Elegiam os magistrados
Votavam as leis
Magistrados
Poder executivo.
Podiam ser cônsules, pretores, questores, edil, tribuno, censor, governador.
Os cônsules comandavam o exército, convocavam o Senado, presidiam aos
cultos públicos.
17
Império - Em 27 a.C., Octávio César Augusto recebeu o título
de Augusto e declarou o fim das guerras civis. Surgiu assim
um novo regime político na história de Roma, conhecido pelo
nome de Império.
18
•Dirigia a política externa;
•Comandava o exército;
•Dirigia as finanças;
•Controlava a administração pública;
•Nomeava os senadores.
•Era o chefe da religião (era o supremo sacerdote e era-lhe
prestado culto).
podereS do imperador
19
o direito romano
Regulamentava todos os aspectos da vida dos cidadãos e
dividia-se em:
- Direito PrivadoDireito Privado: leis relacionadas com aspectos da vida
privada: casamentos, divórcios, contratos, testamentos, …
- Direito PúblicoDireito Público: leis relacionadas com a organização e
funcionamento do Estado.
- Direito InternacionalDireito Internacional: leis que definiam as relações entre os
vários povos do Império.
20
o urbaniSmo romano
As cidades romanas eram construídas segundo planos rigorosos, com
ruas traçadas perpendicularmente e com sistemas de esgotos.
O centro da cidade era sempre o Forum, onde se localizavam edifícios
relacionados com a administração da cidade (Cúria e Basílica); templos
(Panteão).
Coliseu
Templo
Forum
Panorama da cidade de Roma
Colunas
21
Clica na imagem para ver o vídeo no youtube
22
Clica na imagem para ver o vídeo no youtube
23
Na cidade existiam ainda…
Teatros
Anfiteatros
24
Hipódromos, como o Circus
Maximus
Termas e banhos públicos
25
Clica na imagem para ver o vídeo no youtube
26
Aquedutos, pontes e estradas
Latrinas públicas
27
Existiam também zonas residenciais, com dois tipos de casas.
Insulae (blocos de
apartamentos com vários
andares)
Domus, casa particular pertencente
aos romanos mais ricos
28
Clica na imagem para ver o vídeo no youtube
29
Clica na imagem para ver o vídeo no youtube
30
Arte romAnA
ArquitecturA
- Recebeu influências gregas (plantas dos templos e teatros e as
ordens dos capitéis).
31
- Recebeu influências dos Etruscos (o uso do arco de volta perfeita,
da abóbada de berço e da cúpula).
32
- Recebeu as influências do Oriente (a técnica do fabrico do
mosaico).
33
As construções tinham um carácter marcadamente utilitário (tudo
servia para alguma coisa) e grandioso (pois serviam para mostrar a
grandeza do Império).
Ponte de Chaves
Anfiteatro -
Coliseu
Circus Maximus
Teatro de Aspendos
Templo de
Hércules
Termas de Beirute
34
esculturA
Os romanos produziram estátuas e relevos com grande realismo.
Representavam imperadores e outros chefes políticos, deuses,
membros de famílias importantes, cenas de batalhas.
Estátua de Octávio
César Augusto
Busto - retrato
Relevo – coluna de
Trajano
35
pinturA
Feita a fresco nas paredes (sobre estuque fresco), representava,
entre outros temas, paisagens, cenas mitológico-religiosas e cenas
do quotidiano.
Paisagem Casal
36
Produção literária
São de destacar os seguintes nomes:
 
Poesia
Lírica (Horácio e Ovídio);
Épica (Virgílio - “Eneida”)
Teatro
Plauto e Terêncio (autores de comédias).
                                                                                                   
                                                
História 
Tito Lívio (“História de Roma”) e Tácito.
 
Oratória 
37
romanização da Península
ibérica
A conquista da Península Ibérica não foi muito fácil. Em
grande parte, isso deveu-se à resistência de alguns povos,
como os Lusitanos, que viviam na região entre os rios Douro e
Tejo, chefiados por Viriato.
Viriato
Pormenor da estátua de 
Viriato (Viseu)
38
mudanças
introduzidas
Agricultura:
• Desenvolvimento de várias culturas: vinha, cereais, oliveira,
entre outras.
39
Extracção mineira:
• Exploração de minas de cobre e ouro.
Poço romano nas minas de Aljustrel
40
Indústria:
• Salga de peixe (produção de garum).
Indústria da salga - 
reconstituição
Tanques usados para a 
produção de garum 
(ruínas romanas de 
Tróia)
41
Comércio:
• Intensificação do comércio e da circulação da moeda.
Língua:
• Divulgação do latim.
Religião:
• Introdução dos deuses romanos e, depois, do cristianismo.
42
Urbanismo:
• Desenvolvimento de cidades, com edifícios semelhantes aos
de Roma.
Panorâmica geral de Conímbriga
Teatro de Mérida
43
religião romana
À semelhança dos gregos, os romanos eram politeístas. Adoravam
muitos deuses e praticavam várias formas de culto.
Culto doméstico ou familiar
Era praticado no altar da casa e dirigido pelo chefe de família (pater
familias). Era dedicado aos deuses protectores da casa (Lares e
Penates) e ao espírito dos antepassados (Manes).
44
Culto público
Era praticado nos templos das cidades e dirigido por sacerdotes. Os
romanos adoptaram os deuses gregos, dando-lhes outros nomes.
Júpiter – deus dos céus
e tempestades
Juno – deusa
do casamento
Apolo – deus do sol
e das artes
Marte –
deus da
guerra
Neptuno –
deus dos
mares
Diana –
deusa da
caça e da Lua
Minerva – deusa
da sabedoria e da
guerra
Vénus – deusa
do amor e da
beleza
45
Culto imperial
Era dedicado ao imperador, o qual tinha o título de Augusto,
que significa divino.
46

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
ana2643232
 
História da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipciaHistória da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipcia
Geraldo Mellado
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
Silmara Nogueira
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramático
Vanda Marques
 

Mais procurados (20)

Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
História da Arte: Arte na Mesopotâmia, desde a arquitetura até literatura
História da Arte: Arte na Mesopotâmia, desde a arquitetura até literaturaHistória da Arte: Arte na Mesopotâmia, desde a arquitetura até literatura
História da Arte: Arte na Mesopotâmia, desde a arquitetura até literatura
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
Apresentação dos Maias - Capítulo 4
Apresentação dos Maias - Capítulo 4Apresentação dos Maias - Capítulo 4
Apresentação dos Maias - Capítulo 4
 
Arte na antiguidade
Arte na antiguidadeArte na antiguidade
Arte na antiguidade
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
História da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipciaHistória da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipcia
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Arte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e EgitoArte na mesopotamia e Egito
Arte na mesopotamia e Egito
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
 
O Renascimento - 7º Ano (2016)
O Renascimento  - 7º Ano (2016)O Renascimento  - 7º Ano (2016)
O Renascimento - 7º Ano (2016)
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
Características do texto dramático
Características do texto dramáticoCaracterísticas do texto dramático
Características do texto dramático
 

Destaque

6o. ano a arte romana
6o. ano   a arte romana6o. ano   a arte romana
6o. ano a arte romana
ArtesElisa
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
cabee1995
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 

Destaque (20)

Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
2 arte romana-7-serie
2 arte romana-7-serie2 arte romana-7-serie
2 arte romana-7-serie
 
Arte romana I
Arte romana IArte romana I
Arte romana I
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
 
Roma antica civilização ocidental
Roma antica   civilização ocidentalRoma antica   civilização ocidental
Roma antica civilização ocidental
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Antiguidade clássica romanos
Antiguidade clássica   romanosAntiguidade clássica   romanos
Antiguidade clássica romanos
 
6o. ano a arte romana
6o. ano   a arte romana6o. ano   a arte romana
6o. ano a arte romana
 
Arte Romana www.professorpalmito.com.br
Arte Romana www.professorpalmito.com.brArte Romana www.professorpalmito.com.br
Arte Romana www.professorpalmito.com.br
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte greco romana - arquitetura
Arte greco romana - arquiteturaArte greco romana - arquitetura
Arte greco romana - arquitetura
 
A arte romana
A arte romanaA arte romana
A arte romana
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
 
Cultura Roma
Cultura RomaCultura Roma
Cultura Roma
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte romana
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 

Semelhante a Civilização romana

Semelhante a Civilização romana (20)

civilização romana.pdf
civilização romana.pdfcivilização romana.pdf
civilização romana.pdf
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
civilização-romana.ppt
civilização-romana.pptcivilização-romana.ppt
civilização-romana.ppt
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
1grega
1grega1grega
1grega
 
Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
A Romanização
A RomanizaçãoA Romanização
A Romanização
 
O mundo romano - tetyana
O mundo romano -  tetyanaO mundo romano -  tetyana
O mundo romano - tetyana
 
1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
 
_ROMA ANTIGA (1).ppt
_ROMA ANTIGA (1).ppt_ROMA ANTIGA (1).ppt
_ROMA ANTIGA (1).ppt
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Império romano ascensão e crise
Império romano  ascensão e crise Império romano  ascensão e crise
Império romano ascensão e crise
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
PPT - Civilização Romana
PPT - Civilização RomanaPPT - Civilização Romana
PPT - Civilização Romana
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Civilização romana

  • 2. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA A civilização romana desenvolveu-se a partir da cidade de Roma, localizada na Península Itálica. Esta fica localizada no Sul da Europa, na região central do Mediterrâneo. 2
  • 3. Aquando da sua formação, no séc. VIII a.C., Roma seria apenas uma aldeia de pastores, mas os Romanos atribuíam a fundação da sua cidade a Rómulo e Remo, dois gémeos filhos do deus Marte. Entre os povos que influenciaram o crescimento dos Romanos, contam- se os Latinos e os Etruscos. 3
  • 4. A FORMAÇÃO dO IMpéRIO Com o tempo, a importância de Roma foi crescendo gradualmente até que, no séc. VI a.C., já dominava todas as aldeias vizinhas. O passo seguinte foi a conquista de toda a Península Itálica e, depois, de um vasto Império. 4
  • 5. •Necessidade de segurança face a vizinhos mais poderosos (1ª fase). •Procura de novas zonas agrícolas. •Procura de novos mercados. •Procura de mão-de-obra escrava. •Ambição dos generais romanos, que queriam glória e riqueza. MOtIVAÇõEs dAs CONquIstAs ROMANAs 5
  • 6. 1ª fase Os Romanos conquistaram a Península Itálica. Depois de derrotarem Cartago, passaram a dominar várias regiões em África, as costas mediterrânicas da Península Ibérica, a Sardenha, Córsega e Sicília. 2ª fase Roma conquistou o Mediterrâneo Oriental (Grécia, a Macedónia, parte da Ásia Menor, a Síria, a Judeia). 3ª fase Roma conquistou várias regiões da Europa (Gália, Península Ibérica, Britânia, Dácia), para além de outras regiões. CONquIstAs dE ROMA 6
  • 7. Após as conquistas, os Romanos passaram a chamar ao Mediterrâneo “mare nostrum”, pois todas as regiões do Império (com excepção da Grã-Bretanha) ficavam nas suas margens. 7
  • 8. A INtEGRAÇÃO dOs pOVOs dOMINAdOs À medida que o Império ia sendo conquistado, os Romanos procuravam conservar os territórios e integrar os povos dominados na sua civilização. Para tal, usaram vários meios de integração. Exército romano – era permanente e profissional; em muitos casos, contava com a participação das populações conquistadas. Além de conquistar os territórios, mantinha a paz romana (pax romana). 8
  • 9. Língua – o latim, língua oficial dos romanos, passou a ser utilizado pela maior parte das populações urbanas do Império. Rede de estradas - uma rede de estradas construídas com lajes de pedra, interligadas por pontes, também de pedra, facilitava o contacto entre todo o Império e a sua capital («Todas as estradas vão dar a Roma»). 9
  • 10. Construção de obras públicas – construíram-se templos, aquedutos, termas, teatros, o que aproximou o modo de vida das populações dos hábitos romanos. Direito Romano – todas as populações do Império ficaram sujeitas às leis romanas. Poder centralizado do imperador – a quem era também prestado culto. Extensão do direito de cidadania - isto dava às pessoas protecção legal, bem como o direito de eleger e poder ser eleito. 10
  • 11. ECONOMIA ROMANA A economia romana era urbana, pois toda a produção era feita em função das cidades. As cidades eram o centro da vida no Império Romano. A economia romana era comercial, devido à importância do comércio. Através do Mediterrâneo, dos rios e das estradas romanas circulavam produtos de todo o Império. 11
  • 12. A economia romana era monetária, devido à importância da moeda. A moeda servia para o comércio, mas também para o pagamento dos exércitos, para as obras públicas e para distribuir pelos muitos cidadãos desocupados, que viviam à custa do Estado. A economia romana era ainda esclavagista, pois a maior parte do trabalho era assegurado pelos escravos. 12
  • 13. Sociedade romana Ordem senatorial Ordem equestre Plebe Libertos Escravos 13
  • 14. Vida quotidiana – a alimentação Embora a maioria da população romana tivesse uma alimentação simples, composta por alimentos como pão, azeitonas, queijo, entre outros, os mais ricos deliciavam-se com iguarias que vinham de todo o Império. Era habitual a realização de grandes banquetes, com muitos pratos exóticos, em que os convivas comiam deitados ou reclinados. 14
  • 15. Exemplo de alguns pratos romanos: Entradas: •Rodelas de miolos, cozidas em leite e ovos •Cogumelos cozidos com molho picante e gordura de peixe •Ouriços do mar com especiarias, mel, molho de azeite e ovos Pratos principais: •Avestruz cozida com molho doce •Rola cozida com penas •Papagaio assado •Leirões (rato dos pomares) recheados com porco e pombos Sobremesas: •Fricassé de rosas com bolos •Tâmaras descaroçadas, recheadas de nozes e pinhões e fritas em mel 15
  • 16. organização política em roma Ao longo da sua história, Roma passou por vários regimes políticos: Monarquia – vigorou entre o séc. VIII a.C. e 509 a.C., altura em que foi expulso o último rei etrusco. 16
  • 17. República - (do latim respublica, 'coisa do povo'); vigorou entre 509 a.C. e 27 a.C. Orgãos políticos da República Senado Apreciação das propostas de lei; Geria as finanças públicas; Fiscalizava os magistrados; Dirigia a política externa; Nomeava os governadores das províncias. Assembleias ou Comícios Formadas pelo conjunto dos cidadãos Elegiam os magistrados Votavam as leis Magistrados Poder executivo. Podiam ser cônsules, pretores, questores, edil, tribuno, censor, governador. Os cônsules comandavam o exército, convocavam o Senado, presidiam aos cultos públicos. 17
  • 18. Império - Em 27 a.C., Octávio César Augusto recebeu o título de Augusto e declarou o fim das guerras civis. Surgiu assim um novo regime político na história de Roma, conhecido pelo nome de Império. 18
  • 19. •Dirigia a política externa; •Comandava o exército; •Dirigia as finanças; •Controlava a administração pública; •Nomeava os senadores. •Era o chefe da religião (era o supremo sacerdote e era-lhe prestado culto). podereS do imperador 19
  • 20. o direito romano Regulamentava todos os aspectos da vida dos cidadãos e dividia-se em: - Direito PrivadoDireito Privado: leis relacionadas com aspectos da vida privada: casamentos, divórcios, contratos, testamentos, … - Direito PúblicoDireito Público: leis relacionadas com a organização e funcionamento do Estado. - Direito InternacionalDireito Internacional: leis que definiam as relações entre os vários povos do Império. 20
  • 21. o urbaniSmo romano As cidades romanas eram construídas segundo planos rigorosos, com ruas traçadas perpendicularmente e com sistemas de esgotos. O centro da cidade era sempre o Forum, onde se localizavam edifícios relacionados com a administração da cidade (Cúria e Basílica); templos (Panteão). Coliseu Templo Forum Panorama da cidade de Roma Colunas 21
  • 22. Clica na imagem para ver o vídeo no youtube 22
  • 23. Clica na imagem para ver o vídeo no youtube 23
  • 24. Na cidade existiam ainda… Teatros Anfiteatros 24
  • 25. Hipódromos, como o Circus Maximus Termas e banhos públicos 25
  • 26. Clica na imagem para ver o vídeo no youtube 26
  • 27. Aquedutos, pontes e estradas Latrinas públicas 27
  • 28. Existiam também zonas residenciais, com dois tipos de casas. Insulae (blocos de apartamentos com vários andares) Domus, casa particular pertencente aos romanos mais ricos 28
  • 29. Clica na imagem para ver o vídeo no youtube 29
  • 30. Clica na imagem para ver o vídeo no youtube 30
  • 31. Arte romAnA ArquitecturA - Recebeu influências gregas (plantas dos templos e teatros e as ordens dos capitéis). 31
  • 32. - Recebeu influências dos Etruscos (o uso do arco de volta perfeita, da abóbada de berço e da cúpula). 32
  • 33. - Recebeu as influências do Oriente (a técnica do fabrico do mosaico). 33
  • 34. As construções tinham um carácter marcadamente utilitário (tudo servia para alguma coisa) e grandioso (pois serviam para mostrar a grandeza do Império). Ponte de Chaves Anfiteatro - Coliseu Circus Maximus Teatro de Aspendos Templo de Hércules Termas de Beirute 34
  • 35. esculturA Os romanos produziram estátuas e relevos com grande realismo. Representavam imperadores e outros chefes políticos, deuses, membros de famílias importantes, cenas de batalhas. Estátua de Octávio César Augusto Busto - retrato Relevo – coluna de Trajano 35
  • 36. pinturA Feita a fresco nas paredes (sobre estuque fresco), representava, entre outros temas, paisagens, cenas mitológico-religiosas e cenas do quotidiano. Paisagem Casal 36
  • 37. Produção literária São de destacar os seguintes nomes:   Poesia Lírica (Horácio e Ovídio); Épica (Virgílio - “Eneida”) Teatro Plauto e Terêncio (autores de comédias).                                                                                                                                                      História  Tito Lívio (“História de Roma”) e Tácito.   Oratória  37
  • 38. romanização da Península ibérica A conquista da Península Ibérica não foi muito fácil. Em grande parte, isso deveu-se à resistência de alguns povos, como os Lusitanos, que viviam na região entre os rios Douro e Tejo, chefiados por Viriato. Viriato Pormenor da estátua de  Viriato (Viseu) 38
  • 39. mudanças introduzidas Agricultura: • Desenvolvimento de várias culturas: vinha, cereais, oliveira, entre outras. 39
  • 40. Extracção mineira: • Exploração de minas de cobre e ouro. Poço romano nas minas de Aljustrel 40
  • 41. Indústria: • Salga de peixe (produção de garum). Indústria da salga -  reconstituição Tanques usados para a  produção de garum  (ruínas romanas de  Tróia) 41
  • 42. Comércio: • Intensificação do comércio e da circulação da moeda. Língua: • Divulgação do latim. Religião: • Introdução dos deuses romanos e, depois, do cristianismo. 42
  • 43. Urbanismo: • Desenvolvimento de cidades, com edifícios semelhantes aos de Roma. Panorâmica geral de Conímbriga Teatro de Mérida 43
  • 44. religião romana À semelhança dos gregos, os romanos eram politeístas. Adoravam muitos deuses e praticavam várias formas de culto. Culto doméstico ou familiar Era praticado no altar da casa e dirigido pelo chefe de família (pater familias). Era dedicado aos deuses protectores da casa (Lares e Penates) e ao espírito dos antepassados (Manes). 44
  • 45. Culto público Era praticado nos templos das cidades e dirigido por sacerdotes. Os romanos adoptaram os deuses gregos, dando-lhes outros nomes. Júpiter – deus dos céus e tempestades Juno – deusa do casamento Apolo – deus do sol e das artes Marte – deus da guerra Neptuno – deus dos mares Diana – deusa da caça e da Lua Minerva – deusa da sabedoria e da guerra Vénus – deusa do amor e da beleza 45
  • 46. Culto imperial Era dedicado ao imperador, o qual tinha o título de Augusto, que significa divino. 46