Império romano blogue

11.476 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.476
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.462
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Império romano blogue

  1. 1. Roma 753 a.c. a 476 d.c.Vítor Santos, Matosinhos, outubro 1 de 2012
  2. 2. Reconstituição de Roma AntigaMapa do Império Romano 2
  3. 3. Os romanos conquistaram territórios habitados por centenasde povos com culturas, línguas, costumes diferentes. 3
  4. 4. Uma questão que surge naturalmente é a seguinteComo foi possível a uma cidade conquistar quasetodo o mundo conhecido e mantê-lo unido duranteséculos?Vamos tentar encontrar a resposta para esta eoutras questões ao longo das próximas aulas 4
  5. 5. A lenda sobre a criação de Roma A lenda de Rómulo e Remo 5
  6. 6. A fundação de Roma, a verdade histórica Roma, numa fase inicial, (uma reconstituição artística) 6
  7. 7. Localização de Roma 7
  8. 8. Mapa Itália antiga 8
  9. 9. Breve Cronologia do império Romano• Séc. VIII a.c.(753 a.c.) – Fundação de Roma;• 753 – 509 a.c. – Monarquia, domínio dos Etruscos;• 509 a.c. – Fundação da República;• Séc. V a III a.c. – Conquista da Península Itálica;• Séc. II e I a.c. – Conquista do Norte de Africa (Guerras Púnicas (três) contra Cartago), da Península Ibérica, Grécia, Egipto, Gália, Germânia, Grã-Bretanha, Judeia, Síria, Judeia, Palestina….;• 27 a.c. a 14 d.c. – Governo de Octávio. Início do Império;• Século II – máxima extensão do império 117 d.c. – Extensão máxima do Império, conquistas de Trajano;• Século III – início da crise• Séc. IV d.c. (início) – Conversão do imperador Constantino ao Cristianismo;• 395 – Divisão definitiva do Império (Ocidente/Oriente)• 476 – Roma conquistada pelos bárbaros. Fim do império romano do Ocidente. Deposição do último Imperador (Rómulo Augusto). 9
  10. 10. Guerras Púnicas:1ª - 246 a 241 a.c.2ª - 218 a 202 a.c.3º - 149 a 146 a.c. 10
  11. 11. • Principais características do Império romano:• Vastidão geográfica;• Multiplicidade de povos e costumes;• Poder absoluto, centralizado e divino do Imperador;• Império urbano;• Sistema jurídico (leis) moderno, que foi durante séculos a base do sistema jurídico europeu;• Organização das legiões (exército profissional).O império romano foi invulgarmente extenso e duradouro. 11
  12. 12. Mare Nostrum 12
  13. 13. 13
  14. 14. O império romano está centralizados nas cidades que estãoligadas entre si por uma rede de estradas.Nos locais conquistados onde existiam cidades, como aGrécia, os continuaram a desenvolvê-las, em zonas, como aPenínsula Ibérica, onde existiam poucas, os romanosconstruíram-nas 14
  15. 15. As cidades do Império tinham um modelo a seguir Roma Roma é o centro do poder, o exemplo a seguir 15
  16. 16. • Posição central no Mediterrâneo, torna-se um ponto de chegada e partida de rotas terrestres e marítimas;• Cidade cosmopolita – exemplo para todo o Império• Os Romanos fizeram das cidades um dos fatores mais importantes da romanização; 16
  17. 17. Definição de ImpérioEstado constituído por vários territórios, um dos quais exerceo domínio político sobre os outros.Na civilização romana este nome também é aplicado aoperíodo em que foi um imperador a governar. 17
  18. 18. Até 509 a.c. Roma foi governada por reis etruscosEntre 509 a.c até ao final do século I a.c. Roma foi umaRepúblicaRes Publica = coisa pública 18
  19. 19. No sistema republicano os principais cargos políticos(magistraturas) eram eleitos pelos comícios (assembleia doscidadãos.Estas instituições políticas com o crescimento do Impériorevelaram um problema.Tinham sido concebidas para governar um pequeno territórioSurgiram várias problemas que levaram a uma guerra civilque durou vários anosO vencedor dessa guerra foi Octávio, que se tornou noprimeiro imperador romano 19
  20. 20. Octávio César Augusto acumulouvárias magistraturas;Passou a deter o imperium, passoua ter uma autoridade suprema, tantocivil como militar e religiosa;Foi nomeado imperador (título queera concedido aos generaisvitoriosos;Octávio manteve os órgãos degoverno republicano, mas estesforam esvaziados do seu poder eeram controlados pelo imperador. 20
  21. 21. Apareceram novos órgãos políticos, como o Conselho doimperadorÉ o Sumo Pontífice (o mais importante sacerdote romano)Com a morte de Octávio (14 d.c.), o Senado declarou-odeus.O imperador torna-se sagrado, de origem divina – surge oculto ao imperadorUma estátua do imperador é colocada nas praças públicasdas cidades 21
  22. 22. • Cultura de influência grega mas que incorporou múltiplas influências;• Economia baseada na escravatura, homens livres (cidadão) dividem-se em Patrícios, Cavaleiros e Plebe;• Civilização urbana que construiu cidades, pontes, aquedutos, estradas, termas, etc.;• Romanização dos povos conquistados;• Octávio César Augusto instituiu o sistema imperial;• Grande autoridade pessoal, absoluta origina o culto do imperador e o poder de nomear o seu sucessor; 22
  23. 23. • Ação de Augusto:• Plano militar: estabeleceu a paz romana, continuou as conquistas;• Plano político: reforçou o poder do imperador, reforma da administração do império, reduz o poder do Senado;• Plano social: conseguiu a paz social, garantiu a igualdade (teórica) dos homens livres perante a lei; 23
  24. 24. • Plano cultural: protetor das artes e das letras, continua a tradição helenística, patrocinou numerosas obras públicas (templos, museus, teatros, termas, etc• Plano religioso: torna-se o Sumo Sacerdote (Pontífice Máximo); 24
  25. 25. • Augusto manteve o Império unido, em paz e prosperidade, Pax Romanum;• Criou um aparelho de governação centralizado na figura do Imperador que integrou (Romanizou) a multiplicidade de povos, culturas e religiões que faziam parte do Império; 25
  26. 26. 26
  27. 27. O culto a Roma e ao Imperador são um importanteelemento de união políticaÉ uma forma de unir, em torno dos mesmos altares, ascentenas de povos diferentes que constituem o ImpérioRomano. 27
  28. 28. A importância do direitoConjunto de regras (normas) jurídicas que regem avida de um povoOs romanos fizeram do Direito uma ciênciaOs romanos estabeleceram a divisão entre:Direito público: rege a administração do estadoDireito privado: rege as relações entre os particulares 28
  29. 29. Quais terão sido as razões que levaram os romanos aaperfeiçoarem o direito?As dificuldades de administrar um vasto império:Um conjunto de leis que definissem as principais regras davida quotidiana, de forma igual, em todo o Império.O direito romano espelha o seu espírito prático e metódico 29
  30. 30. Princípios básicos do direito romano::Viver honradamente;Atribuir a cada um o que é seuNão prejudicar ninguém Basílica romana 30
  31. 31. No início os romanos não tinham leis escritasA lei era baseada na tradição (Direito Consuetudinário)Meados do século V a.c. os plebeus revoltam-se contra estasituaçãoPerante esta revolta as leis correntes foram gravadas emdoze tábuasSurgia o primeiro código (códex) do Direito Romano, segundoa tradição entrou em vigor em 452 a.c.Em latim códex significa madeira. Mas passou a designarum conjunto de leis 31
  32. 32. A Lei das XII Tábuas será a base de todo o Direito público e privadoCom o crescimento do império surgem novas situações eestas leis tornam-se insuficientesNovas situações exigem novas leis: Decisões doSenado, Decretos imperiais, etc.Os romanos, ao longo dos séculos, vão compilando porescrito essas leis 32
  33. 33. Os últimos imperadores romanos ordenaram a compilaçãodessas leisA mais importante foi ordenada por Justiniano (482-565),Imperador do Oriente, já depois do fim do império doOcidenteFicou conhecida pelo Código de JustinianoÉ a base do direito ocidental moderno 33
  34. 34. Esta obra legislativa foi um importante fator de união e pacificação entre os povos que constituíam o Império RomanoOs povos sentiam que existia uma lei igual para todos e eramprotegidos por um conjunto de leis claras, que consideravamjustas e adequadas à vida em comunidade 34
  35. 35. A progressiva extensão da cidadania romanaA sociedade romana tinha uma estrutura complexa quedividia os homens livres em grupos com estatutos diferentes:PatríciosCavaleirosPlebeA cidadania era o ponto de partida para a existência dedireitos 35
  36. 36. 36
  37. 37. Direitos do cidadão romano:Proceder a atos jurídicos;Possuir terras;Contrair matrimónio;De votar;Ser eleito;Dever de servir o exército e pagar impostos 37
  38. 38. De início o direito de cidadania (civitas) estava reservado aosnaturais de Roma e seus descendentesOs povos conquistados tinham um estatuto inferior, variavamuito de região para regiãoTratava-se de povos recentemente conquistados. Não erapossível conceder todos os direitos, aos inimigosrecentemente derrotados 38
  39. 39. Com o passar dos tempos a situação foi melhorando, osromanos utilizavam a atribuição da condição de cidadaniacomo um prémio a atribuir a todos os que prestavam bonsserviços a Roma.Na primeira região conquistada, a Itália, os habitantestinham uma condição superior às restantes. Direito Latino.49 a.c. todos os homens livres que habitavam na PenínsulaItálica são equiparados a cidadãos romanos 39
  40. 40. Em 212 d.c., o Imperador Caracala concedeu a cidadania atodos os habitantes livres do impérioEstabelecia a igualdade entre povo conquistador e povosconquistados, foi um importante fator de união do mundoromano 40
  41. 41. O Império Romano constituiu uma unidade política:Promoveram a vida urbana como centro de poder local e dedifusão da sua cultura;Divinizaram o imperador, e com ela, a autoridade do Estado;Organizaram um conjunto de leis por escrito;Estenderam progressivamente a condição de cidadaniaromana aos povos conquistados 41
  42. 42. A afirmação imperial de uma cultura urbana e pragmática 42
  43. 43. Início, os romanos eram um povo de lavradoresSentido prático, realista, virado para o concretoO pragmatismo marca todas as realizaçõesromanas Pragmático – sentido prático, atitude que privilegia a utilidade e a eficiência 43
  44. 44. Para os gregos as coisas tinham de ser belasPara os romanos tinham de ser úteisEsta característica é aplicada em todas as suas ações:guerra, arte, cultura, escrita, obra jurídica… 44
  45. 45. O Direito é um dos expoentes do pragmatismo romanoRevelaram sentido de organização (compilações)Utilizaram as leis como um fator de unidade do impérioNeste espírito os romanos vão apreciar e aceitar ariqueza cultural dos povos conquistadosVão inserir vários elementos da s culturas de outros povos na su 45
  46. 46. Colónias gregas em ItáliaMagna Grécia 46
  47. 47. Dizia o poeta romano Horácio: “A Grécia conquistadaconquistou o seu feroz vencedor!”A cultura romana é uma fusão de várias culturas. A influênciagrega foi a mais marcante.Reconhecem a originalidade da civilização grega:Inspiram-se na sua arte, literatura, filosofia e religiãoNesta síntese cultural greco-romana residem osfundamentos da civilização europeia 47
  48. 48. Cidade romana de Timgad (Norte de África) 48
  49. 49. Sistema ortogonalcardo Duas ruas principais que se cruzavam no centro da cidade decumanos Perto do cruzamento do cardo e decumanos situa-se o fórum 49
  50. 50. Planta da cidade grega deMileto, traduzindo opensamento do arquitetoHipódamoAcampamento da legião romana 50
  51. 51. Fórum romano 51
  52. 52. Fórum romanoFórum é a praça pública da cidade romana 52
  53. 53. No fórum encontravam-se os principais edifícios administrativos:Basílica: estrutura multifunções: tribunal, sala de reuniõesCúria: local onde se reunia o SenadoTambém se encontram os templos mais importantesReconstituição do fórum romano 53
  54. 54. A cidade de Roma tinha vários fóruns 54
  55. 55. Reconstituição do fórum romano 55
  56. 56. fórum romano 56
  57. 57. Planta da cidade de Pompeia 57
  58. 58. Gosto dos romanos pela monumentalidade 58
  59. 59. Roma era a capital de um vasto império e todos osimperadores procuraram construir novos e grandiososedifícios que mostrassem a glória da cidade: Bibliotecas Mercados públicos Mercado de Tongóbriga, (Marco de Canavezes) 59
  60. 60. 60
  61. 61. Termas de Caracala 61
  62. 62. Aqueduto romanoOs aquedutos eram fundamentais para permitir umabastecimento constante às cidades 62
  63. 63. AnfiteatrosO Coliseu de Roma, lotação 70.000 espetadores 63
  64. 64. Circo MáximoRealizavam-se corridas de carros (quadrigas e bigas)Lotação para 250.000 espetadores 64
  65. 65. Teatro romano 65
  66. 66. Domus romana 66
  67. 67. Insula, prédio com várias habitações 67
  68. 68. Dispersas por três continentes as cidades romanaspartilharam um padrão urbanístico comum:O fórum, as termas, as basílicas, os aquedutos, as ruascalçadas de pedras, o anfiteatro, o teatro, os templos, osmesmos tipos de casas, o mesmo gosto pela exuberância emonumentalidade.O exemplo a seguir é Roma. Conimbriga Palmira (atual Síria) 68
  69. 69. A arquitetura romanaA arquitetura é a expressão mais importante da expressãoartística romanaOs imperadores investiram nas obras públicas, de Roma edas outras cidades do império 69
  70. 70. “Pragmática e funcional, a arquitetura romanapreocupou-se essencialmente com a resolução dosaspetos práticos e técnicos da arte de construir,respondendo com soluções criativas e inovadoras(precursoras dos modernos sistemas e conceçõesde edificação) às crescentes necessidadesdemográficas, económicas, políticas e culturais dacidade e do Império”. René Huyghe, Sentido e destino da ArteInfluências: etruscas e gregas 70
  71. 71. Influências gregas: decoração arquitetónica(ordens gregas)Ágora – fórumColecionadores importavam arte grega. Cópias dasestátuas gregas 71
  72. 72. opus caementicium – argamassa de cal, areia,materiais cerâmicos, calcário, cascalho e pozolana(material vulcânico) – obtinham uma pastamoldável semelhante ao atual cimento ou betão.Facilita a construção – mais leve, moldável, menospessoal especializado, mais baratoParamentos – revestimentos exteriores e interioresPedra, tijolo, mármore, ladrilhos, mosaicos,estuque pintado, etc. 72
  73. 73. Novos sistemas construtivos: tendo por base o arcode volta perfeita: abóbadas, cúpulas e arcadas(conjunto de colunas unidas por arcos) 73/62
  74. 74. Abóbada de berçoAbóbada de arestas – intersecção de 2 abóbodas de berço 74
  75. 75. • Não inventaram o arco (conhecido na Mesopotâmia, Etrúria, Grécia…) mas utilizaram- no de uma maneira sistemática e original, combinando-o com os novos materiais. 75
  76. 76. Desenvolvimento de técnicas e dos instrumentos deengenharia:técnicas de terraplanagem,inventaram as cofragens e os cimbres,desenvolveram métodos de construção quaseestandardizadosutilizaram grampos de metal para fortalecer as juntasCofragem – molde de madeira destinado a conter amassa de betão frescoCimbres – armação de madeira que molda os arcos 76
  77. 77. Interior de uma basílica romana 77
  78. 78. Basílicas (reconstituições) 78
  79. 79. Demonstraram génio inventivo, sentido prático.Associaram à solidez a economia de materiais, demeios e de mão-de-obra. 79
  80. 80. Barroquismo da decoração:exagero ornamental;Utilizaram as ordens gregas,muitas vezes sem funçõesestruturais, apenas decorativas;Inventaram as ordens toscana ecompósitaOrdens mais utilizadas:compósita e coríntia 80
  81. 81. Arquitetura Religiosa 81
  82. 82. Maison Carré, Nimes (França), 16 a.c. 82
  83. 83. Fortuna Virilis, Roma, I a.c. 83
  84. 84. Características dos templos romano do períodorepublicano:Pódio;Carácter frontal (escadaria, pórtico);Planta retangular;Muitas vezes não tinham peristilo (colunas lateraisadossadas à parede;Colunas e entablamento à maneira grega. 84
  85. 85. Panteão Romano, Roma, II d.c 85
  86. 86. Panteão Romano,Roma, II d.c 86
  87. 87. PanteãoRomano, Roma,II d.c 87
  88. 88. Panteão Romano, Roma, II d.c 88
  89. 89. Arquitetura e obras públicasConstruções públicas mostram o génio romano(capacidade técnica e soluções originais)Expansão territorial levou à necessidade deconstruirArquitetura é uma forma de demonstrar o poder deRoma e do ImperadorComeçaram no período republicano. No períodoimperial desenvolveram construções maisgrandiosas e complexas.Tipos de obras: estradas, pontes, aquedutos,basílicas, anfiteatros, teatros, termas… 89
  90. 90. Ponte e aqueduto do Gard, França, I a.c. 90
  91. 91. Basílicas: edifício multifunções (repartiçõespúblicas, termas, mercados, na época cristã seráadotada como modelo das igrejas) 91
  92. 92. ruínas, Basílica MaxêncioAs basílicas eram construções planeadas paraalbergar um grande número de pessoasBasílicas mais conhecidas: Júlia, Emilia, Úlpia,Maxêncio 92
  93. 93. Anfiteatros: estruturas destinadas ao lazer,Planta circular ou elíptica,Altura de vários andaresEram construídos segundo um complexo esquemade abóbadas e arcosRealizavam-se as actividades circenses 93
  94. 94. Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c. 94
  95. 95. Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c. 95
  96. 96. Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c. 96
  97. 97. Anfiteatro de Arles, França, I d.c. 97
  98. 98. Circo Máximo, Roma, 98
  99. 99. Teatros: semelhantes aos anfiteatros na forma e nadecoração, mas mais pequenosErguiam-se em qualquer lugar (não precisavam deuma colina)Teatro de Marcelo (Roma) 99
  100. 100. Termas: balneários públicos, locais de encontro econvívioPiscinas de água fria e quente, saunas, ginásios,bibliotecas, salas de reunião, teatros, lojas,jardins… 100
  101. 101. Termas de Caracala, III d.c.,Roma, (350 metros de lado) 101
  102. 102. Termas de Diocleciano, Roma, III d.c. 102
  103. 103. Aqueduto romano 103
  104. 104. Arco do Triunfo, Constantino, III d.c.Arco do Triunfo,Orange, I d.c 104
  105. 105. Timgad, Argélia, I d.c. 105
  106. 106. As construções romanas eram essencialmente urbanas eutilitáriasProcuravam impressionar, tinham uma intençãopropagandística 106
  107. 107. A escultura 107
  108. 108. Júlio César,I a.c.Cipião, II a.c. 108
  109. 109. Influências etruscas e gregasCaracterísticas realistas, centradas napersonalidade do indivíduoOs etruscos representavam com verismo asestátuas colocadas nos sarcófagosOs romanos faziam máscaras de cera dos seusantepassados mais ilustres. A partir do século I a.c.passam a ser realizados em mármore.O retrato é uma afirmação do indíviduo. 109
  110. 110. Influência grega a partir da Magna Grécia e daGrécia (após a conquista)Surgem em Roma muitos artistas gregosRomanos preferem o realismo à representaçãoperfeita da época clássicaO retrato, muitas vezes em forma de busto,combina com o sentido prático e realista dosromanos 110
  111. 111. Octávio, I d.c.Cláudio, I d.c. 111
  112. 112. • No século I d.c., o retrato, sobretudo o oficial, sofre influência do ideal grego, ao representar o Imperador• É representado mais idealizado, mais divino 112
  113. 113. Estátua equestreImperador MarcoAurélio, II d.c. 113
  114. 114. RelevoRelevo – subordinado à arquitetura. Ocupa todos osespaços arquitetónicos (colunas, frisos, arcos dotriunfo, sarcófagos,…)Utilizou as técnicas usuais da pintura: gradação deplanos, escorço, etc. 114
  115. 115. Relevo: conta uma história, os grandes feitos dosimperadores e do povo romano Coluna de Trajano 115
  116. 116. Cópias de estátuas gregas 116

×