SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
História 7.ºAno
O mundo romano no apogeu
do Império
Localização no tempo
Localização no tempo
Localização no espaço
O império romano
desenvolve-se a partir da
cidade de Roma, junto
ao rio Tibre, na Península
Itálilica, região do Lácio.
A evolução de Roma
• Segundo historiadores, a Civilização Romana é resultado da mistura dos povos que
habitaram a região da Península Itálica. De entre esses povos, podemos destacar os
latinos, os gregos, os etruscos e os sabinos.
• Entre 753 e 509 a.C., Roma foi governada
pelos etruscos, que implantaram uma
Monarquia.
• Com a morte de Tarquínio, Roma torna-
-se uma República. Foi a fase das
conquistas e da expansão da sua
civilização.
A expansão de Roma
O império romano
conquista todo o
Mediterrâneo,
desde a Ásia
Menor até à
Península Ibérica.
Títulos conferidos ao
imperador, ou por ele
assumidos:
Imperador :'Comandante'
Pater Patriae: 'Pai da
Pátria'
Pontifex Maximus:
‘Sacerdote
Supremo'
O Poder Imperial
A Romanização
Agentes e fatores de romanização:
• O exército;
• A língua (o latim);
• O direito;
• A administração;
• As obras públicas;
• A rede de estradas;
• A religião…
Romanização: difusão da cultura,
costumes, enfim, da civilização
romana pelos povos conquistados.
A Romanização – O exército
couraça
(armadura)
capacete
“pilum”
(dardo
pesado)
“gládium”
(espada curta)
“scutum”
(escudo)
Summum
Dorsum:
(pedras com
areia e terra)
Rudus: seixos
ligados com
argamassa e
batidos com
maços.
Statument:
Gravilha com
superfície
arqueada
para facilitar o
escoamento
da água das
chuvas.
Pavimentum:
Pedra
Fossa: Recebe
a água das
chuva
Técnicas de construção das estradas
As estradas possibilitavam uma
melhor e mais rápida deslocação
de tropas, comerciantes e
funcionários imperiais.
Marco miliário. Colocados nas
bermas das estradas, indicam as
distâncias percorridas e a percorrer
até determinado lugar.
Principais estradas do Império
Romano.
Estradas de
acesso à cidade
de Roma.
“Todos os caminhos vão dar a Roma”
Os caminhos romanos
O Latim e o Direito
Latim focus scola
Português fogo escola
Italiano fuoco scuola
Francês feu école
Romeno foc scoala
Castelhan
o
fuego
escuel
a
A expansão romana impôs o latim,
permitindo a comunicação e dando
origem às línguas modernas.
Em 212, o imperador
Caracala concedeu o
direito de cidadania a
todos os habitantes
do império.
As leis romanas (ou seja, o Direito), garantiam a
obediência e a igualdade de tratamento entre
os cidadãos do Império.
Urbana – Surgimento de numerosas cidades e
desenvolvimento das já existentes. Nestes locais
consumia-se grande quantidade e variedade de
produtos.
Reconstituições da
cidade de Roma.
Economia Romana
Comercial- Em todo o Império Romano a circulação e
transação de mercadorias era intensa.
Monetária – O comércio realizava-se com a utilização de moeda.
Normalmente as
moedas tinham
numa das faces a
efigie do
imperador que as
mandava cunhar.
Esclavagista – assentava na existência de escravos, que realizavam todas as
tarefas. Os escravos podiam nascer escravos ou tornarem-se por dívidas,
prisioneiros de guerra, mau comportamento…
Com as conquistas, Roma
torna-se um verdadeiro
império. O poder muda
(27 a.C.) e a sociedade
também muda.
A sociedade Romana
A vida quotidiana
Viver nas Insulae
Insulae - casas de habitação parecidas com os nossos
prédios de apartamentos de hoje em dia, habitualmente
com lojas no rés-do-chão. Era o local onde os mais pobres
viviam.
Viver nas Domus
Os mais ricos que viviam nas cidades,
habitavam nas Domus, casas grandes e
confortáveis.
Viver nas villae
Os que viviam no campo,
possuíam grandes casas com
termas, jardins e mesmo
teatros privados. A estas casas
chamamos villae.
Reconstituição
O interior das casas mais ricas.
A cidade
As tabernae, lojas onde se comprava comida ou
onde se tomavam refeições.
Em muitas cidades existiam
latrinas públicas.
Os romanos dedicavam-se à política, ao comércio e artesanato. Passavam o dia
no fórum. Os mais ricos passavam ainda grande parte do dia nas termas e
banhos, que funcionavam também como locais de reunião e convívio.
Aqui cuidamos da higiene,
conversamos, jogamos, lemos,
recitamos poesia, comemos e,
ainda, podemos recorrer ao
massagista , fazer exercício físico e
cortar o cabelo.
Esfregamos o corpo com
azeite e raspamos com o
estrigil.
Temos tanques de água
quente, morna e fria.
Hipocausto para aquecimento
das piscinas
As mulheres
As raparigas não costumavam ir à escola.
Aprendiam a fiar, tecer, cozer, cozinhar e gerir a casa. Todavia, tinham mais liberdade do
que as gregas.
A educação
Aqueles que podiam, mandavam os filhos aos 6 ou 7 anos estudar com mestres que os
ensinavam a ler, escrever, contar e resolver problemas. Mais tarde, podiam aprender
grego, literatura e retórica, para aprender a discursar em público.
A cultura
A cultura romana resultou de um processo de síntese (original) da cultura etrusca; da
grega, que lhe forneceu modelos artísticos, literários, filosóficos e religiosos, e ainda da
oriental, que lhe incutiu o gosto pela monumentalidade, pelo conforto, pelo luxo e
também pelo misticismo.
Reflete o espírito prático dos romanos: por exemplo, a
História serviu para relatar os factos passados e ser
uma lição e uma forma de passar aos outros a
grandeza da sua pátria.
De facto, ao contrário dos Gregos para quem todas as coisas tinham que ser belas, os
Romanos sentiam que todas as coisas tinham que ser úteis.
A cultura
A literatura e as ciências conheceram também um grande desenvolvimento, destacando-
se nomes como o de Tito Lívio e Tácito (na História); Virgílio, Horácio ou Ovídio (autores
de ficção), Plauto (escritor de comédias) ou Séneca, um dos filósofos mais importantes da
Antiguidade.
Muitas vezes, estes autores e outros
artistas obtinham a proteção de homens
ricos e poderosos, que lhes concediam
patrocínios – eram os Mecenas.
A civilização Romana: o urbanismo
O urbanismo foi um dos pontos
fundamentais na organização da
civilização romana: o espaço urbano era
pensado segundo as ideias pragmáticas
romanas: traçado regular das ruas,
segundo um plano Norte-Sul (Cardus) e
Este-Oeste (Decumanus). No centro
destes dois eixos, localizava-se o Fórum.
Fórum da cidade de Roma (praça onde decorria a vida pública).
Na
atualidade
Reconstituição
Os edifícios eram todos construídos tendo por
base a sua utilidade: pontes, aquedutos, fóruns,
termas, estradas, saneamento, anfiteatros,
teatros, circos… Ou então, por demonstrarem a
importância do Império, como no caso dos
Arcos de Triunfo.
No Coliseu
havia
combates
envolvendo
animais e
seres
humanos –
os
gladiadores.
Chegaram a
fazer-se
recriações
de batalhas
navais.
A arte romana
A arte romana foi influenciada pela grega e pela etrusca. As grandes construções
belas da Grécia deram lugar a grandes construções com fins úteis na Roma Antiga.
Assim, as principais características são:
• A monumentalidade e grandeza das construções;
• A solidez e durabilidade;
• A utilização de elementos de origem grega;
• O carácter funcional das obras.
A arquitetura
• Influenciada pela arte grega, mas com aspetos inovadores (podium, pilastras e
frisos dedicatórios);
• Adopção das três ordens arquitetónicas, com preferência para a Coríntia;
• Monumentalidade das construções;
• Subversão do sentido da proporção;
• Valorização da imponência dos edifícios;
• Introdução de novos materiais e técnicas de
construção;
• Construções com intenções comemorativas e propagandísticas.
Arquitetura
• Elementos de suspensão:
- muros,
- Colunas,
- Pilares e pilastras,
- Uso dos elementos das ordens arquitetónicas gregas (mais a toscana e
a compósita romanas).
• Elementos sustentados:
- cúpulas,
- Arco de volta perfeita;
- Abóbadas de berço…
Materiais de construção
• Cimento;
• Betão (opus caementicium);
• Mosaicos;
• Revestimentos de tesselas…
• Aparelho (de acordo com a disposição
dos materiais no muro):
Arquitetura: os aquedutos
Os romanos
inseriram na
sua cultura a
tradição da
representação
teatral dos
gregos.
Arquitetura: teatro romano
Colunas Comemorativas
• Tem a mesma finalidade que o arco
de triunfo.
• O fuste é gravado, de forma
helicoidal, com os momentos
principais da história romana.
• A mais importante é a coluna de
Trajano:
Baixos-relevos
Estátuas de deuses,
de imperadores ou
de chefes militares.
Escultura: Realismo
Retrato
Materiais utilizados nas esculturas:
• Bronze
• Mármore
Pintura
• Decorativa,
• De dois tipos:
• Pintura mural - técnica do fresco;
• Pintura móvel – sobre tábuas, por exemplo (têmpera)
• Presente na decoração das casas e templos, bem como das cerâmicas ou
nos vidros.
Temas:
- Elementos da natureza: fauna e flora;
- Cenas domésticas;
- Figura humana.
Pintura: frescos
Características:
- Realismo;
- Cores vivas.
Artes decorativas: peças de joalharia
A religião romana baseava-se na crença em muitos deuses.
Os romanos eram, por isso,
A religião estava presente em todos os momentos da vida dos
Romanos.
na vida privada na vida pública
Altar
doméstico
Templo
A religião
- realizava-se nos templos;
- dirigia-se aos deuses protetores
da cidade;
- organizado pelos sacerdotes e
pelas sacerdotisas.
Influência grega
CULTO PÚBLICO
As crenças religiosas: o culto
Cidadão romano segurando bustos
dos seus antepassados.
Ofertas aos
deuses
Penates,
protetores
dos
alimentos.
CULTO PRIVADO
Os romanos, inicialmente, eram tolerantes em relação à religião.
À medida que foram conquistando outros povos, os romanos foram
integrando na sua religião deuses de outros territórios.
Mitra, da Pérsia
Ísis, do Egito
Cibele, da
Ásia Menor
Júpiter
Vénus Juno CeresMarte
Minerva
Apolo
As crenças religiosas: alguns deuses romanos
Diana
Mercúrio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romanaCarla Freitas
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1cattonia
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3cattonia
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romanoVítor Santos
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualizaçãocattonia
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaCarlos Pinheiro
 
Uma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeUma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeCarla Teixeira
 
A arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoA arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoMaria Gomes
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseLojinha da Flor
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaPatricia .
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana eb23ja
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte gregacattonia
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraHca Faro
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direitoNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais procurados (20)

Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
Uma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeUma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidade
 
A arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoA arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romano
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 

Semelhante a Roma (20)

A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
O mundo romano
O mundo romanoO mundo romano
O mundo romano
 
1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01
 
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
A cultura do belo ii
A cultura do belo iiA cultura do belo ii
A cultura do belo ii
 
civilização romana.pdf
civilização romana.pdfcivilização romana.pdf
civilização romana.pdf
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
ImpéRio Romano
ImpéRio RomanoImpéRio Romano
ImpéRio Romano
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
_ROMA ANTIGA (1).ppt
_ROMA ANTIGA (1).ppt_ROMA ANTIGA (1).ppt
_ROMA ANTIGA (1).ppt
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxcattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxcattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxcattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxcattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digitalcattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesacattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundocattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço portuguêscattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivcattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimentocattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europacattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalizaçãocattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmoscattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social iicattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do socialcattonia
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra friacattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
 

Último

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 

Último (20)

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 

Roma

  • 1. História 7.ºAno O mundo romano no apogeu do Império
  • 4. Localização no espaço O império romano desenvolve-se a partir da cidade de Roma, junto ao rio Tibre, na Península Itálilica, região do Lácio.
  • 5. A evolução de Roma • Segundo historiadores, a Civilização Romana é resultado da mistura dos povos que habitaram a região da Península Itálica. De entre esses povos, podemos destacar os latinos, os gregos, os etruscos e os sabinos. • Entre 753 e 509 a.C., Roma foi governada pelos etruscos, que implantaram uma Monarquia. • Com a morte de Tarquínio, Roma torna- -se uma República. Foi a fase das conquistas e da expansão da sua civilização.
  • 6. A expansão de Roma O império romano conquista todo o Mediterrâneo, desde a Ásia Menor até à Península Ibérica.
  • 7. Títulos conferidos ao imperador, ou por ele assumidos: Imperador :'Comandante' Pater Patriae: 'Pai da Pátria' Pontifex Maximus: ‘Sacerdote Supremo' O Poder Imperial
  • 8. A Romanização Agentes e fatores de romanização: • O exército; • A língua (o latim); • O direito; • A administração; • As obras públicas; • A rede de estradas; • A religião… Romanização: difusão da cultura, costumes, enfim, da civilização romana pelos povos conquistados.
  • 9. A Romanização – O exército couraça (armadura) capacete “pilum” (dardo pesado) “gládium” (espada curta) “scutum” (escudo)
  • 10. Summum Dorsum: (pedras com areia e terra) Rudus: seixos ligados com argamassa e batidos com maços. Statument: Gravilha com superfície arqueada para facilitar o escoamento da água das chuvas. Pavimentum: Pedra Fossa: Recebe a água das chuva Técnicas de construção das estradas As estradas possibilitavam uma melhor e mais rápida deslocação de tropas, comerciantes e funcionários imperiais.
  • 11. Marco miliário. Colocados nas bermas das estradas, indicam as distâncias percorridas e a percorrer até determinado lugar. Principais estradas do Império Romano. Estradas de acesso à cidade de Roma. “Todos os caminhos vão dar a Roma” Os caminhos romanos
  • 12. O Latim e o Direito Latim focus scola Português fogo escola Italiano fuoco scuola Francês feu école Romeno foc scoala Castelhan o fuego escuel a A expansão romana impôs o latim, permitindo a comunicação e dando origem às línguas modernas. Em 212, o imperador Caracala concedeu o direito de cidadania a todos os habitantes do império. As leis romanas (ou seja, o Direito), garantiam a obediência e a igualdade de tratamento entre os cidadãos do Império.
  • 13. Urbana – Surgimento de numerosas cidades e desenvolvimento das já existentes. Nestes locais consumia-se grande quantidade e variedade de produtos. Reconstituições da cidade de Roma. Economia Romana
  • 14. Comercial- Em todo o Império Romano a circulação e transação de mercadorias era intensa.
  • 15.
  • 16. Monetária – O comércio realizava-se com a utilização de moeda. Normalmente as moedas tinham numa das faces a efigie do imperador que as mandava cunhar.
  • 17. Esclavagista – assentava na existência de escravos, que realizavam todas as tarefas. Os escravos podiam nascer escravos ou tornarem-se por dívidas, prisioneiros de guerra, mau comportamento…
  • 18. Com as conquistas, Roma torna-se um verdadeiro império. O poder muda (27 a.C.) e a sociedade também muda. A sociedade Romana
  • 20. Viver nas Insulae Insulae - casas de habitação parecidas com os nossos prédios de apartamentos de hoje em dia, habitualmente com lojas no rés-do-chão. Era o local onde os mais pobres viviam.
  • 21. Viver nas Domus Os mais ricos que viviam nas cidades, habitavam nas Domus, casas grandes e confortáveis.
  • 22. Viver nas villae Os que viviam no campo, possuíam grandes casas com termas, jardins e mesmo teatros privados. A estas casas chamamos villae.
  • 23. Reconstituição O interior das casas mais ricas.
  • 24. A cidade As tabernae, lojas onde se comprava comida ou onde se tomavam refeições. Em muitas cidades existiam latrinas públicas.
  • 25. Os romanos dedicavam-se à política, ao comércio e artesanato. Passavam o dia no fórum. Os mais ricos passavam ainda grande parte do dia nas termas e banhos, que funcionavam também como locais de reunião e convívio.
  • 26. Aqui cuidamos da higiene, conversamos, jogamos, lemos, recitamos poesia, comemos e, ainda, podemos recorrer ao massagista , fazer exercício físico e cortar o cabelo. Esfregamos o corpo com azeite e raspamos com o estrigil. Temos tanques de água quente, morna e fria. Hipocausto para aquecimento das piscinas
  • 27. As mulheres As raparigas não costumavam ir à escola. Aprendiam a fiar, tecer, cozer, cozinhar e gerir a casa. Todavia, tinham mais liberdade do que as gregas.
  • 28. A educação Aqueles que podiam, mandavam os filhos aos 6 ou 7 anos estudar com mestres que os ensinavam a ler, escrever, contar e resolver problemas. Mais tarde, podiam aprender grego, literatura e retórica, para aprender a discursar em público.
  • 29. A cultura A cultura romana resultou de um processo de síntese (original) da cultura etrusca; da grega, que lhe forneceu modelos artísticos, literários, filosóficos e religiosos, e ainda da oriental, que lhe incutiu o gosto pela monumentalidade, pelo conforto, pelo luxo e também pelo misticismo. Reflete o espírito prático dos romanos: por exemplo, a História serviu para relatar os factos passados e ser uma lição e uma forma de passar aos outros a grandeza da sua pátria. De facto, ao contrário dos Gregos para quem todas as coisas tinham que ser belas, os Romanos sentiam que todas as coisas tinham que ser úteis.
  • 30. A cultura A literatura e as ciências conheceram também um grande desenvolvimento, destacando- se nomes como o de Tito Lívio e Tácito (na História); Virgílio, Horácio ou Ovídio (autores de ficção), Plauto (escritor de comédias) ou Séneca, um dos filósofos mais importantes da Antiguidade. Muitas vezes, estes autores e outros artistas obtinham a proteção de homens ricos e poderosos, que lhes concediam patrocínios – eram os Mecenas.
  • 31. A civilização Romana: o urbanismo O urbanismo foi um dos pontos fundamentais na organização da civilização romana: o espaço urbano era pensado segundo as ideias pragmáticas romanas: traçado regular das ruas, segundo um plano Norte-Sul (Cardus) e Este-Oeste (Decumanus). No centro destes dois eixos, localizava-se o Fórum.
  • 32. Fórum da cidade de Roma (praça onde decorria a vida pública). Na atualidade Reconstituição
  • 33. Os edifícios eram todos construídos tendo por base a sua utilidade: pontes, aquedutos, fóruns, termas, estradas, saneamento, anfiteatros, teatros, circos… Ou então, por demonstrarem a importância do Império, como no caso dos Arcos de Triunfo.
  • 34. No Coliseu havia combates envolvendo animais e seres humanos – os gladiadores. Chegaram a fazer-se recriações de batalhas navais.
  • 35. A arte romana A arte romana foi influenciada pela grega e pela etrusca. As grandes construções belas da Grécia deram lugar a grandes construções com fins úteis na Roma Antiga. Assim, as principais características são: • A monumentalidade e grandeza das construções; • A solidez e durabilidade; • A utilização de elementos de origem grega; • O carácter funcional das obras.
  • 36. A arquitetura • Influenciada pela arte grega, mas com aspetos inovadores (podium, pilastras e frisos dedicatórios); • Adopção das três ordens arquitetónicas, com preferência para a Coríntia; • Monumentalidade das construções; • Subversão do sentido da proporção; • Valorização da imponência dos edifícios; • Introdução de novos materiais e técnicas de construção; • Construções com intenções comemorativas e propagandísticas.
  • 37. Arquitetura • Elementos de suspensão: - muros, - Colunas, - Pilares e pilastras, - Uso dos elementos das ordens arquitetónicas gregas (mais a toscana e a compósita romanas). • Elementos sustentados: - cúpulas, - Arco de volta perfeita; - Abóbadas de berço…
  • 38. Materiais de construção • Cimento; • Betão (opus caementicium); • Mosaicos; • Revestimentos de tesselas… • Aparelho (de acordo com a disposição dos materiais no muro):
  • 40. Os romanos inseriram na sua cultura a tradição da representação teatral dos gregos. Arquitetura: teatro romano
  • 41. Colunas Comemorativas • Tem a mesma finalidade que o arco de triunfo. • O fuste é gravado, de forma helicoidal, com os momentos principais da história romana. • A mais importante é a coluna de Trajano:
  • 42. Baixos-relevos Estátuas de deuses, de imperadores ou de chefes militares. Escultura: Realismo
  • 43. Retrato Materiais utilizados nas esculturas: • Bronze • Mármore
  • 44. Pintura • Decorativa, • De dois tipos: • Pintura mural - técnica do fresco; • Pintura móvel – sobre tábuas, por exemplo (têmpera) • Presente na decoração das casas e templos, bem como das cerâmicas ou nos vidros.
  • 45. Temas: - Elementos da natureza: fauna e flora; - Cenas domésticas; - Figura humana. Pintura: frescos Características: - Realismo; - Cores vivas.
  • 47. A religião romana baseava-se na crença em muitos deuses. Os romanos eram, por isso, A religião estava presente em todos os momentos da vida dos Romanos. na vida privada na vida pública Altar doméstico Templo A religião
  • 48. - realizava-se nos templos; - dirigia-se aos deuses protetores da cidade; - organizado pelos sacerdotes e pelas sacerdotisas. Influência grega CULTO PÚBLICO As crenças religiosas: o culto
  • 49. Cidadão romano segurando bustos dos seus antepassados. Ofertas aos deuses Penates, protetores dos alimentos. CULTO PRIVADO
  • 50. Os romanos, inicialmente, eram tolerantes em relação à religião. À medida que foram conquistando outros povos, os romanos foram integrando na sua religião deuses de outros territórios. Mitra, da Pérsia Ísis, do Egito Cibele, da Ásia Menor
  • 51. Júpiter Vénus Juno CeresMarte Minerva Apolo As crenças religiosas: alguns deuses romanos Diana Mercúrio