SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 117
Baixar para ler offline
História da Cultura e das Artes
Módulo 6
12.º ano
A Cultura do Palco
Muitos palcos, um espetáculo
Prof. Carlos Pinheiro
1618-1715
O Tempo
O tempo que vai de
1618-1715 é designado
de Antigo Regime.
Foi o período do
Barroco e do
absolutismo
monárquico.
O Tempo
• Conflitos armados por motivos religiosos,
económicos e políticos,. Ex. Guerra dos
Trinta Anos.
• Dissidências religiosas na Europa e no
interior dos próprios estados (resultantes da
Reforma e da Contrarreforma).
• Os Países Baixos conquistam a
independência em relação à Espanha e
tornam-se importantes repúblicas marítimas
e comerciais.
• Instauração do Absolutismo Régio
(Espanha, Portugal, Rússia e França, a
par do triunfo do Parlamentarismo
(Inglaterra).
Contudo, alguns historiadores consideram-no uma época de crise generalizada a
vários domínios:
O Tempo
O Tempo
O Tempo
D. João V Pedro, o Grande Catarina II da Rússia Luís XIV
• Mercantilismo
Economia
O Tempo
Sociedade
• Sociedade de ordens – estratificada e hierarquizada.
• A convivência de opostos, entre a liberdade e a proibição na produção
cultural, artística, cientifica e técnica e na vida da corte versus misticismo.
Cultura
Jean François de TROY, Um almoço de caça, 1737Retrato de Luís XIV
Antoine le Nain, Família de camponeses, óleo sobre tela,113 x 159 cm (1640)
Loius le Nain, A carroça, óleo sobre tela. 56 x 72 cm (1641)
Auto de fé – Terreiro do Paço, Lisboa
Os Palcos
CORTE
IGREJA
ACADEMIA
ÓPERA
O Espaço
 Corte – círculo de pessoas que rodeavam um grande
senhor: príncipe, bispo, aristocrata (também designa a
casa/palácio)
 Era habitada pela família do dignitário e sua
criadagem.
 No caso dos reis e príncipes a corte era frequentada
por outros nobres, diplomatas, embaixadores, artistas
e literatos.
 Os habitantes ou frequentadores da corte eram os
cortesãos.
O Espaço
 A corte – o modelo de Versalhes
 Corte-Estado de Luís XIV:
• Tinha por finalidade regulamentar as dependências sociais da
aristocracia através de um código de comportamentos e
etiqueta que orientavam os cortesãos para a obediência e
culto à pessoa do Rei.
• Tudo isto através de cerimónias e rituais específicos.
 A corte de Luís XIV, símbolo do poder real exibiu luxo e
pompa, um ambiente requintado de aparência sedutora
que alimentava uma nobreza acrítica, fútil e sem profissão,
ocupada por uma vertigem de diversões: festas e bailes
galantes, sessões de leitura, representações teatrais com
ballet de cour, cerimónias e jogos esplendorosos, paradas,
caçadas e torneios.
Charles Le Brun, Chancellor Séguier at the Entry of Louis XIV into Paris,1655-1661, óleo
sobre tela, 295 cm x 351 cm.
Claude Guy Hallé, Réparation faite à Louis XIV par le doge de Gênes
Francesco Maria Lercari Imperiale, 15 mai 1685, óleo sobre tela,1715
O Espaço
 A corte – o modelo de Versalhes
 Palácio de Versalhes – cenário do modelo do modelo
político e social de Luís XIV
 Em 1744, albergava 10 mil habitantes.
O Espaço
 A corte – o modelo de Versalhes
Palácio de Versalhes
O Palácio passou de 700
habitantes em 1664, para
10.000 em 1744.
Representou a monarquia
absoluta de 1682 a 1789.
Embora dentro do espírito
barroco, nas fachadas,
nos jardins e espelhos de
água, é também um
exemplo do classicismo
pela simetria, harmonia e
regularidade.
Versalhes é um
espetáculo posto num
palco onde tudo converge
para a glória do Rei:
arquitetura, pintura,
escultura, ornamentação,
mobiliário e jardins.
tecto do salão da paz
O Espaço
Outros Palcos
 A igreja:
 Palco da luta contra o Protestantismo e a favor da Contrarreforma;
 Igreja empenhada em seduzir os crentes, tinha as artes ao seu serviço;
 Utilização da imagem plástica, visual e auditiva como meio de
propaganda e de doutrinação.
O Espaço
Outros Palcos
 A Academia:
 Sociedades de escritores, artistas e cientistas formadas com o objetivo
de aprofundar as suas áreas do saber (Ex. Academia Francesa, criada
em 1634, Academia Real da Pintura e Escultura, 1648, Academia Real
da Dança, 1661)
 O teatro e a ópera:
 O teatro e mais tarde a ópera foram usados como meios de
exaltação do Rei e da ocupação da corte;
 As representações ocupavam, nos palácios locais ao ar livre ou salas
próprias;
 As salas foram evoluindo ao estilo do teatro italiano.
Sala da Ópera do Palácio de Versalhes
A revolução científica
 O século XVII foi um tempo de revolução científica e de
racionalismo.
• A ciência tornou-se uma atividade profissional.
• Rompeu com misticismos e justificações teológicas e mágicas,
sem pôr em causa a existência de Deus.
• A física, a astronomia, a biologia e a química
demarcaram-se da metafísica do conhecimento empírico,
tornaram-se ciências autónomas.
Bases do método experimental
Confirmação da teoria heliocêntrica
Lei da Gravitação Universal
Para-Raios
Pilha elétrica
Química moderna
Sistema de circulação do sangue
Passarola Voadora
Balões de ar aquecido
Máquina a vapor
Microscópio
Exploração do oceano Ártico
Navegação pelo círculo polar antártico
Exploração das ilhas do oceano Pacífico
Bacon e Galileu
Galileu
Newton
Benjamin Franklin
Volta e Galvani
Lavoisier
Harvey
P. Bartolomeu de Gusmão
Irmãos Montgolfier
James Watt
Leeuwenhoek
Bering
James Cook
La Pérouse
Arte e retórica – a arquitetura
O espírito do Barroco correspondeu a um tempo em que os
homens e mulheres, movendo-se como atores, representaram
a sua própria vida no palco que era o mundo.
Sendo mais que um estilo, o Barroco traduziu as convulsões do
seu tempo, um mundo abalado por conflitos sociais e
religiosos e todo o tipo de guerras.
Todas as formas de arte tinham uma dupla função – fascinar
os sentidos e transmitir uma forte mensagem ideológica.
Nas cerimónias religiosas, à pompa e ao esplendor
contrapôs-se um profundo sentido de fé e crença religiosa, e
ao prazer dos sentidos a consciência objetiva da morte.
Renascimento
 Equilíbrio, medida,
sobriedade, racionalismo
e lógica.
 Sereno, comedido
 Apela à razão
Barroco
 Movimento, ânsia de
novidade, amor pelo
infinito, pelos contrastes
e pela misturas de
todas as artes.
 Dramático, teatral,
exuberante;
 Apela ao instinto, aos
sentidos, à fantasia
Barroco
Barroco
 A arte barroca destina-se a persuadir, a estimular as
emoções pelo movimento curvilíneo, real ou aparente, pelos
jogos de luz e sombra, pela busca do infinito, do teatral, do
fantástico e do cenográfico.
 Mais do que antes, consolida-se a associação entre a
Arte e o Poder.
Arquitetura Barroca
Arquitetura religiosa
O barroco arquitetónico nasceu da fantástica reconstrução que os papas da
Contrarreforma executaram em Roma, seguindo as diretrizes saídas do
Concílio de Trento.
Arquitetura Barroca
Arquitetura religiosa
Características:
Plantas de múltiplas formas: curvas,
elípticas, trapezoidais e até estreladas.
Nave única retangular alongada ou elíptica.
Planta da Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza Planta da Basílica de S. Pedro, 1656-57, Roma
Arquitetura Barroca
Arquitetura religiosa
Características:
Paredes ondulantes, cobertas de estuques, pinturas
ou talha dourada (em Portugal também de azulejos)
Coberturas: cúpulas e abóbadas de tamanho colossal
sustentadas, no exterior, por contrafortes decorados
e disfarçados por volutas ou orelhões.
Basílica de S. Pedro, 1656-57, Roma
Interior e cúpula
Arquitetura Barroca
Arquitetura religiosa
Características:
Fachada principal com uma acumulação de
decoração vertical (esculturas, cartelas,
frontões, colunas)
Linhas curvas, não só nos elementos
decorativos como também nas fachadas dos
edifícios (cujas formas são, por vezes,
onduladas), introduzindo-se, assim, contraste
e movimento na sua estrutura;
Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
Arquitetura Barroca
Arquitetura religiosa
Características (interior):
A decoração no interior da igreja era feita para dilatar o espaço e
aumentar a noção de movimento.
1. As paredes cobrem-se de pinturas a fresco segundo linhas ondulantes,
com figuras voadoras e anjos que ascendem ao infinito, rodeados por uma
luz celestial na procura de Deus.
2. Pintadas em trompe-l’oeil, são valorizadas pela luz vinda dos janelões.
3. As composições reescrevem a história da religião, mostram o virtuosismo
dos pintores do Barroco.
Apoteose de Santo Inácio, Igreja de Santo Inácio de Loyola-Roma, Andrea Pozzo O trompe-l’oeil
Bernini, Praça de S. Pedro
Borromini ,Interior e exterior da Igreja de San Carlos alle Quattro Fontane (1638-1667).
Cúpula da Igreja da Santa Inês de Roma.
Cúpula da Igreja de Sant’Andrea della Valle, em Roma
Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
Igreja do Senhor da Cruz em Barcelos, Portugal (1710) Torre dos Clérigos, Porto, Portugal (1754- 1763 )
Talha dourada no interior da igreja de S. Francisco no Porto
Interior da Igreja da Misericórdia (Viana do Castelo)
Fachada do Obradoiro (fachada principal, orientada a ocidente), da Catedral de Santiago de
Compostela.
Igreja de Santa Prisca, Taxco México
Igreja do Convento de San Francisco, Lima, Peru
Arquitetura Barroca
 Arquitetura civil
Características:
1. Expressão de um poder absolutista e capitalista: só os nobres, pontífices, alta
burguesia e reis construíam os seus palácios e villas.
2. Planta em U ou duplo U: permite uma maior articulação com o exterior, praças ou
jardins.
3. Fachada era a parte mais importante do palácio.
a) Pilastras colossais ligavam o rés-do-chão aos outros pisos (1º andar ou piano
nobile).
b) O corpo central e a porta eram as superfícies com mais decoração.
4. Interiormente o piano nobile tinha ao centro um grande salão de festas.
5. A ligar os diferentes andares existiam escadas com dois lanços simétricos.
6. A arte do jardim foi aqui desenvolvida e enriquecida com bosques, grutas,
labirintos:
a) Eram organizados segundo um eixo que seguia o eixo central do palácio.
b) Este eixo era dividido segundo um esquema de linhas transversais e radiais.
c) Este esquema criado em França passou a ser conhecido por Jardim à
Francesa.
Borromini, Oratorio dei Filippini (1667)
Guarini, Palácio Carignano (1679)
Palácio de Caça Stupinigi, 1729-1733, Itália, de Filipo Juvara
Palácio de Caça Stupinigi, 1729-1733, Itália, de Filipo Juvara (interior)
Louis le Vau e Jules Hardouin-Mansart , Palácio de Versalhes (1668-1690).
Nasoni, Palácio do Freixo, no Porto (meados do século XVIII).
Nasoni , Solar de Mateus, em Vila Real (princípios do século XVIII).
Ludovice, Palácio Nacional–Convento de Mafra (1717-1730).
Schloss Augustusburg Bruehl (Alemanha)
Wilanow Palace (Varsóvia)
Greenwich Hospital from Thames (Londres)
Koninlijk Paleis (Amesterdão)
Seaton Delaval Hall. Inglaterra
Chateau Vaux le Vicomte
Chateau de Maison Lafitte
Chateau de Dampierre en Yvelines
Copenhagen Amalienborg
Palácio de Barberini
• Aparece muitas vezes associada à
arquitetura
• Gestos teatrais, repletos de dramatismo.
• Preferência por cenas ou posições em
movimento, de equilíbrio instável e por
formas serpentinadas de sentido
ascendente.
• Faces expressivas e roupas esvoaçantes,
criando efeitos de luz e movimento.
• Exuberância das formas.
• Realismo.
Principais características
Bernini
Principais escultores
Bernini, Apolo e Dafne (1622-1624)
 Materiais usados
 Mármore, bronze, ouro, prata, marfim, estuques, madeira policromada.
 Temas:
 Vidas de santos e mártires, temas marianos (os que dizem respeito à Sagrada
Família e à Imaculada Conceição), temas ligados à vida de Cristo (a Paixão e
o Calvário), à eucaristia, às virtudes cristãs e à figura papal. Os temas
tratados tinham funções didáticas e de autoafirmação da Fé e do poder da
Igreja Católica
Bernini, Ludovica,1674
Bernini, O Rapto de Perséfone (1622)
Bernini, David (1623-24)
Bernini, David (1623-24)
Bernini, David (1623-24)
Bernini, Apolo e Dafne (1622-1624)
Bernini, Baldaquino da Basílica de S. Pedro (1624-1633; bronze dourado com quase 30 m de altura).
Bernini, O Êxtase de Santa Teresa (1647-1652).
Bernini, O Êxtase de Santa Teresa (1647-1652).
Bernini, Ludovica,1674
Bernini, Ludovica (pormenor),1674
Bernini, Túmulo do Papa Alexandre VII
(1671-78). Mármores policromos, bronze e outras pedras. Basílica de S. Pedro, Roma.
Bernini, Túmulo do Papa Alexandre VII
(Pormenor)
Martino Longhi, Fachada da Igreja de S. Vicenzo de Atanazo (1646-1650)
Machado de Castro, Estátua de D. José I, na Praça do Comércio em Lisboa (1775).
Machado de Castro, Presépio da Madre de Deus, Lisboa
• Efeito claro/escuro, sendo certas
zonas do quadro especialmente
iluminadas, em contraste com áreas
sombrias, onde se usam cores mais
escuras;
• Linhas curvas e diagonais, que
sugerem movimento;
• Dramatismo e a teatralidade, com
figuras retratadas de forma exagerada,
manifestando emoções fortes, como a
tristeza ou a dor.
• Irracional
Principais características
 Caravaggio
 Rembrandt
 Rubens
 Velásquez
Principais pintores
Caravaggio, Deposição de CristoCaravaggio, Deposição de Cristo
A pintura barroca apresenta diversidade
temática nunca antes encontrada,
distribuindo-se por temas
religiosos, profanos, mitológicos, retratos,
paisagem, cenas de género e natureza-
morta.
Na pintura barroca é valorizado o
acontecimento e a ação, através duma
composição aberta, onde o espaço se
define por movimentos e/ou impulsos
centrífugos, de dentro para fora ou
através de linhas oblíquas, curvilíneas
ou retas.
Carraci, A Assunção da Virgem, 1600-1601,
óleo sobre tela, 245 x 155 cm, Roma, Santa
Maria del Popolo, Cappella Cerasi.
Principais características
Caravaggio, Vocação de São Mateus (1599-1600)
A luz é rasante e focalizada e chama a atenção do espectador para certas zonas do
quadro, orientando a leitura da obra. A cor é pura e cálida, persuasiva, incisiva e
forte, de modo a captar e sensibilizar o espectador através dos sentidos.
Caravaggio, Cesto de Fruta (Natureza-Morta) (c. 1599)
Caravaggio, Flagelação de Cristo (1607)
Caravaggio, Crucificação de S. Pedro (1601)
Rembrandt, A lição de Anatomia do Dr. Tulp (1632)
Rembrandt, A Ronda da Noite (1642)
Rubens, A Adoração dos Magos (1609)
Rubens, A queda de Féton (c. 1604/1605)
Pietro da Cortona, Trunfo da Divina Providência, frescos da abóboda do grande Salão do Palácio B arberini (1633-39). Roma
Annibale
Carraci,
Galeria
Farnese (c.
1600),
Palácio
Farnese.
Roma
Velásquez , Vénus olhando-se ao espelho (1644-1648).
Johannes Vermeer, Rapariga com Brinco de Pérola (1665-1666)
Josefa de Óbidos, Calvário (1679)
Josefa de Óbidos, Natureza-morta (1676)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura góticaVítor Santos
 
A cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualizaçãoA cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualizaçãocattonia
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaCarla Freitas
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugalAna Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ana Barreiros
 
Módulo 6 arquitetura barroca
Módulo 6   arquitetura barrocaMódulo 6   arquitetura barroca
Módulo 6 arquitetura barrocaCarla Freitas
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoHca Faro
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em PortugalCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualizaçãoCarla Freitas
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCarlos Vieira
 

Mais procurados (20)

03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
A cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualizaçãoA cultura do palco - contextualização
A cultura do palco - contextualização
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Módulo 6 arquitetura barroca
Módulo 6   arquitetura barrocaMódulo 6   arquitetura barroca
Módulo 6 arquitetura barroca
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do Salão
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Lourenço Médicis
Lourenço MédicisLourenço Médicis
Lourenço Médicis
 

Destaque

Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesTânia Domingos
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio Iluisant
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCarlos Vieira
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosferaHugo Martins
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barrocaAna Stark
 
Real Edificio De Mafra
Real Edificio De MafraReal Edificio De Mafra
Real Edificio De Mafraluisornelas
 
Arte Barroca Arquitectura
Arte Barroca ArquitecturaArte Barroca Arquitectura
Arte Barroca Arquitecturahcaslides
 
O barroco francês
O barroco francêsO barroco francês
O barroco francêsmirandakika
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em françaAna Barreiros
 
Pintura Barroca: Caravaggio
Pintura Barroca: CaravaggioPintura Barroca: Caravaggio
Pintura Barroca: CaravaggioE. La Banda
 
Van Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaVan Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaCarlos Pinheiro
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalPedro Silva
 
Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...Ana Barreiros
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científicacattonia
 

Destaque (20)

Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio I
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
TEA abril 2015
TEA abril 2015TEA abril 2015
TEA abril 2015
 
Musica Barroca
Musica BarrocaMusica Barroca
Musica Barroca
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 
Luís XIV - Rei-Sol (2)
Luís XIV - Rei-Sol (2)Luís XIV - Rei-Sol (2)
Luís XIV - Rei-Sol (2)
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Real Edificio De Mafra
Real Edificio De MafraReal Edificio De Mafra
Real Edificio De Mafra
 
Arte Barroca Arquitectura
Arte Barroca ArquitecturaArte Barroca Arquitectura
Arte Barroca Arquitectura
 
LA PINTURA BARROCA. CARAVAGGIO.
LA PINTURA BARROCA. CARAVAGGIO.LA PINTURA BARROCA. CARAVAGGIO.
LA PINTURA BARROCA. CARAVAGGIO.
 
O barroco francês
O barroco francêsO barroco francês
O barroco francês
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em frança
 
Pintura Barroca: Caravaggio
Pintura Barroca: CaravaggioPintura Barroca: Caravaggio
Pintura Barroca: Caravaggio
 
Van Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaVan Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completa
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugal
 
Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 

Semelhante a A cultura do palco

A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfssuser3b314d
 
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palcoHistória da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palcoJoão Couto
 
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Carlos Teodoro
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordensrestauracao
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecCLEBER LUIS DAMACENO
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeVítor Santos
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocassofiasimao
 
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e MédiaUFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e MédiaNome Sobrenome
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8aFelipe18b
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoDenis Gasco
 

Semelhante a A cultura do palco (20)

A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
 
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palcoHistória da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
 
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
 
1181
11811181
1181
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
O barroco 1
O barroco 1O barroco 1
O barroco 1
 
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse LautrecArte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
Arte Românica e Gótica / 3º ano Médio Toulouse Lautrec
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
 
Rococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11ºRococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11º
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
ARTE BARROCA
ARTE BARROCAARTE BARROCA
ARTE BARROCA
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e MédiaUFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
UFCD CLC6 - Cultura Comunicação e Média
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a
 
Aula 05 arte medieval
Aula 05 arte medievalAula 05 arte medieval
Aula 05 arte medieval
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
 

Mais de Carlos Pinheiro

Formação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCFormação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCCarlos Pinheiro
 
Videoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresVideoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresCarlos Pinheiro
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisCarlos Pinheiro
 
Ensino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresEnsino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresCarlos Pinheiro
 
Formulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresFormulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresCarlos Pinheiro
 
Edpuzzle: guia para professores
Edpuzzle:  guia para professoresEdpuzzle:  guia para professores
Edpuzzle: guia para professoresCarlos Pinheiro
 
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalApresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalCarlos Pinheiro
 
Tecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaTecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaCarlos Pinheiro
 
Leitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaLeitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaCarlos Pinheiro
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasCarlos Pinheiro
 
Apresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDApresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDCarlos Pinheiro
 
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escolaCarlos Pinheiro
 
Citações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCitações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCarlos Pinheiro
 
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalManual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalCarlos Pinheiro
 
A gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaA gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaCarlos Pinheiro
 
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoComo fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoCarlos Pinheiro
 
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem  A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem Carlos Pinheiro
 
Ensinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TICEnsinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TICCarlos Pinheiro
 

Mais de Carlos Pinheiro (20)

Formação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCFormação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELC
 
Videoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresVideoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professores
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitais
 
Ensino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresEnsino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professores
 
Formulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresFormulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professores
 
Edpuzzle: guia para professores
Edpuzzle:  guia para professoresEdpuzzle:  guia para professores
Edpuzzle: guia para professores
 
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalApresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
Tecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaTecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aula
 
Leitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaLeitura pública da Ilíada
Leitura pública da Ilíada
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsas
 
Apresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDApresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILD
 
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
 
Citações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCitações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficas
 
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalManual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
A gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaA gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aula
 
Jacques-Louis David
Jacques-Louis DavidJacques-Louis David
Jacques-Louis David
 
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoComo fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
 
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem  A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 
Ensinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TICEnsinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TIC
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 

A cultura do palco

  • 1. História da Cultura e das Artes Módulo 6 12.º ano A Cultura do Palco Muitos palcos, um espetáculo Prof. Carlos Pinheiro
  • 3. O tempo que vai de 1618-1715 é designado de Antigo Regime. Foi o período do Barroco e do absolutismo monárquico. O Tempo
  • 4. • Conflitos armados por motivos religiosos, económicos e políticos,. Ex. Guerra dos Trinta Anos. • Dissidências religiosas na Europa e no interior dos próprios estados (resultantes da Reforma e da Contrarreforma). • Os Países Baixos conquistam a independência em relação à Espanha e tornam-se importantes repúblicas marítimas e comerciais. • Instauração do Absolutismo Régio (Espanha, Portugal, Rússia e França, a par do triunfo do Parlamentarismo (Inglaterra). Contudo, alguns historiadores consideram-no uma época de crise generalizada a vários domínios: O Tempo
  • 5.
  • 7. O Tempo D. João V Pedro, o Grande Catarina II da Rússia Luís XIV
  • 8. • Mercantilismo Economia O Tempo Sociedade • Sociedade de ordens – estratificada e hierarquizada. • A convivência de opostos, entre a liberdade e a proibição na produção cultural, artística, cientifica e técnica e na vida da corte versus misticismo. Cultura
  • 9. Jean François de TROY, Um almoço de caça, 1737Retrato de Luís XIV
  • 10. Antoine le Nain, Família de camponeses, óleo sobre tela,113 x 159 cm (1640)
  • 11. Loius le Nain, A carroça, óleo sobre tela. 56 x 72 cm (1641)
  • 12. Auto de fé – Terreiro do Paço, Lisboa
  • 15.
  • 16. O Espaço  Corte – círculo de pessoas que rodeavam um grande senhor: príncipe, bispo, aristocrata (também designa a casa/palácio)  Era habitada pela família do dignitário e sua criadagem.  No caso dos reis e príncipes a corte era frequentada por outros nobres, diplomatas, embaixadores, artistas e literatos.  Os habitantes ou frequentadores da corte eram os cortesãos.
  • 17. O Espaço  A corte – o modelo de Versalhes  Corte-Estado de Luís XIV: • Tinha por finalidade regulamentar as dependências sociais da aristocracia através de um código de comportamentos e etiqueta que orientavam os cortesãos para a obediência e culto à pessoa do Rei. • Tudo isto através de cerimónias e rituais específicos.  A corte de Luís XIV, símbolo do poder real exibiu luxo e pompa, um ambiente requintado de aparência sedutora que alimentava uma nobreza acrítica, fútil e sem profissão, ocupada por uma vertigem de diversões: festas e bailes galantes, sessões de leitura, representações teatrais com ballet de cour, cerimónias e jogos esplendorosos, paradas, caçadas e torneios.
  • 18. Charles Le Brun, Chancellor Séguier at the Entry of Louis XIV into Paris,1655-1661, óleo sobre tela, 295 cm x 351 cm.
  • 19. Claude Guy Hallé, Réparation faite à Louis XIV par le doge de Gênes Francesco Maria Lercari Imperiale, 15 mai 1685, óleo sobre tela,1715
  • 20. O Espaço  A corte – o modelo de Versalhes  Palácio de Versalhes – cenário do modelo do modelo político e social de Luís XIV  Em 1744, albergava 10 mil habitantes.
  • 21. O Espaço  A corte – o modelo de Versalhes Palácio de Versalhes O Palácio passou de 700 habitantes em 1664, para 10.000 em 1744. Representou a monarquia absoluta de 1682 a 1789. Embora dentro do espírito barroco, nas fachadas, nos jardins e espelhos de água, é também um exemplo do classicismo pela simetria, harmonia e regularidade. Versalhes é um espetáculo posto num palco onde tudo converge para a glória do Rei: arquitetura, pintura, escultura, ornamentação, mobiliário e jardins.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. tecto do salão da paz
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. O Espaço Outros Palcos  A igreja:  Palco da luta contra o Protestantismo e a favor da Contrarreforma;  Igreja empenhada em seduzir os crentes, tinha as artes ao seu serviço;  Utilização da imagem plástica, visual e auditiva como meio de propaganda e de doutrinação.
  • 30. O Espaço Outros Palcos  A Academia:  Sociedades de escritores, artistas e cientistas formadas com o objetivo de aprofundar as suas áreas do saber (Ex. Academia Francesa, criada em 1634, Academia Real da Pintura e Escultura, 1648, Academia Real da Dança, 1661)  O teatro e a ópera:  O teatro e mais tarde a ópera foram usados como meios de exaltação do Rei e da ocupação da corte;  As representações ocupavam, nos palácios locais ao ar livre ou salas próprias;  As salas foram evoluindo ao estilo do teatro italiano.
  • 31. Sala da Ópera do Palácio de Versalhes
  • 32. A revolução científica  O século XVII foi um tempo de revolução científica e de racionalismo. • A ciência tornou-se uma atividade profissional. • Rompeu com misticismos e justificações teológicas e mágicas, sem pôr em causa a existência de Deus. • A física, a astronomia, a biologia e a química demarcaram-se da metafísica do conhecimento empírico, tornaram-se ciências autónomas.
  • 33. Bases do método experimental Confirmação da teoria heliocêntrica Lei da Gravitação Universal Para-Raios Pilha elétrica Química moderna Sistema de circulação do sangue Passarola Voadora Balões de ar aquecido Máquina a vapor Microscópio Exploração do oceano Ártico Navegação pelo círculo polar antártico Exploração das ilhas do oceano Pacífico Bacon e Galileu Galileu Newton Benjamin Franklin Volta e Galvani Lavoisier Harvey P. Bartolomeu de Gusmão Irmãos Montgolfier James Watt Leeuwenhoek Bering James Cook La Pérouse
  • 34. Arte e retórica – a arquitetura O espírito do Barroco correspondeu a um tempo em que os homens e mulheres, movendo-se como atores, representaram a sua própria vida no palco que era o mundo. Sendo mais que um estilo, o Barroco traduziu as convulsões do seu tempo, um mundo abalado por conflitos sociais e religiosos e todo o tipo de guerras. Todas as formas de arte tinham uma dupla função – fascinar os sentidos e transmitir uma forte mensagem ideológica. Nas cerimónias religiosas, à pompa e ao esplendor contrapôs-se um profundo sentido de fé e crença religiosa, e ao prazer dos sentidos a consciência objetiva da morte.
  • 35. Renascimento  Equilíbrio, medida, sobriedade, racionalismo e lógica.  Sereno, comedido  Apela à razão Barroco  Movimento, ânsia de novidade, amor pelo infinito, pelos contrastes e pela misturas de todas as artes.  Dramático, teatral, exuberante;  Apela ao instinto, aos sentidos, à fantasia Barroco
  • 36. Barroco  A arte barroca destina-se a persuadir, a estimular as emoções pelo movimento curvilíneo, real ou aparente, pelos jogos de luz e sombra, pela busca do infinito, do teatral, do fantástico e do cenográfico.  Mais do que antes, consolida-se a associação entre a Arte e o Poder.
  • 37.
  • 38. Arquitetura Barroca Arquitetura religiosa O barroco arquitetónico nasceu da fantástica reconstrução que os papas da Contrarreforma executaram em Roma, seguindo as diretrizes saídas do Concílio de Trento.
  • 39. Arquitetura Barroca Arquitetura religiosa Características: Plantas de múltiplas formas: curvas, elípticas, trapezoidais e até estreladas. Nave única retangular alongada ou elíptica. Planta da Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza Planta da Basílica de S. Pedro, 1656-57, Roma
  • 40. Arquitetura Barroca Arquitetura religiosa Características: Paredes ondulantes, cobertas de estuques, pinturas ou talha dourada (em Portugal também de azulejos) Coberturas: cúpulas e abóbadas de tamanho colossal sustentadas, no exterior, por contrafortes decorados e disfarçados por volutas ou orelhões. Basílica de S. Pedro, 1656-57, Roma Interior e cúpula
  • 41. Arquitetura Barroca Arquitetura religiosa Características: Fachada principal com uma acumulação de decoração vertical (esculturas, cartelas, frontões, colunas) Linhas curvas, não só nos elementos decorativos como também nas fachadas dos edifícios (cujas formas são, por vezes, onduladas), introduzindo-se, assim, contraste e movimento na sua estrutura; Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
  • 42. Arquitetura Barroca Arquitetura religiosa Características (interior): A decoração no interior da igreja era feita para dilatar o espaço e aumentar a noção de movimento. 1. As paredes cobrem-se de pinturas a fresco segundo linhas ondulantes, com figuras voadoras e anjos que ascendem ao infinito, rodeados por uma luz celestial na procura de Deus. 2. Pintadas em trompe-l’oeil, são valorizadas pela luz vinda dos janelões. 3. As composições reescrevem a história da religião, mostram o virtuosismo dos pintores do Barroco.
  • 43. Apoteose de Santo Inácio, Igreja de Santo Inácio de Loyola-Roma, Andrea Pozzo O trompe-l’oeil
  • 44.
  • 45. Bernini, Praça de S. Pedro
  • 46. Borromini ,Interior e exterior da Igreja de San Carlos alle Quattro Fontane (1638-1667).
  • 47. Cúpula da Igreja da Santa Inês de Roma.
  • 48. Cúpula da Igreja de Sant’Andrea della Valle, em Roma
  • 49.
  • 50. Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
  • 51. Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
  • 52. Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
  • 53. Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
  • 54. Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
  • 55. Igreja de Santa Maria da Saúde, 1631, Veneza
  • 56. Igreja do Senhor da Cruz em Barcelos, Portugal (1710) Torre dos Clérigos, Porto, Portugal (1754- 1763 )
  • 57. Talha dourada no interior da igreja de S. Francisco no Porto
  • 58. Interior da Igreja da Misericórdia (Viana do Castelo)
  • 59. Fachada do Obradoiro (fachada principal, orientada a ocidente), da Catedral de Santiago de Compostela.
  • 60. Igreja de Santa Prisca, Taxco México
  • 61. Igreja do Convento de San Francisco, Lima, Peru
  • 62. Arquitetura Barroca  Arquitetura civil Características: 1. Expressão de um poder absolutista e capitalista: só os nobres, pontífices, alta burguesia e reis construíam os seus palácios e villas. 2. Planta em U ou duplo U: permite uma maior articulação com o exterior, praças ou jardins. 3. Fachada era a parte mais importante do palácio. a) Pilastras colossais ligavam o rés-do-chão aos outros pisos (1º andar ou piano nobile). b) O corpo central e a porta eram as superfícies com mais decoração. 4. Interiormente o piano nobile tinha ao centro um grande salão de festas. 5. A ligar os diferentes andares existiam escadas com dois lanços simétricos. 6. A arte do jardim foi aqui desenvolvida e enriquecida com bosques, grutas, labirintos: a) Eram organizados segundo um eixo que seguia o eixo central do palácio. b) Este eixo era dividido segundo um esquema de linhas transversais e radiais. c) Este esquema criado em França passou a ser conhecido por Jardim à Francesa.
  • 63. Borromini, Oratorio dei Filippini (1667)
  • 65. Palácio de Caça Stupinigi, 1729-1733, Itália, de Filipo Juvara
  • 66. Palácio de Caça Stupinigi, 1729-1733, Itália, de Filipo Juvara (interior)
  • 67. Louis le Vau e Jules Hardouin-Mansart , Palácio de Versalhes (1668-1690).
  • 68. Nasoni, Palácio do Freixo, no Porto (meados do século XVIII).
  • 69. Nasoni , Solar de Mateus, em Vila Real (princípios do século XVIII).
  • 70. Ludovice, Palácio Nacional–Convento de Mafra (1717-1730).
  • 73. Greenwich Hospital from Thames (Londres)
  • 75. Seaton Delaval Hall. Inglaterra
  • 76. Chateau Vaux le Vicomte
  • 77. Chateau de Maison Lafitte
  • 78. Chateau de Dampierre en Yvelines
  • 81.
  • 82. • Aparece muitas vezes associada à arquitetura • Gestos teatrais, repletos de dramatismo. • Preferência por cenas ou posições em movimento, de equilíbrio instável e por formas serpentinadas de sentido ascendente. • Faces expressivas e roupas esvoaçantes, criando efeitos de luz e movimento. • Exuberância das formas. • Realismo. Principais características Bernini Principais escultores Bernini, Apolo e Dafne (1622-1624)
  • 83.  Materiais usados  Mármore, bronze, ouro, prata, marfim, estuques, madeira policromada.  Temas:  Vidas de santos e mártires, temas marianos (os que dizem respeito à Sagrada Família e à Imaculada Conceição), temas ligados à vida de Cristo (a Paixão e o Calvário), à eucaristia, às virtudes cristãs e à figura papal. Os temas tratados tinham funções didáticas e de autoafirmação da Fé e do poder da Igreja Católica Bernini, Ludovica,1674
  • 84.
  • 85. Bernini, O Rapto de Perséfone (1622)
  • 89. Bernini, Apolo e Dafne (1622-1624)
  • 90.
  • 91. Bernini, Baldaquino da Basílica de S. Pedro (1624-1633; bronze dourado com quase 30 m de altura).
  • 92. Bernini, O Êxtase de Santa Teresa (1647-1652).
  • 93. Bernini, O Êxtase de Santa Teresa (1647-1652).
  • 96. Bernini, Túmulo do Papa Alexandre VII (1671-78). Mármores policromos, bronze e outras pedras. Basílica de S. Pedro, Roma.
  • 97. Bernini, Túmulo do Papa Alexandre VII (Pormenor)
  • 98. Martino Longhi, Fachada da Igreja de S. Vicenzo de Atanazo (1646-1650)
  • 99. Machado de Castro, Estátua de D. José I, na Praça do Comércio em Lisboa (1775).
  • 100. Machado de Castro, Presépio da Madre de Deus, Lisboa
  • 101.
  • 102. • Efeito claro/escuro, sendo certas zonas do quadro especialmente iluminadas, em contraste com áreas sombrias, onde se usam cores mais escuras; • Linhas curvas e diagonais, que sugerem movimento; • Dramatismo e a teatralidade, com figuras retratadas de forma exagerada, manifestando emoções fortes, como a tristeza ou a dor. • Irracional Principais características  Caravaggio  Rembrandt  Rubens  Velásquez Principais pintores Caravaggio, Deposição de CristoCaravaggio, Deposição de Cristo
  • 103. A pintura barroca apresenta diversidade temática nunca antes encontrada, distribuindo-se por temas religiosos, profanos, mitológicos, retratos, paisagem, cenas de género e natureza- morta. Na pintura barroca é valorizado o acontecimento e a ação, através duma composição aberta, onde o espaço se define por movimentos e/ou impulsos centrífugos, de dentro para fora ou através de linhas oblíquas, curvilíneas ou retas. Carraci, A Assunção da Virgem, 1600-1601, óleo sobre tela, 245 x 155 cm, Roma, Santa Maria del Popolo, Cappella Cerasi. Principais características
  • 104. Caravaggio, Vocação de São Mateus (1599-1600) A luz é rasante e focalizada e chama a atenção do espectador para certas zonas do quadro, orientando a leitura da obra. A cor é pura e cálida, persuasiva, incisiva e forte, de modo a captar e sensibilizar o espectador através dos sentidos.
  • 105. Caravaggio, Cesto de Fruta (Natureza-Morta) (c. 1599)
  • 106. Caravaggio, Flagelação de Cristo (1607)
  • 107. Caravaggio, Crucificação de S. Pedro (1601)
  • 108. Rembrandt, A lição de Anatomia do Dr. Tulp (1632)
  • 109. Rembrandt, A Ronda da Noite (1642)
  • 110. Rubens, A Adoração dos Magos (1609)
  • 111. Rubens, A queda de Féton (c. 1604/1605)
  • 112. Pietro da Cortona, Trunfo da Divina Providência, frescos da abóboda do grande Salão do Palácio B arberini (1633-39). Roma
  • 114. Velásquez , Vénus olhando-se ao espelho (1644-1648).
  • 115. Johannes Vermeer, Rapariga com Brinco de Pérola (1665-1666)
  • 116. Josefa de Óbidos, Calvário (1679)
  • 117. Josefa de Óbidos, Natureza-morta (1676)