SlideShare uma empresa Scribd logo
Em Lógica, estudamos como demonstrar a
validade de argumentos formais na forma P → Q.
Neste contexto, a validade do argumento é
absoluta (depende apenas da forma ou estrutura
do argumento e não do conteúdo ou significado
das proposições).
No entanto, muitas vezes queremos provar
argumentos que são verdadeiros em um determinado
contexto (para uma interpretação particular).
Queremos provar que P → Q é verdadeiro para um
contexto específico. Podemos usar fatos que
dependem do contexto como hipóteses e então
provar que o argumento é verdadeiro (Teorema).
Não existe uma receita para demonstração de
Teoremas. Muitas vezes, é muito difícil demonstrar
teoremas utilizando Lógica Formal.
Existem técnicas de demonstração “menos formais”:
‣ não usam elementos das lógicas proposicional e de
predicados;
‣ não são escritas passo a passo, com justificativas formais a
cada passo.
‣ os passos de dedução e raciocínio são explicados em
linguagem natural.
Entretanto, essas demonstrações podem ser descritas com
Lógica Formal.
Conjectura
• Podemos formular uma conjectura por
meio de raciocínio indutivo
‣ concluir algo baseado na experiência
• Podemos entender uma conjectura como
um argumento que não se sabe se é
verdadeiro ou não.
Teorema
• Se provamos que uma conjectura é
verdadeira, então ela se torna um Teorema.
‣ Para isso podemos usar raciocínio dedutivo
(técnicas de demonstração)
• Podemos provar que uma conjectura é falsa
encontrando um contra-exemplo (um caso
em que P é verdadeiro e Q é falso)
Exemplo
• Prove ou encontre um contra-exemplo
para a seguinte conjectura:
‣ “Para todo número inteiro positivo n, n! ≤ n2”.
Técnicas de
Demonstração
Sumário
• Técnicas básicas de demonstração
• Primeiro Princípio da Indução
• Segundo Princípio da Indução
Técnicas Básicas de
Demonstração
• Demonstração por Exaustão
• Demonstração Direta
• Demonstração por Contraposição
• Demonstração por Absurdo
Demonstração
Exaustiva
• Se uma conjectura é uma asserção sobre
uma coleção finita de elementos, sua
validade pode ser provada verificando-se se
ela é verdadeira para cada elemento
coleção.
‣ consiste em exaurir todos os casos possíveis.
Exemplo
• Prove a conjectura:
‣ “Se um inteiro entre 1 e 20 é divisível por 6,
então ele é também divisível por 3”
Demonstração Direta
• Consiste em supor que a hipótese P é
verdadeira e então deduzir a conclusão Q
Exemplo
• Prove a conjectura:
‣ Se x e y são números inteiros pares, então o
produto xy é um número inteiro par.
Sabemos que se z é um número inteiro par,
então existe um número inteiro k,
tal que z = 2k. (definição de um número par).
Sejam x = 2m e y = 2n,
onde m e n são inteiros.
Então xy = (2m)(2n) = 2(2mn),
onde 2mn é um inteiro.
Logo o produto xy tem a forma 2k,
onde k = 2mn é um inteiro,
e, portanto, é par, como queríamos
demonstrar
Contraposição
• Demonstração por contraposição consiste
na técnica de provar P → Q através da
demonstração direta de Q′ → P′.
‣ Sabemos que (Q′ → P′) → (P → Q)
‣ Q′ → P′ é a contrapositiva de (P → Q)
Exemplo
• Prove que a seguinte conjectura:
‣ Se n2 é ímpar, então n é ímpar.
n2 é ímpar → n é ímpar
A contrapositiva é:
n é par → n2 é par
Temos que n2 = nn
Como n é par, n = 2k.
Assim, n2 = 2k 2k = 2(k+k).
Portanto, n2 é par.
Demonstração por
Absurdo
• (P ∧ Q′ → 0) → (P → Q) é uma tautologia
• Assim, para provar a conjectura P → Q,
basta provar que P ∧ Q′ → 0
• Ou seja, em uma demonstração por
absurdo, supomos que a hipótese e a
negação da conclusão são ambas
verdadeiras e tentamos deduzir uma
contradição.
Exemplo
• Prove por absurdo a proposição:
‣ “Se um número somado a ele mesmo é igual a
ele mesmo, então esse número é 0.”
‣ Se x+x=x, então x=0.
‣ x+x=x → x=0
Proposição: x+x=x → x=0
Suponhamos P ∧ Q′ → 0:
(x+x=x) ∧ (x≠0) → 0
Ou seja, x+x=x e x é diferente de zero.
Assim, 2x=x e x≠0.
Como x≠0, podemos dividir ambos os lados da primeira
equação por x. Logo,
2x/x = x/x
2 = 1
O que é uma contradição, portando x+x=x → x=0.
Técnica
Abordagem para provar
P → Q
Observações
Exaustão
Demonstrar P → Q
para todos os casos.
É viável apenas para
um número finito de
casos.
Direta Suponha P, deduza Q.
Contraposição Suponha Q′, deduza P′.
Absurdo
Suponha P ∧ Q′,
chegue a uma
contradição.
Indicada para os
casos em que Q diz
que algo não é
verdade.
Exercício
• Prove as seguintes conjecturas:
‣ “Para todo inteiro positivo n, n2+n+1 é primo”;
‣ “Se n=25, 100 ou 169, então n é um quadrado
perfeito e também é uma soma de dois
quadrados perfeitos”;
‣ “a soma de dois inteiros ímpares é par”.
Exercício
• Demonstre que, dados dois números
inteiros positivos x e y,
‣ x < y se, e somente se, x2 < y2
Resumo
• O raciocínio indutivo é usado para formular
uma conjectura baseada na experiência.
• O raciocínio dedutivo é usado para provar
uma conjectura ou refutá-la através de um
contra-exemplo.
• Ao provar uma conjectura sobre algum
assunto, pode-se usar fatos sobre o assunto.
Problema?
• Demonstre que:
‣ 1+2+3+...+n = [n(n+1)]/2
• Podemos usar demonstração exaustiva ou
direta?
Sumário
• Técnicas básicas de demonstração
• Primeiro Princípio da Indução
• Segundo Princípio da Indução
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
b) Estando no primeiro degrau, eu consigo
subir até o segundo.
a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
b) Estando no primeiro degrau, eu consigo
subir até o segundo.
a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
c) Estando no segundo degrau, eu consigo
subir até o terceiro.
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
b) Estando no primeiro degrau, eu consigo
subir até o segundo.
a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
c) Estando no segundo degrau, eu consigo
subir até o terceiro.
...
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
b) Se eu estou em algum degrau, eu
consigo subir até o próximo.
a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
Demonstre que você consegue subir até
o n-ésimo degrau de uma escada!
b) Se eu estou em algum degrau, eu
consigo subir até o próximo.
a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
Portanto, eu consigo subir n degraus.
Primeiro Princípio de
Indução Matemática
P(1) ∧ (∀k)[P(k)→P(k+1)] →(∀n)P(n),
k, n são inteiros positivos
P(1) é a base da indução;
(∀k)[P(k)→P(k+1)] é o passo indutivo,
onde P(k) é a hipótese de indução.
Passos para demonstração
usando o primeiro princípio
indução
1. Prove a base da indução
2. Suponha P(k)
3. Prove P(k+1)
Exemplo
• Demonstre que:
‣ 1+2+3+...+n = [n(n+1)]/2
Exercício
• Usando o primeiro princípio de indução,
demonstre que:
‣ A soma dos n primeiros números ímpares é
igual a n2.
‣ Para qualquer inteiro positivo n, o número 22n-1
é divisível por 3.
Sumário
• Técnicas básicas de demonstração
• Primeiro Princípio da Indução
• Segundo Princípio da Indução
Segundo Princípio de
Indução
Se
P(1) é verdade e
(∀k)[P(r) → P(k+1), 1≤ r ≤ k,
então
(∀n)P(n)
• Em geral, as propriedades podem ser
demonstradas por ambas as formas de
indução. Mas, para a maioria dos problemas,
existe uma forma mais apropriada.
‣ A diferença entre as formas está apenas na
hipótese de indução
• Usamos a segunda forma quando:
‣ o problema se divide no meio ao invés de
crescer em um dos lados.
‣ o caso k+1 depende de resultados anteriores a k
Exemplo
• Demonstre que para n ≥ 2, n é um número
primo ou é um produto de números
primos.
Exemplo 2
• Prove que qualquer franquia postal, maior
ou igual a 8 centavos, pode ser obtida
usando-se selos de 3 e 5 centavos.
‣ P(n): para se obter n centavos em selos precisa-
se apenas de selos de 3 e 5 centavos (n ≥ 8)
Resumo
• A Indução Matemática é uma técnica para
provar propriedades de números inteiros
positivos
• Uma demonstração por indução não precisa
começar com 1.
• As propriedades podem ser demonstradas
por qualquer um dos princípios de indução,
mas uma das formas pode ser mais
apropriada em cada caso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Python - Introdução
Python - IntroduçãoPython - Introdução
Python - Introdução
fabiocerqueira
 
Progressão aritmética
Progressão aritméticaProgressão aritmética
Progressão aritmética
leilamaluf
 
Projeto de Planejamento - Função Quadrática
Projeto de Planejamento - Função QuadráticaProjeto de Planejamento - Função Quadrática
Projeto de Planejamento - Função Quadrática
mauriciocampos10mjcg
 
Eletiva matematica ludica.docx
Eletiva matematica ludica.docxEletiva matematica ludica.docx
Eletiva matematica ludica.docx
MayconClezio
 
Ordem de grandeza
Ordem de grandezaOrdem de grandeza
Ordem de grandeza
fisicaatual
 
Progressão Aritmética
Progressão AritméticaProgressão Aritmética
Progressão Aritmética
lucienejade
 
Logica e Conjuntos - Livro.pdf
Logica e Conjuntos - Livro.pdfLogica e Conjuntos - Livro.pdf
Logica e Conjuntos - Livro.pdf
adriasiq
 
Polinomios
PolinomiosPolinomios
Polinomios
rosania39
 
Aula geogebra
Aula geogebraAula geogebra
Análise combinatória
Análise combinatóriaAnálise combinatória
Análise combinatória
betencourt
 
Arranjo simples
Arranjo simplesArranjo simples
Arranjo simples
Joyce Micielle
 
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIOSISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
LeonardoHenry2012
 
Exercícios Resolvidos: Distribuição Binomial
Exercícios Resolvidos: Distribuição BinomialExercícios Resolvidos: Distribuição Binomial
Exercícios Resolvidos: Distribuição Binomial
Diego Oliveira
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
pensamentocomputacional
 
Matematica Basica
Matematica BasicaMatematica Basica
Matematica Basica
Nyedson Barbosa
 
Slide notacao cientifica
Slide notacao cientificaSlide notacao cientifica
Slide notacao cientifica
ANGELA CRISTINA SANTOS
 
Raciocínio lógico parte 1
Raciocínio lógico   parte 1Raciocínio lógico   parte 1
Expressoes algebricas
Expressoes algebricasExpressoes algebricas
Expressoes algebricas
Larissa Souza
 
Matemática básica
Matemática básicaMatemática básica
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
Alexandre Cirqueira
 

Mais procurados (20)

Python - Introdução
Python - IntroduçãoPython - Introdução
Python - Introdução
 
Progressão aritmética
Progressão aritméticaProgressão aritmética
Progressão aritmética
 
Projeto de Planejamento - Função Quadrática
Projeto de Planejamento - Função QuadráticaProjeto de Planejamento - Função Quadrática
Projeto de Planejamento - Função Quadrática
 
Eletiva matematica ludica.docx
Eletiva matematica ludica.docxEletiva matematica ludica.docx
Eletiva matematica ludica.docx
 
Ordem de grandeza
Ordem de grandezaOrdem de grandeza
Ordem de grandeza
 
Progressão Aritmética
Progressão AritméticaProgressão Aritmética
Progressão Aritmética
 
Logica e Conjuntos - Livro.pdf
Logica e Conjuntos - Livro.pdfLogica e Conjuntos - Livro.pdf
Logica e Conjuntos - Livro.pdf
 
Polinomios
PolinomiosPolinomios
Polinomios
 
Aula geogebra
Aula geogebraAula geogebra
Aula geogebra
 
Análise combinatória
Análise combinatóriaAnálise combinatória
Análise combinatória
 
Arranjo simples
Arranjo simplesArranjo simples
Arranjo simples
 
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIOSISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
SISTEMA DE NUMERAÇÃO EGÍPCIO
 
Exercícios Resolvidos: Distribuição Binomial
Exercícios Resolvidos: Distribuição BinomialExercícios Resolvidos: Distribuição Binomial
Exercícios Resolvidos: Distribuição Binomial
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
 
Matematica Basica
Matematica BasicaMatematica Basica
Matematica Basica
 
Slide notacao cientifica
Slide notacao cientificaSlide notacao cientifica
Slide notacao cientifica
 
Raciocínio lógico parte 1
Raciocínio lógico   parte 1Raciocínio lógico   parte 1
Raciocínio lógico parte 1
 
Expressoes algebricas
Expressoes algebricasExpressoes algebricas
Expressoes algebricas
 
Matemática básica
Matemática básicaMatemática básica
Matemática básica
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
 

Destaque

Matemática Discreta - Introdução
Matemática Discreta - IntroduçãoMatemática Discreta - Introdução
Matemática Discreta - Introdução
Ulrich Schiel
 
Lista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - ResoluçãoLista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - Resolução
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Ulrich Schiel
 
Logica
LogicaLogica
Logica
Lyn Takenaka
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
Erica Frau
 
Marcio ufms
Marcio  ufmsMarcio  ufms
Marcio ufms
Neon Online
 
Windows 7
Windows 7Windows 7
Windows 7
Chromus Master
 
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
Neon Online
 
4 Hume
4 Hume 4 Hume
4 Hume
Erica Frau
 
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3  - Bases Matemáticas - InduçãoLista 3  - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf
06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf
06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf
Neon Online
 
Matemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funçõesMatemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funções
Ulrich Schiel
 
Lingua portuguesa - pf
Lingua portuguesa  - pfLingua portuguesa  - pf
Lingua portuguesa - pf
Neon Online
 
Nc mat. básica teoria e questões_2015.1 - completa
Nc mat. básica teoria e questões_2015.1 -  completaNc mat. básica teoria e questões_2015.1 -  completa
Nc mat. básica teoria e questões_2015.1 - completa
Neon Online
 
Ronaldo ufms
Ronaldo  ufmsRonaldo  ufms
Ronaldo ufms
Neon Online
 
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
Neon Online
 
Língua portuguesa msgás - completa
Língua  portuguesa   msgás - completaLíngua  portuguesa   msgás - completa
Língua portuguesa msgás - completa
Neon Online
 
Lógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição ILógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição I
qieducacao
 
Inss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garciaInss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garcia
Neon Online
 
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao   edward r scheinermanMatematica discreta uma introducao   edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
Artur Câncio
 

Destaque (20)

Matemática Discreta - Introdução
Matemática Discreta - IntroduçãoMatemática Discreta - Introdução
Matemática Discreta - Introdução
 
Lista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - ResoluçãoLista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - Resolução
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
 
Logica
LogicaLogica
Logica
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Marcio ufms
Marcio  ufmsMarcio  ufms
Marcio ufms
 
Windows 7
Windows 7Windows 7
Windows 7
 
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
 
4 Hume
4 Hume 4 Hume
4 Hume
 
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3  - Bases Matemáticas - InduçãoLista 3  - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
 
06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf
06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf
06.4 informática questões + provas_2014 - agente-pf
 
Matemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funçõesMatemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funções
 
Lingua portuguesa - pf
Lingua portuguesa  - pfLingua portuguesa  - pf
Lingua portuguesa - pf
 
Nc mat. básica teoria e questões_2015.1 - completa
Nc mat. básica teoria e questões_2015.1 -  completaNc mat. básica teoria e questões_2015.1 -  completa
Nc mat. básica teoria e questões_2015.1 - completa
 
Ronaldo ufms
Ronaldo  ufmsRonaldo  ufms
Ronaldo ufms
 
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
 
Língua portuguesa msgás - completa
Língua  portuguesa   msgás - completaLíngua  portuguesa   msgás - completa
Língua portuguesa msgás - completa
 
Lógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição ILógica Matemática: Proposição I
Lógica Matemática: Proposição I
 
Inss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garciaInss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garcia
 
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao   edward r scheinermanMatematica discreta uma introducao   edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
 

Semelhante a Demonstrações

Aula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremasAula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremas
Carlos Campani
 
Aula 8 inducao matematica
Aula 8   inducao matematicaAula 8   inducao matematica
Aula 8 inducao matematica
wab030
 
PROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMASPROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMAS
Carlos Campani
 
Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2
bonesea
 
Condições
CondiçõesCondições
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Lauda Produções Kátia Guedes
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
iran rodrigues
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Lizandra Guarnieri Gomes
 
Indução Matemática
Indução MatemáticaIndução Matemática
Indução Matemática
djacisilva
 
Indução
InduçãoIndução
Indução
djacisilva
 
Indução Matemática
Indução MatemáticaIndução Matemática
Indução Matemática
djacisilva
 
Pincipio da indução
Pincipio da induçãoPincipio da indução
Pincipio da indução
Bruno Araujo Lima
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
Paulo Martins
 
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
Paulo Martins
 
Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5
Paulo Martins
 
Caracterização dos inteiros
Caracterização dos inteirosCaracterização dos inteiros
Caracterização dos inteiros
Jose Geraldo Salvador Silva
 
1 -logica_proposicional
1  -logica_proposicional1  -logica_proposicional
1 -logica_proposicional
Udasul
 
Caderno - Lógica
Caderno - LógicaCaderno - Lógica
Caderno - Lógica
Cadernos PPT
 
Lógica
LógicaLógica
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
trigono_metrico
 

Semelhante a Demonstrações (20)

Aula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremasAula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremas
 
Aula 8 inducao matematica
Aula 8   inducao matematicaAula 8   inducao matematica
Aula 8 inducao matematica
 
PROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMASPROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMAS
 
Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2
 
Condições
CondiçõesCondições
Condições
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
 
Indução Matemática
Indução MatemáticaIndução Matemática
Indução Matemática
 
Indução
InduçãoIndução
Indução
 
Indução Matemática
Indução MatemáticaIndução Matemática
Indução Matemática
 
Pincipio da indução
Pincipio da induçãoPincipio da indução
Pincipio da indução
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
 
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
 
Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5Intro teoria dos numerros cap5
Intro teoria dos numerros cap5
 
Caracterização dos inteiros
Caracterização dos inteirosCaracterização dos inteiros
Caracterização dos inteiros
 
1 -logica_proposicional
1  -logica_proposicional1  -logica_proposicional
1 -logica_proposicional
 
Caderno - Lógica
Caderno - LógicaCaderno - Lógica
Caderno - Lógica
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
 

Mais de Chromus Master

Webservice
WebserviceWebservice
Webservice
Chromus Master
 
Usb remoção
Usb remoçãoUsb remoção
Usb remoção
Chromus Master
 
Disco rígido
Disco rígidoDisco rígido
Disco rígido
Chromus Master
 
Windows x Linux
Windows x LinuxWindows x Linux
Windows x Linux
Chromus Master
 
Licenças de software
Licenças de softwareLicenças de software
Licenças de software
Chromus Master
 
Arquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MACArquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MAC
Chromus Master
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
Chromus Master
 
Relações
RelaçõesRelações
Relações
Chromus Master
 
Análise Combinatória
Análise CombinatóriaAnálise Combinatória
Análise Combinatória
Chromus Master
 
Princípios de Contagem
Princípios de ContagemPrincípios de Contagem
Princípios de Contagem
Chromus Master
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
Chromus Master
 
Recorrência
RecorrênciaRecorrência
Recorrência
Chromus Master
 
Lógica Formal
Lógica FormalLógica Formal
Lógica Formal
Chromus Master
 
Introdução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos GrafosIntrodução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos Grafos
Chromus Master
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
Chromus Master
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Chromus Master
 
Guerra mascates
Guerra mascatesGuerra mascates
Guerra mascates
Chromus Master
 
Reformas pombalinas
Reformas pombalinasReformas pombalinas
Reformas pombalinas
Chromus Master
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
Chromus Master
 
Crise sistema colonial
Crise sistema colonialCrise sistema colonial
Crise sistema colonial
Chromus Master
 

Mais de Chromus Master (20)

Webservice
WebserviceWebservice
Webservice
 
Usb remoção
Usb remoçãoUsb remoção
Usb remoção
 
Disco rígido
Disco rígidoDisco rígido
Disco rígido
 
Windows x Linux
Windows x LinuxWindows x Linux
Windows x Linux
 
Licenças de software
Licenças de softwareLicenças de software
Licenças de software
 
Arquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MACArquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MAC
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
 
Relações
RelaçõesRelações
Relações
 
Análise Combinatória
Análise CombinatóriaAnálise Combinatória
Análise Combinatória
 
Princípios de Contagem
Princípios de ContagemPrincípios de Contagem
Princípios de Contagem
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
 
Recorrência
RecorrênciaRecorrência
Recorrência
 
Lógica Formal
Lógica FormalLógica Formal
Lógica Formal
 
Introdução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos GrafosIntrodução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos Grafos
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra mascates
Guerra mascatesGuerra mascates
Guerra mascates
 
Reformas pombalinas
Reformas pombalinasReformas pombalinas
Reformas pombalinas
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Crise sistema colonial
Crise sistema colonialCrise sistema colonial
Crise sistema colonial
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Demonstrações

  • 1. Em Lógica, estudamos como demonstrar a validade de argumentos formais na forma P → Q. Neste contexto, a validade do argumento é absoluta (depende apenas da forma ou estrutura do argumento e não do conteúdo ou significado das proposições).
  • 2. No entanto, muitas vezes queremos provar argumentos que são verdadeiros em um determinado contexto (para uma interpretação particular). Queremos provar que P → Q é verdadeiro para um contexto específico. Podemos usar fatos que dependem do contexto como hipóteses e então provar que o argumento é verdadeiro (Teorema).
  • 3. Não existe uma receita para demonstração de Teoremas. Muitas vezes, é muito difícil demonstrar teoremas utilizando Lógica Formal. Existem técnicas de demonstração “menos formais”: ‣ não usam elementos das lógicas proposicional e de predicados; ‣ não são escritas passo a passo, com justificativas formais a cada passo. ‣ os passos de dedução e raciocínio são explicados em linguagem natural. Entretanto, essas demonstrações podem ser descritas com Lógica Formal.
  • 4. Conjectura • Podemos formular uma conjectura por meio de raciocínio indutivo ‣ concluir algo baseado na experiência • Podemos entender uma conjectura como um argumento que não se sabe se é verdadeiro ou não.
  • 5. Teorema • Se provamos que uma conjectura é verdadeira, então ela se torna um Teorema. ‣ Para isso podemos usar raciocínio dedutivo (técnicas de demonstração) • Podemos provar que uma conjectura é falsa encontrando um contra-exemplo (um caso em que P é verdadeiro e Q é falso)
  • 6. Exemplo • Prove ou encontre um contra-exemplo para a seguinte conjectura: ‣ “Para todo número inteiro positivo n, n! ≤ n2”.
  • 8. Sumário • Técnicas básicas de demonstração • Primeiro Princípio da Indução • Segundo Princípio da Indução
  • 9. Técnicas Básicas de Demonstração • Demonstração por Exaustão • Demonstração Direta • Demonstração por Contraposição • Demonstração por Absurdo
  • 10. Demonstração Exaustiva • Se uma conjectura é uma asserção sobre uma coleção finita de elementos, sua validade pode ser provada verificando-se se ela é verdadeira para cada elemento coleção. ‣ consiste em exaurir todos os casos possíveis.
  • 11. Exemplo • Prove a conjectura: ‣ “Se um inteiro entre 1 e 20 é divisível por 6, então ele é também divisível por 3”
  • 12. Demonstração Direta • Consiste em supor que a hipótese P é verdadeira e então deduzir a conclusão Q
  • 13. Exemplo • Prove a conjectura: ‣ Se x e y são números inteiros pares, então o produto xy é um número inteiro par.
  • 14. Sabemos que se z é um número inteiro par, então existe um número inteiro k, tal que z = 2k. (definição de um número par). Sejam x = 2m e y = 2n, onde m e n são inteiros. Então xy = (2m)(2n) = 2(2mn), onde 2mn é um inteiro. Logo o produto xy tem a forma 2k, onde k = 2mn é um inteiro, e, portanto, é par, como queríamos demonstrar
  • 15. Contraposição • Demonstração por contraposição consiste na técnica de provar P → Q através da demonstração direta de Q′ → P′. ‣ Sabemos que (Q′ → P′) → (P → Q) ‣ Q′ → P′ é a contrapositiva de (P → Q)
  • 16. Exemplo • Prove que a seguinte conjectura: ‣ Se n2 é ímpar, então n é ímpar.
  • 17. n2 é ímpar → n é ímpar A contrapositiva é: n é par → n2 é par Temos que n2 = nn Como n é par, n = 2k. Assim, n2 = 2k 2k = 2(k+k). Portanto, n2 é par.
  • 18. Demonstração por Absurdo • (P ∧ Q′ → 0) → (P → Q) é uma tautologia • Assim, para provar a conjectura P → Q, basta provar que P ∧ Q′ → 0 • Ou seja, em uma demonstração por absurdo, supomos que a hipótese e a negação da conclusão são ambas verdadeiras e tentamos deduzir uma contradição.
  • 19. Exemplo • Prove por absurdo a proposição: ‣ “Se um número somado a ele mesmo é igual a ele mesmo, então esse número é 0.” ‣ Se x+x=x, então x=0. ‣ x+x=x → x=0
  • 20. Proposição: x+x=x → x=0 Suponhamos P ∧ Q′ → 0: (x+x=x) ∧ (x≠0) → 0 Ou seja, x+x=x e x é diferente de zero. Assim, 2x=x e x≠0. Como x≠0, podemos dividir ambos os lados da primeira equação por x. Logo, 2x/x = x/x 2 = 1 O que é uma contradição, portando x+x=x → x=0.
  • 21. Técnica Abordagem para provar P → Q Observações Exaustão Demonstrar P → Q para todos os casos. É viável apenas para um número finito de casos. Direta Suponha P, deduza Q. Contraposição Suponha Q′, deduza P′. Absurdo Suponha P ∧ Q′, chegue a uma contradição. Indicada para os casos em que Q diz que algo não é verdade.
  • 22. Exercício • Prove as seguintes conjecturas: ‣ “Para todo inteiro positivo n, n2+n+1 é primo”; ‣ “Se n=25, 100 ou 169, então n é um quadrado perfeito e também é uma soma de dois quadrados perfeitos”; ‣ “a soma de dois inteiros ímpares é par”.
  • 23. Exercício • Demonstre que, dados dois números inteiros positivos x e y, ‣ x < y se, e somente se, x2 < y2
  • 24. Resumo • O raciocínio indutivo é usado para formular uma conjectura baseada na experiência. • O raciocínio dedutivo é usado para provar uma conjectura ou refutá-la através de um contra-exemplo. • Ao provar uma conjectura sobre algum assunto, pode-se usar fatos sobre o assunto.
  • 25. Problema? • Demonstre que: ‣ 1+2+3+...+n = [n(n+1)]/2 • Podemos usar demonstração exaustiva ou direta?
  • 26. Sumário • Técnicas básicas de demonstração • Primeiro Princípio da Indução • Segundo Princípio da Indução
  • 27. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada!
  • 28. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada!
  • 29. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada! a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
  • 30. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada! b) Estando no primeiro degrau, eu consigo subir até o segundo. a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
  • 31. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada! b) Estando no primeiro degrau, eu consigo subir até o segundo. a) Eu consigo subir até o primeiro degrau. c) Estando no segundo degrau, eu consigo subir até o terceiro.
  • 32. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada! b) Estando no primeiro degrau, eu consigo subir até o segundo. a) Eu consigo subir até o primeiro degrau. c) Estando no segundo degrau, eu consigo subir até o terceiro. ...
  • 33. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada!
  • 34. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada! a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
  • 35. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada! b) Se eu estou em algum degrau, eu consigo subir até o próximo. a) Eu consigo subir até o primeiro degrau.
  • 36. Demonstre que você consegue subir até o n-ésimo degrau de uma escada! b) Se eu estou em algum degrau, eu consigo subir até o próximo. a) Eu consigo subir até o primeiro degrau. Portanto, eu consigo subir n degraus.
  • 37. Primeiro Princípio de Indução Matemática P(1) ∧ (∀k)[P(k)→P(k+1)] →(∀n)P(n), k, n são inteiros positivos P(1) é a base da indução; (∀k)[P(k)→P(k+1)] é o passo indutivo, onde P(k) é a hipótese de indução.
  • 38. Passos para demonstração usando o primeiro princípio indução 1. Prove a base da indução 2. Suponha P(k) 3. Prove P(k+1)
  • 39. Exemplo • Demonstre que: ‣ 1+2+3+...+n = [n(n+1)]/2
  • 40. Exercício • Usando o primeiro princípio de indução, demonstre que: ‣ A soma dos n primeiros números ímpares é igual a n2. ‣ Para qualquer inteiro positivo n, o número 22n-1 é divisível por 3.
  • 41. Sumário • Técnicas básicas de demonstração • Primeiro Princípio da Indução • Segundo Princípio da Indução
  • 42. Segundo Princípio de Indução Se P(1) é verdade e (∀k)[P(r) → P(k+1), 1≤ r ≤ k, então (∀n)P(n)
  • 43. • Em geral, as propriedades podem ser demonstradas por ambas as formas de indução. Mas, para a maioria dos problemas, existe uma forma mais apropriada. ‣ A diferença entre as formas está apenas na hipótese de indução • Usamos a segunda forma quando: ‣ o problema se divide no meio ao invés de crescer em um dos lados. ‣ o caso k+1 depende de resultados anteriores a k
  • 44. Exemplo • Demonstre que para n ≥ 2, n é um número primo ou é um produto de números primos.
  • 45. Exemplo 2 • Prove que qualquer franquia postal, maior ou igual a 8 centavos, pode ser obtida usando-se selos de 3 e 5 centavos. ‣ P(n): para se obter n centavos em selos precisa- se apenas de selos de 3 e 5 centavos (n ≥ 8)
  • 46. Resumo • A Indução Matemática é uma técnica para provar propriedades de números inteiros positivos • Uma demonstração por indução não precisa começar com 1. • As propriedades podem ser demonstradas por qualquer um dos princípios de indução, mas uma das formas pode ser mais apropriada em cada caso.