SlideShare uma empresa Scribd logo
Disco Rígido
Popularmente chamado também de HD (derivação de HDD do inglês hard disk
drive) ou winchester(termo em desuso)
Definição
 “Memória de massa" ou ainda de "memória secundária" é a parte do computador onde são
armazenados os dados.O disco rígido é uma memória não-volátil, ou seja, as informações não
são perdidas quando o computador é desligado, sendo considerado o principal meio de
armazenamento de dados em massa.
 Por ser uma memória não-volátil, é um sistema necessário para se ter um meio de executar
novamente programas e carregar arquivos contendo os dados inseridos anteriormente quando
ligamos o computador.
 Nos sistemas operacionais mais recentes, ele é também utilizado para expandir a memória
RAM, através da gestão de memória virtual. Existem vários tipos de interfaces para discos
rígidos diferentes: IDE/ATA, Serial ATA, SCSI,Fibre channel, SAS.
História
 O primeiro disco rígido foi construído pela IBM em 1956, e foi lançado em 16 de
Setembro de 1957. Era formado por 50 discos magnéticos contendo 50 000 setores, sendo que
cada um suportava 100 caracteres alfanuméricos, totalizando uma capacidade de 5 megabytes,
incrível para a época.
 Em 1973 a IBM lançou o modelo 3340 Winchester, com dois pratos de 30 megabytes e tempo
de acesso de 30 milissegundos. Assim criou-se o termo 30/30 Winchester (uma referência à
espingarda Winchester 30/30), termo muito usado antigamente para designar HDs de qualquer
espécie. Ainda no início da década de 1980, os discos rígidos eram muito caros e modelos de
10 megabytes custavam quase 2 mil dólares americanos, enquanto em 2009 compramos
modelos de 1.5 terabyte por pouco mais de 100 dólares.
 Ainda no começo dos anos 80, a mesma IBM fez uso de uma versão pack de discos de
80 megabytes, usado nos sistemas IBM Virtual Machine. Os discos rígidos foram criados
originalmente para serem usados em computadores em geral.
Gravação dos dados
 Os discos magnéticos de um disco rígido são recobertos por uma camada magnética
extremamente fina. Quanto mais fina for a camada de gravação, maior será sua sensibilidade, e
consequentemente maior será a densidade de gravação permitida por ela. Poderemos, então,
armazenar mais dados num disco do mesmo tamanho, criando HDs de maior capacidade. Os
primeiros discos rígidos, assim como os discos usados no início da década de 80, utilizavam a
mesma tecnologia de mídia magnética utilizada em disquetes.
 A cabeça de leitura e gravação de um disco rígido funciona como um eletroímã, sendo composta
de uma bobina de fios que envolve um núcleo de ferro. A diferença é que, num disco rígido, este
eletroímã é extremamente pequeno e preciso, a ponto de ser capaz de gravar trilhas medindo
menos de um centésimo de milímetro de largura.
 Quando estão sendo gravados dados no disco, a cabeça utiliza seu campo magnético para
organizar as moléculas de óxido de ferro da superfície de gravação, fazendo com que os pólos
positivos das moléculas fiquem alinhados com o pólo negativo da cabeça e, conseqüentemente,
com que os pólos negativos das moléculas fiquem alinhados com o pólo positivo da cabeça.
Usamos, neste caso, a velha lei "os opostos se atraem". Como a cabeça de leitura e gravação
do HD é um eletroímã, sua polaridade pode ser alternada constantemente. Com o disco girando
continuamente, variando a polaridade da cabeça de gravação, variamos também a direção dos
pólos positivos e negativos das moléculas da superfície magnética. De acordo com a direção dos
pólos, temos um bit 1 ou 0 (sistema binário).
Disco rígido
Formatação
 A formatação de um disco magnético é realizada para que o sistema operacional seja capaz
de gravar e ler dados no disco, criando assim estruturas que permitam gravar os dados de
maneira organizada e recuperá-los mais tarde.
 Existem dois tipos de formatação, chamados de formatação física e formatação lógica.
 A formatação física é feita na fábrica ao final do processo de fabricação, que consiste em
dividir o disco virgem em trilhas, setores, cilindros e isolar os bad blocks (danos no HD).
Estas marcações funcionam como as faixas de uma estrada, permitindo à cabeça de leitura
saber em que parte do disco está, e onde ela deve gravar dados.
 A formatação física é feita apenas uma vez, e não pode ser desfeita ou refeita através de
software. Porém, para que este disco possa ser reconhecido e utilizado pelo sistema
operacional, é necessária uma nova formatação, chamada de formatação lógica. Ao
contrário da formatação física, a formatação lógica não altera a estrutura física do disco
rígido, e pode ser desfeita e refeita quantas vezes for preciso, através do
comando Format do DOS, por exemplo. O processo de formatação é quase automático;
basta executar o programa formatador que é fornecido junto com o sistema operacional.
Sistema de arquivação
 Os sistemas de arquivos mais conhecidos são os utilizados pelo Microsoft
Windows: NTFS, FAT32 e FAT 16. O FAT32 é uma versão evoluída do FAT16
introduzida a partir do MS-DOS 4.0. A partir do Windows NT foi introduzido o
NTFS, que trouxe novos recursos.
Capacidade
 Toda a vez que um HD é formatado, uma pequena quantidade de espaço é
marcada como utilizada, podendo ser(dependendo do suporte do sistema de
arquivos) pelo log do Journaling, mapa de clusters livres, etc.
Disco rígido

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Placas mãe
Placas mãePlacas mãe
Placas mãe
Jéssica Duarte
 
Slide placa mãe
Slide placa mãeSlide placa mãe
Slide placa mãe
Juninho Martuscelli
 
Placa mãe
Placa mãePlaca mãe
Placa mãe
Douglas Vieira
 
Barramentos
Barramentos Barramentos
Barramentos
Bruna Ribeiro Vieira
 
Módulo 1 - Noções Básicas de Hardware e Software
Módulo 1 - Noções Básicas de Hardware e SoftwareMódulo 1 - Noções Básicas de Hardware e Software
Módulo 1 - Noções Básicas de Hardware e Software
Paulo Guimarães
 
Placa mãe e barramentos
Placa mãe e barramentosPlaca mãe e barramentos
Placa mãe e barramentos
Neil Azevedo
 
Gabinetes
GabinetesGabinetes
Gabinetes
maykon plateano
 
Montando o Computador
Montando o ComputadorMontando o Computador
Montando o Computador
Ricardo de Moraes
 
curso de computador bom e completo
curso de computador bom e completocurso de computador bom e completo
curso de computador bom e completo
murilosoldier
 
Aula de hardware
Aula de hardwareAula de hardware
Aula de hardware
Clayton de Almeida Souza
 
Placa de Vídeo
Placa de VídeoPlaca de Vídeo
Placa de Vídeo
Roney Sousa
 
A evolução do HD
A evolução do HDA evolução do HD
A evolução do HD
William Sanches
 
Aula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um ComputadorAula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um Computador
Suzana Viana Mota
 
Microprocessadores
MicroprocessadoresMicroprocessadores
Microprocessadores
Susana Oliveira
 
Aula 08 - Placa Mãe
Aula 08 - Placa MãeAula 08 - Placa Mãe
Aula 08 - Placa Mãe
Suzana Viana Mota
 
Componentes da placa mãe
Componentes da placa mãeComponentes da placa mãe
Componentes da placa mãe
Wilsonkentura
 
Barramentos de placas e tipos
Barramentos de placas e tiposBarramentos de placas e tipos
Barramentos de placas e tipos
Rogério Cardoso
 
Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1
diasferraciolli
 
gabinetes e suas funçoes
gabinetes e suas funçoesgabinetes e suas funçoes
gabinetes e suas funçoes
maykon plateano
 
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de ComputadoresAula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Jorge Ávila Miranda
 

Mais procurados (20)

Placas mãe
Placas mãePlacas mãe
Placas mãe
 
Slide placa mãe
Slide placa mãeSlide placa mãe
Slide placa mãe
 
Placa mãe
Placa mãePlaca mãe
Placa mãe
 
Barramentos
Barramentos Barramentos
Barramentos
 
Módulo 1 - Noções Básicas de Hardware e Software
Módulo 1 - Noções Básicas de Hardware e SoftwareMódulo 1 - Noções Básicas de Hardware e Software
Módulo 1 - Noções Básicas de Hardware e Software
 
Placa mãe e barramentos
Placa mãe e barramentosPlaca mãe e barramentos
Placa mãe e barramentos
 
Gabinetes
GabinetesGabinetes
Gabinetes
 
Montando o Computador
Montando o ComputadorMontando o Computador
Montando o Computador
 
curso de computador bom e completo
curso de computador bom e completocurso de computador bom e completo
curso de computador bom e completo
 
Aula de hardware
Aula de hardwareAula de hardware
Aula de hardware
 
Placa de Vídeo
Placa de VídeoPlaca de Vídeo
Placa de Vídeo
 
A evolução do HD
A evolução do HDA evolução do HD
A evolução do HD
 
Aula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um ComputadorAula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um Computador
 
Microprocessadores
MicroprocessadoresMicroprocessadores
Microprocessadores
 
Aula 08 - Placa Mãe
Aula 08 - Placa MãeAula 08 - Placa Mãe
Aula 08 - Placa Mãe
 
Componentes da placa mãe
Componentes da placa mãeComponentes da placa mãe
Componentes da placa mãe
 
Barramentos de placas e tipos
Barramentos de placas e tiposBarramentos de placas e tipos
Barramentos de placas e tipos
 
Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1
 
gabinetes e suas funçoes
gabinetes e suas funçoesgabinetes e suas funçoes
gabinetes e suas funçoes
 
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de ComputadoresAula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
Aula07 - Arquitetura e Manutenção de Computadores
 

Semelhante a Disco rígido

3º Unidade Hd
3º Unidade Hd3º Unidade Hd
3º Unidade Hd
André Lopes
 
HD 1A REDES
HD 1A REDESHD 1A REDES
HD 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07   disco rígido e mídias de armazenamentoAula 07   disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamento
Leewan Meneses
 
3ª Unidade HD
3ª Unidade HD3ª Unidade HD
3ª Unidade HD
Cleiton Cunha
 
Multimeios
MultimeiosMultimeios
Aula3,4
Aula3,4Aula3,4
Apresentação final
Apresentação finalApresentação final
Apresentação final
Emanuela Souza
 
Anexo 1 conceitos básicos
Anexo 1   conceitos básicosAnexo 1   conceitos básicos
Anexo 1 conceitos básicos
Niara Rocha Rodrigues
 
Memórias de armazenamento
Memórias de armazenamentoMemórias de armazenamento
Memórias de armazenamento
Anderson Zardo
 
HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!
HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!
HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!
Chris x-MS
 
Tutorial de discos
Tutorial de discosTutorial de discos
Tutorial de discos
Tiago
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
Jailson Silva
 
Hd’s e armazenamento
Hd’s e armazenamentoHd’s e armazenamento
Hd’s e armazenamento
Washington Batista
 
Pesquisa sobre tipos de memorias
Pesquisa sobre tipos de memoriasPesquisa sobre tipos de memorias
Pesquisa sobre tipos de memorias
Otaviano Viana
 
Memórias e armazenamentos.pptx
Memórias e armazenamentos.pptxMemórias e armazenamentos.pptx
Memórias e armazenamentos.pptx
RodrigoJunqueira27
 
Sistemas operativos
Sistemas operativosSistemas operativos
Sistemas operativos
nobregavitor122
 
Guia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantesGuia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantes
Cristina Macharete
 
Guia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantesGuia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantes
Cristina Macharete
 
Hardware
HardwareHardware
Hardware
Jakson Silva
 
Sistemas operativos
Sistemas operativos Sistemas operativos
Sistemas operativos
Hugonokas
 

Semelhante a Disco rígido (20)

3º Unidade Hd
3º Unidade Hd3º Unidade Hd
3º Unidade Hd
 
HD 1A REDES
HD 1A REDESHD 1A REDES
HD 1A REDES
 
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07   disco rígido e mídias de armazenamentoAula 07   disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamento
 
3ª Unidade HD
3ª Unidade HD3ª Unidade HD
3ª Unidade HD
 
Multimeios
MultimeiosMultimeios
Multimeios
 
Aula3,4
Aula3,4Aula3,4
Aula3,4
 
Apresentação final
Apresentação finalApresentação final
Apresentação final
 
Anexo 1 conceitos básicos
Anexo 1   conceitos básicosAnexo 1   conceitos básicos
Anexo 1 conceitos básicos
 
Memórias de armazenamento
Memórias de armazenamentoMemórias de armazenamento
Memórias de armazenamento
 
HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!
HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!
HD (Hard Disk) ou Discos Rigidos - Como funcionam?!
 
Tutorial de discos
Tutorial de discosTutorial de discos
Tutorial de discos
 
Memórias
MemóriasMemórias
Memórias
 
Hd’s e armazenamento
Hd’s e armazenamentoHd’s e armazenamento
Hd’s e armazenamento
 
Pesquisa sobre tipos de memorias
Pesquisa sobre tipos de memoriasPesquisa sobre tipos de memorias
Pesquisa sobre tipos de memorias
 
Memórias e armazenamentos.pptx
Memórias e armazenamentos.pptxMemórias e armazenamentos.pptx
Memórias e armazenamentos.pptx
 
Sistemas operativos
Sistemas operativosSistemas operativos
Sistemas operativos
 
Guia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantesGuia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantes
 
Guia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantesGuia de hardware para iniciantes
Guia de hardware para iniciantes
 
Hardware
HardwareHardware
Hardware
 
Sistemas operativos
Sistemas operativos Sistemas operativos
Sistemas operativos
 

Mais de Chromus Master

Webservice
WebserviceWebservice
Webservice
Chromus Master
 
Windows 7
Windows 7Windows 7
Windows 7
Chromus Master
 
Usb remoção
Usb remoçãoUsb remoção
Usb remoção
Chromus Master
 
Windows x Linux
Windows x LinuxWindows x Linux
Windows x Linux
Chromus Master
 
Licenças de software
Licenças de softwareLicenças de software
Licenças de software
Chromus Master
 
Arquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MACArquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MAC
Chromus Master
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
Chromus Master
 
Relações
RelaçõesRelações
Relações
Chromus Master
 
Análise Combinatória
Análise CombinatóriaAnálise Combinatória
Análise Combinatória
Chromus Master
 
Princípios de Contagem
Princípios de ContagemPrincípios de Contagem
Princípios de Contagem
Chromus Master
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
Chromus Master
 
Recorrência
RecorrênciaRecorrência
Recorrência
Chromus Master
 
Demonstrações
DemonstraçõesDemonstrações
Demonstrações
Chromus Master
 
Lógica Formal
Lógica FormalLógica Formal
Lógica Formal
Chromus Master
 
Introdução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos GrafosIntrodução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos Grafos
Chromus Master
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
Chromus Master
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Chromus Master
 
Guerra mascates
Guerra mascatesGuerra mascates
Guerra mascates
Chromus Master
 
Reformas pombalinas
Reformas pombalinasReformas pombalinas
Reformas pombalinas
Chromus Master
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
Chromus Master
 

Mais de Chromus Master (20)

Webservice
WebserviceWebservice
Webservice
 
Windows 7
Windows 7Windows 7
Windows 7
 
Usb remoção
Usb remoçãoUsb remoção
Usb remoção
 
Windows x Linux
Windows x LinuxWindows x Linux
Windows x Linux
 
Licenças de software
Licenças de softwareLicenças de software
Licenças de software
 
Arquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MACArquiteturas PC X MAC
Arquiteturas PC X MAC
 
Álgebra de Boole
Álgebra de BooleÁlgebra de Boole
Álgebra de Boole
 
Relações
RelaçõesRelações
Relações
 
Análise Combinatória
Análise CombinatóriaAnálise Combinatória
Análise Combinatória
 
Princípios de Contagem
Princípios de ContagemPrincípios de Contagem
Princípios de Contagem
 
Teoria dos Conjuntos
Teoria dos ConjuntosTeoria dos Conjuntos
Teoria dos Conjuntos
 
Recorrência
RecorrênciaRecorrência
Recorrência
 
Demonstrações
DemonstraçõesDemonstrações
Demonstrações
 
Lógica Formal
Lógica FormalLógica Formal
Lógica Formal
 
Introdução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos GrafosIntrodução a Teoria dos Grafos
Introdução a Teoria dos Grafos
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra mascates
Guerra mascatesGuerra mascates
Guerra mascates
 
Reformas pombalinas
Reformas pombalinasReformas pombalinas
Reformas pombalinas
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

Disco rígido

  • 1. Disco Rígido Popularmente chamado também de HD (derivação de HDD do inglês hard disk drive) ou winchester(termo em desuso)
  • 2. Definição  “Memória de massa" ou ainda de "memória secundária" é a parte do computador onde são armazenados os dados.O disco rígido é uma memória não-volátil, ou seja, as informações não são perdidas quando o computador é desligado, sendo considerado o principal meio de armazenamento de dados em massa.  Por ser uma memória não-volátil, é um sistema necessário para se ter um meio de executar novamente programas e carregar arquivos contendo os dados inseridos anteriormente quando ligamos o computador.  Nos sistemas operacionais mais recentes, ele é também utilizado para expandir a memória RAM, através da gestão de memória virtual. Existem vários tipos de interfaces para discos rígidos diferentes: IDE/ATA, Serial ATA, SCSI,Fibre channel, SAS.
  • 3. História  O primeiro disco rígido foi construído pela IBM em 1956, e foi lançado em 16 de Setembro de 1957. Era formado por 50 discos magnéticos contendo 50 000 setores, sendo que cada um suportava 100 caracteres alfanuméricos, totalizando uma capacidade de 5 megabytes, incrível para a época.  Em 1973 a IBM lançou o modelo 3340 Winchester, com dois pratos de 30 megabytes e tempo de acesso de 30 milissegundos. Assim criou-se o termo 30/30 Winchester (uma referência à espingarda Winchester 30/30), termo muito usado antigamente para designar HDs de qualquer espécie. Ainda no início da década de 1980, os discos rígidos eram muito caros e modelos de 10 megabytes custavam quase 2 mil dólares americanos, enquanto em 2009 compramos modelos de 1.5 terabyte por pouco mais de 100 dólares.  Ainda no começo dos anos 80, a mesma IBM fez uso de uma versão pack de discos de 80 megabytes, usado nos sistemas IBM Virtual Machine. Os discos rígidos foram criados originalmente para serem usados em computadores em geral.
  • 4. Gravação dos dados  Os discos magnéticos de um disco rígido são recobertos por uma camada magnética extremamente fina. Quanto mais fina for a camada de gravação, maior será sua sensibilidade, e consequentemente maior será a densidade de gravação permitida por ela. Poderemos, então, armazenar mais dados num disco do mesmo tamanho, criando HDs de maior capacidade. Os primeiros discos rígidos, assim como os discos usados no início da década de 80, utilizavam a mesma tecnologia de mídia magnética utilizada em disquetes.  A cabeça de leitura e gravação de um disco rígido funciona como um eletroímã, sendo composta de uma bobina de fios que envolve um núcleo de ferro. A diferença é que, num disco rígido, este eletroímã é extremamente pequeno e preciso, a ponto de ser capaz de gravar trilhas medindo menos de um centésimo de milímetro de largura.  Quando estão sendo gravados dados no disco, a cabeça utiliza seu campo magnético para organizar as moléculas de óxido de ferro da superfície de gravação, fazendo com que os pólos positivos das moléculas fiquem alinhados com o pólo negativo da cabeça e, conseqüentemente, com que os pólos negativos das moléculas fiquem alinhados com o pólo positivo da cabeça. Usamos, neste caso, a velha lei "os opostos se atraem". Como a cabeça de leitura e gravação do HD é um eletroímã, sua polaridade pode ser alternada constantemente. Com o disco girando continuamente, variando a polaridade da cabeça de gravação, variamos também a direção dos pólos positivos e negativos das moléculas da superfície magnética. De acordo com a direção dos pólos, temos um bit 1 ou 0 (sistema binário).
  • 6. Formatação  A formatação de um disco magnético é realizada para que o sistema operacional seja capaz de gravar e ler dados no disco, criando assim estruturas que permitam gravar os dados de maneira organizada e recuperá-los mais tarde.  Existem dois tipos de formatação, chamados de formatação física e formatação lógica.  A formatação física é feita na fábrica ao final do processo de fabricação, que consiste em dividir o disco virgem em trilhas, setores, cilindros e isolar os bad blocks (danos no HD). Estas marcações funcionam como as faixas de uma estrada, permitindo à cabeça de leitura saber em que parte do disco está, e onde ela deve gravar dados.  A formatação física é feita apenas uma vez, e não pode ser desfeita ou refeita através de software. Porém, para que este disco possa ser reconhecido e utilizado pelo sistema operacional, é necessária uma nova formatação, chamada de formatação lógica. Ao contrário da formatação física, a formatação lógica não altera a estrutura física do disco rígido, e pode ser desfeita e refeita quantas vezes for preciso, através do comando Format do DOS, por exemplo. O processo de formatação é quase automático; basta executar o programa formatador que é fornecido junto com o sistema operacional.
  • 7. Sistema de arquivação  Os sistemas de arquivos mais conhecidos são os utilizados pelo Microsoft Windows: NTFS, FAT32 e FAT 16. O FAT32 é uma versão evoluída do FAT16 introduzida a partir do MS-DOS 4.0. A partir do Windows NT foi introduzido o NTFS, que trouxe novos recursos.
  • 8. Capacidade  Toda a vez que um HD é formatado, uma pequena quantidade de espaço é marcada como utilizada, podendo ser(dependendo do suporte do sistema de arquivos) pelo log do Journaling, mapa de clusters livres, etc.