SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo 1:
Métodos de Prova de Teoremas
•UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
•CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA
•DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO
•Professor Ulrich Schiel
•UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
•CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA
•DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO
•Professor Ulrich Schiel
•UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
•CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA
•DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO
•Professor Ulrich Schiel
Prova
• Filosofia (silogismo)
• Direito (elemento de convicção ao julgamento)
• Lógica (Linguagem, Axiomas, Regras de Dedução)
• Matemática(comprovar uma conjectura a partir de axiomas e regras)
É um procedimento sistemático de determinar a
veracidade de um novo fato a partir de fatos
conhecidos
Métodos de Prova de Teoremas
Teoremas matemáticos são expressos, geralmente, na
forma:
“Se P então Q”
onde P e Q representam sentenças simples ou
compostas.
Exemplos:
• Se A ⊆ B, então A ∩ B = A
• Se um número inteiro é divisível por 6, então ele é
divisível também por 3
• Se x é primo e maior que 2 então x é ímpar.
Teorema = Conjectura + Prova
Provar/demonstrar a conjectura (“se P então Q”) é
deduzir/inferir Q (conclusão/tese) a partir de P
(hipótese/premissa) usando axiomas e regras da lógica
e conhecimento específico sobre o assunto ou domínio.
Uma conjectura passa a se chamar um teorema depois
de provada.
• Conjectura: (se P então Q)
• Tese: Q
• Hipótese: P
Teoria
a partir de axiomas e teoremas aplica-se
regras de dedução para obter novos
teoremas.
• Linguagem: (fórmulas bem formadas)
• Axiomas: [(x=y e P(x)) então P(y) - substituição]
• Regras de dedução: (modus ponens)
Prova: Abordagens
Negar (refutar) ou Demonstrar (provar)
Negar (refutar):
Procurar um exemplo (contra-exemplo) no qual P é
verdadeiro e Q é falso
Exemplos:
• Todo inteiro menor que 10 é maior que 5
– Reescrevendo:
– Se um inteiro é menor que 10, então ele é maior que 5.
• contra-exemplo: 3
• A soma de quaisquer três inteiros consecutivos é par.
• contra-exemplo: 2+3+4 é ímpar.
Refutação
• Assumir a conjectura e chegar a um absurdo
• Encontrar um contra-exemplo.
Refutação
• Um único contra-exemplo é suficiente para se refutar
a conjectura
• procurar um contra-exemplo e não achá-lo não
constitui prova de que a conjectura é verdadeira
• ainda que um simples contra-exemplo seja suficiente
para refutar a conjectura, muitos exemplos não
provam a suposição. Eles simplesmente fortalecem
sua inclinação a procurar uma demonstração.
• (única exceção quando se está fazendo uma
asserção sobre uma coleção finita) –
Exemplo: “entre 20 e 30 só existem dois números primos”
Demonstrar/Provar
Demonstração direta: “Se P, então Q”
• Assume-se a hipótese P como verdadeira e procura-
se deduzir a tese Q
Exemplo:
Se um inteiro é divisível por 6 então ele também é
divisível por 3
Se um inteiro é divisível por 6 então ele é
também divisível por 3
HípóteseHípótese: x é divisível por 6
1. x = 6.k , para algum inteiro k (definição de divisibilidade)
2. 6 = 2.3 (fato numérico)
3. x =(2.3). k (substituição (2) em (1))
4. x = (3.2). k (comutatividade do produto)
5. x = 3.(2.k) (associatividade do produto)
6. 2.k é inteiro (propriedade dos inteiros)
7. x = 3.m , para o inteiro m = 2.k
ConclusãoConclusão: x é divisível por 3 (definição de divisibilidade)
Se um inteiro é divisível por 6 então duas vezes
o inteiro é divisível por 4
HípóteseHípótese: x é divisível por 6
• x = k.6 , para algum inteiro k (definição de divisibilidade)
• 2.x = 2.k.6 (se x=y então kx=ky)
• 2x = k.2.6(comutatividade)
• 2x = k.12 (fato numérico)
• 2x = k.3.4(fato numérico)
• 2x = m.4 , para inteiro m igual a k.3
ConclusãoConclusão: 2x é divisível por 4 (definição de divisibilidade)
O produto de dois pares é par
Se x e y são pares, então x.y é par.
• Hípótese: x e y são pares
• x = 2m , para algum inteiro m (definição de par)
• y = 2n , para algum inteiro n ( “ “ )
• x.y = 2m.2n
• x.y = 2.(m.2n) (associatividade)
• x.y = 2.k , onde k é inteiro igual a 2mn
• Conclusão: x.y é par.
Se A⊆B então A∩B = A
Hipótese: A⊆B
• PARTE 1: A ⊆ A∩B
– Para todo x ∈ A, temos x ∈ B (hipótese)
– Mas, x ∈ A & x ∈ B ⇒ x ∈ A ∩B (definição de ∩)
– Logo A ⊆ A∩B (definição de ⊆)
• PARTE 2: A∩B ⊆ A
– Para todo x ∈ A∩B
– Então x ∈ A (definição de ∩ )
– Então A∩B ⊆ A (definição de ⊆)
• Tese: A∩B = A.
• definição: X = Y def X ⊆Y e Y ⊆X
Dupla implicação
Teoremas são, às vezes, enunciados na forma:
“P se, e somente, Q”
significando:
“Se P, então Q” e “Se Q, então P”
Para se provar um teorema dessa forma deve-se
provar tanto uma quanto outra implicação.
Exemplo: x < y se, e somente se, x2
< y2
.
x < y se, e somente se, x2
< y2
→Se x < y então x2
< y2
• Hipótese: x < y
• y = x + k , para algum inteiro positivo k (hipótese)
• y2
= (x + k)2
(fato numérico)
• y2
= x2
+ 2xk + k2
(fato numérico)
• y2
> x2
• Conclusão: x2
< y2
←Se x2
< y2
então x < y
• Hipótese: x2
< y2
• y2
= x2
+ k
• y = (x2
+ k)½ > (x2
)½ = x
• Conclusão: x < y
O que acontece com
x = -2 e y = 1 ???
Demonstrar/Provar
Demonstração por contraposição: “Se P então Q”
Provar “se não Q então não P” é provar “Se P
então Q”
Exemplo:
Se um inteiro é divisível por 6 então ele também é
divisível por 3
Contrapositiva:
Se um inteiro não é divisível por 3 então ele também
não é divisível por 6.
Se um inteiro não é divisível por 3 então ele
também não é divisível por 6
• Hipótese: x não é divisível por 3.
• x ≠ k.3 , p/ todo inteiro k (negação de divisibilidade)
• x ≠ (2.d).3 , para todo inteiro d (já que 2.d é inteiro)
• x ≠ d.(2.3) , para todo inteiro d (associatividade da
multipl.)
• x ≠ d.6, para todo inteiro d (fato numérico)
• Conclusão: x não é divisível por 6.
• Exercício: Se o quadrado de um número é ímpar, então o
número também é ímpar.
xy é ímpar se e somente se x e y são ímpares
←Se x e y são ímpares então xy é ímpar
• Hipótese: x e y são ímpares
• x = 2n + 1 e y = 2m + 1, p/ m e n inteiros
• xy = 2.(2nm+m+n) + 1
• Conclusão: xy é ímpar.
→Se xy é ímpar então x e y são ímpares
• Vamos provar essa parte por contraposição
Se xy é ímpar então x e y são ímpares
• Se x ou y não é ímpar então xy não é ímpar
• Hípóteses:
- x é par e y é par ou
- x é par e y é ímpar ou
- x é ímpar e y é par
• x é par e y é par
• Conclusão: x.y é par (já provado)
• x é par e y é ímpar
• x = 2m e y = 2n + 1, p/ m e n inteiros
• xy = 2.(2mn + m)
• Conclusão: xy é par.
Demonstrar/Provar
Ex.: Se um número somado a ele próprio resulta
no próprio número, então ele é igual a zero.
• Hipótese:x + x = x Tese: x=0
• Negação da tese: x ≠ 0
• 2.x = x (hipótese e x + x = 2.x)
• 2.x/x = x/x (pois x ≠ 0)
• 2 = 1 Absurdo
• Conclusão: x = 0.
Demonstração por contradição ou por absurdo:
“Se P, então Q”
Assumir “P ∧ ¬Q” é provar “Se P então Q”
“Existem infinitos números primos”
Refutar: o número de primos é finito
• Sejam p1, p2, ..., pn todos os primos
• Seja agora k = p1 x p2 x ..., x pn + 1
• k não é divisível por nenhum pi, pois sempre
resta 1
• Como todo primo é um inteiro maior que 0, k >
pn
• Logo k é primo e maior que todos os outros
• CONTRADIÇÃO
2½
não é um número racional
Def.: um número racional é um número que pode ser
escrito na forma p/q onde p e q são inteiros, tal que p
e q não têm fatores comuns além da unidade.
Por contraposição:
• Negação da tese: 2½
é racional
• 2½
= p/q com p e q primos entre si (definição)
• 2 = p2
/q2
• 2q2
= p2
• 2 divide p2
• p2
é par
• p é par (p é par – teorema anterior)
• 2 divide p
2½
não é um número racional
• 4 é um fator de p2
(2 divide p)
• 2q2
= p2
(já estabelecido)
• 2q2
= 4k (4 é um fator de p2
)
• q2
= 2k
• 2 divide q2
• 2 divide q
• Conclusão: 2 divide tanto de p quanto de q,
contrariando a suposição inicial que p e q não tem
fatores comuns além da unidade (2½
= p/q é racional)
Exercício
1) Dado uma conjectura
1. P → Q, a negação de P é denotada por ~P, chamamos
2. ~Q → ~P de contrapositiva
3. Q → P de recíproca
4. ~P → ~Q de condicional inverso
a) Quais são equivalentes?
b) Dado “Todo número par entre 4 e 12 é uma soma de dois primos”,
Identifique P e Q e dê suas contrapositivas, recíprocas e condicional
inverso e mostre quais são teoremas.
2) Prove que “se x é positivo então x+1 é positivo”
a) por contraposição
b) por contradição (absurdo)
Demonstrar/Provar - Princípio da Indução Finita
Demonstração por indução:
“Todo inteiro positivo x tem a propriedade P”
∀nP(n)
Se pudermos mostrar que:
1. P(1) é verdadeiro, ou seja, 1 tem a propriedade;
2. P(k)→P(k+1), ou seja se um inteiro qualquer tem a
propriedade P então o inteiro seguinte também a
tem;
Então a conjectura ∀nP(n) é verdadeira (é um
teorema).
Prova por Indução
Passos:
• provar a veracidade de P(1); (base da indução)
• Admitir P(k) como verdadeiro (hipótese de indução)
• demonstrar que, P(k+1) é verdadeiro;
exemplo de prova por indução
Provar que a equação 1 + 3 + 5 +...+ (2n - 1) = n2
é
verdadeira para qualquer inteiro positivo n.
• Base de indução: P(1) é verdadeira, ou seja, 1 = 12
.
• Hipótese de indução:
P(k) : 1 + 3 + 5 + ... + (2k - 1) = k2
• Temos que mostrar então:
P(k+1): 1 + 3 + 5 + ... + (2k - 1) + [2(k+1) - 1] = (k+1)2
•
1 + 3 + 5 +...+ (2k - 1) = k2
1 + 3 + 5 + ... + (2k - 1) + [2(k + 1) - 1]
= k2
+ [2(k + 1) - 1] (hipótese de indução)
= k2
+ [2k + 2 - 1]
= k2
+ 2k + 1
= (k + 1)2
ou seja, 1 + 3 + 5 + ... + [2(k+1) - 1] = (k+1)2
então, como P(1) e P(k)→P(k+1), para k arbitrário,
podemos afirmar que ∀xP(x), ou seja:
1 + 3 + 5 +...+ (2n - 1) = n2
é verdadeira para qualquer
inteiro positivo n.
exemplo de prova por indução
Provar que a equação 1+2+3+...+n = n(n+1)/2 é
verdadeira para qualquer inteiro positivo n.
• P(1) é verdadeira, ou seja, 1 = 1(1+1)/2.
• Hipótese de indução: P(k)
1 + 2 + 3 + ... + k = k(k+1)/2
• Temos que mostrar então: P(k+1)
1 + 2 + 3 + ... + k + (k+1) = (k+1)[(k+1)+1]/2
• O lado esquerdo dessa expressão pode ser reescrito
como:
k(k+1)/2 + (k+1) (pela hipótese de indução)
1 + 2 + 3 +...+ n = n(n+1)/2
• = k(k+1)/2 + (k+1)
• = (k+1) (k/2 + 1)
• = (k+1) (k/2 + 2/2)
• = (k+1)(k+2)/2
• = (k+1)[(k+1)+1]/2
ou seja, 1 + 2 + 3 + ... + k + (k+1) = (k+1)[(k+1)+1]/2.
então, como P(1) e P(k)→P(k+1), para k arbitrário,
podemos afirmar que ∀xP(x), ou seja:
1 + 2 + 3 +...+ n = n(n+1)/2 para todo inteiro n.
Indução completa
Passos:
• estabelecer a veracidade de P(1); (base da indução)
• assumir a veracidade de P(r) para todos os inteiros r
entre 1 e um inteiro arbitrário k; (hipótese de
indução);
• provar a veracidade de P(k+1);
• Então, podemos afirmar que todo inteiro positivo tem
a propriedade P, ou ∀xP(x).
Exercício
• Mostre, por indução completa que, para a seqüência
de Fibonacci, vale a relação
F(n) < 2n
• N.B. A seqüência de Fibonacci é dada por
F(1)=1;
F(2)=2 e
• F(n)=F(n-1) + F(n-2)), para n>2
Exercícios
Provar uma das duas fórmulas abaixo:
• a fórmula para a soma dos n primeiros termos de uma
progressão geométrica (n ≥ 1) é:
a + ar + ar2
+...+ arn-1
= (a-arn
)/(1-r).
• a fórmula para a soma dos n primeiros termos de uma
progressão aritmética (n≥1) é:
a + (a+r) + (a+2r) +...+ (a+(n-1)r) = an + r(n-1)n/2.
• Dado uma conjectura
P → Q, a negação de P é denotada por P’, chamamos
• Q’ → P’ de contrapositiva
• Q → P de recíproca
• P’ → Q’ de condicional inverso
1. Quais são equivalentes?
2. Dado “Se n é um número par com 4 ≤ n ≤ 12, então n é uma
soma de dois primos”, dê suas contrapositivas, recíprocas e
condicional inverso e mostre quais são teoremas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relações
RelaçõesRelações
Relações
Chromus Master
 
Fatoração
FatoraçãoFatoração
Implicação Lógica
Implicação LógicaImplicação Lógica
Implicação Lógica
Hugo Souza
 
Funcao modular
Funcao modularFuncao modular
Funcao modular
con_seguir
 
Função logarítmica
Função logarítmicaFunção logarítmica
Função logarítmica
NathalyNara
 
Demonstrações
DemonstraçõesDemonstrações
Demonstrações
Chromus Master
 
Função composta
Função compostaFunção composta
Função composta
Meire de Fatima
 
Função.quadratica
Função.quadraticaFunção.quadratica
Função.quadratica
vaniaphcristina
 
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombosAula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
wab030
 
Estruturas algébricas
Estruturas algébricasEstruturas algébricas
Estruturas algébricas
Universidade de Pernambuco
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Ulrich Schiel
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Frações Algébricas
 www.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática -  Frações Algébricas www.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática -  Frações Algébricas
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Frações Algébricas
Aulas De Matemática Apoio
 
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisãoSistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Angela Costa
 
Aula 7 inducao matematica-primeiroprincipio
Aula 7   inducao matematica-primeiroprincipioAula 7   inducao matematica-primeiroprincipio
Aula 7 inducao matematica-primeiroprincipio
wab030
 
Raciocinio Lógico
Raciocinio LógicoRaciocinio Lógico
Raciocinio Lógico
Superprovas Software
 
Tautologias, contradições, contigências e equivalências
Tautologias, contradições, contigências e equivalênciasTautologias, contradições, contigências e equivalências
Tautologias, contradições, contigências e equivalências
Aristóteles Meneses
 
Aula 05 derivadas - conceitos iniciais
Aula 05   derivadas - conceitos iniciaisAula 05   derivadas - conceitos iniciais
17 aula intervalos reais
17 aula   intervalos reais17 aula   intervalos reais
17 aula intervalos reais
jatobaesem
 
Função de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagemFunção de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagem
Isadora Toledo
 
Equação do 2º grau
Equação do 2º grauEquação do 2º grau
Equação do 2º grau
João Paulo Luna
 

Mais procurados (20)

Relações
RelaçõesRelações
Relações
 
Fatoração
FatoraçãoFatoração
Fatoração
 
Implicação Lógica
Implicação LógicaImplicação Lógica
Implicação Lógica
 
Funcao modular
Funcao modularFuncao modular
Funcao modular
 
Função logarítmica
Função logarítmicaFunção logarítmica
Função logarítmica
 
Demonstrações
DemonstraçõesDemonstrações
Demonstrações
 
Função composta
Função compostaFunção composta
Função composta
 
Função.quadratica
Função.quadraticaFunção.quadratica
Função.quadratica
 
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombosAula 6   principio inclusaoeexclusao-casadepombos
Aula 6 principio inclusaoeexclusao-casadepombos
 
Estruturas algébricas
Estruturas algébricasEstruturas algébricas
Estruturas algébricas
 
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntosMatemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
Matemática Discreta - Parte IV teoria dos-conjuntos
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Frações Algébricas
 www.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática -  Frações Algébricas www.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática -  Frações Algébricas
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Frações Algébricas
 
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisãoSistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
 
Aula 7 inducao matematica-primeiroprincipio
Aula 7   inducao matematica-primeiroprincipioAula 7   inducao matematica-primeiroprincipio
Aula 7 inducao matematica-primeiroprincipio
 
Raciocinio Lógico
Raciocinio LógicoRaciocinio Lógico
Raciocinio Lógico
 
Tautologias, contradições, contigências e equivalências
Tautologias, contradições, contigências e equivalênciasTautologias, contradições, contigências e equivalências
Tautologias, contradições, contigências e equivalências
 
Aula 05 derivadas - conceitos iniciais
Aula 05   derivadas - conceitos iniciaisAula 05   derivadas - conceitos iniciais
Aula 05 derivadas - conceitos iniciais
 
17 aula intervalos reais
17 aula   intervalos reais17 aula   intervalos reais
17 aula intervalos reais
 
Função de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagemFunção de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagem
 
Equação do 2º grau
Equação do 2º grauEquação do 2º grau
Equação do 2º grau
 

Destaque

Matemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funçõesMatemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funções
Ulrich Schiel
 
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao   edward r scheinermanMatematica discreta uma introducao   edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
Artur Câncio
 
Lista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - ResoluçãoLista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - Resolução
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Aula 9 inducao matematica ii
Aula 9   inducao matematica iiAula 9   inducao matematica ii
Aula 9 inducao matematica ii
wab030
 
Matemática Discreta - Parte VII estruturas algébricas
Matemática Discreta - Parte VII estruturas algébricasMatemática Discreta - Parte VII estruturas algébricas
Matemática Discreta - Parte VII estruturas algébricas
Ulrich Schiel
 
Lista 2 - FUV - Resolução
Lista 2   - FUV - ResoluçãoLista 2   - FUV - Resolução
Lista 2 - FUV - Resolução
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Md7 banco dados
Md7 banco dadosMd7 banco dados
Md7 banco dados
Ulrich Schiel
 
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3  - Bases Matemáticas - InduçãoLista 3  - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Apostila matemática discreta
Apostila matemática discretaApostila matemática discreta
Apostila matemática discreta
HAROLDO MIRANDA DA COSTA JR
 
Matematica discreta fasciculo_1_v7
Matematica discreta fasciculo_1_v7Matematica discreta fasciculo_1_v7
Matematica discreta fasciculo_1_v7
CLEAN LOURENÇO
 
Edital Cegás 2016
Edital Cegás 2016Edital Cegás 2016
Edital Cegás 2016
Artur Câncio
 
Projeto brincando com álgebra equações
Projeto brincando com álgebra   equaçõesProjeto brincando com álgebra   equações
Projeto brincando com álgebra equações
dianadark
 
Algebra slideshow
Algebra slideshowAlgebra slideshow
Algebra slideshow
AlgebraProject
 
Etapas de desenvolvimento_de_um_artigo
Etapas de desenvolvimento_de_um_artigoEtapas de desenvolvimento_de_um_artigo
Etapas de desenvolvimento_de_um_artigo
Mile Araújo
 
Md9 estruturas algébricas
Md9 estruturas algébricasMd9 estruturas algébricas
Md9 estruturas algébricas
Ulrich Schiel
 
Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?
Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?
Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?
Ulrich Schiel
 
Musica
MusicaMusica
Sist nervoso
Sist nervosoSist nervoso
Lógica temporal
Lógica temporalLógica temporal
Lógica temporal
Ulrich Schiel
 
MODELOS DE DADOS - Parte 1 introdução
MODELOS DE DADOS - Parte 1 introduçãoMODELOS DE DADOS - Parte 1 introdução
MODELOS DE DADOS - Parte 1 introdução
Ulrich Schiel
 

Destaque (20)

Matemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funçõesMatemática Discreta - Parte VI funções
Matemática Discreta - Parte VI funções
 
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao   edward r scheinermanMatematica discreta uma introducao   edward r scheinerman
Matematica discreta uma introducao edward r scheinerman
 
Lista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - ResoluçãoLista 1 - FUV - Resolução
Lista 1 - FUV - Resolução
 
Aula 9 inducao matematica ii
Aula 9   inducao matematica iiAula 9   inducao matematica ii
Aula 9 inducao matematica ii
 
Matemática Discreta - Parte VII estruturas algébricas
Matemática Discreta - Parte VII estruturas algébricasMatemática Discreta - Parte VII estruturas algébricas
Matemática Discreta - Parte VII estruturas algébricas
 
Lista 2 - FUV - Resolução
Lista 2   - FUV - ResoluçãoLista 2   - FUV - Resolução
Lista 2 - FUV - Resolução
 
Md7 banco dados
Md7 banco dadosMd7 banco dados
Md7 banco dados
 
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3  - Bases Matemáticas - InduçãoLista 3  - Bases Matemáticas - Indução
Lista 3 - Bases Matemáticas - Indução
 
Apostila matemática discreta
Apostila matemática discretaApostila matemática discreta
Apostila matemática discreta
 
Matematica discreta fasciculo_1_v7
Matematica discreta fasciculo_1_v7Matematica discreta fasciculo_1_v7
Matematica discreta fasciculo_1_v7
 
Edital Cegás 2016
Edital Cegás 2016Edital Cegás 2016
Edital Cegás 2016
 
Projeto brincando com álgebra equações
Projeto brincando com álgebra   equaçõesProjeto brincando com álgebra   equações
Projeto brincando com álgebra equações
 
Algebra slideshow
Algebra slideshowAlgebra slideshow
Algebra slideshow
 
Etapas de desenvolvimento_de_um_artigo
Etapas de desenvolvimento_de_um_artigoEtapas de desenvolvimento_de_um_artigo
Etapas de desenvolvimento_de_um_artigo
 
Md9 estruturas algébricas
Md9 estruturas algébricasMd9 estruturas algébricas
Md9 estruturas algébricas
 
Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?
Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?
Informação+Sistemas=Sistemas de Informação?
 
Musica
MusicaMusica
Musica
 
Sist nervoso
Sist nervosoSist nervoso
Sist nervoso
 
Lógica temporal
Lógica temporalLógica temporal
Lógica temporal
 
MODELOS DE DADOS - Parte 1 introdução
MODELOS DE DADOS - Parte 1 introduçãoMODELOS DE DADOS - Parte 1 introdução
MODELOS DE DADOS - Parte 1 introdução
 

Semelhante a Matemática Discreta - Parte III definicoes indutivas

Md 4 sequenciae_inducaomatematica
Md 4 sequenciae_inducaomatematicaMd 4 sequenciae_inducaomatematica
Md 4 sequenciae_inducaomatematica
Mauricio Wieler
 
PROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMASPROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMAS
Carlos Campani
 
Aula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremasAula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremas
Carlos Campani
 
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
trigono_metrico
 
Demonstrações
DemonstraçõesDemonstrações
A matemática do ensino médio vol 1
A matemática do ensino médio vol 1A matemática do ensino médio vol 1
A matemática do ensino médio vol 1
joutrumundo
 
Gabarito av2 ma14_2016
Gabarito av2 ma14_2016Gabarito av2 ma14_2016
Gabarito av2 ma14_2016
Luciana Martino
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
Paulo Martins
 
Teoria do números - Classificações especiais
Teoria do números - Classificações especiaisTeoria do números - Classificações especiais
Teoria do números - Classificações especiais
Romulo Garcia
 
Ufba11mat2
Ufba11mat2Ufba11mat2
Exercsolv1
Exercsolv1Exercsolv1
Exercsolv1
Rosinalldo Santos
 
Mat regra de sinais
Mat regra de sinaisMat regra de sinais
Mat regra de sinais
trigono_metria
 
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempoAplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Lucas Guimaraes
 
01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos
Wallysson Mendes
 
01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos
Wallysson Mendes
 
Lógica, conjuntos e intervalos
Lógica, conjuntos e intervalosLógica, conjuntos e intervalos
Lógica, conjuntos e intervalos
Sérgio de Castro
 
01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos
Felipe Renan
 
Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2
bonesea
 
A3 me
A3 meA3 me
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
Paulo Martins
 

Semelhante a Matemática Discreta - Parte III definicoes indutivas (20)

Md 4 sequenciae_inducaomatematica
Md 4 sequenciae_inducaomatematicaMd 4 sequenciae_inducaomatematica
Md 4 sequenciae_inducaomatematica
 
PROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMASPROVAS DE TEOREMAS
PROVAS DE TEOREMAS
 
Aula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremasAula sobre prova de teoremas
Aula sobre prova de teoremas
 
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
 
Demonstrações
DemonstraçõesDemonstrações
Demonstrações
 
A matemática do ensino médio vol 1
A matemática do ensino médio vol 1A matemática do ensino médio vol 1
A matemática do ensino médio vol 1
 
Gabarito av2 ma14_2016
Gabarito av2 ma14_2016Gabarito av2 ma14_2016
Gabarito av2 ma14_2016
 
Intro teoria dos números cap2
Intro teoria dos  números cap2Intro teoria dos  números cap2
Intro teoria dos números cap2
 
Teoria do números - Classificações especiais
Teoria do números - Classificações especiaisTeoria do números - Classificações especiais
Teoria do números - Classificações especiais
 
Ufba11mat2
Ufba11mat2Ufba11mat2
Ufba11mat2
 
Exercsolv1
Exercsolv1Exercsolv1
Exercsolv1
 
Mat regra de sinais
Mat regra de sinaisMat regra de sinais
Mat regra de sinais
 
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempoAplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
 
01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos
 
01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos
 
Lógica, conjuntos e intervalos
Lógica, conjuntos e intervalosLógica, conjuntos e intervalos
Lógica, conjuntos e intervalos
 
01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos01 lógica, conjuntos e intervalos
01 lógica, conjuntos e intervalos
 
Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2Notas de aula 01 2015-2
Notas de aula 01 2015-2
 
A3 me
A3 meA3 me
A3 me
 
Teoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos iTeoria dos numeros primos i
Teoria dos numeros primos i
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Matemática Discreta - Parte III definicoes indutivas

  • 1. Módulo 1: Métodos de Prova de Teoremas •UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE •CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA •DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO •Professor Ulrich Schiel •UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE •CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA •DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO •Professor Ulrich Schiel •UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE •CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA •DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO •Professor Ulrich Schiel
  • 2. Prova • Filosofia (silogismo) • Direito (elemento de convicção ao julgamento) • Lógica (Linguagem, Axiomas, Regras de Dedução) • Matemática(comprovar uma conjectura a partir de axiomas e regras) É um procedimento sistemático de determinar a veracidade de um novo fato a partir de fatos conhecidos
  • 3. Métodos de Prova de Teoremas Teoremas matemáticos são expressos, geralmente, na forma: “Se P então Q” onde P e Q representam sentenças simples ou compostas. Exemplos: • Se A ⊆ B, então A ∩ B = A • Se um número inteiro é divisível por 6, então ele é divisível também por 3 • Se x é primo e maior que 2 então x é ímpar.
  • 4. Teorema = Conjectura + Prova Provar/demonstrar a conjectura (“se P então Q”) é deduzir/inferir Q (conclusão/tese) a partir de P (hipótese/premissa) usando axiomas e regras da lógica e conhecimento específico sobre o assunto ou domínio. Uma conjectura passa a se chamar um teorema depois de provada. • Conjectura: (se P então Q) • Tese: Q • Hipótese: P
  • 5. Teoria a partir de axiomas e teoremas aplica-se regras de dedução para obter novos teoremas. • Linguagem: (fórmulas bem formadas) • Axiomas: [(x=y e P(x)) então P(y) - substituição] • Regras de dedução: (modus ponens)
  • 6. Prova: Abordagens Negar (refutar) ou Demonstrar (provar) Negar (refutar): Procurar um exemplo (contra-exemplo) no qual P é verdadeiro e Q é falso Exemplos: • Todo inteiro menor que 10 é maior que 5 – Reescrevendo: – Se um inteiro é menor que 10, então ele é maior que 5. • contra-exemplo: 3 • A soma de quaisquer três inteiros consecutivos é par. • contra-exemplo: 2+3+4 é ímpar.
  • 7. Refutação • Assumir a conjectura e chegar a um absurdo • Encontrar um contra-exemplo.
  • 8. Refutação • Um único contra-exemplo é suficiente para se refutar a conjectura • procurar um contra-exemplo e não achá-lo não constitui prova de que a conjectura é verdadeira • ainda que um simples contra-exemplo seja suficiente para refutar a conjectura, muitos exemplos não provam a suposição. Eles simplesmente fortalecem sua inclinação a procurar uma demonstração. • (única exceção quando se está fazendo uma asserção sobre uma coleção finita) – Exemplo: “entre 20 e 30 só existem dois números primos”
  • 9. Demonstrar/Provar Demonstração direta: “Se P, então Q” • Assume-se a hipótese P como verdadeira e procura- se deduzir a tese Q Exemplo: Se um inteiro é divisível por 6 então ele também é divisível por 3
  • 10. Se um inteiro é divisível por 6 então ele é também divisível por 3 HípóteseHípótese: x é divisível por 6 1. x = 6.k , para algum inteiro k (definição de divisibilidade) 2. 6 = 2.3 (fato numérico) 3. x =(2.3). k (substituição (2) em (1)) 4. x = (3.2). k (comutatividade do produto) 5. x = 3.(2.k) (associatividade do produto) 6. 2.k é inteiro (propriedade dos inteiros) 7. x = 3.m , para o inteiro m = 2.k ConclusãoConclusão: x é divisível por 3 (definição de divisibilidade)
  • 11. Se um inteiro é divisível por 6 então duas vezes o inteiro é divisível por 4 HípóteseHípótese: x é divisível por 6 • x = k.6 , para algum inteiro k (definição de divisibilidade) • 2.x = 2.k.6 (se x=y então kx=ky) • 2x = k.2.6(comutatividade) • 2x = k.12 (fato numérico) • 2x = k.3.4(fato numérico) • 2x = m.4 , para inteiro m igual a k.3 ConclusãoConclusão: 2x é divisível por 4 (definição de divisibilidade)
  • 12. O produto de dois pares é par Se x e y são pares, então x.y é par. • Hípótese: x e y são pares • x = 2m , para algum inteiro m (definição de par) • y = 2n , para algum inteiro n ( “ “ ) • x.y = 2m.2n • x.y = 2.(m.2n) (associatividade) • x.y = 2.k , onde k é inteiro igual a 2mn • Conclusão: x.y é par.
  • 13. Se A⊆B então A∩B = A Hipótese: A⊆B • PARTE 1: A ⊆ A∩B – Para todo x ∈ A, temos x ∈ B (hipótese) – Mas, x ∈ A & x ∈ B ⇒ x ∈ A ∩B (definição de ∩) – Logo A ⊆ A∩B (definição de ⊆) • PARTE 2: A∩B ⊆ A – Para todo x ∈ A∩B – Então x ∈ A (definição de ∩ ) – Então A∩B ⊆ A (definição de ⊆) • Tese: A∩B = A. • definição: X = Y def X ⊆Y e Y ⊆X
  • 14. Dupla implicação Teoremas são, às vezes, enunciados na forma: “P se, e somente, Q” significando: “Se P, então Q” e “Se Q, então P” Para se provar um teorema dessa forma deve-se provar tanto uma quanto outra implicação. Exemplo: x < y se, e somente se, x2 < y2 .
  • 15. x < y se, e somente se, x2 < y2 →Se x < y então x2 < y2 • Hipótese: x < y • y = x + k , para algum inteiro positivo k (hipótese) • y2 = (x + k)2 (fato numérico) • y2 = x2 + 2xk + k2 (fato numérico) • y2 > x2 • Conclusão: x2 < y2 ←Se x2 < y2 então x < y • Hipótese: x2 < y2 • y2 = x2 + k • y = (x2 + k)½ > (x2 )½ = x • Conclusão: x < y O que acontece com x = -2 e y = 1 ???
  • 16. Demonstrar/Provar Demonstração por contraposição: “Se P então Q” Provar “se não Q então não P” é provar “Se P então Q” Exemplo: Se um inteiro é divisível por 6 então ele também é divisível por 3 Contrapositiva: Se um inteiro não é divisível por 3 então ele também não é divisível por 6.
  • 17. Se um inteiro não é divisível por 3 então ele também não é divisível por 6 • Hipótese: x não é divisível por 3. • x ≠ k.3 , p/ todo inteiro k (negação de divisibilidade) • x ≠ (2.d).3 , para todo inteiro d (já que 2.d é inteiro) • x ≠ d.(2.3) , para todo inteiro d (associatividade da multipl.) • x ≠ d.6, para todo inteiro d (fato numérico) • Conclusão: x não é divisível por 6. • Exercício: Se o quadrado de um número é ímpar, então o número também é ímpar.
  • 18. xy é ímpar se e somente se x e y são ímpares ←Se x e y são ímpares então xy é ímpar • Hipótese: x e y são ímpares • x = 2n + 1 e y = 2m + 1, p/ m e n inteiros • xy = 2.(2nm+m+n) + 1 • Conclusão: xy é ímpar. →Se xy é ímpar então x e y são ímpares • Vamos provar essa parte por contraposição
  • 19. Se xy é ímpar então x e y são ímpares • Se x ou y não é ímpar então xy não é ímpar • Hípóteses: - x é par e y é par ou - x é par e y é ímpar ou - x é ímpar e y é par • x é par e y é par • Conclusão: x.y é par (já provado) • x é par e y é ímpar • x = 2m e y = 2n + 1, p/ m e n inteiros • xy = 2.(2mn + m) • Conclusão: xy é par.
  • 20. Demonstrar/Provar Ex.: Se um número somado a ele próprio resulta no próprio número, então ele é igual a zero. • Hipótese:x + x = x Tese: x=0 • Negação da tese: x ≠ 0 • 2.x = x (hipótese e x + x = 2.x) • 2.x/x = x/x (pois x ≠ 0) • 2 = 1 Absurdo • Conclusão: x = 0. Demonstração por contradição ou por absurdo: “Se P, então Q” Assumir “P ∧ ¬Q” é provar “Se P então Q”
  • 21. “Existem infinitos números primos” Refutar: o número de primos é finito • Sejam p1, p2, ..., pn todos os primos • Seja agora k = p1 x p2 x ..., x pn + 1 • k não é divisível por nenhum pi, pois sempre resta 1 • Como todo primo é um inteiro maior que 0, k > pn • Logo k é primo e maior que todos os outros • CONTRADIÇÃO
  • 22. 2½ não é um número racional Def.: um número racional é um número que pode ser escrito na forma p/q onde p e q são inteiros, tal que p e q não têm fatores comuns além da unidade. Por contraposição: • Negação da tese: 2½ é racional • 2½ = p/q com p e q primos entre si (definição) • 2 = p2 /q2 • 2q2 = p2 • 2 divide p2 • p2 é par • p é par (p é par – teorema anterior) • 2 divide p
  • 23. 2½ não é um número racional • 4 é um fator de p2 (2 divide p) • 2q2 = p2 (já estabelecido) • 2q2 = 4k (4 é um fator de p2 ) • q2 = 2k • 2 divide q2 • 2 divide q • Conclusão: 2 divide tanto de p quanto de q, contrariando a suposição inicial que p e q não tem fatores comuns além da unidade (2½ = p/q é racional)
  • 24. Exercício 1) Dado uma conjectura 1. P → Q, a negação de P é denotada por ~P, chamamos 2. ~Q → ~P de contrapositiva 3. Q → P de recíproca 4. ~P → ~Q de condicional inverso a) Quais são equivalentes? b) Dado “Todo número par entre 4 e 12 é uma soma de dois primos”, Identifique P e Q e dê suas contrapositivas, recíprocas e condicional inverso e mostre quais são teoremas. 2) Prove que “se x é positivo então x+1 é positivo” a) por contraposição b) por contradição (absurdo)
  • 25. Demonstrar/Provar - Princípio da Indução Finita Demonstração por indução: “Todo inteiro positivo x tem a propriedade P” ∀nP(n) Se pudermos mostrar que: 1. P(1) é verdadeiro, ou seja, 1 tem a propriedade; 2. P(k)→P(k+1), ou seja se um inteiro qualquer tem a propriedade P então o inteiro seguinte também a tem; Então a conjectura ∀nP(n) é verdadeira (é um teorema).
  • 26. Prova por Indução Passos: • provar a veracidade de P(1); (base da indução) • Admitir P(k) como verdadeiro (hipótese de indução) • demonstrar que, P(k+1) é verdadeiro;
  • 27. exemplo de prova por indução Provar que a equação 1 + 3 + 5 +...+ (2n - 1) = n2 é verdadeira para qualquer inteiro positivo n. • Base de indução: P(1) é verdadeira, ou seja, 1 = 12 . • Hipótese de indução: P(k) : 1 + 3 + 5 + ... + (2k - 1) = k2 • Temos que mostrar então: P(k+1): 1 + 3 + 5 + ... + (2k - 1) + [2(k+1) - 1] = (k+1)2 •
  • 28. 1 + 3 + 5 +...+ (2k - 1) = k2 1 + 3 + 5 + ... + (2k - 1) + [2(k + 1) - 1] = k2 + [2(k + 1) - 1] (hipótese de indução) = k2 + [2k + 2 - 1] = k2 + 2k + 1 = (k + 1)2 ou seja, 1 + 3 + 5 + ... + [2(k+1) - 1] = (k+1)2 então, como P(1) e P(k)→P(k+1), para k arbitrário, podemos afirmar que ∀xP(x), ou seja: 1 + 3 + 5 +...+ (2n - 1) = n2 é verdadeira para qualquer inteiro positivo n.
  • 29. exemplo de prova por indução Provar que a equação 1+2+3+...+n = n(n+1)/2 é verdadeira para qualquer inteiro positivo n. • P(1) é verdadeira, ou seja, 1 = 1(1+1)/2. • Hipótese de indução: P(k) 1 + 2 + 3 + ... + k = k(k+1)/2 • Temos que mostrar então: P(k+1) 1 + 2 + 3 + ... + k + (k+1) = (k+1)[(k+1)+1]/2 • O lado esquerdo dessa expressão pode ser reescrito como: k(k+1)/2 + (k+1) (pela hipótese de indução)
  • 30. 1 + 2 + 3 +...+ n = n(n+1)/2 • = k(k+1)/2 + (k+1) • = (k+1) (k/2 + 1) • = (k+1) (k/2 + 2/2) • = (k+1)(k+2)/2 • = (k+1)[(k+1)+1]/2 ou seja, 1 + 2 + 3 + ... + k + (k+1) = (k+1)[(k+1)+1]/2. então, como P(1) e P(k)→P(k+1), para k arbitrário, podemos afirmar que ∀xP(x), ou seja: 1 + 2 + 3 +...+ n = n(n+1)/2 para todo inteiro n.
  • 31. Indução completa Passos: • estabelecer a veracidade de P(1); (base da indução) • assumir a veracidade de P(r) para todos os inteiros r entre 1 e um inteiro arbitrário k; (hipótese de indução); • provar a veracidade de P(k+1); • Então, podemos afirmar que todo inteiro positivo tem a propriedade P, ou ∀xP(x).
  • 32. Exercício • Mostre, por indução completa que, para a seqüência de Fibonacci, vale a relação F(n) < 2n • N.B. A seqüência de Fibonacci é dada por F(1)=1; F(2)=2 e • F(n)=F(n-1) + F(n-2)), para n>2
  • 33. Exercícios Provar uma das duas fórmulas abaixo: • a fórmula para a soma dos n primeiros termos de uma progressão geométrica (n ≥ 1) é: a + ar + ar2 +...+ arn-1 = (a-arn )/(1-r). • a fórmula para a soma dos n primeiros termos de uma progressão aritmética (n≥1) é: a + (a+r) + (a+2r) +...+ (a+(n-1)r) = an + r(n-1)n/2. • Dado uma conjectura P → Q, a negação de P é denotada por P’, chamamos • Q’ → P’ de contrapositiva • Q → P de recíproca • P’ → Q’ de condicional inverso 1. Quais são equivalentes? 2. Dado “Se n é um número par com 4 ≤ n ≤ 12, então n é uma soma de dois primos”, dê suas contrapositivas, recíprocas e condicional inverso e mostre quais são teoremas.