SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo 3: A Abertura Europeia ao
 mundo- mutações nos
 conhecimentos, sensibilidades e
 valores nos séculos XV e XVI

UNIDADE 1: A GEOGRAFIA CULTURAL EUROPEIA DE
QUATROCENTOS E QUINHENTOS
NÍVEIS DE DESEMPENHO

 Entender a Idade Moderna como um fenómeno global.
 Identificar os principais centros de produção e difusão de sínteses e inovações.
 Compreender o cosmopolitismo das cidades hispânicas.
TEMPO HISTÓRICO
                      CRONOLOGIA
Anos                                        Acontecimentos

1434   Cosme de Médicis, senhor de Florença

1456   Impressão da Bíblia por Gutenberg

1478   Lourenço de Médicis, senhor de Florença

1509   Erasmo publica o “Elogio da Loucura”

1516   Maquiavel publica “ O príncipe”.

1517   Lutero publica “As 95 teses contra as indulgências”

1536   Introdução da Inquisição em Portugal

1543   Vesálio escreve o Tratado de Anatomia

1545   Início do Concílio de Trento

1572   Publicação de Os Lusíadas de Luís de Camões
AS CONDIÇÕES DA EXPANSÃO CULTURAL

 Recuperação demográfica, urbana e mercantil;
 Crescimento da burguesia, que enriquece;
 Centralização do poder político;
 Aumento demográfico;
 Descoberta de novas rotas e áreas de comércio:
         Revolucionam-se as técnicas e os conhecimentos;
         Evolui a cartografia e a náutica;
         Ligam-se novos continentes por travessia marítima;
         Desenvolvem-se novas formas de armamento (pólvora);
         Surge a imprensa (Gutenberg) e a divulgação de textos.
Homem Vitruviano
                Leonardo da Vinci, 1490 Lápis e tinta sobre papel
               34 × 24 cm Gallerie dell'Accademia, Veneza, Itália.


  O Homem Vitruviano De Da Vinci é
baseado numa famosa passagem do
arquiteto romano Vitruvius na sua série
de livros intitulados de De Architectura,
um tratado de arquitetura em que, no
terceiro livro, ele descreve as proporções
do corpo humano masculino.
  A união dos interesses de Leonardo
pela ciência e pela arte da proporção é
representada neste famoso desenho.
A IMPRENSA

  A invenção da imprensa, foi atribuída a Gutenberg, que
substituiu as pranchas xilográficas por caracteres móveis de
madeira, depois pelo cobre e, finalmente, pelo aço. Criou
um processo que, gerando uma espécie de molde de letras,
as permitia montar numa base de chumbo, tintadas e
prensadas. Assim, Gutenberg produziu a primeira Bíblia,
impressa em latim, com uma tiragem de cerca de 300
exemplares.
A Imprensa permite a reprodução sistemática das obras escritas. A sua
rápida difusão foi possível devido:
•   ao progresso das universidades medievais,
•   ao crescente gosto pela leitura,
•   à divulgação da fórmula de produção do papel.
    Gutenberg inventa os caracteres móveis o que possibilita:
         -a instalação de tipografias em todas as grandes cidades europeias,
         - a multiplicação da circulação das obras clássicas e religiosas,
         - a rápida difusão de novas ideias e inovações,
         - a criação de bibliotecas particulares...
A HERANÇA CULTURAL

 Nos inícios do séc. XV, começo de uma nova época, o homem ainda se
  encontrava fortemente apegado aos conhecimentos anteriores.
 A herança cultural, fortemente dominada pela Igreja, começa aos poucos a
  libertar-se da teologia graças a:
     Ao impulso do comércio, que rompe barreiras geográficas;
     Aos progressos das línguas nacionais, que permitem o desenvolvimento de
      uma cultura própria;
     Ao desenvolvimento e crescimento da imprensa e das universidades.
 Eram os tempos modernos… o Homem afirma-se em pleno e redescobrem-se
  os clássicos greco-romanos. Entra-se assim na fase do Renascimento.
PRINCIPAIS CENTROS DE DIFUSÃO - ITÁLIA

 Itália, herdeira direta do império Romano, foi o berço do Renascimento.
 Era um país dividido em numerosos estados independentes e rivais entre si. As
  rivalidades políticas passavam muitas vezes para o campo cultural e pessoal.
 Destacava-se Florença, principado dos Médicis, zona de grande florescimento
  cultural e artístico.
 Roma era outro dos grandes centros culturais da Itália renascentista, onde a
  contratação de prestigiados artistas permitiu a monumentalidade da capital da
  Cristandade.
 Veneza gozava também de grande prosperidade económica e política. Distinguiu-se
  pela escola de pintura e pelas muitas oficinas tipográficas que aí existiam.
PRINCIPAIS CENTROS DE DIFUSÃO NA EUROPA

 Tal como na Itália, na Europa do Renascimento os centros culturais foram
  impulsionados pelas cortes régias e principescas, círculos aristocráticos e
  burgueses, pelas oficinas de imprensa, colégios e universidades renovadas.
 Países Baixos: (duques de Borgonha) a pintura atingiu um elevado grau de
  aperfeiçoamento técnico. Erasmo de Roterdão foi um notável filósofo e moralista
  holandês.
 França: Francisco I impulsionou os estudos humanistas e favoreceu a aplicação de
  uma decoração clássica.
 Alemanha:    importante     polo   de   estudos   matemáticos,   astronómicos   e
  cartográficos; os pintores conjugavam nos retratos o pormenor descritivo e a
  tradição nórdica, com a técnica italiana.
A IMPORTÂNCIA DE LISBOA E SEVILHA

 Os Ibéricos eram os grandes impérios coloniais dos inícios da Idade Moderna:
     Descobertas marítimas (América, por exemplo);
     Na interseção das principais rotas de comércio;
     Desenvolvimento científico e tecnológico;
     Aumento populacional e dinamismo burguês.




                 LISBOA                                 SEVILHA
ROTAS MARÍTIMAS DE PORTUGAL E
          ESPANHA
LISBOA

 Maior metrópole comercial do mundo;
 Ponto de ligação das principais rotas comerciais;
 Grandes estaleiros;
 Trocas comerciais intensas;
 Bazares e casas comerciais (Casa da Mina);
 Metrópole política;
 Reconstrução urbanística ligada ao novo movimento comercial (Armazéns do
  Trigo; Paço da Ribeira…);
 Dinamismo demográfico (aumento populacional, migrações e escravos).
SEVILHA

 Acesso ao ouro e prata americanos (carreira das
  Índias);
 Ponto de ligação das principais rotas comerciais;
 Organização da Casa da Contratação (gere o
  fluxo de embarcações e comércio);
 Instalação de grandes firmas comerciais
  estrangeiras;

 Trocas comerciais intensas;

 Cidade de grandes contrastes;
 Dinamismo demográfico (aumento populacional, migrações e escravos).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
Joana Pinto
 
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaOs motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
Maria Gomes
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
HCA_10I
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
Pocarolas
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
200166754
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
Maria Cristina Ribeiro
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
Fernando Alvarado
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
 
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesaOs motivos que levaram à expansão portuguesa
Os motivos que levaram à expansão portuguesa
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 

Semelhante a A abertura ao mundo

Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
cattonia
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
cattonia
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxA CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
TeresaLopes78
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
João Lima
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
Carla Teixeira
 
Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos
Bruno Marques
 
Classicismo!
Classicismo!Classicismo!
Classicismo!
Arieli Bis Sobbis
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Bruno Marques
 
Renascimento.pdf
Renascimento.pdfRenascimento.pdf
Renascimento.pdf
ssusera065a2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedadeRENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
Ricardo Diniz campos
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
raphacorrea
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
Gonçalo Martins
 
Renascimento científico e cultural - arte e invenções
Renascimento científico e cultural - arte e invençõesRenascimento científico e cultural - arte e invenções
Renascimento científico e cultural - arte e invenções
proflucascariri
 
O Renascimento 2M3
O Renascimento 2M3O Renascimento 2M3
O Renascimento 2M3
raphacorrea
 
Renascimento - História
Renascimento - HistóriaRenascimento - História
Renascimento - História
Thepatriciamartins12
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Matheus-9
 
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
Maria Cristina Ribeiro
 
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 O Renascimento e a formação da mentalidade moderna. O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
angelamoliveira
 

Semelhante a A abertura ao mundo (20)

Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxA CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
 
Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos
 
Classicismo!
Classicismo!Classicismo!
Classicismo!
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
 
Renascimento.pdf
Renascimento.pdfRenascimento.pdf
Renascimento.pdf
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedadeRENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
 
Renascimento científico e cultural - arte e invenções
Renascimento científico e cultural - arte e invençõesRenascimento científico e cultural - arte e invenções
Renascimento científico e cultural - arte e invenções
 
O Renascimento 2M3
O Renascimento 2M3O Renascimento 2M3
O Renascimento 2M3
 
Renascimento - História
Renascimento - HistóriaRenascimento - História
Renascimento - História
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
 
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 O Renascimento e a formação da mentalidade moderna. O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 

A abertura ao mundo

  • 1. Módulo 3: A Abertura Europeia ao mundo- mutações nos conhecimentos, sensibilidades e valores nos séculos XV e XVI UNIDADE 1: A GEOGRAFIA CULTURAL EUROPEIA DE QUATROCENTOS E QUINHENTOS
  • 2. NÍVEIS DE DESEMPENHO  Entender a Idade Moderna como um fenómeno global.  Identificar os principais centros de produção e difusão de sínteses e inovações.  Compreender o cosmopolitismo das cidades hispânicas.
  • 3. TEMPO HISTÓRICO CRONOLOGIA Anos Acontecimentos 1434 Cosme de Médicis, senhor de Florença 1456 Impressão da Bíblia por Gutenberg 1478 Lourenço de Médicis, senhor de Florença 1509 Erasmo publica o “Elogio da Loucura” 1516 Maquiavel publica “ O príncipe”. 1517 Lutero publica “As 95 teses contra as indulgências” 1536 Introdução da Inquisição em Portugal 1543 Vesálio escreve o Tratado de Anatomia 1545 Início do Concílio de Trento 1572 Publicação de Os Lusíadas de Luís de Camões
  • 4. AS CONDIÇÕES DA EXPANSÃO CULTURAL  Recuperação demográfica, urbana e mercantil;  Crescimento da burguesia, que enriquece;  Centralização do poder político;  Aumento demográfico;  Descoberta de novas rotas e áreas de comércio:  Revolucionam-se as técnicas e os conhecimentos;  Evolui a cartografia e a náutica;  Ligam-se novos continentes por travessia marítima;  Desenvolvem-se novas formas de armamento (pólvora);  Surge a imprensa (Gutenberg) e a divulgação de textos.
  • 5. Homem Vitruviano Leonardo da Vinci, 1490 Lápis e tinta sobre papel 34 × 24 cm Gallerie dell'Accademia, Veneza, Itália. O Homem Vitruviano De Da Vinci é baseado numa famosa passagem do arquiteto romano Vitruvius na sua série de livros intitulados de De Architectura, um tratado de arquitetura em que, no terceiro livro, ele descreve as proporções do corpo humano masculino. A união dos interesses de Leonardo pela ciência e pela arte da proporção é representada neste famoso desenho.
  • 6. A IMPRENSA A invenção da imprensa, foi atribuída a Gutenberg, que substituiu as pranchas xilográficas por caracteres móveis de madeira, depois pelo cobre e, finalmente, pelo aço. Criou um processo que, gerando uma espécie de molde de letras, as permitia montar numa base de chumbo, tintadas e prensadas. Assim, Gutenberg produziu a primeira Bíblia, impressa em latim, com uma tiragem de cerca de 300 exemplares.
  • 7. A Imprensa permite a reprodução sistemática das obras escritas. A sua rápida difusão foi possível devido: • ao progresso das universidades medievais, • ao crescente gosto pela leitura, • à divulgação da fórmula de produção do papel. Gutenberg inventa os caracteres móveis o que possibilita: -a instalação de tipografias em todas as grandes cidades europeias, - a multiplicação da circulação das obras clássicas e religiosas, - a rápida difusão de novas ideias e inovações, - a criação de bibliotecas particulares...
  • 8. A HERANÇA CULTURAL  Nos inícios do séc. XV, começo de uma nova época, o homem ainda se encontrava fortemente apegado aos conhecimentos anteriores.  A herança cultural, fortemente dominada pela Igreja, começa aos poucos a libertar-se da teologia graças a:  Ao impulso do comércio, que rompe barreiras geográficas;  Aos progressos das línguas nacionais, que permitem o desenvolvimento de uma cultura própria;  Ao desenvolvimento e crescimento da imprensa e das universidades.  Eram os tempos modernos… o Homem afirma-se em pleno e redescobrem-se os clássicos greco-romanos. Entra-se assim na fase do Renascimento.
  • 9. PRINCIPAIS CENTROS DE DIFUSÃO - ITÁLIA  Itália, herdeira direta do império Romano, foi o berço do Renascimento.  Era um país dividido em numerosos estados independentes e rivais entre si. As rivalidades políticas passavam muitas vezes para o campo cultural e pessoal.  Destacava-se Florença, principado dos Médicis, zona de grande florescimento cultural e artístico.  Roma era outro dos grandes centros culturais da Itália renascentista, onde a contratação de prestigiados artistas permitiu a monumentalidade da capital da Cristandade.  Veneza gozava também de grande prosperidade económica e política. Distinguiu-se pela escola de pintura e pelas muitas oficinas tipográficas que aí existiam.
  • 10. PRINCIPAIS CENTROS DE DIFUSÃO NA EUROPA  Tal como na Itália, na Europa do Renascimento os centros culturais foram impulsionados pelas cortes régias e principescas, círculos aristocráticos e burgueses, pelas oficinas de imprensa, colégios e universidades renovadas.  Países Baixos: (duques de Borgonha) a pintura atingiu um elevado grau de aperfeiçoamento técnico. Erasmo de Roterdão foi um notável filósofo e moralista holandês.  França: Francisco I impulsionou os estudos humanistas e favoreceu a aplicação de uma decoração clássica.  Alemanha: importante polo de estudos matemáticos, astronómicos e cartográficos; os pintores conjugavam nos retratos o pormenor descritivo e a tradição nórdica, com a técnica italiana.
  • 11. A IMPORTÂNCIA DE LISBOA E SEVILHA  Os Ibéricos eram os grandes impérios coloniais dos inícios da Idade Moderna:  Descobertas marítimas (América, por exemplo);  Na interseção das principais rotas de comércio;  Desenvolvimento científico e tecnológico;  Aumento populacional e dinamismo burguês. LISBOA SEVILHA
  • 12. ROTAS MARÍTIMAS DE PORTUGAL E ESPANHA
  • 13. LISBOA  Maior metrópole comercial do mundo;  Ponto de ligação das principais rotas comerciais;  Grandes estaleiros;  Trocas comerciais intensas;  Bazares e casas comerciais (Casa da Mina);  Metrópole política;  Reconstrução urbanística ligada ao novo movimento comercial (Armazéns do Trigo; Paço da Ribeira…);  Dinamismo demográfico (aumento populacional, migrações e escravos).
  • 14. SEVILHA  Acesso ao ouro e prata americanos (carreira das Índias);  Ponto de ligação das principais rotas comerciais;  Organização da Casa da Contratação (gere o fluxo de embarcações e comércio);  Instalação de grandes firmas comerciais estrangeiras;  Trocas comerciais intensas;  Cidade de grandes contrastes;  Dinamismo demográfico (aumento populacional, migrações e escravos).