SlideShare uma empresa Scribd logo

Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal

Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal

1 de 71
Módulo 5 – Cultura do
Palácio
Renascimento e
Maneirismo
em Portugal
Carlos Jorge Canto Vie
PORTUGAL - RENASCIMENTO
Prof. Carlos Vieira 2
Portugal
• Pintura
– pintura do Renascimento = pintura manuelina
– Temas
• Sobretudo religiosa
– Influencia
• obras e pintores provenientes da Flandres, da Alemanha e da
Itália.
Prof. Carlos Vieira 3
Portugal
• Influência flamenga
– presente desde o Gótico;
– marca a pintura:
• quer através das obras importadas - feitorias portuguesas na
Flandres e na Alemanha, via Antuérpia;
• quer pelos pintores que daí vieram e se radicaram no nosso país.
Prof. Carlos Vieira 4
Portugal
• Origem da pintura portuguesa
– obras de Nuno Gonçalves e Jorge Afonso.
– Escolas:
• Lisboa:
– Gaspar Vaz (act 1514-1568);
• Coimbra;
• Viseu:
– Vasco Fernandes (c. 1475-C. 1542);
– Garcia Fernandes (act. 1514-1565 ).
Prof. Carlos Vieira 5
Portugal
Prof. Carlos Vieira 6
Gaspar Vaz
Virgem da Anunciação
c. 1530, óleo sobre madeira
53 x 61 cm
Museu Soares dos Reis
Porto, Portugal

Recomendados

Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismocattonia
 
Cultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentistaCultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentistaCarlos Vieira
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalCarlos Vieira
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugalAna Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em PortugalCultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em PortugalCarlos Vieira
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaCarla Freitas
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românicaAna Barreiros
 
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ ManuelinoHistória de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ ManuelinoCristiana Marques
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barrocaVítor Santos
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura góticaAna Barreiros
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasCarla Freitas
 
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCarlos Vieira
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaCarlos Vieira
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1Vítor Santos
 
A anunciação
A anunciaçãoA anunciação
A anunciaçãocattonia
 
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismoA escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismoAntónio Silva
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romanaCarla Freitas
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaCarla Freitas
 
04 escultura renascentista
04 escultura renascentista04 escultura renascentista
04 escultura renascentistaVítor Santos
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura góticaVítor Santos
 

Mais procurados (20)

Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em PortugalCultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ ManuelinoHistória de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
 
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 
A anunciação
A anunciaçãoA anunciação
A anunciação
 
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismoA escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
A escultura portuguesa do gótico ao maneirismo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
 
Lourenço Médicis
Lourenço MédicisLourenço Médicis
Lourenço Médicis
 
04 escultura renascentista
04 escultura renascentista04 escultura renascentista
04 escultura renascentista
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica
 

Semelhante a Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal

Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCarlos Vieira
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptCristina Alves
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCarlos Vieira
 
Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...
Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...
Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...Artur Filipe dos Santos
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCarlos Vieira
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...Paula Poiet
 
Cultura do Mosteiro - Alta idade média Portugal
Cultura do Mosteiro - Alta idade média PortugalCultura do Mosteiro - Alta idade média Portugal
Cultura do Mosteiro - Alta idade média PortugalCarlos Vieira
 
Barroco(s)
Barroco(s)Barroco(s)
Barroco(s)cattonia
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...Artur Filipe dos Santos
 
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...Artur Filipe dos Santos
 
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...Artur Filipe dos Santos
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxcattonia
 
Cultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura GóticaCultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura GóticaCarlos Vieira
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...Artur Filipe dos Santos
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Carlos Vieira
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCarlos Vieira
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em PortugalCarlos Vieira
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...Paula Poiet
 
Património Arquitectónico: O Barroco
Património Arquitectónico: O BarrocoPatrimónio Arquitectónico: O Barroco
Património Arquitectónico: O BarrocoEduardo Albuquerque
 

Semelhante a Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal (20)

Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso pt
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...
Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...
Património Cultural Português - Museu Nacional do Azulejo- Artur Filipe dos S...
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): O Brasil dos jes...
 
Cultura do Mosteiro - Alta idade média Portugal
Cultura do Mosteiro - Alta idade média PortugalCultura do Mosteiro - Alta idade média Portugal
Cultura do Mosteiro - Alta idade média Portugal
 
Barroco(s)
Barroco(s)Barroco(s)
Barroco(s)
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Velha de Coimbra- Artur F...
 
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
 
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...História do porto   igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
História do porto igreja e torre dos clérigos, irmandade dos clérigos pobre...
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
História do Porto - Igreja e Torre dos Clérigos
História do Porto - Igreja e Torre dos Clérigos  História do Porto - Igreja e Torre dos Clérigos
História do Porto - Igreja e Torre dos Clérigos
 
Cultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura GóticaCultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura Gótica
 
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
Património Cultural - As Catedrais de Portugal - Sé Catedral de Évora - Artur...
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Barroco Brasilei...
 
Património Arquitectónico: O Barroco
Património Arquitectónico: O BarrocoPatrimónio Arquitectónico: O Barroco
Património Arquitectónico: O Barroco
 

Mais de Carlos Vieira

Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - HumanismoCultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - HumanismoCarlos Vieira
 
Módulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioMódulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCarlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - Maneirismo
 
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
 
Cultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - HumanismoCultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - Humanismo
 
Módulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioMódulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do Palácio
 
Cultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O Palácio
 

Último

Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdfJanielleCristina1
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 

Último (20)

Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 

Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal

  • 1. Módulo 5 – Cultura do Palácio Renascimento e Maneirismo em Portugal Carlos Jorge Canto Vie
  • 3. Portugal • Pintura – pintura do Renascimento = pintura manuelina – Temas • Sobretudo religiosa – Influencia • obras e pintores provenientes da Flandres, da Alemanha e da Itália. Prof. Carlos Vieira 3
  • 4. Portugal • Influência flamenga – presente desde o Gótico; – marca a pintura: • quer através das obras importadas - feitorias portuguesas na Flandres e na Alemanha, via Antuérpia; • quer pelos pintores que daí vieram e se radicaram no nosso país. Prof. Carlos Vieira 4
  • 5. Portugal • Origem da pintura portuguesa – obras de Nuno Gonçalves e Jorge Afonso. – Escolas: • Lisboa: – Gaspar Vaz (act 1514-1568); • Coimbra; • Viseu: – Vasco Fernandes (c. 1475-C. 1542); – Garcia Fernandes (act. 1514-1565 ). Prof. Carlos Vieira 5
  • 6. Portugal Prof. Carlos Vieira 6 Gaspar Vaz Virgem da Anunciação c. 1530, óleo sobre madeira 53 x 61 cm Museu Soares dos Reis Porto, Portugal
  • 7. Portugal Prof. Carlos Vieira 7 Gaspar Vaz S. Pedro c. 1530, óleo sobre madeira 215x173 cm Igreja do Mosteiro de S. João de Tarouca S. João de Tarouca, Portugal
  • 8. Portugal Prof. Carlos Vieira 8 Vasco Fernandes Cristo em Casa de Marta c. 1535, óleo sobre madeira 198,1 x 204,8 cm Museu de Grão Vasco Viseu, Portugal.
  • 9. Portugal Prof. Carlos Vieira 9 Vasco Fernandes Pentecostes c. 1534-1535, óleo sobre madeira 158,3 x 161,7 cm Sacristia da Igreja de Santa Cruz Coimbra, Portugal
  • 10. Prof. Carlos Vieira 10 Vasco Fernandes S. Pedro c. 1530-1535 óleo sobre madeira 213 x 231,3 cm Museu de Grão Vasco Viseu, Portugal
  • 11. Portugal 11 Garcia Fernandes, Aparição de Cristo a Nossa Senhora 1531, óleo sobre madeira Anjo Gabriel, 126 x 45,5 cm Aparição de Cristo, 123 x 101 cm Nossa Senhora, 126 x 45,5 cm Museu Nacional Machado de Castro , Coimbra,
  • 12. Portugal Prof. Carlos Vieira 12 Garcia Fernandes Casamento de D. Manuel I 1531, óleo sobre madeira 178 x 135 cm Museu de S. Roque Lisboa, Portugal
  • 13. Portugal • Arquitectura – essencialmente de âmbito religioso; – estruturas e formas relativamente simples, reflectindo o espírito da Contra-Reforma; – marcada pela continuação do Manuelino: • utilização das igrejas-salão; • preferência pelas construções horizontais; • no uso de abóbadas assentes sobre arcos abatidos e no recurso às nervuras.; • A sua decoração é feita de elementos platerescos e elementos propriamente renascentistas. Prof. Carlos Vieira 13
  • 14. Portugal Prof. Carlos Vieira 14 João de Castilho Igreja de Nossa Senhora da Conceição c. 1535 Tomar
  • 15. Portugal Prof. Carlos Vieira 15 João de Castilho Igreja de Nossa Senhora da Conceição c. 1535 Tomar
  • 16. Portugal Prof. Carlos Vieira 16 João de Castilho Igreja de Nossa Senhora da Conceição Interior c. 1535 Tomar
  • 17. Portugal • Arquitectos – 1ª metade do século XVI • Diogo Arruda (14?? - 1531); • Miguel Arruda (?); • João Castilho (1470-1553); • Dioqo Castilho (1493-1574). Prof. Carlos Vieira 17
  • 18. Portugal • Arquitectura Civil – Palácio Real de Sintra: • conjugação de Manuelino, Mudejarismo e Renascimento. – Casa de Cordovil, em Évora; – Palácio da Bacalhoa, em Azeitão; – Casa de Ribafria, em Sintra. Prof. Carlos Vieira 18 decorados com elementos mudéjares e renascentistas
  • 19. Portugal Prof. Carlos Vieira 19 Palácio Nacional de Sintra
  • 20. Portugal Prof. Carlos Vieira 20 Casa de Cordovil, em Évora
  • 21. Portugal Prof. Carlos Vieira 21 Francisco de Arruda e Diogo de Torralva Palácio da Bacalhoa, em Azeitão
  • 22. Portugal Prof. Carlos Vieira 22 Francisco de Arruda e Diogo de Torralva Palácio da Bacalhoa, em Azeitão
  • 23. Portugal Prof. Carlos Vieira 23 Francisco de Arruda e Diogo de Torralva Palácio da Bacalhoa, em Azeitão
  • 24. Portugal Prof. Carlos Vieira 24 Casa de Ribafria, Sintra
  • 25. Portugal – Solares-fortaleza • misto de arquitectura civil e militar; • espalhados pela costa africana e pelo Oriente. Prof. Carlos Vieira 25
  • 26. PORTUGAL - MANEIRISMO Prof. Carlos Vieira 26
  • 27. Portugal • Pintura maneirista – influência da italiana através de artistas vindos desse país. – Francisco de Holanda (1517-1584): • Esteve em Itália • Contactou com as obras de Rafael, Miguel Ângelo, Parmigianino e Rosso; • contribuiu quer pela sua pintura quer pela sua obra teórica para a prática e o desenvolvimento do gosto maneirista em Portugal. – Na fase final: • a pintura portuguesa reflecte o espírito da Contra-Reforma; • aproximou-se da do Barroco. – Temas: • Religiosa; • Histórica (retrato). Prof. Carlos Vieira 27
  • 28. Portugal Prof. Carlos Vieira 28 Cristóvão de Morais D. Sebastião 1571, óleo sobre tela 99 x 85cm Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa, Portugal
  • 29. Portugal Prof. Carlos Vieira 29 Gregório Lopes Casamento de Nossa Senhora c. 1527, óleo sobre madeira 127,5 x 86,5 cm Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa, Portugal
  • 30. Portugal Prof. Carlos Vieira 30 Gregório Lopes Martírio de S. Sebastião 1536-38, óleo sobre madeira 119 x 244 cm Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa, Portugal
  • 31. Portugal 31 Gregório Lopes A Virgem, o Menino e Anjos num Jardim 1536-38, óleo sobre madeira Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa, Portugal
  • 32. Portugal Prof. Carlos Vieira 32 António Nogueira, 15??-1575 Descida da Cruz 1564, óleo sobre madeira 115 x 115 cm Museu Rainha D. Leonor Beja
  • 33. Portugal Prof. Carlos Vieira 33 Gaspar Dias, act 1560/1591 Aparição do Anjo a S. Roque c.1584, óleo sobre madeira 350 x 300 cm Igreja de S. Roque Lisboa
  • 34. Portugal Prof. Carlos Vieira 34 Cristóvão Lopes, 1516-1594 D. João III c. 1545, óleo sobre madeira 177 x 91 cm Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa, Portugal
  • 35. Portugal Prof. Carlos Vieira 35 Cristóvão Lopes, 1516-1594 D. D. Catarina de Áustria c. 1550, óleo sobre madeira 177,5 x 84 cm Museu Nacional de Arte Antiga. Lisboa
  • 36. Portugal Prof. Carlos Vieira 36 Diogo Teixeira, c. 1540-1612 Incredulidade de S.Tomé 1595-1597, óleo sobre madeira 164 x 106 cm Museu de Arte Sacra do Mosteiro de Santa Mafalda Arouca
  • 37. Portugal Prof. Carlos Vieira 37 Diogo Teixeira, c. 1540-1612 Flagelação de S. Brás c. 1585, óleo sobre madeira Museu Municipal de Óbidos Óbidos, Portugal
  • 38. Portugal • Arquitectura – séculos XVI, XVII e XVIII; – Também conhecido por Estilo Chão: • singularidade das fachadas; • Espalha-se por África, Índia, Brasil e Macau; • arquitectura exterior sóbria, em contraponto com um interior exuberantemente decorado; Prof. Carlos Vieira 38
  • 39. Portugal • Arquitectura Civil – Paço da Ribeira mandado edificar por Filipe II de Espanha; – Paço de Vila Viçosa. • Arquitectura Religiosa – Construções principais centros urbanos: • Porto, Coimbra, Lisboa e Évora. Prof. Carlos Vieira 39
  • 40. Portugal • Exemplos – Estilo Romano: • Igreja de S. Vicente de Fora, Lisboa; • Igreja da Graça, Évora; – tipo de igreja jesuítica: • Igreja dos Grilos, Porto; • Igreja de S. Roque, Lisboa. – tipo flamengo, • S. Salvador de Grijó, Porto; • Serra do Pilar, Gaia. – tipo espanhol • fachada da Sé de Viseu. Prof. Carlos Vieira 40
  • 41. Portugal Prof. Carlos Vieira 41 Paço da Ribeira em 1705.
  • 42. Portugal Prof. Carlos Vieira 42 Paço de Vila Viçosa
  • 43. Portugal Prof. Carlos Vieira 43 Paço de Vila Viçosa
  • 44. Portugal Prof. Carlos Vieira 44 Igreja de S. Vicente de Fora, em Lisboa
  • 45. Portugal Prof. Carlos Vieira 45 Fillipo Terzi Igreja de S. Vicente de Fora Lisboa
  • 46. Portugal Prof. Carlos Vieira 46 Miguel Arruda Igreja da Graça, em Évora
  • 47. Portugal Prof. Carlos Vieira 47 Miguel Arruda Igreja da Graça, em Évora
  • 48. Portugal Prof. Carlos Vieira 48 Baltasar Alvares ? Igreja dos Grilos Porto
  • 49. Portugal Prof. Carlos Vieira 49 Igreja de S. Roque Lisboa
  • 50. Portugal Prof. Carlos Vieira 50 Igreja de S. Roque, Lisboa
  • 51. Portugal Prof. Carlos Vieira 51 Igreja de S. Roque Lisboa
  • 52. Portugal Prof. Carlos Vieira 52 Francisco Velasques S. Salvador de Grijó 1574 Porto
  • 53. Portugal Prof. Carlos Vieira 53 Diogo de Castilho e João de Ruão Serra do Pilar, Gaia 1538-1670
  • 54. Portugal Prof. Carlos Vieira 54 Diogo de Castilho e João de Ruão Serra do Pilar, Gaia 1538-1670
  • 55. Portugal Prof. Carlos Vieira 55 fachada da Sé de Viseu
  • 56. Prof. Carlos Vieira 56 Portugal João de Castilho, Diogo de Torralva e Fillipo Terzi Claustro Convento de Cristo 1558-1587 Tomar
  • 57. Portugal Prof. Carlos Vieira 57 Misericórdia de Viana do Castelo
  • 58. Portugal Prof. Carlos Vieira 58 Misericórdia de Viana do Castelo
  • 60. Prof. Carlos Vieira 60 Forte de S. Julião da Barra Lisboa
  • 62. Portugal • Escultura – Século XVI • diferente da italiana devido às diversas influências; • ligada ao Gótico tardio (formas manuelinas e plateresca); • ligada à arquitectura através de relevos decorativos executados em mármore e gesso e de estatuária colocada em nichos, mísulas ou baldaquinos. • Novas formas escultóricas: – a talha para a decoração de púlpitos, altares e retábulos; – a estatuária de madeira policromada de temática religiosa destinada à decoração do interior das igrejas ou oratórios privados; – a escultura tumular. Prof. Carlos Vieira 62
  • 63. Portugal – 2ª década do século XVI • Influência italiana • através de artistas europeus que vieram trabalhar para Lisboa. Prof. Carlos Vieira 63
  • 64. Portugal – Escultores • Nicolau de Chanterene (c.1470-1551) – obra é marcada pelo seu estilo fortemente clássico e italianizado; – Trabalha em Coimbra, Lisboa e Évora. • João de Ruão (?-1580) Prof. Carlos Vieira 64
  • 65. Prof. Carlos Vieira 65 Nicolau de Chaterene Retábulo da Igreja de S. Marcos Coimbra
  • 66. Portugal Prof. Carlos Vieira 66 Nicolau de Chaterene Retábulo da Igreja de S. Marcos Coimbra
  • 67. Portugal Prof. Carlos Vieira 67 João de Ruão Porta Especiosa Sé de Coimbra
  • 68. Portugal Prof. Carlos Vieira 68 João de Ruão Fonte templete do Claustro da Manga Coimbra
  • 69. Portugal Prof. Carlos Vieira 69 João de Ruão Aparição de Cristo a Maria Madalena M.N. Machado de Castro Coimbra
  • 70. Portugal Prof. Carlos Vieira 70 João de Ruão Aparição de Cristo à Virgem M.N. Machado de Castro Coimbra
  • 71. Portugal Prof. Carlos Vieira 71 João de Ruão Deposição do Túmulo Séc. XVI 222 x 225 cm M.N. Machado de Castro, Coimbra