SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
História da Cultura e das
Artes
Módulo VI – A Cultura do Palco
Pintura Barroca
Carlos Jorge Canto Vie
Pintura Barroca
• nasce na Itália
• início do século XVII a meados do século XVIII
• aplicação dos princípios propostos pela Igreja da
Contra-Reforma
2
Pintura Barroca
• Objectivo
– deslumbrar;
– surpreender;
– encenar;
– importância da luz;
3
Pintura Barroca
• Origens
4
CaravaggioMiguel Ângelo Aniballe Carracci
Maneirismo
• introduziu na pintura um
modo pessoal e individual
de expressão.
Barroco
• pretendeu restabelecer os
princípios de equilíbrio do
Renascimento.
• na prática foi buscar ao
Maneirismo muitas das suas
soluções plásticas.
5
≠
Pintura Barroca
Pintura Barroca
• A pintura saída deste tempo de renovação
caracteriza-se :
– pela irracionalidade;
– pela ânsia de novidade;
– pela exuberância;
– pelos contrastes.
• Ambientes majestosos, grandiosos, esmagadores e
atestando o poder da Igreja.
6
Dois Tipos de Pintura
• Móvel
– Tela / Cavalete
• Mural (fresco)
– Utilização das Paredes e Tectos
CARRACCI, Lodovico
História de Jasão
CARRACCI, Annibale
Aparição da Virgem a S.
Lucas e a Sta Catarina
Pintura Barroca
Pintura Barroca
• Pintura móvel
– diferentes tendências:
8
Annibale Carracci
Nicolas Poussin
Claude Lorrain
Classicismo
Naturalismo
Caravaggio José de Ribera
Pintura Barroca
Realismo
Vermeer Franz Halls Rembrandt
Pintura Barroca
Expoentes máximos do barroco:
Rubens Van Dyck Murillo
Pintura Barroca
• Temas:
– Religiosos;
– Profanos e/ou mitológicos;
– Retratos;
– Paisagem;
– Cenas de género;
– Natureza-morta.
12
Pintura Barroca
• Composição em termos estruturais:
– Representação do momento:
• dá ênfase ao acontecimento e à acção;
– Forma aberta:
• o espaço da composição define-se em movimentos e impulsos
centrífugos:
– de dentro para fora
– através de grandes linhas oblíquas, rectas ou curvilíneas;
13
RUBENS, Pieter
O Rapto da Filha de Leucippus
c. 1617
Óleo sobre tela, 224 x 211 cm
Pinacoteca, Munique
PINTURA MÓVEL
Prof. Carlos Vieira 16
Pintura Barroca
– Sobreposição de formas
• profundidade do campo visual, sem descontinuidades,
preservando a unidade do espaço;
– Formas dinâmicas e sinuosas
• orientadas, enquadradas ou combinadas com estruturas
poligonais (triângulo, quadrado e losango) e com formas
circulares ou ovaladas;
– Linha de horizonte delineada abaixo do normal
• primazia aos elementos representados e destacando as figuras
principais
17
Pintura Barroca
– Plástica da luz/sombra e da cor,
• focaliza e define os principais elementos da composição, de uma
forma por vezes artificial, deixando os restantes elementos
diluídos na penumbra;
– Luz rasante
• chama a atenção do espectador para determinadas zonas do
quadro, orientando a leitura da obra;
18
Pintura Barroca
– cor pura e cálida
• persuasiva, incisiva e forte, de modo a captar e sensibilizar o
espectador através dos sentidos
19
Pintura Barroca
• Carravagio (1571-1610)
– Inventor do "tenebrismo”
• a luz rasante e descontínua;
• ilumina fortemente, alguns pormenores ou personagens
importantes da cena e deixando o resto da composição numa semi
penumbra.
 Retomou uma linha realista de produção, dando atenção
aos pormenores naturais e a modelos populares
CARAVAGGIO
Baco
c. 1596
Óleo sobre Tela, 95 x 85 cm
Galleria degli Uffizi, Florença
O Tocador de Alaúde (1596)
CARAVAGGIO
O Tocador de Alaúde
c. 1596
Óleo sobre Tela, 94 x 119 cm
Museu do Hermitage, S. Petersburgo
CARAVAGGIO
A Vocação de S. Mateus
1599-1600
Óleo sobre Tela, 322 x 340 cm
Capela Contarelli, San Luigi dei Francesi, Roma
CARAVAGGIO
Ceia em Emaús
1601-02
Óleo sobre Tela, 139 x 195 cm
National Gallery, Londres
CARAVAGGIO
A Conversão de S. Paulo
1600
Óleo sobre Tela, 230 x 175 cm
Capela Cerasi, Sta Maria del Popolo,
Roma
CARAVAGGIO
A deposição de Cristo
1602-03
Óleo sobre Tela, 300 x 203 cm
Pinacoteca, Vaticano
CARAVAGGIO
A morte da Vigem
1606
Óleo sobre Tela, 369 x 245 cm
Museu do Louvre, Paris
CARAVAGGIO
Ecce Homo
c. 1606
Óleo sobre Tela, 128
x 103 cm
Palazzo Rosso, Génova
Pintura Barroca
• “Escola de Caravaggio".
– Artemísia Gentileschi (1597-1651)
– José de Ribera (1591-1652)
– Salvatore Rosa (1615-1673)
– Giusepe Recco (1634-1695),
– Luca Giordano (1632-1705)
29
GENTILESCHI, Artemisia
Judite e Holofernes
1611-12
Óleo sobre Tela, 158,8 x
125,5 cm
Museo Nazionale di
Capodimonte, Nápoles
RIBERA, José de
Adoração dos Pastores
1650
Óleo sobre Tela, 239 x 181 cm
Museu do Louvre, Paris
Salvatore Rosa
O filho prodígio
1640
Óleo sobre Tela,
253,5 x 201 cm
Museu do Hermitage, S.
Petersburgo
RECCO, Giuseppe
Natureza-Morta
c. 1670
Óleo sobre Tela, 255 x 301 cm
Galleria Nazionale di Capodimonte, Nápoles
GIORDANO, Luca
Crucificação de S. Pedro
c. 1660
Óleo sobre Tela, 196 x 258 cm
Gallerie dell'Accademia, Veneza
PINTURA MURAL
Prof. Carlos Vieira 35
• Pintura mural
– Caracteriza-se:
• imensa grandiosidade ou teatralidade
• pela ilusão e pelo movimento
• simulação cenográfica da realidade (trompe-l'oeil).
• as cenas (maior parte religiosas) eram:
– movimentadas e amplas de modo a dilatarem o espaço
– difícil distinguir os elementos arquitectónicos reais dos falsos
Pintura Barroca
• Em termos formais:
– estruturas arquitectónicas simuladas, tais como cornijas,
colunas, arcos, cimalhas, etc., que se projectavam para o céu;
– figuras movimentadas, em escorço, descrevendo movimentos
sinuosos, vigorosos e amplos;
– vestes das personagens com formas acentuadas para reforçar o
movimento nelas impresso, parecendo insufladas e sacudidas
pelo vento;
– composições dinâmicas onde o recurso à perspectiva servia para
as organizar e unificar, ora orientadas de baixo para cima, ora o
inverso.
Pintura Barroca
• Artistas italianos:
– a família Carracci - Agostinho (1557-1602), Aniballe (1560-1609)
e Ludovico (1556-1619)
– Guido Reni (1575-1642)
– Pietro da Cortona (1596-1669)
– Andrea Pozzo (1642-1709)
– Giovanni Lanfranco (1582-1647)
Pintura Barroca
CARRACCI, Annibale
Galeria Farnese
1597-1602
Fresco
Palácio Farnese, Roma
CARRACCI, Annibale
Galeria Farnese (pormenor)
1597-1602
Fresco
Palácio Farnese, Roma
Pietro da Cortona, Triunfo da Divina Providência, Palácio Barberini
Guido Reni, Massacre dos Inocentes, 1611
Andrea Pozzo, Alegoria sobre a Obra Missionária dos Jesuítas,
Igreja de Santo Inácio, 1691-94, Roma
Giovanni Lanfranco, Cúpula da Igreja de Sant´ Andrea della Valle, Roma 1621-27
Pintura Barroca
• Temas para trabalho.
– Artemísia Gentileschi (1597-1651) Raquel + Sofia
– Antoon Van Dick (1599-1641) Carina + Cláudio
– Rembrandt (1606-1669) Jéssica + Rita
– Velasquez (1599- 1660), Ana O + Ana R
– Jan Vermmer (1632-1675) Ana Pedro + Adriana
– Elisabetta Sirani (1638-1665) Ana N + João
– Pieter Rubens (1609-1660) Catarina
45

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualizaçãoCarla Freitas
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização históricaCarla Freitas
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalAna Barreiros
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema Ana Barreiros
 
Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococócattonia
 
Módulo 6 pintura barroca
Módulo 6   pintura barrocaMódulo 6   pintura barroca
Módulo 6 pintura barrocaCarla Freitas
 
Módulo 6 caso prático 3 trono de são pedro
Módulo 6   caso prático 3 trono de são pedroMódulo 6   caso prático 3 trono de são pedro
Módulo 6 caso prático 3 trono de são pedroCarla Freitas
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoCarla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura góticaVítor Santos
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barrocacattonia
 
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7   caso pratico 1 bodas de figaroMódulo 7   caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaroCarla Freitas
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barrocaVítor Santos
 

Mais procurados (20)

A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococó
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
Módulo 6 pintura barroca
Módulo 6   pintura barrocaMódulo 6   pintura barroca
Módulo 6 pintura barroca
 
Módulo 6 caso prático 3 trono de são pedro
Módulo 6   caso prático 3 trono de são pedroMódulo 6   caso prático 3 trono de são pedro
Módulo 6 caso prático 3 trono de são pedro
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7   caso pratico 1 bodas de figaroMódulo 7   caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
 

Semelhante a Cultura do Palco - Pintura Barroca

Semelhante a Cultura do Palco - Pintura Barroca (20)

Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a
 
Barroco slides
Barroco slidesBarroco slides
Barroco slides
 
História da arte ii - Introdução (Recapitulação: séculos XVI, XVII e XVIII)
História da arte ii - Introdução (Recapitulação: séculos XVI, XVII e XVIII)História da arte ii - Introdução (Recapitulação: séculos XVI, XVII e XVIII)
História da arte ii - Introdução (Recapitulação: séculos XVI, XVII e XVIII)
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Arte barrocaoo1
Arte barrocaoo1Arte barrocaoo1
Arte barrocaoo1
 
ARTE BARROCA
ARTE BARROCAARTE BARROCA
ARTE BARROCA
 
B Arroco E Maneirismo
B Arroco E ManeirismoB Arroco E Maneirismo
B Arroco E Maneirismo
 
Aula 09 barroco
Aula 09 barrocoAula 09 barroco
Aula 09 barroco
 
Arte barroca
Arte barroca Arte barroca
Arte barroca
 
História da Arte - Barroco Europeu. Prof. Garcia Junior
História da Arte - Barroco Europeu. Prof. Garcia JuniorHistória da Arte - Barroco Europeu. Prof. Garcia Junior
História da Arte - Barroco Europeu. Prof. Garcia Junior
 
5. a cultura do palácio a arte
5. a cultura do palácio   a arte5. a cultura do palácio   a arte
5. a cultura do palácio a arte
 
HCA Módulo 6 - Pintura Barroca
HCA Módulo 6 - Pintura BarrocaHCA Módulo 6 - Pintura Barroca
HCA Módulo 6 - Pintura Barroca
 
História da Arte Barroco
História da Arte BarrocoHistória da Arte Barroco
História da Arte Barroco
 
Módulo 6 barroco europeu
Módulo 6   barroco europeuMódulo 6   barroco europeu
Módulo 6 barroco europeu
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 

Mais de Carlos Vieira

Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCarlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
 
Cultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
 
Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - Maneirismo
 
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 

Último (20)

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 

Cultura do Palco - Pintura Barroca

  • 1. História da Cultura e das Artes Módulo VI – A Cultura do Palco Pintura Barroca Carlos Jorge Canto Vie
  • 2. Pintura Barroca • nasce na Itália • início do século XVII a meados do século XVIII • aplicação dos princípios propostos pela Igreja da Contra-Reforma 2
  • 3. Pintura Barroca • Objectivo – deslumbrar; – surpreender; – encenar; – importância da luz; 3
  • 5. Maneirismo • introduziu na pintura um modo pessoal e individual de expressão. Barroco • pretendeu restabelecer os princípios de equilíbrio do Renascimento. • na prática foi buscar ao Maneirismo muitas das suas soluções plásticas. 5 ≠ Pintura Barroca
  • 6. Pintura Barroca • A pintura saída deste tempo de renovação caracteriza-se : – pela irracionalidade; – pela ânsia de novidade; – pela exuberância; – pelos contrastes. • Ambientes majestosos, grandiosos, esmagadores e atestando o poder da Igreja. 6
  • 7. Dois Tipos de Pintura • Móvel – Tela / Cavalete • Mural (fresco) – Utilização das Paredes e Tectos CARRACCI, Lodovico História de Jasão CARRACCI, Annibale Aparição da Virgem a S. Lucas e a Sta Catarina Pintura Barroca
  • 8. Pintura Barroca • Pintura móvel – diferentes tendências: 8 Annibale Carracci Nicolas Poussin Claude Lorrain Classicismo
  • 9. Naturalismo Caravaggio José de Ribera Pintura Barroca
  • 10. Realismo Vermeer Franz Halls Rembrandt Pintura Barroca
  • 11. Expoentes máximos do barroco: Rubens Van Dyck Murillo
  • 12. Pintura Barroca • Temas: – Religiosos; – Profanos e/ou mitológicos; – Retratos; – Paisagem; – Cenas de género; – Natureza-morta. 12
  • 13. Pintura Barroca • Composição em termos estruturais: – Representação do momento: • dá ênfase ao acontecimento e à acção; – Forma aberta: • o espaço da composição define-se em movimentos e impulsos centrífugos: – de dentro para fora – através de grandes linhas oblíquas, rectas ou curvilíneas; 13
  • 14. RUBENS, Pieter O Rapto da Filha de Leucippus c. 1617 Óleo sobre tela, 224 x 211 cm Pinacoteca, Munique
  • 15.
  • 17. Pintura Barroca – Sobreposição de formas • profundidade do campo visual, sem descontinuidades, preservando a unidade do espaço; – Formas dinâmicas e sinuosas • orientadas, enquadradas ou combinadas com estruturas poligonais (triângulo, quadrado e losango) e com formas circulares ou ovaladas; – Linha de horizonte delineada abaixo do normal • primazia aos elementos representados e destacando as figuras principais 17
  • 18. Pintura Barroca – Plástica da luz/sombra e da cor, • focaliza e define os principais elementos da composição, de uma forma por vezes artificial, deixando os restantes elementos diluídos na penumbra; – Luz rasante • chama a atenção do espectador para determinadas zonas do quadro, orientando a leitura da obra; 18
  • 19. Pintura Barroca – cor pura e cálida • persuasiva, incisiva e forte, de modo a captar e sensibilizar o espectador através dos sentidos 19
  • 20. Pintura Barroca • Carravagio (1571-1610) – Inventor do "tenebrismo” • a luz rasante e descontínua; • ilumina fortemente, alguns pormenores ou personagens importantes da cena e deixando o resto da composição numa semi penumbra.  Retomou uma linha realista de produção, dando atenção aos pormenores naturais e a modelos populares
  • 21. CARAVAGGIO Baco c. 1596 Óleo sobre Tela, 95 x 85 cm Galleria degli Uffizi, Florença
  • 22. O Tocador de Alaúde (1596) CARAVAGGIO O Tocador de Alaúde c. 1596 Óleo sobre Tela, 94 x 119 cm Museu do Hermitage, S. Petersburgo
  • 23. CARAVAGGIO A Vocação de S. Mateus 1599-1600 Óleo sobre Tela, 322 x 340 cm Capela Contarelli, San Luigi dei Francesi, Roma
  • 24. CARAVAGGIO Ceia em Emaús 1601-02 Óleo sobre Tela, 139 x 195 cm National Gallery, Londres
  • 25. CARAVAGGIO A Conversão de S. Paulo 1600 Óleo sobre Tela, 230 x 175 cm Capela Cerasi, Sta Maria del Popolo, Roma
  • 26. CARAVAGGIO A deposição de Cristo 1602-03 Óleo sobre Tela, 300 x 203 cm Pinacoteca, Vaticano
  • 27. CARAVAGGIO A morte da Vigem 1606 Óleo sobre Tela, 369 x 245 cm Museu do Louvre, Paris
  • 28. CARAVAGGIO Ecce Homo c. 1606 Óleo sobre Tela, 128 x 103 cm Palazzo Rosso, Génova
  • 29. Pintura Barroca • “Escola de Caravaggio". – Artemísia Gentileschi (1597-1651) – José de Ribera (1591-1652) – Salvatore Rosa (1615-1673) – Giusepe Recco (1634-1695), – Luca Giordano (1632-1705) 29
  • 30. GENTILESCHI, Artemisia Judite e Holofernes 1611-12 Óleo sobre Tela, 158,8 x 125,5 cm Museo Nazionale di Capodimonte, Nápoles
  • 31. RIBERA, José de Adoração dos Pastores 1650 Óleo sobre Tela, 239 x 181 cm Museu do Louvre, Paris
  • 32. Salvatore Rosa O filho prodígio 1640 Óleo sobre Tela, 253,5 x 201 cm Museu do Hermitage, S. Petersburgo
  • 33. RECCO, Giuseppe Natureza-Morta c. 1670 Óleo sobre Tela, 255 x 301 cm Galleria Nazionale di Capodimonte, Nápoles
  • 34. GIORDANO, Luca Crucificação de S. Pedro c. 1660 Óleo sobre Tela, 196 x 258 cm Gallerie dell'Accademia, Veneza
  • 36. • Pintura mural – Caracteriza-se: • imensa grandiosidade ou teatralidade • pela ilusão e pelo movimento • simulação cenográfica da realidade (trompe-l'oeil). • as cenas (maior parte religiosas) eram: – movimentadas e amplas de modo a dilatarem o espaço – difícil distinguir os elementos arquitectónicos reais dos falsos Pintura Barroca
  • 37. • Em termos formais: – estruturas arquitectónicas simuladas, tais como cornijas, colunas, arcos, cimalhas, etc., que se projectavam para o céu; – figuras movimentadas, em escorço, descrevendo movimentos sinuosos, vigorosos e amplos; – vestes das personagens com formas acentuadas para reforçar o movimento nelas impresso, parecendo insufladas e sacudidas pelo vento; – composições dinâmicas onde o recurso à perspectiva servia para as organizar e unificar, ora orientadas de baixo para cima, ora o inverso. Pintura Barroca
  • 38. • Artistas italianos: – a família Carracci - Agostinho (1557-1602), Aniballe (1560-1609) e Ludovico (1556-1619) – Guido Reni (1575-1642) – Pietro da Cortona (1596-1669) – Andrea Pozzo (1642-1709) – Giovanni Lanfranco (1582-1647) Pintura Barroca
  • 40. CARRACCI, Annibale Galeria Farnese (pormenor) 1597-1602 Fresco Palácio Farnese, Roma
  • 41. Pietro da Cortona, Triunfo da Divina Providência, Palácio Barberini
  • 42. Guido Reni, Massacre dos Inocentes, 1611
  • 43. Andrea Pozzo, Alegoria sobre a Obra Missionária dos Jesuítas, Igreja de Santo Inácio, 1691-94, Roma
  • 44. Giovanni Lanfranco, Cúpula da Igreja de Sant´ Andrea della Valle, Roma 1621-27
  • 45. Pintura Barroca • Temas para trabalho. – Artemísia Gentileschi (1597-1651) Raquel + Sofia – Antoon Van Dick (1599-1641) Carina + Cláudio – Rembrandt (1606-1669) Jéssica + Rita – Velasquez (1599- 1660), Ana O + Ana R – Jan Vermmer (1632-1675) Ana Pedro + Adriana – Elisabetta Sirani (1638-1665) Ana N + João – Pieter Rubens (1609-1660) Catarina 45