SlideShare uma empresa Scribd logo

Cultura do Palco - Pintura barroca internacional

Cultura do Palco - Pintura barroca internacional

1 de 69
História da Cultura e das
Artes
Módulo VI – A Cultura do Palco
Pintura Barroca
Internacional
Carlos Jorge Canto Vie
Pintura Barroca Internacional
• Focos principais
– França
– Flandres
– Espanha
– Alemanha
2Prof. Carlos Vieira
Pintura Barroca Internacional
• França
– Não é considerada verdadeiramente barroca
Segue tendências classicistas
Tratamento formal da
3
Composição
Cor
Figuras
3Prof. Carlos Vieira
Pintura Barroca Internacional
– Temas
• Mitologia
• Religião
• Retrato
• Paisagens
4
4Prof. Carlos Vieira
Pintura Barroca Internacional
• Principais pintores
– Georges de la Tour (1593-1652)
– Nicolas Poussin (1594-1665)
– Claude Lorrain (1600-1682)
– Nicolas Tournier (1590-1657)
5
5Prof. Carlos Vieira
Pintura Barroca Internacional
• Georges de la Tour (1593-1652)
– As suas obras denotam:
• Segue a escola “caravaggista” ao nível do tenebrismo
• Obras despojadas em termos formais e cromáticos;
• Cenas com poucas personagens e iluminadas com focos interiores
6
6Prof. Carlos Vieira

Recomendados

Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCarlos Vieira
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 artecattonia
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barrocacattonia
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33zildagomesk
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Ana Barreiros
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoMaiara Giordani
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismocattonia
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinemaTekas1967
 
Barroco(s)
Barroco(s)Barroco(s)
Barroco(s)cattonia
 
Neoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismoNeoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismoescola
 
Módulo 6 barroco europeu
Módulo 6   barroco europeuMódulo 6   barroco europeu
Módulo 6 barroco europeuCarla Freitas
 
Módulo 7 escultura e pintura neoclássica
Módulo 7   escultura e pintura neoclássicaMódulo 7   escultura e pintura neoclássica
Módulo 7 escultura e pintura neoclássicaCarla Freitas
 
03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formalVítor Santos
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGAline Raposo
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barrocaHca Faro
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em françaAna Barreiros
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAna Barreiros
 
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»   Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor» Carlos Pinheiro
 
Estilo Internacional
Estilo InternacionalEstilo Internacional
Estilo InternacionalCarlos Vieira
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextocattonia
 

Mais procurados (20)

A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Barroco(s)
Barroco(s)Barroco(s)
Barroco(s)
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Neoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismoNeoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismo
 
Módulo 6 barroco europeu
Módulo 6   barroco europeuMódulo 6   barroco europeu
Módulo 6 barroco europeu
 
Módulo 7 escultura e pintura neoclássica
Módulo 7   escultura e pintura neoclássicaMódulo 7   escultura e pintura neoclássica
Módulo 7 escultura e pintura neoclássica
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBG
 
HCA grupo A
HCA   grupo AHCA   grupo A
HCA grupo A
 
Pintura barroca
Pintura barrocaPintura barroca
Pintura barroca
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em frança
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»   Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Estilo Internacional
Estilo InternacionalEstilo Internacional
Estilo Internacional
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
 

Destaque

Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCarlos Vieira
 
50 - 2ª guerra mundial
50 -  2ª guerra mundial50 -  2ª guerra mundial
50 - 2ª guerra mundialCarla Freitas
 
Cultura do senado - Arte baixo império
Cultura do senado - Arte baixo impérioCultura do senado - Arte baixo império
Cultura do senado - Arte baixo impérioCarlos Vieira
 
Desafios do nosso tempo
Desafios do nosso tempoDesafios do nosso tempo
Desafios do nosso tempoCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCarlos Vieira
 
Cultura da Catedral - Cidade medieval
Cultura da Catedral - Cidade medievalCultura da Catedral - Cidade medieval
Cultura da Catedral - Cidade medievalCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicas
Cultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicasCultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicas
Cultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicasCarlos Vieira
 

Destaque (20)

Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cp barroco1
Cp barroco1Cp barroco1
Cp barroco1
 
50 - 2ª guerra mundial
50 -  2ª guerra mundial50 -  2ª guerra mundial
50 - 2ª guerra mundial
 
Cultura do senado - Arte baixo império
Cultura do senado - Arte baixo impérioCultura do senado - Arte baixo império
Cultura do senado - Arte baixo império
 
Ialta
IaltaIalta
Ialta
 
Barroco De Inglaterra
Barroco De InglaterraBarroco De Inglaterra
Barroco De Inglaterra
 
Arte barroca exercicio fotos
Arte barroca exercicio fotosArte barroca exercicio fotos
Arte barroca exercicio fotos
 
Propaganda Nazi
Propaganda NaziPropaganda Nazi
Propaganda Nazi
 
Desafios do nosso tempo
Desafios do nosso tempoDesafios do nosso tempo
Desafios do nosso tempo
 
Trabalho 2ª Guerra Mundial
Trabalho 2ª Guerra MundialTrabalho 2ª Guerra Mundial
Trabalho 2ª Guerra Mundial
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
 
Cultura da Catedral - Cidade medieval
Cultura da Catedral - Cidade medievalCultura da Catedral - Cidade medieval
Cultura da Catedral - Cidade medieval
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicas
Cultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicasCultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicas
Cultura da Ágora - Arquitectura Grega - ordens arquitectonicas
 

Semelhante a Cultura do Palco - Pintura barroca internacional

Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCarlos Vieira
 
Cultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura GóticaCultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura GóticaCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCarlos Vieira
 
1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap1275643668 barroco ap
1275643668 barroco apPelo Siro
 
História da arte iv
História da arte ivHistória da arte iv
História da arte ivPaula Poiet
 
10 hist da art arte neoclássi
10 hist da art   arte neoclássi10 hist da art   arte neoclássi
10 hist da art arte neoclássiAndré Figundio
 
O barroco e suas imagens2
O barroco e suas imagens2O barroco e suas imagens2
O barroco e suas imagens2CrisBiagio
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCarlos Vieira
 
5 História da arte II: Os pormenores do século xix
5  História da arte II: Os pormenores do século xix 5  História da arte II: Os pormenores do século xix
5 História da arte II: Os pormenores do século xix Paula Poiet
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em PortugalCarlos Vieira
 
Pintura do Neoclássica
Pintura do NeoclássicaPintura do Neoclássica
Pintura do NeoclássicaCarlos Vieira
 
Vanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoVanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoCarlos Vieira
 
Arte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaArte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaLuciano Dias
 

Semelhante a Cultura do Palco - Pintura barroca internacional (20)

Cultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - ManeirismoCultura do Palácio - Maneirismo
Cultura do Palácio - Maneirismo
 
Cultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura GóticaCultura da Catedral - Pintura Gótica
Cultura da Catedral - Pintura Gótica
 
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap
 
História da arte iv
História da arte ivHistória da arte iv
História da arte iv
 
10 hist da art arte neoclássi
10 hist da art   arte neoclássi10 hist da art   arte neoclássi
10 hist da art arte neoclássi
 
O barroco e suas imagens2
O barroco e suas imagens2O barroco e suas imagens2
O barroco e suas imagens2
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
100 pinturas
100 pinturas100 pinturas
100 pinturas
 
5 História da arte II: Os pormenores do século xix
5  História da arte II: Os pormenores do século xix 5  História da arte II: Os pormenores do século xix
5 História da arte II: Os pormenores do século xix
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Arte barroca
Arte barroca Arte barroca
Arte barroca
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
Pintura do Neoclássica
Pintura do NeoclássicaPintura do Neoclássica
Pintura do Neoclássica
 
Vanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoVanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I Modernismo
 
Arte Barroca na Europa
Arte Barroca na EuropaArte Barroca na Europa
Arte Barroca na Europa
 
Arte Século XX
Arte Século XXArte Século XX
Arte Século XX
 
Arte pop
Arte popArte pop
Arte pop
 

Mais de Carlos Vieira

Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentistaCultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentistaCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - HumanismoCultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - HumanismoCarlos Vieira
 
Módulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioMódulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCarlos Vieira
 
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCarlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (18)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura ManeiristaCultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
Cultura do Palácio - Arquitectura Maneirista
 
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimentoCultura do Palácio - Escultura do renascimento
Cultura do Palácio - Escultura do renascimento
 
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentistaCultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
 
Cultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - HumanismoCultura do Palácio - Humanismo
Cultura do Palácio - Humanismo
 
Módulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do PalácioMódulo 5 – Cultura do Palácio
Módulo 5 – Cultura do Palácio
 
Cultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O PalácioCultura do Palácio - O Palácio
Cultura do Palácio - O Palácio
 
Os três porquinhos
Os três porquinhosOs três porquinhos
Os três porquinhos
 
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
 

Último

ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 

Cultura do Palco - Pintura barroca internacional

  • 1. História da Cultura e das Artes Módulo VI – A Cultura do Palco Pintura Barroca Internacional Carlos Jorge Canto Vie
  • 2. Pintura Barroca Internacional • Focos principais – França – Flandres – Espanha – Alemanha 2Prof. Carlos Vieira
  • 3. Pintura Barroca Internacional • França – Não é considerada verdadeiramente barroca Segue tendências classicistas Tratamento formal da 3 Composição Cor Figuras 3Prof. Carlos Vieira
  • 4. Pintura Barroca Internacional – Temas • Mitologia • Religião • Retrato • Paisagens 4 4Prof. Carlos Vieira
  • 5. Pintura Barroca Internacional • Principais pintores – Georges de la Tour (1593-1652) – Nicolas Poussin (1594-1665) – Claude Lorrain (1600-1682) – Nicolas Tournier (1590-1657) 5 5Prof. Carlos Vieira
  • 6. Pintura Barroca Internacional • Georges de la Tour (1593-1652) – As suas obras denotam: • Segue a escola “caravaggista” ao nível do tenebrismo • Obras despojadas em termos formais e cromáticos; • Cenas com poucas personagens e iluminadas com focos interiores 6 6Prof. Carlos Vieira
  • 7. LA TOUR, Georges de Adoração dos Pastores c. 1644 Óleo sobre Tela, 107 x 131 cm Museu do Louvre, Paris 7Prof. Carlos Vieira
  • 8. LA TOUR, Georges de Jogo de cartas 1635 Óleo sobre Tela, 106 x 146 cm Museu do Louvre, Paris 8Prof. Carlos Vieira
  • 9. LA TOUR, Georges de Jesus na carpintaria 1645 Óleo sobre Tela, 137 x 101 cm Museu do Louvre, Paris 9Prof. Carlos Vieira
  • 11. LA TOUR, Georges de Maria Madalena 1630-35 Óleo sobre Tela, 128 x 94 cm Museu do Louvre, Paris 11Prof. Carlos Vieira
  • 12. Pintura Barroca Internacional • Nicolas Poussin (1594-1665) – As suas obras denotam: • Influência Veneziana • Presença de harmonia e beleza ideal • Intensidade espiritual 12Prof. Carlos Vieira
  • 13. POUSSIN, Nicolas 'Et in Arcadia Ego' 1637-39 Óleo sobre Tela, 185 x 121 cm Museu do Louvre, Paris Prof. Carlos Vieira
  • 14. POUSSIN, Nicolas Adoração dos Magos 1633 Óleo sobre tela, 160 x 182 cm Gemäldegalerie, DresdenProf. Carlos Vieira
  • 15. POUSSIN, Nicolas Bacanal 1631-33 Óleo sobre tela, 100 x 142,5 cm National Gallery, Londres 15Prof. Carlos Vieira
  • 16. POUSSIN, Nicolas Lamentação 1628-29 Óleo sobre tela, 101 x 145 cm Alte Pinakothek, Munique 16Prof. Carlos Vieira
  • 17. Pintura Barroca Internacional • Claude Lorrain (1600-1682) – As suas obras denotam: • Existência de paisagens harmoniosas e idílicas; • Luminosidade clara e dourada • Utilização de temas mitológicos e bíblicos tratados para utilizar climas pastoris; 17 17Prof. Carlos Vieira
  • 18. CLAUDE LORRAIN Nascer do sol no porto 1674 Óleo sobre Tela, 72 x 96 cm Alte Pinakothek, Munique 18Prof. Carlos Vieira
  • 19. CLAUDE LORRAIN Eneias em Delos 1672 Óleo sobre Tela, 100 x 134 cm National Gallery, Londres 19Prof. Carlos Vieira
  • 20. Prof. Carlos Vieira 20 CLAUDE LORRAIN Moisés 1637-39 Óleo sobre Tela, 209 x 138 cm Museu do Prado, Madrid
  • 21. Pintura Barroca Internacional • Nicolas Tournier (1590-1657) – As suas obras associam: • Carácter naturalista com uma luminosidade de sentido místico. 21 21Prof. Carlos Vieira
  • 22. 22 TOURNIER, Nicolas Crucificação c. 1635 Óleo sobre Tela, 422 x 292 cm Museu do Louvre, Paris 22
  • 23. TOURNIER, Nicolas Deposição da Cruz Óleo sobre Tela, 305 x 154 cm Museu dos Agostinhos, Toulouse 23Prof. Carlos Vieira
  • 24. Pintura Barroca Internacional • Pintura do Norte da Europa – Pieter Rubens (1577-1640) – Anton van Dyck (1599-1641) – Jan de Vermeer (1632-1675) – Frans Hals (c. 1583-1666) – Rembrandt Harmenszoon van Rijn (1606-1669) 24 24Prof. Carlos Vieira
  • 25. Pintura Barroca Internacional • Pieter Rubens (1577-1640) – Trabalhou em Itália (período da formação como pintor) – Antuérpia – pintor oficial e diplomata da corte espanhola nos Países Baixos; – Temática das suas obras: • Retratos históricos; • Temas mitológicos; • Temas religiosos. 25 25Prof. Carlos Vieira
  • 26. Pintura Barroca Internacional – Estilisticamente: Mistura a “terribilitá” de Miguel Ângelo – Composições unitárias; – Dialéctica: Forte sentido humanista / sensualidade e espírito optimista do pintor 26 Qualidades tácteis e pictóricas de Ticiano Tenebrismo de Caravaggio 26Prof. Carlos Vieira
  • 27. RUBENS, Pieter Pauwel Adoração dos Magos 1626-29 Óleo sobre Tela, 283 x 219 cm Museu do Louvre, Paris 27Prof. Carlos Vieira
  • 28. RUBENS, Pieter Pauwel Alberto e Nicolas Rubens 1626-27 Óleo sobre Madeira, 157 x 93 cm Sammlungen des Fürsten von und zu Lichtenstein, Vaduz 28
  • 29. RUBENS, Pieter Pauwel Anunciação c. 1628 Óleo sobre Tela Rubens House, Antuérpia RUBENS, Pieter Pauwel Andromeda c. 1638 Óleo sobre carvalho, 189 x 94 cm Staatliche Museen, Berlim 29Prof. Carlos Vieira
  • 30. RUBENS, Pieter Pauwel Descida da Cruz 1616-17 Óleo sobre tela, 425 x 295 cm Museu de Belas Artes, Lille 30Prof. Carlos Vieira
  • 31. Pintura Barroca Internacional • Anton van Dyck (1599-1641) – Discípulo de Rubens – Conhecido pela elegância contida e pela grandiosidade dos retratos dos nobres e reis 31 31Prof. Carlos Vieira
  • 32. DYCK, Anthony Van Carlos I c. 1635 Óleo sobre tela, 365 x 289 cm National Gallery, Londres 32Prof. Carlos Vieira
  • 33. DYCK, Sir Anthony Van Carlos I, rei da Inglaterra a caçar c. 1635 Óleo sobre tela, 266 x 207 cm Museu do Louvre, Paris 33Prof. Carlos Vieira
  • 34. Pintura Barroca Internacional • Jan de Vermeer (1632-1675) – Estilisticamente as suas obras • A luz e sombra possuem um equilíbrio dinâmico e delicado • Reforço do silêncio e tranquilidade das cenas • Grande minúcia ao nível do pormenor 34 34Prof. Carlos Vieira
  • 35. Pintura Barroca Internacional Obras carregadas de uma forte carga física e psicológica 35 Quer das personagens Quer dos ambientes 35Prof. Carlos Vieira
  • 36. Rapariga a ler uma carta 1657 Óleo sobre Tela, 83 x 64,5 cm Gemäldegalerie, Dresden 36Prof. Carlos Vieira
  • 37. Oficial e rapariga c. 1657 Óleo sobre tela, 50,5 x 46 cm Colecção Frick, Nova Iorque 37Prof. Carlos Vieira
  • 38. Rapariga com Alaúde c. 1663 Óleo sobre tela, 51,4 x 45,7 cm Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque 38Prof. Carlos Vieira
  • 39. Rapariga com brinco de pérola c. 1665 Óleo sobre tela, 46,5 x 40 cm Mauritshuis, The Hague 39Prof. Carlos Vieira
  • 40. A arte da Pintura 1665-67 Óleo sobre Tela, 120 x 100 cm Kunsthistorisches Museum, Viena 40Prof. Carlos Vieira
  • 41. O Geógrafo c. 1668 Óleo sobre tela, 53 x 46,6 cm Städelsches Kunstinstitut, Frankfurt O Astrónomo c. 1668 Óleo sobre tela , 50 x 45 cm Museu do Louvre, Paris 41Prof. Carlos Vieira
  • 43. Pintura Barroca Internacional • Frans Hals (c. 1583-1666) – Destaca-se ao nível do retrato – As suas obras caracterizam-se pelas: • Pinceladas amplas e soltas • Utilização de um mínimo de recursos • Grande virtuosismo e perícia tecnica 43 43Prof. Carlos Vieira
  • 44. HALS, Frans Andries van der Horn 1638 Óleo sobre tela, 86 x 67 cm Museu de Arte, São Paulo 44Prof. Carlos Vieira
  • 45. HALS, Frans Catarina Hooft com a sua ama 1619-20 Óleo sobre tela, 68 x 65 cm Staatliche Museen, Berlin 45Prof. Carlos Vieira
  • 46. Pintura Barroca Internacional • Rembrandt (1606-1669) – As suas obras caracterizam-se pela: • Introspectiva • Psicologia na forma • Tratamento da luz (tenebrismo) • No seus quadros a luz é difusa -> criação de uma sugestão dourada que na realidade não existe • As pinceladas soltas e empastadas demonstram as suas qualidades técnicas e matéricas 46 46Prof. Carlos Vieira
  • 47. Pintura Barroca Internacional – Temas tratados • Cenas biblícas • Retratos colectivos • Retratos individuais • Auto-retratos (c. 80) 47 A realidade interior revela-se pelo aspecto exterior das personagens 47Prof. Carlos Vieira
  • 48. REMBRANDT Aristóteles com o busto de Homero 1653 Óleo sobre tela, 143.5 x 136.5 cm Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque 48Prof. Carlos Vieira
  • 49. REMBRANDT Bathsheba no banho 1654 Óleo sobre tela, 142 x 142 cm Museu do Louvre, Paris 49Prof. Carlos Vieira
  • 50. REMBRANDT Descida da cruz 1634 Óleo sobre tela, 158 x 117 cm Museu Hermitage, São Petersburgo 50Prof. Carlos Vieira
  • 51. REMBRANDT Os oficiais da Guilda 1662 Óleo sobre tela, 191,5 x 279 cm Rijksmuseum, Amsterdão 51
  • 52. REMBRANDT A Lição de anatomia do Dr. Nicolaes Tulp 1632 Óleo sobre tela, 169,5 x 216,5 cm Mauritshuis, The Hague 52
  • 54. REMBRANDT A ronda da noite 1642 Óleo sobre tela, 363 x 437 cm Rijksmuseum, Amsterdão 54
  • 55. Pintura Barroca Internacional • Espanha – Diego Velásquez (1599-1660) – Francisco Zurbarán (1598-1664) – Bartolomé Murillo (1617-1664) 55 55Prof. Carlos Vieira
  • 56. Pintura Barroca Internacional • Diego Velásquez (1599-1660) – Pintor oficial da corte espanhola – Influência inicial de Caravaggio Cria realidades de cariz fotográfico 56 Espaço (composição cuidada) Formas (tratadas com pequenas manchas de cor) Luz (múltiplos focos) 56Prof. Carlos Vieira
  • 57. A rendição de Breda 1634-35 Óleo sobre tela, 307 x 367 cm Museu do Prado, Madrid 57Prof. Carlos Vieira
  • 58. As Meninas (A família de Filipe IV) 1656-57 Óelo sobre tela, 318 x 276 cm Museu do Prado, Madrid 58Prof. Carlos Vieira
  • 60. As Fiadeiras c. 1657 Óleo sobre Tela, 220 x 289 cm Museu do Prado, Madrid 60Prof. Carlos Vieira
  • 61. Venus ao espelho 1649-51 Óleo sobre tela, 122,5 x 177 cm National Gallery, Londres 61Prof. Carlos Vieira
  • 62. Pintura Barroca Internacional • Francisco Zurbarán (1598-1664) – Destaca-se pelo realismo das suas naturezas-mortas – As formas são sólidas e plenas de plasticidade, conseguidas através da cor e do modo como são iluminadas 62 62Prof. Carlos Vieira
  • 63. ZURBARÁN, Francisco de Agnus Dei Óleo sobre tela, 38 x 62 cm Museu do Prado, Madrid 63Prof. Carlos Vieira
  • 64. ZURBARÁN, Francisco de Crucificação 1627 Óleo sobre tela, 291 x 165 cm Instituto de Arte, Chicago 64Prof. Carlos Vieira
  • 65. ZURBARÁN, Francisco de Natureza morta – Limões, Laranjas e rosas 1633 Óleo sobre tela, 60 x 107 cm Museu de arte Norton Simon, Pasadena ZURBARÁN, Francisco de natureza morta - Jarras c. 1660 Óleo sobre tela, 46 x 84 cm Museu do Prado, Madrid 65Prof. Carlos Vieira
  • 66. Pintura Barroca Internacional • Bartolomé Murillo (1617-1664) – Pintor de características naturalistas – Grande serenidade e suavidade nas composições. 66 66Prof. Carlos Vieira
  • 67. MURILLO, Bartolomé Esteban Rapariga à janela 1670 Óleo sobre tela, 106 x 127 cm National Gallery of Art, Washington 67Prof. Carlos Vieira
  • 68. MURILLO, Bartolomé Esteban Baptismo de Cristo c. 1655 Óleo sobre tela, 233 x 160 cm Staatliche Museen, Berlim 68Prof. Carlos Vieira
  • 69. MURILLO, Bartolomé Esteban A sagrada família e S. João Baptista 1655-60 Óleo sobre tela, 156 x 126 cm Museum of Fine Arts, Budapeste 69Prof. Carlos Vieira