Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal

1.504 visualizações

Publicada em

Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.504
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura da Catedral - Arte Gótica em Portugal

  1. 1. Módulo 5 – Cultura da Catedral Arquitectura Gótica em Portugal Carlos Jorge Canto Vieira
  2. 2. Arquitectura Gótica • Arte Gótica em Portugal – desenvolveu-se após o final da Conquista e a consolidação do povoamento; – ligado às ordens monásticas (a ordem de Cister); – implantando-se sobretudo nas zonas rurais; – revelou-se simples e austero. 2Prof. Carlos Vieira
  3. 3. Arquitectura Gótica • Arquitectura: – 3 tipos: • Arquitectura religiosa; • Arquitectura militar; • Arquitectura civil. 3Prof. Carlos Vieira
  4. 4. Arquitectura Gótica • Arquitectura religiosa – Igrejas: • dimensões modestas e estruturas simples; • iluminação -> janelas pequenas e em pouco número; • conservaram os contrafortes como suporte mais comum; • cobertura -> em madeira sobre paredes grossas (continuação do Românico) • Planta -> basilical em cruz latina, com transepto saliente e divisão do corpo principal em três naves. • Exterior -> compacto, um pouco rudes e fechados e a decoração esculpida pouco exuberante; 4Prof. Carlos Vieira
  5. 5. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 5 Igreja-Fortaleza de Leça do Balio, Matosinhos, séc. XIV
  6. 6. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 6 Igreja de Santa Maria dos Olivais, Tomar
  7. 7. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 7 Igreja de Santa Maria dos Olivais, Tomar
  8. 8. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 8 Igreja de Santa Maria dos Olivais, Tomar
  9. 9. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 9 Sé de Évora
  10. 10. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 10 Sé de Évora
  11. 11. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 11 Sé de Évora, nave central
  12. 12. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 12 Sé de Évora, Claustro
  13. 13. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 13 Sé de Évora, portal
  14. 14. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 14 Igreja do Carmo, Lisboa
  15. 15. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 15 Igreja do Carmo, Lisboa
  16. 16. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 16 Igreja do Carmo, Lisboa Igreja do Carmo, Lisboa
  17. 17. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 17 Mosteiro da Batalha
  18. 18. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 18 Mosteiro da Batalha, Capela do Fundador, Exterior
  19. 19. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 19 Mosteiro da Batalha, Claustro
  20. 20. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 20 Mosteiro da Batalha, fachada
  21. 21. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 21 Mosteiro de Alcobaça, fachada
  22. 22. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 22 Mosteiro de Alcobaça nave principal
  23. 23. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 23 Mosteiro de Alcobaça, sala do capítulo
  24. 24. Arquitectura Gótica • Final do séc. XV – Apogeu (a sua verdadeira identidade) – Utilização de uma nova gramática decorativa - o Estilo Manuelino. – Manuelino • Não é um verdadeiro estilo mas uma arte feita de muitos estilos e influências - góticos flamejantes, platerescos e mudéjares. 24Prof. Carlos Vieira
  25. 25. Arquitectura Gótica • Estilo Manuelino – novo sentido ornamental • símbolos nacionais (esfera armilar, Cruz da Ordem de Cristo e o escudo nacional); • da fauna e da flora marítimas e terrestres (algas, corais, romãs, alcachofras, conchas); • natureza fantástica e imaginária (sereias, serpentes, monstros). 25Prof. Carlos Vieira
  26. 26. Arquitectura Gótica • Arquitectura Manuelina – aproximação do estilo das grandes catedrais europeias; – Interior: • os tectos das naves apresentam-se completamente abobadados; • maior verticalidade; • mais aberturas que conferem uma maior iluminação e noção de amplitude do espaço. – Exterior: • decorações mais exuberantes e profusas. 26Prof. Carlos Vieira
  27. 27. Prof. Carlos Vieira 27
  28. 28. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 28 Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa
  29. 29. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 29 Mosteiro dos Jerónimos, Claustro, Lisboa
  30. 30. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 30 Mosteiro dos Jerónimos, Abóbadas, Lisboa
  31. 31. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 31 Mosteiro dos Jerónimos, Interior, Lisboa
  32. 32. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 32 Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa
  33. 33. Arquitectura Gótica • Arquitectura militar: – Torres militares defensivas. – Decoração exterior: • pautada pelos símbolos nacionais. 33Prof. Carlos Vieira
  34. 34. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 34 Torre de Belém, Lisboa
  35. 35. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 35 Torre de Belém, Lisboa
  36. 36. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 36 Torre de Belém, Lisboa
  37. 37. Arquitectura Gótica • Arquitectura civil – O solar: • Casarão das famílias nobres, luxuoso e confortável, para a época; • Possuíam um aspecto austero, com pouca decoração exterior. – O palácio: • Residência dos nobres; • Eram edifícios de maiores dimensões e com decoração mais exuberante que os solares; • Possuíam quase sempre uma igreja. 37Prof. Carlos Vieira
  38. 38. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 38 Sempre Noiva, Arraiolos, Alentejo
  39. 39. Arquitectura Gótica Prof. Carlos Vieira 39 Palácio Nacional de Sintra
  40. 40. Escultura Gótica • Escultura – escultura decorativa e monumental: • ligada à decoração das igrejas; – estatuária tumular: • túmulos de reis e rainhas. • retrato idealizado do defunto, com expressões serenas e harmoniosas. 40Prof. Carlos Vieira
  41. 41. Escultura Gótica Túmulo de Dª Inês de Castro Mosteiro de Alcobaça 41Prof. Carlos Vieira
  42. 42. Escultura Gótica • Características – D. Inês é ladeada por 6 anjos que fazem menção de a erguer; – a arca, sustentada por figuras híbridas; – possuí encasamentos profusamente decorados, preenchidos: • nos flancos com cenas da vida da Virgem e de Cristo; • na cabeceira o Calvário • face dos pés o Juízo Final (de fonte iconográfica francesa); • remate em friso heráldico com escudos reais e de Castros, intercalados por duplos arcos maineladas. 42Prof. Carlos Vieira
  43. 43. Escultura Gótica Túmulo de Dª. Inês de Castro Juízo Final Mosteiro de Alcobaça 43Prof. Carlos Vieira
  44. 44. Escultura Gótica Túmulo de Pedro I Mosteiro de Alcobaça 44Prof. Carlos Vieira
  45. 45. Escultura Gótica • Características – D. Pedro a posição do jacente é mais estática e convencional, pousando os pés num lebreu; – A arca é sustentada por leões; – Os encasamentos laterais são preenchidos com cenas: • familiares cortesãs e cenas da vida de S. Bartolomeu, envovidas por rendilhados geométricos e vegetalistas; • na cabeceira uma rosácea dividida por 18 nichos concêntricos, historiados, figurando alegoricamente a Roda da Fortuna ou Roda da Vida com inscrição "ATÉ AO FIM DO MUNDO"; • aos pés 2 edículas figurando a Extrema Unção e a Beatificação; • remate em friso decorado com armas reais intercaladas por arcadas plenas maineladas 45Prof. Carlos Vieira
  46. 46. Escultura Gótica Túmulo de Pedro I pormenor Mosteiro de Alcobaça 46Prof. Carlos Vieira
  47. 47. Escultura Gótica Túmulo de Pedro I Roda da Vida Mosteiro de Alcobaça 47Prof. Carlos Vieira
  48. 48. Escultura Gótica 1 D. Inês acaricia um dos filhos; 2 O casal convive com os três filhos; 3 D. Inês e D. Pedro jogam xadrez; 4 Os dois amantes mostram-se em terno convívio; 5 D. Inês subjuga uma figura prostrada no chão; 6 D. Pedro sentado num grandioso trono; 7 D. Inês apanhada de surpresa pelos assassinos enviados pelo rei D. Afonso IV; 8 D. Inês desmascarando um dos seus assassinos; 9 Degolação de D. Inês; 10 D. Inês já morta; 11 Castigo dos assassinos de Inês; 12 D. Pedro I envolto numa mortalha. 48Prof. Carlos Vieira
  49. 49. Escultura Gótica I D. Inês sentada à esquerda de D. Pedro (por ainda não estarem casados); II O casal troca de posição (D. Inês sentada à direita de D. Pedro, o que indica que já estão casados); III D. Pedro e D. Inês sentados lado a lado parecendo um retrato oficial; IV D. Afonso IV a expulsar (por apontar do dedo) Inês do reino; V D. Inês repele um homem que parece ser de novo D. Afonso IV; VI D. Pedro e D. Inês prostrados no chão subjugados pela figura híbrida da Fortuna que segura com as mãos a roda. 49Prof. Carlos Vieira
  50. 50. Escultura Gótica Túmulo de D. João I e Filipa de Lencastre Capela do Fundador Mosteiro da Batalha 50Prof. Carlos Vieira

×