O Românico em Portugal O Românico em Portugal
A arquitetura religiosa
A introdução em Portugal <ul><li>A arquitectura românica foi introduzida em Portugal no início do  séc. XII  e prevaleceu ...
Características <ul><li>A  igreja românica , símbolo da espiritualidade da época, esteve ligada a uma ordem religiosa, a u...
Características <ul><li>Apenas em cidades como o  Porto ,  Braga ,  Coimbra ,  Tomar ,  Évora  e  Lisboa  é que as constru...
Características <ul><li>Os  materiais  usados nas construções religiosas, civis e militares foram as existentes em cada re...
Características <ul><li>grande sobriedade e austeridade, a nível formal e decorativo </li></ul><ul><li>uma única nave com ...
Características Igreja de S. Gens de Boelhe, Penafiel <ul><li>aplicação de cachorrada na cornijas </li></ul><ul><li>cobert...
Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Bacias dos rios Minho e Lima </li></ul>Igreja de S. Cristóvão de Rio ...
Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Braga </li></ul>Igreja de S. Pedro de Rates Igreja de Barcelos
Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Porto </li></ul>Igreja da Cedofeita Igreja de São Pedro de Roriz
Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Coimbra </li></ul>Sé Velha Igreja de S. Tiago
Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Lisboa e Tejo </li></ul>Sé de Lisboa Igreja de Santa Maria do Olival,...
A arquitetura civil e militar
Castelos com residência <ul><li>possuíam uma sólida construção castrense, com aparelho de cantaria lavrado, tendo no seu i...
Castelos-refúgio <ul><li>principal  função:  acolher os povos em perigo </li></ul><ul><li>construídos em sítios estratégic...
Arquitetura civil <ul><li>A  Domus Municipalis de Bragança  era usada como  local de reuniões  e possuia um sistema recole...
<ul><li>FIM </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

4.romanicoem portugal

4.747 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.747
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.658
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

4.romanicoem portugal

  1. 1. O Românico em Portugal O Românico em Portugal
  2. 2. A arquitetura religiosa
  3. 3. A introdução em Portugal <ul><li>A arquitectura românica foi introduzida em Portugal no início do séc. XII e prevaleceu até finais do séc. XIII </li></ul><ul><li>O quadro social, económico e político em que se desenvolveu foi idêntico ao dos outros países europeus, com o acréscimo da afirmação de indepedência do território </li></ul>Mosteiro de Bravães, Ponte da Barca
  4. 4. Características <ul><li>A igreja românica , símbolo da espiritualidade da época, esteve ligada a uma ordem religiosa, a um mosteiro ou instalada no seio de uma comunidade agrícola. </li></ul><ul><li>Por conseguinte, o Românico português possui características fortemente rurais e está ligado à construção de igrejas de reduzidas dimensões , que dependendo da região, se revestiam de maior ou menor qualidade técnica e exuberância formal e decorativa. </li></ul>Igreja de São Cristóvão de Rio Mau ´séc. XII
  5. 5. Características <ul><li>Apenas em cidades como o Porto , Braga , Coimbra , Tomar , Évora e Lisboa é que as construções, as sés , se revestiram de maior monumentalidade e possuíam grande riqueza e variedade técnica e formal , bastante parecidas com as catedrais europeias. </li></ul><ul><li>Estas cidades e os mosteiros tornaram-se os principais focos difusores da arte românica em Portugal </li></ul>Sé Velha de Coimbra
  6. 6. Características <ul><li>Os materiais usados nas construções religiosas, civis e militares foram as existentes em cada região: </li></ul><ul><ul><li>no Norte do país foi empregue o granito; </li></ul></ul><ul><ul><li>no Centro o calcário; </li></ul></ul><ul><ul><li>e no Sul o tijolo e a taipa. </li></ul></ul>Igreja de S. Pedro de Rates
  7. 7. Características <ul><li>grande sobriedade e austeridade, a nível formal e decorativo </li></ul><ul><li>uma única nave com cabeceira em abside redonda ou quadrangular </li></ul><ul><li>grande sobriedade e austeridade, a nível formal e decorativo </li></ul><ul><li>utilização do arco de volta perfeita </li></ul>Igreja de São Martinho de Cedofeita, Porto, séc. XII
  8. 8. Características Igreja de S. Gens de Boelhe, Penafiel <ul><li>aplicação de cachorrada na cornijas </li></ul><ul><li>cobertura com um telhado de duas águas </li></ul><ul><li>robustez (paredes grossas, contrafortes salientes e uso da pedra aparelhada) </li></ul>
  9. 9. Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Bacias dos rios Minho e Lima </li></ul>Igreja de S. Cristóvão de Rio Mau, Vila do Conde Igreja de S. Salvador de Bravães
  10. 10. Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Braga </li></ul>Igreja de S. Pedro de Rates Igreja de Barcelos
  11. 11. Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Porto </li></ul>Igreja da Cedofeita Igreja de São Pedro de Roriz
  12. 12. Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Coimbra </li></ul>Sé Velha Igreja de S. Tiago
  13. 13. Principais focos difusores do românico rural <ul><li>Lisboa e Tejo </li></ul>Sé de Lisboa Igreja de Santa Maria do Olival, Tomar
  14. 14. A arquitetura civil e militar
  15. 15. Castelos com residência <ul><li>possuíam uma sólida construção castrense, com aparelho de cantaria lavrado, tendo no seu interior uma residência; </li></ul><ul><li>apresentavam um aspeto robusto pelo carácter defensivo que possuíam. </li></ul>Castelo de Pombal, Leiria Castelo de Guimarães
  16. 16. Castelos-refúgio <ul><li>principal função: acolher os povos em perigo </li></ul><ul><li>construídos em sítios estratégicos como locais rochosos e propícios </li></ul><ul><li>não se encontravam muito afastados das povoações, para que a protecção fosse quase imediata. </li></ul>Castelo de Almourol Castelo de Tomar
  17. 17. Arquitetura civil <ul><li>A Domus Municipalis de Bragança era usada como local de reuniões e possuia um sistema recolector de água da chuva e uma cisterna para a armazenar. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>FIM </li></ul>

×